• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 2105
  • 52
  • 40
  • 15
  • 11
  • 10
  • 9
  • 7
  • 6
  • 6
  • 4
  • 4
  • 3
  • 3
  • 3
  • Tagged with
  • 2242
  • 1235
  • 538
  • 496
  • 371
  • 289
  • 284
  • 265
  • 256
  • 189
  • 172
  • 172
  • 146
  • 137
  • 129
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

A conservação da biodiversidade, a proteção do conhecimento tradicional associado e a formação de um regime internacional de repartição de benefícios no âmbito da Convenção da Diversidade Biológica (CDB)

Rêgo, Patrícia de Amorim January 2008 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Jurídicas. Programa de Pós-Graduação em Direito. / Made available in DSpace on 2012-10-24T04:54:47Z (GMT). No. of bitstreams: 1 255201.pdf: 1236009 bytes, checksum: 0db720fb260677e69c9b1d7640956bf1 (MD5) / As possibilidades econômicas geradas pelas biotecnologias aliadas a um arcabouço jurídico que permitiu a extensão dos direitos de propriedade intelectual para formas de vida e conhecimento alteraram profundamente o sentido e o valor da biodiversidade, intensificando o movimento de apropriação e degradação, no Hemisfério Sul, dos recursos genéticos e dos conhecimentos das comunidades locais. Durante séculos, o acesso a essa diversidade social e biológica por países e empresas transnacionais do Norte ocorreu sem qualquer controle ou contraprestação. Buscando uma compensação por este tipo de apropriação injusta, a Convenção da Diversidade Biológica (CDB) dispôs sobre a necessidade de se estabelecer um sistema de repartição de benefícios e de controle no acesso a referidos recursos, como forma de garantir a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e resguardar os direitos das comunidades locais. Após anos de vigência desse Tratado, a repartição de benefícios não conseguiu sair do papel. O presente trabalho pretende verificar a viabilidade de um Regime Internacional de Repartição de Benefícios, atualmente em discussão no âmbito da CDB, quanto à sua efetividade para a conservação da biodiversidade e para a proteção dos direitos das comunidades tradicionais. Para tanto, a abordagem é realizada a partir de uma visão integrada da realidade, lançando mão do pensamento complexo, em particular, da visão sistêmica da vida cunhada por Fritjof Capra, bem como de outros autores, como Edgar Morin, Enrique Leff e Vandana Shiva, o que implica no reconhecimento do valor intrínseco da biodiversidade, independente de seu valor econômico. A pesquisa vai buscar as raízes da atual crise da sóciobiodiversidade, decorrente da insustentabilidade do atual modelo de desenvolvimento econômico e do paradigma científico reducionista que o informa. Nessa perspectiva, passa a demonstrar o sentido e a importância da biodiversidade, sua valoração e usos, destacando a profunda alteração no seu significado operada pela emergência das novas biotecnologias no mercado e pela expansão de um regime global de direitos de propriedade intelectual. Abordam-se, ainda, as alterações introduzidas pela CDB no tocante ao regime de acesso e à proteção dos direitos das comunidades tradicionais, analisando-se o mecanismo de repartição de benefícios e as dificuldades de implementação, para finalmente discutir a viabilidade de um Regime Internacional de Acesso e Repartição de Benefícios para a finalidade da conservação da biodiversidade e da proteção do conhecimento tradicional. The economic possibilities generated by biotechnology, linked to a legal structure that permitted the extension of intellectual property rights to life forms and to knowledge, altered profoundly the meaning and value of biodiversity, intensifying the appropriation and degradation of genetic resources and local community knowledge in the Southern Hemisphere. During centuries, the access to this social and biological diversity by countries and transnational companies of the North had occurred without any control or compensation. The Convention on Biological Diversity (CBD), conceived to address this type of unjust appropriation, was to create a system to share the benefits and to control the access of these resources as a means of guaranteeing the conservation and sustainable use of biodiversity and the protection of the rights of local communities. Years after this treaty had been ratified, the sharing of benefits never became a reality. The present study seeks to verify the viability of an international regime of benefit sharing, now being discussed within the CBD, as to its effectiveness for the conservation of biodiversity and the protection of traditional communities. The approach is based on an integrated view of reality, using the systemic vision of life used by Fritjof Capra, and others philosophers like Edgard Morin, Enrique Leff e Vandana Shiva, one that implies the recognition of the intrinsic value of biodiversity, independent of its economic value. This research analyzes the roots of the current sociobiodiversity crisis based on the unsustainable current model of economic development and its supporting, reductionist scientific paradigm. Based on this perspective, the thesis demonstrates the importance of biodiversity, its value and uses, emphasizing the change caused by the emergence of new market biotechnologies and by the expansion of a global regime of intellectual property rights. Also addressed are the changes introduced by the CBD with respect to the access and protection of the rights of traditional communities, analyzing the mechanisms for benefit-sharing and the difficulties for implementation. Finally, is discussed the viability of an international regime of access and sharing of benefits for the conservation of biodiversity and protection of traditional knowledge.
2

Répteis Squamata endêmicos do cerrado : perdas de hábitat e conservação em cenários futuros

Mello, Pietro Longo Hollanda de January 2014 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ecologia, 2014. / Submitted by Alaíde Gonçalves dos Santos (alaide@unb.br) on 2014-05-09T15:08:44Z No. of bitstreams: 1 2014_PietroLongoHollandadeMello.pdf: 1841819 bytes, checksum: d71e7f86d6f36ec0b5b2ca16176bb71b (MD5) / Approved for entry into archive by Guimaraes Jacqueline(jacqueline.guimaraes@bce.unb.br) on 2014-05-13T12:16:22Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2014_PietroLongoHollandadeMello.pdf: 1841819 bytes, checksum: d71e7f86d6f36ec0b5b2ca16176bb71b (MD5) / Made available in DSpace on 2014-05-13T12:16:22Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2014_PietroLongoHollandadeMello.pdf: 1841819 bytes, checksum: d71e7f86d6f36ec0b5b2ca16176bb71b (MD5) / Embasado na biogeografia da conservação, que tem como uma das suas principais ferramentas a utilização de dados computadorizados e ferramentas analíticas para auxiliar na solução de problemas ligados à conservação da biodiversidade (Whittaker et al., 2005), busquei neste estudo avaliar os impactos atuais e futuros da perda de hábitat sobre a diversidade e distribuição dos répteis Squamata endêmicos do Cerrado. Meu objetivo central é avaliar como estes cenários de perda interferirão no grau de risco de extinção de cada espécie, classificando cada espécie de acordo com as categorias de ameaça da União Internacional Para Conservação da Natureza - IUCN (IUCN, 2010; Bird et al., 2011). Para tal, elaborei mapas atualizados de distribuição para todas 105 espécies de Squamata endêmicos do Cerrado por meio de modelos de distribuição espacial (Species distribution models - SDM) (ver Guisan & Zimmermann, 2000; Elith et al., 2006) ou mapas de micro bacias quando para representar a distribuição das espécies raras e com poucos registros de ocorrência (ver Nogueira et al., 2010). Os mapeamentos partiram de uma base de registros previamente revisada contendo dados de coleção e fontes bibliográficas seguras (ver Nogueira et al., 2011). Os mapas de distribuição produzidos foram cruzados com projeções futuras para remanescentes de áreas nativas do Cerrado em dois cenários distintos, um no qual as taxas atuais são mantidas sem intervenção ou controle governamental (cenário BAU – Business as Usual), e outro construído a partir da ação governamental para redução das taxas de desmatamento (cenário GOV – Governance). Cada cenário foi ainda estudado em dois intervalos de tempo: de 2010 a 2020 e de 2010 a 2030. Como demandado pela IUCN, 71 além dos diferentes cenários para inserção de margem de incerteza na análise, revisei todas as espécies utilizando os critérios A e B, dependentes de dados de distribuição espacial (IUCN, 2010). Frente aos resultados, fiz a diagnose da distribuição das espécies ameaçadas revisadas neste trabalho frente aos padrões de ameaça impostos pelo desmatamento. A partir desta identifiquei três tipos áreas prioritárias à conservação: áreas de crise (pontos de alta diversidade que provavelmente serão perdidos nos próximos dez anos), áreas de refúgio (pontos de alta diversidade, mas que deverão ser mantidos nos próximos dez anos) e áreas altamente insubstituíveis (cf. Bird et al., 2011). O segundo objetivo do trabalho é calcado em uma das constatações centrais da biogeografia da conservação: tanto espécies quanto ameaças não estão distribuídas ao acaso no espaço (Whittaker et al., 2005; Ladle & Whitakker, 2011). Para grupos de Squamata endêmicos do Cerrado, análises recentes detectaram níveis significativos de regionalização, formando sete conjuntos de espécies co-distribuídas e regionalizadas (Nogueira et al., 2011). Desta forma testei se a perda de hábitat se dá de maneira aleatória no Cerrado através destes conjuntos regionais de espécies endêmicas. Com este objetivo comparei as perdas de hábitat das espécies de Squamata endêmicos do Cerrado entre e dentro de cada um dos elementos bióticos (EB) (Guedes et al., 2014). Esta análise foi construída a partir da intersecção das áreas de distribuição de cada uma das espécies pertencentes a cada EB com as perdas de superfície do domínio ocorridas até 2010. Por fim, as perdas sofridas dentro e entre cada EB foram comparadas via teste de Kruskall-Wallis, utilizando cada espécie como uma amostra distinta das perdas para cada EB. No trabalho assumi que diferenças significativas para o teste entre quaisquer dois EBs representam perdas diferenciadas entre regiões dentro do Cerrado. Verifiquei também a representatividade das unidades de conservação de proteção integral frente aos padrões de regionalização de Squamata do Cerrado, testando se a proteção se dá de modo aleatório nos diferentes EBs (cf. Guedes et al., 92 2014). _______________________________________________________________________________________ ABSTRACT / Aim To assess extinction risk of Cerrado endemic Squamates based on spatially explicit scenarios of future habitat loss; test if habitat losses pose significant, non-random threats to Cerrado biogeographical patterns; test if biogeographical patterns and priority protection areas detected for Cerrado endemic Squamates are adequately represented by the existing protected areas network. Location Brazilian Cerrado. Methods For all 105 Cerrado endemic Squamates we revised extinction risk estimates through inferred population declines combining updated species distribution maps with spatially explicit future habitat loss 20 scenarios. We overlapped remaining species ranges in order to detect three major regions of conservation concern indicating short and long term spatial priorities for conservation. Finally, we examined the overlap between biogeographical units and spatial patterns of habitat loss and protected area coverage. Results The number of threatened species rose from three (2.85% of total, current redlist) to at least 78 (74%). Habitat loss and protected area coverage are significantly different between biotic elements; crisis and refugia areas are located in the south-central region, while irreplaceable areas are scattered through Cerrado remaining areas; all three priority regions are currently poorly protected, and the southern biotic element is less protected than its northern counterparts. Main conclusions The application of the IUCN Red List criteria here presented substantially raised the number of accessed and threatened species, being recommended for other taxonomic groups in highly threatened and still poorly studied regions. Important areas are not secured and biogeographical process and patterns may be lost in the near future if proper action is not taken. There is an urgent need for expanding protected area cover and to reduce the pace of deforestation in the Cerrado.
3

Avaliação da biodiversidade bentônica no Vale do Paranã (GO) : visando a identificação de áreas prioritárias para conservação

Dutra, Silvia Leitão January 2006 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal, 2006. / Submitted by Priscilla Brito Oliveira (priscilla.b.oliveira@gmail.com) on 2009-11-23T19:07:46Z No. of bitstreams: 1 Silvia Leitao Dutra.pdf: 555518 bytes, checksum: 78103af02ea5f8e606aac656f7d85d89 (MD5) / Approved for entry into archive by Joanita Pereira(joanita) on 2010-01-28T17:09:02Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Silvia Leitao Dutra.pdf: 555518 bytes, checksum: 78103af02ea5f8e606aac656f7d85d89 (MD5) / Made available in DSpace on 2010-01-28T17:09:02Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Silvia Leitao Dutra.pdf: 555518 bytes, checksum: 78103af02ea5f8e606aac656f7d85d89 (MD5) Previous issue date: 2006 / O trabalho tem como objetivo avaliar a composição e distribuição espaço-temporal das comunidades de macroinvertebrados bentônicos encontradas no Vão do Paranã-GO, para posterior indicação de áreas prioritárias para sua conservação na região. A sub-bacia do Rio Paranã esta inserida na bacia hidrográfica do Tocantins- Araguaia, localizada no Planalto Central do Brasil entre os paralelos 2° e 18° e os meridianos de longitude 46° e 56°. Apesar de ser uma área riquíssima em ambientes aquáticos e de apresentar grande importância biológica, o Vão do Paranã é extremamente carente de estudos limnológicos. As coletas foram realizadas em 27 pontos (ambientes lênticos e lóticos) em dois períodos do ano, agosto referente ao período de seca, e março referente ao período chuvoso. Para isso a metodologia de avaliação rápida foi feita com auxílio de redes manuais (0,2 cm de abertura) durante quinze minutos. Os resultados demonstraram que a composição de macroinvertebrados encontrada no Vão do Paranã é típica do bioma Cerrado e indica uma boa integridade ecológica. A estrutura desta comunidade se diferencia em resposta à variação das ordens dos rios, sinalizando a importância da preservação de áreas com diferentes tamanhos de rios. Diante disso, critérios como raridade, representatividade e proteção das duas margens do Paranã, foram utilizados para a seleção de áreas para conservação da macrofauna bentônica. ________________________________________________________________________________ ABSTRACT / The objective of this work is to evaluate the composition and the space-temporal distribution of the communities of bentic macroinvertebrates found in the Paranã River (Goiás, Brazil), for later indication of the priority areas to be conserved in that region. The watershed Paranã River is inserted in the hydrographical Tocantins-Araguaia, located in Central Plateaus of Brazil. Although it is a very rich area in aquatic environments and present great biological importance, there are not many limnologic studies about the Paranã River. The collections were carried through in 27 points (lentic and lotic) in two periods of the year, referring August to the period of drought, and referring March to the rainy period. The methodology of fast evaluation was made with manual nets (0,2 cm of opening) during fifteen minutes in each season throughout the 27 points of collection. The results demonstrated that the composition of macroinvertebrates found in the Paranã river is typical of the bioma Cerrado and indicate a good ecological integrity. The structure of this community differentiates according to the variation of the orders of the rivers. Signaling the importance of the preservation of areas with different sizes of rivers. An area was selected based on the following criteria of biological diversity: rarity, greatest representation of taxa and the protection of two riversides of the Paranã river.
4

Estudo de características morfológicas e variabilidade genética de baru e araticum utilizando marcadores RAPD e microssatélites / Study of morphological characteristics and genetic variability of baru and araticum using RAPD and microsatellites molecular markers

Pires, Marcela Versiani Venancio 30 March 2012 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Programa de Pós-Graduação em Agronomia, 2012. / Submitted by Alaíde Gonçalves dos Santos (alaide@unb.br) on 2012-09-21T14:40:33Z No. of bitstreams: 1 2012_ MarcelaVersianiVenancioPires.pdf: 832777 bytes, checksum: f5f19b9567603c3e584148e9ad0de9a5 (MD5) / Approved for entry into archive by Luanna Maia(luanna@bce.unb.br) on 2012-09-24T13:26:59Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2012_ MarcelaVersianiVenancioPires.pdf: 832777 bytes, checksum: f5f19b9567603c3e584148e9ad0de9a5 (MD5) / Made available in DSpace on 2012-09-24T13:26:59Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2012_ MarcelaVersianiVenancioPires.pdf: 832777 bytes, checksum: f5f19b9567603c3e584148e9ad0de9a5 (MD5) / Os frutos das espécies nativas do cerrado oferecem um elevado valor nutricional, além de atrativos sensoriais como, cor, sabor e aroma peculiares e intensos, ainda pouco explorados comercialmente. O baru (Dipteryx alata Vog.), árvore da família Leguminosae, é uma fruteira amplamente disseminada no Cerrado. O araticum (Annona crassiflora Mart.) é uma espécie frutífera da família Annonaceae, nativa da região do Cerrado, muito estudada atualmente em diversas áreas. Os objetivos deste estudo foram: a) estudar a variabilidade genética de acessos de baru com base em características morfológicas e com base em análise de DNA por marcadores moleculares RAPD e Microssatélites; b) estudar a variabilidade genética da coleção de trabalho de acessos de araticum, utilizando características morfológicas e marcadores moleculares RAPD e Microssatélites. Folhas de 10 acessos de baru e 18 acessos de araticum da coleção de trabalho da Embrapa Cerrados foram coletadas e o DNA genômico extraído utilizando o método do CTAB, com modificações. Amostras de DNA de cada material genético foram amplificadas via Reação em Cadeia da Polimerase para obtenção de marcadores moleculares RAPD e Microssatélites. Foram avaliadas 15 características morfológicas quantitativas do baru e 23 características morfológicas categóricas de baru e de araticum. As análises das amostras de DNA demonstraram grande diversidade genética entre os acessos. Os trabalhos de caracterização morfológica e molecular mostraram a importância dos diferentes grupos de características para avaliar a variabilidade genética dos acessos.Observou-se que o ambiente pode ter interferido muito nas características morfológicas dos acessos. Estudos de variabilidade genética utilizando apenas características morfológicas avaliadas in situ podem não ser adequados devido à grande influência ambiental sobre tais características. Os acessos de baru e araticum avaliados são importantes fontes de variabilidade para enriquecimento da atual coleção de trabalho da Embrapa Cerrados. Os resultados obtidos nesse trabalho sugerem que a análise das progênies ou de matrizes clonadas em diferentes ambientes assume importância estratégica para futuros estudos de caracterização morfo-agronômica de germoplasma. _______________________________________________________________________________________ ABSTRACT / The fruits of native species of the Brazilian Savanna offer a high nutritional value, as well as attractive color, flavor and intense aroma. Most of these species were not exploited commercially. The baru (Dipteryx alataVog.) is a fruit widely disseminated in the Brazilian Savanna. Araticum (Annona crassiflora Mart.) is an Annonaceae fruit, native in the Brazilian Savanna region, nowadays widely studied in several areas. The objectives of this work were: a) to analyze the genetic variability of baru accessions based on morphological characteristics and on DNA analysis using RAPD and microsatellite markers; b) studying the genetic variability of the araticum germplasm collections, using morphological and RAPD and microsatellites molecular markers. Young leaves of 10 baru and 18 araticum accessions from Embrapa Cerrados collections were collected and used to genomic DNA extractions using the CTAB method, with modifications. DNA samples from each genetic material were amplified by Polymerase Chain Reaction for obtaining. Fifteen quantitative and 23 categorical morphological characteristics were used to analyze baru and araticum genetic variability.DNA analyzes showed high genetic diversity among baru and araticum accessions. The characterization using morphological and molecular markers showed the importance of different types of characteristics to evaluate the genetic variability of accessions. It was observed that the environment may have high interference on morphological characteristics of the accessions. Genetic variability studies using only morphological characteristics assessed in situ may not be effective due to the large environmental influence on these phenotypic characteristics. The baru and araticum accessions evaluated in these work are important sources of variability to enlarge the current Embrapa Cerrados collections. The present results suggest that analysis of accessions (progeny or cloned plants)in different environment shave strategic importance for future studies of morpho-agronomic germplasm characterization.
5

Efeito ambiental, espacial e temporal na estruturação das assembleias de Scarabaeinae (coleoptera : scarabaeidae) na mata atlântica do sul do Brasil

Silva, Pedro Giovâni da January 2015 (has links)
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Florianópolis, 2015. / Made available in DSpace on 2015-05-26T04:06:32Z (GMT). No. of bitstreams: 1 333874.pdf: 4207253 bytes, checksum: 224f2326c8eaee4629f4a3d2fa69bda3 (MD5) Previous issue date: 2015 / Entender os processos pelos quais a diversidade beta é gerada é um dos principais objetivos da ecologia de comunidades. A teoria de metacomunidades trouxe novas formas de pensar sobre a estruturação das comunidades locais, incluindo processos presentes em diferentes escalas espaciais. Além de novas teorias, foram desenvolvidas novas técnicas que permitem identificar o padrão de distribuição de diversidade beta entre diferentes escalas, particionar a contribuição individual e compartilhada de efeitos ambientais, espaciais e temporais na estruturação das comunidades, e identificar locais e espécies que possuem relativa importância na geração da diversidade beta ao longo de gradientes ecológicos. Estas técnicas têm sido utilizadas com diferentes abordagens, como a diversidade funcional e a desconstrução das comunidades em grupos de espécies com traços relacionados. A distribuição espacial de comunidades de escarabeíneos (Coleoptera: Scarabaeinae) em áreas de Mata Atlântica em um cenário continente-ilha no sul do Brasil foi avaliada com o objetivo geral de identificar os processos que direcionam a distribuição da composição, abundância e biomassa das espécies em três escalas espaciais. A tese está dividida em quatro artigos científicos. O Artigo I tem como objetivo analisar a estrutura e a composição das assembleias de Scarabaeinae relacionando-as com a heterogeneidade ambiental de remanescentes florestais de Mata Atlântica. O Artigo II visa verificar em diferentes escalas espaciais os efeitos espaciais e da heterogeneidade ambiental na composição, abundância e biomassa de Scarabaeinae em remanescentes florestais de Mata Atlântica em um cenário de continente-ilha no sul do Brasil. No Artigo III foi avaliada a movimentação das espécies de Scarabaeinae em área de Mata Atlântica no sul do Brasil testando o protocolo de distância entre armadilhas de queda para estudos de biodiversidade dessa fauna. No Artigo IV investigaram-se em diferentes escalas espaciais os efeitos espaciais, temporais e da heterogeneidade ambiental utilizando as abordagens de diversidade funcional e desconstrução da comunidade. Para os Artigos I, II e IV o estudo foi desenvolvido em 20 sítios amostrais distribuídos em quatro localidades, duas no continente e duas na Ilha de Santa Catarina. A distribuição dos sítios amostrais é hierárquica e as localidades amostradas encontram-se isoladas. Os escarabeíneos foram amostrados através de protocolos padronizados (armadilhas de queda iscadas), durante o verão de 2012 (Artigo I e II) e 2013 (Artigo IV). O Artigo III foi desenvolvido na Unidade de Conservação Ambiental Desterro, uma área de proteção de Mata10Atlântica situada na Ilha de Santa Catarina. A movimentação das espécies de Scarabaeinae foi investigada através de experimento de marcação-soltura-recaptura entre novembro de 2013 e março de 2014. Os resultados gerais dos artigos sugerem: (i) várias espécies de Scarabaeinae estiveram associadas a determinadas características ambientais relacionadas à estrutura florestal da Mata Atlântica ou apresentaram associações com determinado sítio ou área de estudo amostrados no continente e na ilha, demonstrando a importância da distribuição espacial de áreas de Mata Atlântica com características ambientais espacialmente estruturadas para a manutenção e conservação da diversidade gama de Scarabaeinae; (ii) a importância relativa dos processos ecológicos envolvidos na estruturação das comunidades de Scarabaeinae amostradas em áreas de Mata Atlântica no sul do Brasil é dependente da escala espacial. A heterogeneidade ambiental é o principal direcionador da diversidade beta na escala local (sítios), enquanto efeitos espaciais (mass effects e limitação da dispersão) são mais importantes em largas escalas. O aumento da diversidade beta em escalas maiores parece ser resultante da limitação na capacidade de dispersão das espécies devido à fragmentação do hábitat e à presença de barreiras geográficas, especialmente entre continente-ilha. Em geral, a composição, abundância e biomassa de Scarabaeinae responderam de forma similar aos efeitos ambientais e espaciais; (iii) espécies com diferentes conjuntos de traços ecológicos parecem apresentar diferenças na habilidade de movimentação dentro da Mata Atlântica e, consequentemente, podem afetar de forma distinta a estruturação das comunidades locais de Scarabaeinae devido à maior ou menor limitação de dispersão. Ao investigar a movimentação das espécies de Scarabaeinae foi possível investigar o protocolo de distância entre armadilhas de queda utilizadas para a captura deste grupo. A nova distância de 100 m entre pares de armadilhas de queda iscadas é sugerida para substituir os 50 m anteriormente propostos por outros autores na amostragem padronizada de Scarabaeinae em florestas tropicais utilizando-se tanto fezes humanas como carne em decomposição como isca atrativa; (iv) a diversidade gama de Scarabaeinae foi atribuída principalmente à diversidade beta como consequência do aumento nas diversidades alfa e beta entre áreas quando comparadas as amostragens realizadas em 2012 e 2013. Índices de diversidade funcional podem ser utilizados como método complementar, mas não substitutivo, para investigar os efeitos ambientais, espaciais e temporais na distribuição das espécies. Ao desconstruir a comunidade, foi possível identificar dois grandes grupos de respostas entre 17 grupos funcionais avaliados. Em geral, filtros ambientais foram importantes nas escalas local e regional. Fatores espaciais foram mais importantes na escala intermediária, também suportando a dependência da escala dos processos ambientais, espaciais e temporais na distribuição e organização funcional de Scarabaeinae.<br> / Abstract : Understanding the processes generating beta diversity is a major goal of community ecology. Metacommunity theory brings new ways of thinking about the structure of local communities, including processes occurring at different spatial scales. In addition to new theories, new methods have been developed which allow identification of distribution patterns of beta diversity between spatial scales, partitioning of individual vs. shared contributions of environmental, spatial and temporal effects structuring communities, and for identification of species and sites that generate beta diversity along ecological gradients. These methods have been implemented using different approaches, such as functional diversity and community deconstruction into groups of species-related traits. In the following body of work, areas of Atlantic forest in southern Brazil were investigated within a mainland-island scenario, with the goal of identifying the processes driving composition, abundance and biomass distribution of dung beetle communities (Coleoptera: Scarabaeinae) at three different spatial scales. The thesis is divided into four scientific articles. Article I analyzed the structure and composition of Scarabaeinae assemblages by investigating their relationship with environmental variables in Atlantic forest remnants. Article II aimed to verify spatial and environmental variables effects on composition, abundance and biomass of dung beetles at different spatial scales. Article III evaluated the movement of Atlantic forest dung beetle species via distance between pitfall traps typically used in Scarabaeinae biodiversity studies. Article IV investigated spatial, temporal and environmental heterogeneity effects at different spatial scales using functional diversity and community deconstruction approaches. For Articles I, II and IV, the study was conducted on 20 sampling sites distributed among four areas, two on the mainland and two on the Island of Santa Catarina. The distribution of sampling sites is hierarchical, and the areas are isolated. Dung beetles were sampled using standard protocols (baited pitfall traps) during the summers of 2012 (Article I and II) and 2013 (Article IV). Article III was developed in the Desterro Environmental Conservation Unit, a protected Atlantic Forest area on the Island of Santa Catarina. Movement of dung beetle species was investigated using a mark-release-recapture experiment, performed between November 2013 and March 2014. The main results from articles suggest that: (i) some dung beetle species are associated with structural features of the Atlantic Forest, or with a particular site or study area on the mainland or island, demonstrating the importance of14spatial distribution of Atlantic Forest habitats with spatially structured environmental characteristics for the maintenance and conservation of gamma diversity; (ii) the relative importance of ecological processes structuring Scarabaeinae communities in southern Brazilian Atlantic forest depends on spatial scale. Environmental heterogeneity is the main driver of beta diversity at the local scale (sites), while spatial effects (mass effects and limited dispersal) are more important at larger scales. The increase in beta diversity at larger scales seems to result from limitation of species dispersal ability due to habitat fragmentation and geographical barriers, primarily between the mainland and island. In general, the composition, abundance and biomass of dung beetles all respond similarly to environmental and spatial effects; (iii) species with different sets of ecological traits seem to differ in patterns of movement, and consequently may differentially impact local Scarabaeinae community structure due to greater or lesser dispersal limitation. Our study included capture using baited pitfall traps, and the results indicate that 100 m between pairs of traps should replace the 50 m distance proposed by other authors for standardized sampling of dung beetles in tropical forests, using both human feces and rotten meat as bait; (iv) the gamma diversity of Scarabaeinae was primarily attributed to beta diversity, as a result of the increase in alpha and beta diversity between areas when compared the samples collected in 2012 and 2013. Functional diversity can be used as a complementary, but not substitutive, approach to traditional measures of community responses for testing environmental, spatial and temporal effects on species distribution. Community deconstruction yielded two groups of responses from the 17 functional groups evaluated. In general, environmental filters were important at both local and regional scales. Spatial factors were most important at intermediate scales, providing further evidence for scale dependency of environmental, spatial and temporal processes in dung beetle distribution and functional organization.
6

Proteção jurídica do acesso à biodiversidade brasileira

Abreu, Kamila Assis de January 2007 (has links)
201 f. / Submitted by Ana Valéria de Jesus Moura (anavaleria_131@hotmail.com) on 2013-03-22T13:45:45Z No. of bitstreams: 1 KAMILA ASSIS DE ABREU - DISSERTAÇÃO.pdf: 878682 bytes, checksum: b70d2d9f2ddcf1321fb23dfdc35ed376 (MD5) / Approved for entry into archive by Ana Valéria de Jesus Moura(anavaleria_131@hotmail.com) on 2013-03-22T13:45:54Z (GMT) No. of bitstreams: 1 KAMILA ASSIS DE ABREU - DISSERTAÇÃO.pdf: 878682 bytes, checksum: b70d2d9f2ddcf1321fb23dfdc35ed376 (MD5) / Made available in DSpace on 2013-03-22T13:45:54Z (GMT). No. of bitstreams: 1 KAMILA ASSIS DE ABREU - DISSERTAÇÃO.pdf: 878682 bytes, checksum: b70d2d9f2ddcf1321fb23dfdc35ed376 (MD5) Previous issue date: 2007 / Busca trazer soluções para a problemática da regulamentação do acesso à biodiversidade brasileira cerceando a biopirataria e distribuindo de forma justa e eqüitativa os seus benefícios oriundos do aludido acesso. A metodologia utilizada na pesquisa partiu do método histórico, analisando o desenvolvimento do objeto deste trabalho no âmbito do direito e, posteriormente, da técnica bibliográfica e documental. Optou-se, na primeira fase, pela análise dos principais conceitos e noções gerais acerca do tema foco do estudo, passando pela evolução história e demonstração da importância social e econômica do tema. Também, pesquisou-se o surgimento do socioambientalismo no Brasil, suas características e influência sobre o sistema jurídico pátrio. Em uma segunda fase, foram apresentadas as principais normas nacionais e internacionais que abarcam a problemática do acesso à biodiversidade: Constituição Federal Brasileira, Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB), Medida Provisória nº. 2.186-16/2001 e Lei de Patentes. Após, num terceiro momento, verificou-se como as legislações retro citadas, em especial a MP, estão sendo aplicadas no território brasileiro, a fim de constatar sua eficácia. A partir da análise dos dados, foi possível concluir a pesquisa, em um quarto momento, da seguinte forma: há necessidade de elaboração de uma norma nacional mais completa e eficaz, bem como de um regime internacional, para garantir o devido acesso à biodiversidade brasileira, tratando desde os aspectos de ações preventivas para o bom uso das riquezas naturais até a justa e eqüitativa repartição entre todos os interessados, sem exceção, dos benefícios gerados pelo acesso a recursos genéticos. Portanto, a prioridade maior do Estado não deve ser a de elaborar novas normas, mas de preocupar-se em garantir uma fiscalização satisfatória do acesso à biodiversidade, através de mecanismos nacionais e internacionais de políticas públicas, pois a realidade demonstrou que a falta de programas estatais de fiscalização e implementação da norma já existente a torna ineficaz, assim, será inútil passar para um próximo passo se o atual, menos complexo, não funciona. / Salvador
7

Avaliação da estrutura da comunidade fitoplanctônica em várzeas amazônicas frente às variações hidrológicas, ambientais e espaciais

Kraus, Cleber Nunes 03 March 2015 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ecologia, 2015. / Submitted by Albânia Cézar de Melo (albania@bce.unb.br) on 2015-05-25T13:17:10Z No. of bitstreams: 1 2015_CleberNunesKraus.pdf: 1128389 bytes, checksum: 051f55661eecbb72c783643adbafa38b (MD5) / Approved for entry into archive by Guimaraes Jacqueline(jacqueline.guimaraes@bce.unb.br) on 2015-05-26T14:48:41Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2015_CleberNunesKraus.pdf: 1128389 bytes, checksum: 051f55661eecbb72c783643adbafa38b (MD5) / Made available in DSpace on 2015-05-26T14:48:41Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2015_CleberNunesKraus.pdf: 1128389 bytes, checksum: 051f55661eecbb72c783643adbafa38b (MD5) / O pulso de inundação é a principal força estruturadora ambiental e biológica das planícies alagáveis, mas nem sempre é capaz de homogeneizar os ambientes ao longo de um gradiente espacial e/ou ambiental de conexão. Os regimes hidrológicos controlam o funcionamento dos ecossistemas aquáticos, gerando fases distintas com características distintas, porém, o ciclo de enchente e seca sazonal, não gera sempre uma homogeneização das características ambientais e biológicas da comunidade fitoplanctônica como sugerido por outros autores. Essa heterogeneidade leva a um alto índice de diversidade beta. A diversidade beta é uma das medidas mais importantes para a compreensão do funcionamento dos ecossistemas. Uma das formas mais simples de mensurá-la é uma medida de dissimilaridade biológica entre locais. Existem diferentes métodos para se avaliar essa dissimilaridade, mas todos se concentram em separar a dissimilaridade causada por turnover da dissimilaridade causada pelo aninhamento. Como estes fenômenos levam em conta fatores espaciais e ambientais, eles também podem ajudar na avaliação da estrutura de metacomunidades. Neste trabalho, avaliamos a influência do pulso de inundação na homogeneização das características físicas e químicas da planície e avaliamos a diversidade beta da comunidade fitoplanctônica em dois ambientes lacustres desta planície. Avaliamos também, a importância dos fatores ambientais e espaciais na estruturação da comunidade fitoplanctônica. Nosso trabalho mostra, de forma surpreendente, que períodos de águas baixas e vazante são igualmente heterogêneos, ou seja, não há uma homogeneização das características, embora elas sejam diferentes para os períodos. Mostraram que fatores ambientais e espaciais são importantes na estruturação da diversidade beta, mas que a resposta que eles podem dar depende da escala adotada para o estudo. Por fim, foi evidenciado que diferentes escalas revelaram diferentes padrões na estruturação das metacomunidades. Esses resultados destacam a importância de compreender melhor os processos que afetam a dinâmica hidrológica da planície amazônica e as interações que ocorrem entre as várzeas que compõe esta região, com a biota local e os eventos climáticos extremos. / The flood pulse is not a force that always cause the homogenization of characteristics in floodplain environments. The hydrological regimes control the functioning of aquatic ecosystems, generating distinct phases with different characteristics, however, the flood cycle and seasonal drought, not always generates a homogenization of environmental and biological characteristics of the phytoplankton community as suggested by other authors. This heterogeneity leads to a high beta diversity index. The beta diversity is one of the most important measures for understanding the functioning of ecosystems. One of the simplest ways to look at, is as a measure of biological dissimilarity between sites. There are different methods to evaluate this dissimilarity, but all focus on separating the divergence caused by turnover of dissimilarity caused by nestedness. As these phenomena take into account spatial and environmental factors, they can also help us in understand the metacommunity structure. We evaluate the influence of the flood pulse in homogenization the physical and chemical characteristics of flooplain and evaluate the beta diversity of phytoplankton in two lakes in this floodplaine. We evaluate also the importance of environmental and spatial factors in the structuring of phytoplankton community. Our work shows, surprisingly, that the low-water and low tide are also heterogeneous, there is not a homogenization of the features, although they are different for the periods. Showed that environmental and spatial factors are important in structuring the beta diversity, but the answer they can give depends on the scale adopted for the study. Finally, it was evident that different scales revealed different patterns in structuring metacommunities. These results highlight the importance of better understanding the processes that affect the hydrological dynamics of Amazonian floodplain systems and the interactions that occur between the floodplain that make up this region with the local biota and climate extremes.
8

Aspectos evolutivos e da diversidade genética das espécies de Sisyrinchium L. pertencentes ao claro V.

Fachinetto, Juliana Maria January 2014 (has links)
Sisyrinchium (Sisyrinchieae: Iridoideae: Iridaceae) é o maior gênero em número de espécies de Iridaceae. Este gênero ocorre em todo o continente americano, com o centro de origem e distribuição na América do Sul. Aproximadamente 35% das espécies de Sisyrinchium possuem flores com elaióforos que podem produzir óleos lipídicos como recompensa aos polinizadores. Suas espécies apresentam ampla diversidade morfológica intra e inter-populacional tornando a taxonomia de Sisyrinchium extremamente complicada. Classificações morfológicas dividem o gênero em oito seções, no entanto, recentes estudos filogenéticos identificaram nove clados que pouco se assemelham com as classificações taxonômicas prévias. Dentre os clados de Sisyrinchium, é importante destacar o clado V, formado por pelo menos duas seções: Lenitium e Scirpeocaris. Todas as espécies pertencentes a este clado possuem tricomas produtores de óleos florais (elaióforos) localizados na coluna estaminal. Visando contribuir para o conhecimento da biologia e evolução das espécies de Sisyrinchium, este estudo teve por objetivo investigar a evolução e características genéticas e citogenéticas de diferentes espécies de Sisyrinchium pertencentes ao clado V, além de aspectos da biologia reprodutiva para as duas categorias morfológicas de S. sellowianum. Dados de ISSR (Inter Simple Sequence Repeats) foram obtidos para diferentes espécies do clado V de Sisyrinchium para acessar a variação genética, estrutura populacional e fluxo gênico entre espécies. Dados citogenéticos foram utilizados para determinar o número cromossômico destas espécies. Separadamente, S. sellowianum foi classificada em duas categorias morfológicas devido à variação das populações naturais observadas nesta espécie. Dados de ISSR, número cromossômico, morfologia e viabilidade polínica, além de aspectos reprodutivos foram utilizados para caracterizar as categorias morfológicas de S. sellowianum (CM-I e CM-II). Para o estudo de relacionamento filogenético entre as espécies do clado V de Sisyrinchium foi amostrado um número representativo de espécies com as características deste clado e amplificadas duas regiões de DNA, ITS (nuDNA) e trnQ-rps16(cpDNA). Do estudo filogenético, 4,37% dos caracteres foram filogeneticamente informativos, sendo a região ITS1 a mais informativa. As análises suportaram a monofilia das espécies S. commutatum, S. setaceum, S. sellowianum CM-II e S. scariosum. As demais espécies avaliadas não formaram grupos suportados. Os dados de ISSR indicam que as populações das diferentes espécies de Sisyrinchium encontram-se fortemente estruturadas (FST= θB= 0.51) e não apresentam correlação entre distância genética e geográfica. Três níveis de ploidia foram observados entre as espécies deste clado, com populações diploides (2n= 2x= 18), tetraploides (2n= 4x= 36) e hexaploides (2n= 6x= 54), sendo o número básico x = 9. As populações de S. sellowianum mostraram alta diferenciação genética (FST = 0.46, θB= 0.62). Em relação à distribuição da variação genética, foi observada maior variação intra-populacional (69%) que inter-populacional (31%) na CM-I, enquanto em CM-II, 61% da variação foi observada entre as populações e 39% intra-populacional. Também não foi observada correlação entre distância genética e geográfica para as populações de S. sellowianum. No entanto, uma correlação significativa foi observada entre distância genética e categoria morfológica das populações de S. sellowianum. Quanto ao número cromossômico, CM-I apresentou populações diploides (2n= 2x= 18) e tetraploides (2n= 4x= 36), enquanto CM-II apenas populações diploides (2n= 2x= 18). O estudo polínico revelou diferentes morfologias polínicas em cada categoria morfológica, além de correlação entre tamanho dos grãos de pólen e nível de ploidia na CM-I. As categorias morfológicas de S. sellowianum também se diferenciam em relação ao modo reprodutivo, CM-I é alógama, enquanto CM-II é autógama, não havendo formação de frutos em cruzamentos realizados entre as categorias morfológicas. A alta estruturação populacional pode ser explicada pela distância entre as populações, o que possivelmente reduz o fluxo gênico devido ao comportamento dos polinizadores. Os polinizadores descritos para as espécies de Sisyrinchium produtoras de óleos florais são abelhas coletoras de óleos da família Apidae, tribo Tapinotaspidini, as quais geralmente forrageiam áreas restritas. As categorias morfológicas de S. sellowianum são geneticamente e morfologicamente diferenciadas e refletem seus modos reprodutivos. Os resultados obtidos podem auxiliar na delimitação destas duas categorias morfológicas como duas espécies ou subespécies, o que foi fortemente suportado nas análises filogenéticas. A técnica de ISSR não foi capaz de discriminar as diferentes espécies de Sisyrinchium, assim como os dados obtidos de duas sequências de DNA, os quais discriminaram apenas algumas espécies. Estes estudos indicam que dados genéticos sozinhos não são capazes de delimitar as espécies deste clado, tornando necessária a utilização de diferentes técnicas e abordagens para obter dados evolutivos e de relacionamento filogenético mais acurado, como os gerados para as duas categorias morfológicas de S. sellowianum. / Sisyrinchium (Sisyrinchieae: Iridoideae: Iridaceae) is the largest in number of species of Iridaceae. This genus occurs throughout the American continent, with the center of origin and distribution in South America. Approximately 35% of Sisyrinchium species have flowers with elaiophores that can produce lipid oils as a reward to pollinators. Its species have a wide morphological diversity within and among populations making the taxonomy of Sisyrinchium extremely complicated. Morphological classifications proposed eigth sections to genus, however, recent phylogenetic studies identified nine clades do not correspond to the previous taxonomic classifications. Among the clades of Sisyrinchium, it is important to highlight the clade V, formed by at least two sections: Lenitium and Scirpeocaris. All species belonging to this clade possess trichomes producers of floral oils (elaiophores) located in the staminal column. Aiming to contribute for the understanding of the biology and evolution of Sisyrinchium species, this study investigated the evolution and genetic plus cytogenetic traits of different species belonging to the clade V, and aspects of reproductive biology for the two morphological categories of S. sellowianum. ISSR data were obtained for the different species of Sisyrinchium clade V in order to assess genetic variation, population structure and gene flow among species. Cytogenetic data were used to determine the chromosome number of these species. Separately, S. sellowianum was classified into two categories due to morphological variation in natural populations observed in this species. ISSR data, chromosome number, morphology and viability pollen plus reproductive parameters were used to characterize the morphological categories of S. sellowianum (MC-I and MC-II). To evidence the phylogenetic relationships among species of Sisyrinchium of clade V a representative number of species was sampled with the characteristics of this clade and amplified two DNA regions, ITS (nuDNA) and trnQ-rps16 (cpDNA). Concerning the phylogenetic study, 4.37% of the characters were phylogenetically informative, with the ITS1 the most informative. The analysis supported the monophyly of the species S. commutatum, S. setaceum, S. sellowianum MC-II and S. scariosum. The other species did not form supported groups. ISSR data indicate that populations of different species of Sisyrinchium are strongly structured (FST= θB= 0.51) and no correlation between genetic and geographic distances. Three ploidy levels were observed among species of this clade, with diploid (2n= 2x= 18), tetraploid (2n= 4x= 36) and hexaploid (2n= 6x= 54) populations, with the basic number x = 9. The populations of S. sellowianum showed high genetic differentiation (FST = 0.46, θB= 0.62). Regarding the distribution of genetic variation, greater intra-population variation (69%) that inter-population (31%) was observed in MC-I, while the MC-II, 61% of the variation was observed among populations and 39% intra-population. Also no correlation between genetic and geographic distance was observed for the populations of S. sellowianum. However, a significant correlation between genetic distance and morphological category of the populations of S. sellowianum was observed. Regarding the chromosome number, MC-I showed diploid (2n= 2x= 18) and tetraploid (2n= 4x= 36) populations, while MC-II only diploid (2n= 2x= 18) populations. The pollen study revealed different pollen morphologies in each morphological category, and correlation between pollen pollen size and ploidy level in MC-I. Morphological categories of S. sellowianum also differ in relation to the reproductive mode, MC-I is alogamous, while MC-II is autogamous, with no fruit development in crosses made between morphological categories. The high population structure can be explained by distance among populations, which possibly reduces gene flow due to the behavior of pollinators. Pollinators described for the species of Sisyrinchium producing floral oils are oil-bees of the family Apidae, tribe Tapinotaspidini, which generally restricted foraging areas. Morphological categories of S. sellowianum are genetically and morphologically differentiated and reflect their mating systems. The results can assist in the delimitation of two morphological categories such as two species or subspecies, which was supported highly in phylogenetic analysis. The ISSR technique was not able to discriminate different species of Sisyrinchium, as well as the data obtained by the two DNA sequences, which discriminate only a few species. These studies suggest that genetic data alone are not able to delimit species of this clade, making necessary the use of different techniques and approaches to obtain evolutionary and phylogenetic relationship more accurate, as those generated for the two morphological categories of S. sellowianum.
9

Local biodiversity erosion in south brazilian grasslands even with slight landscape habitat loss

Staude, Ingmar René January 2017 (has links)
Resumo não disponíveis
10

Especiação e diversidade genética no subgênero Ortgiesia (Aechmea, Bromeliaceae)

Goetze, Márcia January 2014 (has links)
Aechmea subgênero Ortgiesia apresenta 17 espécies, distribuídas no sul e sudeste do Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. São espécies epífitas, rupícolas ou terrestres, ocorrendo desde o nível do mar até altas altitudes. Ortgiesia é um grupo característico da Mata Atlântica, região considerada um dos centros de diversidade para a família Bromeliaceae. O relacionamento interespecífico em Ortgiesia é pouco compreendido, assim como a distribuição da diversidade genética entre e dentro das espécies. Com o objetivo de contribuir para o entendimento dos processos responsáveis pela diversificação em Ortgiesia e pelo padrão de distribuição da variação genética, o presente estudo foi realizado, sendo dividido em quatro capítulos. No capítulo II o relacionamento interespecífico de Ortgiesia foi investigado utilizando marcadores moleculares AFLP (“Amplified Fragment Length Polymorphisms”). A evolução de caracteres morfológicoschave foi acessada, e padrões biogeográficos e a importância da hibridação para a evolução do subgênero foram discutidos. Três grupos genéticos principais de espécies proximamente relacionadas foram detectados, que de uma maneira geral puderam ser caracterizados pela cor das flores. Cor de pétala foi confirmada como um bom caratere taxonômico a ser usado na distinção de espécies dentro de Ortgiesia, enquanto tipo e forma da inflorescência mostrou-se homoplásico. O sul da Mata Atlântica foi considerado o centro de diversidade para Ortgiesia enquanto hibridação parece ser um fator importante na evolução do grupo. No capítulo III a diferenciação genética entre espécies de Ortgiesia com pétalas amarelas foi investigada, usando marcadores plastidiais e o gene nuclear phyC. Compartilhamento de haplótipos foi observado tanto no genoma nuclear como no plastidial. Os resultados sugerem que eventos de hibridação e separação incompleta das linhagens (polimorfismo ancestral) podem ser responsáveis pelo compartilhamento de haplótipos entre as linhagens de Ortgiesia. Ainda, nesse capítulo, áreas com maior diversidade genética foram identificadas no norte do estado de Santa Catarina, que podem ser consideradas como de grande valor evolutivo e conservacionista. Locos de microssatélites para o gênero Aechmea foram isolados pela primeira vez, conforme artigo no capítulo IV, com o objetivo de investigar aspectos da diversidade e estruturação genética de A. caudata e espécies relacionadas. Dez locos foram caracterizados, apresentando alta variação genética. Esses locos também amplificaram com sucesso em outras 21 espécies de bromélias, pertencentes a 12 gêneros, mostrando que serão úteis em estudos com inúmeros membros de Bromeliaceae. No capítulo V foi investigada a estruturação genética em populações de A. calyculata usando marcadores plastidiais, o gene nuclear phyC e microssatélites nucleares. Os resultados detectaram forte estruturação genética entre populações localizadas na Floresta Ombrófila Densa e na Semidescídua. A Mata de Araucária, que separa essas duas formações florestais no sul do Brasil, foi considerada como barreira ao fluxo gênico entre as populações de A. calyculata. A partir dos resultados encontrados na presente tese, foi observada, de uma maneira geral, baixa diferenciação genética interespecífica no subgênero Ortgiesia, apesar do uso de diferentes marcadores moleculares. Esse padrão pode ser explicado pela recente diversificação das linhagens do subgênero, aliado a retenção de polimorfismo ancestral e a ocorrência localizada de eventos de hibridação. O isolamento geográfico e de habitat foram identificados como os principais fatores da diversificação em Aechmea subgênero Ortgiesia. / Aechmea subgenus Ortgiesia presents 17 species distributed in south and southeastern Brazil, Argentina, Paraguay, and Uruguay. They are epiphytes, lithophytes, or terrestrials, occurring from sea level to high altitudes. Ortgiesia is a characteristic group from the Brazilian Atlantic rainforest, which is considered one of the diversity centers of family Bromeliaceae. The interspecific relationships in Ortgiesia are poorly understood, as well as the distribution of genetic diversity within and among species. With the objective to contribute to the understanding of the processes underlying the diversification in Ortgiesia and the patterns of genetic diversity distribution, the presented study was conducted and divided in four chapters. In chapter II the interspecific relationships in Ortgiesia were investigated using AFLP (Amplified Fragment Length Polymorphisms) molecular markers. The evolution of key-morphological characters was examined and their taxonomic value discussed. We also discussed biogeographical patterns as well as the importance of hybridization for Ortgiesia evolution. Three main genetic groups were recovered, which could at broad scale be characterized by flower color. Petal color seems to be a good taxonomic character to be used to distinguish Ortgiesia species, while inflorescence type and shape were homoplasic. The southern region of Atlantic rainforest was considered the center of diversity for Ortgiesia and hybridization may have played an important role during the diversification of this group. At chapter III genetic differentiation of yellow flowered Ortgiesia species was investigated by using plastid markers and the nuclear gene phyC. The sharing of haplotypes was observed in both plastid and nuclear genomes. The results suggest that hybridization events and incomplete lineage sorting may be responsible for the haplotype sharing between Ortgiesia lineages. Still, in this chapter we identified areas with high genetic diversity as located at northern Santa Catarina state, which may be considered of conservation and evolutionary value. Microsatellite loci for genus Aechmea were isolated for the first time as described in the chapter IV, aiming to investigate genetic diversity and structure of A. caudata and related species. Ten loci were characterized, showing high genetic variation. These loci also amplified in other 21 bromeliads species, belonging to 12 genera, showing that they can be useful as well in other taxa of Bromeliaceae. In the chapter V the genetic structure of A. calyculata populations was assessed using plastid markers, phyC gene, and nuclear microsatellites. The results detected strong genetic differentiation between populations located at the ombrophilous and semi-deciduous forest. Araucaria forest, which separates these two forest formations in south Brazil, was considered as a barrier to gene flow between A. calyculata populations. The results obtained in the presented thesis showed shallow genetic interspecific differentiation in subgenus Ortgiesia, despite the use of different molecular markers. This pattern could be explained by the recent divergence of the lineages, allied to the persistence of ancestral polymorphism and localized hybridization events. Geographical and habitat isolation were identified as the main factors triggering the diversification process in Aechmea subgenus Ortgiesia.

Page generated in 0.0608 seconds