• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 9
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 11
  • 9
  • 3
  • 3
  • 3
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Avaliação do espaço morto alveolar no tromboembolismo pulmonar e no choque hemorragico experimentais

Moreira, Marcos Mello 11 March 2004 (has links)
Orientador: Renato Giuseppe Giovanni Terzi / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciencias Medicas / Made available in DSpace on 2018-08-04T01:20:36Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Moreira_MarcosMello_M.pdf: 2530790 bytes, checksum: fc8f0ea39d426857159368eefd7be290 (MD5) Previous issue date: 2004 / Resumo: O aumento do espaço morto alveolar tem sido descrito no tromboembolismo pulmonar (TEP) e no choque hemorrágico (CH). Este trabalho avaliou a hemodinâmica e o intercâmbio gasoso pulmonar em porcos jovens submetidos a modelos experimentais de embolia pulmonar (seis porcos) e choque hemorrágico (sete porcos). O objetivo foi o de delinear o perfil fisiológico desses dois modelos, visto que ambos cursam com uma importante redução da pressão expiratória final do gás carbônico (PetCO2). A meta atingida nos dois modelos foi estabelecida para o grupo TEP como sendo uma pressão média de artéria pulmonar de duas a duas vezes e meia a pressão média basal do animal. No choque hemorrágico a meta foi de uma pressão arterial média de 30 mmHg e um nível de lactato no sangue arterial acima de 10 mM. Todos os animais foram submetidos à avaliação hemodinâmica com cateter de termodiluição (Swan-Ganz), avaliação da mecânica respiratória com registro da capnografia e capnometria e, avaliação metabólica pela coleta de amostras de sangue arterial e sangue venoso misto para gasometria, hemo-oximetria e lactimetria. Todas as medidas foram registradas em dois tempos. O primeiro tempo (Pré) foi definido como sendo o momento antes da intervenção (embolização e choque) após a instrumentação dos animais e da estabilização dos parâmetros fisiológicos. O segundo tempo (Pós) foi definido como 30 minutos após ser atingida a meta estabelecida para cada modelo. As variáveis coletadas comparadas no período Pré não revelaram diferenças estatisticamente significantes entre os dois grupos. No tempo Pós não houve diferenças estatisticamente significantes entre os dois grupos para as variáveis PetCO2, PvCO2 e espaço morto anatômico. Houve sim um aumento do espaço morto alveolar em ambos os grupos, mas significativamente maior no grupo TEP que no grupo CH. O parâmetro indicativo para esta diferenciação foi o gradiente artério-alveolar de gás carbônico (P(a-et)CO2). A mensuração do espaço morto alveolar se deu por meio da expressão AVDSf (fração do espaço morto alveolar ¿end-tidal¿), por se tratar de ser uma variável fisiológica facilmente calculada à beira do leito com o uso de um capnômetro, e pela coleta de sangue arterial para gasometria. Foi demonstrado que a hipercarbia venosa ocorre em ambas as intervenções, porém, a diferença entre a PCO2 no sangue venoso misto e a PCO2 no sangue arterial é significativamente maior no grupo CH do que no grupo TEP, com isso, indicando que a hipóxia isquêmica é o fator fundamental na determinação da acidose nestes animais. Finalmente, foi possível demonstrar que o nível da PetCO2 inferior a 15 mmHg pode ocorrer no TEP sem, contudo, ser indicativo de fracasso na ressuscitação cardiorrespiratória, visto que todos os animais do grupo TEP sobreviveram a despeito de apresentarem PetCO2 média de 12,77 mmHg / Abstract: Increase in alveolar dead space has been reported in pulmonary embolism (PE), hemorrhagic shock. This study evaluated homodynamic and pulmonary gas exchange in young pigs that underwent experimental models of PE (six pigs) and hemorrhagic shock (seven pigs). The purpose was to delineate the physiologic profile of these two models, considering that both develop important reduction of PetCO2. The end point for PE group was a mean pulmonary artery pressure from two to two and half times the basal pressure. The hemorrhagic shock end point was mean systemic arterial blood pressure of 30 mmHg associated to a blood lactate level above 10 mM/L. All animals underwent hemodynamic evaluation with the Swan-Ganz catheter, respiratory mechanics, capnography and collection of arterial and mixed venous blood for blood gases, hemo-oximetry and lactimetry. All measurements were recorded in two moments. The first (Pre) was defined as being the time prior to the intervention (embolization or shock) after the animals were stabilized. The second (Post) was defined at 30 minutes after reaching the established end point for each model. Data comparing variables at baseline (Pre) did not show significant differences between the two groups. Data comparing variables after intervention did not show significant differences between the two groups for the following variables: PetCO2, PvCO2 and anatomical dead space. Alveolar dead space increased in both groups, but was significantly larger in pulmonary embolism than in shock. The most significant variable to diifferentiate both interventions was P(a-et)CO2. The measurement of the alveolar dead space may be obtained through the alveolar dead space end-tidal fraction (AVDSf), an easily determined variable that can be easily calculated at the bedside with a capnometer and an arterial blood gas analysis. Venous hypercarbia occurs in both groups. However, the venous to arterial CO2 gradient P(v-a)CO2 is significantly larger in hypoxia due to ischemia, a fundamental factor in determining the venous hypercarbic acidosis in this animals. It was possible to demonstrated that PetCO2 levels below to 15 mmHg may occur in PE but it is not necessarily associated to poor prognosis, as long as all animals survived, despite reaching PetCO2 mean of 12,77 mmHg / Mestrado / Pesquisa Experimental / Mestre em Cirurgia
2

Efeitos da tecnica de aumento do fluxo expiratorio sobre a função pulmonar em lactentes com insuficiencia respiratoria aguda em ventilação mecanica

Coppo, Maria Regina de Carvalho 04 August 2018 (has links)
Orientadores: Marcos Tadeu Nolasco da Silva, Jose Dirceu Ribeiro / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciencias Medicas / Made available in DSpace on 2018-08-04T04:29:01Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Coppo_MariaReginadeCarvalho_M.pdf: 6082327 bytes, checksum: e838eb95305f56c16289642120e1103d (MD5) Previous issue date: 2005 / Resumo: INTRODUÇÃO: Não há relatos na literatura sobre os efeitos fisiológicos da técnica de aumento de fluxo expiratório (AFE) rápida (AFER) ou lenta (AFEL) em lactentes com insuficiência respiratória aguda (IRA), apesar de seu amplo emprego. Este estudo teve como objetivo avaliar as modificações de parâmetros de função pulmonar (FP) em lactentes com IRA durante a realização da AFER e AFEL em dois momentos da ventilação mecânica, bem como comparar seus efeitos. MÉTODOS: Estudo clínico, experimental, prospectivo, longitudinal. Foram avaliados 29 lactentes entre 28 dias e 24 meses, com peso maior que 2000 gramas, sem cardiopatias congênitas ou malformações afetando o aparelho respiratório, internados na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica do Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas, com IRA em ventilação mandatória intermitente sincronizada (SIMV), no período de 30 de julho de 2002 a 04 de julho de 2003. Os procedimentos de fisioterapia respiratória consistiram na realização das técnicas AFER e AFEL, iniciadas na fase mandatória de um ciclo ventilatório (AFERcim e AFELcim, respectivamente) e na fase assistida de um ciclo ventilatório (AFERca e AFELca, respectivamente). As medidas de FP foram realizadas utilizando-se a técnica de capnografia volumétrica com o monitor CO2SMOplus (Dixtal, Brasil). As variáveis analisadas foram: pico de fluxo expiratório (PEF), volume corrente expiratório (VCE), volume de CO2produzido (VCO2) e pressão parcial de CO2 ao final da expiração (ETCO2). Os valores obtidos com a realização das manobras foram comparados àqueles obtidos sem a realização das mesmas. A análise estatística foi reali7ada com o teste de Wilcoxon. RESULTADOS: Com a realização da AFELcim, observou-se aumento significativo na ETCO2 (mediana 47 mm Hg, mín. 31mm Hg, máx. 62 mm Hg; P<0,001). Com a AFERcim, observou-se aumento significativo no PEF (mediana 1,56 L/min/kg; mín. 0,99 L/minlkg; máx. 3,66 L/min/kg; / Abstract: BACKGROUND: There are no reports on the physiological effects of the Expiratory Flow lncrease Technique (AFE, ITomthe original French description "Augmentation du Flux Expiratoire"), fast (AFER, ITomthe original French description "Augmentation du Flux Expiratoire Rapide") or slow (AFEL, from the original French description "Augmentation du F/ux Expiratoire Lente"), in children with acute respiratory failure (ARF), in spite of their widespread use. This study aimed to evaluate and compare pulmonary function (PF) parameters in children with ARF during AFER and AFEL on two time points of mechanical ventilation. METHODS: 29 children, younger than 2 years, with ARF on Synchronized lntermittent Mandatory Ventilation, were submitted to AFER and AFEL, started on a mandatory phase of a ventilation cycle (AFERcim and AFELcim) and started on the assisted phase ofa ventilation cycle (AFERca and AFELca). PF measurements were performed with the CO2SMO Plus@ monitor (Dixtal, Brazil). The variables analyzed were Peak Expiratory Flow (PEF), Expiratory Tidal Volume, Exhaled CO2 Volume, and End-Tidal CO2 (EtCO2). Values obtained during AFEL and AFER were compared to baseline. Statistical analysis was performed by Wilcoxon's testo RESULTS: AFELcim caused statistically significant increases in ETCO2, (mean 47 mmHg, mino31mmHg, max. 62 mmHg; / Mestrado / Pediatria / Mestre em Saude da Criança e do Adolescente
3

Capnografia volumétrica na avaliação de doenças crônicas pulmonares / Volumetric capnography for the evaluation of chronic airways diseases

Veronez, Liliani de Fátima, 1980- 12 March 2014 (has links)
Orientadores: Ilma Aparecida Paschoal, Mônica Corso Pereira / Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas / Made available in DSpace on 2018-08-26T20:34:20Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Veronez_LilianideFatima_D.pdf: 6581224 bytes, checksum: 21912792a141bd85146488626d2e9e24 (MD5) Previous issue date: 2014 / Resumo: As doenças pulmonares obstrutivas de diferentes etiologias se apresentam com envolvimento progressivo das vias aéreas periféricas. As vias aéreas periféricas, conhecidas como zona silenciosa do pulmão, não são adequadamente avaliadas com testes convencionais de função pulmonar. O princípio do gás "washout" eliminação de gases tem sido utilizado para detectar heterogeneidade da ventilação pulmonar e para estimar a localização do processo da doença subjacente. A capnografia volumétrica (CV) analisa o padrão de eliminação de CO2 como uma função do volume expirado. Objetivo: medir os "slopes" da fase 3 normalizados pelo volume corrente expiratório em pacientes com bronquiectasia não-fibrose cística (BQNF ) e em pacientes com bronquite crônica tabágica obstrutiva (BCTO), a fim de comparar os slopes obtidos para os grupos. Métodos: Pacientes com BQNF e com BCTO foram incluídos sequencialmente a partir dos ambulatórios de Insuficiência Respiratória Crônica do HC-Unicamp. Um grupo controle foi estabelecido para grupo BQNF, pareados por sexo e idade. Todos os indivíduos realizaram espirometria, CV e teste da caminhada dos seis minutos (TC6). Duas comparações foram feitas: grupo BQNF vs o grupo controle, e BQNF vs o grupo BCTO. O projeto foi aprovado pelo comitê de ética da nossa instituição. Os testes estatísticos utilizados foram Wilcoxon ou teste t de Student diferenças estatisticamente significativas foram consideradas com p < 0,05. Resultados: na comparação do grupo BQNF (N = 20) vs grupo controle (N = 20), foram encontradas diferenças significativas no IMC e em diversas variáveis funcionais (espirometria, CV, TC6) com os piores resultados observados no grupo BQNF. Na comparação entre o grupo BCTO (N = 20) vs grupo BQNF, embora os pacientes com BCTO tivessem piores valores na espirometria e TC6, as variáveis capnograficas Slp2, Slp3/Ve e Slp3/EtCO2 foram semelhantes. Conclusão: Estes resultados podem indicar que as curvas de eliminação de gás não são suficientemente sensíveis para monitorizar a gravidade das anormalidades estruturais. O papel do slope normalizado da fase 3 pode se explorado como o mais sensível índice de doença das pequenas vias aéreas, embora possa não ser igualmente sensível em discriminar a gravidade das alterações / Abstract: Background: Obstructive lung diseases of different etiologies present with progressive peripheral airway involvement. The peripheral airways, known as silent lung zone, are not adequately evaluated with conventional function tests. The principle of gas washout has been used to detect pulmonary ventilation inhomogeneity and to estimate the location of the underlying disease process. Volumetric capnography (VC) analyses the pattern of CO2 elimination as a function of expired volume. Objective: to measure normalized phase 3 slopes with VC in patients with non-cystic fibrosis bronchiectasis (NCB) and in bronchitic patients with chronic obstructive pulmonary disease (COPD) in order to compare the slopes obtained for the groups. Methods: NCB and severe COPD were enrolled sequentially from an outpatient clinic (Universitary Hospital). A control group was established for NCB group, paired by sex and age. All subjects performed spirometry, VC and Six-Minute Walk Test (6MWT). Two comparisons were made: NCB group vs its control group, and NCB group vs COPD group. The project was approved by the ethical committee of the institution. Statistical tests used were Wilcoxon or Student t-test; statistically significant difference considered with p<0.05. Results: Concerning NCB group (N=20) vs control group (N=20), significant differences were found in BMI and in several functional variables (spirometric, CV, 6MWT) with the worse results observed in NCB group. In the comparison between the COPD group (N=20) vs NCB group, although patients with COPD have had worse spirometric and 6MWT values, the capnographic variables Slp2, Slp3/Ve and Slp3/EtCO2 were similar. Conclusion: These findings may indicate that the gas elimination curves are not sensitive enough to monitor the severity of structural abnormalities. The role of normalized phase 3 slope may be worth explore as a more sensitive index of small airway disease, even though it may not be equally sensitive in discriminating the severity of the alterations / Doutorado / Clinica Medica / Doutora em Clínica Médica
4

Embolia pulmonar experimental = um modelo quase fatal / Experimental pulmonary embolism : a near-fatal model

Pereira, Daniel José 19 August 2018 (has links)
Orientador: Heitor Moreno Junior / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas / Made available in DSpace on 2018-08-19T02:49:22Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Pereira_DanielJose_M.pdf: 8289618 bytes, checksum: f81b30485257dfeb1919e76b99cecc7d (MD5) Previous issue date: 2011 / Resumo: Introdução: estudos experimentais de embolia pulmonar (EP) são habitualmente realizados sob ventilação mecânica. Como a maioria dos pacientes com suspeita de EP adentra os Serviços de Emergência em respiração espontânea e em ar ambiente, estudos que medissem as variáveis hemodinâmicas, gasométricas e capnográficas, nestas condições, em muito contribuiriam para compreensão mais específica das alterações cardiopulmonares e gasométricas na fase aguda da doença. Observa-se que faltam na literatura estudos experimentais que avaliem animais em tais condições. Objetivo: o objetivo do presente estudo foi submeter à EP animais sob ventilação espontânea e sem oxigênio suplementar. A EP por coágulos autólogos foi induzida em seis porcos e os registros cardiorrespiratórios e gasométricos foram realizados no pré e pós-EP. O valor da pressão média de artéria pulmonar (PMAP) "quase fatal" foi previamente determinada. Resultados: a presença de choque obstrutivo agudo pôde ser evidenciada pelo aumento da PMAP (de 17,8±3,5 para 41,7±3,3mmHg) (P<0,0001) e pela queda do débito cardíaco (de 4,9±1,0 para 2,7±1,0L/min) (P<0,003). Consequentemente, a presença de acidose metabólica pode ser constatada (de 2,4±0,6 para 5,7±1,8mmol/L) (P<0,0001). Observou-se ainda a presença de hipoxemia (de 73,5±12,7 para 40,3±4,6mmHg) (P<0,0001), porém, a PaCO2 não variou (de 44,9±4,4 para 48,2±6,0mmHg) (NS). Houve expressivos aumentos, tanto para P(a-et)CO2 (de 4,8±2,8 para 37,2±5,8mmHg) quanto para a P(A-a)O2 (de 8,2±8,9 para 37,2±10,3mmHg) (P<0,0001). Como tentativa de compensação à acidose metabólica, evidenciou-se significativo aumento do volume minuto alveolar total (de 4,0±0,9 para 10,6±2,9L/min) (P<0,0001). Conclusão: neste modelo, a PMAP quase fatal foi de 2 a 2,5 vezes a PMAP basal e as variáveis capnográficas, associadas a gasometria arterial e venosa, mostraram-se eficazes em discriminar um quadro obstrutivo agudo / Abstract: Introduction: Experimental studies on pulmonary embolism (PE) are usually performed under mechanical ventilation. Most patients with suspicion of PE enter the Emergency Services in spontaneous breathing and environmental air. Thus, under these conditions, measurements of hemodynamic, gasometric and capnographic variables contribute largely to a more specific comprehension of cardiopulmonary and gasometric alterations in the acute phase of the disease. Studies which evaluated animals under conditions are lacking. Objective: This study aimed to submit animals under spontaneous ventilation and without supplemental oxygen to PE. PE was induced in six pigs using autologous blood clots, and cardiorespiratory and gasometric records were performed before and after PE. The values of "near fatal" mean pulmonary arterial pressure (MPAP) were previously determined. Results: The presence of obstructive shock could be evidenced by increased MPAP (from 17.8±3.5 to 41.7±3.3mmHg) (p<0.0001) and decreased cardiac output (from 4.9±1.0 to 2.7±1.0L/min) (p<0.003). Consequently, metabolic acidosis occurred (Lac art)(from 2.4±0.6 to 5.7±1.8mmol/L) (p<0.0001). It was observed hypoxemia (from 73.5±12.7 to 40.3±4.6mmHg) (p<0.0001); however, PaCO2 did not vary (from 44.9±4.4 to 48.2±6.0mmHg) (NS). There were significant increases in both P(a-et)CO2 (from 4.8±2.8 to 37.2±5.8mmHg) and P(A-a)O2 (from 8.2±8.9 to 37.2±10.3mmHg) (p<0.0001). There was also a significant increase in the total alveolar minute volume (from 4.0±0.9 to 10.6±2.9L/min) (p<0.0001). Conclusion: In this model, the near fatal MPAP was from 2 to 2.5 times the basal MPAP; and the capnographic variables, associated with arterial and venous gasometry, showed effective in discriminating an acute obstructive profile / Mestrado / Farmacologia / Mestre em Farmacologia
5

Alterações ventilatórias em pacientes com fibrose cística submetidos a teste submáximo de seis minutos / Ventilatory changes in patients with cystic fibrosis in test submaximal to six minutes

Parazzi, Paloma Lopes Francisco, 1982- 25 August 2018 (has links)
Orientadores: José Dirceu Ribeiro, Camila Isabel Santos Schivinski / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas / Made available in DSpace on 2018-08-25T16:15:32Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Parazzi_PalomaLopesFrancisco_M.pdf: 3954861 bytes, checksum: 8928c4e51b5e3873d43ddcec22c35069 (MD5) Previous issue date: 2014 / Resumo: Introdução: Na fibrose cística (FC) os testes que avaliam a aptidão física tem sido estudado como marcador de prognóstico ou como ferramenta de avaliação da condição cardiorrespiratória. Objetivo: avaliar e comparar variáveis da ventilação pulmonar utilizando a capnografia volumétrica (capV): VE, VCO2, VE/VCO2, VD/VT, PetCO2; variáveis de espirometria: VEF1%, CVF% e VEF1/CVF; e parâmetros cardiorrespiratórios: FCar, FR, SpO2 no repouso e durante teste de esforço em crianças, adolescentes e adultos jovens entre 6 a 25 anos de idade, com (GFC) e sem fibrose cística (GC). Método: estudo clínico, prospectivo, controlado, com 128 indivíduos, 64 com FC, de ambos os gêneros, de Hospital Universitário. Todos realizaram exercício em esteira e os exames propostos após aprovação do Comitê de Ética da Instituição e assinatura do termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Resultados: os pacientes com FC apresentaram valores estatisticamente diferentes para as variáveis de CapV e espirometria ao longo do teste de exercício. Antes do exercício as variáveis também foram diferentes, porém com significância estatística para: espirometria, SpO2, FR, VCO2, VE/VCO2, PetCO2 e escala de Borg. A comparação entre os grupos de pacientes com FC e GC foi realizada pelos testes Kruskal-Wallis e Mann-Whitney. Conclusão: a CapV é um instrumento que pode ser utilizado para análise de parâmetros ventilatórios durante o exercício físico. Todas as variáveis cardiorrespiratórias, da espirometria e da capnografia foram diferentes nos pacientes com FC quando comparados aos indivíduos saudáveis antes, durante e após exercício físico / Abstract: Introduction: In cystic fibrosis (CF) tests that assess physical fitness has been studied as a prognostic marker or as a tool for assessing the cardiorespiratory fitness Objective: To evaluate and compare variables of pulmonary ventilation using volumetric capnography (CAPV): VE, VCO2, VE/VCO2, VD/VT, PetCO2; spirometric variables: % FEV1 , FVC and FEV1/FVC % ; and cardiorespiratory parameters: FCar , RR, SpO2 at rest and during exercise testing in children, adolescents and young adults aged 6-25 years of age with (GFC) and without cystic fibrosis (GC). Method: Clinical, prospective, controlled study with 128 subjects, 64 with CF, of both genders, of University Hospital. All patients underwent treadmill exercise tests and proposed after approval by the Institutional Review Board and signing the consent form. Results: CF patients had statistically different values for the variables CAPV and spirometry throughout the exercise test. Before exercise variables were also different, but with statistical significance for spirometry, SpO2, RR, VCO2, VE/VCO2, PetCO2 Borg scale. The comparison between groups of patients with CF and control groups was performed by Kruskal - Wallis and Mann - Whitney tests. Conclusion: CAPV is a tool that can be used for analysis of ventilatory parameters during exercise. All cardiorespiratory variables, spirometry and capnography were different in CF patients compared to healthy subjects before and after exercise / Mestrado / Saude da Criança e do Adolescente / Mestra em Ciências
6

Avaliação funcional e estrutural da doença pulmonar em crianças e adolescentes com fibrose cística / Functional and structural evaluation of lung disease in children and adolescents with cystic fibrosis

Oliveira, Pricila Mara Novais de, 1983- 26 August 2018 (has links)
Orientador: José Dirceu Ribeiro / Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas / Made available in DSpace on 2018-08-26T23:03:29Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Oliveira_PricilaMaraNovaisde_D.pdf: 1258403 bytes, checksum: 7846e1b92c8fe1c6ba25524109c50608 (MD5) Previous issue date: 2015 / Resumo: Introdução: Estudos recentes indicam que a espirometria não é uma ferramenta sensível para avaliar a função pulmonar em pacientes com fibrose cística (FC). A tomografia computadorizada de alta resolução (TCAR) de tórax é considerada o padrão ouro para avaliação do dano estrutural pulmonar nesses pacientes. Já a capnografia volumétrica (VCap) tem demonstrado ser uma ferramenta promissora na avaliação da homogeneidade da ventilação pulmonar. No nosso conhecimento não existem estudos comparando esses exames. Por isso o objetivo desse estudo foi avaliar e comparar os testes de VCap, espirometria e TCAR pontuada pelo escore de Bhalla modificado na avaliação da doença pulmonar em crianças e adolescentes com FC. Método: Realizou-se avaliação transversal e longitudinal de pacientes com FC de ambos os sexos fora de exacerbação pulmonar aguda. A VCap e espirometria foram realizadas no mesmo dia. A TCAR foi obtida na avaliação de rotina realizada por esses pacientes e as imagens foram pontuadas por 2 avaliadores através do escore de Bhalla modificado. Os resultados da VCap e espirometria foram correlacionados com o escore de TCAR. Os resultados obtidos pelo grupo de pacientes com espirometria normal e alterada foram comparados. Além disso, a progressão da doença pulmonar foi avaliada e comparada através dos três exames realizados. Resultados: A tese é apresentada no formato de três artigos. No capitulo 1, realizou-se uma revisão da literatura sobre VCap. No capítulo 2, realizou-se um estudo transversal com 41 pacientes com FC com idade média de 13,8 anos. O escore de TCAR médio foi 20,64 (6,5-33,5) e 14 pacientes (34,1%) tiveram espirometria normal. O índice capnográfico (KPIv) apresentou correlação com o escore de TCAR (r=0,52; p=0,001), VEF1% (r=-0,70; p<0,001) e FEF25-75% (r=-0,65; p<0,001). Porém o FEF25-75% demonstrou maior correlação com o escore de TCAR (r= -0,65; p<0,001).O KPIv e o slope III (SIII) da VCap foram maiores nos pacientes com espirometria alterada (p=0,01 e p=0,04, respectivamente). No capítulo 3, realizou-se um estudo longitudinal com 23 pacientes avaliados pelas ferramentas propostas. Tanto a espirometria, quanto o escore da TCAR e a VCap demonstraram piora da doença pulmonar no período estudado. A variação anual do escore de TCAR (+7,38%) foi maior do que a variação do KPIv (+0,32%), do FEF25-75% (-5,71%) e do VEF1% (4,39%). Pacientes com comprometimento leve da função pulmonar apresentaram maior declínio do VEF1 e menor aumento da pontuação do escore de TCAR quando comparados aos moderados e graves (p=0,02). Conclusão: A VCap é uma ferramenta útil na monitorização das doenças pulmonares em crianças e adolescentes com FC. O KPIv derivado da Vcap correlaciona-se com o escore de TCAR e espirometria. Porém, o escore de TCAR se correlaciona melhor com a espirometria do que com a VCap. Mais estudos são necessários para avaliar a habilidade do SIII e KPIv para discriminar pacientes com espirometria normal e alterada. A espirometria, VCap e TCAR detectaram piora da doença pulmonar nos pacientes avaliados. Porém, a variação anual do escore de TCAR foi maior do que a piora da função pulmonar medida pela espirometria e da homogeinidade da ventilação avaliada pela VCap. A espirometria apresentou maior declínio nos pacientes classificados como leves, enquanto o escore de TCAR variou mais em pacientes com comprometimento moderado/grave. Nossos resultados reforçam o caráter complementar das ferramentas testadas na avaliação funcional e estrutural da doença pulmonar / Abstract: Introduction: Recent studies have indicated that spirometry is not a sensitive tool to evaluate lung disease in cystic fibrosis (CF) patients. High-resolution computed tomography (HRCT) is considered the gold standard to evaluate structural lung disease. Volumetric capnography (VCap) is a promising clinical tool used to evaluate ventilation homogeneity. In our knowledge, there is no study comparing those tools. Therefore, our study aimed to evaluate and to compare the spirometry test, with VCap, and HRCT punctuated by modified Bhalla score in children and adolescents with CF. Methods: It were conducted a cross-sectional and a longitudinal study of CF patients from both genders out of acute pulmonary exacerbation. They performed VCap and spirometry in a single test occasion. HRCT was obtained in routine evaluation and images were punctuated by 2 observers with modified Bhalla score. VCap and spirometry results were correlated with HRCT scores. Patients¿ groups with normal and abnormal spirometry were compared. Besides, the progression of lung disease was assessed and compared between those three exams. Results: The thesis is presented in three papers format. In chapter 1, we presented a review of VCap. In chapter 2, we presented the cross-sectional study with 41 CF patients with mean age of 13.8 years. HRCT score mean was 20.64 (6.5-33.5) and 14 patients (34.1%) had normal spirometry values. Capnographic index (KPIv) was correlated with the HRCT score (r=0.52; p=0.001), FEV1% (r=-0.70; p<0.001), and FEF25-75% (r=-0.65; p<0.001). Although, FEF25-75% showed stronger correlation with the HRCT score (r= -0.65; p<0.001). KPIv and slope III (SIII) from VCap were higher in patients with abnormal than normal spirometry (p=0.01 and p=0.04 respectively). In chapter 3, we presented the longitudinal study of 23 patients testes with all tests proposed. Spirometry, HRCT score, and VCap demonstrated deterioration of lung disease during the period studied. The annual variation rate of HRCT score (+7.38%) was higher than KPIv (+0.32%), FEF25-75% (-5.71%), and FEV1% (4.39%). Patients with mild lung function had higher decline of FEV1% and less improvement in HRCT score when compared to patients with moderated and severe lung disease (p=0.02). Conclusions: VCap is a useful tool in monitoring lung disease in children and adolescents with CF. KPIv from VCap correlates with HRCT score and spirometry. Still, the HRCT score correlates better with spirometry than with VCap. Further studies are needed to assess the ability of SIII and KPIv to discriminate between patients with normal and abnormal spirometry. Spirometry, VCap and HRCT were able to detect deterioration in lung disease. Although, the annual variation rate of HRCT score were higher than functional decline evaluated by spirometry and ventilation inhomogeneity assessed by VCap. Spirometry had higher annual rate decline in patients with mild lung function, while HRCT score had higher improvement in moderate/severe patients. Our results reinforce the complementary role of those tested tools in functional and structural evaluation of lung disease / Doutorado / Saude da Criança e do Adolescente / Doutora em Ciências
7

Variaveis capnograficas e d-dimeros em pacientes com suspeita de tromboembolismo pulmonar / Capnography variables and d-dimer in patients with suspected pulmonary embolism

Moreira, Marcos Mello 12 August 2018 (has links)
Orientadores: Renato Giuseppe Giovanni Terzi, Ilma Aparecida Paschoal / Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciencias Medicas / Made available in DSpace on 2018-08-12T22:30:15Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Moreira_MarcosMello_D.pdf: 18313915 bytes, checksum: db1efb99a56b2256d14393f2e951147a (MD5) Previous issue date: 2009 / Resumo: Métodos para confirmar o diagnóstico de tromboembolismo pulmonar (TEP) são relativamente invasivos, de alto custo e nem sempre disponíveis. Justifica-se a busca de métodos mais acessíveis, de baixo custo, minimamente invasivos e que possam ser realizados à beira do leito. Foi objetivo deste estudo estabelecer um protocolo de triagem diagnóstica de TEP, minimamente invasivo e de baixo custo, usando para isto a capnografia volumétrica (CV) e o Oímero-O (DO) (ELISA Rápido), para pacientes internados em diferentes unidades de um hospital terciário, atentanto para as possíveis limitações deste protocolo. Foi realizado um estudo prospectivo e observacional com 92 pacientes. Um estudo prévio de CV em 114 voluntários estabeleceu o padrão de normalidade para as variáveis analisadas. No grupo TEP, a CV foi associada à gasometria arterial para cálculo das variáveis do espaço morto e à dosagem do DO. O padrão-ouro para diagnóstico de TEP foi dado pela cintilografia de inalação/perfusão e/ou, tomografia computadorizada helicoidal e/ou, arteriografia pulmonar. Isoladamente, a variável capnográfica que apresentou melhor sensibilidade e especificidade foi a fração tardia do espaço morto alveolar (tO/ate) (91% e 98%, respectivamente). Obteve-se um resultado falso-negativo para o DO e, para a tO/ate, um falso-positivo e três falso-negativos. Quando a tO/ate ,foi associada ao DO, conseguiu-se 100% sensibilidade e 17% de especificidade. Uma outra variável capnográfica importante, por sugerir função pulmonar prévia anormal, e por esta razão, sinalizar uma possível limitação da tO/ate, foi o slope da fase III do capnograma. Por meio dos dados da CV de ambos os grupos (controle e doentes), estabeleceu-se um protocolo que ajuda a direcionar a equipe multiprofissionál quando da suspeita clínica de TEP. / Abstract :Background: Tests used to confirm a diagnosis of pulmonary embolism (PE) are relatively invasive, costly and not always available. Minimally invasive methods that are more accessible, less expensive and easily applied should be sought. Objective: To establish a low-cost, minimally invasive, PE diagnostic protocol in hospitalized patients, using capnographic variables and ELlSA D-dimer (DD) to rule out PE. Methods: A prospective observational study was conducted in 92 patients with suspected PE. The values of reference group for volumetric capnography (VCap) were used in order to compare with patterns of patients with PE. The patients were submitted to arterial blood gas analysis (to calculate the dead space variables) and had the DD values determined. The diagnosis was confirmed through ventilation/perfusion scintigraphy, spiral computed tomography, pulmonary arteriogram, or combinations of the three. Results: The capnographic variable that presented the greatest sensitivity and specificity (91 % and 98%, respectively) was the late dead space fraction (fDlate). Our findings include one false-negative DD result, as well as three false-positive and eight false-negative fDlate results. The combination of the fDlate and DD testing presented 100% sensitivity and 17% specificity. Another important capnographic variable, the phase 111 slope, indicated a possible limitation of VCap, since it interferes with the calculation of fDlate. Conclusion: The protocol established could guide multiprofessional teams in the management of clinical suspicion of PE. We were able to determine that the phase 111 slope might interfere with the calculation of fDlate, especially in patients with a history of abnormal lung function. Throught VCap variables (control group and sickness); was possible establishes a protocol that guide the multiprofissional team in cases of PE. / Doutorado / Pesquisa Experimental / Doutor em Cirurgia
8

A capnografia volumétrica na avaliação da doença pulmonar em pacientes adultos com fibrose cística e pacientes bronquectásicos não fibrocísticos / Evaluation of pulmonary disease using volumetric capnography in adult patients with cystic fibrosis and non-cystic fibrosis bronchiectasis

Veronez, Liliani de Fátima, 1980- 16 August 2018 (has links)
Orientador: Ilma Aparecida Paschoal / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas / Made available in DSpace on 2018-08-16T07:57:21Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Veronez_LilianideFatima_M.pdf: 1419140 bytes, checksum: 5e1cf61453007024c5cfed1c82bd88b0 (MD5) Previous issue date: 2010 / Resumo: Objetivos: O objetivo geral deste trabalho foi estudar o uso da capnogragfia volumétrica na avaliação de pacientes portadores de bronquectasias, relacionadas ou não à fibrose cística, para verificar o comportamento de algumas medidas fornecidas pelo aparelho, mais especificamente, analisar a variável "Slope da fase 3" (Slp3) e aquelas relacionadas à caracterização do padrão ventilatório (frequência e tempo expiratório), nos pacientes bronquectásicos, em comparação aos valores obtidos em pacientes normais. Métodos: Foram estudados 24 (vinte e quatro) pacientes com Fibrose Cística e 21 (vinte e um) pacientes não fibrocísticos com bronquectasias idiopáticas, que frequentam o ambulatório de Pneumologia do Hospital de Clínicas da Unicamp. O diagnóstico de Fibrose Cística (FC) foi baseado em 02 (dois) testes de suor, com concentrações de cloro (Cl) alteradas, pelo método de iontoforese por pilocarpina. Os pacientes com bronquectasias foram assim diagnosticados por apresentarem produção crônica de secreção e tomografia computadorizada de alta resolução do tórax (TCAR) com bronquectasias em pelo menos dois segmentos pulmonares. Testes Espirométricos e Capnografia Volumétrica foram feitos. O Grupo Controle foi composto por 114 (cento e quatorze) pacientes não fumantes, sem sintomas e antecedentes de doença respiratória. Resultados: Como resultados, quando comparados o grupo de pacientes com FC com o Grupo Controle, aquele apresentou valores significativos (p<0,05) para Saturação de Oxigênio (SpO2); Frequencia Respiratória (FR); volume expiratório normalizado pelo peso menor (VE/Kg); tempo expiratório (Te) menor e aumento do Slope 3 normalizado pelo volume expirado (P3Slp/Ve). Comparados o grupo de pacientes com Bronquectasias (BQ) com o grupo controle, os resultados significativos (p<0,05) obtidos foram SpO2 menor nos pacientes; FR maior; Ve/Kg menor; Te menor; P3Slop/Ve maior; VCO2 menor. Reunidos os grupos de pacientes (FC e BQ) para comparação com os controles, os pacientes apresentaram valores significativos (p<0,05) para as variáveis, SpO2 menor; FR maior; Ve/Kg menor; Te menor; maior P3Slop/Ve; VCO2 menor. Todas as variáveis capnográficas e espirométricas não mostraram diferenças significativas quando foram comparados os grupos de pacientes fibrocísticos e bronquectásicos. Conclusões: As conclusões foram de que ambos os grupos apresentaram defeitos semelhantes na espirometria (obstrução com concomitante redução da capacidade vital forçada), o padrão respiratório revelado durante a capnografia sugeriu a presença de uma restrição verdadeira (FR alta, Te e Ve baixos e PEF normal). As variáveis capnograficas nos grupos de pacientes mostraram aumentos do slope da fase 3 quando comparados aos controles, fato que provavelmente indica a presença de uma doença difusa de pequenas vias aéreas nas duas doenças, causadora de heterogeneidades de ventilação / Abstract: Objectives: The aim of this study was to use volumetric capnography to evaluate the breathing pattern and ventilation inhomogeneitis in patients with chronic sputum production and bronchiectasis and to correlate the phase 3 slope of the capnographic curve to spirometric measurements. Methods: Twenty-four patients with cystic fibrosis (CF) and 21 patients with non-cystic fibrosis idiopathic bronchiectasis (BC) were serially enrolled.The diagnosis of cystic fibrosis was based on the finding of at least two abnormal sweat chloride concentrations (iontophoresis sweat test). The diagnosis of bronchiectasis was made when the patient had a complaint of chronic sputum production and compatible findings at high resolution computed tomography (HRCT) scan of the thorax.. Spirometric tests and volumetric capnography were performed. One hundred and fourteen subjects of the control group for capnographic variables were non-smokers volunteers, who had no respiratory symptoms whatsoever and no past or present history of lung disease. Results: When compared to controls, patients in CF group had lower SpO2 (p<0.0001), higher respiratory rates (RR) (p<0.0001), smaller expiratory volumes normalized for weight (Ve/kg) (p<0.028), smaller expiratory times (Te) (p<0.0001) and greater phase 3 Slopes normalised for tidal volume (P3Slp/Ve) (p<0.0001). When compared to controls, patients in the BC group had lower SpO2 (p<0.0001), higher RR (p<0.004), smaller Ve/kg (p<0.04), smaller Te(p<0.007), greater P3Slp/Ve (p<0.0001), smaller VCO2 (p<0.0002). The pooled data from the two patient groups, when compared to controls showed that the patients had lower SpO2 (p<0.0001), higher RR (p<0.0001), smaller Ve/kg (p<0.05), smaller Te(p<0.0001), greater P3Slp/Ve (p<0.0001), smaller VCO2 (p<0.0003). All the capnographic and spirometric variables evaluated showed no significant differences between CF and BC patients. Conclusions: Spirometric data in this study reveals that the patients had obstructive defects with concomitant low vital capacities and both groups had very similar abnormalities. The capnographic variables in the patient group suggest a restrictive respiratory pattern (greater respiratory rates, smaller expiratory times and expiratory volumes, normal peak expiratory flows). Both groups of patients showed increased phase III slopes when compared to controls, fact that probably indicates the presence of diffuse disease of small airways in both conditions leading to inhomogeneitis of ventilation / Mestrado / Ciencias Basicas / Mestre em Clinica Medica
9

Diferentes frações inspiradas de oxigênio e hiperinsuflação mecânica na aspiração endotraqueal aberta : impacto na oxigenação e ventilação pulmonar

Vianna, Jacqueline Rodrigues de Freitas 16 December 2015 (has links)
Submitted by Livia Mello (liviacmello@yahoo.com.br) on 2016-09-21T13:37:44Z No. of bitstreams: 1 TeseJRFV.pdf: 1887832 bytes, checksum: 38c7ad86f5a7507d3bdab8237dbc37d3 (MD5) / Approved for entry into archive by Marina Freitas (marinapf@ufscar.br) on 2016-09-21T18:36:09Z (GMT) No. of bitstreams: 1 TeseJRFV.pdf: 1887832 bytes, checksum: 38c7ad86f5a7507d3bdab8237dbc37d3 (MD5) / Approved for entry into archive by Marina Freitas (marinapf@ufscar.br) on 2016-09-21T18:36:17Z (GMT) No. of bitstreams: 1 TeseJRFV.pdf: 1887832 bytes, checksum: 38c7ad86f5a7507d3bdab8237dbc37d3 (MD5) / Made available in DSpace on 2016-09-21T18:36:27Z (GMT). No. of bitstreams: 1 TeseJRFV.pdf: 1887832 bytes, checksum: 38c7ad86f5a7507d3bdab8237dbc37d3 (MD5) Previous issue date: 2015-12-16 / Não recebi financiamento / Endotracheal suction (ES) in mechanically ventilated patients is required for maintaining a patent airway. Open circuit endotracheal suction (OCES) may cause greater damage to respiratory mechanics and gas exchange. There is little evidence about the impact of the use of oxygen concentrations below 100% and the expiratory pressure-zero end expiratory pressure (PEEP-ZEEP) technique at increasing oxygenation and maintaining adequate ventilation during the OCES. In addition studies were not found concerning need or not of hyperoxygenation associated with the PEEP- ZEEP and the effectiveness of isolated hyperoxygenation with oxygen concentration 20% above the baseline, thus justifying the studies of this thesis. Study I aimed to evaluate whether the 20% oxygen concentration of inspired oxygen fraction (FiO2) above the baseline avoids hypoxemia compared the offer to 100% and determine the impact of OCES on pulmonary ventilation in critical patients on mechanical ventilatory support. This randomized crossover study involved 68 patients in an adult intensive care unit (ICU), intubated, mechanically ventilated and placed in the two intervention sequences: Hyperoxygenation using 20% above FiO2 (FiO2 20%) and Hyperoxygenation using 100% FiO2(FiO2 100%). Hyperoxygenation was applied 1 min before each of the 5 ES and 1 min after OCES. The studied variables were measured pre, immediately after and 1min, 2 min and 30 min after OCES. There was a significant intra-group increase in immediate post FiO2 20% and 100% on peripheral oxygen saturation (SpO2), carbon dioxide (CO 2) exhaled at the end of expiration (ETCO2), partial pressure of CO2 in the mixed expired air (PeCO2 ), heart rate (HR), mean arterial pressure (MAP), and in the tidal volume of CO2 (VtCO2) only for the FiO2 20%. Intergroup in the immediate post in VtCO 2, ETCO2 and SpO 2 restoring the pre intervention values 30 min after measurement. It was concluded that an oxygen concentration of 20% above baseline FiO2 for patients with need of prior offer  60% effectively avoided hypoxemia and volumetric capnography analysis confirms that changes in pulmonary ventilation in OCES in critical patients are transient and reversible within 30 min. These findings also support the implementation of Study II which aimed to verify behavior of peripheral oxygen saturation (SpO2) and exhaled end- expiratory CO2 (ETCO2), for the OCES procedure, using PEEP-ZEEP baseline FiO2 versus PEEP-ZEEP hyperoxygenation using 20% above FiO 2. This randomized crossover study involved 38 patients in an ICU, intubated, mechanically ventilated and placed in the two intervention sequences: PEEP-ZEEP with baseline FiO2 (PEEP-ZEEP FiO2 baseline) and PEEP-ZEEP with 20% above FiO2 (PEEP-ZEEP hyperoxygenation). Hyperoxygenation was applied 1 min before each of the 5 procedures and 1 min after OCES. PEEP-ZEEP with 3 series before each of the 5 ES. The studied variables were measured pre, immediately after and one, two and 30 min after OCES. There was significant increase in SpO2 on PEEP-ZEEP hyperoxygenation, with maintenance of adequate levels on PEEP-ZEEP FiO2 baseline no change in ETCO2 in both interventions. Significant difference was found in intergroup SpO2 post 1 min of hyperoxygenation, immediate post, post 1and 2 min of OCES. Significant difference was found in intergroup SpO2 post 1 min of hyperoxygenation, immediate post, post 1 and 2 min of OCES. It was concluded that the PEEP-ZEEP technique, when well indicated, associated or not to hyperoxygenation is effective to avoided the fall of SpO2 and maintain levels of ETCO2, minimizing the impairment in the ventilation caused by OCES. / A Aspiração endotraqueal (AE) em pacientes ventilados mecanicamente é necessária para manutenção da permeabilidade das vias aéreas. A AE em sistema aberto (AESA) pode causar maior prejuízo na mecânica respiratória e trocas gasosas. Existem poucas evidências sobre o impacto de concentrações de oxigênio menores que 100% e da técnica de pressão expiratória final positiva - pressão expiratória final zero (PEEP- ZEEP) na oxigenação e ventilação durante a AESA. Também não foram encontrados estudos abordando a necessidade ou não de hiperoxigenação associada à PEEP-ZEEP e sobre a efetividade isolada da hiperoxigenação com concentração de oxigênio de 20% acima da basal em adultos. Justificando assim, a realização dos estudos desta tese. O Estudo I foi realizado com os objetivos de avaliar se a hiperoxigenação com fração inspirada de oxigênio (FiO 2) de 20% acima da basal evita a hipoxemia comparado a oferta de FiO2 à 100%, além de determinar o impacto da AESA na ventilação pulmonar de pacientes críticos em suporte ventilatório mecânico. Estudo, randomizado e cruzado, envolvendo 68 pacientes de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adulto, intubados e alocados por sorteio simples em duas sequências de intervenção: Hiperoxigenação com FiO2 de 20% acima da basal (FiO2 20%) e Hiperoxigenação com FiO2 100% (FiO2 100%). A hiperoxigenação foi aplicada 1 min antes de cada um dos 5 procedimentos e 1 min após o procedimento. As variáveis estudadas foram medidas pré, imediatamente após e após 1 min, 2 min e 30 min da AESA. Constatou-se aumento significativo intragrupo no pós imediato nas intervenções FiO2 20% e 100% na saturação periférica de oxigênio (SpO2), dióxido de carbono (CO2) exalado ao final da expiração (ETCO2), pressão parcial mista expirada de CO 2 (PeCO2), frequência cardíaca (FC), pressão arterial média (PAM) e, no volume corrente de CO2 (VtCO2) apenas na FiO2 20%. E intergrupos no VtCO2, ETCO2, e na SpO2, no pós imediato, com restabelecimento aos valores pré intervenção 30 min após. Concluiu-se que a hiperoxigenação com FiO2 de 20% acima da basal evitou a hipoxemia e, a análise de capnografia volumétrica confirmou a ocorrência de alterações transitórias na ventilação pulmonar na AESA, sendo possível observar neste estudo, a reversibilidade em 30 min. Esses achados impulsionaram a realização do Estudo II, com objetivo de analisar o comportamento da SpO2 e do ETCO2 na AESA, utilizando PEEP-ZEEP com FiO2 basal versus PEEP-ZEEP associada a hiperoxigenação com FiO2 de 20% acima da basal. Estudo, randomizado cruzado, envolveu 38 pacientes de uma UTI adulto, intubados e alocados em duas sequências de intervenção: PEEP-ZEEP com a FiO2 em uso (PEEP-ZEEP FiO2 basal) e PEEP-ZEEP com FiO2 de 20% acima da basal (PEEP-ZEEP hiperoxigenação). A hiperoxigenação foi aplicada 1 min antes de cada um dos 5 procedimentos e 1 min após o procedimento e a PEEP-ZEEP com 3 séries de 60 s antes de cada um dos 5 procedimentos de AESA. As variáveis estudadas foram medidas pré, imediatamente após e após 1 min, 2 min e 30 min da AESA. Constatou-se aumento significativo da SpO2 na PEEP-ZEEP hiperoxigenação e com manutenção de níveis adequados na PEEP-ZEEP FiO2 basal, com manutenção do ETCO2 em ambas as intervenções. Observou-se diferença significativa intergrupos na SpO2 no pós 1 min da hiperoxigenação, pós imediato, 1 min e 2 min após intervenção. Concluiu-se que a técnica PEEP-ZEEP quando bem indicada, associada ou não à hiperoxigenação é eficiente para evitar a queda da SpO2 e em manter os níveis do ETCO2, minimizando o prejuízo na ventilação provocado pela AESA.
10

Sedação em colonoscopia: utilização do propofol em estudo comparativo entre três diferentes modos de administração / Sedation in colonoscopy: use of propofol in a comparative study of three different administration methods

Paulo Henrique Boaventura de Carvalho 24 September 2015 (has links)
O uso do propofol em sedação para colonoscopia e outros procedimentos endoscópicos é cada vez mais frequente, devido ao seu rápido início de efeito e curto período de recuperação, com poucos efeitos residuais, o que o torna um anestésico ideal para o uso em condutas médicas realizadas em regime ambulatorial. Seu perfil farmacológico o posiciona como um anestésico adequado a métodos de administração endovenosa contínuos ou titulados, possibilitando maior controle na sua concentração plasmática. Devido à sua alta lipossolubilidade, o propofol difunde-se rapidamente ao sistema nervoso e outros tecidos aonde exercerá seu efeito clínico, intimamente ligado à propofolemia, com diminuição da atividade do sistema nervoso central, que determinará tanto a sedação nos seus diversos níveis, quanto os indesejados efeitos depressores do sistema cardiovascular e respiratório, podendo levar a uma diminuição importante do débito cardíaco e pressão arterial e também a uma depressão central do sistema regulatório da respiração, que pode gerar apneia ou hipoventilação significativas. O presente estudo teve como objetivo avaliar clinicamente, e com dosagem sérica, o propofol em três esquemas diferentes de infusão endovenosa. Foram avaliados aleatoriamente 50 pacientes submetidos à colonoscopia nos Serviços de Endoscopia do Hospital Ana Costa (Santos - SP) e no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (São Paulo-SP). Os pacientes foram divididos em três grupos, conforme o esquema de sedação que foi utilizado. O Grupo 1 recebeu fentanil no início, uma dose inicial de propofol de um miligrama por quilo em um minuto na indução, posteriormente recebeu propofol em infusão intermitente de doses fracionadas de 30 mg (bolus) conforme necessidade clínica durante o exame. O Grupo 2 recebeu fentanil no início, uma dose inicial de propofol de 1 mg/kg em um minuto na indução, após essa, recebeu propofol contínuo em uma solução diluída a 0,2% em solução glicosada a 5%, em uma dose inicial de 1 gota/kg de peso do paciente, o que equivale a aproximadamente 100 ug/kg/min, controlada manualmente e alterada conforme a necessidade clínica do exame. O Grupo 3 recebeu fentanil no início do exame, e propofol com dose calculada e administrada por bomba eletrônica computadorizada (Diprifusor®) em esquema de infusão contínua alvo controlada, numa dose inicial de indução de 4 ug/mL administrada em um minuto, baixada a 2 ug/mL após a dose inicial completada, e alteradas para mais ou para menos conforme a necessidade clínica do exame. Os pacientes foram monitorizados com eletrocardiografia contínua, pressão arterial não invasiva medida de dois em dois minutos, oximetria de pulso, capnografia de aspiração lateral e índice bispectral (BIS). As dosagens séricas de propofol foram feitas em três amostras de sangue colhidas por paciente. A primeira amostra, cinco minutos após a indução, a segunda ao endoscopista alcançar o ceco durante o exame e a terceira a cinco minutos após a última dose de propofol administrada ou ao término da infusão contínua, no final do exame. Não houve diferença estatística significativa entre os Grupos em relação às características físicas pessoais dos pacientes como: sexo (p = 0,976), estado físico de acordo com a American Society of Anestesiology (ASA) (p = 0,945), idade (p = 0,896), peso (p = 0,340), altura (p = 0,947), índice de massa corpórea (IMC) (p = 0406), nos parâmetros clínicos observados como menor valor de índice BIS (p = 0,871) e o tempo para alcançá-lo (p = 0,052), tempo médio do exame (p = 0,123) e efeitos adversos observados como a queda da saturação de oxigênio abaixo de 90% (p = 0,054). Houve diferença estatisticamente significativa nas pressões arteriais iniciais dos Grupos 2 e 3, que foram ligeiramente elevadas em relação ao Grupo 1 a sistólica (p = 0,008), diastólica (p = 0,018) e média (p = 0,008), porém após a indução, a média das pressões arteriais sistólica (p = 0,440), diastólica (p = 0,960) e média (p = 0,815), e as menores pressões alcançadas não foram estatisticamente diferentes: sistólica (p = 0,656), diastólica (p = 0,783) e média (p = 0,993). Não houve diferença estatística em relação à frequência cardíaca inicial (p = 0,453), média após indução (p = 0,702), e menor frequência cardíaca alcançada (p = 0,788). Houve diferença entre o número de agitações médias entre os Grupos (p = 0,001), sendo maior no Grupo 1, porém este número foi relacionado ao esquema de administração do propofol no Grupo 1, que foi administrado após a indução quando o paciente apresentou algum grau de agitação que necessitou aprofundamento anestésico. Houve queda de saturação de oxigênio em seis pacientes (12%) da amostra avaliada, revertidas em tempo menor que cinco minutos com manobras de elevação da mandíbula do paciente ou utilização de cânula de Guedel para desobstrução das vias aéreas. Antes das quedas na saturação de oxigênio, foram percebidas alterações típicas de obstrução de vias aéreas, hipopneia ou apneia nas ondas de capnografia em 16 pacientes (32%), sendo que, em alguns pacientes por mais de uma vez, demonstrando esse ser um bom parâmetro de monitorização para prevenir hipóxia, não houve diferença entre os Grupos no parâmetro de obstrução de vias aéreas/apneia (p = 0,543). Em relação à propofolemia, o comportamento médio dos pacientes dos três Grupos foi estatisticamente igual ao longo dos momentos de avaliação (p = 0,830), não havendo diferença média estatisticamente significativa entre os Grupos (p = 0,964). Não houve diferença entre o consumo do propofol médio por minuto de exame (p = 0,748). Em relação à análise de custos com a administração do propofol, o Grupo 1 apresentou o menor valor médio para as colonoscopias avaliadas com gasto médio de R$ 7,00, o Grupo 2 gastou em média R$ 17,50 e o Grupo 3 gastou em média R$ 112,70 com diferença estatisticamente significativa entre eles (p < 0,001). A conclusão é que os esquemas de administração do propofol testados foram seguros, e houve semelhança entre os Grupos nos parâmetros avaliados incluindo a propofolemia, porém com custos diferenciados entre eles. Em relação ao Grupo 1, devido ao maior número de agitações por minuto este pode ser um bom método para procedimentos mais curtos, para procedimentos mais longos os Grupos 2 e 3 se mostraram mais confortáveis para o responsável pela sedação / The use of propofol sedation for colonoscopies and other endoscopic procedures is increasing due to the rapid onset of effect and short recovery time with few residual effects, which makes it an ideal anesthetic for usingin outpatient medical procedures. Its pharmacological profile places it as a suitable anesthetic to continuous or titred intravenous administration, providing increased control in its plasma levels. Due to its high liposolubility, propofol diffuses rapidly to the central nervous system and other tissues where it shall perform its clinical effects, closely related to plasma concentration, and providing sedation at different levels, as much as the unwanted depressant effects of the cardiovascular and respiratory system, it may lead to a significant reduction in cardiac output and blood pressure and also a central regulatory breathing system depression, that can result in significant apnea or hypoventilation. This study aimed to evaluate clinically and serum, propofol in three different regimens of intravenous infusion. 50 patients submitted to colonoscopy in the endoscopy centers at Hospital Ana Costa (Santos - SP), and Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (São Paulo-SP), have been randomly assessed. Such patients were divided into three groups, according to the sedation scheme that was used for them. Group 1 received fentanyl at first, then a one milligram per kilogram propofol dose, at induction, in a minute, later they received intermittent infusion of propofol in fractionated doses of 30 mg (Bolus) according to clinical needs during the test. Group 2 received fentanyl in the beginning, a starting dose of propofol 1 mg/kg at induction in one minute, after that received propofol in a 0.2% solution diluted in 5% glucose solution at an initial 1 drop/kg of patient weight dose, equivalent to about one 100 u100/min, manually controlled and changed according to clinical need of the examination. Group 3 received in the beginning of the examination fentanyl and propofol calculated by target controlled continuous infusion electronic device (Diprifusor®), an initial loading dose of 4 ug/mL was administered in one minute, reduced at 2 ug/mL after the initial dose, changed up or down according to clinical needs of examination. Patients were monitorized with continuous electrocardiography, non-invasive blood pressure measured every two minutes, pulse oximetry, side suction capnography and bispectral index (BIS). Serum levels of propofol were performed on three samples of blood taken by each patient. The first sample, five minutes after the induction, the second when the endoscopist reached the cecum during the examination and the third sample five minutes after the last administered dose or the end of continuous infusion of propofol, at the end of the test. No statistically significant difference between groups with respect to personal physical characteristics of patients as: sex (p = 0.976), physical state according to the American Society of Anesthesiology (ASA) (p = 0.945), age (p = 0.896), weight (p = 0.340), height (p = 0.947), body mass index body (BMI) (p = 0.406) in clinical parameters observed as a minor reached bispectral index value (BIS) (p = 0.871) and time to reach it (p = 0.052), mean procedure time (p = 0.123) and adverse effects observed as a drop in oxygen saturation below 90% (p = 0.054). There was a difference between the number of averages agitations between groups (p = 0.001), being higher in Group 1, but that number was related to propofol administration scheme in Group 1, as this was administered after induction when the patient had some agitation that required deeper anesthesia. There was a statistically significant difference in initial blood pressures of groups 2 and 3, which were slightly higher compared to Group 1: systolic (p = 0.008), diastolic (p = 0.018) and mean (p=0.008), but after induction, the average systolic (p = 0.440), diastolic (p = 0.960) and average (p = 0.815), and lower pressures achieved: systolic (p = 0.656) and diastolic (p = 0.783) and average (p = 0.993), were not statistically different. There was no statistical difference from the initial heart rate (p = 0.453), average heart rate after induction (p=0.702), and lower heart rate achieved (p = 0.788). There was oxygen dessaturation below 90% in six patients (12%) of the study sample, reversed in less than five minutes with patient jaw thrust maneuver or use of Guedel cannula, for airway clearance. Before the declines in oxygen saturation, typical tract obstruction, hypopnea or apnea wave changes were noted in capnography in sixteen patients (32%), and in some patients for more than once, showing this to be a good monitoring parameter to prevent hypoxia in patients, there was no difference between Groups in the airway obstruction/apnea parameter (p = 0.543). Regarding serum propofol, the average behavior of patients in the three Groups were statistically similar over the time (p = 0.830), with no statistically significant mean difference between groups (p = 0.964). There was no difference between the average propofol consumption per minute examination (p = 0.748). Regarding cost analysis with the administration of propofol, Group 1 had the lowest average value for colonoscopies evaluated with an average expense of R$ 7.00, Group 2 spent on average R$ 17.50 and the Group spent 3 on average R$ 112.70 with a statistically significant difference (p < 0.001). The conclusion is that propofol administration schemes tested were safe and there was similarity between the Groups in the evaluated parameters including propofolemia, but with different costs among them. With respect to Group 1 due to the larger number of agitations per minute, this is a good method for shorter procedures, for longer procedures groups 2 and 3 were more comfortable for the person responsible for sedation

Page generated in 0.0492 seconds