• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 169
  • 2
  • 1
  • Tagged with
  • 173
  • 87
  • 23
  • 19
  • 18
  • 18
  • 17
  • 15
  • 12
  • 12
  • 12
  • 12
  • 11
  • 11
  • 11
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Alterações metabolicas induzidas pela cafeina durante o exercicio intermitente

Silveira, Leonardo dos Reis, 1970- 1998 (has links)
Orientador: Benedito Sergio Denadai Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia Made available in DSpace on 2018-07-23T11:51:41Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Silveira_LeonardodosReis_M.pdf: 6252745 bytes, checksum: bb3491129480ddcdee9bdcaf33a9c5f8 (MD5) Previous issue date: 1998 Resumo: A cafeína porser uma droga muito comum nos dias atuais e capaz de alterar a performace durante o exercicio fisico, tem sido usada como um recurso ergogênico durante as competições esportivas em várias modalidades. O objetivo deste trabalho foi de verifiar a influência da cafeína no tempo de endurance, nas concentrações plasmáticas de ácidos graxos livres antes do exercício, nas concentrações de TBARS em amostras de urina no final do exercício, nas concentrações sanguíneas de lactato e glicolise, na percepção subjetiva de esforço e na freqüência cardíaca durante a realização de um exercício intermitente ao cicloergômetro até a exaustão voluntária. Participaram deste estudo 10 ciclistas treinados, do sexo masculino com idades entre 15 ¿ 26 anos, peso corporal entre 51 ¿ 80 kg, considerados sadios após exame clínico. Os atletas compareceram no laboratório em 3 ocasiões diferentes com intervalos de 3 dias para realização dos testes. Na primeira ocasião foram submetidos a uma avaliação para determinação do limiar anaeróbio, enquanto nas 2 ocasiões seguintes realizaram um exercício intermitente com uma relação esforço-pausa de 2:1 min e com a intensidade de esforço fixada em 30% acima do limiar anaeróbio. A administração de cafeína ou placeblo (5 mg/Kg) foi realizada 1 h antes do início do exercício, por meio de um procedimento duplo-cego ...Observação: O resumo, na íntegra, poderá ser visualizado no texto completo da tese digital Abstract: The caffeine is a drug of widespresd use and due to its ability in changing the performance during physical exercise, it has been used as ergogenic auxiliary during in several sports activities. The purpose of this study was to examine the influence of the caffeine on endurance time, in plasmatics concentrations of free faty acids before exercise, TBARS'concentrations in urine samples by the end of exercise, plasmatic concentrations of glucose and lactate, rating of perceived exertion (RPE) and in heart rate during intermittent exercise using on an ergometer bicyc1euntil voluntary exhaustion. Ten male professionals from 15 - 26 years old, weighting from 51 - 80 Kg and considered healthy after c1inicalexaminations, took part this work. Laboratory tests were conducted in three ocasions and detime-Iag was three days. In the first day they were submited to an anaerobic threshold evaluation test. On the remaining days they performed intermittent exercise at 2:1 min effort-pause relation and intensity fixed to 30% above the anaerobic threshold. Either caffeine or placebo administrarion (5 mg/Kg) was carried out through a double-blind procedure, one hour before the exercise had begun. Despite there were no significant statistical diferences (p '< ou =¿ 0,05) between exercise performances after caffeine and placebo ingestion, a strong individual sensibility to the probable caffeine effects during practsing could be noticed ...Note: The complete abstract is available with the full electronic digital thesis or dissertations Mestrado Fisiologia Mestre em Ciências Biológicas
2

Efeito da ingestão de cafeína durante lutas simuladas de judô sobre parâmetros neuromusculares e carga interna de esforço

Athayde, Marina Saldanha da Silva 2017 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Desportos, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Florianópolis, 2017. Made available in DSpace on 2017-10-24T03:16:52Z (GMT). No. of bitstreams: 1 348350.pdf: 1704767 bytes, checksum: fd61caa197ee977e270f5f1dbf66f23c (MD5) Previous issue date: 2017 Um dos objetivos da área da performance esportiva é utilização de estratégias que possibilitem retardar os efeitos da fadiga e melhorar a recuperação neuromuscular, proporcionando aumento do desempenho e evitando possíveis danos no organismo do atleta. O consumo de substâncias consideradas ergogênicas como a cafeína, cada vez mais estão sendo utilizadas no meio esportivo na tentativa de potencializar o desempenho e atenuar a fadiga. Assim, o objetivo geral deste estudo foi investigar o efeito da ingestão de cafeína durante lutas simuladas de judô sobre parâmetros neuromusculares e carga interna de esforço. Participaram deste estudo 14 atletas de judô do sexo masculino com tempo de prática de 12,9 ± 6,4 anos. Os atletas possuíam as seguintes características: 22,5 ± 7,1 anos de idade, massa corporal de 76,6 ± 12,7 kg, estatura de 172,9 ± 4,2 cm e percentual de gordura de 12,9 ± 9,9 %. Os atletas foram submetidos a três lutas de 5 min com 15 min de intervalo. Foi utilizado o modelo cross-over (com e sem ingestão de cafeína), sendo que sujeitos que receberam uma cápsula contendo placebo (PLA) na primeira coleta receberam uma cápsula de cafeína (CAF) (5 mg.kg-1) na segunda coleta e vice-versa. Antes e após as lutas realizou-se as seguintes avaliações: percepção subjetiva de esforço (PSE), saltos verticais (CMJ), saltos contínuos (CJ), força de preensão manual (FPM), Judogi grip strength test (JGST), percepção subjetiva de recuperação (PSR) e coleta de sangue para análise das concentrações de lactato sanguíneo. Para verificar se houve diferença entre os momentos (baseline, pré-luta e após cada luta) e entre as condições (placebo e cafeína) foi utilizada análise de variância modelo misto (tempo e condição) com post-hoc de Bonferroni. Foi adotado nível de significância de 5%. Os principais resultados mostraram que não foi observada interação entre as condições para a altura e potência no CMJ (p=0,34; p=0,19, respectivamente), porém foi observada diminuição no tempo para as duas variáveis (p=0,009; p=0,003). O desempenho no JGST não apresentou interação entre as condições (p=0,32), porém houve diminuição ao longo do tempo (p< 0,001). A FPM tanto para mão direita (p=0,33) quanto para mão esquerda (p=0,77) não apresentaram interações entre as condições, mas diminuíram ao longo de tempo. Em relação aos marcadores de carga interna de esforço, houve interação entre condição e tempo para as concentrações de lactato sanguíneo (p=0,01), além de aumento ao longo do tempo (p<0,001). Para a PSE não foi encontrada interação entre as condições (p =0,58), porém houve aumento ao longo do tempo (p<0,001), assim como para a PSR, a qual não mostrou interação entre as condições (p=0,34), no entanto, houve diminuição (melhor recuperado) ao longo de tempo (p <0,001). Pode-se concluir que a ingestão de 5 mg.kg-1 de cafeína não foi capaz de provocar alterações no desempenho em testes de força e potência de membros superiores e inferiores, tampouco alterar a percepção de esforço e de recuperação no decorrer das lutas. No entanto, houve aumento da contribuição do metabolismo glicolítico quando os atletas ingeriram cafeína.
Abstract : The main proposal of the sports performance area is the use of strategies that can delay the effects of fatigue and improve neuromuscular recovery, increasing performance and avoiding damages to the athlete's body. The intake of ergogenic substances, such as caffeine, has increased in the sports environment in an attempt to boost performance and reduce fatigue. Therefore, the main objective was to investigate the effect of caffeine intake during simulated judo matches on neuromuscular parameters and internal effort load. Fourteen male judo athletes took part of this study, with experience practice time of 12.9 ± 6.4 years. The athletes had the following characteristics: 22.5 ± 7.1 years old, body mass of 76.6 ± 12.7 kg, height of 172.9 ± 4.2 cm and body fat of 12.9 ± 9.9%. The athletes were submitted to three 5-minute combats with a 15-minute break. A cross-over design (with and without caffeine intake) was used, and subjects received a placebo capsule (PLA) at the first data collection and caffeine capsule (CAF) (5 mg.kg-1) at the second data collection or vice versa. Before and after the matches, the following evaluations were performed: rate of perceived effort perception (RPE), countermovement jump (CMJ), continuous jumps (CJ), handgrip strength (HGS), Judogi grip strength endurance test (JGST), rate of perceived recovery (RPR) and blood collection for blood lactate concentrations analysis. ANOVA mix model with Bonferroni post-hoc test were used to verify the differences among the time points (baseline, pre-match and post-match) and between conditions (placebo and caffeine). A significance level of 5% was used. The main results showed that there was no interaction between the conditions for jump height and power in CMJ (p = 0.34, p = 0.19, respectively), but a decrease over the time was observed for both variables (p = 0.009; p = 0.003). The performance in the JGST showed no interaction between the conditions (p = 0.32), but there was a decrease over the time (p <0.001). The HGS for both right hand (p = 0.33) and left hand (p = 0.77) showed no interactions between the conditions, however there was decreased over the time. Regarding to the internal load markers, there was interaction between condition and time for blood lactate concentrations (p = 0.01), as well as increase throughout the time (p <0.001). For RPE, no interaction was found between the conditions (p = 0.58), but there was increase over the time (p <0.001), as well as for RPR, which showed no interaction between the conditions (p = 0, 34), however, there was decrease (better recovered) over the time (p <0.001). It can be concluded that the intake of 5 mg.kg-1 of caffeine was not able to provoke changes in the strength and power performance in upper and lower limbs, and also did not change the rate of perceived effort and recovery during the matches. However, there was increase in the glycolytic metabolism contribution when the athletes ingested caffeine.
3

Comportamento eletroquímico do aço-carbono ABNT 1006 em meio etanólico na presença de cafeína Electrochemistry behavior of low-carbon steel abnt 1006 in ethanolic medium in the presence of caffeine

Trindade, Letícia Guerreiro da 2008 (has links)
Neste trabalho foi investigado o efeito inibidor da cafeína nos processos corrosivos do aço-carbono em etanol p.a., utilizando como eletrólito suporte LiCl ou LiClO4. Avaliouse também o efeito inibidor do composto sobre o comportamento do metal em soluções mais agressivas, com adição de água, cloreto e ácido acético, na presença e na ausência de cafeína. As propriedades inibidoras da cafeína foram avaliadas por ensaios de perda de massa, espectroscopia de impedância eletroquímica, voltametria cíclica, curvas de Tafel e cronoamperometria. As curvas de Tafel mostraram tratar-se de um inibido anódico. As diferentes técnicas utilizadas tiveram um resultado similar, mostrando que a cafeína é um bom inibidor para o aço-carbono em etanol, inclusive quando se aumenta a agressividade do meio, com adição de contaminantes. As medidas mostraram que o primeiro passo da interação entre a cafeína e a superfície do metal é através do processo de adsorção. Os valores encontrados para a variação da energia livre de adsorção de Gibbs sugerem um processo de adsorção químico e espontâneo. Em alguns casos constatou-se a diminuição da eficiência de proteção para valores de concentrações maiores de cafeína. Este resultado foi relacionado ao efeito quelante do composto. Alguns dos métodos utilizados mostraram que, mesmo no meio onde se simulou a presença de ácido acético como contaminante, a cafeína participa no sentido de melhorar a eficiência de inibição. A presença de cloreto, analisado como contaminante, também não impediu a cafeína de atuar como inibidora dos processos corrosivos do metal. In this work it was determined the inhibitory effect of caffeine on the corrosion processes of low-carbon steel in pure ethanol, using Lithium chloride or Lithium perchloride as supporting electrolyte. More aggressive solutions containing water, chloride and acetic acid were tested also in absence and in the presence of caffeine. The inhibitory ability of caffeine was confirmed by weight loss experiments; cyclic voltammetry; polarization curves; chronoamperometric tests and electrochemical impedance spectroscopy studies. It is presented experimental evidences by Tafel curves that caffeine has an ability to block anodic charge transfer reactions on the electrode surface. Despite of the different methodologies used it was unequivocal the conclusion that caffeine may be considered an excellent corrosion inhibitor for the low-carbon steel in ethanol even at more aggressive conditions. It was unequivocal from the measurements to conclude that the first step of the interaction between the electrode surface and caffeine started with the adsorption process. The values of free adsorption Gibbs energy determined suggest a chemical and spontaneous process. However, in some experiments it was clear the chelating effect of the caffeine. The addition of acetic acid as contaminant it was observed a kind of synergism between caffeine and acetate anion. The inhibitory effect of the caffeine was visible even in the presence of a controlled amount of chloride as contaminant.
4

A atuação da cafeína como inibidora de corrosão do zinco metálico em meio etanólico

Grosser, Fabiana Nogueira 2008 (has links)
O presente trabalho apresenta um estudo do comportamento eletroquímico do eletrodo de zinco em meio etanólico, contendo diferentes eletrólitos suportes, na ausência e presença de cafeína. Esta substância foi escolhida por se tratar de um composto orgânico, derivado da biomassa, ambientalmente não tóxico e economicamente viável. A atuação da cafeína como inibidora dos processos corrosivos do zinco foi avaliada através de diversas técnicas eletroquímicas como a potenciometria, ensaios potenciodinâmicos, curvas de polarização, cronoamperometria e espectroscopia de impedância eletroquímica. Estudou-se, também, o efeito inibidor do composto sobre a superfície do metal em soluções com condições de agressividade maiores, ou seja, com adição de água, ácido acético e na presença de íons cloreto. Para este último meio, a microscopia eletrônica de varredura (MEV) foi utilizada como ferramenta auxiliar para avaliar a estrutura superficial com e sem cafeína. Os resultados revelaram que a cafeína promoveu um atraso no processo de corrosão, comprovando que a mesma também atua no combate à corrosão por pites. A cafeína apresentou-se como um inibidor anódico, dependente do potencial inicial e do tempo de adsorção Essa dependência indica uma etapa de adsorção no processo de interação envolvendo a cafeína e o eletrodo de zinco, que foi confirmada quantitativamente através da isoterma de Langmuir. O valor de energia livre de adsorção calculado sugere uma adsorção química e espontânea. As diferentes técnicas empregadas mostraram um resultado bastante positivo quanto ao desempenho da cafeína como inibidora da corrosão para o zinco em etanol, mesmo quando na presença de um meio agressivo, com a adição de contaminantes. The present work shows a study of zinc behavior in ethanol, using different supporting electrolytes, in the absence and in the presence of caffeine. Many studies have been conducted to examine some naturally occurring substances in order to find environmentally safe substances which can act as corrosion inhibitors for different metals in a variety of environments, as caffeine. Electrochemical techniques were used to evaluate the caffeine (1,3,7-trimethylxanthine) adsorption ability on zinc surface in alcoholic solutions. More aggressive solutions containing water, acetic acid and chloride ions were also tested in absence and in the presence of caffeine. The addition of these contaminants did not avoid the action of caffeine as corrosion inhibitor for the zinc. The interaction between the organic compound and the metal surface was first characterized by open-circuit potential measurements (potentiometry). It was found that caffeine has an ability to block anodic charge transfer reactions on the electrode surface. The interaction between the organic compound and the electrode surface was found to be potential-dependent. This dependence indicates an adsorption process involving caffeine and the zinc surface, confirmed by Langmuir isotherm. Adsorption on the electrode surface was confirmed by comparing the voltammograms, Tafel plots and EIS curves of a zinc electrode in the absence and presence of dissolved caffeine. The calculated standard free energy of adsorption confirms a spontaneous chemical adsorption step.
5

Ultrassom terapêutico associado ao princípio ativo cafeína: análise de utilização fisioterapêutica, avaliação eletroquímica e de difusão vertical

Tassinary, João Alberto Fioravante 14 January 2011 (has links)
Submitted by Ana Paula Lisboa Monteiro (monteiro@univates.br) on 2011-03-04T20:23:36Z No. of bitstreams: 1 JoaoTassinary.pdf: 1134864 bytes, checksum: 13756f3bed847048924ecf9ad78ee4f9 (MD5) Made available in DSpace on 2011-03-04T20:23:36Z (GMT). No. of bitstreams: 1 JoaoTassinary.pdf: 1134864 bytes, checksum: 13756f3bed847048924ecf9ad78ee4f9 (MD5) Os profissionais da saúde têm trabalhado em busca de alternativas à terapia convencional, com o intuito de acelerar o processo de reabilitação dos pacientes e consequentemente minimizar o período de afastamento de suas atividades de vida diária. Dentre as mais diferentes técnicas inseridas nos recursos eletrotermofototerápicos, destaca-se a terapia por ultrassom (US). Esse recurso é normalmente eleito pelos fisioterapeutas que buscam a aceleração do reparo tecidual de lesões musculares, bem como a diminuição de edema e de dor. Atualmente, a aceleração transdérmica de fármacos vem sendo utilizada pelos fisioterapeutas por meio de uma técnica denominada fonoforese, que consiste na utilização de ultrassom terapêutico para facilitar a migração de moléculas de ativos tópicos, sendo que os mesmos podem ser de origem sintética ou natural. Contudo, são escassos os estudos que revelam e quantificam o quanto a onda sônica pode realmente incentivar a liberação e a permeação dos ativos pelo estrato córneo. É importante ressaltar ainda, que o ultrassom apresenta propriedades oxidativas sendo utilizado, por exemplo, na aceleração de reações químicas, bem como, em processos que envolvem limpeza de sistemas contaminados com compostos orgânicos. Sendo assim, o presente trabalho tem o objetivo de avaliar o uso de produtos cosméticos à base de cafeína e erva-mate no tratamento fisioterapêutico, realizar avaliações eletroquímicas das soluções a base de cafeína quando submetida a aplicações de US terapêutico, bem como verificar os potenciais de liberação e permeação dos ativos quando associados à onda sônica. Foram utilizadas técnicas tais como, voltametria cíclica, medidas de pH, potencial de circuito aberto, bem como a espectrofotometria UV/Vis para avaliação do sistema, além de um questionário para a obtenção de dados acerca da utilização do ultrassom por fisioterapeutas. A partir dos resultados verificou-se uma possível degradação das moléculas de cafeína, quando submetidas ao ultrassom terapêutico no modo contínuo, com intensidade de 1,0Wcm-2 e frequência de 1 MHz, sendo este um aspecto negativo em termos fisioterapêuticos, pela possibilidade de perda das propriedades dos fármaco, além disso observa-se uma maior liberação e permeação do ativo quando associado à onda sônica terapêutica, sendo este um aspecto positivo. Quanto à utilização do US, os resultados inferem uma larga utilização da técnica nas condutas regenerativas, contrapondo com o baixo índice de profissionais que utilizam a fonoforese.
6

Catabolismo de cafeina, trigonelina e estudo de proteinas durante a germinação de sementes de cafe (Coffea arabica)

Shimizu, Milton Massao 2000 (has links)
Orientador: Paulo Mazzafera Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia Made available in DSpace on 2018-07-26T19:43:26Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Shimizu_MiltonMassao_M.pdf: 4555303 bytes, checksum: 2c9e0de9b0f431cb45100094367d945d (MD5) Previous issue date: 2000 Mestrado Mestre em Biologia Vegetal
7

Efeito da cafeina na função cardiaca de ratos treinados

Camacho, Rachel Lima 2001 (has links)
Orientador: Edson Antunes Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas Made available in DSpace on 2018-07-28T10:14:05Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Camacho_RachelLima_M.pdf: 15417319 bytes, checksum: bab506f74d5f646563481c30d0057bf1 (MD5) Previous issue date: 2001 Resumo: Os efeitos do tratamento com cafeína no coração têm sido amplamente estudados. Sabe-se que a cafeína bloqueia os receptores de adenosina, induzindo aumento na pressão arterial e na resposta inotrópica e cronotrópica no tecido cardíaco. Ingerida antes do exercício a cafeína é considerada estimulante e atua aumentando a utilização de gordura durante a prática da atividade física e diminuindo a de carboidrato. Além disso, a cafeína aumenta a concentração de cálcio intracelular na musculatura. No entanto, os efeitos da associação do tratamento com cafeína ao treinamento físico, nas funções cardíacas ainda são pouco estudados. Portanto, o objetivo deste trabalho foi avaliar as respostas cronotrópicas, inotrópicas e o fluxo coronariano de corações isolados de ratos tratados com cafeína e treinados por natação durante 8 semanas. Ratos machos Wistar foram tratados com cafeína (1g/L, diluída na água de beber) e treinados por natação durante 8 semanas, sendo que o treinamento consistiu de 5"sessões semanais com duração de 60 minutos e carga de5% do peso corporal. Ao término do protocolo, os corações foram isolados e as respostas aos agonistas isoproterenol, adenosina e endotelina-l foram analisados. A freqüência cardíaca e a pressão arterial foram avaliadas in vivo, através da canulação da artéria femoral; e ainda, foram coletadas amostras de sangue para avaliação do lactato sangüíneo. O treinamento físico promoveu redução no ganho de peso corporal nos animais, assim como diminuição na concentração de lactato plasmático e na freqüência cardíaca basa!. A cafeína promoveu significativo aumento de pressão arterial basal, que foi prevenido pelo treinamento físico. Nos corações isolados, o tratamento com cafeína associado ao treinamento por natação, resultou em aumento de fluxo coronariano basal. O isoproterenol promoveu aumento da resposta cronotrópica semelhante entre os grupos estudados, enquanto que dessensibilização da resposta inotrópica ao agonista ß adrenérgico foi observada nos animais tratados com cafeína. A adenosina induziu uma resposta cronotrópica negativa mais acentuada nos animais submetidos ao treinamento físico. A resposta inotrópica negativa a endotelina-l foi semelhante em todos os grupos estudados. Assim, nossos resultados mostram a administração de cafeína associada ao treinamento físico intensifica a resposta cronotrópica negativa a adenosina Abstract: The effect of caffeine on the cardiovascular system has been largely investigated. However, conflictant results have been found, some investigators showed that caffeine increases blood pressure after caffeine increases blood pressure after caffeine treatment. Therefore, the aim of this work was to investigate the effect of caffeine treatment on the cardiac parameters in sedentary and trained rats by swim training program. The swim training program consisted of 5 days a week, 60 min each session for 8 weeks of training. After that, the animaIs were anesthetized and the hearts were isolated for dose-response curves for isoproterenol, adenosine and endothelin-1 were obtained. Plasma lactate leveI, blood pressure and heart rate were also evaluated. Heart rate, body weight and lactate plasma levels were significantly lower in trained group showing that the physical training employed in our study was effective. Caffeine treatment for 8 weeks produced an increase of blood pressure that it was prevent by physical training. In isolated heart, basal coronary flow was markedly increases in trained and caffeine treated group. Caffeine by itself elevates the basal heart rate in both groups (sedentary or trained). Isoproterenol determined a positive chronotropic response similarly in all studied groups while a desensitization of inotropic response were seen for isoproterenol in isolated heart ITomcaffeine/treated group. . The potency for adenosine was significantly higher in both trained groups for the negative chronotropic response. However, adenosine was not able to induce any negative inotropic response in isolated heart from caffeine/ treated animaIs (sedentary and trained) showing that different population of adenosine receptors mediate the inotropic and chronotropic response rat isolated heart. No changes were found for the actions of endothelin-1 in all studied groups. In conclusion, caffeine treatment associated with swim physical training induces a desensitization of inotropic response and supersensitivity of negative chronotropic response to adenosine in swimtraining groups. Consumed before the exercise program, caffeine is considerate a stimulant Mestrado Mestre em Farmacologia
8

Análise do efeito da cafeína no colesterol de atletas de futsal feminino

Vilela, Bruna 2018 (has links)
Submitted by Gisely Teixeira (gisely.teixeira@uniceub.br) on 2018-06-11T18:20:39Z No. of bitstreams: 1 51500279.pdf: 715461 bytes, checksum: cfcc66be7818124de437bcd25076de7a (MD5) Made available in DSpace on 2018-06-11T18:20:39Z (GMT). No. of bitstreams: 1 51500279.pdf: 715461 bytes, checksum: cfcc66be7818124de437bcd25076de7a (MD5) Previous issue date: 2018 Introdução: A cafeína é um alcaloide do grupo das xantinas. Sua utilização como potencial ergogênico, tem sido alvo de inúmeras investigações. O colesterol tem papel energético, tanto para utilização imediata quanto para armazenamento para posterior utilização. Objetivo: O objetivo do estudo é analisar o efeito da ingestão de cafeína, nos níveis séricos de colesterol em atletas de futsal do sexo feminino. Metodologia: As voluntárias, peso (59,00 ± 10,36), altura (1,61± 0,05), idade (22,87± 5,97), compareceram para dois dias de pesquisa. No primeiro dia, ingeriram 150mg de cafeína em capsulas gelatinosas. Foi feita a coleta sanguínea. Após 30 minutos (trinta minutos) foi realizado o teste de 40s em uma reta, totalizando 100 metros. Após o teste foi feita uma nova coleta imediatamente após o teste físico. No segundo dia, foi oferecido Placebo e realizada também a coleta sanguínea da mesma maneira como no primeiro dia, e realizado o teste. Resultados: A média e o desvio padrão (DP) da análise do colesterol com a ingestão de cafeína e a ingestão de placebo, no pré e pós-teste de 40 segundos. As médias de pré (170,80 ± 19,35) e pós (169,0 ± 13,41) teste apresentaram o valor de p (p ≤ 0,640) para a ingestão de cafeína. As médias pré (176,93 ± 0,93) e pós (166,87 ± 2,40), apresentaram o valor de p (p ≤ 0,197) para a ingestão de placebo. Conclusão: Nãofoi verificadadiferençarelevante na ingestão de cafeína para a variação de colesterol na atividade física.
9

Descafeinação do extrato de cafe verde com o uso de carvão ativado e recuperação da cafeina adsorvida

Tavares, Paulo Eduardo da Rocha 1998 (has links)
Orientador: Roberto Herminio Moretti Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia de Alimentos Made available in DSpace on 2018-07-23T20:50:52Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Tavares_PauloEduardodaRocha_M.pdf: 8175606 bytes, checksum: f1977b00fce0920916e7a12a9f64253e (MD5) Previous issue date: 1998 Resumo: O trabalho foi realizado com o objetivo de desenvolver uma tecnologia para obtenção de um extrato de café verde descafeinado, usando como adsorvente carvão ativado e recuperação da cafeína adsorvida com o uso de solventes orgânicos. O processo foi realizado em coluna carregada com carvão ativado, utilizando-se dentre os tipos de carvão ativado disponíveis comercialmente os carvões CPG, CAL e APA todos obtidos da Calgon Carbon Corporation - USA., circulando pela mesma extrato de café verde, com três diferentes vazões: 10, 30 e 60 ml/min, medindo-se o teor de cafeína durante a extração e a porcentagem de retenção de cafeína pelos carvões. Foi avaliada também a eficiência do cloreto de metileno, álcool etílico comercial 99,5°GL e ácido acético glacial 50% na recuperação da cafeína adsorvida. Observou-se que a porcentagem de descafeinação teve variação em função da vazão e do tipo de carvão, com a porcentagem de cafeína extraída diminuindo com o aumento da vazão. O carvão tipo CAL apresentou uma melhor eficiência de extração comparativamente aos dois outros tipos de carvão em todas as vazões testadas, com exceção da vazão de 10 ml/min na qual o carvão APA apresentou uma rendimento levemente superior. O carvão tipo CPG apresentou um rendimento bastante inferior aos demais tipos. Considerando que a taxa de extração de cafeína obtida na vazão de 10 ml/min foi levemente superior a taxa obtida a 30 ml/min e bastante superior em relação a de 60 ml/min concluiu-se que a nível industrial a utilização de vazão de 30 ml/min é mais vantajosa. Dos solventes orgânicos utilizados na recuperação da cafeína, o cloreto de metileno foi o que apresentou melhor rendimento frente aos demais solventes. Como conclusão final, a melhor vazão foi 30 ml/min, o melhor carvão o tipo CAL e o melhor solvente para recuperação da cafeína o cloreto de metileno Abstract: The objective of this research was the development of technology for the production of a decaffeinated raw coffee extract using activated carbon as absorbant and recuperation of the caffeine using organic solvents. The process was carried out in columns filled with the activated carbon, the following commercially available types, all produced by Calgon Carbon Corporation, USA, being tested: CPG, CAL and APA. The raw coffee extracts were circulated through the columns at three different flow rates: 10, 30 and 60 ml/min, measuring the levels of caffeine extracted and the % retention of caffeine by the activated carbons. The efficiencies of methylene chloride, commercial 99,5°GI ethanol and 50% glacial acetic acid in the recuperation of the caffeine were also evaluated. It was show that the percent decaffeination varied as a function of flow rate and type of carbon, with the percent caffeine extracted decreasing with increase in flow rate. The CAL type of activated carbon showed greater extraction efficiency as compared to the other two types at all flow rates, with the exception efficiency of 10 ml/min, at which the APA carbon showed a slightly higher yield. The CPG carbon was distinctly superior to the other two. Considering that the extraction rate at 10 ml/min was only slightly superior to that at 30 ml/min, but considerably superior to that at 60 ml/min, it was concluded that on an industrial scale, flow rate of 30 ml/min would be the most indicated. Of the organic solvents used to recuperate the caffeine, methylene chloride was show to be superior to the other two. It was concluded that the best flow rate was 30 ml/min, the best activated carbon was the CAL type and that methylene chloride was the best solvent to recuperate the caffeine Mestrado Mestre em Tecnologia de Alimentos
10

Estudos sobre cafeina : metabolismo, localização celular e efeito hormonal

Vitoria, Angela Pierre 1998 (has links)
Orientador: Paulo Mazzafera Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia Made available in DSpace on 2018-07-23T19:11:03Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Vitoria_AngelaPierre_D.pdf: 7881481 bytes, checksum: 37ab1b2e92416eb94e622c34cf7c5e43 (MD5) Previous issue date: 1998 Resumo: A maioria dos estudos sobre metabolismo de cafeína tratam da biossíntese do alcalóide e poucos se referem ao catabolismo. Tendo em vista que C. arabica e C. dewevrei diferem quanto a concentração de cafeína, sendo que a prlmelra espécie apresenta maior conteúdo do alcalóide, acredita-se que a concentração de cafeína nos tecidos seja regulada pela razão entre a biossíntese e a biodegradação, as quais podem variar durante o desenvolvimento do tecido. Desta forma, traçadores radioativos ( ['C ANTPOT. 14¿-2]-cafeína e ['C ANTPOT. 14¿-2] -xantina) foram utilizados para investigar o catabolismo de cafeína em frutos imaturos e maduros e folhas jovens e adultas de C. arabica e C. dewevrei assim como para a determinação da atividade de várias enzimas envolvidas na via catabólica (cafeína demetilase, xantina desidrogenase, uricase, alantoinase, alantoato amidohidrolase e urease) . Nossos dados sugerem que existam passos limitantes no catabolismo de cafeína, o primeiro sendo a demetilação de cafeína para teofilina, e o segundo a conversão de ácido úrico para os ureídeos alantoína e ácido alantóico. Estes passos envolvem as enzlmas cafeína demetilase e alantoinase/alantoato amidohidrolase, respectivamente. Os tecidos jovens foram mais eficientes na degradação de cafeína. Aparentemente, C. dewevrei mostrou muito mais capacidade para catabolizar cafeína do que C. arabica Abstract: Most of the studies on caffeine metabolism were carried out on the biosynthesis of the alkaloid, and very few on its catabolism. Once c. arabica and c. dewevrei differs regarding caffeine content in leaves and fruits, the first species presenting higher alkaloid contents, it is believed that caffeine concentration in coffee tissues is regulated by the ratio between biosynthesis and biodegradation, which may vary during the life span or development of the tissue. Therefore, in this thesis labeled tracers (['C ANTPOT. 14¿-2]] - caffeine and ['C ANTPOT. 14¿-2]-xanthine) were used to investigate caffeine catabolism in immature and mature fruits, and young and old leaves of C. arabica and C. dewevrei as well as the activity of several enzymes involved in the catabolic pathway were determined (caffeine demethylase, xanthine dehydrogenase, uricase, allantoinase, allantoate amidohydrolase and urease) . Our data suggest that there are to limiting steps in the caffeine catabolism, the first being the demethylation of caffeine to theophylline, and the second the conversion of uric acid to the ureides allantoin and allantoic acid. These steps involve the enzymes caffeine demethyla'se and allantoinase/allantoate amidohydrolase, respectively. Young tissues were more efficient for caffeine degradation. Apparently, C. dewevrei showed much higher capacity for caffeine catabolism than C. arabica Doutorado Doutor em Ciências Biológicas

Page generated in 0.0619 seconds