• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 57
  • Tagged with
  • 57
  • 57
  • 57
  • 24
  • 16
  • 16
  • 13
  • 13
  • 13
  • 11
  • 11
  • 7
  • 7
  • 7
  • 6
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Biopolítica em Giorgio Agambem : reflexão crítica sobre a legitimidade do Poder Soberano

Valerio, Raphael Guazzelli. 2011 (has links)
Orientador: Ricardo Monteagudo Banca: Edson Luís de Almeida Teles Banca: Luís Antônio Francisco de Souza Resumo: Pretende-se mapear o conceito de biopolítica na obra do filósofo italiano Giorgio Agamben, mais precisamente em seu trabalho de 1995, inaugurador da série Homo Sacer, cujo título leva o mesmo nome: Homo Sacer: O Poder Soberano e a Vida Nua. Valendo-se do pensamento de Michel Foucault e Hannah Arendt de um lado, e Walter Benjamin e Carl Schmitt de outro, Agamben faz recuar o conceito de biopolítica às fundações da política ocidental. Importa mostrar como estrutura, lógica e topologia de funcionamento a biopolítica anima as relações políticas desde seu fundamento e que a modernidade foi capaz de desvelar, transformando radicalmente os espaços políticos contemporâneos. É sabido que este conceito foi forjado por Foucault e que em seu pensamento ele funciona como uma modalidade de poder, porém em Agamben ele aparece de forma central, algo como um conceito base de onde emergirão outros quatro: homo sacer, poder soberano, estado de exceção e campo de concentração. A política moderna, ao suscitar um permanente estado de exceção, isola e produz a mera vida e toma para si o direito de administrá-la. Nesta estrutura de funcionamento temos como paradigma de espaço político o campo de concentração Abstract: It is intended to map the concept of biopolitics in the work of Italian philosopher Giorgio Agamben, specifically his work in 1995, Homo Sacer inaugurate the series, whose title bears the same name: Homo Sacer: Sovereign Power and Bare Life. Drawing on the thought of Michel Foucault and Hannah Arendt on the one hand, and Walter Benjamin and Carl Schmitt on the other, Agamben is the concept of biopolitics back the foundations of western politics. It should show how the structure, logic, topology and function animates the biopolitical relations policies since its foundation and that modernity was able to uncover, radically transforming political spaces contemporaries. It is known that this concept was coined by Foucault in his thinking and that it functions as a form of power, but it appears in Agamben centrally, something like a basic concept from which emerge four: homo sacer, sovereign power, status exception and a concentration camp. Modern politics by raising a permanent state of exception and produces a mere isolated life and takes to itself the right to manage it, we have this structure functioning as a paradigm of political space the concentration camp Mestre
2

Linguagem e política no pensamento de Avram Noam Chomsky

Reis, Leonardo Borges. 2010 (has links)
Orientador: Ricardo Monteagudo Banca: Maria Eunice Quilici Gonzalez Banca: Vladimir Pinheiro Safatle Resumo: O presente trabalho procura investigar as concepções políticas da filosofia da linguagem de Noam Chomsky. Através da construção do conceito de natureza humana, desenvolvido pelo lingüista (modelo sugestivo), há uma importante mediação entre linguagem e política. A metodologia de Chomsky constitui um vigoroso esforço para construir a mediação da ação humana, relacionada com o socialismo e a liberdade. A linguagem, ligada ao conhecimento humano, espelha propriedades essenciais do espírito. A reflexão epistemológica suscitada pela análise da linguagem, apesar de seus contrapontos técnicos, a exemplo da ciência lingüística, alimenta uma abrangência filosófica que se ramifica nos campos da ética, da filosofia política e estética, chegando até mesmo a uma teoria social. Assim, Chomsky propõe um princípio auto-realizador criativo, inerente à espécie Abstract: The present work attempts to investigate the political conceptions of Noam Chomsky's philosophy of language. Through construction of human nature concept developed by the linguist (suggestive model), there is an important mediation between language and politics. Chomsky's methodology constitutes a vigorous effort to build a mediation of human action related to the socialism and to the freedom. The language linked to human knowledge reflects the essential properties of the spirit. The epistemological reflection raised by the analysis of language, despite its technical counterpoints, such as the linguistic science, feeds a philosophical range with ramifications in the fields of ethics, political philosophy and aesthetics, even coming to a social theory. Thus, Chomsky proposes a principle of creative self-realization as inherent to the species Mestre
3

Aporias da justiça : entre Habermas e Rawls

Quintanilha, Flávia Renata. 2011 (has links)
Orientador: Clélia Aparecida Martins Banca: Bianco Zalmora Garcia Banca: Ricardo Monteagudo Resumo: Ao abordarmos o tema justiça e democracia, o fazemos com base em John Rawls e Jürgen Habermas, filósofos que figuram de maneira expressiva no debate contemporâneo sobre o tal tema. John Rawls entende que o problema da democracia atual está na dificuldade de acordo sobre como as instituições básicas da sociedade devem ser organizadas para se atingir o respeito à liberdade e à igualdade de seus cidadãos, em outras palavras, como é possível conciliar a liberdade e a igualdade de pessoas morais a fim de que se satisfaça equitativamente a cultura pública existente na democracia a qual eles pertencem. Para tanto, Rawls apresenta uma teoria de justiça, pautada em princípios básicos que irão instituir uma sociedade bem-ordenada, possibilitando que se atinja um sistema de cooperação equitativa entre seus cidadãos. Habermas que, em sua acepção de justiça, também tenta solucionar em certa medida os mesmos problemas apresentados pelo sistema capitalista, compartilha das ideias apresentadas pela teoria rawlsiana no que concerne a seus resultados essenciais, mas não se abstém de tecer considerações críticas acerca de pontos fundamentais da teoria de justiça de Rawls. Nossa dissertação tem como objetivo, diante da análise da concepção política de justiça atual, delinear o debate entre ambos e expor as possíveis aporias decorrentes desse debate Abstract: In broaching the issue of justice and democracy, we draw upon John Rawls and Jürgen Habermas, philosophers appearing in an expressive way in the contemporary debate on these topics. John Rawls believes that the problem of democracy today lies in the difficulty in agreement on how the fundamental institutions of society should be organised in order to achieve respect for the freedom and equality of its citizens, in other words, how is it possible to reconcile the freedom and equality of moral people in order to equitably meet the existent public culture in the democracy to which they belong. Therefore, Rawls presents a theory of justice established on basic principles that will found a well-ordered society, thereby making it possible to achieve a system of equitable cooperation between its citizens. Habermas, who in his sense of justice also tries to resolve to some extent the same problems presented by the capitalist system, shares Rawls's ideas when it comes to their essential results, but does not abstain from critical considerations about fundamental points of Rawls's theory of justice. Through the analysis of the present political conception of justice, this dissertation aims at outlining the debate between both and expose the possible aporias arising from this discussion Mestre
4

A ordem política mundial : um diálogo entre Kant e Habermas

João Evanir Tescaro Júnior 26 June 2014 (has links)
Investiga a reconstrução do ideal de paz kantiano proposta por Habermas. Para tanto, revisita a ideia de paz de Kant a partir de considerações sobre sua filosofia da história. Examina as naturezas do interesse teórico e do interesse prático insertos na ideia de história kantiana, bem como a sua importância para a filosofia política de Kant. Na sequência, estuda como o progresso histórico da humanidade pode ser compreendido em progresso político e progresso moral. Analisa a ideia do direito e da sua efetivação como pressupostos da paz perpétua. Estuda a ideia de transição pacífica do estado de natureza para o estado civil tanto em âmbito nacional quanto internacional. Investiga as três condições positivas para a paz perpétua. Em um segundo momento, examina a ideia de reconstrução de Habermas e as suas premissas teóricas, uma vez que ela pauta a reformulação do ideal kantiano e a sua proposta de ordem política mundial. Em seguida, observa a reconstrução da tensão entre facticidade e validade do direito interno, a qual apresenta uma dimensão interna (conceitual) e outra externa (institucional). Examina como se dá a reconstrução conceitual do direito internacional e como é desenvolvida a leitura de Habermas da ideia de paz kantiana. Estuda a reconstrução institucional do sistema político internacional, denotando a proposta de política interna mundial sem governo mundial de Habermas e, ao final, defendendo que a sua estrutura proporciona o alívio de tensões internas à organização supranacional, afasta a suspeita de uso ideológico dos discursos pacifistas e humanitários e favorece formas de organização menos voluntariosas e com poder de sanção militar sem, contudo, degenerar em despotismo. Investigates the reconstruction of the Kantian ideal of peace proposed by Habermas. To do so, revisits the idea of peace of Kant from considerations about his philosophy of history. Examines the nature of theoretical interest and practical interest inserts Kantian in idea of history as well as its importance to the political philosophy of Kant. In the sequel, studies how the historical progress of mankind can be understood in political progress and moral progress. Examines the idea of law and its implementation as assumptions of perpetual peace. Studying the idea of peaceful transition from nature condition to the civil state both nationally and internationally. Investigates three positive conditions for perpetual peace. In a second part examines the idea of reconstruction of Habermas and his theoretical assumptions, since it guides the reformulation of the Kantian ideal and its proposed global political order. Then observe the reconstruction of the tension between facticity and validity of national law, which has an internal dimension (conceptual) and other external (institutional). Examines how is the conceptual reconstruction of international law and how it is developed reading Habermas's idea of Kantian peace. Studies the institutional reconstruction of the international political system, showing the proposed global domestic policy without world government of Habermas and at the end, arguing that its structure provides relief to the supranational organization of internal tensions, removes the suspected of ideological use of pacifist and humanitarian speeches and favors less dependents forms of organization and with military power to sanction without, however, degenerate into despotism.
5

Biopolítica em Giorgio Agambem: reflexão crítica sobre a legitimidade do Poder Soberano

Valerio, Raphael Guazzelli [UNESP] 1 October 2011 (has links)
Pretende-se mapear o conceito de biopolítica na obra do filósofo italiano Giorgio Agamben, mais precisamente em seu trabalho de 1995, inaugurador da série Homo Sacer, cujo título leva o mesmo nome: Homo Sacer: O Poder Soberano e a Vida Nua. Valendo-se do pensamento de Michel Foucault e Hannah Arendt de um lado, e Walter Benjamin e Carl Schmitt de outro, Agamben faz recuar o conceito de biopolítica às fundações da política ocidental. Importa mostrar como estrutura, lógica e topologia de funcionamento a biopolítica anima as relações políticas desde seu fundamento e que a modernidade foi capaz de desvelar, transformando radicalmente os espaços políticos contemporâneos. É sabido que este conceito foi forjado por Foucault e que em seu pensamento ele funciona como uma modalidade de poder, porém em Agamben ele aparece de forma central, algo como um conceito base de onde emergirão outros quatro: homo sacer, poder soberano, estado de exceção e campo de concentração. A política moderna, ao suscitar um permanente estado de exceção, isola e produz a mera vida e toma para si o direito de administrá-la. Nesta estrutura de funcionamento temos como paradigma de espaço político o campo de concentração It is intended to map the concept of biopolitics in the work of Italian philosopher Giorgio Agamben, specifically his work in 1995, Homo Sacer inaugurate the series, whose title bears the same name: Homo Sacer: Sovereign Power and Bare Life. Drawing on the thought of Michel Foucault and Hannah Arendt on the one hand, and Walter Benjamin and Carl Schmitt on the other, Agamben is the concept of biopolitics back the foundations of western politics. It should show how the structure, logic, topology and function animates the biopolitical relations policies since its foundation and that modernity was able to uncover, radically transforming political spaces contemporaries. It is known that this concept was coined by Foucault in his thinking and that it functions as a form of power, but it appears in Agamben centrally, something like a basic concept from which emerge four: homo sacer, sovereign power, status exception and a concentration camp. Modern politics by raising a permanent state of exception and produces a mere isolated life and takes to itself the right to manage it, we have this structure functioning as a paradigm of political space the concentration camp
6

O fundamento antropológico da vontade geral em Rousseau The anthropological basis of general will in Rousseau

Marisa Alves Vento 2013 (has links)
Resumo: A pesquisa apresentada compreende a antropologia rousseauniana, abrangendo desde as investigações sobre o homem e a sua natureza originária até a idealização, no campo político, de uma sociedade fundada sobre a vontade legítima de cada cidadão que a compõe. O objetivo que se impôs alcançar está ancorado no pressuposto de que os princípios antropológicos estabelecidos por Rousseau no Segundo Discurso norteiam o seu pensamento político. Assim, busca-se demonstrar que uma das noções cruciais da sua filosofia política, a vontade geral, tem como fundamento o princípio antropológico do amor de si. Entretanto, para derivar a vontade geral do amor de si, interpretando-a como a vontade que o indivíduo tem pelo todo porque o considera como a si mesmo, é importante compreender como Rousseau justifica e relaciona a existência e a prevalência desse sentimento de preferência por si mesmo com a extrema exigência ética, expressa pela conformação da vontade particular do indivíduo à vontade geral do Estado. A compreensão desse componente primordial da natureza individual exige examinar, mais profundamente, a concepção de indivíduo e o papel específico que o princípio do amor de si desempenha na estruturação da identidade individual. Isto permitirá considerar a pertinência de, por um lado, apontar o amor de si como o vetor do desenvolvimento do indivíduo, e de outro, admitir a possibilidade de que ele constitua o liame social da ordem política legítima, uma vez que permite ao indivíduo buscar seu bem-estar sem se opor a outrem. Em decorrência da primazia desse princípio, a noção de interesse se mostra nuclear no pensamento de Rousseau, pois se apresenta como único objeto possível da vontade. Pretende-se mostrar como a temática do interesse, resultante dos desdobramentos das noções de amor de si e amor próprio, é retomada por Rousseau, que dá a ela uma nova direção e a requalifica segundo uma lógica própria, a lógica de imanência. Nessa perspectiva, a noção de interesse, vista por Rousseau como o bem do ser que deseja, passa a ser uma relação que ganha sua força no ser do indivíduo que, a partir da sua relação consigo mesmo, estabelece a relação com outro e com o mundo. Desse modo, acredita-se que a articulação entre as noções de indivíduo (movido pelo amor de si), interesse (de ser) e vontade geral possa dar conta da possível unidade de interesse do corpo político com o interesse particular de cada indivíduo, o que forma o corolário da vontade geral. Abstract: The present research comprises Rousseau's anthropology, ranging from investigations about man and his original nature to an idealization, in the political field, of a society founded on the legitimate will of every citizen who composes it. The goal proposed is based on the assumption that the anthropological principles established by Rousseau in his Second Discourse guided his political thought. Thus, we seek to demonstrate that the crucial notion to his politics, the notion of general will, is based on the anthropological principle of amour de soi. However, in order to derive the general will from this love by interpreting it as the will that the individual has towards the whole because he feels it as himself, it is important to understand how Rousseau justifies and relates the existence and prevalence of this feeling of preference for itself to the extreme ethical requirement expressed by the particular conformation of the will of the individual to the general will of the State. Understanding this primary componentof the nature of the individual requires a deep look into the concept of the individual and the specific role that the principle of amour de soi plays in the structuring of individual identity. This will permit to consider the relevance, on the one hand, of pointing the amour de soi as the vector of development of the individual, and on the other, of admitting the possibility that it constitutes the social bond of the legitimate political order. Because of the primacy of this principle, the notion of interest appears as the core of Rousseau's thought, because it presents itself as the only possible object of desire. I intended to show how the topic of interest follows the developments of the amour de soi and amour-propre notion's and how Rousseau covers this notion requalifying and redirecting it according to its own logic, the logic of immanence. In this perspective, the notion of interest, that Rousseau sees as the good of the being who desires, becomes a relationship which gains its strength in the being of the individual who, from his relationship with himself, establishes a relationship with others and with the world. In this way, by articulating the notions of individual, amour de soi (interest) and general will, I intended to account for the possible unity of interest of the body political with the private interest of every individual, which forms the corollary of general wil.
7

A dialética entre arte e política na filosofia de Herbert Marcuse

Sene, Vinícius França de. 2016 (has links)
Orientador: Paulo César Rodrigues Banca: Sinésio Ferraz Bueno Banca: Alonso Bezerra de Carvalho Resumo: Emerge, da inquietação por pesquisar a dialética entre arte e política, na obra de Herbert Marcuse, a presente dissertação. Entende-se que as divergências entre estética e política assimilem alterações, ao longo de seu percurso filosófico; interessa-nos, pois, inicialmente, investigar a importância da dialética e o seu poder de negatividade, cujo conceito marca-se por raízes hegelianas e marxianas. Haja vista a compreensão do conceito de negatividade, o filósofo projeta a necessidade de transformação: tanto da subjetividade humana, como - e por consequência - da sociedade. Marcuse infere, observada a temática sobredita, que, mediante o desenvolvimento racional do aparato técnico-científico, os homens consolidam as condições para tais mudanças; espera-se, todavia, deles, que tenham consciência da referida necessidade, a fim de que os mecanismos sejam aplicados no plano da realidade. A alteração na relação homem-trabalho, portanto, bem como o desenvolvimento da nova sensibilidade possibilitarão a conquista da emancipação e, por meio desta, torna-se real a chance de transformação. This work emerges from restlessness to search the dialectic between art and politics, in the work of Herbert Marcuse. It is understood that the differences between aesthetics and politics assimilate changes along its philosophical journey; interests us because initially investigate the importance of dialectics and its power of negativity, whose concept is marked by Hegelian and Marxian roots. Given the understanding of the concept of negativity, the philosopher projects the need for transformation: both human subjectivity, as - and consequently - of society. Marcuse infers, subject to the aforesaid issue, which, through the rational development of technical and scientific apparatus, men consolidate the conditions for such changes; it is expected, however, those who are aware of that need, so that the mechanisms are applied in the plane of reality. The change in man-labor relationship, therefore, as well as the development of new awareness will enable the achievement of emancipation and, through this, it becomes real chance of transformation. Mestre
8

Genealogia e biopoder :

Sanches Junior, Carlos Alberto. 2012 (has links)
Orientador: Luís Antônio Francisco de Souza Banca: José Geraldo Poker Banca: Camila Caldeira Nunes Dias Resumo: Os anos de 1974 a 1976 são marcados pela entrada, no vocabulário de Michel Foucault, dos neologismos biopoder e biopolítica. Estes termos despontam num momento decisivo de seu procedimento genealógico de análise: influenciado pelas leituras crítica de Nietzsche, ele passa a colocar em foco o processo multifacetado pelo qual, na modernidade, a dimensão biológica da vida humana entra nos cálculos de um poder que se exerce microcapilarmente. Esquadrinhado como "máquina" ou como "espécie", o corpo do sujeito passa a ser o ponto que concentra os esforços das tecnologias e racionalidades governamentais. Este trabalho busca mapear os elementos metodológicos característicos que permitiram a formulação genealógica do problema da relação entre vida e poder. A fim de destacar a importância das teses e princípios analíticos foucauldianos para um diagnóstico crítico do presente, serão apresentadas considerações e notas a partir da leitura de Giorgio Agamben e Peter Sloterdijk Abstract: The years 1974 to 1976 are marked by the entry of neologisms biopower and biopolitics in the vocabulary of Michel Foucault. These terms emerges in a decisive moment in his genealogical analysis procedure: affected by critical readings of Nietzsche, he put into focus the multifaceted process by which, in modernity, the biological dimension of human life enters the calculations of a power that is exercised by microcapillary means. Scanned as "machine" or as "species", the subject's body becomes the point that concentrates the efforts of governmental rationalities and technologies. This paper seeks to map some of the methodological elements that allow the genealogical formulation of the problem of the relation between life and power. In order to idicate the importance of Foucault's theories and analytical principles for a critical diagnosis of actuallity, it shall present considerations and notes from the reading and analysis of works of Giorgio Agamben and Peter Sloterdijk Mestre
9

Da necessidade do legislador na obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau

Souza, Felipe Araújo de. 2015 (has links)
Orientador: Ricardo Monteagudo Banca: José Benedito de Almeida Junior Banca: Ana Maria Portich Resumo: A figura do Legislador na obra Do Contrato Social de Jean-Jacques Rousseau surge em meio a uma forma de legislação popular, sendo o povo o próprio Soberano e encarregado, por meio da vontade geral, de legislar para o próprio povo. Para tanto, este trabalho tem por objetivo analisar a definição que o autor dá ao Legislador, seus exemplos e a necessidade real para a existência deste Legislador. Posteriormente, analisaremos a utilidade para esta função recorrente na filosofia rousseauniana. Abstract: The figure of the Legislator in The Social Contract work of Jean-Jacques Rousseau comes amid a popular form of legislation, being the Sovereign own people and charge through the general will, to legislate for the people themselves. Therefore, this paper aims to examine the definition that the author gives to the legislator, his examples and the real need for the existence of this Legislator. Later, we will examine the usefulness for this recurring role in Rousseau's philosophy. Mestre
10

Construtivismo e reconstrutivismo : razão pública e autonomia no debate Rawls-Habermas

André Luiz da Silva 2011 (has links)
Pode-se dizer que uma das diferenças principais entre o liberalismo político e a teoria da ação comunicativa remete à reconstrução da tese kantiana da prioridade do justo sobre o bem. Vê-se, nas duas teorias, a tentativa de estabelecer uma neutralidade de procedimento diante da pluralidade de doutrinas abrangentes encontradas nas sociedades contemporâneas. Mas, para a possibilidade de uma neutralidade dos princípios de justiça, estabelecidos assim, John Rawls trata da idéia de um consenso sobreposto (overlapping consensus), com o qual justifica que uma concepção política da justiça pode ser aceita pelas diversas doutrinas abrangentes de uma sociedade bem ordenada. Por isso, para ele, seu liberalismo é político (I). Já Jürgen Habermas reconstrói a tese a partir de sua concepção de democracia. Para ele, o processo democrático é dominado por princípios gerais da justiça, e o procedimento ideal de Habermas é o da deliberação, que pressupõe uma associação que se julga capaz de regular de um modo imparcial as condições de convivência numa sociedade (II). Contudo, em textos mais recentes, Rawls acusa o modelo de Habermas de não ser, apesar de procedimental, estritamente político. Isto porque a teoria da ação comunicativa não abandona certo cognitivismo abrangente, de modo que sua neutralidade seja apenas ética. A defesa de Habermas passa pela aceitação dessa acusação e pela idéia de que a justificação pública só pode ser estabelecida em um procedimento intersubjetivo de deliberação (III). Assim, este trabalho pretende mostrar como as duas teorias justificam, em sociedades heterogêneas, os princípios que devam reger práticas e instituições políticas; e em que medida se distanciam e se aproximam. It can be said that one of the main differences between the political liberalism and the theory of the communicative action takes to the reconstruction of the kantian thesis about the priority of the right over the good. It is seen, in the two theories, the attempt to establish a neutrality of procedure facing the plurality of comprehensive doctrines found in the contemporaries societies. But, for the possibility of a neutrality of the principles of justice, established in this way, John Rawls deals with the idea of an overlapping consensus, with which he justifies that a political conception of justice can be accepted for the many comprehensive doctrines of a well-ordered society. Therefore, for him, his liberalism is political (I). In turn Jürgen Habermas reconstructs the thesis from his conception of democracy. For him, the democratic process is dominated by general principles of justice, and the ideal procedure of Habermas is the one of the deliberation, that estimates an association that judges itself capable to regulate in an impartial way the conditions of living together in a society (II). However, in more recent texts, Rawls accuses the Habermas's model not to be, although procedural, strict politician, he affirms that the theory of the communicative action does not abandon certain comprehensive cognitivism, leading to the idea that his neutrality is only ethical. The defense of Habermas passes for the acceptance of this accusation and for the idea that the public justification only can be established in an intersubjective procedure of deliberation (III). Thus, this work intends to show as the two theories justify, in heterogeneous societies, the principles that must prevail the practical and the political institutions and to show how they are moved away and approach.

Page generated in 0.0766 seconds