• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 22
  • 1
  • Tagged with
  • 23
  • 23
  • 23
  • 5
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

[en] RESILIENCE AND ENTREPRENEURIAL LEADERSHIP AN EXPLORATORY STUDY OF THE RELATIONSHIP BETWEEN THE COMPETENCE RESILIENCE AND BUSINESS SUCCESS FACTORS / [pt] RESILIÊNCIA E LIDERANÇA EMPREENDEDORA UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA RELAÇÃO ENTRE A COMPETÊNCIA RESILIÊNCIA E FATORES DE SUCESSO EMPRESARIAL

ANA CLAUDIA OLIVEIRA DA SILVA PINHEIRO 13 March 2013 (has links)
[pt] Com base na premissa que lideranças empreendedoras, para lidar com as demandas num ambiente complexo, precisam ser resilientes, isto é, precisam estar preparadas para enfrentar, vencer e sair fortalecidas das experiências de adversidade; este trabalho teve como objetivo analisar como as características de resiliência individual favoreceram o sucesso empresarial. Para isto, foi feito um estudo exploratório com base nos pilares e fatores de resiliência individual, definidos por Conner (1995), Ojeda (1997), Wagnild E Young (2011), Connor- Davidson (2003) e Sabbag (2010), e entrevistas em profundidade com uma amostra de empresários cariocas, considerados expoentes nos seus respectivos setores de atividade, que receberam o prêmio RIO mais EMPREENDEDOR de 2011 do LIDE Rio e da Agência Rio Negócios. Os principais resultados da pesquisa sugerem que as características de resiliência estão presentes em todas as lideranças empreendedoras entrevistadas, e que tem os seguintes denominadores comuns nos seus comportamentos e práticas: se orientam pela oportunidade diante da adversidade, entendem a mudança como uma vantagem que deve ser explorada e não evitada, têm senso de humor e flexibilidade diante dos desafios, buscam a obtenção de suporte dos outros na vida pessoal e profissional, e possuem a base dos demais pilares – auto estima e auto confiança. / [en] Based upon the assumption that the condition for entrepreneurial leadership to cope with the demands of a complex environment is the need for them to be resilient, i.e., the necessity to be prepared to face, overcome, and come out strengthened from adverse experiences, this study has aimed to analyze how the characteristics of individual resilience have favored business success. Therefore, an exploratory study was conducted based upon the pillars and factors of individual resilience defined by Conner (1995), Ojeda (1997), Wagnild AND Young (2011), Connor-Davidson (2003) and Sabbag (2010), in addition to in-depth interviews with sampling of Rio de Janeiro businessmen, who are deemed as examples or models to be followed in their respective industries and received the RIO plus EMPREENDEDOR award 2011 from LIDE RIO and Agência Rio Negócios. The main research findings suggest that traits of resilience are present in all entrepreneurial leaders interviewed who have the following common denominators in their behaviors and practices: they are opportunity-oriented in times of adversity, understand change as an advantage which ought to be exploited rather than avoided, have a sense of humor and flexibility when faced with challenges, seek to obtain support from others for their personal and professional life, and possess the fundaments for the other pillars, namely selfesteem and self-reliance.
2

[en] CHARACTERISTICS OF RESILIENCE AND THE IMPLEMENTATION OF A NEW CORPORATE COMMUNICATION STRATEGY: A CASE STUDY / [pt] CARACTERÍSTICAS DE RESILIÊNCIA E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA NOVA ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO

NELSON JORGE DE SOUZA DABUL 12 November 2012 (has links)
[pt] No contexto atual, as mudanças cotidianas cada vez mais rápidas e profundas exigem que os indivíduos estejam capacitados a enfrentar e vencer situações adversas e delas saírem fortalecidos. Esta competência, denominada resiliência, é o tema deste trabalho que tem como objetivo analisar como as características de resiliência identificadas em lideranças organizacionais favoreceram a implantação de uma nova estratégia de comunicação corporativa. Para o estudo da questão foi feita uma pesquisa descritiva e analítica aplicada ao caso de uma empresa de mídia e entretenimento que passou recentemente por um processo de evolução em sua estratégia de comunicação corporativa. Foram realizadas entrevistas em profundidade com oito líderes da área de comunicação corporativa da empresa analisada. Nessas entrevistas foram avaliadas a resiliência organizacional da área, com base no construto de Hamel E Valikangas (2003), e os níveis de resiliência individual, através da aplicação de questionário desenvolvido por Wagnild E Young (1993, 2011) em sua versão traduzida e validada para o português (PESCE et al., 2005). Os principais resultados da pesquisa sugerem, em linha com os referenciais de Wagnild (2011), Ojeda (1997) e Lengnick-Hall et al. (2011), entre outros, que diversas características de resiliência identificadas nas lideranças - notadamente perseverança, iniciativa, capacidade de se relacionar e flexibilidade - facilitaram o desenvolvimento e a implantação do novo modelo de comunicação corporativa para a empresa estudada, através da criação de um ambiente propício à pesquisa, ao aprendizado, à criatividade e à experimentação. Esses resultados também indicam que o ambiente acima descrito permitiu à empresa enfrentar, com sucesso, os desafios cognitivo, estratégico, político e ideológico preconizados por Hamel E Vaikangas (2003), podendo ser caracterizada como uma organização resiliente. Adicionalmente verificou-se que, tomando por base a escala aplicada, as lideranças apresentaram, em sua maior parte, níveis elevados de resiliência (WAGNILD, 2011). / [en] In the current context, where everyday changes are faster and deeper, individuals are demanded to be ready and show ability to deal and surpass adverse situations, becoming in the process stronger and more prepared than before. This competence, called resilience, is the subject of this research, which has the objective to analyze how resilience characteristics identified on organizational leaders facilitated the implementation of a new corporate communication strategy. To study this issue a descriptive and analytical research has been done, applied to a case of a media and entertainment company that recently has passed through an evolutionary process in its corporate communication strategy. Eight in deep interviews have been conducted with leaders of the corporate communication area at the researched company. Based on these interviews, the area’s organizational resilience has been evaluated using the Hamel AND Valikangas (2003) construct as a basis. The leaders’ individual resilience level has been assessed by the administration of the Resilience Scale developed by Wagnild AND Young (1993, 2011), in its version translated and validated to Portuguese (Pesce et al., 2005). The main results of the research suggest, in line with the Wagnild (2011), Ojeda (1997) and Lengnick-Hall et al. (2011) references, among others, that several resilience characteristics identified on leaders of the studied area – mainly perseverance, initiative, relationship ability and flexibility – facilitated the development and implementation of the new corporate communication model by fostering an environment favorable to research, learning, creativity and experimentation. These results also demonstrate that the above mentioned environment allowed the company to successfully deal with the Cognitive, Strategic, Political and Ideological challenges stated by Hamel AND Valikangas (2003), and so could be considered a resilient organization. Furthermore, based on the resilience scale administrated, leaders of the researched area showed, in their majority, a high resilience level (Wagnild, 2011).
3

[en] CHARACTERISTICS OF RESILIENCE AND THE IMPLEMENTATION OF A NEW CORPORATE COMMUNICATION STRATEGY: A CASE STUDY / [pt] CARACTERÍSTICAS DE RESILIÊNCIA E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA NOVA ESTRATÉGIA DE COMUNICAÇÃO: UM ESTUDO DE CASO

NELSON JORGE DE SOUZA DABUL 21 September 2012 (has links)
[pt] No contexto atual, as mudanças cotidianas cada vez mais rápidas e profundas exigem que os indivíduos estejam capacitados a enfrentar e vencer situações adversas e delas saírem fortalecidos. Esta competência, denominada resiliência, é o tema deste trabalho que tem como objetivo analisar como as características de resiliência identificadas em lideranças organizacionais favoreceram a implantação de uma nova estratégia de comunicação corporativa. Para o estudo da questão foi feita uma pesquisa descritiva e analítica aplicada ao caso de uma empresa de mídia e entretenimento que passou recentemente por um processo de evolução em sua estratégia de comunicação corporativa. Foram realizadas entrevistas em profundidade com oito líderes da área de comunicação corporativa da empresa analisada. Nessas entrevistas foram avaliadas a resiliência organizacional da área, com base no construto de Hamel & Välikangas (2003), e os níveis de resiliência individual, através da aplicação de questionário desenvolvido por Wagnild & Young (1993, 2011) em sua versão traduzida e validada para o português (PESCE et al., 2005). Os principais resultados da pesquisa sugerem, em linha com os referenciais de Wagnild (2011), Ojeda (1997) e Lengnick-Hall et al. (2011), entre outros, que diversas características de resiliência identificadas nas lideranças - notadamente perseverança, iniciativa, capacidade de se relacionar e flexibilidade - facilitaram o desenvolvimento e a implantação do novo modelo de comunicação corporativa para a empresa estudada, através da criação de um ambiente propício à pesquisa, ao aprendizado, à criatividade e à experimentação. Esses resultados também indicam que o ambiente acima descrito permitiu à empresa enfrentar, com sucesso, os desafios cognitivo, estratégico, político e ideológico preconizados por Hamel & Välikangas (2003), podendo ser caracterizada como uma organização resiliente. Adicionalmente verificou-se que, tomando por base a escala aplicada, as lideranças apresentaram, em sua maior parte, níveis elevados de resiliência (WAGNILD, 2011). / [en] In the current context, where everyday changes are faster and deeper, individuals are demanded to be ready and show ability to deal and surpass adverse situations, becoming in the process stronger and more prepared than before. This competence, called resilience, is the subject of this research, which has the objective to analyze how resilience characteristics identified on organizational leaders facilitated the implementation of a new corporate communication strategy. To study this issue a descriptive and analytical research has been done, applied to a case of a media and entertainment company that recently has passed through an evolutionary process in its corporate communication strategy. Eight in deep interviews have been conducted with leaders of the corporate communication area at the researched company. Based on these interviews, the area’s organizational resilience has been evaluated using the Hamel & Välikangas (2003) construct as a basis. The leaders’ individual resilience level has been assessed by the administration of the Resilience Scale developed by Wagnild & Young (1993, 2011), in its version translated and validated to Portuguese (Pesce et al., 2005). The main results of the research suggest, in line with the Wagnild (2011), Ojeda (1997) and Lengnick-Hall et al. (2011) references, among others, that several resilience characteristics identified on leaders of the studied area – mainly perseverance, initiative, relationship ability and flexibility – facilitated the development and implementation of the new corporate communication model by fostering an environment favorable to research, learning, creativity and experimentation. These results also demonstrate that the above mentioned environment allowed the company to successfully deal with the Cognitive, Strategic, Political and Ideological challenges stated by Hamel & Välikangas (2003), and so could be considered a resilient organization. Furthermore, based on the resilience scale administrated, leaders of the researched area showed, in their majority, a high resilience level (Wagnild, 2011).
4

[en] DESIGN WITHOUT BORDERS: SEARCHING WAYS TO ACT AGAINST NATURAL DISASTERS / [pt] DESIGN SEM FRONTEIRAS: EM BUSCA DE MEIOS PARA AGIR FRENTE A DESASTRES NATURAIS

GABRIEL ESTEVES DE OLIVEIRA LEITAO 23 March 2015 (has links)
[pt] Este estudo investiga o papel do design frente a desastres naturais e parte do princípio que o design deve se ocupar de problemas complexos. Seus principais interlocutores foram Jorge Frascara - autor do livro Diseño Grafico para la gente, que defende que o fruto da atuação do design deve ser a transformação de realidades existentes em outras mais desejáveis –, Ulrich Beck – que, em seu livro Risk Society, apresenta a globalização dos riscos na sociedade contemporânea – e Adam Smith, que discorre sobre a importância da empatia nas relações humanas em obra intitulada A teoria dos sentimentos morais. Esta dissertação traz um panorama sobre desastres naturais e seus impactos sobre populações vulneráveis. Relata, também, estudo de caso realizado em lugares atingidos por catástrofes, como Nova Friburgo, região serrana do Estado do Rio de Janeiro e em Santiago de Cuba. Ao final, identifica as principais ações que precisam ser desenvolvidas antes, durante e depois fenômenos naturais de grandes proporções, apresenta meios pelos quais o design pode agir afim de minimizar os efeitos dos desastres e conclui que a sua atuação frente a esses eventos pode ser literalmente vital. Este trabalho teve como inspiração os Médicos sem Fronteiras – organização humanitária internacional comprometida com a prestação de socorro a populações em perigo e vítimas de catástrofes e conflitos, estando entre seus desdobramentos, a realização de workshops internacionais de design com foco em problemas complexos para voluntários em parceria com organizações como a Yunus Social Business e a própria MSF. / [en] This study investigates the role of design against natural disasters and assumes that design must deal with complex problems. It s main interlocutors are Jorge Frascara – author of Diseño Grafico para la gente, which argues that the objective of the design practice must be the transformation of existing realities into other ones more desirable – Ulrich Beck – who, in his book Risk society, presents the globalization of risks in contemporary society – and Adam Smith, who defends the importance of empathy in human relations in his work entitled The theory of moral sentiments. This dissertation provides an overview of natural disasters and their impact on vulnerable populations. Also reports case studies conducted in places affected by disasters such as Nova Friburgo, mountainous region in the State of Rio de Janeiro and Santiago de Cuba. At the end, identifies key actions that need to be undertaken before, during and after natural disasters, presents ways in which design can act in order to minimize the effects of disasters and concludes that it s action against these events can literally be vital. This work was inspired by the Doctors without Borders – international humanitarian organization which provides assistance to populations in distress and victims of disasters and conflicts, and among its consequences are the development of international design workshops for complex problems, in partnership with organizations such as Yunus Social Business and the DWB itself.
5

[en] MITIGATION, PREPAREDNESS, RESPONSE AND RECOVERY IN BUSINESS OF MOUNTAIN REGION OF RIO DE JANEIRO IN THE DISASTER OF 2011 / [pt] MITIGAÇÃO, PREPARAÇÃO, RESPOSTA E RECUPERAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO SERRANA DO RIO DE JANEIRO NO DESASTRE DE 2011

ANDRESSA CASTRO DE SOUZA LIMA 25 May 2017 (has links)
[pt] Em janeiro de 2011, chuvas intensas e concentradas deflagraram inundações e deslizamentos atingindo sete cidades da Região Serrana do Rio de Janeiro, sendo considerado o maior desastre na história do país. Essa tragédia serviu de lição aprendida para mudanças no gerenciamento de riscos de desastres no Brasil. Este estudo inova ao pesquisar o impacto nas empresas da região afetada. A abordagem da logística humanitária – que tem por função adequar o fluxo de pessoas e materiais em tempo oportuno na cadeia de assistência às pessoas afetadas por desastres – se faz relevante para as empresas privadas visto que pode minimizar os impactos dos desastres e aumentar a resiliência nas cadeias de suprimentos. De acordo com o ciclo de gestão de desastres – mitigação, preparação, resposta e reconstrução – este estudo tem por objetivo avaliar como as empresas da Região Serrana do Rio de Janeiro foram impactadas no desastre de 2011 e como as empresas estão se preparando para evitar que novas situações de emergência afetem a sua operação. Baseado em um modelo de questionário, aplicado com sucesso em desastres na Nova Zelândia, realiza-se uma pesquisa de levantamento em empresas da região e dois estudos de caso. Os resultados obtidos apontam para a necessidade de maior planejamento das empresas face à recorrência desse tipo de evento nas cidades afetadas. / [en] In January 2011, intense and concentrated rain raised floods and slidings reaching seven cities of the mountain region of Rio de Janeiro, which is considered the biggest disaster ever happened in Brazil. This tragedy served as lessons learned for changes in the disasters risk management in the country. This study innovates in researching the impact on the private sector in the cities affected. Humanitarian logistics, which function is to adequate the flow of material and personal in time to relief operations, is relevant for private sector as it can minimize the impacts of disasters and develop resilience in supply chains. According to the disaster operations life cycle – mitigation, preparation, response and recovery – this study aims to evaluate how the private sector in the mountain region of Rio de Janeiro was impacted by the 2011 disaster and how businesses are getting prepared to avoid future emergence situations affect its operations. Based in a model questionnaire, successfully applied in disasters in New Zealand, a survey research is conducted in the private sector of the cities affected and two case studies are carried out. The findings of this research point to the need of planning in the private sector due to the recurrence of this kind of event in the mountain region of Rio de Janeiro.
6

[en] RESILIENCE, PERSONALITY TRAITS AND TEACHING STRESSORS AS PREDICTORS OF OCCUPATIONAL STRESS / [pt] RESILIÊNCIA, TRAÇOS DE PERSONALIDADE E ESTRESSORES DA DOCÊNCIA COMO PREDITORES DO ESTRESSE OCUPACIONAL

JOSE CANDIDO PEREIRA NETO 12 December 2018 (has links)
[pt] A pesquisa teve o objetivo principal de verificar o poder preditivo da resiliência, dos cinco grandes fatores de personalidade e estressores da profissão sobre o estresse ocupacional (estudo 1). Também foi objetivo verificar o poder preditivo dos estressores da docência sobre o bem-estar subjetivo para além do que é explicado por características de personalidade (estudo 2). Participaram da pesquisa 209 professores do ensino fundamental de escolas públicas e particulares. Os resultados do estudo 1 revelaram que 45 por cento da variância do estresse ocupacional foi explicado pelas variáveis do estudo. Os resultados do estudo 2 mostraram que 7 por cento da variância da satisfação de vida foi explicada por características de personalidade e 8 por cento por estressores da profissão. Afeto positivo teve 26 por cento da variância explicada por fatores de personalidade e 4 por cento pelo estressor relacionado às pressões do trabalho. Afeto negativo teve 20 por cento da variância explicada por personalidade e 20 por cento pelos estressores da docência. Conclui-se no estudo 1 que, apesar dos estressores impactarem no estresse ocupacional, as características de personalidade podem atenuar ou elevar o estresse. A resiliência, mesmo correlacionando-se negativamente com o estresse, não é um preditor significativo quando analisada com as demais variáveis. No estudo 2 os resultados mostram que os estressores da profissão impactam negativamente no bem-estar subjetivo geral, sobretudo, explicando a emergência de sentimentos negativos. / [en] The research had the main objective of verifying the predictive power of resilience, of the five great personality factors and stressors of the profession on occupational stress (study 1). It was also the objective to verify the predictive power of teachers stressors on subjective well-being beyond what is explained by personality characteristics (study 2). A total of 209 primary school teachers from public and private schools participated in the study. The results of study 1 revealed that 45 percent of the variance of occupational stress was explained by the study variables. The results of study 2 showed that 7 percent of the variance of life satisfaction was explained by personality traits and 8 percent by stressors of the profession. Affect positive had 26 percent of the variance explained by personality factors and 4 percent by the stressor related to work pressures. Negative affection had 20 percent of the variance explained by personality and 20 percent by teacher stressors. It is concluded in study 1 that, although stressors impact on occupational stress, the personality characteristics can attenuate or elevate the stress. The resilience, even negatively correlating with stress, is not a significant predictor when analyzed with the other variables. In study 2 the results show that the stressors of the profession negatively impact the general subjective well-being, above all, explaining the emergence of negative feelings.
7

[en] A PROACTIVE MODEL OF SUPPLY CHAIN RISK MANAGEMENT. / [pt] UM MODELO PRÓ-ATIVO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

VALERIA CAMPOS GOMES DE SOUZA MICCUCI 31 March 2009 (has links)
[pt] Uma nova cadeia de suprimentos vem sendo observada nos últimos anos: focada, enxuta, flexível, participativa, contudo frágil, vulnerável. Interrupções já têm sido sentidas pelas empresas, e a sensação de insegurança tem se propagado, com questionamentos a cerca da vulnerabilidade das cadeias. Tornar as empresas resilientes aos fatores aleatórios é o que tem sido buscado nos estudos e pesquisas no mundo, principalmente pelo fato de que se tornar uma empresa resiliente é possuir uma fonte de vantagens competitivas em relação às demais. Aliando-se às pesquisas mais recentes na área de gerenciamento da cadeia de suprimentos, esta tese vem propor um modelo pró- ativo de monitoramento de riscos nos processos essenciais da cadeia de suprimentos, adaptando o modelo Reason de acidente organizacional ao modelo de integração e gerenciamento de processos de negócios de uma cadeia de suprimentos de Lambert e Cooper. Os vetores orientadores para a adaptação foram: o tripé estrutural do modelo de gerenciamento da cadeia de suprimentos proposto por Lambert e Cooper; e o modelo de segurança de aviação da Marinha do Brasil. / [en] In the last years a modern supply chain is emerging: focused, lean, flexible, collaborative, nevertheless fragile and vulnerable. Since the disruptions are been perceived by companies in theirs supply chains, the perception of uncertainties and unsafeties have been diffused, and questions about the vulnerability of the supply chains have arisen. Therefore, the studies and researches in supply chain management around the world are trying to make the supply chains resilient to the random factors, mainly because to become a resilient supply chain is to be ahead of the others, getting a competitive gain. Aligning with the recent researches and studies, this thesis is proposing a proactive model of supply chain risk management. The proposed model would monitor the essential process risks along the supply chain by applying the Reason's organizational accident model to the Lambert and Cooper's model of SCM. The guide vectors used are (1) the Lambert e Cooper's conceptual framework of supply chain management model, and (2) the Brazilian navy's model of aviation safety.
8

[pt] QUEM VÊ CARA NÃO VÊ CORAÇÃO: A INFLUÊNCIA DA RESILIÊNCIA NA ADESÃO AO TRATAMENTO DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA / [en] THE FACE IS NO INDEX TO THE HEART: THE INFLUENCE OF RESILIENCE IN ADHERENCE TO TREATMENT OF HEART FAILURE

RAFAELA OLIVEIRA GRILLO 01 September 2016 (has links)
[pt] Adesão é o estabelecimento de uma atividade conjunta, na qual o paciente não apenas obedece a orientação médica, mas entende, concorda e segue a prescrição recomendada pelo seu médico. Significa que deve existir uma aliança terapêutica entre médico e paciente, na qual são reconhecidas não somente a responsabilidade específica de cada um no processo, mas também de todos os que estão envolvidos direta ou indiretamente no tratamento. A adesão varia devido a inúmeros fatores que estão relacionados com a doença, o tratamento, o doente e o método de medição. Não há consenso absoluto na definição de adesão, contudo, estudiosos concordam que a adesão não é universal e que algum tipo de não adesão é sempre esperado, mesmo no caso de doenças graves. Existem diversos fatores psicossociais que influenciam a adesão ao tratamento, dentre eles a relação médico-paciente e a resiliência. As doenças cardiovasculares são hoje uma das maiores causadoras de internações e mortes no Brasil. A Insuficiência Cardíaca é uma síndrome, com múltiplas possíveis causas, em que a boa adesão ao tratamento faz a diferença entre a vida e a morte, assim como na qualidade de vida do paciente. O objetivo deste estudo foi investigar a influência da resiliência na adesão ao tratamento e quais são os outros fatores que mais ajudam e dificultam os pacientes a aderir. Métodos: Foram investigados 50 pacientes de um ambulatório de Insuficiência Cardíaca de Hospital Universitário no Rio de Janeiro. Instrumentos: Questionário Sociodemográfico, Inventário Beck de Ansiedade, Inventário Beck de Depressão, Escala de Avaliação de Agenciamento de Autocuidado (ASAS-R), Escala de Resiliência (RS-14), Questionário de Qualidade de Vida (SF-36) e entrevista semiestruturada. Os dados foram analisados com o programa SPSS e as respostas das entrevistas foram analisadas utilizando a metodologia qualiquanti. Resultados: O tipo de adesão mais forte é a medicamentosa (t49=4,30; p<0,05). A resiliência não se associou significativamente com a adesão medicamentosa (ρ=0,17; p>0,05) e a adesão às atividades físicas (ρ=0,30; p>0,05), mas apresentou significância estatística na adesão nutricional (ρ=0,39; p<0,05). Além disso, a relação médico-paciente apresentou-se como grande facilitadora da adesão ao tratamento. Em contrapartida, percebeu-se que a depressão atrapalha na adesão nutricional (ρ= -0,33; p<0,05) e às atividades físicas (ρ= -0,48; p<0,05), assim como no autocuidado (ρ= -0,42; p<0,05). Conclusão: Devido à amostra pequena, novos estudos com maior número de sujeitos devem ser realizados para uma melhor compreensão das atitudes dos sujeitos em relação ao tratamento. Contudo, tanto a resiliência como uma boa relação médico-paciente auxiliam o paciente a conquistar um maior grau de adesão ao tratamento. / [en] Adherence is the establishment of a joint activity, in which the patient not only obeys the medical orientation, but understands, agrees and follows the prescription recommended by the doctor. It means that there must be a therapeutic alliance between doctor and patient in which not only the specific responsibilities of each party in the processis recognized, but also of all those involved directly or indirectly in treatment. The adherence varies due to several factors which are related to the disease, the treatment, the patient and the measuring method. There is no absolute consensus on the definition of adherence, but scholars agree that aderence is not universal and that some type of non-adherence is always expected, even in the case of serious diseases. There are several psychosocial factors that influence treatment adherence, including the doctor-patient relationship and resilience. Cardiovascular disease is now a major cause of hospitalization and death in Brazil. Heart failure is a syndrome with multiple possible causes, where the good treatment adherence makes the difference between life and death, as well as the quality of life of the patient. The objective of this study was to investigate the influence of resilience in adherence to treatment and what other factors that help and hinder patients adherence. Methods: Fifty patients from a heart failure clinic of University Hospital in Rio de Janeiro were investigated. Instruments: Socio-demographic questionnaire, Beck Anxiety Inventory, Beck Depression Inventory, Appraisal of Self Care Agency - Revised (ASAS-R), Resilience Scale (RS-14) Quality of Life Questionnaire (SF-36) and semi-estructured interview. Th data was analyzed using SPSS and the responses of the interviews were analyzed using the quali quantitative analysis. Results: The strongest type of adherence is to the medication (t49=4,30; p<0,05). Resilience was not significantly associated with medication adherence (ρ=0,17; p>0,05), and adherence to physical activities (ρ=0,30; p>0,05), but it was statistically significant in nutritional adherence (ρ=0,39; p<0,05). In addition, the doctor-patient relationship has been shown as a great facilitator of adherence. On the other hand, it was noted that depression impairs the nutritional adherence (ρ= -0,33; p<0,05) and adherence to physical activities (ρ= -0,48; p<0,05), as well as self-care (ρ= -0,42; p<0,05). Conclusion: Due to small sample, further studies with larger numbers of subjects should be conducted to better understand the attitudes of the subjects regarding the treatment. However, both resilience as a good doctor-patient relationship help the patient to achieve a greater degree of adherence to treatment.
9

[en] URBAN RESILIENCE: A CRITICAL POINT OF VIEW ON THE DISSEMINATION OF THE CONCEPT / [pt] RESILIÊNCIA URBANA: UM OLHAR CRÍTICO SOBRE A DISSEMINAÇÃO DO CONCEITO

KARIN CARVALHO ADAMS 27 December 2018 (has links)
[pt] Estimulado pela percepção de um crescente uso do termo “resiliência” em documentos oficiais, em ambientes acadêmicos e no vocabulário popular, o presente trabalho procura explorar as condições para a propagação do termo, assim como as consequências de seu uso em políticas públicas. O conceito, popularizado no contexto da disciplina da biologia, foi transportado para as ciências sociais a partir de uma aproximação entre as racionalidades da ecologia e da economia. Este movimento de aproximação resultou em uma nova concepção do mundo social como complexo, permeado por toda sorte de riscos, e habitado por sujeitos fundamentalmente vulneráveis. A ampla mobilização do conceito na Nova Agenda Urbana, principal documento da ONU-Habitat para a formulação de políticas urbanas, demonstra o grau de legitimidade conquistado pela ideia de resiliência urbana. Para melhor entendermos como esta ideia é invocada na prática, analisaremos seu uso nos contextos do Furacão Katrina, quando atingiu o sul dos Estados Unidos, em 2005, e no rompimento da barragem da Samarco em Mariana, ocorrido em 2015 em Minas Gerais. / [en] Encouraged by the perception of a growing use of the term resilience on official documents, in academic environments and in the popular vocabulary, the present work aims to explore the conditions for the dissemination of the term, as well as the consequences of its use in public policy discourses. The concept, which was popularized in the context of the biological sciences, was transported to the social sciences through a theoretical convergence between the rationalities of ecology and economy. This movement resulted on a new conception of the social world, in which it is conceived as complex, permeated by all sorts of risks, and populated by fundamentally vulnerable subjects. The wide employment of the concept by the New Urban Agenda, UN-Habitat s main document for urban policy formulation, demonstrates the degree of legitimacy that was conquered by the idea of an urban resilience. In order for us to better understand how the idea is evoked in practice, we will analyze its use in the contexts of Hurricane Katrina, when it hit the South of the United States, in 2005, and in the context of Samarco s dam rupture in Mariana, which took place in 2015, in Minas Gerais.
10

[en] STORMWATER MANAGEMENT WITH WATERCOURSE VALORIZATION: COMPUTATIONAL SIMULATION OF THE TINTAS RIVER BASIN / [pt] MANEJO DE ÁGUAS PLUVIAIS COM VALORIZAÇÃO DE CURSO D ÁGUA: SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DA BACIA DO RIO TINTAS

FABIANA LANZILLOTTA DA FONSECA 30 August 2018 (has links)
[pt] O crescente processo de urbanização no Brasil se iniciou de forma rápida e desordenada causando inúmeros impactos sociais e no ambiente natural. As bacias hidrográficas vêm sendo modificadas com a expansão urbana, causando impactos negativos nas cidades, como a ocorrência de catástrofes associadas a eventos pluviais de alta intensidade. De forma a mitigar os danos de ordem social e ambiental advindos de enchentes, medidas compensatórias em manejo de águas pluviais tornam-se imperativas. O presente trabalho tem por objetivo apresentar técnicas de controle para a redução do escoamento superficial, integrando ações sustentáveis de valorização de cursos d água na paisagem, e promovendo o aumento da resiliência em centros urbanos, acompanhado de um gerenciamento e monitoramento satisfatório. Em um estudo de caso na macrodrenagem, na bacia hidrográfica do rio das Tintas, localizado na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro, foi avaliado o comportamento hidrológico-hidráulico da calha através do modelo Storm Water Management Model (SWMM), prevendo-se a implantação de reservatório para amortecimento de cheias com fins múltiplos. O reservatório projetado, off-line, promoveu uma redução do pico do hidrograma de cheia da ordem de 11,6 por cento, de 74,8m(3)/s para 66,1m(3)/s na seção de deságue, no rio Sarapuí. Associado à implantação de medidas de baixo impacto (LID) e ações de valorização de cursos d água comprovou-se um aumento da resiliência e a consequente redução dos impactos advindos de enchentes urbanas na área de intervenção proposta. / [en] The increasing process of urbanization in Brazil began in a fast and disorderly way causing numerous social and natural impacts. Urban sprawl has modified the watersheds, causing negative impacts on the cities, such as the occurrence of catastrophes associated with storm events. In order to mitigate the social, environmental and financial damages caused by floods, associated with the promotion of watercourses in the urban landscape and increasing resilience in cities, compensatory measures in stormwater management become imperative.The goal of this work reffers to present alternatives and control techniques applied to drainage systems, contemplating sustainable actions to value the watercourses, integrating them to the landscape and promoting the increase of resilience in urban centers, followed by an effective management and satisfactory monitoring.

Page generated in 0.0736 seconds