• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 439
  • 12
  • 7
  • 7
  • 7
  • 7
  • 4
  • 4
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 460
  • 192
  • 168
  • 88
  • 79
  • 60
  • 47
  • 47
  • 43
  • 42
  • 41
  • 33
  • 32
  • 28
  • 26
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
21

Avaliação fenológica de dez variedades de caquizeiro Diospyros kaki L. e propagação por estaquia em regiões tropicais

Razzouk, Patricia Lydia Gin [UNESP] 22 February 2007 (has links) (PDF)
Made available in DSpace on 2014-06-11T19:29:43Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2007-02-22Bitstream added on 2014-06-13T19:18:09Z : No. of bitstreams: 1 razzouk_plg_me_ilha.pdf: 1016879 bytes, checksum: 3dfa4567c688600290c30f80def15419 (MD5) / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) / O presente trabalho teve como objetivo avaliar os estádios fisiológicos de 10 variedades de caquizeiro em condições de clima tropical, devido à escassez de estudos em regiões quentes; verificar a capacidade de enraizamento de estacas lenhosas e herbáceas de caquizeiro bem como determinar a concentração mais adequada de indolbutírico (AIB) e a melhor época de propagação devido à falta de resultados relevantes sobre a produção de mudas de caquizeiro. Os ensaios foram conduzidos na área experimental da Fazenda de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade Estadual Paulista - Campus de Ilha Solteira, localizada no município de Selvíria/MS. As variedades utilizadas para a avaliação fenológica, com início em Julho/2005 e término em Fevereiro/2006, foram: Pomelo, Rubi, Fuyuhana, Rama Forte, Taubaté, Giombo, Toote, Suruga, Fuyu e Jiro. O delineamento estatístico experimental utilizado foi o de blocos casualizados, com tratamentos (dez variedades-copa), sendo quatro blocos e duas plantas por parcela, totalizando 80 plantas. Avaliou-se após a poda a fenologia das plantas determinando-se através de avaliações semanais os estádios: gema dormente, gema inchada, brotação, florescimento, frutificação, queda natural dos frutos e colheita; massa média, comprimento e diâmetro dos frutos, número de frutos por... / The present work had as objective to evaluate physiological stadiums of 10 varieties of Japanese persimmom in conditions of tropical climate, due to scarcity of studies in hot regions; to verify the capacity of rooting of hardwood and herbaceous props of Japanese persimmon as well as determining the concentration most adequate of indolbutiric acid (IBA) and the best time of propagation due to lack of excellent results on the production of Japanese persimmom changes. The assays had been lead in the experimental area of the Farm of Education, Research and Extension of the UNESP - Campus of Ilha Solteira, located in the city of Selvíria/MS. The varieties used for the fenology evaluation had been, with beginning in July/2005 and ending in February/2006 : Pomelo, Rubi, Fuyuhana, Rama Forte, Taubaté, Giombo, Toote, Suruga, Fuyu and Jiro. For this assay the used experimental statistical delineation was of blocks, with treatments (ten variety-pantry), being four blocks and two plants for parcel, totalizing 80 plants. The pruning was evaluated after the fenology of the plants determining itself through weekly evaluations the stadiums: bud, bud swelled, allonge of the branches, bloom, fruition and harvest; the production of the fruits, determined for average mass, length and diameter of the fruits, the number of fruitsn and production... (Complete abstract click electronic access below)
22

Demografia e fenologia reprodutiva de Butia capitata (Mart.) Becc. (Arecaceae) em Arambaré, Rio Grande do Sul / Demography and reproductive phenology of Butia Capitata (Mart.) Becc. (Arecaceae) in Arambaré county, Rio Grande Do Sul

Azambuja, Augusto Cruz de January 2009 (has links)
Considerando o uso de Butia capitata (Mart.) Becc. pela fauna da restinga e populações humanas e o fato das restingas serem ambientes extremamente ameaçados pela especulação imobiliária e intensa pressão da silvicultura e agropecuária, este estudo teve como objetivos caracterizar a demografia de Butia capitata, a regeneração natural, fenologia reprodutiva e correlacioná-la à variáveis climáticas, além de conhecer o potencial produtivo e reprodutivo da população. A estrutura demográfica foi levantada em quatro parcelas de 2500 m², onde foram registradas todas as plantas com folhas segmentadas, a regeneração natural foi amostrada em 2000 unidades amostrais (1m²) contidas em 40 subparcelas. Os indivíduos amostrados foram classificados por estádios de desenvolvimento. A estrutura demográfica em 1 ha configurou-se na forma de "J" invertido, com 2910 plântulas, 174 jovens, 26 imaturos, 76 adultos reprodutivos I, 52 adultos reprodutivos II e 19 adultos reprodutivos III. A regeneração natural (plântulas e jovens) foi correlacionada à distância da planta reprodutiva mais próxima através de três classes e a associação ou não com plantas lenhosas (ANOVA). Demonstrando diferenças estatísticas significativas (P<0,001), entre o número de plântulas e jovens com o fator distância e entre o número de jovens e o fator associação ou não com lenhosas (P=0,018) e interação entre os dois fatores e o número de jovens (P=0,024). O número de plântulas foi inversamente proporcional à distância da planta reprodutiva, sendo que quando associadas à lenhosas a partir da segunda classe de distância o número foi maior que sem associação. Já o número de jovens aumentou com o aumento da distância quando não associado à lenhosas e quando associado aumentou na última classe de distância. A fenologia reprodutiva foi acompanhada por 20 meses, com registro das fenofases: inflorescências em formação entre setembro de 2007 e março de 2008 com o pico no mês de dezembro de 2007. Inflorescências em floração estaminada e pistilada de dezembro de 2007 a fevereiro de 2008 com o pico em janeiro. Infrutescências com frutos verdes e maduros ocorreram respectivamente entre dezembro de 2007 e julho de 2008 com pico em fevereiro de 2008 e fevereiro a abril de 2008 com pico em março. Houve correlações significativas entre as fenofases e as variáveis climáticas: inflorescências em formação e em floração estaminada e pistilada com a temperatura média e o comprimento do dia; e floração estaminada e pistilada com a precipitação; os frutos verdes com a temperatura média. Os potenciais produtivos (expresso por kg de frutos/2500m²) e reprodutivos (expresso pelo número de sementes potencialmente viáveis/2500m²) foram respectivamente para as parcelas 1, 2, 3 e 4 de 741 kg e 246.924 sementes; 435 kg e 123.556 sementes; 325 kg e 102.010 sementes; 207 kg e 78.496 sementes. / Considering the use of Butia capitata (Mart.) Becc. by the restinga fauna and human populations and the fact that restingas are environments which are highly threatened by real estate speculation and intense pressure from forestry, agriculture and livestock, this study intended to characterize the demography, natural regeneration, reproductive phenology of Butia Capitata and correlate it to climatics variables and learn about the productive and reproductive potential of this population. The demographic structure was surveyed in four plots of 2500 m², in which all plants with segmented leaves were registered, natural regeneration was sampled in 2000 sampling units (1m²) contained in 40 subplots. The sampled plants were sorted by developmental stages. The demographic structure in 1 ha took on a reverted J shape, with 2910 seedlings, 174 young, 26 immature, 76 reproductive adults I, 52 reproductive adults II, and 19 reproductive adults III. Natural regeneration (seedlings and young plants) was correlated with the distance to the nearest reproductive plant through three classes and the association or not with woody plants (ANOVA). Showing significant statistic differences (P<0.001) between the number of seedlings and young plants and the factor distance and between the number of young plants and the factor association or not with woody plants (P=0.018) and the interaction between both factors and the number of young plants (P=0.024), the number of seedlings was inversely proportional to the distance to the reproductive plant, and when associated to the ligneous plants from the second distance class, the number was higher than that without association. The number of young plants increased as the distance increased when not associated to woody plants, and when an association existed, there was an increase in the number in the last distance class. Reproduction phenology was followed for 20 months, with registration of the phenophases: inflorescences being formed between September 2007 and March 2008, with peak in December 2007. Staminate and pistillate inflorescences blooming from December 2007 to February 2008 with peak in January. Infructescences with green and ripe fruit took place from December 2007 to July 2008, respectively, with peak in February 2008, and from February to April 2008, with peak in March. There were significant correlations between phenophases and climatics variables: forming and staminate and pistillate blooming inflorescences correlated with medium temperature and length of the day; staminate and pistillate blooming with precipitation; and green fruits with medium temperature. The productive potentials (expressed by kg of fruit/2500m²) and reproductive potentials (expressed by the number of potentially viable seeds/2500m²) were for the parcels 1, 2, 3 and 4, respectively, 741 kg and 246,924 seeds; 435 kg and 123,556 seeds; 325 kg and 102,010 seeds; 207 kg and 78,496 seeds.
23

Desenvolvimento das estruturas reprodutivas da macieira (Malus domestica Borkh.) sob diferentes condições climáticas

Francescatto, Poliana January 2014 (has links)
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, Programa de Pós-Graduação em Recursos Genéticos Vegetais, Florianópolis, 2014. / Made available in DSpace on 2015-02-05T20:22:43Z (GMT). No. of bitstreams: 1 330272.pdf: 5103367 bytes, checksum: d2da2ef12c6c926a0d4076df9dc029cc (MD5) Previous issue date: 2014 / A cultura da macieira apresenta grande importância econômica no cenário mundial visto o grande volume de frutos produzidos e comercializados. No Brasil, a cultura da macieira é explorada principalmente na região Sul do país, devido suas condições climáticas subtropicais temperadas serem as mais parecidas às condições exigidas pela planta na obtenção de produções razoáveis de maçãs. No entanto, dentre os elementos climáticos, a temperatura pode ser considerada um dos fenômenos que mais tem influência sobre a cultura, desde a formação floral até a produção final; sendo um dos fatores responsáveis pelas irregularidades de produções. Diante disto, e com o intuito de gerar conhecimentos e informações sobre a cultura da macieira, este trabalho procurou entender os possíveis efeitos ambientais e climáticos, e seus limites qualitativos e quantitativos, sobre a aclimatação das plantas e de suas estruturas reprodutivas. Durante os anos de 2010 à 2014, foram realizadas as avaliações que envolvem o processo do desenvolvimento floral e reprodutivo de duas cultivares de grande importância econômica mundial, =Gala e =Fuji . Tais avaliações incluíram a caracterização da iniciação e diferenciação morfológica de gemas, da morfologia e biologia floral, e do comportamento fenológico e produtivo das plantas; sendo que as mesmas foram direcionadas sobre as duas principais estruturas de frutificação das plantas, brindilas (gemas axilares e terminal) e esporões. Grande parte do trabalho foi realizado na região de Caçador, localizada no Estado de Santa Catarina a uma latitude de 26°50 S, longitude de 50°58 W e altitude de 950m. No entanto, uma outra região, do Estado de Ohio nos Estados Unidos, a qual, devido as condições climáticas locais, é caracterizada como ideal para o cultivo da macieira, foi utilizada para servir como base de referência para alguns dos estudos aqui realizado. Dez estádios morfológicos foram definidos, do meristema vegetativo à formação dos órgãos florais de inflorescências de gemas da espécie Malus domestica Borkh. A iniciação floral foi influenciada pela cultivar e estrutura. O desenvolvimento floral de gemas da cv. Fuji foi mais rápido que da cv. Gala, e entre as estruturas, os esporões de ambas cultivares formaram-se mais precocemente que as gemas axilares e a terminal das brindilas. A transição floral parece ser regulado por sinais intrínsecos da planta. No entanto, a transição entre os demais estádios de diferenciação parece sofrer considerável influência dos sinais ambientais, principalmente das temperaturas. Flores de macieiras das cvs. Gala e Fuji provenientes de regiões de clima temperado foram mais desenvolvidas morfologicamente que flores de macieira cultivadas sob condições subtropicais. Sob as condições ambientais da região brasileira em estudo, estigmas apresentaram-se mais receptivos na abertura das flores, ou talvez, anteriormente a esta. Diferentemente da região norte americana, onde os estigmas alcançaram a máxima receptividade entre as 24-48 horas após a abertura das flores. Na região de Caçador, flores de gemas terminais de brindilas apresentaram, em geral, melhor qualidade morfológica dos órgãos reprodutivos femininos e masculino. As diferenças encontradas no início de brotação e florescimento entre as estruturas de frutificação dependeram grandemente das condições climáticas do ano em questão. Sob condições de altas temperaturas após o tratamento de quebra de dormência, há maior sincronia fenológica entre as estruturas, e vice e versa. Gemas de esporões necessitam de menor acúmulo térmico para brotarem, principalmente esporões de Gala . Além da baixa frutificação efetiva, gemas axilares de ambas cultivares apresentaram frutos com baixa qualidade morfológica (massa fresca e diâmetro de fruto). Frutos provenientes de terminais de brindilas tendem ser mais arredondados e com maior massa fresca do que frutos das axilares e dos esporões, em ambas as cultivares. Sob as condições climáticas de Caçador, SC, a cultivar Fuji foi mais estável produtivamente que a cv. Gala. O favorecimento de brindilas na cv. Gala, seja através de podas, arqueamento ou outras técnicas específicas, deve ser preconizado quando se deseja garantir boa frutificação efetiva, altas produtividades, e frutos de melhor calibre. Na cv. Fuji, apesar de terminais apresentarem os melhores frutos, a frutificação dos esporões tendeu ser mais estável durante os anos, Para esta cultivar, ambas estruturas poderiam ser preconizadas.<br> / Abstract : Apples are one of the most valuable fruit crops in the world because of the significant amount produced and commercialized. In Brazil, apples are mainly grown in the south since these areas possess the most suitable climatic conditions for reasonable productions. Among climate elements temperature may be considered the most significant phenomenon affecting the process of fruit production, from flower bud formation through harvest. Also, it is one of the factors responsible for irregular cropping. Thereafter, this work tried to understand the possible environmental and climatic effects, qualitative and quantitative limitations, on the acclimation of both trees and fruiting habits. From 2010 to 2014, the process of flower and fruit development of the two main apple cultivars, Gala and Fuji, were evaluated. Measurements were done separately on the three types of buds, spurs, and both terminal and axillary buds of one year shoots. Morphological characterization of bud initiation and differentiation, flower biology and morphology, flowering phenology and fruit production were studied. The trials were mainly carried under the Brazilian conditions, in Caçador, SC, Brazil (latitude 26°50?S, longitude 50°58?W, altitude of 950m). However, a second region located in Ohio State, in the United States, was included as a reference for some of the studies such as bud differentiation and flower biology, since it shows great climate conditions for growing apples. Ten morphological bud stages of Malus domestica Borkh were defined, from the vegetative meristem to floral organs differentiation. Flower initiation was affected by cultivar and bud type. Floral development of =Fuji? buds was faster than =Gala? buds. Among the buds types, flower initiation and differentiation occurred first in spurs, then in axillary and terminal buds, successively. Floral transition seems to be triggered by intrinsic signals; whereas the transition between the stages seems to be considerably affected by environmental conditions, mainly temperatures. The morphological development of apple flowers =Gala? and =Fuji? were greater under temperate climate than subtropical conditions. Under the environmental conditions of the region in south of Brazil stigmas reached the optimumreceptivity at anthesis or earlier; whereas in the region in North America pollen reached a maximum germination 24-48 hours after flower opening. In Caçador, terminal flowers on one year old long shoot showed higher morphological qualities of the female and male floral organs than spurs and axillary. Flowering and bud break onset of the different bud types greatly depended on the year assessed; warmer springs induced to a synchronized onset between the different buds. Spur buds requires less heat-unit accumulation at budbreak, specially =Gala? spur buds. In general, axillary buds of both cultivars showed low fruitset and produced smaller fruits (weight and diameter). Terminal buds on long shoots of both cultivars induced rounder and heavier fruits than axillary and spur buds. Under the climate conditions of Caçador =Fuji? was productively more stable than =Gala?. In order to ensure good fruitset, high yields and larger fruits, one year shoots should be preferred in the tree management practices of =Gala? such as pruning, bending or other techniques. Although in =Fuji?, terminal buds of long shoots produced high quality fruits, the fruitset of spurs tended to be stable among years; therefore, both bud types should be preconized.
24

“Comportamento fenológico de gramíneas em um campo sujo de Cerrado : da indução de floração à emergência de plântulas” / Phenology behavior of grasses in a grassland of Cerrado : from induction of flowering until seedling emergence

Ramos, Desirée Marques 25 May 2011 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Departamento de Botânica, 2011. / Submitted by Shayane Marques Zica (marquacizh@uol.com.br) on 2011-09-08T19:20:38Z No. of bitstreams: 1 2011_DesireeMarquesRamos.pdf: 1045207 bytes, checksum: 1dbdafec22aa3abc49e079da614253f5 (MD5) / Approved for entry into archive by Jaqueline Ferreira de Souza(jaquefs.braz@gmail.com) on 2011-10-04T12:00:21Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2011_DesireeMarquesRamos.pdf: 1045207 bytes, checksum: 1dbdafec22aa3abc49e079da614253f5 (MD5) / Made available in DSpace on 2011-10-04T12:00:21Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2011_DesireeMarquesRamos.pdf: 1045207 bytes, checksum: 1dbdafec22aa3abc49e079da614253f5 (MD5) / A fenologia é o estudo de manifestações rítmicas, ou eventos naturais recorrentes,apresentadas por animais e plantas em resposta a estímulos endógenos ou ambientais. Afenologia da reprodução em plantas se inicia com a floração, seguida de frutificação,dispersão e finaliza-se com a germinação e estabelecimento da nova plântula. Osprincipais objetivos deste trabalho foram: (1) descrever a fenologia circanualreprodutiva de dez espécies de gramíneas em um campo sujo de Cerrado, (2) testarquais os fatores ambientais utilizados como sinais por essas gramíneas para escolha deperíodo de floração e (3) testar se a dormência em cariopses de gramíneas é umaestratégia para o estabelecimento de plântulas em épocas de precipitação favoráveis(hipótese da sazonalidade hídrica). Para a fenologia amostramos dez indivíduos de dezespécies, quinzenalmente, durante um ano (2009 a 2010). As estratégias fenológicasforam descritas por estatística circular. Para testar quais sinais induzem a floração,foram feitas correlações e regressões entre a duração da floração e fatores ambientaisclimáticos (precipitação, temperatura) e celestiais (fotoperíodo, radiação, nascer e pordo sol). Aferimos a ocorrência de dormência nas sementes a partir de testes degerminação com oito destas espécies de gramíneas sob diferentes períodos dearmazenamento. Por fim, coletadas plântulas em 40 parcelas (20x20 cm) para identificara fenologia da emergência destas plântulas. O período reprodutivo da comunidade degramíneas foi sazonal, com concentração na estação chuvosa. Porém, as fenofases defrutificação e dispersão, em algumas espécies, também ocorreram no período seco. Combase no início, duração e sincronia da reprodução, foi possível distinguir grupos deespécies com estratégias fenológicas distintas. Corroboramos a hipótese de fotoperíodocomo principal sinal indutor de floração nessas gramíneas. A hipótese de temperaturafoi rejeitada. Da mesma forma, não foi registrada relação entre a precipitação e afloração das espécies, sugerimos que precipitação e umidade atuam mais como fatoreslimitantes do que sinalizadores à floração nessas gramíneas. Os diásporos de Paslpalumgardnerianum e Echinolaena inflexa possuem dormência, sendo que esta é superadacomo o período de armazenamento. A espécie Andropogon selloanus não apresentoudormência. A emergência de plântulas se concentrou no início da estação chuvosa.Corroboramos a hipótese de sazonalidade hídrica para explicar a dormência em E.inflexa e P. gardnerianum. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT / Phenology is the study of rhythmic events, or recurring natural events, presented by animals and plants in response to endogenous or environmental stimuli. The phenology of reproduction in plants begins with flowering, then fruiting, dispersal and ends with the germination and establishment of new seedlings. The main objectives were: (1) describe the circannual reproductive phenology of ten species of grass in a grassland of Savannah, (2) test which environmental factors are used as signs for these grasses to choose the flowering period (3) test whether dormancy in caryopses of grasses is a strategy for the establishment of seedlings in times of favorable precipitation (hypothesis of water seasonal stress). For the phenology, were sampled ten individuals of ten species, fortnightly, for one year (2009-2010). Phenological strategies were described by circular statistics. To test which signals induce flowering, correlations and regressions were done among the time of flowering and environmental factors climatic (precipitation, temperature) and celestial (photoperiod, radiation, sunrise and sunset). We found the incidence of seed dormancy from germination tests with eight species of these grasses under different storage periods. Finally, we collected seedlings in 40 plots (20x20 cm) to identify the phenology of the emergence of these seedlings. The reproductive period of the community of grasses was seasonal, with an increase in the rainy season. However, both phenophases of fruiting and dispersal, in some species, also occurred in the dry season. Based on the onset, duration and synchrony of reproduction, it was possible to distinguish groups of species with different phenological strategies. We corroborate the hypothesis of photoperiod as the primary signal inducing flowering in these grasses. The temperature hypothesis was rejected. Likewise, no relationship was recorded between precipitation and flowering species, we suggest that rainfall and moisture act as limiting factors more than these inducers to flowering grasses. The diaspore of Paslpalum gardnerianum and Echinolaena inflexa has dormancy, and this is overcome as the storage period. The species Andropogon selloanus showed no dormancy. The seedling emergence was concentrated at the beginning of the rainy season. Corroborate the hypothesis of water seasonal stress for explaining dormancy in E. inflexa and P. gardnerianum.
25

Demografia e fenologia reprodutiva de Butia capitata (Mart.) Becc. (Arecaceae) em Arambaré, Rio Grande do Sul / Demography and reproductive phenology of Butia Capitata (Mart.) Becc. (Arecaceae) in Arambaré county, Rio Grande Do Sul

Azambuja, Augusto Cruz de January 2009 (has links)
Considerando o uso de Butia capitata (Mart.) Becc. pela fauna da restinga e populações humanas e o fato das restingas serem ambientes extremamente ameaçados pela especulação imobiliária e intensa pressão da silvicultura e agropecuária, este estudo teve como objetivos caracterizar a demografia de Butia capitata, a regeneração natural, fenologia reprodutiva e correlacioná-la à variáveis climáticas, além de conhecer o potencial produtivo e reprodutivo da população. A estrutura demográfica foi levantada em quatro parcelas de 2500 m², onde foram registradas todas as plantas com folhas segmentadas, a regeneração natural foi amostrada em 2000 unidades amostrais (1m²) contidas em 40 subparcelas. Os indivíduos amostrados foram classificados por estádios de desenvolvimento. A estrutura demográfica em 1 ha configurou-se na forma de "J" invertido, com 2910 plântulas, 174 jovens, 26 imaturos, 76 adultos reprodutivos I, 52 adultos reprodutivos II e 19 adultos reprodutivos III. A regeneração natural (plântulas e jovens) foi correlacionada à distância da planta reprodutiva mais próxima através de três classes e a associação ou não com plantas lenhosas (ANOVA). Demonstrando diferenças estatísticas significativas (P<0,001), entre o número de plântulas e jovens com o fator distância e entre o número de jovens e o fator associação ou não com lenhosas (P=0,018) e interação entre os dois fatores e o número de jovens (P=0,024). O número de plântulas foi inversamente proporcional à distância da planta reprodutiva, sendo que quando associadas à lenhosas a partir da segunda classe de distância o número foi maior que sem associação. Já o número de jovens aumentou com o aumento da distância quando não associado à lenhosas e quando associado aumentou na última classe de distância. A fenologia reprodutiva foi acompanhada por 20 meses, com registro das fenofases: inflorescências em formação entre setembro de 2007 e março de 2008 com o pico no mês de dezembro de 2007. Inflorescências em floração estaminada e pistilada de dezembro de 2007 a fevereiro de 2008 com o pico em janeiro. Infrutescências com frutos verdes e maduros ocorreram respectivamente entre dezembro de 2007 e julho de 2008 com pico em fevereiro de 2008 e fevereiro a abril de 2008 com pico em março. Houve correlações significativas entre as fenofases e as variáveis climáticas: inflorescências em formação e em floração estaminada e pistilada com a temperatura média e o comprimento do dia; e floração estaminada e pistilada com a precipitação; os frutos verdes com a temperatura média. Os potenciais produtivos (expresso por kg de frutos/2500m²) e reprodutivos (expresso pelo número de sementes potencialmente viáveis/2500m²) foram respectivamente para as parcelas 1, 2, 3 e 4 de 741 kg e 246.924 sementes; 435 kg e 123.556 sementes; 325 kg e 102.010 sementes; 207 kg e 78.496 sementes. / Considering the use of Butia capitata (Mart.) Becc. by the restinga fauna and human populations and the fact that restingas are environments which are highly threatened by real estate speculation and intense pressure from forestry, agriculture and livestock, this study intended to characterize the demography, natural regeneration, reproductive phenology of Butia Capitata and correlate it to climatics variables and learn about the productive and reproductive potential of this population. The demographic structure was surveyed in four plots of 2500 m², in which all plants with segmented leaves were registered, natural regeneration was sampled in 2000 sampling units (1m²) contained in 40 subplots. The sampled plants were sorted by developmental stages. The demographic structure in 1 ha took on a reverted J shape, with 2910 seedlings, 174 young, 26 immature, 76 reproductive adults I, 52 reproductive adults II, and 19 reproductive adults III. Natural regeneration (seedlings and young plants) was correlated with the distance to the nearest reproductive plant through three classes and the association or not with woody plants (ANOVA). Showing significant statistic differences (P<0.001) between the number of seedlings and young plants and the factor distance and between the number of young plants and the factor association or not with woody plants (P=0.018) and the interaction between both factors and the number of young plants (P=0.024), the number of seedlings was inversely proportional to the distance to the reproductive plant, and when associated to the ligneous plants from the second distance class, the number was higher than that without association. The number of young plants increased as the distance increased when not associated to woody plants, and when an association existed, there was an increase in the number in the last distance class. Reproduction phenology was followed for 20 months, with registration of the phenophases: inflorescences being formed between September 2007 and March 2008, with peak in December 2007. Staminate and pistillate inflorescences blooming from December 2007 to February 2008 with peak in January. Infructescences with green and ripe fruit took place from December 2007 to July 2008, respectively, with peak in February 2008, and from February to April 2008, with peak in March. There were significant correlations between phenophases and climatics variables: forming and staminate and pistillate blooming inflorescences correlated with medium temperature and length of the day; staminate and pistillate blooming with precipitation; and green fruits with medium temperature. The productive potentials (expressed by kg of fruit/2500m²) and reproductive potentials (expressed by the number of potentially viable seeds/2500m²) were for the parcels 1, 2, 3 and 4, respectively, 741 kg and 246,924 seeds; 435 kg and 123,556 seeds; 325 kg and 102,010 seeds; 207 kg and 78,496 seeds.
26

Fenologia, sistema de reprodução, ecologia da polinização e dispersão de Senna alata (Caesalpinioideae, Leguminosae)

Aguiar, Luis Fernando Rodder Moreira 15 September 1992 (has links)
Orientador : Fosca Pedini Pereira Leite / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia / Made available in DSpace on 2018-07-15T23:53:46Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Aguiar_LuisFernandoRodderMoreira_M.pdf: 7733574 bytes, checksum: 6352cf205d84ef99d785731c9375f0bf (MD5) Previous issue date: 1992 / Resumo: O gênero Senna é representado por grande número de espécies de distribuição predominantemente neotropical. Nesse gênero inclui-se a espécie S. alata , leguminosa arbustiva de folhas composta com grandes folíolos , flores de anteras tubulosas de deiscência poricida adaptadas para a polinização por abelhas. Essa espécie de leguminosa é encontrada como colonizadora em locais abertos e foi observada se desenvolvendo em dois tipos de ambientes, com um tipo de população em locais de solo inundado (em brejo) e outro tipo em locais de solo drenado, em Campinas-SP.As populações de S. alata observadas diferem também por apresentarem divergência nos períodos de reprodução. Plantas de S. alata originados de ambientes inundados quando transplantados em solo drenado não apresentaram modificação na fenologia apresentando floração no mesmo período do de sua população de origem, evidenciando que a variação na fenologia reprodutiva observada entre as populações de S. alata não é dependente da influência direta das condições de inundação do solo onde estas se desenvolvem.Foram identificadas as seguintes espécies de abelhas polinizadoras de S. alata Bombus morio , Centris bicolor , C.Tuscata , C. tarsata , C. similis , Epicharis rustica , Eulaema nigrita , Pseudaugochloropsis graminea e Xylocopa frontalis Esses polinizadores coletam o pólen através da vibração dos estames nas flores de S. alata e tambem em outras espécies com anteras poricidas Nesse tipo de flor o pólen geralmente representa o único recurso energético disponível para os polinizadores. S. alata apresentou sistema de reprodução auto-compatível estando sujeita à auto-polinização em função do comportamento de forrageamento de espécies de abelhas do gênero Centris , estas abelhas coletam pólen de forma concentrada sobre as flores de uma mesma planta e mantem patrulhamento e territorialidade junto às plantas hospedeiras / Mestrado / Ecologia / Mestre em Ciências Biológicas
27

Ecofisiologia de Cyatheaceae (Monilophyta): fenologia, banco de esporos, anatomia e germinação

Silva, Flávia Carolina Lins da 31 January 2008 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T15:03:04Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo4327_1.pdf: 3175330 bytes, checksum: 54244dec2bebf45c6d15b3fa4ecf3afd (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2008 / Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior / O objetivo deste estudo foi: definir o padrão fenológico das espécies de Cyatheaceae, avaliar a formação do banco de esporos de Cyatheaceae nos fragmentos de Mata Atlântica da RPPN de Frei Caneca, ao longo do ano, definir condições ótimas de crescimento das espécies, e também definir padrão anatômico de frondes de duas espécies de Cyathea. O estudo foi desenvolvido nas Matas da Serra do Quengo e da Bernardina. Para avaliar a formação de banco de esporos, o solo superficial foi coletado em dez pontos de cada mata, ao final das estações secas e chuvosas. As amostras de solo foram mantidas a 25°C e fotoperíodo de 12h em câmara de crescimento. O critério para considerar a germinação do banco de esporos foi o aparecimento da primeira célula rizoidal dos gametófitos. Durante o desenvolvimento inicial, os gametófitos foram agrupados em tricomados e não tricomados. A rápida germinação de esporos e formação de gametófitos foi observada nas amostras a partir do primeiro e segundo mês de cultivo do solo da Mata da Serra do Quengo e da Bernardina, respectivamente. Nos dois locais, 80% dos morfotipos de gametófitos formados não apresentaram tricomas. A partir do terceiro mês foram observadas estruturas reprodutivas, ou seja, anterídio e arquegônio, nas amostras das duas matas e, ao final de cinco meses houve formação de esporófitos. Para o estudo fenológico, coletas de dados foram realizadas durante um ano, onde dez indivíduos de cada espécie de Cyatheaceae foram devidamente marcados, identificados. As três espécies de Cyathea mantiveram a produção de báculos ao longo do ano e o desenvolvimento constante. A categoria báculo abortado foi observada para as espécies Cyathea microdonta e C. praecincta. A produção de frondes estéreis foi mantida durante todo o ano para as três espécies de Cyathea. Alsophila setosa, apresentou produção de báculo por todo ano. Não foi observada fronde fértil e poucas foram as frondes estéreis presentes. Não foram observados indivíduos jovens dessa espécie. Para o estudo anatômico, as frondes coletadas foram fixadas em FAA 50% e posteriormente mantidas em etanol 70%. Cortes transversais à mão livre foram realizados, clarificados com hipoclorito de sódio (50%), lavados em água destilada e posteriormente corados com Safrablau. Após a coloração os cortes, foram montados lâminas semi-permanentes em água glicerinada 50%. Cyathea corcovadensis e Cyathea microdonta apresentam anatomia classificada com tipo Cyathea, corroborando com a literatura estudada. Para caracterizar estudos de germinação e desenvolvimento de gametófitos, esporos de Cyathea corcovadensis coletados desinfestados e distribuídos em erlenmeyers contendo 25mL de solução nutritiva de Mohr com fungicida nistatina. O tratamento de fotoblastismo foi mantido em câmara de crescimento com temperatura de 25°C e fotoperíodo de 12h. Os experimentos de qualidade de luz e intensidade luminosa foram mantidos em câmara de crescimento com temperatura de 25ºC e luz contínua. Em todos os experimentos o critério para considerar o esporo germinado foi a protusão da célula rizoidal. Para o estudo de fotoblastismo, foram colocados erlenmeyers sob luz e escuro contínuo. O tratamento de escuro contínuo foi obtido com o uso de três sacos plásticos pretos. A intensidade luminosa foi analisada a 100, 70, 50 e 30% com uso de telas de sombrite com diferentes filtros de passagem de luz. Os esporos germinados foram acompanhados por 30 dias para o estudo de desenvolvimento de gametófitos. Os esporos de C. corcovadensis são aclorofilados e apresentaram cospúsculos lipídicos. Os esporos de C. corcovadensis são considerados fotoblásticos positivos, uma vez que não foi observada germinação no escuro mesmo após 30 dias de cultivo. Quando analisados os efeitos da qualidade de luz na germinação, foi observada germinação a partir do 4° dia e estabilização da curva de germinação em 100% no 12° dia para luz branca e ocorreu um atraso de quatro dias na estabilização da curva para os demais tratamentos, sendo então a curva estabilizada no 16° dia de cultivo. Os gametófitos submetidos aos tratamentos de luz branca e luz vermelha tiveram um rápido desenvolvimento de suas células protaliais. Foi observado uma variação no padrão de desenvolvimento dos gametófitos nos tratamentos de luz azul e luz vermelho-extremo. Nesses tratamentos, foi observado maior número de células e as mesmas mostraram-se mais alongadas. O efeito da intensidade luminosa foi observado nos diferentes tratamentos, sendo a germinação a partir do 4° dia de cultivo e estabilização da curva de germinação (em 100%) a partir do 16° de germinação para esporos expostos a 100% de luz, 18° dia para os tratamentos de 30 e 50% de sombreamento e no 20° dia para o tratamento de 70% de sombreamento. Aos 21 dias de germinação foi observado um alongamento das células protaliais caracterizando estiolamento das células, no tratamento de 70% de sombreamento, isso em decorrência da baixa intensidade luminosa incidida sobre os gametófitos de C. corcovadensis. Gametófitos, com 30 dias, cultivados sob 100% de luz e 30% de sombreamento apresentaram a forma espatulada com início de desenvolvimento sem sincronia das alas, tendo a ala direita se desenvolvido mais que a ala esquerda. Nas demais intensidades luminosas (50 e 70% de sombreamento), os gametófitos apresentaram a forma filamentosa de desenvolvimento. Nos experimentos de qualidade de luz e intensidade luminosa, fica claro que o desenvolvimento ideal para espécie de Cyathea corcovadensis que os tratamentos de luz branca e vermelha, e 100% de luz e 30% de sombreamento são condições ideais para o desenvolvimento de gametófitos e conseqüente formação de novas plantas
28

Bignoniaceae Durande de um fragmento florestal, em Viçosa, Zona da Mata Mineira: florística e aspectos ecológicos / Bignoniaceae Durande from a forest fragment, in Viçosa, Forest Zone of Minas Gerais State: floristics and ecologic aspects

Lopes, Márdel Miranda Mendes 08 December 2005 (has links)
Submitted by Marco Antônio de Ramos Chagas (mchagas@ufv.br) on 2016-10-18T11:42:07Z No. of bitstreams: 1 texto completo.pdf: 2620579 bytes, checksum: 3e9a40baf3de12bd0f2375d192e8aca8 (MD5) / Made available in DSpace on 2016-10-18T11:42:07Z (GMT). No. of bitstreams: 1 texto completo.pdf: 2620579 bytes, checksum: 3e9a40baf3de12bd0f2375d192e8aca8 (MD5) Previous issue date: 2005-12-08 / Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior / O presente trabalho foi realizado na Estação de Pesquisa Treinamento e Educação Ambiental Mata do Paraíso, Viçosa-MG, com os objetivos de verificar a florística e aspectos reprodutivos de espécies de Bignoniaceae, assim como avaliar a germinação, estaquia e crescimento de mudas de Tynanthus fasciculatus Miers. Para o levantamento florístico e coleta dos dados fenológicos foram realizadas excursões quinzenais de agosto/2001 a agosto/2002, semanais de setembro/2002 a agosto/2003 e a cada dez dias de setembro/2003 a agosto/2004. A identificação dos espécimes foi obtida mediante literatura específica, auxílio de especialista e consulta a herbário. Para a floração e frutificação, até cinco indivíduos de cada espécie foram marcados e acompanhados durante dois anos. Os padrões de floração foram classificados de acordo com os estabelecidos na literatura. Foram analisadas a sobreposição do período de floração entre as espécies, a correlação entre as variáveis fenológicas e climáticas e a sincronia das fenofases, em populações das espécies com três a cinco indivíduos acompanhados. Os tipos florais, síndromes de polinização e de dispersão foram caracterizados e identificados de acordo com a bibliografia especializada. A foliação também foi registrada para as espécies arbóreas. A germinação, estaquia e tendências de crescimento de mudas de T. fasciculatus foram avaliados em diferentes ensaios. Foram encontradas 33 espécies, distribuídas em 19 gêneros, sendo 27 lianas e seis árvores. Fridericia foi o gênero mais representativo, com sete espécies. Seis táxons apresentaram seu primeiro registro de ocorrência na região de Viçosa. Pelo menos duas espécies floresceram, por mês, ao longo do período de estudo; a maioria das espécies apresentou floração anual. A floração e brotação foliar de espécies arbóreas se correlacionaram positivamente com a temperatura média e a precipitação, enquanto que a frutificação apresentou correlação negativa com essas variáveis. O tipo floral e síndrome de polinização mais representativos foram Anemopaegma e melitofilia, respectivamente. A sobreposição no período de floração em espécies do mesmo tipo floral e/ou gênero foi, geralmente, baixa. O amadurecimento dos frutos e a dispersão anemocórica das sementes começaram no início da estação seca; no entanto, foi no início da estação chuvosa, que a maioria das espécies dispersou suas sementes. Das seis espécies arbóreas, quatro apresentaram caducifolia total: Cybistax antisyphilitica, Jacaranda macrantha, J. puberula e Tabebuia chrysotricha. As sementes de T. fasciculatus apresentaram tempo médio e porcentagem de germinação de 42 dias e 31,25%, respectivamente. Não houve enraizamento das estacas de T. fasciculatus, resultado provavelmente influenciado pela época de coleta das estacas. A borda da mata foi o tratamento no qual as mudas de T. fasciculatus se desenvolveram melhor, apresentando os maiores valores de comprimento e 100% de sobrevivência; somente neste tratamento, observou- se o desenvolvimento de gavinhas, nas mudas que ultrapassaram 80cm de comprimento. / The present work was carried out in the Estação de Pesquisa, Treinamento e Educação Ambiental Mata do Paraíso (Station of Research, Training and Environmental Education Mata do Paraíso), Viçosa – MG – Brazil. The objectives of this work were to verify the floristics and reproductive aspects of species of the Bignoniaceae family, as well as to evaluate the germination, rooting, and growth of seedlings of Tynanthus fasciculatus Miers. For the floristic survey and phenologic data collection one day visits every two weeks from August 2001 to August 2002, one day visits every week from September 2002 to August 2003, and every ten days from September 2003 to August 2004 were made. Specimens’ identification were obtained by means of specific references, support of an expert and herbarium consultation. For flowering and fructification, up to five individuals of each species were marked and observed during two years. The flowering patterns were classified according to criteria established in references. The superposition of the flowering period among the species, the correlation among the phenologic and climatic variables and the synchrony of the phenophases, in populations of species with three to five individuals observed were analyzed. The floral types, pollination and dispersal syndromes were characterized and identified according to specialized references. The foliation also was registered for the arboreal species. The germination, rooting and growth of seedlings of T. fasciculatus were evaluated in various essays. A total of 33 species distributed in 19 genera were found, 27 lianas and six trees. The most representative genus was Fridericia, with seven species. Six taxa showed their first registration of occurrence in the region of Viçosa. At least two species flourished per month, along the period studied and the majority of the species showed a yearly flowering. The flowering and leaf sprouting of the arboreal species correlated positively with the average temperature and with the precipitation, while the fructification showed a negative correlation with these variables. The most representative floral type and pollination syndrome were Anemopaegma and melittophily, respectively. The superposition in the flowering period in species of the same floral type and/or genus was generally low. The fruit ripening and the anemophilous dispersion of the seeds started at the beginning of the dry season. However, it was at the beginning of the raining season that the majority of the species dispersed their seeds. From the six arboreal species, four showed to be entirely decidous: Cybistax antisyphilitica, Jacaranda macrantha, J. puberula and Tabebuia chrysotricha. The seeds of T. fasciculatus showed and average time and a germination percentage of 42 days and 31,25%, respectively. There was no rooting of the cuttings of T. fasciculatus, probably due to their collecting time. The forest border was the treatment in which the seedlings of T. fasciculatus developed better and showed the greatest values of length and 100% of survival. Only in this treatment the development of tendrils was observed, in the seedlings that suppressed 80cm of length. / Dissertação importada do Alexandria
29

Variação espaço-temporal de aves frugivoras no sub-bosque e chuva de sementes em um trecho de Mata Atlantica no estado de São Paulo

Gomes, Veronica Souza da Mota 23 March 2001 (has links)
Orientador : Wesley Rodrigues Silva / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia / Made available in DSpace on 2018-07-27T20:54:13Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Gomes_VeronicaSouzadaMota_M.pdf: 6002744 bytes, checksum: 557a5a572c68afff1376950c28bfeb27 (MD5) Previous issue date: 2001 / Resumo: Entre abril de 1999 e março de 2000, em um fragmento de Mata Atlântica secundária, as aves frugívoras de sub-bosque foram estudadas procurando-se responder às seguintes perguntas: 1 ) Há variação espacial na abundância dessas aves e a flutuação pode ser explicada pelas características estruturais do sub-bosque?; 2)Há variação sazonal na produção de frutos no sub-bosque da mata e essa variação explica a flutuação na abundância das aves? 3)Qual a contribuição de dispersores para o fluxo de sementes na área? Esse fluxo é temporal ou espacialmente uniforme? Para responder tais perguntas, foram estabelecidas cinco unidades amostrais, cada uma delas contendo uma trilha, onde foi armada uma linha de redes de neblina, e duas parcelas adjacentes, com coletores de sementes em seu interior. Todas as espécies zoocóricas com o caule no interior das parcelas ou com a copa sobre as mesmas foram identificadas. A estrutura vegetacional do subbosque foi caracterizada a partir de medições de altura total, altura do fuste, diâmetro à altura do peito e das freqüências das formas de vida em sub-amostras das parcelas (160 m2 por unidade amostral). Em viagens mensais, as plantas no interior das parcelas foram vistoriadas quanto à presença de frutos ornitocóricos, as aves capturadas nas redes e o material dos coletores recolhido. Os resultados indicam que a variação espacial na captura de aves foi relacionada ao efeito de borda, à variação espacial da frutificação e à baixa densidade de sub-bosque em uma das unidades amostrais. A abundância de frutos ornitocóricos foi sazonal, mas a abundância de frugívoros não, o que esteve relacionado com os padrões de deslocamento, dependência da dieta frugívora e reprodução. Trichothraupis melanops, que entrou na área no meio do ano, colaborou para a imigração de sementes de borda na área. Tachyphonus coronatus também colaborou com a imigração, mas foi mais abundante na época de maior disponibilidade de frutos. Turdus albicol/is também ocorreu mais na época de maior disponibilidade de recursos, consumiu frutos e se reproduziu na área. Os dispersores tiveram grande influência na chuva de sementes, já que a imigração de sementes ocorreu durante todo o ano, apesar de ter sido tanto espacial quanto temporalmente variável. Então, as aves foram espacial e temporalmente variáveis e influenciam a chuva de sementes na área de estudo / Abstract: Understory fi-ugivorous birds were studied ITom April 1999 to March 2000 in a secondary Atlantic Forest ITagment in order to answer the following questions: l)ls there any spatial heterogeneity in bird abundance and can such pattern be related to understory structure?; 2)ls there seasonality in ftuit production in the year of study and does such variation explain the birds' temporal variation? 3)What is the role of seed dispersers to the seed flux in the area? Is such flux temporally or spatially uniform? To answer those questions, five sample units were set, and each one contained a trail, where the mist nets were set, and two marginal plots, with seed traps inside them. Every zoochorous species whose stem or crown was inside the plot was identified and registered. The vegetation structure of the understory was characterized by the following variables: total height, lower crown height, diameter at breast height and ITequencies of plant life forms. Such variables were measured inside sub-plots, (a total of 160 m2 per sample unit). In monthly field trips, plants inside the plots were examined for the presence of ornitochorous ftuit, birds were mist-netted and the fi-uit trap material collected. Results indicate that spatial variation on bird capture was related to edge effect, spatial variation in fi-uit production and to the poor vegetation structure in one of the sample units. The ornitochorous ftuits' abundance was seasonally variable. However, the bird abundance did not follow such pattem, what was related to each species' movement pattem, dependence on fruits and reproduction. Trichothraupis melanops, which entered the area in August, played a pivotal role in edge seeds' immigration. Tachyphonus coronatus also took part on seed immigration, although it showed higher capture numbers during high availability of fi-uits. Turdus albicol/is also had its higher capture numbers during high availability of fruits, consumed local ftuits and reproduced in the area. Dispersers played an important role in the seed rain, as seed immigration occured all year long, though it was spatially and temporally heterogeneous. Hence, birds were spatially and seasonally variable and influenced the seed rain in the study area / Mestrado / Titulação
30

Aspectos da estrutura e dinamica da comunidade arborea na Mata Atlantica de planicie e encosta em Picinguaba, Ubatuba, SP

Pedroni, Fernando 15 January 2001 (has links)
Orientador: Flavio Antonio Maes dos Santos / Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia / Made available in DSpace on 2018-07-28T02:22:15Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Pedroni_Fernando_D.pdf: 14266707 bytes, checksum: 4ae11a6e9f00d7b8a1bd9977ac11c62c (MD5) Previous issue date: 2001 / Resumo / Doutorado / Doutor em Biologia Vegetal

Page generated in 0.0649 seconds