• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 10
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 11
  • 7
  • 7
  • 7
  • 6
  • 6
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 2
  • 2
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Relação entre a profundidade da conização de colo uterino e margens endocervicais comprometidas por lesão intraepitelial cervical de alto grau

Kliemann, Lucia Maria January 2011 (has links)
Introdução: o câncer de colo uterino é uma das neoplasias malignas mais frequentes do trato genital feminino e, em estágios iniciais, uma condição curável. Desde o desenvolvimento da colposcopia e da citologia exfoliativa de Papanicolaou, tem se buscado fazer o diagnóstico precoce das lesões intraepiteliais. A ressecção do colo por conização é um método muito eficiente para tratar essas lesões, porém está associada a uma série de complicações obstétricas e ginecológicas, as quais são diretamente proporcionais à altura do cone. A busca de ressecções cada vez mais econômicas visa minimizar essas complicações, porém incorrendo no risco de aumentar a incidência de margens endocervicais comprometidas e de recorrência ou recidiva da lesão. Objetivos: avaliar a relação entre a altura do espécime de conização a frio de colo uterino, a extensão da neoplasia intraepitelial cervical (NIC) II/III e a ocorrência de margens endocervicais comprometidas por esta neoplasia, indicando alturas de cones apropriadas a situações clínicas que variam da nuliparidade em pacientes jovens até intervenções em pacientes imunodeficientes com prole completa ou na pós-menopausa. Método: noventa e sete espécimes de conização a frio com diagnóstico de NICII/III foram selecionados. Dados epidemiológicos e do laudo anatomopatológico foram obtidos. De cada cone, foram selecionadas todas as amostras que contivessem NICII/III, JEC e o limite endocervical, nas quais foram medidos o tamanho do cone, a extensão da lesão intraepitelial e a margem cirúrgica endocervical. Resultados: comparando-se os grupos com margens livres e comprometidas, idade e paridade não foram diferentes, enquanto, altura do cone (22,4 ± 6,9 mm e 17,1 ± 5,6 mm, p = 0,013) e extensão da neoplasia intraepitelial (6,12 ± 3,25 mm e 10,6 ± 4,45 mm, p < 0,001) foram. Quatrocentas e quarenta e sete amostras de 97 cones foram analisadas e o tamanho dos cortes variou de 3,4 mm até 29,7 mm, a extensão das NICs de 0,3 mm até 17,5 mm e a distância da NIC ao limite cirúrgico endocervical (margem endocervical) de zero até 22,0 mm. Conclusões: considerando a idade da paciente, seu estado imunológico e seu desejo de gestar, o cone deverá ser menor, podendo variar de 10 a 14 mm considerando-se percentuais de chance de margens livres na ordem de 84 a 97 %. Nos casos em que a fertilidade não é uma preocupação ou que a paciente não apresenta um bom estado imunológico, o cone poderá ser profundo, atingindo altura de até 20 mm para que se obtenham percentuais de até 100 % de chance de margens livres.
2

Análise histopatológica de margens cirúrgicas: estudo comparativo randomizado entre duas técnicas de conização eletrocirúrgica

Tristão, Maria Aparecida Pereira January 2012 (has links)
Submitted by Luis Guilherme Macena (guilhermelg2004@gmail.com) on 2013-04-04T16:03:20Z No. of bitstreams: 1 Maria Aparecida Pereira Tristão.pdf: 1799657 bytes, checksum: c4af9346ee59889821645c72680ec0fc (MD5) / Made available in DSpace on 2013-04-04T16:03:20Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Maria Aparecida Pereira Tristão.pdf: 1799657 bytes, checksum: c4af9346ee59889821645c72680ec0fc (MD5) Previous issue date: 2012 / Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Fernandes Figueira. Departamento de Ensino. Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher. Rio de Janeiro, RJ, Brasil / Objetivo: verificar se a conização por eletrodo reto (SWETZ) é uma alternativa superior à conização por alça (LLETZ-cone) para a redução de excisão incompleta. Método: ensaio clínico controlado e randomizado para comparação de duas técnicas de conização eletrocirúrgica: por alça (LLETZ-cone) e por eletrodo reto (SWETZ). Foram incluídas e randomizadas 164 mulheres, sendo que 82 foram alocadas para SWETZ e 82 para LLETZ-cone. Após exclusões, principalmente relacionadas ao diagnóstico histopatológico, restaram 106 pacientes para análise (52 no grupo da SWETZ e 54 para o da LLETZ-cone). Resultados: houve uma distribuição uniforme entre os grupos após a randomização e exclusões em termos de média de idade, paridade e tabagismo atual. O mesmo pode ser observado em termos de diagnóstico citopatológico prévio à conização e no diagnóstico hisptopatológico obtido na peça de conização, em ambos os casos predominando as lesões pré-invasivas de natureza escamosa. Observamos risco significativamente maior de margem endocervical comprometida ou prejudicada nas peças de conização resultantes da LLETZ-cone em relação à SWETZ (1,72; IC 95% 1,14-2,6), com redução absoluta do risco (RAR) de 26,4% (IC 95% 8,1-44,8) para as pacientes operadas pela SWETZ. Para cada cerca de 4 pacientes operadas por SWETZ uma a menos teve margem endocervical comprometida ou prejudicada em relação às operadas pela LLETZ-cone (NNT = 3,8; IC 95% 2,2-12,4). Não foram observadas diferenças significativas entre os grupos em termos de comprometimento ou prejuízo na avaliação de outras margens. Conclusão: Esse estudo mostrou uma proporção menor de margem endocervical comprometida ou prejudicada, nos espécimes resultantes da SWETZ em relação à LLETZ-cone. / Objective: To determine whether Straight Wire Excision of the Transformation Zone (SWETZ) is a superior alternative to conization by Large Loop Excision of the Transformation Zone (LLETZ-cone) to reduce incomplete excision. Method: randomized controlled trial comparing two techniques of electrosurgical conization: a loop conization (LLETZ-cone) and straight wire conization (SWETZ). Were enrolled and randomized 164 women, of which 82 were allocated to SWETZ and 82 for LLETZ-cone. After exclusions, mainly related to the histopathological diagnosis, 106 patients remained for analysis (52 in group SWETZ and 54 for the LLETZ-cone group). Results: There was an even distribution between the groups after randomization and exclusions in terms of mean age, parity and current smoking. The same can be observed in terms of prior cytological diagnosis and histopathological diagnosis obtained in cone specimen, in both cases predominating pre-invasive squamous lesions. We observed significantly higher risk of endocervical margin compromised or damaged in specimens resulting from the LLETZ-cone in relation to SWETZ (1.72, 95% CI 1.14 to 2.6), with an absolute risk reduction (ARR) of 26.4% (95% CI 8.1 to 44.8) for patients operated by SWETZ. For roughly every four patients operated by SWETZ, one less had endocervical compromised or impaired margin compared to operated by LLETZcone (NNT = 3.8, 95% CI 2.2 to 12.4). There were no significant differences between groups in terms of involvement or loss on the evaluation of other margins. Conclusion: This study showed a lower proportion of endocervical surgical margin compromised or damaged in specimens resulting from the LLETZ-cone in relation to SWETZ.
3

Relação entre a profundidade da conização de colo uterino e margens endocervicais comprometidas por lesão intraepitelial cervical de alto grau

Kliemann, Lucia Maria January 2011 (has links)
Introdução: o câncer de colo uterino é uma das neoplasias malignas mais frequentes do trato genital feminino e, em estágios iniciais, uma condição curável. Desde o desenvolvimento da colposcopia e da citologia exfoliativa de Papanicolaou, tem se buscado fazer o diagnóstico precoce das lesões intraepiteliais. A ressecção do colo por conização é um método muito eficiente para tratar essas lesões, porém está associada a uma série de complicações obstétricas e ginecológicas, as quais são diretamente proporcionais à altura do cone. A busca de ressecções cada vez mais econômicas visa minimizar essas complicações, porém incorrendo no risco de aumentar a incidência de margens endocervicais comprometidas e de recorrência ou recidiva da lesão. Objetivos: avaliar a relação entre a altura do espécime de conização a frio de colo uterino, a extensão da neoplasia intraepitelial cervical (NIC) II/III e a ocorrência de margens endocervicais comprometidas por esta neoplasia, indicando alturas de cones apropriadas a situações clínicas que variam da nuliparidade em pacientes jovens até intervenções em pacientes imunodeficientes com prole completa ou na pós-menopausa. Método: noventa e sete espécimes de conização a frio com diagnóstico de NICII/III foram selecionados. Dados epidemiológicos e do laudo anatomopatológico foram obtidos. De cada cone, foram selecionadas todas as amostras que contivessem NICII/III, JEC e o limite endocervical, nas quais foram medidos o tamanho do cone, a extensão da lesão intraepitelial e a margem cirúrgica endocervical. Resultados: comparando-se os grupos com margens livres e comprometidas, idade e paridade não foram diferentes, enquanto, altura do cone (22,4 ± 6,9 mm e 17,1 ± 5,6 mm, p = 0,013) e extensão da neoplasia intraepitelial (6,12 ± 3,25 mm e 10,6 ± 4,45 mm, p < 0,001) foram. Quatrocentas e quarenta e sete amostras de 97 cones foram analisadas e o tamanho dos cortes variou de 3,4 mm até 29,7 mm, a extensão das NICs de 0,3 mm até 17,5 mm e a distância da NIC ao limite cirúrgico endocervical (margem endocervical) de zero até 22,0 mm. Conclusões: considerando a idade da paciente, seu estado imunológico e seu desejo de gestar, o cone deverá ser menor, podendo variar de 10 a 14 mm considerando-se percentuais de chance de margens livres na ordem de 84 a 97 %. Nos casos em que a fertilidade não é uma preocupação ou que a paciente não apresenta um bom estado imunológico, o cone poderá ser profundo, atingindo altura de até 20 mm para que se obtenham percentuais de até 100 % de chance de margens livres.
4

Relação entre a profundidade da conização de colo uterino e margens endocervicais comprometidas por lesão intraepitelial cervical de alto grau

Kliemann, Lucia Maria January 2011 (has links)
Introdução: o câncer de colo uterino é uma das neoplasias malignas mais frequentes do trato genital feminino e, em estágios iniciais, uma condição curável. Desde o desenvolvimento da colposcopia e da citologia exfoliativa de Papanicolaou, tem se buscado fazer o diagnóstico precoce das lesões intraepiteliais. A ressecção do colo por conização é um método muito eficiente para tratar essas lesões, porém está associada a uma série de complicações obstétricas e ginecológicas, as quais são diretamente proporcionais à altura do cone. A busca de ressecções cada vez mais econômicas visa minimizar essas complicações, porém incorrendo no risco de aumentar a incidência de margens endocervicais comprometidas e de recorrência ou recidiva da lesão. Objetivos: avaliar a relação entre a altura do espécime de conização a frio de colo uterino, a extensão da neoplasia intraepitelial cervical (NIC) II/III e a ocorrência de margens endocervicais comprometidas por esta neoplasia, indicando alturas de cones apropriadas a situações clínicas que variam da nuliparidade em pacientes jovens até intervenções em pacientes imunodeficientes com prole completa ou na pós-menopausa. Método: noventa e sete espécimes de conização a frio com diagnóstico de NICII/III foram selecionados. Dados epidemiológicos e do laudo anatomopatológico foram obtidos. De cada cone, foram selecionadas todas as amostras que contivessem NICII/III, JEC e o limite endocervical, nas quais foram medidos o tamanho do cone, a extensão da lesão intraepitelial e a margem cirúrgica endocervical. Resultados: comparando-se os grupos com margens livres e comprometidas, idade e paridade não foram diferentes, enquanto, altura do cone (22,4 ± 6,9 mm e 17,1 ± 5,6 mm, p = 0,013) e extensão da neoplasia intraepitelial (6,12 ± 3,25 mm e 10,6 ± 4,45 mm, p < 0,001) foram. Quatrocentas e quarenta e sete amostras de 97 cones foram analisadas e o tamanho dos cortes variou de 3,4 mm até 29,7 mm, a extensão das NICs de 0,3 mm até 17,5 mm e a distância da NIC ao limite cirúrgico endocervical (margem endocervical) de zero até 22,0 mm. Conclusões: considerando a idade da paciente, seu estado imunológico e seu desejo de gestar, o cone deverá ser menor, podendo variar de 10 a 14 mm considerando-se percentuais de chance de margens livres na ordem de 84 a 97 %. Nos casos em que a fertilidade não é uma preocupação ou que a paciente não apresenta um bom estado imunológico, o cone poderá ser profundo, atingindo altura de até 20 mm para que se obtenham percentuais de até 100 % de chance de margens livres.
5

Prevalência de lesão intra-epitelial escamosa de alto grau e câncer cervical em pacientes com colpocitologia oncóticasugestiva de alto grau e colposcopia insatisfatória sem lesão visível

Veiga, Fernanda Rangel da January 2008 (has links)
Made available in DSpace on 2011-11-09T14:45:40Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license.txt: 1648 bytes, checksum: e095249ac7cacefbfe39684dfe45e706 (MD5) 000240.pdf: 753517 bytes, checksum: f16747499d82dff990517e4358b3ddf6 (MD5) Previous issue date: 2008 / Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Fernandes Figueira. Departamento de Ensino. Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher. Rio de Janeiro, RJ, Brasil / Introdução: O câncer de colo uterino ainda é considerado um grave problema de saúde pública no Brasil. Algumas recomendações para o controle desta doença no país são baseados em opiniões de especialistas e, no caso de pacientes com colpocitologias sugestivas de lesão intra-epitelial escamosa de alto grau (HSIL) e colposcopia insatisfatória sem lesão visível, consistem em repetir a colpocitologia após três meses. No Setor de Patologia Cervical do Instituto Fernandes Figueira/ FIOCRUZ, estas pacientes são encaminhadas diretamente para conização, na intenção de confirmar o diagnóstico e, caso presente HSIL, já se constituir no tratamento destas lesões. Objetivo: Medir a prevalência de HSIL e câncer em pacientes com a primeira colpocitologia sugestiva de HSIL e colposcopia insatisfatória sem lesão visível, além de identificar uma faixa etária ou grupos em que esta prevalência seja maior, no intuito de contribuir para a discussão sobre uma conduta clínica mais efetiva e que diminua a probabilidade de ocorrência de perdas antes do diagnóstico e tratamento adequados nesta situação. Material e método: Estudo transversal realizado através de pesquisa em banco de dados de pacientes recebidas no Setor de Patologia Cervical no período de dezembro de 1989 a abril de 2007 referidas pela rede básica de saúde para colposcopia, obtendo o diagnóstico final através dos laudos histopatológicos das peças de conização. Resultados: Foram incluídas 65 pacientes na situação descrita e encontrado percentual de 33,8% (IC95% 23,1- 45,9%) de HSIL e 4,6% (IC95% 1,1- 12,0%) de câncer confirmados histologicamente. Os demais casos apresentaram lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau (LSIL - 26,1%, IC95% 16,5- 37,8%), displasia glandular (1,5%, IC95% 0,07- 7,35%)e ausência de doença (33,8%, IC95% 23,1- 45,9%). Não foi encontrada diferença estatisticamente significativa na razão de prevalência de HSIL e câncer em grupos de mulheres segundo estratos de idade abaixo e acima de 45 anos e entre mulheres soropositivas e soronegativas para HIV. Conclusão: A prevalência de HSIL ou câncer encontrada não parece suficiente para defender a conduta de encaminhá-las de imediato para conização a fim de investigar o canal cervical. Porém, são necessários ensaios clínicos randomizados para que possamos saber qual a conduta mais adequada na situação em estudo. / Introduction: Cervix cancer is a serious public health problem in Brazil. Some of the recommendations for controlling the disease in the country are based on the opinion of specialists. In patients with unsatisfactory colposcopy with no visible lesion and cervical cytology suggesting high-grade squammous intraepithelial lesion (HSIL), the recommendation is to repeat cervical cytology after three months. In the Cervical Pathology unit at Instituto Fernandes Figueira/ FIOCRUZ, these patients are directly subjected to conization in order to confirm diagnosis and to excise the lesions found, if HSIL is verified. Objectives: To assess prevalence of HSIL and cancer in patients with unsatisfactory colposcopy with no visible lesion and first cervical cytology suggestive of HSIL, and to identify an age group or other groups with higher prevalence in order to contribute to the discussion about a more effective clinical approach that will also prevent patients from abandoning follow-up before full diagnosis and treatment. Method: Cross-sectional study with data from the Cervical Pathology unit database on patients treated between December 1989 and April 2007 who were referred to the unit for colposcopy by the primary healthcare network. Final diagnosis was obtained through histopathological examination of conization specimens. Results: Of the 65 patients studied, 33,8% (CI95% 23,1- 45,9%) had HSIL, and 4,6% (CI95% 1,1- 12,0%) had cancer confirmed by histological examination. The other patients were diagnosed as having low-grade squammous intraepithelial lesion (LSIL - 26,1%, CI95% 16,5- 37,8%), glandular dysplasia (1,5%, CI95% 0,07- 7,35%), and absence of disease (33,8%, CI95% 23,1- 45,9%). This study did not find statistically significant difference of the prevalence ratio of HSIL and cancer between age groups of more than 45 and less than 45 years of age, and between women tested positive or negative for HIV. Conclusion: The prevalence of cancer and HSIL found in this study does not seem to be enough to justify direct referral for conization to investigate the cervical canal. Nevertheless, randomized clinical trials are necessary to determine an approach that would be more adequate in this situation.
6

Prevalência de lesão intra-epitelial escamosa de alto de alto grau e câncer cervical em pacientes com colpocitologia oncótica sugestiva de alto grau e colposcopia insatisfatória sem lesão visível

Veiga, Fernanda Rangel da January 2008 (has links)
Made available in DSpace on 2014-08-06T17:29:44Z (GMT). No. of bitstreams: 2 Fernanda Veiga - sa.pdf: 4190888 bytes, checksum: 0c24d50a09131c7db4270519872b5c50 (MD5) license.txt: 1914 bytes, checksum: 7d48279ffeed55da8dfe2f8e81f3b81f (MD5) Previous issue date: 2008 / Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Fernandes Figueira. Departamento de Ensino. Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. / Introdução: O câncer de colo uterino ainda é considerado um grave problema de saúde pública no Brasil. Algumas recomendações para o controle desta doença no país são baseados em opiniões de especialistas e, no caso de pacientes com colpocitologias sugestivas de lesão intra-epitelial escamosa de alto grau (HSIL) e colposcopia insatisfatória sem lesão visível, consistem em repetir a colpocitologia após três meses. No Setor de Patologia Cervical do Instituto Fernandes Figueira/ FIOCRUZ, estas pacientes são encaminhadas diretamente para conização, na intenção de confirmar o diagnóstico e, caso presente HSIL, já se constituir no tratamento destas lesões. Objetivo: Medir a prevalência de HSIL e câncer em pacientes com a primeira colpocitologia sugestiva de HSIL e colposcopia insatisfatória sem lesão visível, além de identificar uma faixa etária ou grupos em que esta prevalência seja maior, no intuito de contribuir para a discussão sobre uma conduta clínica mais efetiva e que diminua a probabilidade de ocorrência de perdas antes do diagnóstico e tratamento adequados nesta situação. Material e método: Estudo transversal realizado através de pesquisa em banco de dados de pacientes recebidas no Setor de Patologia Cervical no período de dezembro de 1989 a abril de 2007 referidas pela rede básica de saúde para colposcopia, obtendo o diagnóstico final através dos laudos histopatológicos das peças de conização. Resultados: Foram incluídas 65 pacientes na situação descrita e encontrado percentual de 33,8% (IC95% 23,1- 45,9%) de HSIL e 4,6% (IC95% 1,1- 12,0%) de câncer confirmados histologicamente. Os demais casos apresentaram lesão intra-epitelial escamosa de baixo grau (LSIL - 26,1%, IC95% 16,5- 37,8%), displasia glandular (1,5%, IC95% 0,07- 7,35%) vii e ausência de doença (33,8%, IC95% 23,1- 45,9%). Não foi encontrada diferença estatisticamente significativa na razão de prevalência de HSIL e câncer em grupos de mulheres segundo estratos de idade abaixo e acima de 45 anos e entre mulheres soropositivas e soronegativas para HIV. Conclusão: A prevalência de HSIL ou câncer encontrada não parece suficiente para defender a conduta de encaminhá-las de imediato para conização a fim de investigar o canal cervical. Porém, são necessários ensaios clínicos randomizados para que possamos saber qual a conduta mais adequada na situação em estudo. / Introduction: Cervix cancer is a serious public health problem in Brazil. Some of the recommendations for controlling the disease in the country are based on the opinion of specialists. In patients with unsatisfactory colposcopy with no visible lesion and cervical cytology suggesting high-grade squammous intraepithelial lesion (HSIL), the recommendation is to repeat cervical cytology after three months. In the Cervical Pathology unit at Instituto Fernandes Figueira/ FIOCRUZ, these patients are directly subjected to conization in order to confirm diagnosis and to excise the lesions found, if HSIL is verified. Objectives: To assess prevalence of HSIL and cancer in patients with unsatisfactory colposcopy with no visible lesion and first cervical cytology suggestive of HSIL, and to identify an age group or other groups with higher prevalence in order to contribute to the discussion about a more effective clinical approach that will also prevent patients from abandoning follow-up before full diagnosis and treatment. Method: Cross-sectional study with data from the Cervical Pathology unit database on patients treated between December 1989 and April 2007 who were referred to the unit for colposcopy by the primary healthcare network. Final diagnosis was obtained through histopathological examination of conization specimens. Results: Of the 65 patients studied, 33,8% (CI95% 23,1- 45,9%) had HSIL, and 4,6% (CI95% 1,1- 12,0%) had cancer confirmed by histological examination. The other patients were diagnosed as having low-grade squammous intraepithelial lesion (LSIL - 26,1%, CI95% 16,5- 37,8%), glandular dysplasia (1,5%, CI95% 0,07- 7,35%), and absence of disease (33,8%, CI95% 23,1- 45,9%). This study did not find statistically significant ix difference of the prevalence ratio of HSIL and cancer between age groups of more than 45 and less than 45 years of age, and between women tested positive or negative for HIV. Conclusion: The prevalence of cancer and HSIL found in this study does not seem to be enough to justify direct referral for conization to investigate the cervical canal. Nevertheless, randomized clinical trials are necessary to determine an approach that would be more adequate in this situation.
7

Marcadores " clínicos" relacionados com evolução "desfavorável" em neoplasias intra-epitelias cervicais tratadas por conização / Fernanda Villar Fonseca ; orientador, Flavio Daniel S. Tomasich ; co-orientadora, Juliana Elizabeth Jung

Fonseca, Fernanda Villar January 2011 (has links)
Dissertação (mestrado) - Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2011 / Bibliografia: f. 56-66 / Objetivo: avaliar o risco de vários fatores clínicos de predizer doença persistente ou recorrente, após tratamento de neoplasia intra-epitelial cervical (NIC) por conização e o significado clínico da expressão da p53 e da p16INK4a nestes tumores. Métodos: / Purpose: Evaluate the ability of various factors to predict recurrence or persistence disease, after therapeutic conization on CIN 2 and 3 and the clinical significance of p16 INK4a and p53 in tumor progression. Methods: A retrospective review was conduct
8

Avaliação de peças resultantes de cirurgia com alça de ondas de alta frequência no colo de útero com neoplasia intraepitelial escamosa / Evaluation of leep surgery for cervical squamous intraepithelial neoplasia

Bittencourt, Dulcimary Dias [UNIFESP] 24 November 2010 (has links) (PDF)
Made available in DSpace on 2015-07-22T20:49:34Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2010-11-24. Added 1 bitstream(s) on 2015-08-11T03:26:11Z : No. of bitstreams: 1 Publico-12717.pdf: 633825 bytes, checksum: 9d6b59494fef2e8e7af44734f3976d60 (MD5) / Objetivo: Avaliar as peças cirúrgicas resultantes da cirurgia com alças de alta frequência no tratamento das neoplasias intraepiteliais cervicais de alto grau. Métodos: Foram selecionados 118 prontuários de pacientes com diagnóstico de lesão de alto grau cervical, submetidas à exérese da zona de transformação. As peças resultantes foram avaliadas quanto a idade da paciente, ao grau de lesão, ao número de fragmentos retirados, ao estado de comprometimento das margens e ao grau de artefatos térmicos. Resultados: A idade das pacientes variou de 17 a 55 anos, com média de 27 anos; 63,6% das pacientes tinham diagnóstico de neoplasia intraepitelial cervical grau II (NIC II) e 36,4% de NIC III. A lesão foi retirada em uma passada em 79,6% dos casos e com duas ou mais passadas em 20,3% dos casos. As margens estavam livres de neoplasia intraepitelial em 85,6% dos casos, comprometidas na margem endocervical em 6,8%, comprometida na margem ectocervical em 1,7%, em ambas as margens em 3,4% dos casos. Fragmentos prejudicados por artefatos ocorreram em 2,5% dos casos e não houve nenhum caso de prejuízo do diagnóstico por fragmentação do material. Os graus de artefatos foram considerados leves em 46,6% das peças, moderados em 30,5% e acentuados em 22,8% dos casos. A associação entre as variáveis mostrou que mulheres com idade igual ou superior a 30 anos apresentaram mais casos de NIC III do que aquelas com faixa etária abaixo de 30 anos (p<0,0004). O comprometimento neoplásico de margens cirúrgicas e artefatos de grau severo ocorreram mais vezes nos casos em que foram retirados dois ou mais fragmentos e em pacientes com idade igual ou superior a 30 anos. O mesmo foi observado quando o grau da lesão cervical foi NIC III. Conclusão: As neoplasias intraepiteliais de grau III em mulheres com idade superior a 30 anos quando retiradas em dois ou mais fragmentos na cirurgia com alça de alta frequência apresentam maior número de margens comprometidas e grau severo de artefatos térmicos. / Objective: Evaluate the results of LETZ surgery for Cervical Intraepithelial Neoplasia (CIN). Methods: 118 patients diagnosed with severe cervical lesions were selected and submitted to loop excision of the transformation zone (LETZ). The results were evaluated by patient age, degree of lesion, number of fragments removed, state of compromise of the margins, and degree of thermal artifact. Results: Patient age varied between 17 and 55, with the average being 27; 63.6% of patients had been diagnosed with cervical intraepithelial neoplasia grade II (CIN II) and 36.4% with CIN III. The lesion was removed in one fragment in 79.6% of the cases and in two or more fragments in 20.3% of the cases. The margins were free of intraepithelial neoplasia in 85.6% of the cases, compromised in the endocervical margin in 6.8% of the cases, compromised in the ectocervical margin in 1.7% of the cases, and compromised in both margins in 3.4% of the cases. Fragment damage by artifact occurred in 2.5% of the cases, and there were no cases of fragmented material adversely affecting evaluation. The degree of artifact was light in 46.6% of the cases, moderate in 30.5 %, and serious in 22.8%. The relation between the variables shows that women who were 30 years old or more presented more cases of CIN III than those below 30 (p<0.0004). Neoplasic compromise of the surgical margins and severe grade artifact occurred more often in the cases in which two or more fragments were removed from patients who were 30 years old or more. The same was observed when the cervical lesion grade was CIN III. Conclusion: Grade III cervical intraepithelial neoplasia in women 30 years old or more when removed in two or more fragments during LETZ surgery presents a greater number of margins compromised and a more severe degree of thermal artifact. / TEDE / BV UNIFESP: Teses e dissertações
9

Valor da captura híbrida para o papilomavírus humano (HPV) no seguimento de pacientes submetidos à conização do colo uterino devido a lesão intraepitelial de alto grau por cirurgia de alta frequência (CAF) / The value of the HPV DNA test on the follow-up of the patients treated for high grade cervical intraepithelial lesions by conization with large loop excision of the transformation zone (LLETZ)

Roncaglia, Maria Teresa 22 May 2012 (has links)
INTRODUÇÃO: A lesão intraepitelial cervical de alto grau causada pelo HPV, precursora do câncer cervical, é facilmente diagnosticada e seu tratamento pode ser realizado de maneira ambulatorial, sem muitas complicações. Mesmo assim, o seguimento das pacientes tratadas deve ser feito de maneira criteriosa e sistemática para que a recorrência ou persistência da doença não passe despercebida. Conseguir identificar o grupo de pacientes com maior probabilidade de recorrência ou persistência da doença facilitaria sobremaneira esse seguimento, diminuindo o ônus econômico e psicológico que o seguimento generalizado produz. O objetivo deste trabalho é identificar marcadores que possam indicar o grupo de pacientes com maior possibilidade de recorrência da lesão intraepitelial cervical de alto grau. MÉTODOS: Neste estudo 114 mulheres com diagnóstico de lesão intraepitelial cervical de alto grau foram submetidas à conização cervical por cirurgia de alta frequência (CAF) no Setor de Patologia do Trato Genital Inferior (PTGI) da Divisão da Clínica Ginecológica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP) no período entre março de 2006 e maio de 2009. O seguimento foi realizado a cada seis meses durante o período de 24 meses. No seguimento foi coletada a citologia cervical, captura híbrida para HPV e realizada a colposcopia. Foram avaliados os testes de captura híbrida para HPV coletadas durante o seguimento, imuno-histoquímicos para oncoproteína viral E6 e proteína p16 na peça cirúrgica como possíveis marcadores de recorrência. RESULTADOS: A avaliação anatomopatológica da peça cirúrgica diagnosticou 85 (74,6%) casos de lesão intraepitelial cervical de alto grau e 29 (25,4%) casos de lesão intraepitelial de baixo grau. Nessas peças, 45 (39,5%) apresentaram expressão positiva para oncoproteína E6 e 69 (60,5%) apresentaram expressão negativa para E6; 74 (64,9%) apresentaram expressão positiva para p16 e 40 (35,1%) apresentaram expressão negativa para p16. A oncoproteína E6 não se associou com a apresentação mais grave da doença. Já a proteína p16 esteve positiva em 68 (80%) casos diagnosticados como lesão intraepitelial de alto grau e negativa em 23 (79,3%) casos com diagnóstico anatomopatológico de lesão intraepitelial de baixo grau ou cervicite crônica. A CH coletada no primeiro retorno apresentou sensibilidade de 83,3%, especificidade de 87,8%, VPP de 50% e VPN de 97,3%. Comparando a CH coletada no primeiro retorno com a citologia coletada após os 24 meses de seguimento, a CH apresentou sensibilidade de 75%, especificidade de 83,1%, VPP de 20% e VPN de 98,3%. CONCLUSÕES: A expressão das oncoproteína E6 e proteína p16 na peça cirúrgica não demonstraram ter valor para predizer recorrência no seguimento de pacientes tratadas por lesão intraepitelial cervical de alto grau, mesmo a p16 estando associada à presença de lesões mais graves. A CH pode ser usada como um teste preditivo de recorrência durante o seguimento de pacientes tratadas por lesão intraepitelial de alto grau. O VPN do teste é bastante alto e seu resultado negativo, seis meses após o tratamento indica uma taxa baixíssima de recorrência da doença / INTRODUCTION: The high grade cervical intraepithelial lesion caused by HPV, a pre-malignant condition, is easily diagnosed and its treatment can be done in outpatients without many complications. Nevertheless the patients follow-up must be done in a very systematic way to avoid any recurrence or persistence of the disease. To be able to identify the group of patients with higher rate of recurrence or persistence of the disease would make this follow-up much easier and decrease the economic and psychological burden of stressed outcome. The goal of our study is to identify markers that could indicate the group of patients more likely to recur. METHODS: In this study, 114 women diagnosed with high grade cervical intraepithelial lesion were treated with LLETZ at the Discipline of Gynecology, Faculty of Medicine, São Paulo University from March 2006 and May 2009. The follow-up visits after the treatment included Pap smear, HPV DNA test and colposcopy and occurred every 6 months for 24 months. The markers evaluated were the HPV DNA test collected during the follow-up and immunohistochemical tests performed on the surgical specimen: E6 oncoprotein and protein p16. RESULTS: We found 85 cases (74,6%) of HSIL and 29 cases (25,4%) of LSIL in the surgical specimen obtained with the LLETZ. The E6 oncoprotein was expressed in 45 (39,5%) and not expressed in 69 (60,5%) of the specimen; 74 (64,9%) expressed p16 and 40 (35,1%) didnt express p16. The E6 oncoprotein was not associated with severe presentation of the disease. The protein p16 was positive in 68 (80%) cases of diagnosed HSIL and negative in 23 (79,3%) cases with diagnosed LSIL or chronic cervicitis. The HPV DNA test collected at the first follow-up consult at 6 months presented a sensitivity of 83,3% specificity of 87,8%, positive predictive value (PPV) of 50% and negative predictive value (NPV) of 97,3%. Comparing the HPV DNA test collected at the first follow-up visit and the cervical cytology collected at the fourth and last follow-up visit at 24 months, the HPV DNA test presented a sensitivity of 75%, specificity of 83,1%, PPV of 20% and NPV of 98,3%. CONCLUSIONS: The E6 oncoprotein and protein p16 expression on the surgical specimen were not able to predict recurrence of the disease during the follow-up of the patients. The HPV DNA test can be used as a marker of the recurrence on the follow-up of patients treated for HSIL with LLETZ. The HPV DNA test negative result at the 6 month follow-up visit represents an extremely low recurrence rate
10

Avaliação do perfil oxidativo e da atividade de ectoenzimas em pacientes com neoplasia intra-epitelial cervical / Evaluation of oxidative stress profile and activity of ecto-enzymes in patients with cervical intraepithelial neoplasia

Maldonado, Paula Acosta 22 August 2008 (has links)
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior / Uterine cancers are considered to be one of the most important malignant diseases of the female genital tract, preceded only by breast cancer. The tumor cells may produce oxidative disturbances as well as damage to the antioxidant system. Cancer may also induce alterations in blood coagulation, ranging anywhere from slight platelet activation to thrombus formation, which impair the quality of life of these patients. This study aimed to evaluate the influence of uterine cervix cancer and its treatments, such as conization and radiotherapy (RTX), on the possible development of thrombogenic processes, on the oxidative profile and on coagulation disorders. Variations in the oxidative profile were analyzed through the determination of parameters such as TBARS and protein carbonyl content and antioxidant defenses were determined from the activity of catalase and reduced glutathione (GSH). Thromboembolic disorders were evaluated by the activity of enzymes such as NTPDase, E-NPP and 5 -nucleotidase, since all of these are present in the platelet membrane, as well as the activity of ADA which has an important role in the degradation of adenosine, which in turn is known for possessing tumor promoting functions. The evaluation of oxidative and antioxidant parameters revealed that TBARS levels, protein carbonyl, GSH and the activity of catalase were enhanced in the non treated group when compared to the other groups. The increased levels of oxidants may reflect their enhanced production by tumor cells, since it is known that antioxidant levels are enhanced at the beginning of the neoplasic transformation in an attempt to neutralize the enhanced free radical production. As for the enzymes involved in the thrombogenic process, the results revealed a significant inhibition of NTPDase in groups treated for a long time ago by CNZ or RTX, when compared to the more recently treated groups and the control. The reduced ATP hydrolysis could be acting to prevent ADP formation, since this nucleotide is the main agent that promotes platelet aggregation. The reduced AMP hydrolysis in all the treated groups, may be a result of the reduced production of adenosine due to the effectiveness of the treatments. In the conization and RTX treated groups, E-NPP activity, both in serum and platelets, was reduced when compared to the control and non treated groups, which could be a reflection of reduced nucleotide degradation, due to the absence of tumor cells and, in turn, lower production of adenosine, which is a tumor promoting agent and is also the substrate for ADA. The probable absence of tumor cells due to the effectiveness of the treatments and the reduced adenosine concentration may be responsible for the reduced ADA activity found in the same groups. The inhibition of enzymes such as E-NPP, 5 -nucleotidase and ADA in all the treated groups may suggest the role of these enzymes in sequentially controlling the concentrations of nucleotides in the extracellular environment. NTPDase appears to be more sensitive to changes caused by the passing of time after the end of the treatments. We may say that the surgery itself causes greater alterations in enzymes such as E-NPP, 5 -nucleotidase and ADA from platelets, because in the groups recently treated by CNZ these activities were enhanced as compared with the group recently treated by RTX, possibly as a result of platelet alteration, which would be responsible for the enzymatic alterations observed. NTPDase is more involved in the control of platelet aggregation and the enzymes 5`-nucleotidase, E-NPP and ADA are more involved in controlling adenosine concentrations. / Os carcinomas uterinos despontam como uma das doenças malignas mais importantes do trato genital feminino, precedido apenas pelo câncer de mama. As células tumorais podem originar distúrbios oxidativos, bem como prejuízo das defesas antioxidantes desses pacientes. O câncer também pode induzir alterações na coagulação sangüínea que vão desde uma pequena ativação plaquetária até a formação de trombos na circulação, os quais prejudicam a qualidade de vida desses pacientes. Este trabalho teve como objetivo avaliar a influência do carcinoma cervical uterino e de tratamentos como a conização (CNZ) e a radioterapia (RTX) sobre o possível desenvolvimento de processos trombogênicos, sobre o perfil oxidativo e sobre os distúrbios da coagulação. As variações no perfil oxidativo foram analisadas pela determinação de parâmetros como o conteúdo de TBARS e de proteína carbonil, e as defesas antioxidantes através da atividade da enzima catalase e dos níveis de glutationa reduzida (GSH). As desordens tromboembólicas foram analisadas pela determinação da atividade de enzimas como a NTPDase, a E-NPP e a 5 -nucleotidase, enzimas presentes na membrana plaquetária, bem como através da atividade da enzima ADA a qual tem a importante função na degradação da adenosina, que reconhecidamente desempenha funções promotoras de tumor. A avaliação dos parâmetros oxidativos e antioxidantes revelou que os níveis de TBARS, de proteína carbonil, de GSH e a atividade da enzima catalase estavam aumentados no grupo de pacientes não tratados em relação aos demais grupos. O aumentado nível de oxidantes pode ser reflexo de um aumento na sua produção pela célula tumoral. Os antioxidantes podem estar aumentados possivelmente por estar no início da transformação neoplásica tumoral na tentativa de compensar o aumento da produção de espécies reativas. Com relação às enzimas envolvidas nos processos tromboembólicos, os resultados revelaram que ocorreu uma inibição significativa da enzima NTPDase nos grupos tratados há mais tempo tanto por CNZ quanto por RTX, em relação aos grupos tratados recentemente e em relação ao grupo controle. A reduzida hidrólise do ATP poderia estar atuando como forma de prevenção contra a formação do ADP, visto que este nucleotídeo é o principal agente promotor da agregação plaquetária. No caso da enzima 5 -nucleotidase observamos uma reduzida hidrólise do AMP, em todos os grupos tratados, que pode ser o resultado da reduzida produção de adenosina pela efetividade dos tratamentos. Em todos os grupos tratados por CNZ e RTX a atividade da E-NPP, tanto em soro quanto em plaquetas, estava reduzida em relação ao grupo controle e ao grupo com neoplasia não-tratada, podendo ser o reflexo da reduzida degradação de nucleotídeos, pela ausência das células tumorais, formando menos adenosina, a qual é um agente promotor de tumor e também o substrato para a ADA. A ausência de células tumorais pela efetividade dos tratamentos e a reduzida concentração de adenosina, pode ser responsável pela reduzida atividade da ADA nos mesmos grupos. A inibição da atividade das enzimas E-NPP, 5 -nucleotidase e da ADA nos grupos tratados, pode sugerir o papel dessas enzimas no controle seqüencial das concentrações de nucleotídeos no meio extracelular. A enzima NTPDase parece ser um pouco mais sensível às mudanças provocadas pelo tempo transcorrido após o término dos tratamentos. Pode-se inferir também, que a cirurgia causa maiores alterações nas enzimas E-NPP, 5 -nucleotidase e ADA de plaquetas, pelo fato de que nos grupos tratados recentemente por CNZ estas atividades encontram-se aumentadas em relação grupo tratado recentemente por RTX. Sugere-se, com esses resultados, que há uma possível alteração nas plaquetas, causada pelo processo cirúrgico, o qual seria o responsável pelas modificações enzimáticas observadas e que os tratamentos foram efetivos em combater as células tumorais uma vez que, de uma maneira geral há uma inibição das atividades das enzimas em questão, e também devido ao fato de que os testes de coagulação, possíveis indicadores de trombose associada ao câncer, não demonstraram-se alterados. Corroborando estes achados os exames citopatológicos apresentaram alterações celulares compatíveis com a normalidade. A enzima NTPDase demonstra-se estar envolvida no controle da agregação plaquetária e as enzimas 5`-nucleotidase, E-NPP e ADA parecem estar mais envolvidas no controle dos níveis de adenosina. Palavras-chave: Câncer de útero, radioterapia, conização, estresse oxidativo, plaquetas, trombose, NTPDase, E-NPP, ADA.

Page generated in 0.0565 seconds