• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 74
  • 4
  • 1
  • Tagged with
  • 79
  • 33
  • 26
  • 15
  • 15
  • 15
  • 14
  • 12
  • 12
  • 10
  • 10
  • 8
  • 8
  • 7
  • 7
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Revisão sistemática das espécies de Vinnius Simon, 1902 e a proposição de dois novos gêneros (Araneae, Salticidae)

Braul Junior, Augusto January 1998 (has links)
Made available in DSpace on 2014-03-11T02:01:19Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000453999-Texto+Completo-0.pdf: 11077800 bytes, checksum: 3e05ff8e4977adc261dae6e129f932be (MD5) Previous issue date: 1998 / The genus Vinnius was proposed by Simon in 1902. The species included in it up to now are: Vinnius subfasciatus (C. L. Koch, 1846), Vinnius maculaticeps Simon, 1902, Vinnius uncatus Simon, 1902, Vinnius carinatus Simon, 1902, Vinnius calcarifer Simon, 1902, Vinnius lartiguei Simon, 1903, Vinnius petropolis (MeIlo-Leitão, 1943), Vinnius reticulatus Mello-Leitão, 1943 and Vinnius paranaensis Mello-Leitão, 1947, all from the Neotropical Region. After the examen of the types of all species it was possible to evidence that Vinnius calcarifer Simon, 1902 and Vinnius carinatus Simon, 1902 are not congeneric with Vinnius maculaticeps Simon, 1902, the type-species selected by him for the new proposed genus. Supported by this fact, two new genera are proposed. The genus Arnoliseus, with two species, A. caicarifer (Simon, 1902), a new combination and A. graciosa sp. n. and the genus Frespera also with two species, F. carinata (Simon, 1902), new combination and F. meridionalis sp. n. Vinnius maculaticeps is consideres a junior synonym of Vinnius subfasciatus (C. L. Koch, 1846), Vinnius Iartiguei Simon, 1903 of Vinnius uncatus Simon, 1902 and Vinnius paranaensis Mello-Leitão, 1947 of Vinnius calcarifer. Vinnius reticulatus Mello-Leitão, 1942 is transfered to the genus Chira. Vinnius petropolis is considered a species Inquirenda. After this study the genus Vinnius remains with only four species: Vinnius subfasciatus (C. L. Koch, 1846), Vinnius uncatus Simon, 1902, and the two new ones herein proposed Vinnius buzius sp. n. and Vinnius camacan sp. n. The females of Arnoliseus calcarifer (Simon, 1902) and, F. carinata (Simon, 1902) are described for the first time. / O gênero Vinnius Simon, 1902, apresenta nove espécies: V. subfasciatus (C. L. Koch, 1846), Vinnius maculaticeps Simon, 1902, V. Uncatus Simon, 1902, V. carinatus Simon, 1902, V. calcarifer Simon, 1902, V. Iartiguei Simon, 1903, V. petropolis (Mello-Leitão, 1943), V. reticulatus Meio-Leitão, 1943, V. paranaensis Mello-Leitão, 1947 todas Neotropicais. Com o estudo dos tipos, pôde- se comprovar que Vinnius calcarifer Simon, 1902 e V. carinatus Simon, 1902 não são congenéricas com V. maculaticeps Simon, 1902, espécie-tipo do gênero, o que torna possivel a proposição de dois novos gêneros. Propõe-se o gênero Arnoliseus para abrigar A. calcarifer (Simon, 1902) comb. nov, e mais uma nova espécie; A. graciosa sp. n e o gênero Frespera para abrigar F. carinata (Simon, 1902) comb. nov e Frespera meridionalis sp. n. Vinnius maculaticeps é considerado sinônimo júnior de Vinnius subfasciatus; V. lartiguei de V. Uncatus, V. paranaensis Mello-Leitão de A. calcarifer, e V. reticulatus é transferido para Chira. Vinnius petropolis é considerado species Inquirenda. O gênero Vinnius fica restrito à apenas quatro espécies; V. subfasciatus, V. uncatus e duas novas; V. buzius sp. n. e V. camacan sp. n. Descreve-se pela primeira vez, as fêmeas de A. calcarifer (Simon, 1902) e Frespera carinata (Simon, 1902).
2

Revisão taxonômica do gênero Noegus Simon, 1900 (Araneae, Salticidae) na região neotropical

Santos, Jefferson Roberto Bahnert January 2003 (has links)
Made available in DSpace on 2016-03-16T02:05:03Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000477612-Texto+Completo-0.pdf: 6757160 bytes, checksum: 63f08ba3b75f39b7ad77b1b9561d40bc (MD5) Previous issue date: 2003 / The Noegus genus was proposed by Simon in 1990 for spiders of Salticidae family and Amicinae subfamily from neotropical region. Nowadays there are twenty four valid species and one that's considered species inquirenda. From all the described valid species, nineteen are represented just for males, two for males and females and three for females. Through the revision of Noegus genus, the type of fifteen species are rewrited, and the synonym of five species are proposed. For the first time females from eight species are being described. Males and females from two new species are also described resulting in 21 valid species. / O gênero Noegus foi proposto por Simon em 1900 para aranhas da família Salticidae da subfamília Amicinae da região neotropical e conta, hoje, com vinte e quatro espécies válidas e uma considerada species inquirenda. Do total das espécies descritas válidas dezenove estão representadas apenas pelos machos, duas por machos e fêmeas e três pelas fêmeas. Através da revisão do gênero Noegus, redescreve-se os tipos de 15 espécies, propondo a sinonímia de cinco espécies. Descreve-se pela primeira vez as fêmeas de oito espécies. São descritas machos e fêmeas de duas espécies novas. Resultando em 21 espécies válidas.
3

Caracterização parcial e atividades biológicas do veneno da aranha brasileira Lasiodora sp (Aranae: Theraposidae)

FERREIRA, Felipe Roberto Borba 28 April 2015 (has links)
Submitted by Pedro Barros (pedro.silvabarros@ufpe.br) on 2018-08-07T18:59:40Z No. of bitstreams: 2 license_rdf: 811 bytes, checksum: e39d27027a6cc9cb039ad269a5db8e34 (MD5) TESE Felipe Roberto Borba Ferreira.pdf: 2146138 bytes, checksum: a5216409b3f582f8aa557abee059d6b7 (MD5) / Approved for entry into archive by Alice Araujo (alice.caraujo@ufpe.br) on 2018-08-15T20:38:35Z (GMT) No. of bitstreams: 2 license_rdf: 811 bytes, checksum: e39d27027a6cc9cb039ad269a5db8e34 (MD5) TESE Felipe Roberto Borba Ferreira.pdf: 2146138 bytes, checksum: a5216409b3f582f8aa557abee059d6b7 (MD5) / Made available in DSpace on 2018-08-15T20:38:35Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license_rdf: 811 bytes, checksum: e39d27027a6cc9cb039ad269a5db8e34 (MD5) TESE Felipe Roberto Borba Ferreira.pdf: 2146138 bytes, checksum: a5216409b3f582f8aa557abee059d6b7 (MD5) Previous issue date: 2015-04-28 / CAPES / A aranha brasileira Lasiodora (Mygalomorphae, Theraphosidae), conhecida popularmente como, é amplamente distribuída na região Nordeste do Brasil, na Zona da Mata. Os venenos de Theraphosídeos podem ser uma rica fonte de importantes ferramentas farmacológicas. O presente estudo realizou a venômica parcial, extração e atividade antimicrobiana do veneno da tarântula brasileira Lasiodora sp contra bactérias e fungos patogênicos importantes. Após o processo de extração, um veneno incolor foi obtido sem contaminação de fluidos gástricos. Este mostrou conter um concentração ~ 4,53 ± 0,38 ug / μL de proteína e um pH de 5,5. O Perfil eletroforético mostrou uma baixa massa molecular variando de 2 kDa a 10 kDa e uma variedade de faixas com massas moleculares de 30 kDa a 250 kDa. O perfil do veneno por RP-HPLC junto com SDS-PAGE não revelou uma diferença significativa entre venenos de macho e fêmea. Após separação cromatográfica, as frações do veneno, foram digeridas em gel e analisada por espectrometria de massa. Quatro peptídeos, U1-theraphotoxin-Lp1a (Lasiotoxin-1), U1-theraphotoxin-Lp1b (Lasiotoxin-2) e U3-theraphotoxin-Lsp1a (LTx5) e ω-theraphotoxin-Asp3a, foram identificados. Estes peptídeos mostraram uma elevada homologia com outros peptídeos encontrados em Lasiodora sp. e em outros Theraphosideos. Foram identificadas duas proteínas: PLA2 e hialuronidase. ω-theraphotoxin-Asp3a, PLA2 e hialuronidase estão sendo descritas pela primeira vez compondo o veneno de Lasiodora sp. O veneno inibiu o crescimento e matou todos os microrganismos testados, com inibição mínima (MIC), mínima bactericida (CBM) e mínima fungicida (MFC) em concentrações que variam de 3,9 a 500 ug / ml. O veneno de Lasiodora sp. pode ser classificado como um agente bactericida (MBC / MIC = 1) contra as bactérias Gram-positivos Bacillus subtilis e Micrococcus luteus e a bactéria Gram-negativas Aeromonas sp. Além disso, ele pode ser classificado como um agente fungicida contra Candida parapsilosis (MFC / MIC = 1) e Candida albicans (MFC / MIC = 2). O veneno agiu como um fármaco bacteriostático contra a espécie gram-positiva Staphylococcus aureus (MBC / MIC = 64), e bactérias Gram-negativas Pseudomonas aeruginosa (MBC / MIC = 8) e Klebsiella pneumoniae (MBC / MIC = 16), bem como agente fungistático sobre as leveduras Candida tropicalis (MFC / MIC = 16,02) e Candida krusei (MFC / MIC = 8). Em conclusão, o veneno de Lasiodora sp. foi parcialmente caracterizado e é fonte de agentes antimicrobianos com relevância clínica e o estudo contribui para a caracterização do gênero. / The Brazilian spider Lasiodora (Mygalomorphae, Theraphosidae), whose trivial names are “caranguejeira” or tarantula, is widely distributed in Northeastern Brazil, in the rainforest. The theraphosid venoms may be a rich source of important pharmacological tools. In the present study we conducted the partial venomic, extraction and antimicrobial activity against medically important bacteria and fungi from the venom of the Brazilian tarantula Lasiodora sp. After extraction process, a colorless venom was obtained without contamination with gastric fluids. This venom showed a contained 4.53±0.38 μg/μL of protein and a pH of 5.5. Electrophoretic profile showed a low molecular mass ranging from 2 kDa to 10 kDa and a variety of bands with molecular masses from 30 kDa to 250 kDa. RP-HPLC venom profile together SDS-PAGE did not reveal a difference among male and female venom’s. After chromatographic separation fractions of venoms were in gel digestion and analyzed by mass spectrometry. Four peptides, U₁-theraphotoxin-Lp1a (Lasiotoxin-1), U₁-theraphotoxin-Lp1b (Lasiotoxin-2) and U₃-theraphotoxin-Lsp1a (LTx5), ω-theraphotoxin-Asp3a. were identified. These peptides showed a high identity with other peptides found in Lasiodora and other Theraphosides. Two proteins were identified: PLA₂ and hyaluronidase. ω-theraphotoxin-Asp3a, PLA₂ and hyaluronidase are describe for first time composing the venom of Lasiodora sp. The venom inhibited the growth and killed all tested microorganisms, with minimal inhibitory (MIC), minimal bactericide (MBC) and minimal fungicide (MFC) concentrations ranging from 3.9 to 500 μg/mL. The Lasiodora sp. venom can be classified as a bactericide agent (MBC/MIC = 1) against the Gram-positive bacteria Bacillus subtillis and Micrococcus luteus and the Gram-negative bacterium Aeromonas sp. Also, it can be classified as a fungicide agent on Candida parapsilosis (MFC/MIC = 1) and Candida albicans (MFC/MIC = 2). The venom acted as a bacteriostatic drug against the Gram-positive species Staphylococcus aureus (MBC/MIC = 64), the Gram-negative bacteria Pseudomonas aeruginosa (MBC/MIC = 8) and Klebsiella pneumoniae (MBC/MIC = 16) as well as fungistatic agent on the yeasts Candida tropicalis (MFC/MIC = 16.02) and Candida krusei (MFC/MIC = 8). In conclusion, Lasiodora sp. venom was partial characterized and is source of antimicrobial agents with clinical relevance and the study contributes for the characterization of the genus.
4

Sistemática de Miagrammopes O. PickardCambridge, 1870 (Arachnida: Araneae: Uloboridae)

Trigueiro, Lidianne Salvatierra Paz 18 November 2016 (has links)
Submitted by Gizele Lima (gizele.lima@inpa.gov.br) on 2017-07-19T12:52:23Z No. of bitstreams: 2 TESE_Salvatierra.pdf: 6874021 bytes, checksum: b94c22fbd18456115f189ff183f717e8 (MD5) license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) / Made available in DSpace on 2017-07-19T12:52:23Z (GMT). No. of bitstreams: 2 TESE_Salvatierra.pdf: 6874021 bytes, checksum: b94c22fbd18456115f189ff183f717e8 (MD5) license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) Previous issue date: 2016-11-18 / Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq / The thesis presents a phylogeny of the subfamilies of Uloboridae Thorell, 1869 with the description of new species of Conifaber Opell, 1982 and Tangaroa Lehtinen, 1967, a revision of Ariston O. PickardCambridge, 1896 and Siratoba Opell, 1979, and revision and phylogeny of Neotropical species of Miagrammopes O. Pickard-Cambridge, 1870. The thesis is divided in five chapters: Chapter I presents the revision of the Neotropical species of Miagrammopes with the description of 21 new species; Chapter II presents the phylogeny of the Uloboridae’ subfamilies and phylogeny of Miagrammopes with description of a new species and new sinonimies for another one; Chapter III presents the revision of Ariston and Siratoba with description of two new species (published in 2014 in Zoological Studies); Chapter IV presents the description of two new species of Tangaroa Lehtinen, 1967 (published in 2015 in Journal of Arachnology); and Chapter V presents the description of a new species and first occurrence of Conifaber Opell, 1982 to Brazil (accepted for publication in Turkish Journal of Zoology). / A presente tese trata da filogenia das subfamílias de Uloboridae Thorell, 1869, descrição de novas espécies de Conifaber Opell, 1982 e Tangaroa Lehtinen, 1967, revisão dos gêneros Ariston O. PickardCambridge, 1896 e Siratoba Opell, 1979, e revisão e filogenia de Miagrammopes O. Pickard-Cambridge, 1870, com ênfase nas espécies Neotropicais. Optou-se por dividir a tese em cinco capítulos; o capítulo I apresenta a revisão das espécies Neotropicais de Miagrammopes com a descrição de espécies novas; o capítulo II trata da investigação das relações filogenéticas entre as subfamílias de Uloboridae e as espécies de Miagrammopes com a descrição de uma espécie nova e a proposição de uma nova sinonímia; o capítulo III é resultado da revisão dos gêneros Ariston e Siratoba com descrições de duas espécies novas (publicado em 2014 na revista Zoological Studies); o capítulo IV, por não necessitar de tratamento taxonômico adicional, trata da descrição de duas espécies novas de Tangaroa Lehtinen, 1967 (publicado em 2015 na revista Journal of Arachnology); e finalmente o capítulo V, apresenta a adição de uma espécie nova e primeiro registro para o Brasil do gênero Conifaber Opell, 1982 (trabalho aceito para publicação na revista Turkish Journal of Zoology).
5

Systematics and evolution of the orb-weaving spider genus Wagneriana F.O. Pickard-Cambridge, 1904 (Araneae; Araneidae) / Sistemática e evolução das aranhas orbitelas do gênero Wagneriana F.O. Pickard-Cambridge, 1904 (Araneae: Araneidae)

Garcia, Jimmy Jair Cabra 21 May 2018 (has links)
Although several Neotropical genera of the family Araneidae were revised using modern taxonomic standards, species-level phylogenies and phylogenetic relationships among genera remains poorly understood. This study was designed to test the monophyly of the Neotropical araneid genus Wagneriana, F. O. Pickard-Cambridge, 1904 and its phylogenetic placement by conducting a total evidence analysis. The combined matrix included 167 phenotypic characters and approximately 4,800 base pairs generated for three mitochondrial and six nuclear loci. The dataset consists of 82 terminals representing 100% of the described diversity of the genus Wagneriana, (37 species after taxonomic changes) plus five undescribed species and 33 outgroup terminals of 31 species. To evaluate the phylogenetic significance of the phenotypic evidence, comparisons between total evidence analyses and molecular-only analyses were conducted. In addition, to evaluate the effect of the alignment and optimality criteria, multiple analytical approaches were conducted using the programs POY, TNT, RAxML, GARLI, IQtree and MrBayes. In general, the results obtained across the different approaches showed congruence. In all the cases, W. carimagua Levi, 1991 and W. uropygialis, Levi, 1991 were nested within the genera Parawixia F. O. Pickard-Cambridge, 1904 and Alpaida O. Pickard-Cambridge, 1889, respectively, and the remaining nominal species of the genus Wagneriana fell into three main clades, neither of which formed a pair of sister taxa. However, sister-group relationships of the main clades, as well as, its internal relationships were strongly influenced by the employed analytical approach. The election of alignment criteria had comparable topological effects to that of optimality criteria. Within the maximum likelihood context, the program choice affected the maximization of the likelihood score and the tree topology. Although phenotypic evidence comprised only 2.80-3.05% of the total evidence matrices, it had impact in support values and topology. In general, the inclusion of phenotypic evidence, irrespective of the optimality criterion used, increased the support values of several ingroup and outgroup clades. Furthermore, the monophyly of several clades was only recovered with the addition of phenotypic characters. In accordance with the phylogenetic results, a new araneid genus is proposed and Paraverrucosa Mello-Leitão, 1939 is resurrected. Moreover, five Wagneriana species are newly described and complementary descriptions for seven species are provided. This study presents the first total evidence phylogenetic analysis of a Neotropical Araneidae genus and discusses the impact of the inclusion of phenotypic evidence and the choice of alignment and optimality criteria in phylogenetic analyses / Embora vários gêneros neotropicais da família Araneidae tenham sido revisados usando padrões taxonômicos modernos, as filogenias ao nível de espécie e as relações filogenéticas entre os gêneros ainda são pouco conhecidas. Este estudo foi delineado para testar o monofiletismo do gênero neotropical Wagneriana F. O. Pickard-Cambridge, 1904 e sua posição filogenética, através de uma análise de evidência total. A matriz combinada incluiu 167 caracteres fenotípicos e aproximadamente 4.800 pares de bases gerados para três loci mitocondriais e seis nucleares. O conjunto de dados consiste em 82 terminais representando 100% da diversidade descrita do gênero Wagneriana (37 espécies após alterações taxonômicas) mais cinco espécies não descritas e 33 terminais do grupo externo representando 31 espécies. Para avaliar o significado filogenético da evidência fenotípica, comparações entre análises de evidência total e análises exclusivamente moleculares foram realizadas. Além disso, para avaliar o efeito dos critérios de alinhamento e otimalidade, foram realizadas múltiplas abordagens analíticas utilizando os programas POY, TNT, RAxML, GARLI, IQtree e MrBayes. Em geral, os resultados obtidos nas diferentes abordagens mostraram congruência. Em todos os casos, W. carimagua Levi, 1991 e W. uropygialis Levi, 1991 foram aninhados dentro dos gêneros Parawixia, F. O. Pickard-Cambridge, 1904 e Alpaida O. Pickard-Cambridge, 1889, respectivamente, e as espécies nominais remanescentes do gênero Wagneriana foram obtidas em três clados principais, nenhum dos quais formou um par de táxons irmãos. No entanto, as relações de grupo-irmão dos principais clados, bem como suas relações internas, foram fortemente influenciadas pela abordagem analítica empregada. A escolha dos critérios de alinhamento teve efeitos topológicos comparáveis aos dos critérios de otimalidade. Dentro do contexto de máxima verossimilhança, a escolha do programa afetou a maximização do escore de verossimilhança e a topologia. Embora a evidência fenotípica compreendesse apenas 2,80-3,05% das matrizes de evidencia total, teve impacto nos valores de suporte e na topologia. Em geral, a inclusão de evidências fenotípicas, independentemente do critério de otimalidade usado, aumentou os valores de suporte de vários clados do grupo interno e externo. Além disso, o monofiletismo de vários clados só foi recuperado com a adição de caracteres fenotípicos. De acordo com os resultados filogenéticos, um novo gênero de Araneidae é proposto e Paraverrucosa Mello-Leitão, 1939 é reestabelecido. Além disso, cinco espécies novas de Wagneriana são descritas e descrições complementares para sete espécies são fornecidas. Este estudo apresenta a primeira análise filogenética de evidência total de um gênero neotropical da família Araneidae e discute o impacto da inclusão de evidência fenotípica e a escolha de critérios de alinhamento e otimalidade em análises filogenéticas
6

Phylogenetic relationships of the wolf spider genus Orinocosa Chamberlin, 1916: (Araneae, Lycosidae)

Munguía, Williams Paredes January 2013 (has links)
Made available in DSpace on 2013-08-07T19:12:32Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000448206-Texto+Completo-0.pdf: 2409481 bytes, checksum: 9abfd39b88fcdf9222b3dd1b9929defc (MD5) Previous issue date: 2013 / There are few studies that have tried to resolve the phylogenetic relationships of Lycosidae until now. The current studies on phylogeny used genes to discover and explain the intergeneric relationships of the family. In this work, all the Orinocosa species distributed worldwide and poor little known genus of Lycosidae was studied. Orinocosa species were analyzed to discover their internal and external phylogenetic relationships. A total of 27 taxa were placed as internal group and 23 taxa belonging to 17 genera, which formed the outgroup were analyzed. A total of 114 characters were obtained in this analysis, most binary and discrete, between sexual and non-sexual. The out-group was represented by at least two species of four subfamilies considered in this study, making a total of 52 taxa analyzed. Agalenocosa was one of the genera included in a data matrix phylogenetic here for the first time. The construction of the data matrix was made in the program Mesquite and the resulting trees, as well as the consensus tree have been edited in Winclada. Data were analyzed by heuristic search and then the new technologies included in the software ASADO that uses the algorithms of TNT and NONA. This analysis resulted in a total of five most parsimonious trees, each fully resolved, with the following values for consensus: L = 884, C = 18 and R = 40. The value of Bremmer support to Orinocosa was two; for the rest of the branches varied between one and three. Orinocosa sensu stricto emerged as a polyphyletic group. The new proposal of Orinocosa was supported by two non-homoplasious characters: absence of stridulatory organ and ventral keel of Median Apophysis straight. From all species belonging and revised to the group of Orinocosa, 60% of them do not belong to the genus. In conclusion, the merely female of Orinocosa aymara correspond to the original description, the other species did not fit with the concept of Orinocosa and will be transferred based on the diagnostic generic characters in a future proposal. Of the 21 morphospecies of Orinocosa, only 16 were grouped within the genus. The remaining morphospecies were allocated outside the genre, probably because the only female in each terminal. Trochosa proved to be the sister group of Orinocosa. It is suggested in the future to include more Trochosa species to get wider and complete resolution. / Poucas foram às pesquisas que tentaram resolver as relações filogenéticas de Lycosidae ate agora. Os estudos mais atualizados sob filogenia de Lycosidae usaram genes para descobrir e explicar as relações inter-genéricas das mesmas. Neste trabalho, se estudaram as espécies de Orinocosa, um gênero pouco conhecido da família Lycosidae distribuída mundialmente. As espécies de Orinocosa foram analisadas para descobrir suas relações filogenéticas internas e externas. Analisaram-se um total de 27 táxons colocados como grupo interno e 25 táxons pertencentes a 16 gêneros, que formaram o grupo externo. Extraíram-se um total de 114 caracteres nesta análise, a maioria deles binários e discretos, entre sexuais e não sexuais. O grupo externo foi representado por pelo menos duas espécies das quatro subfamílias consideradas neste estudo, perfazendo um total de 52 táxons analisados. Agalenocosa foi um dos gêneros incluído numa matriz de dados filogenéticos aqui pela primeira vez. A construção da matriz de dados foi feita no programa Mesquite e as árvores resultantes, assim como a árvore de consenso, foram editadas no Winclada. Os dados foram analisados usando buscas heurísticas e posteriormente as Novas Tecnologias do software ASADO que usa os algoritmos de TNT e NONA juntos. Esta analise resultou em um total de cinco árvores mais parcimoniosas, cada uma totalmente resolvida, com os seguintes valores para o consenso: L = 884, Ci = 18 e Ri = 40. O valor de suporte de Bremmer para Orinocosa foi de dois; para o resto dos ramos variaram entre um e três. Orinocosa sensu estricto emergiu como um grupo polifilético. A nova proposta de Orinocosa é suportada por dois caracteres não-homoplásicos: ausência de órgão estridulatorio e a quilha ventral da Apófise Media reto. De todas as espécies revisadas que pertencem ao elenco de Orinocosa, o 60% delas não pertenceriam ao gênero. Em conclusão, apenas a fêmea de Orinocosa aymara corresponderia com a descrição original; as demais espécies não se encaixaram com o conceito de Orinocosa e serão transferidos baseando se nos caracteres genéricos diagnósticos. Das 21 morfoespécies de Orinocosa, somente 16 se agruparam dentro do gênero. As morfoespecies restantes se alocaram fora do gênero provavelmente por ter somente a fêmea em cada terminal. Trochosa resultou ser o grupo irmão de Orinocosa. Sugere-se no futuro, incluir mais espécies de Trochosa para obter resoluções mais amplas e completas.
7

Sistemática e filogenia de Trechaleidae (Araneae, Lycosoidea)

Silva, Estevam Luís Cruz da January 2012 (has links)
Made available in DSpace on 2013-08-07T19:13:25Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000438121-Texto+Completo-0.pdf: 17499870 bytes, checksum: c17a9fc5a6435b46f37dbaa55c40a819 (MD5) Previous issue date: 2012 / The first revised genus of Trechaleidae was Trechalea Thorell, 1890, by Carico (1993), after this revision, the systematic of this spider family started to be know for the Neotropical region. The cladistic analysis of the Trechaleidae genera used 64 taxa and 79 characters, including all genera formerly assigned to Trechaleidae Simon, 1890, all exemplars of all families currently placed in “higher lycosoids” sensu Griswold (1993), and an array of potential Lycosoid outgroups, resulted in a single most parsimonious tree of 380 steps (FIT = 56. 08, K = 6, Ci = 0. 26, Ri = 0. 65). This analysis suggests that Psechridae is sister to an Oxyopidae + Senoculidae lineage. Ctenidae, only represented here by Ancylometes Bertkau, 1880 showed to be more related to Pisauridae. The subfamily Rhoicininae Simon, 1898 is sister group of Lycosidae and is promoted to family rank (Rhoicinidae, New Status). Shinobius orientalis (Yaginuma, 1967) is confirmed as a true member of Rhoicinidae and closely related to Heidrunea Brecovit & Höfer, 1994. Neoctenus Simon, 1897 also does not fall within Trechaleidae and is transferred to Zoridae. The family Trechaleidae is now divided in three subfamilies: Dosseninae (Dossenus Simon, 1898, New Subfamily), Enninae (Enna O. Pickard-Cambridge, 1897, New Subfamily) and Trechaleinae Simon, 1890. The cladogram shows detailed resolution within the newly delimited Trechaleidae. Two new genera, Paradyrines gen. nov. and Neotrechalea gen. nov. , are described and illustrated for the first time. Caricelea Silva & Lise, 2007 is synonymized with Enna O. Pickard- Cambridge, 1897. Trechalea Thorell, 1869 is sister to the clade fromed by Syntrechalea F. O. Pickard-Cambridge, 1902.The Rhoicininae Simon, 1898 was recently removed from Trechaleidae Simon, 1869 and promoted to family rank based on the results of a morphological study made by Silva et al. (2011). The family was revised and illustrated. Rhoicinidae is composed by four genera: Barrisca Chamberlin & Ivie, 1936, Heidrunea Brescovit & Höfer, 1994, Rhoicinus Simon, 1898 and Shinobius Yaginuma, 1991. Barrisca nannella Chamberlin & Ivie, 1936 (type-species) and B. kochalkai Platnick, 1978 are redescribed and illustrated. The male of B. kochalkai and a new species from Peru are described and illustrated for the first time. The types of Heidrunea Brescovit & Höfer, 1994 (H. arijana Brescovit & Höfer, 1994, H. irmleri Brescovit & Höfer, 1994 and H. lobrita Brescovit & Höfer, 1994) were photographed and illustrated. The genus Rhoicinus comprises 10 known species and all known species are redescribed and illustrated. Rhoicinus weyrauchi Exline, 1960 is a junior synonym of R. wapleri Simon, 1898. Rhoicinus cashiari sp. nov. is described and illustrated from material collected in Peru. The monotypic genus Shinobius Yaginuma, 1991 is redescribed and illustrated. Maps with the distribution of the representatives of the family are presented. Since 2008, 14 papers were published based on review papers and several new species were described and illustrated from Central and South America.The genera Enna O. P. -Cambridge, 1897 and Dyrines Simon, 1903 were revised by Silva et al. (2008) and Carico & Silva (2008), respectively. After the revision of Enna, in 2008, 13 new species were described. A new species of Dyrines was described by Silva & Lise (2010). Syntrechalea F. O. Pickard-Cambridge, 1902 was revised by Carico (2008) and after that work, three new species were described by Silva & Lise (2008, 2010) (two from Northern Brazil and one from Colombia). Based on material from Peru, two new species of Caricelea Silva & Lise, 2007, were proposed. The male of Hesydrus caripito Carico, 2005 and a new species of Enna (Enna echarate Silva & Lise, 2009) were described. Dossenus was revised by Silva et al. (2007), and the male of Dossenus guapore Silva, Lise & Carico, 2007 and a new species from Northern Brazil (Pará) were described. The male of Paratrechalea longigaster Carico, 2005 was described and illustrated and new records of the distribution of Paratrechalea were registered to Brazil. The last trechaleid genus to be revised was Paradossenus F. O. P. - Cambridge, 1903. Carico & Silva (2010) described and illustrated six new species and Silva & Lise (2011) described the female of Paradossenus macuxi from Roraima, Brazil. And the nuptial gift behavior of the male of Trechalea amazonica F. O. Pickard- Cambridge was recorded for the first time to Pará, Brazil. / O primeiro gênero de Trechaleidae a ser revisado foi Trechalea Thorell, 1890, trabalho este feito por Carico (1993), desde então a sistemática desta família de aranhas foi sendo enfocada e descrita para a região Neotropical. Desde 2008, 14 artigos foram publicados a partir de trabalhos revisivos e muitas espécies novas foram descritas nas Américas Central e do Sul. A análise cladística dos gêneros de Trechaleidae foi realizada com 64 táxons a partir de 79 caracteres morfológicos obtidos a partir do exame de espécimes, atualmente alocados em Trechaleidae (sensu Griswold 1993), resultou em uma única árvore mais parcimoniosa, com 394 passos (FIT = 56,08, K = 6, Ci = 0,26, Ri = 0,65). A partir desta análise, observou-se que Psechridae agrupou-se com o clado Oxyopidae + Senoculidae. Ctenidae, representado pelo gênero Ancylometes Bertkau, 1880, mostrou-se mais próximo de Pisauridae. A subfamília Rhoicininae é grupo irmão de Lycosidae, não pertencendo à Trechaleidae, e é promovida aos status de família (Rhoicinidae). Shinobius orientalis (Yaginuma, 1967) foi confirmado como membro de Rhoicinidae e relacionado à Heidrunea Brescovit & Höfer, 1994. Neoctenus Simon, 1897 não pertence à Trechaleidae e é transferido para Zoridae. A família Trechaleidae agora é dividida em três subfamílias: Dosseninae (Dossenus Simon, 1898, Nova Subfamília), Enninae (Enna O. Pickard-Cambridge, 1897, Nova Subfamília) e Trechaleinae Simon, 1890.Dois novos gêneros foram propostos: Paradyrines gen. nov. e Neotrechalea gen. nov. , descritos pela primeira vez. Caricelea Silva & Lise, 2007 foi sinonimizado com Enna O. Pickard-Cambridge, 1897. O gênero-tipo, Trechalea Thorell, 1869, é mais relacionado ao clado formado por Syntrechalea F. O. Pickard- Cambridge, 1902. Rhoicininae Simon, 1898 foi promovida ao status de família após a análise filogenética de Trechaleidae Simon, 1869 feita por Silva et al. (in press). Rhoicinidae é atualmente compostra por quatro gêneros: Barrisca Chamberlin & Ivie, 1936, Heidrunea Brescovit & Höfer, 1994, Rhoicinus Simon, 1898 e Shinobius Yaginuma, 1991. Barrisca nannella Chamberlin & Ivie, 1936 (espécie-tipo) e B. kochalkai Platnick, 1978 foram redescritas e ilustradas. O macho de B. kochalkai e uma nova espécie do Peru foram descritas e ilustradas pela primeira vez. Os representantes de Heidrunea Brescovit & Höfer, 1994 (H. arijana Brescovit & Höfer, 1994, H. irmleri Brescovit & Höfer, 1994 e H. lobrita Brescovit & Höfer, 1994) foram fotografados e ilustrados. Rhoicinus é composto por 10 espécies conhecidas e todas foram redescritas e ilustradas. Rhoicinus weyrauchi Exline, 1960 foi considerado sinônimo júnior de R. wapleri Simon, 1898. Rhoicinus cashiari sp. nov. é descrito e ilustrado com base em material proveniente do Peru.O gênero monotípico Shinobius Yaginuma, 1991 é redescrito e ilustrado. Mapa com a distribuição dos representantes de Rhoicinidae é apresentado. A partir do material obtido por empréstimo para ser utilizado na análise filogenética de Trechaleidae, muitas espécies novas e novos registros foram observados. Esse novo material foi descrito a partir de trabalhos revisivos previamente publicados e reunidos em uma compilação de artigo publicaods durante o período de desenvolvimento desta Tese de Doutorado. Os gêneros Enna O. P. -Cambridge, 1897 e Dyrines Simon, 1903 foram revisados por Silva et al. (2008) e Carico & Silva (2008), respectivamente. Após a revisão de Enna, em 2008, foram descritas 13 novas espécies. Uma nova espécie de Dyrines foi descrita por Silva & Lise (2010). Syntrechalea F. O. P. -Cambridge, 1902 foi revisada por Carico (2008) e foram descritas três espécies novas, Silva & Lise (2008, 2010) descreveram três novas espécies (duas no norte do Brasil e uma da Colômbia). Com base em material proveniente do Peru foram descritas duas novas espécies de Caricelea Silva & Lise, 2007, o macho de Hesydrus caripito Carico, 2005 e uma espécie nova de Enna (Enna echarate Silva & Lise, 2009). Dossenus foi revisado por Silva et al. (2007), e o macho de Dossenus guapore Silva, Lise & Carico, 2007 foi descrito e uma espécie nova do norte do Brasil (Pará). O macho de Paratrechalea longigaster Carico, 2005 foi descrito e ilustrado e novos registros de distribuição do gênero no Brasil foram efetivados. O último gênero de Trechaleidae a ser revisado foi Paradossenus F. O. P. -Cambridge, 1903. Carico & Silva (2010) descreveram seis espécies novas e Silva & Lise (2011) descreveram a fêmea de Paradossenus macuxi de Roraima, Brasil. O comportamento de presente nupcial do macho de Trechalea amazonica F. O. P. -Cambridge, 1903 foi registrado no Pará, Brasil.
8

Análise cladística das subfamílias de Hahniidae Bertkau, 1878: (Arachnida, Araneae)

Lo Man Hung, Nancy França January 2013 (has links)
Made available in DSpace on 2013-11-07T10:45:44Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000451925-Texto+Completo-0.pdf: 8499768 bytes, checksum: 8ba01cc3c11aa4647b1decc86f93c1ba (MD5) Previous issue date: 2013 / The present work aimed to study the phylogenetic relationships and test the monophyly of the subfamilies of Hahniidae. Thus, this study was divided into two parts: the first is an introduction consisting of a brief literature review on Hahniidae and, the second part is written manuscript for publication in English: Article: Cladistic analysis of the subfamilies of the comb-tailed spider (Araneae: Hahniidae), manuscript will be submitted to Zoologica Scripta (Factor 2913 - A1). In the manuscript we performed a parsimony analysis with heuristic search, characters unordered and with equal weights for all characters, resulting in relationship hypothesis (L = 412, CI = 37, RI = 53) between 30 terminals and 106 morphological characters, 63 somatic, 42 sexual and one from behavior. This is the first phylogenetic hypothesis for the family based on morphological characters and composed of members of all three subfamilies of Hahniidae. The ingroup was composed of 14 species of Hahniinae, five species of Cybaeolinae, five species of Cryphoecinae, two species incertae sedis, and the outgroup composed of members of Dictynidae, Cybaeidae, Agelenidae and Amaurobidae. In this hypothesis, Hahniidae as is currently defined, is not a monophyletic group, Cryphoecinae is monophyletic and related with Cybaeidae and Dictynidae, other hahniids appear as the sister group to Dictynidae. Both, Cybaeolinae and Hahniinae are not a monophyletic group. Cybaeolinae seems to be composed only by gender Cybaeolus, while for Hahniinae more studies are needed to define the relationships between the genera that comprise this subfamily, especially an extensive review of the genus Hahnia. / O presente trabalho visou estudar as relações filogenéticas e testar o monofiletismo das subfamílias de Hahniidae. Sendo assim, este trabalho foi dividido em duas partes: a primeira é uma apresentação geral composta por uma breve revisão literária sobre Hahniidae e a segunda parte é um artigo, redigido em inglês, e em formato de artigo para publicação: Artigo: Cladistic analysis of the subfamilies of the comb-tailed spider (Araneae: Hahniidae), artigo será submetido para a revista Zoologica Scripta (Fator 2. 913 – A1). No artigo foi realizada uma análise de parcimônia com buscas heurísticas, caracteres não ordenados e com pesos iguais para todos os caracteres, resultando em uma hipótese de relacionamento (L= 412, CI= 37, RI= 53) entre 30 terminais e 106 caracteres morfológicos, sendo 63 somáticos, 42 sexuais e um comportamental. Esta é a primeira hipótese filogenética para a família baseada em caracteres morfológicos e composta por integrantes das três subfamílias de Hahniidae. O grupo interno foi composto por 14 espécies de Hahniinae, cinco espécies de Cybaeolinae, cinco espécies de Cryphoecinae, duas espécies incertae sedis e, o grupo externo composto por integrantes de Dictynidae, Cybaeidae, Agelenidae e Amaurobidae. Nesta hipótese, Hahniidae como está atualmente delimitada, não é um agrupamento monofilético, Cryphoecinae é monofilético e parece relacionada com Cybaeidae e Dictynidae, os demais hahniideos aparecem como grupo irmão de Dictynidae. Tanto Cybaeolinae quanto Hahniinae não formam um grupo monofilético. Cybaeolinae parece ser composta apenas pelo gênero Cybaeolus, enquanto que para Hahniinae são necessários mais estudos para definir os relacionamentos entre os gêneros que compõem esta subfamília, especialmente uma revisão extensiva do gênero Hahnia.
9

Análise cladística de Philodromidae thorell, 1870 (Arachnida: Araneae)

Francisco, Rafael Carlo January 2015 (has links)
Made available in DSpace on 2015-06-12T02:08:16Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000470330-Texto+Completo-0.pdf: 14650264 bytes, checksum: e9e557008f28c62060724d7bb7bbf370 (MD5) Previous issue date: 2015 / This work is a cladistic study of Philodromidae Thorell, 1870 at genera level. The family currently have 549 species in 30 genera. Its distribution covers the temperate and tropical regions. Although many authors have studied the family and proposing a systematic classification, no cladistic analysis yet studied the internal relations of the family with a wide sampling of genres. This study aims to analyze the relationship between the genera of Philodromidae and test its monophyly. In the analysis were included 73 species, with representatives of 22 genera of the 30 total family genera and seven species from four families included as outgroups, which were respectively Salticidae, Thomisidae and Sparassidae with two species and representatives for rooting was selected one spiceie of Selenopidae. Where analyzed 130 characters somatic at 80 terminals via heuristic search with equal weighing of characters. The analysis resulted in 61 maximally parsimonious trees of 720 steps, with equal weights. The results at the two analyses have found thath the family is monophyletic. The analysis also indicated three groups of genres that are proposed in this study as subfamilies: Pedinopisthinae, Thanatinae and Philodrominae. Two subfamilies (Thanatinae and Philodrominae) partially match tribes previously proposed in other studies. Many of the diagnostic characters of the show are homoplásicos genres. Cleocnemis and Philodromus shown to be paraphyletic and some monotypic genera were sinonimizados. This result allowed the development of a dichotomous key to genus, which is accompanied by the diagnosis and illustrations of the genera and species used in cladistic analysis. / Este trabalho é um estudo cladístico de Philodromidae Thorell, 1870 ao nível de gênero. A família atualmente agrupa 549 espécies em 30 gêneros. Sua distribuição abrange as regiões temperadas e tropicais. Apesar de vários autores terem estudado a família propondo uma sistemática, nenhuma análise cladistica até o momento estudou as relações internas da família com uma amostragem ampla dos gêneros. O presente trabalho visou analisar as relações entre os gêneros de Philodromidae. Na análise foram incluídas 73 espécies, com representantes de 22 gêneros, dos 30 gêneros da família, e sete espécies de quatro famílias incluídas como grupo externo, sendo elas respectivamente Salticidae, Thomisidae e Sparassidae com duas espécies representantes de cada família. Para o enraizamento foi selecionado uma espécie de Selenopidae. Foram analisados 130 caracteres somáticos em 80 terminais através de busca heurística com pesagem igual dos caracteres. A análise resultou em 61 árvores maximamente parcimoniosas de 720 passos, com pesos iguais dos caracteres. Os resultados recuperam a monofilia da família. A análise também indicou três agrupamentos de gêneros que são propostos neste estudo como subfamílias: Pedinopisthinae, Thanatinae e Philodrominae. Duas subfamílias (Thanatinae e Philodrominae) correspondem parcialmente a tribos propostas anteriormente por outros autores. Muitos dos caracteres diagnósticos dos gêneros demonstram serem homoplásicos. Cleocnemis e Philodromus demonstram ser parafiléticos e alguns gêneros monotípicos foram sinonimizados. Este resultado permitiu a elaboração de uma chave dicotômica ao nível de gênero, que é acompanhada da diagnose e ilustrações dos gêneros e das espécies que foram utilizadas na análise cladística.
10

Estrutura e composição de assembleias de aranhas em manchas de vegetação na porção austral da Mata Atlântica

Baldissera, Ronei January 2012 (has links)
A fragmentação de hábitats é um dos fatores mais importantes que afetam a biodiversidade em nível mundial. Os estudos da fragmentação, nos seus inícios, baseavam-se nas premissas e predições da Teoria de Biogeografia de Ilhas, a qual procura explicar a diversidade em ilhas oceânicas pelo balanço de colonizações e extinções baseadas nos seus tamanhos e isolamentos. A partir do início do século, houve o desenvolvimento do conceito de metacomunidades, juntamente com um olhar sobre o mosaico de manchas na paisagem, como um conjunto de comunidades locais ligadas pela dispersão de espécies que tem o potencial de interagir. Esse conceito expande a visão da ecologia de comunidades do nível local para diferentes escalas e considera, simplificadamente, que existem quatro tipos de metacomunidades: dinâmica de manchas, seleção de espécies, efeito de massa e neutralidade. Esses quatro modelos assumem diferenças na resposta dos atributos funcionais das espécies, desde a equivalência ecológica até forte capacidade competitiva. Esta tese teve como objetivo geral “avaliar a resposta da diversidade de espécies, de características comportamentais de seleção de habitat e da composição de espécies de assembleias de aranhas em manchas de vegetações florestais e experimentais a fatores ambientais e espaciais”. Os objetivos específicos foram: 1) Analisar a influência relativa de variáveis ambientais e espaciais nos padrões de variação da composição de espécies de aranhas de teia entre remanescentes florestais da Mata Atlântica no sul do Brasil. 2) Avaliar o padrão de seleção de microhabitats de aranhas de teia em remanescentes de Mata Atlântica no sul do Brasil e sua relação com variáveis ambientais. 3) Acessar os padrões de variação nas taxas de colonização da comunidade de aranhas em relação à manipulação da área e da diversidade de habitats em manchas de vegetação em uma paisagem experimental. As coletas de dados em campo foram realizadas em remanescentes florestais de Mata Atlântica no município de Torres, RS e em uma paisagem experimental com manchas de vegetação inseridas em uma matriz campestre na mesma localidade. Em uma paisagem de aproximadamente 26 km2 foram selecionados 16 remanescentes florestais. Foram realizadas amostragens proporcionais aos tamanhos dos remanescentes. Coletas manuais de aranhas de teia foram feitas em parcelas de 12 × 2 × 2 m, e também foram realizadas medidas de utilização de habitat de cada indivíduo coletado entre março e agosto de 2009. Adicionalmente, foram realizadas medidas da estrutura da vegeatação de cada mancha. A área, isolamento e forma dos remanescentes foram calculados a partir de um arquivo shape em software ArcView 3.0. A paisagem experimental foi formada com cinco blocos contendo quatro manchas de vegetação. Para cada mancha, foram aleatorizados dois níveis de dois tratamentos: tamanho (grande e pequeno) e diversidade de habitats (mais e menos diverso). As manchas consistiram em grupos de mudas de três espécies lenhosas nativas e uma espécie artificial. Foram realizados censos, com frequência média de 28,2 dias, ao longo de oito intervalos de tempos de todas as aranhas encontradas nas manchas. A amostragem nos remanescentes coletou 3852 aranhas de teia, distribuídos nas famílias Araneidae (N = 588), Hahniidae (9), Linyphiidae (39), Mysmenidae (4), Nephilidae (2), Tetragnathidae (1647), Theridiidae (1027) e Uloboridae (838). A abundância de adultos foi de 254 indivíduos, identificados em 55 espécies. A riqueza rarefeita e a abundância de aranhas de teia não responderam significativamente às variáveis ambientais (vegetação e paisagem). Nenhum modelo de relação espécies-área foi significativo para a metacomunidade. Três variáveis ambientais e duas variáveis espaciais influenciaram a diversidade beta de aranhas de teia nos remanescentes. Em torno de 15% da variação (valor de R ajustado) na diversidade beta foi explicada pela combinação de variáveis ambientais e espaciais. A maior parte dessa variação (12%) correspondeu à variação ambiental e a variação ambiental espacialmente estruturada. Duas variáveis de seleção de hábitat maximizaram a divergência e uma variável maximizou a convergência para o padrão de montagem da metacomunidade ao longo do gradiente ambiental. Os valores de entropia quadrática de Rao (divergência) aumentaram ao longo das comunidades locais associados com o aumento da diversidade de uso das manchas nos entornos dos fragmentos. A utilização de ramos de trepadeiras pelas aranhas de teia foi negativamente correlacionada com a quantidade de arbustos nos fragmentos. O tamanho e a diversidade de manchas de vegetação não influenciaram nas taxas de colonização. Apesar disso, houve diferenças significativas nas composições das comunidades ao longo do tempo. A riqueza e a abundância de adultos variaram temporalmente, mas não houve efeitos significativos dos tratamentos. A abundância total foi maior em manchas maiores e manchas menos diversas. Pode-se inferir que a metacomunidade em nível de paisagem não é limitada pela dispersão (isso foi corroborado no experimento manipulativo). Dessa forma, o que influencia a chegada em uma mancha, em nível regional, é a amostragem passiva, que determina um filtro para manchas irregulares (menos impactadas) com sub-bosque denso e o tamanho da mancha na menor escala (experimental). Uma vez em um remanescente florestal (comunidade local), a escolha que as espécies fazem das estruturas de habitat para fixação das teias determina se a convergência ou divergência de estruturas vegetais de fixação das teias. No primeiro caso, as espécies escolhem as mesmas estruturas vegetais: ramos de trepadeiras em remanescentes com poucos arbustos, ou seja, seus requerimentos ecológicos são semelhantes e não parece haver pressão de competição nesse caso. No segundo caso, as espécies que chegam no interior de manchas com entornos mais diversos apresentam maior divergência no uso das estruturas vegetais de folhas e ramos de arbustos. Quanto mais diverso o entorno das manchas, menor parece ser a pressão de competição pelas estruturas vegetais entre aranhas. / Habitat fragmentation is one of the major causes of biodiversity loss. Fragmentation studies, in the beginnings, based on assumptions and predictions of the Island Biogeography Theory, which explains the diversity in oceanic islands by the balance between colonizations and extinctions linked to size and distance from mainland. From the beginning of the century, the metacommunity concept was developed, allied with the landscape patch mosaic. The metacommunity is a set of local communities bounded by dispersion of potential competitor species. This concepto expands the vision of community ecology from local level to other scales and considers the existence of four types of metacommunities: patch dynamics, species sorting, mass effect and neutral. These models have different assumptions regarding the responses of functional traits of species, from ecological equivalence to strong competition. This thesis aimed to “evaluate the response of species diversity, habitat selection decisions and species composition of spider assemblages at patches of forest vegetation and experimental patches to environmental and spatial descriptors”. Specific objectives were: 1) Analyze the relative influence of environmental and spatial variables on the patterns of variation of web spider composition among remnants of Atlantic Forest in a fragmented landscape in southern Brazil. 2) Evaluate microhabitat selection convergence and divergence of web spiders in Atlantic forest patches in relation to two between-patch and one within-patch environmental gradients. 3) Examine the rates of colonization, immigration activity (abundance), richness, and composition of foliage dwelling spiders. Mensurative experiment was done at 16 remnants of Atlantic Forest in Torres, RS. Manual collections of web spiders were done in 12 × 2 × 2 m plots. Habitat selection variables were measured for each individual spider in the field. Additionally, measures of the vegetation structure of the understorys and patch vegetation were done. The patch areas, isolations and shapes were calculated from a shape file in ArcView 3.0. Manipulative experiment was performed at an experimental landscape made of vegetation patches inserted in a grassland matrix. The experimental landscape was composed of five blocks each one containing four patches of vegetation. Two treatment levels were randomly assigned to the patches: size (big and small) and diversity (more and less). The patches consisted of sets of seedlings of three native plants and one artificial seedling. All spiders colonizing the patches were collected along eight time periods (mean 28.2 days). It was collected 3852 spiders in the forest remnants, distributed in the families Araneidae (N = 588), Hahniidae (9), Linyphiidae (39), Mysmenidae (4), Nephilidae (2), Tetragnathidae (1647), Theridiidae (1027) e Uloboridae (838). A total of 254 adult spiders were identified and sorted in 55 species. The rarefied richness and the abundance of web spiders did not respond to environmental variables (between-patch and within-patch). There was no species-area relationship. Three environmental variables and two spatial variables influenced the beta diversity of web spiders in the remnants. Roughly 15% of beta diversity variation was due to a combination of environmental and spatial variables. The greater part of this variation corresponded to the environment control. Two microhabitat selection structures maximized the assembly divergence, and one maximized the assembly convergence of the metacommunities associated to an environmental gradient. The Rao‟s quadratic entropy (divergence) based on bush/tree leaves and twigs microhabitat selection, increased from local communities in patches with pasture surroundings to local communities with more diverse surroundings. The selection of vine twigs by web spiders was associated to less dense understorys. The size and diversity of experimental vegetation patches did not influence the spider colonization rates. However, the composition of spider communities varied among the time periods of the experiment, but there was no influence of size and diversity. There was a temporal effect on the variation of richness and adult abundance of spiders. On the other hand, the total abundance was higher in bigger patches, and in less diverse patches. We may infer that the metacommunity at the regional level was not limited by dispersion (it was corroborated by the mesoscale manipulative experiment). In that sense, more irregular remnants with dense understorys passively sample the dispersers at regional level. Once a spider reach a remnant (local community), the choice it makes on to use the habitat structures determines whether it will result in convergence or divergence of microhabitat selection variables. In the first case, the species chose the same vegetal structures (similar ecological requirements): vine twigs. The competition does not seem to be important. In the second case, the species showing divergence on the use of bush/tree leaves and twigs arrive at remnant interiors of patches with more diverse surroundings. In this case, more competition for these vegetal structures seems to happen between web spiders.

Page generated in 0.0822 seconds