• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 16
  • Tagged with
  • 16
  • 16
  • 16
  • 16
  • 15
  • 14
  • 14
  • 13
  • 13
  • 11
  • 9
  • 7
  • 6
  • 5
  • 4
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

As emo??es positivas e negativas, a atitude e a inten??o de comportamento : um estudo explorat?rio no varejo

M?ller, Fabrise de Oliveira 31 August 2007 (has links)
Made available in DSpace on 2015-04-14T14:51:56Z (GMT). No. of bitstreams: 1 399481.pdf: 745034 bytes, checksum: 859fea568a83510b76dfdcb79237007b (MD5) Previous issue date: 2007-08-31 / O estudo das emo??es humanas apresenta-se como uma das tem?ticas contempor?neas dentro da ?rea de comportamento do consumidor. Os sentimentos dos consumidores na experi?ncia de consumo influenciam a atitude (avalia??o favor?vel ou desfavor?vel) e a inten??o (o comportamento futuro da pessoa). Essas respostas emocionais refletem sentimentos como paix?o, ?dio, surpresa, alegria, podendo ser divididas em grupos que envolvem o recuo (emo??es negativas) ou a aproxima??o (emo??es positivas). Com o objetivo de analisar os motivos das rela??es entre as emo??es positivas, negativas e os julgamentos p?s-compra, foram realizadas entrevistas em profundidade com a t?cnica de incidente cr?tico com clientes e especialistas no varejo. Optou-se pelo estudo qualitativo para uma melhor compreens?o do contexto. Para os grupos analisados, o atendimento indicou motivar as emo??es positivas e a rela??o entre emo??es e atitude parece ser mediada por sentimentos de valoriza??o, seguran?a, confian?a e bem-estar. O cliente torna-se mais suscet?vel aos aspectos gerais do atendimento, observando melhor a qualidade do produto. Quando o atendimento motiva emo??es negativas, o cliente parece ficar mais sens?vel ao pre?o e pouco tolerante a respostas negativas. Sendo as emo??es um tema que propicia muitos estudos, esta pesquisa aponta um novo enfoque para futuros trabalhos na ?rea de comportamento do consumidor e emo??es, em especial, para m?todos qualitativos. Os fatores que mediam as rela??es indicadas no trabalho geram motivos para estudos espec?ficos envolvendo as emo??es e os julgamentos p?s-compra.
2

A influ?ncia da satisfa??o e do custo de mudan?a na lealdade de clientes de banco

Damas, Alexandre 31 March 2008 (has links)
Made available in DSpace on 2015-04-14T14:51:58Z (GMT). No. of bitstreams: 1 401956.pdf: 2590813 bytes, checksum: 20a0e4387052227ccb1b40f4c6dd6de0 (MD5) Previous issue date: 2008-03-31 / O comportamento do cliente ? uma ?rea importante para o entendimento dos fen?menos que comp?e as a??es e atitudes dos clientes. Entender os componentes atitudinais do comportamento dos clientes melhora a compreens?o sobre o fen?meno de lealdade desses e quais s?o os antecedentes que respondem melhor a essa manifesta??o. Esse conhecimento ? parte importante dos estudos de m?tricas e modelos de manuten??o do cliente no portf?lio das empresas. Sabidamente a satisfa??o ? um antecedente da lealdade, no entanto, se sabe tamb?m que apenas a satisfa??o n?o explica alguns fen?menos, como a perman?ncia do cliente com a empresa fornecedora, mesmo ele estando insatisfeito. Para ampliar o conhecimento sobre os poss?veis antecedentes da lealdade ? que foi elaborado este trabalho tendo como antecedente da lealdade a satisfa??o e os custos de mudan?a. Para isso, foi feita uma pesquisa survey em clientes de bancos. Obteve-se como resultado um ajustamento moderado do modelo ao segmento estudado devido ?s caracter?sticas desse e de como os clientes visualizam a concorr?ncia entres os muitos bancos no mercado. Como um dos resultados se destaca que os clientes dessa ind?stria avaliaram a troca de banco pelo aspecto cognitivo com o construto custo da perda de benef?cios e, pelo lado afetivo o custo da perda de relacionamento com a marca. Essas duas tiveram mais for?a na avalia??o dos clientes do que, por exemplo, o construto custo de perdas monet?rias, que a priori seria o ponto de an?lise que todo cliente faria para buscar um novo fornecedor. Todos os resultados s?o discutidos ao longo do trabalho e, tamb?m as implica??es acad?micas e gerenciais. Durante as an?lises s?o feitas sugest?es de trabalhos para amplia??o deste e dos outros trabalhos na ?rea do comportamento do cliente. Tamb?m ? discutida a limita??o dos resultados alcan?ados por esta pesquisa.
3

Participa??o do cliente, valor econ?mico, conveni?ncia e qualidade do servi?o como antecedentes da satisfa??o do cliente em servi?os financeiros

Souza, Alan Andrew de 31 March 2014 (has links)
Made available in DSpace on 2015-04-14T14:52:34Z (GMT). No. of bitstreams: 1 458995.pdf: 1659349 bytes, checksum: 7297b4deaf81d5bfc2f67ccf3a9f302f (MD5) Previous issue date: 2014-03-31 / Reaching customer satisfaction through service delivery is considered a critical way source for companies to achieve competitive advantage. Thus, the sources of customer satisfaction has been widely discussed in the marketing field. Based on assumptions of the Service Dominant Logic (SDL), researchers have emphasized the co-creation of value by both customers and suppliers throughout the process of providing services. However, several aspects related to this matter suggest important inconsistencies, perceived by academics and managers. Seeking to clarify these ambiguities, researchers emphasize the need to understand the effects of co-creation of value by consumers and organizations on customer satisfaction. For this reason there have been continuous attempts to explain the effects of customer participation on his/her satisfaction and perceived value during the process of service delivery. Yet, since satisfaction is a complex and abstract factor, the description and understanding of its sources is an essential condition for the comprehensive understanding of how the variable is influenced. To this end, this study proposes a model that connects predictors of customer satisfaction considering SDL assumption and convenience and quality of service as sources that were identified as relevant aspects for customer satisfaction related to financial services. The proposed model tested by means of a study that resorted to multivariate analysis techniques focused on conducting structural equation modeling. A sample of six hundred and eight cases (n = 608) was obtained, which enabled the measurement of the researched variables using existing scales of satisfaction in financial services. The participants were undergraduate students from five different universities, who considered their main provider of banking services to answer the survey questions. The measures for assessing customer satisfaction, economic value, customer involvement, convenience and quality of service have proven reliable and valid. The predictive effects of convenience, economic value and quality of service have proved to be significant for customer satisfaction. Quality of service was identified as a mediator of the relationship between convenience and customer satisfaction. Results, however, have shown that customer participation has a negative impact on customer satisfaction, thus bringing relevant findings to the theme of value co-creation and presenting discussions for future studies. / A busca da satisfa??o do cliente com a presta??o de servi?os ? considerada uma fonte relevante para as empresas obterem vantagem competitiva. Dessa forma, o entendimento dos antecedentes da satisfa??o do cliente tem sido amplamente discutido no campo de marketing, que sinaliza pesquisadores enfatizando a cocria??o de valor com consumidores durante os processos de presta??o de servi?os baseados nas premissas da nova l?gica do servi?o dominante (SDL, do ingl?s service dominant l?gic). Todavia, diversos aspectos relacionados ao tema sugerem not?veis incoer?ncias para acad?micos e gestores. Buscando esclarecer estes aspectos divergentes, pesquisadores destacam o entendimento sobre os efeitos que a cria??o compartilhada de valor entre consumidores e organiza??es provoca na satisfa??o dos clientes. Sendo assim, tentativas de explicar os efeitos que a participa??o do cliente causa na satisfa??o e percep??o de valor durante o processo de presta??o de servi?os t?m sido constantes entre os acad?micos. Entretanto, como a satisfa??o ? considerada um elemento complexo e abstrato, a identifica??o e compreens?o de seus antecedentes s?o essenciais para o entendimento hol?stico de como a vari?vel ? influenciada. Para isto, o presente estudo prop?e um modelo vinculando preditores da satisfa??o do cliente considerando as premissas da SDL e os antecedentes conveni?ncia e qualidade do servi?o, que foram identificados como aspectos relevantes na busca da satisfa??o dos clientes com servi?os financeiros utilizados. Para testar o modelo proposto, foi conduzido um estudo utilizando-se t?cnicas de an?lise multivariada centrada na condu??o de modelagem de equa??es estruturais. Foi obtida uma amostra com seiscentos e oito casos (n= 608), a qual possibilitou a medida das vari?veis investigadas atrav?s da utiliza??o de escalas existentes para o contexto do segmento de servi?os financeiros. Os participantes foram estudantes universit?rios oriundos de cinco diferentes universidades, que consideraram o seu principal prestador de servi?os banc?rios para responder as quest?es da pesquisa. As medidas para avalia??o da satisfa??o do cliente, valor econ?mico, participa??o do cliente, conveni?ncia e qualidade do servi?o se mostraram confi?veis e v?lidas. Os efeitos preditivos da conveni?ncia, valor econ?mico e qualidade do servi?o se apresentaram significantes na satisfa??o do cliente. Foi identificada a qualidade do servi?o como mediadora da rela??o entre a conveni?ncia e a satisfa??o do cliente. Entretanto, a pesquisa demonstrou que a participa??o do cliente apresenta um impacto negativo na satisfa??o do cliente, revelando achados relevantes para os temas de cria??o de valor compartilhada e promovendo discuss?es para futuras abordagens.
4

Proposi??o de uma escala para mensura??o do consumo colaborativo : compreendendo o compartilhamento de bens e a sua rela??o com os valores pessoais

Pizzol, Helena Oliveira Dall 30 March 2015 (has links)
Submitted by Setor de Tratamento da Informa??o - BC/PUCRS (tede2@pucrs.br) on 2015-06-05T12:41:49Z No. of bitstreams: 1 469978 - Texto Completo.pdf: 2573223 bytes, checksum: 7937032aef37e028df1b728dc7eeebc3 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-06-05T12:41:49Z (GMT). No. of bitstreams: 1 469978 - Texto Completo.pdf: 2573223 bytes, checksum: 7937032aef37e028df1b728dc7eeebc3 (MD5) Previous issue date: 2015-03-30 / Collaborative consumption is a global trend leveraged growth by individual motivations and environmental, social and economic issues present in na daily life as a way to accommodate their wants and needs (Botsman and Rogers 2011). In this sense, the main objective of this dissertation is to propose a scale to measure the collaborative consumption. Considering the influence of personal values on consumer behavior, also sought to identify the impacts of values on this consumption mode. Towards such a goal, the research was conduct in two stages, exploratory approach and descriptive stage with carsharing Brazilian users and experts, aiming to finetuning the scale and performing construct validation. The results suggest six dimensions that compose the collaborative consumption and confirm the existence of content validity and reliability for most of construct?s dimensions. In addition, were established some significant associations between personal values construct and collaborative consumption. Concluding comments reflect upon the findings and highlight academic and managerial implications for the field, and suggestions for future studies on customer delight are discussed. / O consumo colaborativo ? uma tend?ncia global e em crescimento alavancado por motiva??es individuais e quest?es ambientais, sociais e econ?micas presentes no cotidiano das pessoas, como uma forma de acomodar seus desejos e necessidades de maneira sustent?vel e com menor ?nus para o indiv?duo (BOTSMAN e ROGERS, 2011). Nesse sentido, o objetivo maior desta disserta??o ? a proposi??o de uma escala que mensure o consumo colaborativo, levando em conta as suas dimens?es. Considerando a influ?ncia dos valores pessoais no comportamento do consumidor, buscou-se tamb?m identificar as rela??es e impactos que os valores pessoais exercem sobre os indiv?duos adeptos a essa modalidade de consumo. A pesquisa foi desenvolvida em duas etapas, explorat?ria e descritiva, com especialistas e usu?rios de compartilhamento de carros no Brasil, clientes da empresa Zazcar. Os resultados apontam para sete dimens?es que comp?e o consumo colaborativo: economia de custos, cren?a no bem comum, consci?ncia socioambiental, conveni?ncia, identidade social, confian?a e riscos e tamb?m confirmam a exist?ncia de validade e confiabilidade do construto estudado. Al?m disso, algumas associa??es significativas foram estabelecidas entre os valores pessoais e as dimens?es que constituem o consumo colaborativo. As considera??es finais discutem os principais achados do estudo e suas implica??es acad?micas e gerenciais, assim como s?o apresentadas as limita??es do estudo e as sugest?es para a continuidade das pesquisas sobre o tema.
5

Avalia??o da competitividade no varejo sob a ?tica do consumidor : adapta??o e replica??o no contexto paranaense

Rosa, Marciana Witt da 14 May 2015 (has links)
Submitted by Setor de Tratamento da Informa??o - BC/PUCRS (tede2@pucrs.br) on 2015-09-04T20:40:37Z No. of bitstreams: 1 474619 - Texto Completo.pdf: 2627124 bytes, checksum: 7880847e596365504bf8b55cc71c8484 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-09-04T20:40:37Z (GMT). No. of bitstreams: 1 474619 - Texto Completo.pdf: 2627124 bytes, checksum: 7880847e596365504bf8b55cc71c8484 (MD5) Previous issue date: 2015-05-14 / The consumer has been studied in the marketing literature for a long time. The offers created by companies are addressed to him. Another frequent question in academic discussion is centered on competitiveness, which occurs when a particular company can gain a competitive advantage over their competitors, commonly used to explain the difference in performance between companies. However the main approaches of competitiveness and competitive advantage are focused on the evaluation of organizational aspects, or a population of organizations. As a result, the role of the consumer as valuation agent has been little exploited in this literature. Several factors influence the competitiveness of companies, and traditional forms of measurement, based on internal indicators, industry sales volume, among others, may have difficulties in obtaining the data, its truth or even monitoring. Thus, the purpose of this study is to unite the gains of consumer behavior and marketing field of literature seeking competitiveness through scale replication and proposals for a scale to measure customer experience, an instrument that enables the evaluation the competitiveness of the retail sector using the consumer as valuation agent. For this two steps were employed: a qualitative in order to seek indicators to compose the costumer experience scale; and other quantitative, which tested indicators set. The evaluation instrument includes eight dimensions, four of them from the Espartel (2009): Memory, familiarity, usage intent and brand relationship. Three other comes in Almeida (2014): trust, value and loyalty. Finally, the customer experience dimension. To compose the study were applied surveys to 301 consumers of electronics and department stores retailers. The results of the indicators set its show in ranking format and scales subjected to statistical tests of validation and confirmation. For this, we used the exploratory and confirmatory factorial analysis. The results showed is adequate for levels of unidimensionality, reliability, convergent and discriminant validity. / O consumidor tem sido objeto de estudo na literatura de marketing h? bastante tempo. As ofertas criadas pelas empresas s?o endere?adas a ele. Outra quest?o frequente nos debates acad?micos est? centrada na competitividade, que ocorre quando uma determinada empresa consegue obter uma vantagem competitiva perante seus concorrentes, comumente utilizada para explicar a diferen?a de desempenho entre empresas. Entretanto as principais abordagens de competitividade e vantagem competitiva est?o centradas na avalia??o de aspectos organizacionais, ou de uma popula??o de organiza??es. Como consequ?ncia, o papel do consumidor enquanto agente de avalia??o tem sido pouco explorado por esta literatura. Diversos fatores interferem na competitividade das empresas, e as formas tradicionais de mensura??o, baseadas em indicadores internos, volume de vendas do setor, entre outras, podem apresentar dificuldades quanto ? obten??o dos dados, sua veracidade ou mesmo seu monitoramento. Dessa forma, a proposta deste estudo ? unir os ganhos vindos do campo de comportamento do consumidor e da literatura de marketing sobre competitividade buscando, atrav?s da replica??o de escala e da proposi??o de uma escala para medir experi?ncia de compras, um instrumento que possibilite a avalia??o da competitividade do setor varejista, utilizando o consumidor como agente de avalia??o. Para isso foram empregadas duas etapas: uma qualitativa, com o intuito de buscar indicadores para compor a escala de experi?ncia de consumo; e outra quantitativa, que testou o conjunto de indicadores. O instrumento de avalia??o contempla oito dimens?es, sendo quatro delas origin?rias do estudo de Espartel (2009): mem?ria, familiaridade, inten??o de uso e rela??o com a marca. Outras tr?s t?m origem em Almeida (2014): confian?a, valor e lealdade. E por fim, a dimens?o de experi?ncia de compras. Para compor o estudo foram aplicados question?rios para 301 consumidores finais de varejo de eletroeletr?nicos e de lojas de departamentos. Os resultados do conjunto de indicadores foram apresentados na forma de ranking e as escalas foram submetidas aos testes estat?sticos de valida??o e confirma??o. Para isso, foram empregadas a an?lise fatorial explorat?ria e confirmat?ria. Os resultados obtidos apresentaram n?veis adequados de unidimensionalidade, confiabilidade, validade convergente e discriminante.
6

A influ?ncia do tipo e do fracionamento dos alimentos nas sensa??es de sacia??o e saciedade do consumidor

Stocker, Leticia Rocha 28 March 2016 (has links)
Submitted by Setor de Tratamento da Informa??o - BC/PUCRS (tede2@pucrs.br) on 2016-07-28T16:49:00Z No. of bitstreams: 1 DIS_LETICIA_ROCHA_STOCKER_COMPLETO.pdf: 1370964 bytes, checksum: 725a5d1db324c57e8960a65994b76916 (MD5) / Made available in DSpace on 2016-07-28T16:49:00Z (GMT). No. of bitstreams: 1 DIS_LETICIA_ROCHA_STOCKER_COMPLETO.pdf: 1370964 bytes, checksum: 725a5d1db324c57e8960a65994b76916 (MD5) Previous issue date: 2016-03-28 / Consumer behavior towards food is full of paradoxes and complex decisions, often involving seemingly irreconcilable tradeoffs (WERLE AND CUNY, 2012). One such tradeoff involves the nature of the food to be consumed, whether it is hedonic or utilitarian. Another tradeoff involves portion sizes and, interestingly, how it is presented (whole or fractioned) and consumed. While some studies found no difference in consumption intake between people eating a single size portion compared to a fractionated portion (DEVITT AND MATTES, 2004 AND SPIEGEL ET AL., 1993), other studies show that, by consuming food through little pieces, people tend to consume less (MARCHIORI, WAROQUIER AND KLEIN, 2011). Unit size of food and types of food influence consumption in ways that go beyond the quantity consumed. They can influence perceptions of hunger and fullness. While the sensation of termination of hunger can be described in physiological terms, like the absence of pain in the stomach, the sensation of fullness is often described through a more psychological perspective. In this sense, fullness is related to the pleasure people can feel through the consumption of food (MURRAY AND VICKERS, 2009). Even though types and unit size of food have already been addressed on their own rights, the joint consideration of these two aspects has not yet been explored. Our research addresses this issue. Specifically, we test whether people fell less hunger or feel more fullness through the consumption of hedonic vs. utilitarian food, and through single sized (whole) portions vs. fractionated portions of food. Given the nature of our constructs, we also believe such effects can be influenced by an individual?s capacity to self-regulate. Hence, we considered self-control as a moderating variable. Our findings advance the knowledge on food consumption by arguing that hedonic foods are more pleasurable than utilitarian foods, and that utilitarian foods have more power to cease hunger than hedonic foods. More interestingly, these effects are influenced by both unit size (whether food is presented whole or in pieces) and individual levels of self-control. Individuals with low self-control take greater advantage of the fullness properties of hedonic and hunger-ceasing properties of utilitarian foods when they are presented whole. Such results have direct implications for public policy. / O comportamento alimentar dos consumidores ? um tema repleto de paradoxos e decis?es complexas que envolvem escolhas conflituosas (WERLE E CUNY, 2012). Um desses conflitos envolve a natureza dos alimentos a serem consumidos, se s?o hed?nicos ou utilit?rios. Outro conflito envolve os tamanhos de por??o e como essa por??o ? apresentada (inteira ou fracionada em pequenos peda?os) e consumida. Alguns estudos n?o encontraram diferen?as na quantidade de alimento consumido entre pessoas que consumiram alimentos atrav?s de peda?os inteiros ou fracionados (DEVVID E MATTES, 2004 E SPIEGEL ET AL., 1993), j? outros estudos demonstram que ao consumir alimentos atrav?s de pequenos peda?os, as pessoas tendem a consumir menos (MARCHIORI, WAROQUIER E KLEIN, 2011). Tamanhos de por??es e tipos de alimentos influenciam o consumo de maneiras que v?o al?m da quantidade consumida. Esses fatores podem influenciar as percep??es de sacia??o e saciedade. Enquanto que a sensa??o de sacia??o pode ser descrita atrav?s de uma perspectiva fisiol?gica, como a aus?ncia de dores no est?mago, a sensa??o de saciedade frequentemente ? descrita atrav?s de uma perspectiva psicol?gica. Nesse sentido, saciedade ? relacionada ao prazer que as pessoas podem sentir atrav?s do consumo de alimentos (MURRAY E VICKERS, 2009). Apesar de tipos e tamanhos de por??es de alimentos j? terem sido estudados separadamente, a considera??o em conjunto desses dois aspectos ainda n?o foi explorada. O presente estudo procura suprir essa lacuna. Especialmente, ? testado se as pessoas sentem mais sacia??o ou saciedade atrav?s de consumo de alimentos hed?nicos vs. utilit?rios, e atrav?s de alimentos inteiros vs. fracionados. Ainda, acredita-se que esses efeitos possam ser influenciados pela capacidade individual das pessoas de se controlar. Dessa forma, autocontrole foi considerado como uma vari?vel moderadora. Os resultados avan?am o conhecimento em comportamento alimentar demonstrando que alimentos hed?nicos s?o mais prazerosos vs. utilit?rios, e que alimentos utilit?rios tem maior poder de saciar a fome vs. hed?nicos. Ainda, sacia??o e saciedade s?o influenciadas por tipo de fracionamento (inteiros vs. fracionados) e n?veis individuais de autocontrole. Indiv?duos de baixo autocontrole podem potencializar suas sensa??es de sacia??o e saciedade atrav?s do consumo de alimentos apresentados inteiros. Tais resultados t?m implica??es diretas em pol?ticas p?blicas.
7

Emo??es manifestadas em rela??o ? marca por consumidores de m?quinas agr?colas

Correia, Let?cia de Souza Siqueira 17 June 2009 (has links)
Made available in DSpace on 2015-04-14T14:52:04Z (GMT). No. of bitstreams: 1 416046.pdf: 652388 bytes, checksum: e0820019ded283b806ccbb846a0d71a5 (MD5) Previous issue date: 2009-06-17 / A vantagem competitiva de uma empresa pode ser obtida de diversas formas, as quais podem ser a partir de ativos fabris, canais de distribui??o e inova??es tecnol?gicas em seus produtos. Tendo em vista a paridade tecnol?gica de ativos f?sicos, a diferencia??o entre as empresas passa a ser por meio de suas marcas, bem como pelas emo??es relacionadas a elas. Aliado a isto, observa-se a necessidade de aprofundar o estudo da marca e das emo??es presentes no contexto business-to-business (B2B). Dessa forma, essa disserta??o procurou analisar, atrav?s de um estudo explorat?rio de car?ter qualitativo, as emo??es manifestadas em rela??o ? marca por consumidores de m?quinas agr?colas. Para tanto, a partir da revis?o de literatura acerca da marca no contexto B2B e dos estudos relacionados ?s emo??es no comportamento do consumidor, foi elaborado e aplicado um instrumento de coleta de dados atrav?s da t?cnica de laddering, para abordagem direta, e da t?cnica projetiva expressiva da terceira pessoa, como abordagem indireta. A Escala Consumption Emotions Set (CES), de Richins (1997) e validada por Lobato (2002) no Brasil, foi utilizada para conhecer as emo??es positivas e negativas que relacionam com a marca. A partir da metodologia de an?lise de conte?do foi poss?vel identificar que emo??es como insatisfa??o, encantamento, amor, preocupa??o, alegria, empolga??o, tranq?ilidade e satisfa??o s?o manifestadas pela marca. Com base nos resultados obtidos, observa-se que os consumidores de m?quinas agr?colas procuram justificar racionalmente suas manifesta??es frente ? marca, caracter?stica identificada por Lynch e de Chernatony (2007) junto a consumidores B2B. Ao mesmo tempo, sugere-se que a confian?a e assist?ncia t?cnica foram associadas ?s marcas do segmento estudado. Por fim, s?o apresentadas as implica??es gerenciais e acad?micas e limita??es do estudo, bem como recomenda??es de estudos futuros.
8

An?lise das correla??es entre os valores pessoais e os n?veis de prontid?o para o uso de tecnologia

Pereira, M?rcia Cristina 31 August 2009 (has links)
Made available in DSpace on 2015-04-14T14:52:05Z (GMT). No. of bitstreams: 1 418906.pdf: 843727 bytes, checksum: e6be08f525d5fa480ac5add6539934d7 (MD5) Previous issue date: 2009-08-31 / Entender como os consumidores se relacionam com os produtos e servi?os tecnol?gicos ? de grande interesse na ?rea do marketing. Isto porque, este entendimento permite que estrat?gias para promover estes produtos e servi?os sejam montadas. No ?mbito acad?mico, diversos estudos relacionados ? prontid?o dos consumidores para usar os produtos e servi?os baseados em tecnologia podem ser encontrados. Al?m disso, alguns estudos que relacionam os valores pessoais dos consumidores com o uso da tecnologia tamb?m est?o dispon?veis. Visto que, as pessoas agem de acordo com seus valores pessoais, possivelmente, estas pessoas ir?o buscar usar produtos e servi?os que sejam condizentes com seus princ?pios de vida. E ? nesse contexto que entender seus valores pessoais torna-se relevante ? compreens?o de diversos fatores tais como seus h?bitos de consumo relacionados aos produtos e servi?os tecnol?gicos. Este trabalho teve como objetivo analisar as correla??es existentes entre os valores pessoais dos consumidores e a prontid?o para o uso de tecnologia. Para a investiga??o, foi utilizada a escala SVS (Schwartz Value Survey) para identifica??o dos valores pessoais e o modelo do TRI (Technology Readiness Index) como instrumento de medida para prontid?o para uso da tecnologia. O trabalho teve como foco os estudantes de gradua??o da Pontif?cia Universidade Cat?lica do Rio Grande do Sul. Os resultados obtidos demonstram que muitos consumidores apresentam valores pessoais diferentes e que de acordo com estes valores tais consumidores se relacionam diferentemente com os produtos e servi?os tecnol?gicos.
9

As dimens?es da qualidade do relacionamento no contexto do mercado farmac?utico

Goularte, Juliana Henriques 31 August 2009 (has links)
Made available in DSpace on 2015-04-14T14:52:06Z (GMT). No. of bitstreams: 1 419907.pdf: 932121 bytes, checksum: 6f1b379794f94baf6a13884c00c1ef7c (MD5) Previous issue date: 2009-08-31 / Os aspectos intang?veis de um relacionamento s?o dif?ceis de serem copiados pelos concorrentes, proporcionando assim uma vantagem competitiva sustent?vel para as empresas que se preocupam com o desenvolvimento da qualidade do relacionamento. A partir da revis?o dos trabalhos realizados sobre qualidade do relacionamento, identificou-se a necessidade em entender os motivos respons?veis pela sua forma??o. Com base no modelo das dimens?es da qualidade do relacionamento validado por Roberts, Varki e Brodie (2003), realizou-se uma pesquisa de natureza qualitativa, junto a m?dicos e representantes de medicamentos, com o objetivo de entender os motivos das rela??es entre satisfa??o, comprometimento, confian?a, conflito afetivo e qualidade do relacionamento, no contexto da ind?stria farmac?utica. A an?lise de conte?do das entrevistas proporcionou um conjunto de achados relevantes para entender os motivos que permeiam as rela??es em quest?o. Para a rela??o entre satisfa??o e qualidade do relacionamento, os motivos encontrados foram os benef?cios acumulados durante intera??es passadas e o envolvimento. Quanto ? rela??o entre comprometimento e qualidade do relacionamento, os motivos apresentados foram a neglig?ncia de informa??es negativas por parte dos concorrentes, os custos de mudan?a e os benef?cios econ?micos. J? para a rela??o entre confian?a e qualidade do relacionamento, s?o apresentados os benef?cios da confian?a, a troca de conhecimentos e a similaridade de valores com os representantes como os motivos que permeiam esta rela??o. Para a rela??o entre conflito afetivo e qualidade do relacionamento, os motivos apresentados foram os benef?cios sociais e a coopera??o. Por fim, apresentam-se as implica??es acad?micas e gerenciais dos resultados obtidos, bem como suas limita??es e sugest?es para pesquisas futuras decorrentes da realiza??o deste estudo
10

As rela??es entre confiabilidade, confian?a, valor e lealdade no contexto do varejo de vestu?rio

Cornelius, Paulo Roberto Sulzbach 23 March 2006 (has links)
Made available in DSpace on 2015-04-14T14:52:13Z (GMT). No. of bitstreams: 1 381448.pdf: 2567277 bytes, checksum: c49470996de03c83175e804f9e1f8b4b (MD5) Previous issue date: 2006-03-23 / Atrav?s do modelo te?rico desenvolvido por Sirdeshmukh, Singh e Sabol (2002), o presente trabalho busca analisar as rela??es entre os construtos de confian?a, valor e lealdade no setor do varejo de vestu?rio. Com a realiza??o de duas surveys com amostras de 192 e 190 respondentes, foi desenvolvida uma pesquisa em uma rede de lojas localizada no interior do estado do Rio Grande do Sul. O principal objetivo desta pesquisa era testar as rela??es entre confian?a, valor e lealdade ao longo do tempo. Com o ajustamento do modelo e o teste das hip?teses, chegou-se a resultados semelhantes aos encontrados na literatura de marketing nacional e internacional. Verificou-se uma forte rela??o entre a confian?a nas pol?ticas e pr?ticas gerenciais e a confian?a nos funcion?rios de contato com a cria??o de valor para o consumidor. Observou-se tamb?m que a confian?a nas pol?ticas e pr?ticas gerenciais influencia positivamente a constru??o da confian?a nos funcion?rios de contato. Sendo que a rela??o inversa n?o foi observada em nenhum dos dois testes realizados. Tamb?m n?o foi encontrada uma rela??o entre a confian?a nos funcion?rios de contato e a lealdade. Atrav?s dos resultados, tamb?m foi poss?vel observar uma rela??o direta e positiva entre a percep??o de valor e a inten??o de lealdade dos consumidores. Por fim, s?o descritas as devidas implica??es acad?micas e gerencias do estudo, assim como as sugest?es para pesquisas futuras.

Page generated in 0.0417 seconds