• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 142
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 2
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 165
  • 86
  • 52
  • 52
  • 52
  • 51
  • 46
  • 42
  • 39
  • 25
  • 23
  • 23
  • 23
  • 20
  • 19
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
11

Efeito do treinamento muscular inspiratório em pacientes portadores de doença do refluxo gastroesofágico / Effect of inspiratory muscle training in patients with gastroesophageal reflux disease

Holanda, Esther Studart da Fonseca January 2013 (has links)
HOLANDA, Esther Studart da Fonseca. Efeito do treinamento muscular inspiratório em pacientes portadores de doença do refluxo gastroesofágico. 2013. 74 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2013. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2015-02-24T11:21:17Z No. of bitstreams: 1 2013_dis_esfholanda.pdf: 1440589 bytes, checksum: efcebbab53580b261571c7ac0b9bde06 (MD5) / Approved for entry into archive by denise santos(denise.santos@ufc.br) on 2015-02-24T11:23:22Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2013_dis_esfholanda.pdf: 1440589 bytes, checksum: efcebbab53580b261571c7ac0b9bde06 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-02-24T11:23:23Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2013_dis_esfholanda.pdf: 1440589 bytes, checksum: efcebbab53580b261571c7ac0b9bde06 (MD5) Previous issue date: 2013 / The gastroesophageal reflux disease (GERD) is a result of symptoms or lesions caused by acid reflux of gastric contents into the esophagus-peptic or supra-esophageal structures, through an antireflux barrier ineffective or insufficient defense mechanism. The lower esophageal sphincter (LES) is the main component of the antireflux barrier, comprised of an oesophageal component itself, and the other formed by the crural diaphragm. OBJECTIVE: The purpose of this randomized, controlled study was to evaluate the effect of inspiratory muscle training in patients with erosive esophagitis. METHOD: Twenty subjects with past history of GERD participated in this study. They were randomized to a control group – without load (WL group) or to an experimental group – with load (L group). All of them underwent clinical evaluation by endoscopy (EGD), manovacuometry, high-resolution manometry and pH monitoring before and after IMT with 50% of maximum inspiratory pressure (MIP), held three times a week, once a day, during eight weeks. Information regarding the subject’s age, sex, height, weight, medical history and current medical status were obtained by a questionnaire. A consent form was read and signed by the subjects before the initiation of the study. Student t tests and Wilcoxon were used to analyze the data. RESULTS: 10 subjects (3 males and 7 females - L group, aged from 43,2 ± 3,23 years) and 10 subjects (5 males and 5 females - WL group, aged 41,7±3,59 years). The experimental group tended to improve MIP more than the control group. A significant increase of MIP (76,9±6,6% to 105,6±8,6 % ρ=0.002; L group) versus (87,0±7,6% to 94,2±9,5% p=0,116; WL group), reduction of symptoms in relation to frequency of throat cleaning (2-4/week to < 1/week; ρ=0.016) and intensity of heartburn (2-4/week to <1 week; ρ=0.007). The L group increased the basal LES esophagus pressure (IMT 18,84±2,6 mmHg to 22,82±2,9 mmHg; ρ= 0.033) versus (25,26±3,9 mmHg to 25,04±3,3 mmHg p= 0,95) in those who did not receive a load training. No improvement in acid exposure of the distal after ITM. CONCLUSION: These data strongly support that's the IMT with linear load pressure increases MIP, baseline pressure respiratory average LES, possibly due to a significant improvement in mechanical efficiency of the crural diaphragm, reduces the frequency of heartburn and intensity of throat clearing, does not modify the acid exposure of the distal esophagus. / A doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) decorre de sintomas ou lesões provocadas pelo refluxo do conteúdo gástrico ácido-péptico para o esôfago ou estruturas supra-esofágicas, através de uma barreira antirrefluxo ineficaz ou de mecanismo de defesa insuficientes. O esfíncter esofagiano inferior (EEI) é o principal componente da barreira antirrefluxo, composta de um componente esofagiano propriamente, e de outro formado pelo diafragma crural. OBJETIVO: Avaliar o efeito do treinamento muscular inspiratório em pacientes com esofagite erosiva. MÉTODO: Vinte indivíduos, com história de DRGE participaram deste estudo. Eles foram randomizados para um grupo controle - sem carga (grupo SC) ou a um grupo experimental - com carga (grupo C). Todos foram submetidos a avaliação clínica por endoscopia (EDA), manovacuometria, manometria de alta resolução e monitoramento do pH antes e depois de TMI, com 50% da pressão inspiratória máxima (PImáx), realizada três vezes por semana, uma vez por dia, durante oito semanas. As informações sobre idade, sexo, altura, peso, história médica do paciente e estado de saúde atual foram obtidos através de um questionário. Um termo de consentimento foi lido e assinado pelos sujeitos antes do início do estudo. O teste t de Student e teste Wilcoson para analisar os dados. RESULTADOS: 10 indivíduos (3 homens e 7 mulheres – grupo C, com idade a partir de 43,20±3,23 anos) e 10 indivíduos (5 homens e 5 mulheres – grupo SC, com idade 41,70±3,59). O grupo experimental tendeu a melhorar a PImáxmais do que o grupo controle. Um aumento significativo da PImáx(76,9±6,6% to 105,6±8,6 % ρ=0,002; grupo C) versus (87,0±7,6% to 94,2±9,5% p=0,116; grupo SC), redução dos sintomas em relação a frequência do pigarro (2-4/semana para <1/semana; ρ=0,016) e a intensidade da pirose (2-4/semana para <1/semana; ρ=0,007). O grupo C aumentou a pressão basal de EEI (18,84±2,6 mmHg para 22,82±2,9 mmHg; ρ=0,033) versus (25,26±3,9 mmHg para 25,04±3,3 mmHg; p= 0,95) naqueles que receberam treinamento sem carga. Não houve melhora na exposição ácida do esôfago distal após TMI. CONCLUSÃO: O TMI com carga linear pressórica aumenta a PImáx, a pressão basal respiratória média do EEI, possivelmente decorrente de uma melhora significativa na eficiência da mecânica do diafragma crural, reduz frequência do pigarro e intensidade da pirose, não modifica a exposição ácida do esôfago distal.
12

Desenvolvimento de um sistema de estimulação elétrica intramuscular do diafragma

Ghedini, Rodrigo Guellner January 2015 (has links)
Objetivo: Desenvolver um sistema de estimulação elétrica do diafragma em suínos com eletrodos implantados diretamente nesse músculo através de procedimento endoscópico por via abdominal. Métodos: Foram utilizados 22 suínos fêmeas da raça Large White e 8 coelhas Nova Zelândia na realização deste trabalho, que foi dividido em 2 etapas. Na primeira parte, utilizamos coelhas que eram submetidas à laparotomia para a exploração do diafragma e localização dos pontos motores onde implantamos eletrodos e avaliamos o desempenho, quando estimulados com 10, 16, 20, 26 e 32 miliampères (mA), 15 dias após a implantação. Na segunda etapa, os suínos foram preparados e submetidos à videolaparoscopia para a implantação de eletrodos intramusculares sobre os pontos motores localizados durante a exploração. Após 15 dias os animais foram anestesiados e submetidos à eletroventilação no modo monocanal com 1 e/ou 2 eletrodos por cúpula diafragmática, por 3 horas, sendo avaliados o volume de ar corrente, gases arteriais e lactato. Resultados: No modelo em coelhos a média do volume de ar expirado apresentou uma relação proporcional com a intensidade da corrente aplicada. Com intensidade de corrente de 10 mA, a média do volume expirado foi de 15,72 ± 1,17 mL; e respectivamente com 16 mA, foi de 18,86 ± 3,69 mL; 20mA, 19,69 ± 3,72 mL; com 26 mA, 22,01 ± 4,17 mL e com 32 mA, foi de 22,36 ± 2,77 mL, atingindo até 149% o volume basal. O modelo com suínos possibilitou o aperfeiçoamento da cirurgia por videolaparoscopia com 3 trocaters e o desenvolvimento dos eletrodos implantáveis. Sessenta e oito eletrodos foram implantados no diafragma de 22 suínos, não ocorreram complicações clínicas. Com esse modelo foi possível manter uma gasometria arterial com um PH, Pco2 e Hco3 em média respectivamente de 7,47, 42 mmHg e 31 mEq/L após 1 hora, 7,46, 45 mmHg e 31 mEq/L após 3 horas e um lactato com valor médio de 1 mmol/L após 3 horas de eletroventilação. Conclusão: Os modelos experimentais em animais foram efetivos para o estudo da estimulação elétrica do diafragma com diferentes configurações de eletrodos e intensidades de corrente. Os eletrodos e a ferramenta desenvolvidos para a implantação no diafragma demonstraram um excelente desempenho na conexão entre o estimulador elétrico e o tecido muscular. A proposta de utilizar uma corrente despolarizada demonstrou ser eficaz na estimulação de ambas hemicúpulas diafragmáticas simultaneamente com apenas um canal do estimulador elétrico. / Objective: To develop a diaphragmatic electrical stimulation system with the use of intramuscular electrodes implanted directly in the diaphragm of pigs through videolaparoscopy. Methods: We used 22 Large White female pigs and 8 New Zealand male rabbits. The study was divided in two steps. In the first part we used rabbits underwent to laparotomy to explore the diaphragm and identify its motor points. One electrode was directly implanted in each hemidiaphragm and the performance of muscle contration was analysed when stimulated with 10, 16, 20, 26 and 32 milliamps (mA), 15 days after implantation. In the second study, the pigs were prepared and submitted to videolaparoscopy for the implantation of intramuscular electrodes on the motor points identified during the procedure. After 15 days the animals were anesthetized and eletroventilation in single channel mode with 1 and/or 2 electrodes in each hemidiapragm where evaluate for 3 hours. Tidal volume, arterial blood gases and lactate were analysed. Results: In the rabbit model the average of volume of air exhaled showed a proportional relationship to the applied intensity of current. With an current intensity of 10 mA, the average exhaled volume was 15.72 ± 1.17 ml and respectively, 16 mA was 18.86 ± 3.69 ml; 20mA, 19.69 ± 3.72 mL; at 26 mA 22.01 ± 4.17 ml, and of 32 mA was 22.36 ± 2.77 mL, reaching 149% baseline volume. The model with pigs enabled the improvement of surgery by laparoscopy with 3 trocars and the development of implantable electrodes. Sixty-eight electrodes were implanted in the diaphragm of 22 pigs, there were no clinical complications. With this model it was possible to maintain a concentration of normal arterial blood of PH, pCO2, and HCO3- averaged respectively 7.52, 37 mmHg and 30 mEq/L basal, 7.47, 42 mmHg and 31 mEq/L after 1 hour and 7.46, 45 mmHg and 31 mEq/l after 3 hours and an a lactate average baseline value of 1, and also 1 after 3 hours. Conclusion: The experimental animal models of the study were effective for electrical stimulation of the diaphragm whit different electrodes configurations and current intensities. The electrodes and the tool developed for implementing the diaphragm showed excellent performance in the connection between the electrical stimulator and muscle tissue. The proposal to use an unpolarized current shown to be effective in stimulating both diaphragmatic hemicúpulas simultaneously with only one channel of the electrical stimulator.
13

Acomodación abdominal: Fisiopatología de la Distensión Abdominal

Villoria Ferrer, Albert 03 May 2011 (has links)
La distensión abdominal es una alteración clínica frecuente en la población general y en especial en los pacientes afectos de trastornos funcionales digestivos donde se manifiesta de una manera más intensa. El volumen de la cavidad abdominal presenta variaciones fisiológicas en respuesta a la ingesta de alimentos, el llenado vesical o la evacuación rectal. Nuestros datos indican que cuando se realiza un incremento del volumen abdominal de forma experimental en sujetos sanos mediante la infusión de gas en el intestino, las paredes abdominales (diafragma y pared antero-lateral) responden de forma coordinada con cambios en la actividad muscular que modulan el grado de aumento del perímetro abdominal, de forma que el aumento de cintura es independiente de la posición del sujeto y no esta influenciada por la tasa de infusión de gas. Estos datos sobre coordinación abdomino-frénica en la acomodación abdominal abren la posibilidad que la distensión abdominal esté relacionada con una alteración en la actividad de la musculatura de las paredes abdominales. Utilizando el mismo modelo experimental que en sujetos sanos, observamos como los pacientes con distensión abdominal presentaron una relajación paradójica del músculo oblicuo interno durante la infusión de gas en el intestino, acompañada de un incremento del perímetro abdominal significativamente mayor que en sujetos sanos. Estos datos sugieren que la distensión abdominal se relaciona con una alteración muscular de la pared anterior del abdomen. Pero teniendo en cuenta que la cavidad abdominal esta formada por la pared anterior del abdomen y el diafragma, ¿que papel tiene el diafragma en la distensión abdominal? / Bloating is a common clinical disorder in the general population, especially in patients with functional bowel disorders. The volume of the abdominal cavity has physiological variations in response to food intake, filling bladder or rectal evacuation. We recently demonstrated, in healthy subjects, that the abdominal wall actively adapt to its content: an increase in intra-abdominal volume, modelled by colonic gas infusion, modified the muscular activity of the anterior abdominal wall and the diaphragm resulting in a metered girth increment, regardless of body posture. These data on abdomino-phrenic coordination during abdominal accommodation suggested the possibility that abdominal distension might be related to abnormal activity of the abdominal wall. Using the same experimental model, it was shown that patients complaining of abdominal distension develop a paradoxical relaxation of the anterior wall in response to colonic gas infusion, and with the same volume loads, their girth increase was significantly larger than in healthy subjects. These data suggested that abdominal distension is related to abnormal control of the anterior abdominal wall. Taking into account that the abdominal cavity is formed by the anterior abdominal wall and diaphragm, which is the role of the diaphragm in abdominal distension?. Using our provocative model, we compared the muscular responses of the abdominal walls, in healthy subjects and in patients with bloating. In contrast to healthy subjects, patients exhibited distorted accommodation: the diaphragm showed a paradoxical contraction, while the anterior wall muscles failed to contract, and even the internal oblique, which was already contracted, relaxed. In contrast to the normal synergy of the anterior wall and the diaphragm in healthy subjects, the response in patients can be described as abdomino-phrenic dysynergia. Taken together, the works of this thesis indicate that the increase in girth in patients with abdominal distension is associated with abnormal activity of the diaphragm and anterior abdominal wall.
14

Avaliação clínica e funcional do assoalho pélvico em mulheres índias que residem no parque indígena Xingu, Mato Grosso, Brasil / Clinical and functional evaluation among indigenous women living in Xingu National Park, Mato Grosso, Brazil

Araujo, Maíta Poli de [UNIFESP] January 2008 (has links) (PDF)
Made available in DSpace on 2015-12-06T23:47:42Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2008 / Objetivo: Avaliar a presença de prolapso genital (avaliação clínica), a capacidade de contração dos músculos do assoalho pélvico (avaliação funcional) e a freqüência de incontinência urinária (IU), em mulheres índias, não virgens, que residem no Parque Indfgena do Xingu (PIX), Mato Grosso, Brasil. Casuística e métodos: Estudo observacional com 377 mulheres índias, com média de idade de 31 ±15 anos, média de gestações de 5±4, paridade 4±3 filhos e índice de massa corpórea de 23,3±4 Kg/m2. A avaliação clínica foi feita pela classificação de Baden e Walker e pelo "Pelvic Organ Prolapse Quantification" (POP-Q). A avaliação funcional consistiu de medida da contração dos músculos do assoalho pélvico (MAP) pela manobra digital, graduada de 0 a 4, e com perineômetro digital. A freqüência de IU foi determinada pelo questionário "International Consultation Incontinence Questionnaire Short Form" (ICIQ-SF). Avaliaram-se os fatores de risco para prolapso em duas situações: 1) quando 0 estádio do POP-Q fosse II ou III e 2) quando 0 ponto Ba fosse maior ou igual a zero (Ba≥0). Resultados: Apenas 22 mulheres (5,8%) queixavam-se de IU e a média do escore final do ICIQ-SF foi de 0,4±2,1 (0-17). De acordo com a classificação POP-Q, 15,6% das mulheres apresentaram estádio 0, 19,4% estádio I, 63,9% estádio II e 0,8 estádio III. Quando classificados por Baden e Walker, houve maior prevalência de cistocele grau I e retocele leve. 0 parto normal foi 0 maior fator de risco para a presença de prolapso quando este foi definido pela presença de estádio II e III (OR=11.26, 95% IC 5.69-22,29). Entretanto, quando 0 prolapso foi definido pelo ponto Ba≥0, paridade (OR=9.40, 95% IC 2.81-31,42), idade (OR=1 ,03, 95% IC 1,01-1,05) e a presença de AFA 0 (OR=3,45, 95% IC 1,32-­9,08) e AFA 1 (OR=2,22, 95% IC 1,03-4,76) foram os maiores fatores de risco. A pressão de repouso elevada mostrou-se fator protetor (OR=0.96, 95% IC 0.94-0.98). Conclusão: A IU foi incomum nas índias do PIX. Semelhante a população não índia, idade e paridade foram os principais fatores de risco para prolapso, independentemente da definição utilizada. Embora tenha ocorrido prolapso genital, a capacidade de contração dos músculos do assoalho pélvico permaneceu conservada, talvez resultante do estilo de vida desta comunidade.. / Objective: to evaluate the pelvic floor muscles and the incidence of urinary incontinence among indigenous women who lives in Xingu Indigenous Park, Mato Grosso, Brazil. Methods: observational study with 377 indigenous women, mean age 31±15 years, mean gravity 5±4, mean parity 4±3 and mean body mass index 23,3±4 Kg/m2 . The International Consultation Incontinence Questionnaire (ICIQSF) was performed to evaluate the symptoms of urinary incontinence. Baden and Walker classification and the Pelvic Organ Prolapse Quantification (POP-Q) were the systems used to quantification the staging of pelvic support. The pelvic floor muscle strength was assessed by a digital vaginal examination (range 0 to 4) and using a perineometer. The risk factors for prolapse were evaluated according to: 1) POP-Q stage II or III and 2) Ba point ≥ 0. Results: the final median score of ICIQSF was 0,4 ± 2,1 (range: 0 to 17). The overall distribution of POP-Q stage system was the following: 15,6% stage 0, 19,4% stage I, 63,9% stage II and 0,8% stage III. According to the Baden and Walker classification, there was more incidence of grade I cystocele and small rectocele. Vaginal delivery was the main risk factor for prolapse when the stage II/III was used (OR=11.26, 95% CI 5.69-22). However, when the prolapse was defined according to the Ba point ≥ 0, parity (OR=9.40, 95% CI 2.81-31,42), age (OR=1,03, 95% IC 1,01-1,05) and digital palpation grade 0 (OR=3,45, 95% IC 1,32-9,08) and grade 1 (OR=2,22, 95% IC 1,03-4,76) were the most important risk factors. The high resting pressure was considered as a protector factor (OR=0,96, 95% IC 0,94-0,98). Conclusions: Urinary incontinence was uncommon in indigenous women. Like non indigenous community, age and the parity were the most important risk factors to the genital prolapse. The pelvic floor muscles strength were intact, maybe due to the indigenous lifestyle. / BV UNIFESP: Teses e dissertações
15

Função do assoalho pélvico e qualidade de vida em mulheres na pós-menopausa com e sem disfunção do assoalho pélvico / Pelvic floor function and quality of life in women in post menopause and pelvic floor dysfunction

Frota, Isabella Parente Ribeiro January 2016 (has links)
FROTA, Isabella Parente Ribeiro. Função do assoalho pélvico e qualidade de vida em mulheres na pós-menopausa com e sem disfunção do assoalho pélvico. 2016. 82 f. Dissertação (Mestrado em Cirurgia) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2016-03-15T13:14:48Z No. of bitstreams: 1 2016_dis_iprfrota.pdf: 2723991 bytes, checksum: e5d32214f1b9fe952a50eab19007b6d4 (MD5) / Approved for entry into archive by denise santos(denise.santos@ufc.br) on 2016-03-15T14:01:14Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2016_dis_iprfrota.pdf: 2723991 bytes, checksum: e5d32214f1b9fe952a50eab19007b6d4 (MD5) / Made available in DSpace on 2016-03-15T14:01:14Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2016_dis_iprfrota.pdf: 2723991 bytes, checksum: e5d32214f1b9fe952a50eab19007b6d4 (MD5) Previous issue date: 2016 / Objective: this study aims to compare pelvic floor muscle (PFM) function in post-menopause women with pelvic floor dysfunction (PFD) versus women without PFD and the relationship between PFM function and quality of life (QoL). Design: a case-control study. Methods: Two hundred sixteen post-menopause women with (n: 126) and without PFD (n: 90) were enrolled. Measurement of PFM function was performed by digital vaginal palpation (PERFECT scale) included: voluntary PFM contraction, PFM strength (Modified Oxford Grading Scale 0-5), PFM endurance and repetition. Oxford scale were compared on specific QoL using King’ Health Questionnaire (KHQ) for women with UI and prolapse quality-of-life (PQoL) for women with POP. We analyzed women with PFD into two categories according to the value obtained for the Power (from PERFECT scale): women with Power ≤2 or ≥ 3 using a Qui Square test. A general QoL using SF- 36 was used to compare women with and without PFD with a T-test, (p value ≤ 0. 05 was considered for significance). Results: The subjects were 58.0 ± 9.0 years of age, parity 3.7+3.5. Women with PFD had urinary stress incontinence (UI), n: 44; pelvic organ prolapse (POP), n: 21; UI+POP, n: 61. Modified Oxford Grading Scale had a median value 2 (0-5) in all women studied without statistical difference between groups with or without PFD. Most of the women studied had insufficient strength, reduced endurance (p=0.428) and repetition (p= 0.721) in both groups. Further, we analyzed the perineal awareness according to the absence (Power =0) or presence (Power> 1) of perceptible contraction. Again, no differences were observed between the case and control groups. When we analyzed the general QoL in all women using SF-36, we found statistically significant difference between women with and without PFD in all domains (p≤0.05). We found statistically significant difference only for perception of general health domain of KHQ (p= 0.007). No association was found between pelvic floor function and P-QoL domains. Conclusions: PFM strength was similar in women with and without PFD which suggests that there are other factors related to PFD development. General QoL is worse in women with PFD. However PFM function was not related to specific QoL as assessed by KHQ and P-QoL in women with UI and POP, respectively. / Objetivo: Este estudo teve como objetivo comparar a função dos músculos do assoalho pélvico (MAP) em mulheres na pós-menopausa com disfunção do assoalho pélvico (DAP) versus mulheres sem DAP e a relação entre a função dos MAP e a qualidade de vida (QV). Método: Estudo caso-controle com duzentos e dezesseis mulheres na pós-menopausa. Foram avaliadas e classificadas com (n: 126) e sem DAP (n: 90). Avaliação da função MAP foi realizada pela palpação digital vaginal (escala PERFECT) e incluiu: contração voluntária, a força (Escala Oxford 0-5), resistência e repetição dos MAP. Escala de Oxford foi comparada com a QV específica utilizando King Health Questionnaire (KHQ) para mulheres com IU e Prolapse Quality of Llife (P-QoL) para mulheres com POP. Analisamos as mulheres com DAP em duas categorias de acordo com o valor obtido no Power (escala PERFECT): as mulheres com força ≤2 ou ≥ 3 usando o teste Qui quadrado. A QV geral avaliada pelo SF-36 foi utilizada para comparar as mulheres com e sem DAP com o Teste t Student, (valor p ≤ 0,05 foi considerado para significância). Resultados: As mulheres tinham 58,0 ± 9,0 anos de idade, paridade 3,7 + 3,5. As mulheres com DAP tinham incontinência urinária (IU), n: 44; prolapso de órgãos pélvicos (POP), n: 21; UI + POP, n: 61. A escala Oxford teve um valor médio de 2 (0-5) em todas as mulheres estudadas, sem diferença estatística entre os grupos com ou sem DAP. A maioria das mulheres estudadas tinha força insuficiente, resistência (p = 0,428) e repetição reduzidas (p = 0,721) nos dois grupos. Além disso, foi analisada a consciência perineal de acordo com a ausência (Power = 0) ou na presença (Power > 1) de contração perceptível. Mais uma vez, não foram observadas diferenças entre os grupos caso e controle. Quando analisamos a QV geral (SF-36), encontramos que mulheres com DAP apresentam pior escores de QV em todos os domínios em comparação a mulheres sem DAP (p≤0,05). Foi encontrada diferença estatisticamente significativa apenas para domínio percepção de estado geral de saúde do KHQ (p = 0,007). Não foi encontrada associação entre a função do assoalho pélvico e domínios PQoL. Conclusões: A força dos MAP foi semelhante em mulheres com e sem DAP o que sugere que há outros fatores relacionados ao desenvolvimento DAP. A QV geral é pior em mulheres com DAP. Contudo, a função MAP não foi relacionada com a QV específica, avaliada pela KHQ e P-QoL em mulheres com IU e POP, respectivamente.
16

Características anatômicas e funcionais do assoalho pélvico em nulíparas submetidas a ultrassonografia endovaginal tridimensional e avaliação da concordância interobservador / Anatomical and functional characteristics of the pelvic floor in nulliparous subjected to three-dimensional transvaginal ultrasound and assessment of interobserver agreement

Pereira, Jacyara de Jesus Rosa 17 March 2014 (has links)
PEREIRA, J. J. R. Características anatômicas e funcionais do assoalho pélvico em nulíparas submetidas a ultrassonografia endovaginal tridimensional e avaliação da concordância interobservador. 2014. 66 f. Dissertação (Mestrado em Cirurgia) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014. / Submitted by Erika Fernandes (erikaleitefernandes@gmail.com) on 2016-08-23T12:39:52Z No. of bitstreams: 1 2014_jjrpereira.pdf: 1250875 bytes, checksum: 08dd46e2a4deed6878ff294c2bf8aa48 (MD5) / Approved for entry into archive by Erika Fernandes (erikaleitefernandes@gmail.com) on 2016-08-23T12:40:01Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2014_jjrpereira.pdf: 1250875 bytes, checksum: 08dd46e2a4deed6878ff294c2bf8aa48 (MD5) / Made available in DSpace on 2016-08-23T12:40:01Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2014_jjrpereira.pdf: 1250875 bytes, checksum: 08dd46e2a4deed6878ff294c2bf8aa48 (MD5) Previous issue date: 2014-03-17 / Understanding the pathogenesis of pelvic floor dysfunction (AP) requires extensive knowledge of anatomy. Recent advances in imaging technologies have opened new possibilities for research. However, 30% of surgeries are failures and the main cause is the lack of knowledge of the complex anatomy and the difficulty in diagnosing diseases of this region. The aim of this study was to evaluate the anatomy of the AP nulliparous asymptomatic at rest and Valsalva maneuver, using transvaginal ultrasonography threedimensional (UTV-3D). Nulliparous asymptomatic volunteers underwent echodefecography to identify dynamic changes in the Posterior Compartment (CP), including anatomical (rectocele, intussusceptions, entero/sigmoidocele and perineal descent) and functional (no relaxation or paradoxical contraction of puborectalis) and evaluated with 3D UTV biometric indexes to determine the urogenital gap (HU) of the anus, the thickness of the pubovisceral muscle (PVM), urethral length, anorectal angle position of the anorectal junction and position of the bladder neck. All measurements were compared at rest and during Valsalva, and determined perineal and bladder neck descent. The interobserver variability was assessed using the intraclass correlation coefficient. Thirty four volunteers were evaluated with echodefecography and TVU-3D. From these, 20 were included in the study. The 14 excluded showed dynamic changes in CP. During the Valsalva maneuver, the hiatal area was higher. The urethra was significantly shorter and the anorectal angle was greater. Measurements at rest and during Valsalva differ significantly with respect to the position of the anorectal junction and the bladder neck. The average value of the descending perineum and the descent of the bladder were 0.6 cm and 0.5 cm above the pubic symphysis, respectively. The intraclass correlation coefficient ranged from 0.62 to 0.93. We conclude that thefunctional biometric indices, normal perineal descent, and the values of descent of the bladder neck were determined for young nulliparous asymptomatic women using UTV. The method was reliable to measure the structures of the pelvic floor at rest and during the Valsalva maneuver, and therefore may be appropriate to identify dysfunction in symptomatic patients. / O assoalho pélvico (AP) é caracterizado como uma lâmina muscular em forma de cúpula, composta por músculo estriado que encerra órgãos como útero, bexiga e uretra. O músculo levantador do ânus é reconhecido como responsável pelo apoio ativo do AP, apesar de ser o músculo mais estudado, é aquele que pouco se sabe. Vários métodos de imagem existem para avaliar o AP, no entanto, ainda assim, a recidiva das patologias dessa região após o tratamento cirúrgico é grande. Assim, em aproximadamente 30% dos paciente operados são necessárias reabordagens cirúrgicas, indicando que os mecanismos causadores ainda permanecem incompreendidos. O exame físico, por si só, é uma ferramenta pobre para avaliar a função do AP e sua anatomia; pois suas habilidades são simplesmente inadequadas, com foco em anatomia de superfície, em vez de verdadeiras anormalidades estruturais. A ultrassonografia endovaginal tridimensional (UTV - 3D) torna possível avaliar o AP em múltiplos planos anatômicos com alta resolução . O objetivo deste estudo foi avaliar a anatomia do AP de nulíparas assintomáticas durante o repouso e a manobra de Valsalva, usando ultrassonografia endovaginal 3D . Foram avaliadas nesse estudo prospectivo 20 nulíparas assintomáticas com UTV - 3D durante o repouso e a manobra de Valsalva. Índices biométricos do hiato levantador (HL) (diâmetro ântero-posterior, látero-lateral e sua área) e do músculo pubovisceral (MPV) (espessura esquerda e direita) foram registrados e comparados no repouso e durante a manobra de Valsalva. Mensurações incluindo o comprimento da uretra, a posição da junção anorretal (a distância da junção anorretal para a margem menor da sínfise púbica - SP), e a posição do colo da bexiga (CB) (a distância do CB para a SP) foram realizadas no repouso e durante a Valsalva, para determinar o descenso perineal e do colo da bexiga, respectivamente. A correlação entre a área do HL e a posição da junção anorretal e do colo da bexiga foram determinados. Variabilidade entre os observadores forram avaliadas e os dados analisados com o teste t de Student, coeficiente de correlação Pearson e coeficiente de correlação intraclasse (ICC). O p<0.05 foi o valor utilizado para significância estatística. As medidas para o HL e do MPR não foram estatisticamente significante quando comparadas no repouso e durante a manobra de valsalva. Entretanto, foram estatisticamente significante mensurações no repouso e durante a manobra de valsalva para a posição da junção anorretal (2,1 cm vs 1,4 cm acima da SP) (p=0,0114) e para o colo da bexiga (2,9 cm vc 2,3 cm acima da SP) (p=0,0004). Os valores para o descenso perineal normal e para o descenso do colo da bexiga foram de 0,7 cm e 0,6 cm acima da SP, respectivamente. Em dois pacientes a junção anorretal foram de 0,1 e 0,6 cm acima da SP. O comprimido da uretra diminuiu durante a Valsalva (2,9 cm vc. 2,4 cm) (p=0,0014). Não foram encontradas correlação entre a maior área do HL e a posição mais inferior da junção anorretal e do CB durante a manobra de Valsalva. Os valores do ICC variou de 0,643-0,937 para o repouso e de 0,536-0,957 durante a manobra de Valsalva. Conclui-se que, os índices biométricos funcionais, o descenso perineal normal, e os valores de descida do colo da bexiga foram determinados para jovens mulheres nulíparas assintomáticas utilizando ultrassonografia endovaginal 3D. O método mostrou-se confiável para medir as estruturas do assoalho pélvico em repouso e durante a Manobra de Valsalva, e, portanto, pode ser um método adequado para identificar disfunções em pacientes sintomáticos.
17

Motilidade esofágica e influência de manobras inspiratórias padronizadas na pressão do esfíncter esofágico inferior de pacientes com esofagite erosiva leve

Martins, Giovanni Bezerra January 2010 (has links)
MARTINS, Giovanni Bezerra. Motilidade esofágica e influência de manobras inspiratórias padronizadas na pressão do esfíncter esofágico inferior de pacientes com esofagite erosiva leve. 2010. 67 f. Dissertação (Mestrado em Cirurgia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2010. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2014-02-20T12:33:22Z No. of bitstreams: 1 2010_dis_gbmartins.pdf: 1005766 bytes, checksum: cbd281caeee59db55ce6f1fbe8e47c8b (MD5) / Approved for entry into archive by denise santos(denise.santos@ufc.br) on 2014-02-20T12:34:05Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2010_dis_gbmartins.pdf: 1005766 bytes, checksum: cbd281caeee59db55ce6f1fbe8e47c8b (MD5) / Made available in DSpace on 2014-02-20T12:34:05Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2010_dis_gbmartins.pdf: 1005766 bytes, checksum: cbd281caeee59db55ce6f1fbe8e47c8b (MD5) Previous issue date: 2010 / The behavior of the lower esophageal sphincter (LES) was studied by manometry in 21 healthy volunteers of both gender, aged 20-47 years who were divided into two groups: one group called the ESOPHAGITIS (GE) and a second group , the CONTROL group (GC). The GE was composed of 13 patients diagnosed with mild reflux esophagitis without hiatal hernia or hernias up to 2 cm. The GC was of healthy volunteers. A previous interview was conducted where the symptoms of patients was recorded by scores. The examination was performed with a probe Dentsleeve. The survey consisted of two phases. Initially standardized ventilatory maneuvers were performed: respiratory sinus arrhythmia (ASR), forced inspiration in the strength of a linear inspiratory resistance valve (Threshold ® IMT) with loads of 17, 35 and 70 cmH2O. Finally, after a standardized caloric meal, we proceeded to the observation of spontaneous transient relaxation of the LES (RTEEEIs) for one hour. All patients with esophagitis had heartburn. Regurgitation occurred in 84.6% and dysphagia in 69.2%. The basal LES pressure in subjects with reflux esophagitis was similar to the group of healthy volunteers (GC = 25.1 ± 4.1 versus 20.1 ± GE = 2.1, p = 0251). The maximum pressure during the maneuver of the EEI during the ASR was lower in GE (94.3 ± 9.4 mmHg versus 28.8 ± 13.85 mmHg, p = 0.046). The contraction of the LES pressure during inspiration with a load of 70 cmH2O was lower in the GC (166.6 ± 18 mmHg versus 121.2 ± 11.9 mmHg, p = 0.041). This pressure was positively correlated with basal LES pressure (r2 = 0.224; p = 0.023). The number of spontaneous relaxations of the LES per hour was higher in GE {[15 (6-20)] versus [22 (9-38)], p = 0.025}. The total duration of all RTEEEI was also higher in the GC (332.0 ± 72.1 versus 711.2 ± 131.3, p = 0.078), but did not reach statistical significance. The average duration of relaxation was not different between the two groups grupos (GC = 23.3 ± 2.2 versus GE = 28.2 ± 3.1; p= 0.337). We conclude that the contraction pressure of antireflux barrier in patients with erosive esophagitis is lower than in healthy volunteers, even when they have normal basal pressure of the LES. / O comportamento do esfíncter esofágico inferior (EEI) foi estudado através de manometria em 21 voluntários, de ambos os gênero, com idade variando de 20 a 47 anos que foram distribuídos em 2 grupos: um grupo denominado ESOFAGITE (GE) e um segundo grupo, chamado CONTROLE (GC). O GE foi composto por 13 paciente com diagnóstico de esofagite de refluxo leve sem hérnia hiatal ou com hérnias de até 2 cm. O GC foi de voluntários sadios. Uma entrevista prévia foi realizada onde a sintomatologia dos pacientes era registrada através de escores. O exame foi realizado com uma sonda Dentsleeve. O exame consistia em 2 fases. Inicialmente eram realizadas manobras ventilatórias padronizadas: arritmia sinusal respiratória (ASR), inspiração forçada sob a resistência de uma válvula de resistência inspiratória linear (Threshold IMT®) com cargas de 17, 35 e 70 cmH2O. Finalmente, após uma refeição calórica padronizada, procedia-se a observação dos relaxamentos transitórios espontâneos do EEI (RTEEEIs) por uma hora. Todos os pacientes com esofagite apresentavam pirose. Regurgitação ocorreu em 84,6% e disfagia em 69,2%. A pressão basal do EEI nos voluntários com esofagite de refluxo foi semelhante a do grupo de voluntários sadios (GC = 25,1 ± 4,1 versus GE = 20,1 ± 2,1; p = 0.251). A pressão máxima do EEI durante a manobra de ASR foi menor no GE (94,3 ± 9,4 mmHg versus 28,8 ± 13,85 mmHg; p = 0.046). A pressão de contração do EEI durante a inspiração com carga de 70 cmH2O foi menor no GE (166,6 ± 18 mmHg versus 121,2 ± 11,9 mmHg; p = 0,041). Esta pressão se correlacionou positivamente com a pressão basal do EEI (r2 = 0,224; p = 0,023). O número de relaxamentos espontâneos do EEI por hora foi maior no GE {[15 (6 – 20)] versus [22 (9 – 38)], p= 0,025}. O somatório da duração de todos os RTEEEI também foi maior no GC (332,0 ± 72,1 versus 711,2 ± 131,3, p = 0,078),GE (332,0 ± 72,1 versus 711,2 ± 131,3, p = 0,078), mas não alcançou significância estatística. A duração média dos relaxamentos não foi diferente entre os dois grupos grupos (GC = 23,3 ± 2,2 versus GE = 28,2 ± 3,1; p= 0,337). Conclui-se que a pressão de contração da barreira antirefluxo em pacientes com esofagite erosiva é menor que em voluntários sadios, mesmo quando apresentam pressão basal do EEI normal.
18

Dimensionamento, construção e realização de testes de desempenho de um tubo de vórtice que opere em baixas pressões para acionamento por energia solar / Sizing, constructions and realization of tests of performance of a vortex tube that operate at low pressures to drive by solar energy

Silva, George Miranda Alves de Moraes e 15 March 2012 (has links)
SILVA, G. M. A. M. Dimensionamento, construção e realização de testes de desempenho de um tubo de vórtice que opere em baixas pressões para acionamento por energia solar. 2012. 88 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Mecânica) – Centro de Tecnologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2012. / Submitted by Marlene Sousa (mmarlene@ufc.br) on 2015-03-05T11:30:12Z No. of bitstreams: 1 2012_dis_gmamsilva.pdf: 6142459 bytes, checksum: 93a7909b47ff2ee651e17e57a5fce36b (MD5) / Approved for entry into archive by Marlene Sousa(mmarlene@ufc.br) on 2015-03-24T11:44:44Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2012_dis_gmamsilva.pdf: 6142459 bytes, checksum: 93a7909b47ff2ee651e17e57a5fce36b (MD5) / Made available in DSpace on 2015-03-24T11:44:44Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2012_dis_gmamsilva.pdf: 6142459 bytes, checksum: 93a7909b47ff2ee651e17e57a5fce36b (MD5) Previous issue date: 2012-03-15 / This paper aims to scale, build and test a new vortex tube, operating from the use of compressed air at pressures below the pressure ranges typical of this unconventional cooling device for the purpose of obtaining drafts cold for air conditioning. For that were originally studied theoretical and experimental aspects of flow processes through tests performed in the laboratory with a commercial vortex tube. Known influence of geometric parameters (such as the ratio between the length and internal diameter of the tube and the diameter of the diaphragm hole) and the thermophysical properties (such as inlet pressure gauge in the compressed air tube and the mass flow rate of the stream cold) air in the performance of the vortex tube, gave up the step of sizing the same. After engineered and designed parts of the tube, the final steps were the manufacture of pipe and conducting experimental tests, beyond the selection of a photovoltaic array to provide the power required to drive the compressor. The results of the laboratory tests with a vortex tube counter-current type, internal diameter D equal to 16.5 mm and a length equal to fifteen times this value, and configured diaphragm orifice diameter of 0.5D showed that temperatures of the cold air flow of 9.5 °C at a mass flow of 40% of the mass flow input are obtained when delivered by the compressor inlet gauge pressure of 3 bar and volumetric flow rate of 3.15 L/s compressed air. / O presente trabalho tem como objetivos dimensionar, construir e testar um novo tubo de vórtice, que opere a partir da utilização de ar comprimido em pressões abaixo das faixas de pressão típicas deste dispositivo de refrigeração não-convencional, com o propósito de obter correntes de ar frio para climatização. Para tanto, foram inicialmente estudados aspectos teórico-experimentais dos processos de escoamento, através de testes realizados em laboratório com um tubo de vórtice comercial. Conhecida a influência dos parâmetros geométricos (tais como a razão entre o comprimento e diâmetro interno do tubo e o diâmetro do orifício do diafragma) e das propriedades termofísicas (tais como a pressão manométrica de entrada no tubo do ar comprimido e o percentual de vazão mássica da corrente de ar frio) no desempenho do tubo de vórtice, deu-se a etapa de dimensionamento do mesmo. Depois de projetadas e desenhadas as peças do tubo, as etapas finais foram a fabricação do tubo e a realização de testes experimentais, além da seleção de um arranjo fotovoltaico que forneça a potência necessária para o acionamento do compressor. Os resultados dos testes em laboratório com um tubo de vórtice do tipo contra-corrente, de diâmetro interno D igual 16,5 mm e comprimento igual a quinze vezes esse valor, e configurado com diafragma de diâmetro do orifício de 0,5D, mostraram que são obtidas temperaturas da corrente de ar frio de 9,5 ºC a uma vazão mássica de 40% da vazão mássica de entrada, quando fornecido pelo compressor pressão manométrica de entrada de 3 bar e vazão volumétrica de 3,15 L/s de ar comprimido.
19

Efeitos da ventilação mecânica controlada e da ventilação por pressão de suporte sobre o músculo diafragma de ratos

de Sá Braga Oliveira, André 31 January 2010 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T22:57:41Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo2789_1.pdf: 1384050 bytes, checksum: e0bdedf479359d1e99e0933285066c05 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2010 / A assistência ventilatória mecânica (AVM) controlada induz profundas alterações na musculatura diafragmática, causando a chamada disfunção diafragmática induzida pela ventilação mecânica (DDIV). Essas alterações parecem poder ser atenuadas quando utilizados modos com participação da atividade diafragmática, como o de Pressão de Suporte (PSV). O objetivo do trabalho foi avaliar os efeitos do modo ventilatório controlado por pressão controlada (PCV-C) e do modo PSV sobre a histologia e morfometria do músculo diafragma de ratos. Ratos (n = 18) da linhagem Wistar foram incluídos nesse estudo prospectivo. Após injeção intraperitoneal de anestésico e sedativo, os ratos foram distribuídos no grupo controle (RE) e para receber AVM por 6 horas no modo PCV-C e no modo PSV. Após esse período, os animais foram eutanasiados, o diafragma retirado e encaminhado para a análise histológica e morfométrica. Os resultados revelaram uma redução da área das fibras musculares de 15% no grupo PCV-C em comparação ao controle (p<0,001) e de 10% quando comparado ao grupo PSV (p<0,05). Já com relação ao diâmetro menor das fibras musculares observou-se uma redução de 9% do grupo PCV-C em comparação ao controle (p<0,001) e de 6% em relação ao grupo PSV (p<0,05). Quando avaliada a área dos mionúcleos, notou-se uma redução de 16% desse parâmetro no grupo PCV-C, comparado ao PSV (p<0,05). Não houve diferença significativa no perímetro dos mionúcleos entre os grupos estudados (p>0,05). O grupo PCV-C apresentou atrofia muscular em um período curto de ventilação mecânica. O modo PSV parece atenuar os efeitos da DDIV, sendo uma alternativa eficiente no controle da atrofia muscular decorrente do uso do suporte ventilatório
20

A influência do treinamento muscular inspiratório sobre a mobilidade diafragmática, pressões respiratórias máximas e função pulmonar em obesos mórbidos

TENÓRIO, Luís Henrique Sarmento 16 March 2012 (has links)
Submitted by Heitor Rapela Medeiros (heitor.rapela@ufpe.br) on 2015-03-05T17:30:44Z No. of bitstreams: 2 Dissertação Luís Tenório Entrega.pdf: 1566678 bytes, checksum: 5cadb89195739934fc29d3c44bba34c0 (MD5) license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-03-05T17:30:44Z (GMT). No. of bitstreams: 2 Dissertação Luís Tenório Entrega.pdf: 1566678 bytes, checksum: 5cadb89195739934fc29d3c44bba34c0 (MD5) license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) Previous issue date: 2012-03-16 / Determinar, em indivíduos obesos mórbidos, a mobilidade diafragmática e avaliar as repercussões do treinamento muscular inspiratório (TMI) de doze semanas sobre a função pulmonar e pressões respiratórias máximas nesses indivíduos. Desenho do Estudo: Avaliou-se a função pulmonar, mobilidade diafragmática (MD) e pressões respiratórias máximas antes e após o TMI. Avaliou-se o efeito do TMI sobre a força muscular respiratória, excursão diafragmática e função pulmonar em 31 indivíduos obesos mórbidos. Os voluntários foram randomizados em dois grupos: O grupo do treinamento muscular inspiratório (GTMI: n=16) que seguiu o protocolo de TMI com duração de doze semanas, realizado cinco vezes por semana, durante 30 minutos diários (15 minutos pela manhã e 15 minutos pela noite) e carga de 30% da pressão inspiratória máxima (PImax); O grupo controle (GC: n=15) que seguiu o mesmo protocolo de TMI sem carga inspiratória. Resultados: Após o TMI observou-se aumento significativo na PImax (-86.86 cmH2O ± -20.70 versus -106.43 cmH2O ± -32.97; p<0.05) e na ventilação voluntária máxima (VVM) (97.84 L/min ± 37.06 versus 115.17 L/min ± 34.17, p<0.05) no grupo TMI. No entanto, não se observou nenhuma mudança nas variáveis espirométricas, exceto pelo volume inspiratório forçado no primeiro segundo (VIF1) ao fim do protocolo, quando comparados o GTMI e o GC (3,35 L ± 0,96 versus 2,22 L ± 1,07; p<0,05). Não observadas diferenças da mobilidade diafragmática após a realização do protocolo de TMI em ambos os grupos. Conclusões: No presente estudo foi mostrado que é possível realizar a avaliação indireta do diafragma através da ultrassonografia modo-B em obesos mórbidos, sendo uma ferramenta útil para detectar possíveis disfunções relacionadas a esse músculo. O TMI aumentou as pressões respiratórias máximas, a ventilação voluntária máxima e promoveu alterações na VIF1. Esses achados sugerem que a eficiência muscular respiratória, alcançada com essa intervenção, foi insuficiente para mobilizar o diafragma e modificar a mecânica ventilatória, provavelmente pela presença do tecido adiposo que adicionou resistência ao sistema respiratório.

Page generated in 0.0575 seconds