• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 69
  • Tagged with
  • 69
  • 69
  • 69
  • 21
  • 21
  • 20
  • 16
  • 14
  • 9
  • 9
  • 9
  • 8
  • 8
  • 8
  • 8
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Biopolítica em Giorgio Agambem : reflexão crítica sobre a legitimidade do Poder Soberano

Valerio, Raphael Guazzelli. 2011 (has links)
Orientador: Ricardo Monteagudo Banca: Edson Luís de Almeida Teles Banca: Luís Antônio Francisco de Souza Resumo: Pretende-se mapear o conceito de biopolítica na obra do filósofo italiano Giorgio Agamben, mais precisamente em seu trabalho de 1995, inaugurador da série Homo Sacer, cujo título leva o mesmo nome: Homo Sacer: O Poder Soberano e a Vida Nua. Valendo-se do pensamento de Michel Foucault e Hannah Arendt de um lado, e Walter Benjamin e Carl Schmitt de outro, Agamben faz recuar o conceito de biopolítica às fundações da política ocidental. Importa mostrar como estrutura, lógica e topologia de funcionamento a biopolítica anima as relações políticas desde seu fundamento e que a modernidade foi capaz de desvelar, transformando radicalmente os espaços políticos contemporâneos. É sabido que este conceito foi forjado por Foucault e que em seu pensamento ele funciona como uma modalidade de poder, porém em Agamben ele aparece de forma central, algo como um conceito base de onde emergirão outros quatro: homo sacer, poder soberano, estado de exceção e campo de concentração. A política moderna, ao suscitar um permanente estado de exceção, isola e produz a mera vida e toma para si o direito de administrá-la. Nesta estrutura de funcionamento temos como paradigma de espaço político o campo de concentração Abstract: It is intended to map the concept of biopolitics in the work of Italian philosopher Giorgio Agamben, specifically his work in 1995, Homo Sacer inaugurate the series, whose title bears the same name: Homo Sacer: Sovereign Power and Bare Life. Drawing on the thought of Michel Foucault and Hannah Arendt on the one hand, and Walter Benjamin and Carl Schmitt on the other, Agamben is the concept of biopolitics back the foundations of western politics. It should show how the structure, logic, topology and function animates the biopolitical relations policies since its foundation and that modernity was able to uncover, radically transforming political spaces contemporaries. It is known that this concept was coined by Foucault in his thinking and that it functions as a form of power, but it appears in Agamben centrally, something like a basic concept from which emerge four: homo sacer, sovereign power, status exception and a concentration camp. Modern politics by raising a permanent state of exception and produces a mere isolated life and takes to itself the right to manage it, we have this structure functioning as a paradigm of political space the concentration camp Mestre
2

Reflexões sobre a 'criação histórica' e a democracia a partir de Claude Lefort e de Cornelius Castoriadis

Azevedo, Alba Cristina Cardoso de 24 February 1984 (has links)
Submitted by Estagiário SPT BMHS (spt@fgv.br) on 2012-02-17T12:24:30Z No. of bitstreams: 1 000061140.pdf: 35891404 bytes, checksum: 40b444383654d94159814494287e2d67 (MD5) Made available in DSpace on 2012-02-17T12:25:18Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000061140.pdf: 35891404 bytes, checksum: 40b444383654d94159814494287e2d67 (MD5) Previous issue date: 1984 This dissertation consistis in a study about the questions of history and democracy beginning from the thoughts of Claude Lefort and Cornelius Castoriadis. Linked to the examination of democracy makes us 'think the political' in a distinct perspective than the one referring to the political science and sociology fields. Fields in which the political is treated as something that can be understood starting from a previous and exhaustive knowledge about the social and political processes. Reflecting about the question of history and democracy means, in this sense, conceiving the distinction between political and the politics as something which takes us to a 'singular way' of relationship between men and the 'explicit power' in a society. This way implies, by its turn, the existence of a society in which the politics is acknowledged as an activity that may educate citizens while effective 'free and responsible' individuals. Esta dissertação consiste num estudo acerca das questões da história e da democracia a partir do pensamento de Claude Lefort e de Cornelius Castoriadis. Vinculado ao exame da questão da história, o estudo da questão da democracia, nos faz 'pensar o político' numa perspectiva distinta daquela referente aos campos da ciência e da sociologias políticas. Campos nos quais o político é tratado como algo que pode ser apreendido a partir de um saber prévio e exaustivo sobre os processos políticos e sociais. Refletir sobre a questão da história e da democracia significa, nesse sentido, conceber a distinção entre o político e a política enquanto algo que nos remete à uma 'maneira singular' de relacionamento entre os homens e o 'poder explícito' na sociedade. Maneira essa que pressupõe, por sua vez, a existência de uma sociedade na qual a política é reconhecida como uma atividade que pode educar cidadãos enquanto indivíduos efetivamente 'livres e responsáveis'.
3

Biopolítica em Giorgio Agambem: reflexão crítica sobre a legitimidade do Poder Soberano

Valerio, Raphael Guazzelli [UNESP] 1 October 2011 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-11T19:26:20Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2011-10-01Bitstream added on 2014-06-13T20:54:38Z : No. of bitstreams: 1 valerio_rg_me_mar.pdf: 626239 bytes, checksum: 836c115e2860a337908c2489d098791b (MD5) Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) Pretende-se mapear o conceito de biopolítica na obra do filósofo italiano Giorgio Agamben, mais precisamente em seu trabalho de 1995, inaugurador da série Homo Sacer, cujo título leva o mesmo nome: Homo Sacer: O Poder Soberano e a Vida Nua. Valendo-se do pensamento de Michel Foucault e Hannah Arendt de um lado, e Walter Benjamin e Carl Schmitt de outro, Agamben faz recuar o conceito de biopolítica às fundações da política ocidental. Importa mostrar como estrutura, lógica e topologia de funcionamento a biopolítica anima as relações políticas desde seu fundamento e que a modernidade foi capaz de desvelar, transformando radicalmente os espaços políticos contemporâneos. É sabido que este conceito foi forjado por Foucault e que em seu pensamento ele funciona como uma modalidade de poder, porém em Agamben ele aparece de forma central, algo como um conceito base de onde emergirão outros quatro: homo sacer, poder soberano, estado de exceção e campo de concentração. A política moderna, ao suscitar um permanente estado de exceção, isola e produz a mera vida e toma para si o direito de administrá-la. Nesta estrutura de funcionamento temos como paradigma de espaço político o campo de concentração It is intended to map the concept of biopolitics in the work of Italian philosopher Giorgio Agamben, specifically his work in 1995, Homo Sacer inaugurate the series, whose title bears the same name: Homo Sacer: Sovereign Power and Bare Life. Drawing on the thought of Michel Foucault and Hannah Arendt on the one hand, and Walter Benjamin and Carl Schmitt on the other, Agamben is the concept of biopolitics back the foundations of western politics. It should show how the structure, logic, topology and function animates the biopolitical relations policies since its foundation and that modernity was able to uncover, radically transforming political spaces contemporaries. It is known that this concept was coined by Foucault in his thinking and that it functions as a form of power, but it appears in Agamben centrally, something like a basic concept from which emerge four: homo sacer, sovereign power, status exception and a concentration camp. Modern politics by raising a permanent state of exception and produces a mere isolated life and takes to itself the right to manage it, we have this structure functioning as a paradigm of political space the concentration camp
4

Responsabilidade política : um conceito a partir da obra de Hannah Arendt

Normando, Priscilla Cavalcante 13 July 2012 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Filosofia, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, 2012. Submitted by Albânia Cézar de Melo (albania@bce.unb.br) on 2012-11-09T11:49:49Z No. of bitstreams: 1 2012_PriscillaCavalcanteNormando.pdf: 685690 bytes, checksum: e07e187e73fb3aad5ea46cf685553971 (MD5) Approved for entry into archive by Guimaraes Jacqueline(jacqueline.guimaraes@bce.unb.br) on 2012-11-09T12:39:00Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2012_PriscillaCavalcanteNormando.pdf: 685690 bytes, checksum: e07e187e73fb3aad5ea46cf685553971 (MD5) Made available in DSpace on 2012-11-09T12:39:00Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2012_PriscillaCavalcanteNormando.pdf: 685690 bytes, checksum: e07e187e73fb3aad5ea46cf685553971 (MD5) O presente texto estuda algumas ideias sobre a questão da responsabilidade coletiva, entendida como uma categoria política e uma espécie de categoria limítrofe entre a política e a ética. Em especial, são tratadas as argumentações e análises realizadas por Hannah Arendt a respeito do tema. Ao tratar de tal assunto a autora suscita as relações entre comunidade e responsabilidade, estabelecendo uma espécie de conceito de responsabilidade política: a responsabilidade coletiva e a responsabilidade com o que é coletivo. Dividida em três partes, a dissertação procura reconstruir as categorias elaboradas por Hannah Arendt e como elas fundamentam o conceito de responsabilidade coletiva como uma noção de dimensões políticas e não legal ou moral, o qual permeia o conjunto da obra arendtiana.
5

Linguagem e política no pensamento de Avram Noam Chomsky

Reis, Leonardo Borges. 2010 (has links)
Orientador: Ricardo Monteagudo Banca: Maria Eunice Quilici Gonzalez Banca: Vladimir Pinheiro Safatle Resumo: O presente trabalho procura investigar as concepções políticas da filosofia da linguagem de Noam Chomsky. Através da construção do conceito de natureza humana, desenvolvido pelo lingüista (modelo sugestivo), há uma importante mediação entre linguagem e política. A metodologia de Chomsky constitui um vigoroso esforço para construir a mediação da ação humana, relacionada com o socialismo e a liberdade. A linguagem, ligada ao conhecimento humano, espelha propriedades essenciais do espírito. A reflexão epistemológica suscitada pela análise da linguagem, apesar de seus contrapontos técnicos, a exemplo da ciência lingüística, alimenta uma abrangência filosófica que se ramifica nos campos da ética, da filosofia política e estética, chegando até mesmo a uma teoria social. Assim, Chomsky propõe um princípio auto-realizador criativo, inerente à espécie Abstract: The present work attempts to investigate the political conceptions of Noam Chomsky's philosophy of language. Through construction of human nature concept developed by the linguist (suggestive model), there is an important mediation between language and politics. Chomsky's methodology constitutes a vigorous effort to build a mediation of human action related to the socialism and to the freedom. The language linked to human knowledge reflects the essential properties of the spirit. The epistemological reflection raised by the analysis of language, despite its technical counterpoints, such as the linguistic science, feeds a philosophical range with ramifications in the fields of ethics, political philosophy and aesthetics, even coming to a social theory. Thus, Chomsky proposes a principle of creative self-realization as inherent to the species Mestre
6

Aporias da justiça : entre Habermas e Rawls

Quintanilha, Flávia Renata. 2011 (has links)
Orientador: Clélia Aparecida Martins Banca: Bianco Zalmora Garcia Banca: Ricardo Monteagudo Resumo: Ao abordarmos o tema justiça e democracia, o fazemos com base em John Rawls e Jürgen Habermas, filósofos que figuram de maneira expressiva no debate contemporâneo sobre o tal tema. John Rawls entende que o problema da democracia atual está na dificuldade de acordo sobre como as instituições básicas da sociedade devem ser organizadas para se atingir o respeito à liberdade e à igualdade de seus cidadãos, em outras palavras, como é possível conciliar a liberdade e a igualdade de pessoas morais a fim de que se satisfaça equitativamente a cultura pública existente na democracia a qual eles pertencem. Para tanto, Rawls apresenta uma teoria de justiça, pautada em princípios básicos que irão instituir uma sociedade bem-ordenada, possibilitando que se atinja um sistema de cooperação equitativa entre seus cidadãos. Habermas que, em sua acepção de justiça, também tenta solucionar em certa medida os mesmos problemas apresentados pelo sistema capitalista, compartilha das ideias apresentadas pela teoria rawlsiana no que concerne a seus resultados essenciais, mas não se abstém de tecer considerações críticas acerca de pontos fundamentais da teoria de justiça de Rawls. Nossa dissertação tem como objetivo, diante da análise da concepção política de justiça atual, delinear o debate entre ambos e expor as possíveis aporias decorrentes desse debate Abstract: In broaching the issue of justice and democracy, we draw upon John Rawls and Jürgen Habermas, philosophers appearing in an expressive way in the contemporary debate on these topics. John Rawls believes that the problem of democracy today lies in the difficulty in agreement on how the fundamental institutions of society should be organised in order to achieve respect for the freedom and equality of its citizens, in other words, how is it possible to reconcile the freedom and equality of moral people in order to equitably meet the existent public culture in the democracy to which they belong. Therefore, Rawls presents a theory of justice established on basic principles that will found a well-ordered society, thereby making it possible to achieve a system of equitable cooperation between its citizens. Habermas, who in his sense of justice also tries to resolve to some extent the same problems presented by the capitalist system, shares Rawls's ideas when it comes to their essential results, but does not abstain from critical considerations about fundamental points of Rawls's theory of justice. Through the analysis of the present political conception of justice, this dissertation aims at outlining the debate between both and expose the possible aporias arising from this discussion Mestre
7

A dialética entre arte e política na filosofia de Herbert Marcuse

Sene, Vinícius França de. 2016 (has links)
Orientador: Paulo César Rodrigues Banca: Sinésio Ferraz Bueno Banca: Alonso Bezerra de Carvalho Resumo: Emerge, da inquietação por pesquisar a dialética entre arte e política, na obra de Herbert Marcuse, a presente dissertação. Entende-se que as divergências entre estética e política assimilem alterações, ao longo de seu percurso filosófico; interessa-nos, pois, inicialmente, investigar a importância da dialética e o seu poder de negatividade, cujo conceito marca-se por raízes hegelianas e marxianas. Haja vista a compreensão do conceito de negatividade, o filósofo projeta a necessidade de transformação: tanto da subjetividade humana, como - e por consequência - da sociedade. Marcuse infere, observada a temática sobredita, que, mediante o desenvolvimento racional do aparato técnico-científico, os homens consolidam as condições para tais mudanças; espera-se, todavia, deles, que tenham consciência da referida necessidade, a fim de que os mecanismos sejam aplicados no plano da realidade. A alteração na relação homem-trabalho, portanto, bem como o desenvolvimento da nova sensibilidade possibilitarão a conquista da emancipação e, por meio desta, torna-se real a chance de transformação. This work emerges from restlessness to search the dialectic between art and politics, in the work of Herbert Marcuse. It is understood that the differences between aesthetics and politics assimilate changes along its philosophical journey; interests us because initially investigate the importance of dialectics and its power of negativity, whose concept is marked by Hegelian and Marxian roots. Given the understanding of the concept of negativity, the philosopher projects the need for transformation: both human subjectivity, as - and consequently - of society. Marcuse infers, subject to the aforesaid issue, which, through the rational development of technical and scientific apparatus, men consolidate the conditions for such changes; it is expected, however, those who are aware of that need, so that the mechanisms are applied in the plane of reality. The change in man-labor relationship, therefore, as well as the development of new awareness will enable the achievement of emancipation and, through this, it becomes real chance of transformation. Mestre
8

A tolerância como um valor central na configuração das instituições e práticas das relações internacionais da modernidade

Spode, Raphael 2007 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Relações Internacionais, 2007. Submitted by Natália Cristina Ramos dos Santos (nataliaguilera3@hotmail.com) on 2009-10-15T18:58:32Z No. of bitstreams: 1 Dissert_Raphael Spode.pdf: 4401349 bytes, checksum: 93d54d79b16e871d6cde84e90059cbee (MD5) Approved for entry into archive by Gomes Neide(nagomes2005@gmail.com) on 2010-06-01T20:12:00Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Dissert_Raphael Spode.pdf: 4401349 bytes, checksum: 93d54d79b16e871d6cde84e90059cbee (MD5) Made available in DSpace on 2010-06-01T20:12:00Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Dissert_Raphael Spode.pdf: 4401349 bytes, checksum: 93d54d79b16e871d6cde84e90059cbee (MD5) Previous issue date: 2007 Esta dissertação analisa a tolerância como um valor político e social para sugerir, em sua hipótese central, que este valor pode ser considerado um elemento central na configuração e na construção de instituições e práticas das relações internacionais da modernidade. O estudo, de caráter essencialmente doutrinário e histórico, consistiu na observação de como a questão da tolerância evoluiu dentro do ambiente filosófico e dos acontecimentos que cercaram as guerras religiosas nos séculos XVI e XVII, que culminaram com a assinatura dos Tratados de Westphalia e que são considerados como marco no surgimento das instituições e práticas das relações internacionais da modernidade. _________________________________________________________________________________ ABSTRACT This dissertation discusses tolerance as a social and political value and how it became a real driving force in shaping modern international relations institutions and practices. The research was based on historical and philosophical approach to the process of development of the concept of tolerance in the XVI and XVII centuries. The dissertation argues that tolerance had played a central role in coping with religious wars in Europe and also to achieve Westphalian Peace which is considered as a true landmark in the process of forming basic patterns of modern international relations.
9

O elogio da política : práxis e autonomia no pensamento de Cornelius Castoriadis

Rotolo, Tatiana de Macedo Soares 12 December 2011 (has links)
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciência Política, 2011. Submitted by Tania Milca Carvalho Malheiros (tania@bce.unb.br) on 2012-03-20T13:28:26Z No. of bitstreams: 1 2011_TatianaMacedoSoaresRotolo.pdf: 1433227 bytes, checksum: fd34bc3cdf161ed3abfc509109558ccd (MD5) Approved for entry into archive by Marília Freitas(marilia@bce.unb.br) on 2012-03-21T13:05:00Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2011_TatianaMacedoSoaresRotolo.pdf: 1433227 bytes, checksum: fd34bc3cdf161ed3abfc509109558ccd (MD5) Made available in DSpace on 2012-03-21T13:05:00Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2011_TatianaMacedoSoaresRotolo.pdf: 1433227 bytes, checksum: fd34bc3cdf161ed3abfc509109558ccd (MD5) Esta pesquisa se dedica a investigar as noções de práxis e autonomia na filosofia política de Cornelius Castoriadis. Partimos da idéia de que uma interrogação acerca da práxis humana constitui o cerne fundamental das idéias de Castoriadis, presente tanto nos trabalho de juventude como também nos textos de maturidade. Contudo, não podemos desvincular a práxis da autonomia. Para ele, a ação humana visa à autonomia, e sendo assim, abordar a primeira nos remete a elucidação da segunda. A realidade, para ele, se constitui de uma criação imaginária que dá sentido à vida humana como um todo. O trabalho da ação humana está em reconhecer a fonte imaginária com seu elo fundamental, e deste modo, proceder a crítica e o questionamento constante do real. È justamente isto que significa autonomia para nosso autor: dar a si as próprias leis e normas. Ou seja, o sentido pleno da práxis é o alcance da autonomia. Tal relação surge desde os textos de juventude de Castoriadis, passando pela ruptura com o marxismo e encontrando na especulação filosófica seu ponto alto. Portanto, as ligações entre práxis e autonomia formam o eixo no qual a obra de Castoriadis como um todo se fundamenta. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT This research aims to investigate the notions of praxis and autonomy in the political philosophy of Cornelius Castoriadis. It begins with the notion that the examination of human praxis is the fundamental core of Castoriadis's ideas, present in both his work as a youth and his later mature writings. However, praxis and autonomy cannot be separated. To him, human action implies autonomy, and therefore addressing the former naturally leads to an elucidation of the latter. To Castoriadis, reality is constituted by an imaginary creation that gives meaning to human life as a whole. The role of human action is to acknowledge the fundamental link with its imaginary source, and therefore to carry out constant criticism and questioning of reality. This is precisely what he means by autonomy: providing oneself with a set of laws and norms. Or in other words, the full meaning of praxis is the achievement of autonomy. Marxism and works towards a higher level based on philosophical speculation. Thus, the links between practice and autonomy form the axis on which the work of Castoriadis as a whole is founded.
10

Genealogia e biopoder :

Sanches Junior, Carlos Alberto. 2012 (has links)
Orientador: Luís Antônio Francisco de Souza Banca: José Geraldo Poker Banca: Camila Caldeira Nunes Dias Resumo: Os anos de 1974 a 1976 são marcados pela entrada, no vocabulário de Michel Foucault, dos neologismos biopoder e biopolítica. Estes termos despontam num momento decisivo de seu procedimento genealógico de análise: influenciado pelas leituras crítica de Nietzsche, ele passa a colocar em foco o processo multifacetado pelo qual, na modernidade, a dimensão biológica da vida humana entra nos cálculos de um poder que se exerce microcapilarmente. Esquadrinhado como "máquina" ou como "espécie", o corpo do sujeito passa a ser o ponto que concentra os esforços das tecnologias e racionalidades governamentais. Este trabalho busca mapear os elementos metodológicos característicos que permitiram a formulação genealógica do problema da relação entre vida e poder. A fim de destacar a importância das teses e princípios analíticos foucauldianos para um diagnóstico crítico do presente, serão apresentadas considerações e notas a partir da leitura de Giorgio Agamben e Peter Sloterdijk Abstract: The years 1974 to 1976 are marked by the entry of neologisms biopower and biopolitics in the vocabulary of Michel Foucault. These terms emerges in a decisive moment in his genealogical analysis procedure: affected by critical readings of Nietzsche, he put into focus the multifaceted process by which, in modernity, the biological dimension of human life enters the calculations of a power that is exercised by microcapillary means. Scanned as "machine" or as "species", the subject's body becomes the point that concentrates the efforts of governmental rationalities and technologies. This paper seeks to map some of the methodological elements that allow the genealogical formulation of the problem of the relation between life and power. In order to idicate the importance of Foucault's theories and analytical principles for a critical diagnosis of actuallity, it shall present considerations and notes from the reading and analysis of works of Giorgio Agamben and Peter Sloterdijk Mestre

Page generated in 0.0788 seconds