• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 882
  • 11
  • 11
  • 11
  • 9
  • 6
  • 5
  • 4
  • 4
  • 4
  • 3
  • 3
  • 2
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 899
  • 385
  • 248
  • 164
  • 112
  • 112
  • 91
  • 84
  • 72
  • 71
  • 63
  • 60
  • 60
  • 60
  • 58
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
11

Avaliação da função endotelial através de ultrassom braquial no choque séptico

Becker, Leandro Quintana January 2009 (has links)
A despeito da evolução do conhecimento médico e dos tratamentos antibióticos, as infecções ainda representam uma grande causa de morbi-mortalidade. Dados do sistema único de saúde do Brasil mostram que a taxa de mortalidade por sepse encontra-se em torno de 40%. Em condições normais, frente à invasão por qualquer micro-organismo, o hospedeiro desenvolve a reação inflamatória adequada à eliminação deste organismo. Na sepse, por outro lado, esta resposta é claramente exacerbada e potencialmente deletéria ao próprio indivíduo. O sistema cardiovascular em especial é afetado nesta síndrome e o endotélio - como peça fundamental neste sistema – é o foco principal de nosso estudo. O fenótipo da disfunção endotelial na sepse grave é caracterizado por uma superfície celular pró-coagulante e pró-adesiva, desregulação do tônus vasomotor e comprometimento da função de barreira. O uso do ultrassom da artéria braquial como marcador de disfunção endotelial foi primeiramente descrito na década de 90 e baseia-se no princípio da vasodilatação fluxo-mediada (VFM). O aumento do fluxo sanguíneo em uma artéria periférica leva a um maior atrito das células circulantes sobre o endotélio (“shear-stress”) e este estímulo físico por sua vez determina a liberação local de óxido nítrico e, assim, vasodilatação. O índice da função vasomotora endotelial é então descrito como o aumento percentual do diâmetro do vaso póshiperemia reativa em relação ao basal. Os valores de normalidade encontramse em torno de 7-10%. Diversos estudos já comprovaram a utilidade deste método para avaliação da biodisponibilidade de óxido nítrico e assim da integridade endotelial, porém apenas no contexto da aterosclerose e mais recentemente das inflamações crônicas. Em relação à sepse apenas um estudo foi publicado. Em 2008, um grupo de pesquisadores italianos demonstrou pela primeira vez disfunção vasomotora endotelial medida por esta técnica em um grupo de pacientes com sepse por gram-negativo. A VFM média encontrada na chegada ao hospital foi de 8,7 + 3,6% no grupo séptico versus 9,9 + 1,1% nos controles (p< 0,05). O subgrupo de pacientes sépticos com valores em < 7,5% na chegada apresentou pior escore SOFA e pior VFM em reavaliação de 3 dias em comparação com aqueles com valores > 7,5% na chegada. Os autores concluíram que a disfunção vasomotora endotelial antecipou uma disfunção de múltiplos órgãos associada à sepse. Em nosso estudo pesquisamos a utilidade da VFM por ultrassom braquial em 42 pacientes adultos (idade média 51 ± 19 anos, 16 homens) que internaram na Unidade de Tratamento Intensivo do Hospital de Clínicas de Porto Alegre com diagnóstico de sepse grave ou choque séptico, com até 24h de evolução. Parâmetros clínicos, laboratoriais e a vasodilatação VFM foram medidos na admissão e após 24 e 72h e comparada com um grupo de indivíduos aparentemente saudáveis pareados para sexo e grupo etário. Os pacientes foram acompanhados até a alta hospitalar ou morte. A VFM encontrada em pacientes sépticos foi significativamente menor do que nos controles saudáveis (1,5 ± 7% contra 6 ± 4%;p < 0,001). Após 72h a VMF foi significativamente menor nos pacientes que evoluíram para óbito em relação àqueles que sobreviveram (5,2 ± 4% contra -3,3 ± 10%;p < 0,05). A conclusão do estudo foi que a VFM braquial encontra-se precocemente alterada em pacientes sépticos com instabilidade hemodinâmica, estando a piora da disfunção endotelial após 72h do início do quadro associada a mortalidade intra-hospitalar.
12

Avaliação dos padrões vasculares uterino e placentario no primeiro trimestre das gestações normal e patologica

Giacobbe, Marcelo 01 November 2018 (has links)
Orienatdores: Luiz Carlos Zeferino, Cleide M. M. de Oliveira Franzin / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas / Made available in DSpace on 2018-11-01T13:59:23Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Giacobbe_Marcelo_M.pdf: 8812176 bytes, checksum: 5473c79b25249564d1a4b291e390bb95 (MD5) Previous issue date: 1999 / Resumo: Existem dúvidas e contradições nas informações sobre o padrão vascular útero-placentário no primeiro trimestre da gestação. Com o objetivo de descrever as características vasculares útero-placentárias na gestação até 14 semanas, foi realizado um estudo clínico, descritivo, comparativo, utilizando a Dopplervelocimetria com mapeamento em cores endovaginal em 45 mulheres com gestação e 44 com aborto. Estudou-se a quantidade de vasos miometriais, o fluxo interviloso (FIV), os índices de resistência (IR), pulsatilidade (IP), as velocidades sistólica (VS) e diastólica (VD) das artérias miometriais. Para a análise utilizou-se o teste Qui-quadrado, teste de Wilcoxon e a análise de regressão linear múltipla. A quantidade de vasos miometriais foi menor na gestação que no aborto. A identificação de FIV foi mais freqüente no aborto e a gestação mostrou tendência de uma maior presença de FIV acima de 10 semanas de idade gestacional. As médias dos IR e IP da gestação foram maiores que as do aborto. Observou-se uma diminuição dos IR e IP nas artérias uterinas e arqueadas com a progressão da idade gestacional em ambos os grupos. A VS da uterina aumentou na gestação e esteve constante no aborto ao longo do primeiro trimestre. A VD da uterina apresentou aumento progressivo em ambos os grupos. As características vasculares observadas na gestação mostraram-se diferentes das do aborto na avaliação pela Dopplervelocimetria com mapeamento em cores com evidências de haver uma facilitação ao fluxo sangüíneo associado ao processo de falência gestacional / Abstract: There are questions and contradictions in the information about the uteroplacental vascular pattern during the first trimester of gestation. This study aimed to describe the uteroplacental vascular characteristics during gestation up to 14 weeks, and to compare them with the abortion ones in the same period. This clinical, descriptive and comparative study utilizes transvaginal color Doppler sonography in 45 women during gestation and in 44 after abortion. The quantity of myometrial vessels, the intervillous flow (IVF), the resistance index (RI), the pulsatility index (PI), and the systolic (SV) and diastolic (DV) velocities of the myometrial vessels were studied. Chi-square test, Wilcoxon test, and multiple linear regression were utilized for the analysis. The quantity of myometrial vessels was lesser in gestation than in abortion. The identification of IVF was more frequent in abortion and the gestation showed a tendency of a greater presence of IVF over 10 weeks of the gestational age. The means of RI and PI in the case of gestation were higher than the abortion ones. A decrease of RI and PI was observed in the uterine and the arcuate arteries with the gestational age progression in both groups. The SV of the uterine artery increased in the gestation group and was kept constant in the abortion one during the first trimester. The DV of the uterine artery presented a progressive increase in both groups. The vascular characteristics observed during gestation were found to be different than the abortion ones in the color Doppler sonography suggesting the evidence of a blood flow facilitation associated to the process of gestational failure / Mestrado / Tocoginecologia / Mestre em Tocoginecologia
13

Eletroestimulação transvaginal do assoalho pelvico no tratamento da incontinência urinaria de esforço : avaliação clinica, urodinâmica e ultra-sonografia

Potrick, Benhur Antonio 11 December 2002 (has links)
Orientadores : Viviane Hermann, Paulo Cesar Rodrigues Palma / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas / Made available in DSpace on 2018-11-09T17:47:50Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Potrick_BenhurAntonio_M.pdf: 159592 bytes, checksum: 718eae33ab280451672a34f5392f6d3d (MD5) Previous issue date: 2002 / Resumo: Nos últimos anos, o tratamento clínico da incontinência urinária vem ganhando maior projeção em função de seus resultados, dos poucos efeitos colaterais e de seu baixo custo. A eletroestimulação tem sido utilizada no tratamento da incontinência urinária e pode apresentar resultados variados, de acordo com o grupo de pacientes analisado e o esquema terapêutico empregado. O presente estudo clínico foi desenvolvido a fim de comparar os achados clínicos, urodinâmicos e ultra-sonográficos, antes e após a eletroestimulação transvaginal, em um grupo de pacientes com incontinência urinária de esforço. Foram selecionadas 22 mulheres com queixa clínica de incontinência urinária de esforço e com pressão de perda sob esforço acima de 60 centímetros de água, atendidas no Ambulatório de Uroginecologia do Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), no período de janeiro de 1999 a janeiro de 2001. Todas as pacientes eram da raça branca, com idade média de 49,0 anos, sendo que oito (36,3%) encontravam-se na pós-menopausa. A avaliação do índice de massa corpórea evidenciou peso normal em 81,9%, sobrepeso em 13,6% e obesidade em 4,5% dos casos. A paridade mediana foi de 2,2 partos, e o tempo mediano de perda urinária foi de 101,7 meses. Em 81,8% das pacientes observou-se cistocele grau I, em 72,7% retocele grau I, e todas apresentaram exame neurológico normal. Nenhuma paciente referiu cirurgia prévia para correção de incontinência urinária de esforço. No início das sessões de eletroestimulação e uma semana após seu término, as pacientes foram avaliadas através de anamnese, freqüência miccional, teste de esforço, avaliação urodinâmica e ultra-sonografia transperineal. O protocolo de tratamento consistiu de duas sessões semanais, com duração de 20 minutos cada, durante oito semanas consecutivas. Foi utilizado aparelho da marca QUARK ¿ Dualpex 961, com eletrodo de formato cilíndrico, de dez centímetros de comprimento com dois centímetros e meio de largura, envolvido por quatro anéis metálicos, colocado do intróito vulvar até próximo à espinha ciática. Os parâmetros elétricos utilizados foram: intensidade de corrente variando de 12 a 53 miliamperes, de acordo com a tolerância de cada paciente, freqüência fixa em 50 Hertz e duração de pulso de 700 microssegundos. As variáveis analisadas neste estudo apresentaram distribuição assimétrica; portanto, utilizou-se o teste não paramétrico de Mann-Whitney para comparação pré e pós-intervenção. Foram considerados resultados significantes quando se obteve p menor do que 0,05. Na auto-avaliação, 77,3% das pacientes consideraram-se satisfeitas com o tratamento eletroterápico e, de acordo com a freqüência miccional, houve redução do número de perdas urinárias em 81,7% delas (p<0,01). O teste de esforço foi negativo em 77,2% das pacientes após o tratamento. Segundo dados urodinâmicos, não houve alteração significativa da pressão de perda sob esforço antes e após a eletroestimulação (p=0,37). A avaliação ultra-sonográfica não demonstrou significância estatística no deslocamento do colo vesical antes e após o tratamento (p=0,30). Nossos resultados permitem concluir que a eletroestimulação transvaginal do assoalho pélvico promoveu diminuição significativa da freqüência das perdas urinárias na maioria das pacientes, porém, com atuação, sem significância, sobre a PPE e a mobilidade do colo vesical. Inferimos, portanto, que, em casos selecionados, a eletroterapia representa uma alternativa eficaz no tratamento da incontinência urinária de esforço feminina / Abstract: Over the last few years, conservative management of stress urinary incontinence has drawn a great deal of attention due to its results, few side effects and reduced cost. Electrical stimulation has been used in the treatment of urinary incontinence with varied results, depending on the patient¿s selected and the therapeutic scheme. The purpose of this study was to compare clinical, urodynamic and ultrasonographic findings obtained before and after transvaginal electrical stimulation in patients with stress urinary incontinence. Twenty-two women with symptoms of stress urinary incontinence consulting at the Urogynecology unit, Hospital de Clinicas, State University of Campinas, UNICAMP, between January 1999 and January 2001, were selected. All women were white, mean age was 49.0 years old and eight of these women were in menopause. According to the body mass index, 81.9% had normal weight, 13.6% were overweight and 4.5% were obese. Mean parity was 2.2 and the mean duration of urinary loss was 101.7 months. Grade I cystocele and retocele were present in 81.8% and 72.7% of the patients, respectively, and the neurological exam was normal in all the patients. None of the patients reported previous surgery for stress urinary incontinence. Patients were submitted to a clinical history and urinary frequency, Valsalva¿s maneuver, urodynamic study as well as transperineal ultrasound one week before and one week after treatment. The treatment protocol consisted of two transvaginal electrostimulation sessions weekly, each 20 minutes long for eight weeks. The authors used a QUARK Dualpex-961, with a cylindrical electrode, 10cm long, 2.5cm wide and covered with four metallic rings, placed into the vagina adjacent to the ischiatic spine. The electrical parameters were: current intensity from 12 to 53mA in accordance to the patient¿s tolerance, fixed frequency of 50Hz and pulse duration of 700µs. The variables analyzed in this study were asymmetrically distributed and therefore, the Mann-Whitney non-parametric test was used to compare the pre and post intervention variables. A p<0.05 score was considered statistically significant. Selff-assessment indicated that 77.3% of the patients were satisfied with the treatment. There was a significant reduction of the number of urinary leakage episodes, according to the urinary frequency registration, in 81.7% of the women (p<0.01) and no urinary leakage was detected in 77.2% of the patients at Valsalva¿s maneuver after treatment. According to the urodynamic study, VLPP before and after electrical stimulation showed no significant change (p=0.37). Bladder neck mobility, assessed by transperineal ultrasound did not change significantly (p=0.30). Our results suggest that transvaginal electrical stimulation of the pelvic floor reduced the frequency of urinary leakage, with no effect either at bladder neck mobility or Valsalva leakpoint pressure. The authors conclude that in selected cases electrical stimulation represents one alternative method to treat stress urinary incontinence in women / Mestrado / Cirurgia / Mestre em Cirurgia
14

Estudo morfológico e morfométrico por ultrassonografia modo B do ligamento nucal de equinos da raça Quarto de Milha

Santos, Wildemberto Arena January 2017 (has links)
Orientador: Vania Maria Machado Vasconcelos / Resumo: O Estudo ultrassonográfico do ligamento nucal (LN) em equinos tem despertado grande interesse científico. O estudo ultrassonográfico do LN visa a obtenção de referências morfológicas e morfometricas e ,assim, melhorar a sensibilidade, precisão e interpretação dessa estrutura ligamentar. Realizou-se um estudo ultrassonográfico em modo B do LN de 15 equinos em 3 diferentes faixas etárias, com objetivo de padronizar valores ultrassonográficos no modo B, o grupo 1 são animais em desmama que não sofreram ações do cabresteamento, grupo dois são animais já cabresteado e gurpo 3 cabresteado e domado. Cinco animais foram contidos quimicamente com xilazina e detomidina, sendo os outros 10 contidos mecanicamente. Na análise do modo B, os valores obtidos, apresentaram diferença estatística entre o grupo 1(um), e os demais grupos. Anáise a cegas demonstrou o LN mais ecogênico do que os tecidos adjacentes. A diferença desses valores estáticos foi atribuída a faixa etária, e a ecogenicidade encontrada deve-se ao ligamento ser formado por colágeno. Desta forma, conclui-se que o exame ultrassonográfico modo B, é uma ferramenta útil para identificar alterações ligamentares na região estudada. / Mestre
15

Acurácia do ultrassom na avaliação da ressecabilidade de tumores abdominais sólidos em crianças

Lucena, Iara Regina Siqueira January 2012 (has links)
INTRODUÇÃO: O papel da ultrassonografia na avaliação da ressecabilidade de tumores sólidos intra-abdominais ainda não foi relatado na literatura. OBJETIVO: Determinar a acurácia, as medidas de desempenho e o coeficiente Kappa do ultrassom (US) na avaliação da ressecabilidade de tumores sólidos intraabdominais em uma população pediátrica. MATERIAL E MÉTODOS: Estudo prospectivo e consecutivo de 26 crianças (19 meninas- 73,1% e 7 meninos- 26,9%), mediana de idade de 50,5meses (3m e 210m), portadoras de tumores intra-abdominais sólidos, que realizaram US pré-operatório, no período de outubro de 2008 e setembro de 2011. Os achados cirúrgicos (padrão-ouro) foram comparados aos observados no US. Foi definido, pelo US, como ÓRGÃO LIVRE quando havia movimento entre o tumor e o órgão examinado e ÓRGÃO COMPROMETIDO na ausência deste movimento. O US foi realizado por médicos radiologistas com experiência no método, sendo que cada órgão ou estrutura em contato com o tumor foi considerado uma unidade de estudo. RESULTADOS: Foram examinados pelo US 409 órgãos e estruturas: 94 (23%) foram considerados aderidos ou comprometidos e 315 (77%) livres. Comparados à cirurgia, a acurácia do US para avaliar a ressecabilidade dos tumores intra-abdominais foi de 93,6% (IC95: 90,8 - 95,8). A sensibilidade foi de 86,2% (81 de 94, IC95: 77,5 - 92,4%) e a especificidade foi de 95,9% (302 de 315, IC95: 93,0 - 97,8%). O valor preditivo positivo de 86,2% (81de 94, IC95: 77,5 - 92,4%) e o valor preditivo negativo de 95,9% (302 de 315, IC95: 93 - 97,8%). O coeficiente Kappa foi 0,82 (p<0,001). CONCLUSÃO: O US apresentou altas acurácia, sensibilidade e especificidade na avaliação da ressecabilidade de tumores sólidos intra-abdominais em crianças, mostrando que ele pode ser usado como exame complementar no pré-operatório destes pacientes. / INTRODUCTION: The role of diagnostic ultrasound in assessment of the resectability of intra-abdominal solid tumors has not yet be reported in the literature. OBJECTIVE: To ascertain the accuracy, performance, and inter-rater agreement of ultrasonography (US) for assessment of the resectability of intra-abdominal solid tumors in pediatric patients. MATERIALS AND METHODS: Prospective study of 26 consecutively enrolled children (19 girls [73.1%] and seven boys [26.9%], median age 50.5 months [range, 3–210 months]) with intra-abdominal solid tumors who underwent preoperative US between October 2008 and September 2011. Intraoperative findings (the gold standard) were compared to preoperative US findings. On US, organs or structures were defined as “free” when there was movement of the mass in relation to the examined organ and “involved” when there was no such movement. US was performed by experienced radiologists, and each organ or structure in contact with the tumor was considered a unit of observation. RESULTS: A total of 409 organs and structures were assessed sonographically. Of these, 94 (23%) were adhered to the tumor and 315 (77%) were mobile. As compared with intraoperative findings, the accuracy of US for assessment of the resectability of intra-abdominal tumors was 93.6% (383 of 409, 95%CI 90.8%–95.8%). The sensitivity of US was 86.2% (81 of 94, 95%CI 77.5–92.4%), and its specificity, 95.9% (302 0f 315, 95%CI 93–97.8%). The positive predictive value of US for was 86,2% (81 of 94, 95%CI 77.5–92.4%), and the negative predictive value, 95.9% (302 0f 315, 95%CI 93–97.8%). The kappa coefficient was 0.82 (p<0.001). CONCLUSION: US had high accuracy, sensitivity, and specificity for assessment of the resectability of intra-abdominal solid tumors in children and it can be employed as an adjunct to preoperative assessment of this patient population.
16

Desempenho da classificação ecografica BI-RADS no diagnóstico do câncer de mama

Varella, Miguel Angelo Spinelli January 2015 (has links)
Resumo não disponível
17

Avaliação comparativa da elastografia por deformação tecidual(STRAIN) assistida por sistema robótico com ultra-sonografia convencional como método de monitorização das lesões ablativas produzidas por radiofrequência em um modelo experimental de fígado bovino(Ex Vivo) / Evaluation of robotic assisted strain and ultraound as imaging-guided and monitored hepatic radiofrequency ablation: experimental ex vivo study

deOliveira, Michelle Lucinda [UNIFESP] January 2006 (has links) (PDF)
Made available in DSpace on 2015-12-06T23:44:38Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2006 / Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) / Objetivo: Testar a validade da utilização da elastografia, por deformação tecidual (strain), assistida por sistema robótico pela comparação deste método com a ultra-sonografia convencional na monitorização das lesões produzidas pela ablação por radiofreqüência em um modelo experimental em fígado bovino (ex vivo). Métodos: A ablação por radiofreqüência foi aplicada em 15 amostras de fígado bovino (ex vivo). Durante a ablação, as imagens foram captadas, primeiramente pela ultra-sonografia convencional e posteriormente pelo strain. As imagens foram armazenadas em uma estação de trabalho, codificadas e analisadas por dois observadores. Após a coleta dos dados das imagens, cada uma das 15 amostras foi seccionada para exame anátomo-patológico, com mensuração da área de ablação e correlação com o tamanho das lesões nos exames de imagem. Resultados: A concordância entre as medidas dos observadores foi considerada excelente (>0,75) pelo coeficiente de correlação intra-classes tanto nas medidas da ultra-sonografia (CCI=0,78 p<0,001), quanto nas medidas do strain (CCI=O,77 p<0,001). Todas as lesões foram identificadas nos dois métodos de imagem pelos observadores. As lesões ablativas à imagem pela ultra-sonografia convencional foram consideradas hiperecogênicas em 100 por cento dos casos. A média do tamanho das lesões produzidas por radiofreqüência foi de 1,65cm. Quando a média das medidas das 15 imagens pela ultra-sonografia e das 15 imagens do strain foram comparadas às medidas reais do exame macroscópico das lesões, as medidas obtidas pelo strain não se diferenciaram significantemente das medidas reais (p=O,253), enquanto que as medidas obtidas pela ultra-sonografia foram significantemente maiores (p=O,001). Conclusão: Neste modelo experimental em fígado bovino (ex vivo), a elastografia por deformação tecidual (strain), assistida por sistema robótico, mostrou-se um método diagnóstico útil na monitorização das lesões térmicas produzidas por radiofreqüência ablativa, uma vez que as imagens obtidas por este método foram mais fidedignas do tamanho real das lesões térmicas, quando comparadas às imagens produzidas pela ultra-sonografia convencional. / Purpose: To validate the use of the strain by robotic system, and to compare this method with the conventional ultrasound during monitoring of thermal ablation radiofrequency using an experimental model in bovine liver (ex vivo). Methods: The radiofrequency ablation was applied in 15 samples of bovine liver (ex vivo). During the ablation, the images were acquired, firstly by the conventional ultrasound and afterwards by the strain. The images were stored in a workstation, codified and analyzed by two independent observers. Thereafter, the measurements of the hepatic thermal ablation areas were correlated to the size of the lesions on the ultrasound and strain images. Results: All thermal lesions were identified by the two imaging methods. The hepatic thermal ablative lesions were 100% hyperechogenic on the conventional ultrasound. The agreement between the observers was considered excellent (>0.75) by the intraclass correlation coefficient, both on the ultrasound images (ICC= 0.78 p <0.001) and on the strain images (ICC= 0.77 p <0.001). The lesion average size was 1,65cm. When the 15 images by the ultrasound and the 15 images by the strain were compared to the macroscopic lesion size, the measurements obtained by the strain did not differ significantly from the macroscopic hepatic lesions (p=0.253). However, the measurements by the ultrasound were significantly larger than the macroscopic hepatic lesions size (p=0.001). Conclusion: In this experimental model in bovine liver (ex vivo), the strain performed by robotic system, is a useful tool during the monitoring of the thermal lesions produced by radiofrequency. The images obtained by this method were more precise when compared to the images provided by the conventional ultrasound. / BV UNIFESP: Teses e dissertações
18

Avaliação clínica, funcional e morfológica dos pacientes submetidos à esfincterotomia lateral interna por fissura anal crônica / Clinical, functional and morphological evaluation of womens who underwent lateral internal sphincterotomy for chronic anal fissure

Fernandes, Graziela Olívia da Silva January 2012 (has links)
FERNANDES, Graziela Olívia da Silva. Avaliação clínica, funcional e morfológica dos pacientes submetidos à esfincterotomia lateral interna por fissura anal crônica. 2012. 68 f. Dissertação (Mestrado em Cirurgia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2012. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2014-02-20T13:19:11Z No. of bitstreams: 1 2012_dis_gosfernandes.pdf: 2692698 bytes, checksum: 88bc58bc1e2f7a44f5ee985b4426b9eb (MD5) / Approved for entry into archive by denise santos(denise.santos@ufc.br) on 2014-02-20T13:19:45Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2012_dis_gosfernandes.pdf: 2692698 bytes, checksum: 88bc58bc1e2f7a44f5ee985b4426b9eb (MD5) / Made available in DSpace on 2014-02-20T13:19:45Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2012_dis_gosfernandes.pdf: 2692698 bytes, checksum: 88bc58bc1e2f7a44f5ee985b4426b9eb (MD5) Previous issue date: 2012 / The anal fissure is one of the main diseases found in the offices of colorectal surgeons. The ideal treatment for chronic anal fissure remains uncertain, but, until now, the lateral internal sphincterotomy is still the most effective treatment available. The aim of this study was to evaluate the anatomy and anorectal function of patients undergoing lateral internal sphincterotomy for chronic anal fissure. Also, determine the correlation between fecal incontinence symptoms and the anatomic findings using three-dimensional anorectal ultrasonography to establish the percentage of the internal anal sphincter that could be safely divided during lateral sphincterotomy. In a prospective study, 31 females, mean age 40years, with chronic anal fissure treated with lateral internal sphincterotomy were evaluated using Wexner’s incontinence score, anal manometry and 3D anorectal ultrasonography. It was also included 26 healthy females control, mean age 38years. Anal canal pressures and the muscles length were measured 4 months after surgery and compared between both groups. The longitudinal length and percentage of internal anal sphincter divided in relation to total contralateral sphincter length were assessed and correlated with incontinence score. Student t test, one-way ANOVA, chi square test, Spearman correlation and the intraclass correlation coefficient (ICC) were used. The p <0.05 was the value used for statistical significance. The sphincterotomy group included 11 nulliparous, 11 vaginal delivery and 9 cesarian cessation. The figures for control group were similar. The incontinence score was similar when compared the parity and mode of delivery of the patients. There was no correlation between age and scores of fecal incontinence. The anal resting pressure decreased significantly after surgery. There was no difference between the maximal voluntary pressure in pre-and postoperatively. There was no statistically significant difference in the length of the anterior external anal sphincter, external anal sphincter- puborectalis complex and GAP when compared the patients undergoing sphincterotomy with voluntary patients. There was a statistically significant positive correlation between the length of muscle divided and the score of fecal incontinence. Eighteen patients had less than 25% of the internal anal sphincter divided and the average size of 0,54cm divided sphincter.Thirteen patients had 25% or more of the internal anal sphincter divided and the average size of 1.00 cm divided sphincter. The incontinence score was significantly lower in patients with less than 25% of the internal anal sphincter divided. There was no correlation between the angle of injury and incontinence score. The intra-class correlation coefficient ranged from 0.714 to 0.989 for the ultrasound measurements performed by two examiners. It is concluded that there was a correlation between the size of the internal anal sphincter divided and anal incontinence score and the division of the IAS must be limited to less than 25% of the total length of the muscle. / A fissura anal é uma das principais afecções encontradas nos consultórios dos coloproctologistas. O tratamento ideal para fissura anal crônica permanece incerto, mas, a esfincterotomia lateral interna continua sendo o tratamento mais efetivo disponível. O objetivo deste trabalho foi avaliar a anatomia e a função anorretal dos pacientes submetidos à esfincterotomia lateral interna devido à fissura anal crônica. Além disso, determinar a correlação dos sintomas de incontinência fecal com os achados anatômicos utilizando ultrasonografia anorretal tridimensional e estabelecer o percentual do esfíncter anal interno (EAI) que pode ser seccionado durante a realização de uma esfincterotomia. Foram avaliadas, prospectivamente, 31 mulheres com média de idade de 40 anos com fissura anal crônica tratadas com esfincterotomia lateral interna. Foi utilizado o escore de incontinência de Wexner, a manometria anorretal e a ultassonografia anorretal tridimensional (US3D). Foram incluídas ainda, 26 mulheres saudáveis como grupo controle com média de idade de 38 anos. Quatro meses após a cirurgia, foram medidas as pressões anais, os comprimentos dos músculos do canal anal, sendo os grupos comparados. O comprimento longitudinal e a porcentagem do esfíncter anal interno seccionado em relação ao total do esfíncter interno contra lateral foram correlacionados com o escore de incontinência. Na análise estatística, aplicou-se o teste t Student, one-way ANOVA, o teste qui quadrado, o teste de correlação de Spearman e o coeficiente de correlação intraclasse(ICC). O p<0.05 foi o valor utilizado para significância estatística. No grupo da esfincterotomia, 11 eram nulíparas, 11 possuíam pelo menos um parto vaginal e 9 foram submetidas a cesariana. A distribuição da paridade e tipo de parto entre os grupos foram similares. O escore de incontinência foi semelhante quando comparado as pacientes quanto a paridade e ao tipo de parto. Não houve correlação entre a idade e o escore de incontinência fecal. As pressões anais de repouso reduziram significativamente no pós-operatório. Não houve diferença entre as pressões voluntárias máximas no pré- e pós-operatório. Não houve diferença estatisticamente significante no comprimento dos esfíncteres íntegros e do GAP quando comparadas as pacientes submetidas a esfincterotomia com pacientes voluntárias. Houve uma correlação positiva significante entre o comprimento de músculo seccionado e o escore de incontinência fecal. Dezoito pacientes incluídas no estudo tiveram menos de 25% do esfíncter anal interno seccionado, sendo a média do comprimento da lesão 0,54cm. Treze pacientes tiveram 25% ou mais do esfíncter anal interno seccionado e a média do tamanho do esfíncter seccionado de 1,00cm. O escore de incontinência foi significantemente menor nos pacientes que apresentaram menos de 25% do esfíncter anal interno seccionado. Não houve correlação entre o ângulo de lesão e o escore de incontinência. O coeficiente de correlação intra classe variou de 0,714-0,989 para as medidas ultrassonográficas realizadas por dois examinadores. Conclui-se que houve uma correlação entre o tamanho do esfíncter anal interno seccionado e o escore de incontinência anal e que a secção do EAI deve ser limitada a menos de 25% do comprimento total do músculo.
19

Avaliação farmacológica da Detomidina no trato reprodutivo de éguas (Equus caballus) / Pharmacological Evaluation of Detomidine on Mares Reproductive tract (Equus caballus)

Evangelista, João José Ferreira January 2015 (has links)
EVANGELISTA, João José Ferreira. Avaliação farmacológica da Detomidina no trato reprodutivo de éguas (Equus caballus). 2015. 88 f. Tese (Doutorado em Farmacologia) – Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2016-03-08T12:57:53Z No. of bitstreams: 1 2015_tese_jjfevangelista.pdf: 1393367 bytes, checksum: 1257da60df2c20dd5b0a3cf5dc6064ce (MD5) / Approved for entry into archive by denise santos(denise.santos@ufc.br) on 2016-03-09T11:04:03Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2015_tese_jjfevangelista.pdf: 1393367 bytes, checksum: 1257da60df2c20dd5b0a3cf5dc6064ce (MD5) / Made available in DSpace on 2016-03-09T11:04:03Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2015_tese_jjfevangelista.pdf: 1393367 bytes, checksum: 1257da60df2c20dd5b0a3cf5dc6064ce (MD5) Previous issue date: 2015 / The Detomidine is an agonist of α2-adrenergic receptors, derived imidazole alkaloid, available on the hydrochloride formula, is related to selectivity between receptor α2/α1 of 260/1. The experiment was conducted to investigate the interference of detomidine on equine reproductive tract. Twenty-five mares were used mongrel, not pregnant, aged between 4-10 years old and weighing 350-450kg. The 25 mares were divided randomly into 5 groups, with 3 groups were submitted at doses of the detomidineof 6, 9 and 12μg/kg,respectively. In the other two groups, one applied yohimbine dose of 0.10 mg/kg 20 minutes prior to the application of 6μg/kg detomidine and in control group. All they were made sonographic evaluations in B mode and Doppler of the reproductive tract of mares. The pulsatility index (PI), resistance index (RI) and uterine blood right wrist (UBRW) and the subjective evaluation of the uterus and mesometriumblood supply, showed no significant difference (P<0.05) when compared to animals treated with detomidine 6μg/kg compared to the same dose applied, but had blocked by yohimbine of 10mg/kg. The doses of detomidine in the 6, 9 and 12μg/kg interfered with the dynamics of the uterine cervix, providing temporary expansion, with significant differences in maximum magnitude of the response time, 2.1 ± 0,11mm (P>0.0001) to 5 minutes, 2.7 ± 0.26 (P>0.0001) after 10 minutes and 4.9 ± 0.18 mm (P>0.0001) after 15 minutes, respectively. In epidural detomidinedose of 6μg/kg,comparing the cervical dilatation, occurred with the same dose in the IV route showed a significant difference in 5 (P>0.0001), 15 (P>0.0001), 20 (P>0.0001) and 25 (P>0.0001) minutes. When the use of detomidine in cervical response withthe intramuscularlydose of 6μg/kg comparing to RI, there was a significant difference in 5 (P<0.0001), 15 (P>0.0001), 20 (P>0.0001) and 25 (P>0.0001) minutes. We concluded that, the detomidinedoses of 6 (intravenous, intramuscular and epidural), 9 and 12µg/kg (intravenous) promoted temporary cervical dilation in mares. / A Detomidina é um agonista de receptores α2-adrenérgico, derivado imidazólico alcalóide, disponível sobre a fórmula de cloridrato, apresenta relação de seletividade entre receptor α2/α1 de 260/1. O experimento foi conduzido para investigar a interferência da detomidina sobre o trato reprodutivo equino. Foram utilizadas vinte e cinco éguas sem raça definida (SRD), não prenhes, com idade entre 4 a 10 anos e peso de 350 a 450 Kg. As 25 éguas foram divididas de forma aleatória em 5 grupos, sendo que 3 grupos foram submetidos respectivamente a doses de 6, 9 e 12µg/kg de detomidina.Nos outros dois grupos, um deles foi aplicado Ioimbina em dose 0,10mg/Kg com antecedência de 20 minutos da aplicação de 6µg/kg de detomidina e o outro grupo controle. Foram realizadas ultrassonográfias no modo B e Doppler do trato reprodutivo de éguas. O índice de pulsatilidade (IP), resistência (IR) e pulso arterial uterino direito (PAUD), bem como a avaliação subjetiva do útero e mesométrio de suprimento sanguíneo, não apresentaram diferença significativa (P<0,05) quando comparado aos animais submetidos à detomidina 6µg/Kg, frente aos aplicados a mesma dose, mas que tinham sidos bloqueados com a ioimbina 10µg/Kg. A detomidina nas doses 6, 9 e 12µg/Kg, interferiu na dinâmica da cérvix uterina, proporcionando dilatação temporária, com diferenças significativas e magnitude máxima de resposta ao tempo, 2,1±0,11mm (P˂0,0001) aos 5 minutos, 2,7±0,26 (P>0,0001) aos 10 minutos e 4,9±0,18mm (P>0,0001) aos 15 minutos, respectivamente. Na via Epidural na dose 6µg/Kg de detomidina, quando comparada a dilatação cervical ocorrida com a mesma dose na via IV, demonstrou diferença significativa nos tempos 5 (P>0,0001), 15 (P>0,0001), 20 (P>0,0001) e 25 (P>0,0001) minutos. Quando a resposta cervical com uso de detomidina na dose 6µg/Kg via intramuscular comparada com a IV, ocorreu diferença significativa nos tempos 5 (P>0,0001), 15 (P>0,0001), 20 (P>0,0001) e 25 (P>0,0001) minutos. Concluímos que, a detomidina nas doses de 6 (via intravenosa, intramuscular e epidural), 9 e 12µg/Kg (intravenosa) promoveram dilatação cervical temporária em éguas.
20

A influência do feedback estruturado sobre a curvas de aprendizado de habilidades em ultrassonografia aplicada à anestesia regional

Mettrau, Francisco de Assis Caire January 2017 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Florianópolis, 2017. / Made available in DSpace on 2017-08-15T04:10:00Z (GMT). No. of bitstreams: 1 347034.pdf: 1369499 bytes, checksum: 063c55f1a5cce5bde36f132d1c56814f (MD5) Previous issue date: 2017 / Introdução: O feedback é a avaliação construtiva e objetiva do desempenho dado para melhorar as habilidades (1). Sua aplicação rela-ciona-se a melhora do desempenho, podendo acelerar as curvas de aprendizado (2).A introdução da ultrassonografia para auxiliar a realização de anestesias regionais fez surgir novas habilidades básicas necessárias à execução desse procedimento, entre elas, o alinhamento da agulha ao feixe de ultrassom durante sua progressão e a correta identificação, localização e abordagem do alvo. O papel do feedback durante o aprendiza-do dessas habilidades ainda não foi estabelecido.Objetivos: Avaliar a influência do feedback estruturado sobre as curvas de aprendizado de habilidades em anestesia regional com auxílio de ultrassonografia, em modelos biológicos inanimados (phantoms).Materiais e métodos: Participaram deste estudo estudantes de medicina do último ano, médicos residentes e especialistas. Os participantes foram aleatoriamente separados em dois grupos, diferenciados pela aplicação ou não de feedback estruturado durante as seções de treinamento em ambiente de simulação com um phanthom. Duas tarefas precisaram ser completadas: experimento 1- avançar a agulha dentro do modelo mantendo a imagem da agulha na tela de ultrassom e experimento 2- atingir um alvo dentro do modelo com a agulha mantendo a sua visualização e, em seguida, injetar líquido em sua vizinhança. Os participantes realizaram um total de 26 ensaios em cada experimento. Todos os participantes foram avaliados utilizando uma lista de verificção baseada na decomposição da tarefa, desenvolvida anteriormente ao estudo. Aos participantes atribuídos no grupo de feedback foi aplicado feedback estruturado, de acordo com sua avaliação pela lista de verificação, após cada ensaio. As imagens geradas foram gravadas e, posterior-mente, avaliadas por dois avaliadores independentes com experiência em ultrassonografia, que desconheciam a que grupo pertenciam os vídeos e utilizaram, para pontuação, escores de qualidade de desempenho previamente estabelecidos para cada experimento. Com os resultados obtidos, das avaliações das imagens, foram feitas análises do ponto de mudança (change-point) e construíram-se modelos preditivos e curvas de aprendizado para ambos os grupos nos dois experimentos de acordo com o modelo matemático de Bush & Mosteller para a probabilidade de sucesso de 95% nas tentativas e avaliou-se o número de erros por tentativa em cada grupo e, por fim, a duração dos ensaios.Resultados: Dos 52 participantes inicialmente convidados, houve perda de dados de 10 participantes no experimento 1 e 12 participantes no experimento 2, terminando com um total de 42 e 40 participantes para os experimentos 1 e 2, respectivamente.Os participantes que receberam feedback mostraram maior inter-valo de aprendizagem e maiores taxas de sucesso quando analisados pelo ponto de mudança em relação aos sem feedback. As curvas de aprendizado descritas pelo modelo matemático de Bush e Mosteller apresentaram número previsto de testes necessários para alcançar proficiência significativamente menor no grupo de feedback, (37 e 43) versus (61 e 65) no grupo de controle. A mediana de erros do grupo de feedback foi menor que a do grupo de controle nos dois experimentos (12 e 7) versus (21 e 19) respectivamente.Conclusão: A aplicação de feedback estruturado favorece o aprendizado dessas habilidades e diminui o número de erros por tentativa.<br> / Abstract : Introduction: Feedback is the constructive and objective evalua-tion of performance given to improve skills (1). Its application is related to the improvement of the performance, being able to accelerate the learning curves. The introduction of ultrasonography to assist in region-al anesthesia gave rise to new basic skills necessary to perform this pro-cedure, including the alignment of the needle to the ultrasound beam during its progression and the correct identification, location and ap-proach of the target. The role of feedback while learning these skills is yet to be established.Objectives: To evaluate the influence of structured feedback on skill learning curves of regional anesthesia with the aid of ultrasound in inanimate biological models.Materials and methods: Senior medical students, resident physi-cians and specialists participated in this study. They were randomly separated into two groups, differentiated by the application or not of structured feedback during their training sessions in a simulation envi-ronment with a phanthom. Two tasks needed to be completed: experi-ment 1- to advance the needle into the model while keeping the needle image on the ultrasound screen and experiment 2- to reach a target with-in the model with the needle maintaining its visualization and then in-jecting liquid into its vicinity. Participants performed a total of 26 trials in each experiment. All participants were assessed using a previously made checklist based on task decomposition. Participants assigned in the feedback group were given structured feedback, as assessed by the checklist, after each trial. Generated images were recorded and later evaluated by two independent evaluators with experience in ultrasonog-raphy, who did not know to which group belonged the videos and used a quality performance score previously established for scoring. With the results obtained, from image evaluations, change-point analyzes were done and predictive models and learning curves were constructed for both groups in the two experiments according to the Bush & Mosteller mathematical model for 95% success probability in attempts. The learn-ing between groups was then compared in relation to the beginning, end and duration of the learning interval and resulting learning curves in each group were compared as well as prediction of the number of tests required for proficiency.Results: From 52 participants initially convened, there was loss of data from 10 participants in experiment 1 and 12 participants in ex-periment 2, ending with a total of 42 and 40 participants for experiments 1 and 2, respectively.Predicted number of tests required to achieve proficiency was significantly lower in structured feedback group in both experiments, feedback group also presented fewer errors per attempt.Conclusion: Structured feedback is a technique that assists in learning these skills. Students who received structured feedback showed superior performance in their learning curves compared to the control group.

Page generated in 0.073 seconds