• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 142
  • 6
  • 5
  • 4
  • 3
  • 2
  • 2
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 165
  • 86
  • 52
  • 52
  • 52
  • 51
  • 46
  • 42
  • 39
  • 25
  • 23
  • 23
  • 23
  • 20
  • 19
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Estudo comparativo dos efeitos do veneno bruto de Brothrops neuwiedi goyazensis, B.n. paranaensis e B.n. diporus sobre a junção neuromuscular de preparações isoladas de ave e de mamifero

Abreu, Valdemir Aparecido de 12 October 2003 (has links)
Orientador: Lea Rodrigues Simioni / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas / Made available in DSpace on 2018-08-04T01:17:33Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Abreu_ValdemirAparecidode_M.pdf: 6532382 bytes, checksum: 5437eb3cbdee545176506eb3dc604860 (MD5) Previous issue date: 2004 / Resumo: Os acidentes ofídicos no Brasil possuem importante relevância do ponto de vista médico. Nos casos cuja serpente foi identificada, 90,5% foram causados por serpentes do gênero Bothrops, segundo o Ministério da Saúde. Entre as principais causas que levam ao óbito estão a insuficiência renal aguda, o choque, a insuficiência respiratória aguda e a septicemia. O Complexo Bothrops Neuwiedi, assim denominado devido ao grande número de espécies que agrega, distribui-se amplamente pela América do Sul. A comparação dos efeitos neuromusculares entre os venenos de três subespécies, Bothrops neuwiedi goyazensis,Bothrops neuwiedi paranaensis e Bothrops neuwiedi diporus foi efetuada através da medida da atividade fosfolipásica dos venenos e também por protocolos farmacológicos clássicos, através de técnica miográfica convencional, usando preparações de ave (biventer cervicis de pintainho) e de mamífero (nervo frênico-diaftagma de camundongo). Testados em preparações de ave, 10-200 µg/m1, os três venenos mostraram-se menos ativos, na junção neuromuscular, do que em preparações de mamíferos, exibindo os seguintes efeitos: na concentração de 50 µg/m1, a 37°C o veneno de B.n.goyazensis mostrou-se o mais ativo. No entanto, a 22°C, o veneno de B.n.diporus, na mesma concentração, mostrou-se o mais ativo, demonstrando que esses venenos atuam de maneira diferenciada sobre a junção neuromuscular. Testados em preparação de mamífero, 10-100 µglm1, os venenos estudados causaram o bloqueio total da resposta contrátil, a 37°C e a 22°C, demonstrando nesse caso que a ação do componente ou componentes responsáveis pelo bloqueio neuromuscular independem da temperatura. Os resultados obtidos diferem dos encontrados na literatura sobre B.neuwiedi, no que se refere ao tipo de preparação utilizada, uma vez que esses resultados apontam para uma maior sensibilidadedas preparações de mamífero do que das preparações de ave. Os venenos de B.n.goyazensis e B.n.paranaensis inibem a ação contraturante da acetilcolina, apresentam pequeno, porém, significativo aumento da amplitude da resposta contrátil, com bloqueio parcial da resposta contrátil e contratura, além de inibir a contratura em resposta ao potássio. A atividade farmacológica desses venenos sugere efeitos neurotóxicos pós-sinápticos e também miotóxicos. O veneno de B.n.diporus inibiua ação contraturante da acetilcolinae a resposta ao potássio, produzindo contratura. Os resultados sugerem uma atividade neurotóxica pós-sináptica, além da miotóxica. Substituindo-se o Ca2+ pelo Sr2+, o veneno de B.n.diporus não apresentou seu efeito bloqueador neuromuscular, sugerindo que, provavelmente, esse efeito envolva uma atividade catalítica. Comparando-se os venenos quanto à atividade fosfolipásica, os resultados apresentam a seguinte ordem: B.n.diporus, de maior potência, seguido por B.n.paranaensis e, por último, B.n.goyazensis, o de menor potência / Abstract: Accidents caused by snakes in Brazil possesses importance of the medical point of view. In cases that the serpent was identified, 90,5% were caused by genera Bothrops, according to the Health Ministry of Brazil. The main causes of death are the acute renal insuficience, the shock, the acute breathing insuficienceand the septicemy. The Bothrops neuwiedi complex of snakes has a wide distribution in South America. In this work, we compared the pharmacological and phospholipase A2(PLA2) activities of venoms from three subspecies (B. n. goyazensis, B. n. paranaensis and B. n. diporus) of this complexoPLA2 activity was measured colorimetricalIy and pharmacological activity was assessed in chick biventer cervicis (BC) and mouse phrenic nerve-diaphragm (pND) preparations. Comparison of the PLA2 activities of the venoms showed that the order of potency was B. n. diporus > B. n. paranaensis > B. n. goyazensis. In BC preparations, alI of the venoms (50, 100 and 200 µg/ml, n=3-5 each) caused long-Iasting, concentrationdependent muscle contracture and twitch-tension blockade, and also inhibited the muscle. responses to ACh and KCI. The venoms were three times less potent in BC than in PND preparations. In avian preparations, B. n. goyazensis venom (50 µg/ml) was only active at 37°C (50% blockade in 102:1:9min; meanj:SEM, n=5) whereas B. n. diporus venom (50 Ilg/ml) was active only at 22°C (50% blockade in 80:1:10min; meanj:SEM, n=5). In avian preparations, B. n. goyazensis (100 µg /ml, at 37° or 22°C) and B. n. paranaensis (50 µg/ml, at 22°C) venoms showed a small but significant increase in the twitch-tension (p<0.05) and only partial blockade (20-40% afier 120 min). These results indicate that these venoms contain compounds that interfere primarily with post-synaptic neurotransmission. In contrast to avian preparations, alI of the venoms (100 µg/ml) caused total blockade of the twitch tension responses in PND within 45-100 min, at 37°C or 22°C, indicating that the neuromuscular blockade was not temperature-dependent in this preparation. In addition, the neuromuscular action ofthese venoms was not directly related to their enzymatic activity / Mestrado / Farmacologia / Mestre em Farmacologia
2

Avaliação do refluxo gastroesofágico e da barreira antirrefluxo em repouso e após manobras inspiratórias padronizadas em pacientes com asma controlada / Evaluation of gastroesophageal reflux and antireflux barrier at rest and after standard inspiratory maneuvers in patients with controlled asthma

Oliveira, Esther Cristina Arruda January 2015 (has links)
OLIVEIRA, Esther Cristina Arruda. Avaliação do refluxo gastroesofágico e da barreira antirrefluxo em repouso e após manobras inspiratórias padronizadas em pacientes com asma controlada. 2015. 85 f. Dissertação (Mestrado em Cirurgia) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2016-03-07T11:34:56Z No. of bitstreams: 1 2015_dis_ecaoliveira.pdf: 1501110 bytes, checksum: c960749feeb607cba8219a2043808d7d (MD5) / Approved for entry into archive by denise santos(denise.santos@ufc.br) on 2016-03-07T13:03:55Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2015_dis_ecaoliveira.pdf: 1501110 bytes, checksum: c960749feeb607cba8219a2043808d7d (MD5) / Made available in DSpace on 2016-03-07T13:03:56Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2015_dis_ecaoliveira.pdf: 1501110 bytes, checksum: c960749feeb607cba8219a2043808d7d (MD5) Previous issue date: 2015 / Background: The antireflux barrier, located in the gastroesophageal junction (EGJ), is primarily responsible for preventing the development of GERD. It is an anatomically complex area where the antireflux function depends on the intrinsic pressure of the lower esophageal sphincter (LES) and extrinsic compression of the crural diaphragm, besides the integrity of phreno-esophageal ligament and maintaining the angle of His. The GERD can induce symptoms in patients with asthma using proximal GERD causing bronchoconstriction and vagal reflexes. Objective: To evaluate gastroesophageal reflux and the antireflux barrier at rest and after standard inspiratory maneuvers in patients with controlled asthma. Methods: This was a quantitative, descriptive study in 15 volunteers with controlled asthma presenting symptoms of GERD and 10 clinically asymptomatic volunteers without symptoms of GERD and asthma. All patients underwent clinical evaluation (questionnaire), spirometry, high resolution manometry (HRM), manovacuometry (IPmax) and pH monitoring. Results: The sample consisted of 25 female volunteers divided into 2 groups: Group A, consisting of 15 patients with asthma controlled with a mean age of 46.1 and standard deviation(SD) 8.41; and group C, Control, composed of 10 healthy volunteers with a mean age of 36.2 and standard deviation 12.61. Patients undergoing high-resolution manometry at rest and during sinus arrhythmia maneuvers had mean baseline pressures in group A was 19.58; standard deviation 6.87 and group C basal medium pressure 30.61; standard deviation of 8.01 (p = 0.001). The contractility index in group A had a mean of 49.58; standard deviation 63.50 and average group C 121.58; standard deviation of 95.40 (p = 0.021) which was statistically significant. Baseline mean pressures before sinus arrhythmia maneuver and resistive loads through threeshold 12 and 48 in controlled asthma were ASR: 19.58; SD: 6.87 (p = 0.001); Th 12: 23.273; SD: 7.41 (p = 0.028); Th 24: 26.78; SD: 14.50 (p: 0.267); Th 48: 24.773; SD: 5.94 (p = 0.009). The results were statistically significant lower than the control group. Mean baseline pressures before performing the ASR and resistive loads maneuvers in controlled group of asthmatic patients showed significant statistical increase between the basal medium pressure before performing ASR maneuver and the mean baseline pressure prior to TH 24 (p <0.001). Conclusion: The mean baseline pressure within the gastroesophageal junction and contractility index were significantly lower, as well as before performing respiratory sinus arrhythmia maneuver and resistive loads of threshould 12 and 48 in controlled asthmatic volunteers compared with control group. The mean baseline pressure before performing ASR maneuver and the mean baseline pressure before performing TH 24 observed in the study in controlled asthma had a statistically significant increase. / Contextualização: A barreira anti-refluxo, localizada na junção esofagogástrica (JEG), é a principal responsável para impedir o desenvolvimento da DRGE. É uma zona anatomicamente complexa cuja função antirrefluxo depende da pressão intrínseca do esfíncter esofagiano inferior (EEI) e compressão extrínseca do diafragma crural, além da integridade do ligamento freno-esofágico e manutenção do ângulo de His. A DRGE pode induzir sintomas em pacientes com asma através RGE proximal provocando broncoconstrição e reflexos vagais. Objetivo: Avaliar o refluxo gastroesofágico e a barreira anti-refluxo em repouso e após manobras inspiratórias padronizadas em pacientes com asma controlada. Métodos: Tratou-se de um estudo quantitativo, transversal e descritivo em 15 voluntários com diagnóstico de asma controlada que apresentaram sintomas de DRGE e 10 voluntários assintomáticos clinicamente sem sintomas de DRGE e asma. Todos foram submetidos à avaliação clínica (questionário), espirometria, manometria alta resolução (MAR), manovacuometria (PImáx) e pHmetria 24h. Resultados: A amostra foi constituída por 25 voluntários do sexo feminino divididos em 2 grupos: o grupo A, composto por 15 portadores de asma controlada com idade média de 46,1 e desvio padrão 8,41; e o grupo C, Controle, composto por 10 voluntários saudáveis com idade média de 36,2 e desvio padrão 12,61. Os pacientes submetidos à manometria de alta resolução em repouso e durante manobras de arritmia sinusal apresentaram pressões média basal no grupo A foi de 19,58; desvio padrão 6,87 e grupo C pressão média basal de 30,61; desvio padrão 8,01 (p= 0,001). O índice de contratilidade no grupo A apresentou média de 49,58; desvio padrão 63,50 e grupo C média 121,58; desvio padrão 95,40, (p=0,021) significante estatisticamente. As pressões média basais antes de manobra de arritmia sinusal e com cargas resistivas através de threeshold 12 e 48 em asmáticos controlados foram ASR: 19,58; desvio padrão: 6,87 (p=0,001); Th 12: 23,273; desvio padrão: 7,41 (p=0,028); Th 24: 26,78; desvio padrão: 14,50 (p:0,267); Th 48:24,773; desvio padrão: 5,94 (p=0,009). Os resultados apresentados foram menores estatisticamente significantes em relação ao grupo controle. As pressões médias basais antes da realização das manobras de ASR e com cargas resistivas no grupo de pacientes asmáticos controlados apresentou aumento significante estatístico entre a pressão média basal antes da realização da manobra de ASR e a pressão média basal antes da realização de TH 24 (p< 0,001). Conclusão: A pressão média basal a nível da junção esofagogástrica e índice de contratilidade foram significantemente menores, assim como antes da realização de manobras respiratórias de arritmia sinusal e com cargas resistivas de threshould 12 e 48 em voluntários asmáticos controlados comparados com grupo controle. A pressão média basal antes da realização da manobra de ASR e a pressão média basal antes da realização de TH 24 observado no estudo em asmáticos controlados teve aumento estatisticamente significante.
3

Pressão inspiratória máxima e sua relação com sintomas e fatores associados a doença de refluxo gastroesofágico / Inspiratory pressure maximum and its relationship with symptoms and factors associated with reflux disease gastroesophageal

Borja, Ezana Sandrina Almada Fernandes de January 2015 (has links)
BORJA, Ezana Sandrina Almada Fernandes de. Pressão inspiratória máxima e sua relação com sintomas e fatores associados a doença de refluxo gastroesofágico. 2015. 93 f. Dissertação (Mestrado em Cirurgia) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2016-03-07T11:42:21Z No. of bitstreams: 1 2015_dis_esafborja.pdf: 1057349 bytes, checksum: 54dadcb3af89a293e5909e1445d6a83c (MD5) / Approved for entry into archive by denise santos(denise.santos@ufc.br) on 2016-03-07T13:05:27Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2015_dis_esafborja.pdf: 1057349 bytes, checksum: 54dadcb3af89a293e5909e1445d6a83c (MD5) / Made available in DSpace on 2016-03-07T13:05:27Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2015_dis_esafborja.pdf: 1057349 bytes, checksum: 54dadcb3af89a293e5909e1445d6a83c (MD5) Previous issue date: 2015 / The gastroesophageal reflux disease is the return of gastric contents through the lower esophageal sphincter regardless of etiology, manifesting itself by symptoms (typical or atypical) or tissue damage. The diaphragm is the main respiratory muscle and its crural part one of the fundamental components of the antireflux barrier. Contractions of this are related to changes in pressure of the gastroesophageal junction that are usually related to breathing. Studies show evidence of diaphragmatic weakness in gastroesophageal reflux disease that can be improved with diaphragmatic training. The maximal inspiratory pressure is a simple method to evaluate the inspiratory force determined by diaphragm. From this context, the hypothesis that the symptoms of gastroesophageal reflux disease may be associated with the maximal inspiratory pressure. Objective: to measure maximal inspiratory pressure and relate it to the symptoms and factors associated with gastroesophageal reflux disease. Methodology: it is a cross-sectional study in humans, where 404 patients were recruited in accordance with the inclusion and exclusion criteria. They underwent a clinical evaluation, measurement of maximal inspiratory pressure and upper endoscopy. Results: We studied 269 women and 135 men, mean age 44.4 ± 13.7 years and 40.4 ± 13.3 years for patients with and without deficit of maximal inspiratory pressure respectively. The weight averaged 72.4 ± 21.8 kg for patients without deficit of maximal inspiratory pressure, and 66.4 ± 15.5 kg for patients with deficit of maximal inspiratory pressure. In relation to the average height was 161 ± 0.9 cm for patients without deficit of maximal inspiratory pressure and 157 ± 0.1 cm for patients with a deficit of maximal inspiratory pressure. This difference was statistically significant for age, weight and height respectively (p=0.005, p=0.002, p=0.0293). The mean maximal inspiratory pressure was 69.2 ± 22.8 cm H2O, with 210 (51.98%) patients had a deficit of maximal inspiratory pressure. Two hundred and sixty-six (65.8%) patients had comorbidities. Sixty-seven (16.6%) patients had erosive esophagitis. There was statistical significance in the prediction of deficit of maximal inspiratory pressure from symptoms of dysphagia and excess mucus in the throat or nose, with p=0.0357 and p=0.0207, respectively. On the other hand, there was no statistical significance when the variable considered was esophagitis (p=0.38). Females have higher scores to the scores Reflux Disease Questionnaire (p=0.006) and Reflux Symptoms Index (p=0.001), with statistical significance. Conclusions: maximal inspiratory pressure was influenced by the age, weight and height significantly; there was no association of maximal inspiratory pressure deficit with esophagitis; heartburn and regurgitation had no association with deficit of maximal inspiratory pressure; some atypical symptoms such as dysphagia and excess mucus in the throat or nose showed a statistically significant relationship with the deficit of maximal inspiratory pressure; there was no association of maximal inspiratory pressure deficit with direct related symptoms or indirectly to the upper gastrointestinal tract. / A doença do refluxo gastroesofágico é o retorno do conteúdo gástrico através do esfíncter esofágico inferior independentemente da sua etiologia, manifestando-se por sintomas (típicos ou atípicos) ou dano tecidual. O diafragma é o principal músculo respiratório e a sua parte crural um dos componentes fundamentais da barreira antirefluxo. As contrações deste são relacionadas às mudanças na pressão da junção esofagogástrica que normalmente são relacionadas com a respiração. Estudos apontam evidências de déficit diafragmático na doença de refluxo gastroesofágico que pode ser melhorado com treinamento diafragmático. A pressão inspiratória máxima é um método simples de avaliar a força inspiratória determinada pelo diafragma. A partir deste contexto, surgiu a hipótese de que os sintomas da doença de refluxo gastroesofágico podem se associar à pressão inspiratória máxima. Objetivo: medir a pressão inspiratória máxima e relacioná-la com os sintomas e fatores associados a doença de refluxo gastroesofágico. Metodologia: trata-se de um estudo transversal em humanos, onde 404 pacientes foram recrutados de acordo com os critérios de inclusão e exclusão. Foram submetidos a uma avaliação clínica, à mensuração da pressão inspiratória máxima e endoscopia digestiva alta. Resultados: foram estudados 269 mulheres e 135 homens, com média de idade 44,4 ± 13,7 anos e 40,4 ±13,3 anos para os pacientes com e sem déficit da pressão inspiratória máxima respectivamente. O peso apresentou média de 72,4 ± 21,8 kg para pacientes sem déficit da pressão inspiratória máxima e 66,4 ± 15,5 kg para pacientes com déficit da pressão inspiratória máxima. Em relação à altura a média foi de 161 ± 0,9 cm para os pacientes sem déficit da Pimax e 157 ± 0,1 cm para os pacientes com déficit da Pimax. Essa diferença foi significante estatisticamente para a idade, peso e altura respectivamente (p=0,005, p=0,002, p=0,0293). A média da pressão inspiratória máxima foi 69,2 ± 22,8 cmH2O, sendo que 210 (51,98%) pacientes apresentaram déficit da pressão inspiratória máxima. Duzentos e sessenta e seis (65,8%) pacientes eram portadores de comorbidades. Sessenta e sete (16,6%) pacientes apresentaram esofagite erosiva. Houve significância estatística na previsão do déficit da pressão inspiratória máxima a partir dos sintomas disfagia e excesso de muco na garganta ou nariz, com p=0,0357 e p=0,0207, respectivamente. Por outro lado, não houve significância estatística quando a variável considerada foi esofagite (p=0,38). O gênero feminino teve maior pontuação para os escores Questionário de Doença de Refluxo (p=0,006) e Índice de Sintomas de Refluxo (p=0,001), com significância estatística. Conclusões: A pressão inspiratória máxima sofreu influência da idade, peso e altura de forma significativa; não houve associação do déficit da pressão inspiratória máxima com esofagite; pirose e regurgitação não tiveram associação com déficit da pressão inspiratória máxima; alguns sintomas atípicos como disfagia e excesso de muco na garganta ou nariz apresentaram relação estatisticamente significante com o déficit da pressão inspiratória máxima; não houve associação do déficit da pressão inspiratória máxima com sintomas relacionados direta ou indiretamente ao trato gastrointestinal alto.
4

Comparação da barreira antirrefluxo em repouso e durante as manobras inspiratórias padronizadas entre pacientes asmáticos / Anti reflux barrier compared at rest and during standardized inspiratory maneuvers among asthmatics

Ribeiro, Jeany Borges e Silva 20 October 2015 (has links)
RIBEIRO, J. B. S. Comparação da barreira antirrefluxo em repouso e durante as manobras inspiratórias padronizadas entre pacientes asmáticos. 2015. 86 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015. / Submitted by Erika Fernandes (erikaleitefernandes@gmail.com) on 2016-10-20T12:11:06Z No. of bitstreams: 1 2015_dis_jbsribeiro.pdf: 2250149 bytes, checksum: 3374d8dfcb8a7b963243286aec7cb092 (MD5) / Approved for entry into archive by Erika Fernandes (erikaleitefernandes@gmail.com) on 2016-10-20T12:11:14Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2015_dis_jbsribeiro.pdf: 2250149 bytes, checksum: 3374d8dfcb8a7b963243286aec7cb092 (MD5) / Made available in DSpace on 2016-10-20T12:11:14Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2015_dis_jbsribeiro.pdf: 2250149 bytes, checksum: 3374d8dfcb8a7b963243286aec7cb092 (MD5) Previous issue date: 2015-10-20 / Context: hyperinflation associated with bronchoconstriction in asthma patients can influence the crural diaphragm functioning by changing the physiological geometric position of the antireflux barrier components. Objective: to investigate the antireflux barrier in asthma patients with GERD through high-resolution manometry and standardized inspiratory maneuvers. Methods: Eight control (mean age of 31.05 years, all female) and 30 asthma patients with GERD, comprising 14 volunteers with controlled asthma (mean age of 46 years, all female) and 16 volunteers with uncontrolled asthma (mean age of 46.31 years, two male). A highresolution manometry/impedance system assessed the pressure of the gastroesophageal junction (GEJ) during 06 swallowing and two respiratory maneuvers: sinus arrhythmia maneuver (SAM), in which six average GEJ pressure peaks took place during 5-second deep breaths, and Threshold maneuver (TH), which achieved GEJ pressure peaks during forced inspirations under 12, 24 and 48 cm H2O. Results: patients with controlled asthma (ACQ-7 ≤0.75) showed lower esophageal sphincter pressure lower than control and uncontrolled asthma patients during normal breathing (15.72±4.68mmHg x 32.47±10.20mmHg x 29.96±11,32mmHg, p=0.029, respectively). Pressure during sinus arrhythmia maneuver did not present differences among controlled asthma (ACQ-7 <1.5), control, and uncontrolled asthma patients (145.80±70.57mmHg x 143.22±44.6mmHg x 158.23±76.5mmHg, p=0.836). Furthermore, there was no statistically significant difference in the GEJ pressure peaks among controlled asthma, control, and uncontrolled asthma patients during the inspiratory maneuvers with Threshold resistive loads comparing controlled asthma, control, and uncontrolled asthma patients in the 2nd second of the maneuver (TH 24 cm H2O: 144.90±57,53mmHg x 152.33±35.09mmHg x 185.61±65.77mmHg, p=0.059). Conclusion: controlled asthma patients have a hypotonic lower esophageal sphincter, without statistically significant differences between GEJ inspiratory pressures. / Contextualização: a hiperinsuflação associada à bronconstrição em pacientes asmáticos pode influenciar a função do diafragma crural, por alterar geometricamente a posição fisiológica dos componentes da barreira antirrefluxo. Objetivo: investigar a barreira antirrefluxo em pacientes asmáticos com DRGE, utilizando de manometriaalta resolução e manobras inspiratórias padronizados. Métodos:oito controles (idade média, 31,05 anos; todos do sexo feminino) e 30 asmáticos com DRGE, sendo 14 voluntários com asma controlada (idade média, 46 anos, todos do sexo feminino) e 16 voluntários com asma não controlada (idade média de 46,31 anos, sendo dois do sexo masculino). Um sistema de alta resolução manometria/impedância avaliou a pressão da junção esofagogástrica (JEG) durante seis deglutições e duas manobras respiratórias: manobra de arritmia sinusal (ASR), em que se realizou a média de seis picos de pressão da JEG durante 5s de inspirações profundas e a manobra Threshold (TH), alcançando pressões de pico da JEG durante inspirações forçadas sob carga de 12, 24 e 48 cmH2O. Resultados: pacientes com asma controlada (ACQ7≤0,75) tinham menor pressão do esfíncter esofagiano inferior do que os controles e asmáticos não controlados durante a respiração normal (15,72 ±4,68 MmHg x 32,47 mmHg ± 10,20 mmHg x 29,96±11,32mmHg, p = 0,029, respectivamente). A pressão durante a manobra de arritmia sinusal não foi diferente entre os asmáticos controlados (ACQ7 < 1,5), controles e asmáticos não controlados (145,80 ± 70,57 mmHg x 143,22 ± 44,6 mmHg x 158,23±76,5 mmHg, p = 0,836). Também não houve diferença estatisticamente significante entre os picos de pressões da JEG entre asmáticos controlados, controles e asmáticos não controlados durante as manobras inspiratórias com carga resistida de Threshold, comparando-se asmáticos controlados, controles e não controlados, no segundo da manobra (TH 24 cmH2O: 144,90±57,53mmHg x 152,33 ± 35,09mmHg x 185,61±65,77 p = 0,059). Conclusão: pacientes asmáticos controlados tem hipotonia do esfíncter esofagiano inferior, sem diferenças estatisticamente significativa entre as pressões inspiratórias da JEG.
5

Medida da espessura e ecogenicidade do ramo direito do diafragma crural em pacientes com doença do refluxo gastroesofágico / Width and ecogenicity of the diaphragm right crus in patients with gastroesophageal reflux disease

Nobre, Rivianny Arrais January 2014 (has links)
NOBRE, Rivianny Arrais. Medida da espessura e ecogenicidade do ramo direito do diafragma crural em pacientes com doença do refluxo gastroesofágico. 2014. 97 f. Tese (Doutorado em Ciências Médicas) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2014. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2014-10-30T16:08:09Z No. of bitstreams: 1 2014_tese_ranobre.pdf: 2123261 bytes, checksum: b0ec2ab1cf96b53ba9a719027c6af22c (MD5) / Approved for entry into archive by denise santos(denise.santos@ufc.br) on 2014-10-30T16:10:16Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2014_tese_ranobre.pdf: 2123261 bytes, checksum: b0ec2ab1cf96b53ba9a719027c6af22c (MD5) / Made available in DSpace on 2014-10-30T16:10:16Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2014_tese_ranobre.pdf: 2123261 bytes, checksum: b0ec2ab1cf96b53ba9a719027c6af22c (MD5) Previous issue date: 2014 / Width and ecogenicity of the diaphragm right crus in patients with gastroesophageal reflux disease. RIVIANNY ARRAIS NOBRE. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Médicas. Orientador: Professor Doutor Miguel Ângelo Nobre e Souza. Gastroesophageal reflux disease (GERD) patients may be better identified by the inspiratory pressure of the lower esophageal sphincter (LES), which is lower, than the expiratory one, and symptoms may be alleviated by inspiratory muscle training. Three groups of human volunteers were selected for this study. Twenty patients with reflux esophagitis (ESOPHAGITIS), nine patients with symptoms of GERD but no esophagitis (NES), and eleven asymptomatic volunteers (Control Group). The volunteers answered GERD and quality-of-life related questionnaires, and underwent endoscopic ultrasound examination and high resolution manometry. The main goal was to study the gastroesophageal junction (GEJ) and the crural diaphragm (CD) in particular (right crus). The width of the CD right crus was measured in millimeters. A standard segment of the CD was analyzed for the average grey intensity of its pixels, and this was taken for ecogenicity. The CD width was thinner in the ESOPHAGITIS group relative to Controls (CD width mean: 3.45 ± 0.24 mm versus 5.19 ± 0.48 mm, p = 0.0077). CD ecogenicity was greater in the ESOPHAGITIS patients relative to Controls (mean ecogenicity: 32.38 ± 2.45 versus 18.35 ± 2.53, p = 0.0009). These findings suggest that some ESOPHAGITIS patients may have an atrophic CD with a greater fat or fibrosis content. There is a decreasing CD width across the ESOPHAGITIS, NES, and control groups. However, this finding was only significant between the ESOPHAGITIS and the Controls. The LES average pressure during resting was similar between the ESOPHAGITIS and Control groups. However, the LES minimal respiratory pressure, IRP, the LES maximal residual pressure, the mean wave amplitude at 3 and 7 cm above the LES, and the maximal DCI were smaller in the ESOPHAGITIS patients relative to controls. The more heartburn bothered the ESOPHAGITIS patients the thinner was the CD width (r = -0.5559, p = 0.0166). The findings of this study point to a possible CD atrophy in some patients with reflux esophagitis. These are in accordance with previous functional studies and set the stage for new studies about GERD physiopathology and the relationship between the diaphragm and esophageal diseases. / Medida da espessura e ecogenicidade do ramo direito do diafragma crural em pacientes com doença do refluxo gastroesofágico. RIVIANNY ARRAIS NOBRE. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Médicas. Orientador: Professor Doutor Miguel Ângelo Nobre e Souza. Pacientes com doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) podem ser melhor diferenciados pela pressão inspiratória do esfíncter esofágico inferior (EEI), que é menor, que pela expiratória, e seus sintomas podem ser aliviados pelo treinamento muscular inspiratório. Neste estudo em seres humanos, foram selecionados três grupos de voluntários. Um com DRGE com esofagite composto de 20 pacientes, outro com sintomas de RGE sem esofagite (NES), com 9 pacientes e outro de pessoas assintomáticos (Grupo Controle), com n=11. Os voluntários responderam questionários de sintomas e de qualidade de vida relacionados a DRGE, e se submeteram a ecoendoscopia e manometria de alta resolução, com o objetivo principal de estudar a junção esofagogástrica (JEG), em particular o diafragma crural (DC). A espessura do ramo direito do DC foi medida em milímetros. A intensidade média de cinzas dos pixel de um segmento padronizado do DC foi considerado como a ecogenicidade. A espessura do ramo direito do diafragma crural foi menor no grupo ESOFAGITE que nos controles (média do diafragma crural = 3,45 ± 0,24 mm no grupo ESOFAGITE e 5,19 ± 0,48 mm no grupo controle com p=0,0077). A ecogenicidade do DC foi maior no grupo ESOFAGITE que nos controles (média desta medida neste grupo foi 32,38 ± 2,45 e 18,35 ± 2,53 no grupo controle, p=0,0009). Estes achados sugerem um músculo atrófico e com maior teor de outros tecidos como gordura ou fibrose em alguns voluntários com DRGE e esofagite associada. Quando os três grupos de estudo foram comparados (ESOFAGITE, NES e Controle) observou-se diminuição progressiva na espessura, porém, mantendo-se diferença significante somente entre o grupo ESOFAGITE e controle. Na manometria esofágica, a pressão basal média do esfíncter esofagiano inferior não teve diferença estatística, porém isto foi observado na pressão respiratória mínima do EEI, no IRP, na pressão residual máxima do EEI, na amplitude distal e no DCI máximo entre os grupos ESOFAGITE e controle, sendo menores nos primeiros. Com relação aos sintomas, o grau de incômodo da pirose correlacionou-se negativamente com a espessura do diafragma crural (r = -0,5559, p = 0,0166). Os achados deste estudo indicam uma possível atrofia do diafragma crural em alguns pacientes com esofagite de refluxo. Isto está de acordo com estudos funcionais prévios e abre uma ampla perspectiva de estudo da fisiopatologia da DRGE e a influência do diafragma em doenças esofágicas.
6

Efeito do treinamento diafragmático na barreira antirrefluxo e nos sintomas de pacientes com esofagite de refluxo / Effect of training on diaphragmatic thegastroesophageal barrier and symptoms in patients with reflux esophagitis

Lima, Maria Josire Vitorino January 2011 (has links)
LIMA, Maria Josire Vitorino. Efeito do treinamento diafragmático na barreira antirrefluxo e nos sintomas de pacientes com esofagite de refluxo. 2011. 75 f. Dissertação (Mestrado Ciências Médicas) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2011. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2015-01-27T16:08:34Z No. of bitstreams: 1 2011_dis_mjvlima.pdf: 1315886 bytes, checksum: d193c7962286863e0bc3a79867e2db26 (MD5) / Approved for entry into archive by denise santos(denise.santos@ufc.br) on 2015-01-27T16:09:47Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2011_dis_mjvlima.pdf: 1315886 bytes, checksum: d193c7962286863e0bc3a79867e2db26 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-01-27T16:09:47Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2011_dis_mjvlima.pdf: 1315886 bytes, checksum: d193c7962286863e0bc3a79867e2db26 (MD5) Previous issue date: 2011 / The Gastroesophageal Reflux Disease (GERD) is a syndrome wicth one of the causes is a functional or anatomical change in the barrier mechanisms of gastric contents. It is a chronic disorder with a high and changeable estimated prevalence (from 10 to 50% of the population). Interventions in respiratory function, such as the use of CPAP (Continuous Positive Airway Pressure), can alter the occurrence of GERD, improving basal pressure and the rate of spontaneous relaxations of the Lower Esophageal Sphincter (LES). The main respiratory muscle is the diaphragm, whose crural part forms the anti-reflux barrier. The crural diaphragm is a skeletal muscle and hence it can be trained. Therefore, the main question is whether we could improve the anti-reflux barrier through physical therapy training of the diaphragm. OBJECTIVE: To show the training diaphragm may have significant effect on the antireflux barrier and symptoms in patients with reflux esophagitis. METHODS: Intervencional study it was measured the Baseline pressures (Bp) and the inspiratory pressures from the LES, both in mmHg. These measurements were done during the maneuvers of Respiratory Sinus Arrhythmia (RSA) and with inspiratory load (Threshold ® IMT) of 17 (Pth17), 35 (Pth35) and 70cmH2O (Pth70).We used a system of low-compliance perfusion manometry, and a sonde with a "dentsleeve" of 6cm. The diaphragmatic training was conducted during eight weeks with initial load of 30% of Maximal Inspiratory Pressure (MIP), with weekly increments of 5%. Each training session consisted of 10 series of 15 inspiratory incursions, with a pause from 30s to 60s between the series, and aberage of 30 minutes duration. RESULTS: Intervencion study with twelve patients carried GERD without hiatal hernia, of both genders (18-50 years old) The study has showed that the Bp increased significantly after the diaphragmatic training (19.7 ± 2.4 versus 28.5 ± 2.1, p = 0.0009, n = 12), as well as the RSA pressure (95,87,8 versus 122,512,7, p=0,0218). The LES pressure, during the maneuver with a resistive load of 17 cmH20, was higher after diaphragmatic training (117,312,8 versus 138,810,8, p=0,0308), white with a resistive load of 35 cmH20 it was similar (130,713,4 versus 138,810,8, p=0,5085). The LES pressure, during the maneuver with a resistive load of 70 cmH20, was higher after diaphragmatic training, although not statistically significant (127,314,0 versus 146,19,5, p=0,0909). The number of transient lower esophageal sphincter relaxations (tLESR), during one hour, decreased significantly after diaphragmatic training [20.00 (18.0 to 30.3) versus 13.5 (10.7 to 19.5), p = 0.0059)]. The scores of heartburn and regurgitation, based on the frequency of symptoms, were significantly lower after diaphragmatic training [3.0 (1.0 to 4.0) versus 0 (from 0.0 to 1.0), p = 0.0035] and [2.5 (0.0 to 4.0) versus 0 (from 0.0 to 4.0), p = 0.0084, respectively]. CONCLUSION: The diaphragmatic training improves the baseline pressure, decreases the tLESR and the symptoms of the GERD. / Doença do Refluxo Gastresofágico (DRGE) é uma síndrome cuja uma das causas é uma alteração funcional ou anatômica dos mecanismos de contenção do conteúdo gástrico. É uma desordem crônica com estimativa de prevalência alta e variável (10 a 50% da população). Intervenções na mecânica respiratória, como o uso de CPAP, podem modificar a ocorrência de RGE, melhorando a pressão basal e a taxa de relaxamento espontâneo do EEI. O principal músculo respiratório é o diafragma, cuja parte crural compõe a barreira antirrefluxo. O diafragma crural é um músculo esquelético, e como tal, passível de treinamento. Assim, pergunta-se se seria possível melhorar a barreira antirrefluxo através do treinamento fisioterapêutico do diafragma. OBJETIVO: Mostrar que o treinamento diafragmático pode ter efeito significativo na barreira antirrefluxo e nos sintomas de pacientes com esofagite de refluxo. MÉTODO: Estudo intervencional onde foram medidas as pressões (em mmHg) basal (Pb), e a pressão inspiratória do esfíncter esofágico inferior (EEI) durante as manobras de arritmia sinusal respiratória (Pasr), e com carga inspiratória (Threshold IMT®) de 17 (Pth17), 35 (Pth35) e 70cmH2O (Pth70). Utilizou-se um sistema de manometria de baixa complacência, perfusional e uma sonda com “dentsleeve” de 6 cm. O treinamento diafragmático foi realizado durante oito semanas com carga inicial de 30% da pressão inspiratória máxima (Pimáx), com acréscimos semanais de 5%. Cada intervenção de treinamento consistia em 10 séries de 15 incursões inspiratórias, com repouso de 30s a 60s entre as séries, e duração em média de 30 min. RESULTADOS: Foram selecionados doze pacientes com DRGE sem hérnia hiatal, de ambos os gêneros (18-50 anos). O estudo demonstrou que a Pb aumentou significativamente após o treinamento diafragmático (19,7 ± 2,4 versus 28,5 ± 2,1; p = 0,0009; n = 12), assim como a Pasr (95,87,8 versus 122,512,7, p=0,0218). A pressão inspiratória do esfíncter esofágico inferior (EEI) durante a manobra com carga resistiva de 17 cmH20 foi maior após o treinamento diafragmático (117,312,8 versus 138,810,8, p=0,0308). A pressão inspiratória do EEI durante a manobra com carga resistiva de 35 cmH20 foi semelhante após o treinamento diafragmático (130,713,4 versus 138,810,8, p=0,5085). A pressão inspiratória do EEI durante a manobra com carga resistiva de 70 cmH20 foi maior após o treinamento diafragmático, apesar de não alcançar significância estatística (127,314,0 versus 146,19,5, p=0,0909). O número de relaxamento transitório do esfíncter esofágico inferior (RTEEI) durante uma hora diminuiu significativamente após o treinamento diafragmático [20,00 (18,0 - 30,3) versus 13,5 (10,7 - 19,5); p = 0,0059)]. Os escores de pirose e regurgitação, baseados na frequência de sintomas, foram significativamente menores após o treinamento diafragmático [3,0 (1,0-4,0) versus 0 (0,0-1,0); p = 0,0035;] e [2,5 (0,0-4,0) versus 0 (0,0-4,0); p = 0,0084, respectivamente]. CONCLUSÃO: O treinamento diafragmático inspiratório aumenta a pressão basal e inspiratória do EEI, diminui a taxa de RETEEI e a sintomatologia na doença do refluxo gastresofágico.
7

Novos materiais para uso como diafragma em eletrolisadores de agua

Rosa, Valeria Maria 12 August 1994 (has links)
Orientador: Margarita B. F. Santos / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Mecanica / Made available in DSpace on 2018-07-20T02:24:32Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Rosa_ValeriaMaria_M.pdf: 13153886 bytes, checksum: a70a48903cdf4a962f7b81ea6e6609f4 (MD5) Previous issue date: 1994 / Resumo: Na produção de hidrogênio por eletrólise de água, o amianto é comumente utilizado como diaftagma para se separar os gases produzidos nos eletrodos. O amianto, entretanto, apresenta problemas de corrosão, custo e toxidade. Materiais poliméricos alternativos foram avaliados com o objetivo de substituir o amianto. Esses materiais devem ser resistentes ao meio alcalino, à temperatura acima de 100 °C e ao oxigênio nascente. Também devem ser porosos de modo a não interferir demasiadamente na condutividade da solução e ter resistência mecânica. Para a avaliação das características citadas, os polímeros selecionados foram submetidos a quatro ensaios: tempo de vida, condutividade, resistência à oxidação e tração. Foram analisadas as variações mássica e dimensional, o aumento de resistência iônica da solução na presença do polímero e a perda de resistência mecânica. Os materiais ensaiados, além do amianto foram: poli(sulfeto de fenileno) (PPS), poli(tetra fluoretileno) (pTFE), polissulfona,Nafion e amianto recoberto com polissulfona. Todos esses materiais tiveram melhor desempenho que o amianto, sendo que PPS e PTFE foram os melhores. Como a polissulfonaaumentou demasiadamente a resistividade do eletrólito, foi produzida uma blenda com o fim de se aumentar a porosidade / Abstract: Altemative polymeric materiaIs were evaluated to substitute asbestos tissues, which are used as diaphragm in water electrolysis. These materiaIs must be resistant to alkaline medium, temperature above 100°C and oxygen in molecular formo. They must also be porous, in a way to not decrease the conductivity of the electrolyte toa much and they must have mechanical resistance. Selected polymers were submitted to four tests to evaluate their characteristics: lifetime, conductivity, resistance to oxidation and tensile strength. Weight and area variations were analyzed, as well as the increase of the ionic resistance of solution in presence of the polymers and the changes in their mechanical resistance. Tested materials were: poly(phenylene sulfide) (PPS), poly (tetrafluorethylene) (pTFE), Nafion, polysulfone and asbestos coated with polysulfone. AlI these materiaIs had best performance than asbestos, specially PPS and PTFE. Polysulfone increased ionic resistance of the electrolyte, so, a blend was produced to increase the porosity / Mestrado / Materiais e Processos de Fabricação / Mestre em Engenharia Mecânica
8

Análisis de torsión accidental en edificios con diafragma flexible

Gulppi Moncada, David Elías January 2015 (has links)
Ingeniero Civil / El presente trabajo de título tiene como objetivo analizar el comportamiento de las estructuras debido a la acción de la torsión accidental, mediante lo dispuesto en la NCh433 Of 96, mod. 2009 y el D.S. N° 61, para su uso en diafragma rígido, y algunas variaciones de dichos métodos, incluido el que se utiliza actualmente en la práctica profesional, mediante el uso del programa ETABS, el cual se puede aplicar tanto en diafragmas rígidos como flexibles. Con este propósito se escoge una muestra de 9 edificios de tipología chilena en donde se observan posibles problemas por torsión dada la distribución irregular de los elementos resistentes, o por la forma que presentan en planta los edificios. Además, dentro de la muestra se agregan algunos edificios que se cree no presentarían problemas torsionales, o bien, que cuentan con una estructuración mixta (muros y marcos de hormigón armado), para así hacer este estudio lo más general posible. Todos estos edificios fueron analizados sísmicamente a través del programa ETABS, considerando tanto los métodos de la norma (diafragma rígido), como otras metodologías escogidas, que corresponden a la inclusión de excentricidades accidentales de 5%, 10% y una distribución triangular en la altura, estos últimos, mediante la metodología incluida en el programa, imponiendo tanto diafragmas rígidos como flexibles. A partir de dichos análisis se procede a extraer algunos parámetros sísmicos directamente del programa y a calcular externamente otros, mediante una rutina escrita en el programa Visual Basic. De los parámetros obtenidos del análisis sísmico de los edificios se observa que la incorporación de la torsión accidental en edificios, tanto para diafragmas rígidos como flexibles no es siempre posible mediante las nuevas metodologías analizadas, debido a que en algunos casos los valores encontrados con las nuevas metodologías no son conservadores comparados con los valores obtenidos mediante el uso de las metodologías de la norma, además de entregar resultados incorrectos en algunos casos, debido a las limitaciones del programa.
9

Desenvolvimento de um sistema de estimulação elétrica intramuscular do diafragma

Ghedini, Rodrigo Guellner January 2015 (has links)
Objetivo: Desenvolver um sistema de estimulação elétrica do diafragma em suínos com eletrodos implantados diretamente nesse músculo através de procedimento endoscópico por via abdominal. Métodos: Foram utilizados 22 suínos fêmeas da raça Large White e 8 coelhas Nova Zelândia na realização deste trabalho, que foi dividido em 2 etapas. Na primeira parte, utilizamos coelhas que eram submetidas à laparotomia para a exploração do diafragma e localização dos pontos motores onde implantamos eletrodos e avaliamos o desempenho, quando estimulados com 10, 16, 20, 26 e 32 miliampères (mA), 15 dias após a implantação. Na segunda etapa, os suínos foram preparados e submetidos à videolaparoscopia para a implantação de eletrodos intramusculares sobre os pontos motores localizados durante a exploração. Após 15 dias os animais foram anestesiados e submetidos à eletroventilação no modo monocanal com 1 e/ou 2 eletrodos por cúpula diafragmática, por 3 horas, sendo avaliados o volume de ar corrente, gases arteriais e lactato. Resultados: No modelo em coelhos a média do volume de ar expirado apresentou uma relação proporcional com a intensidade da corrente aplicada. Com intensidade de corrente de 10 mA, a média do volume expirado foi de 15,72 ± 1,17 mL; e respectivamente com 16 mA, foi de 18,86 ± 3,69 mL; 20mA, 19,69 ± 3,72 mL; com 26 mA, 22,01 ± 4,17 mL e com 32 mA, foi de 22,36 ± 2,77 mL, atingindo até 149% o volume basal. O modelo com suínos possibilitou o aperfeiçoamento da cirurgia por videolaparoscopia com 3 trocaters e o desenvolvimento dos eletrodos implantáveis. Sessenta e oito eletrodos foram implantados no diafragma de 22 suínos, não ocorreram complicações clínicas. Com esse modelo foi possível manter uma gasometria arterial com um PH, Pco2 e Hco3 em média respectivamente de 7,47, 42 mmHg e 31 mEq/L após 1 hora, 7,46, 45 mmHg e 31 mEq/L após 3 horas e um lactato com valor médio de 1 mmol/L após 3 horas de eletroventilação. Conclusão: Os modelos experimentais em animais foram efetivos para o estudo da estimulação elétrica do diafragma com diferentes configurações de eletrodos e intensidades de corrente. Os eletrodos e a ferramenta desenvolvidos para a implantação no diafragma demonstraram um excelente desempenho na conexão entre o estimulador elétrico e o tecido muscular. A proposta de utilizar uma corrente despolarizada demonstrou ser eficaz na estimulação de ambas hemicúpulas diafragmáticas simultaneamente com apenas um canal do estimulador elétrico. / Objective: To develop a diaphragmatic electrical stimulation system with the use of intramuscular electrodes implanted directly in the diaphragm of pigs through videolaparoscopy. Methods: We used 22 Large White female pigs and 8 New Zealand male rabbits. The study was divided in two steps. In the first part we used rabbits underwent to laparotomy to explore the diaphragm and identify its motor points. One electrode was directly implanted in each hemidiaphragm and the performance of muscle contration was analysed when stimulated with 10, 16, 20, 26 and 32 milliamps (mA), 15 days after implantation. In the second study, the pigs were prepared and submitted to videolaparoscopy for the implantation of intramuscular electrodes on the motor points identified during the procedure. After 15 days the animals were anesthetized and eletroventilation in single channel mode with 1 and/or 2 electrodes in each hemidiapragm where evaluate for 3 hours. Tidal volume, arterial blood gases and lactate were analysed. Results: In the rabbit model the average of volume of air exhaled showed a proportional relationship to the applied intensity of current. With an current intensity of 10 mA, the average exhaled volume was 15.72 ± 1.17 ml and respectively, 16 mA was 18.86 ± 3.69 ml; 20mA, 19.69 ± 3.72 mL; at 26 mA 22.01 ± 4.17 ml, and of 32 mA was 22.36 ± 2.77 mL, reaching 149% baseline volume. The model with pigs enabled the improvement of surgery by laparoscopy with 3 trocars and the development of implantable electrodes. Sixty-eight electrodes were implanted in the diaphragm of 22 pigs, there were no clinical complications. With this model it was possible to maintain a concentration of normal arterial blood of PH, pCO2, and HCO3- averaged respectively 7.52, 37 mmHg and 30 mEq/L basal, 7.47, 42 mmHg and 31 mEq/L after 1 hour and 7.46, 45 mmHg and 31 mEq/l after 3 hours and an a lactate average baseline value of 1, and also 1 after 3 hours. Conclusion: The experimental animal models of the study were effective for electrical stimulation of the diaphragm whit different electrodes configurations and current intensities. The electrodes and the tool developed for implementing the diaphragm showed excellent performance in the connection between the electrical stimulator and muscle tissue. The proposal to use an unpolarized current shown to be effective in stimulating both diaphragmatic hemicúpulas simultaneously with only one channel of the electrical stimulator.
10

Desenvolvimento de um sistema de estimulação elétrica intramuscular do diafragma

Ghedini, Rodrigo Guellner January 2015 (has links)
Objetivo: Desenvolver um sistema de estimulação elétrica do diafragma em suínos com eletrodos implantados diretamente nesse músculo através de procedimento endoscópico por via abdominal. Métodos: Foram utilizados 22 suínos fêmeas da raça Large White e 8 coelhas Nova Zelândia na realização deste trabalho, que foi dividido em 2 etapas. Na primeira parte, utilizamos coelhas que eram submetidas à laparotomia para a exploração do diafragma e localização dos pontos motores onde implantamos eletrodos e avaliamos o desempenho, quando estimulados com 10, 16, 20, 26 e 32 miliampères (mA), 15 dias após a implantação. Na segunda etapa, os suínos foram preparados e submetidos à videolaparoscopia para a implantação de eletrodos intramusculares sobre os pontos motores localizados durante a exploração. Após 15 dias os animais foram anestesiados e submetidos à eletroventilação no modo monocanal com 1 e/ou 2 eletrodos por cúpula diafragmática, por 3 horas, sendo avaliados o volume de ar corrente, gases arteriais e lactato. Resultados: No modelo em coelhos a média do volume de ar expirado apresentou uma relação proporcional com a intensidade da corrente aplicada. Com intensidade de corrente de 10 mA, a média do volume expirado foi de 15,72 ± 1,17 mL; e respectivamente com 16 mA, foi de 18,86 ± 3,69 mL; 20mA, 19,69 ± 3,72 mL; com 26 mA, 22,01 ± 4,17 mL e com 32 mA, foi de 22,36 ± 2,77 mL, atingindo até 149% o volume basal. O modelo com suínos possibilitou o aperfeiçoamento da cirurgia por videolaparoscopia com 3 trocaters e o desenvolvimento dos eletrodos implantáveis. Sessenta e oito eletrodos foram implantados no diafragma de 22 suínos, não ocorreram complicações clínicas. Com esse modelo foi possível manter uma gasometria arterial com um PH, Pco2 e Hco3 em média respectivamente de 7,47, 42 mmHg e 31 mEq/L após 1 hora, 7,46, 45 mmHg e 31 mEq/L após 3 horas e um lactato com valor médio de 1 mmol/L após 3 horas de eletroventilação. Conclusão: Os modelos experimentais em animais foram efetivos para o estudo da estimulação elétrica do diafragma com diferentes configurações de eletrodos e intensidades de corrente. Os eletrodos e a ferramenta desenvolvidos para a implantação no diafragma demonstraram um excelente desempenho na conexão entre o estimulador elétrico e o tecido muscular. A proposta de utilizar uma corrente despolarizada demonstrou ser eficaz na estimulação de ambas hemicúpulas diafragmáticas simultaneamente com apenas um canal do estimulador elétrico. / Objective: To develop a diaphragmatic electrical stimulation system with the use of intramuscular electrodes implanted directly in the diaphragm of pigs through videolaparoscopy. Methods: We used 22 Large White female pigs and 8 New Zealand male rabbits. The study was divided in two steps. In the first part we used rabbits underwent to laparotomy to explore the diaphragm and identify its motor points. One electrode was directly implanted in each hemidiaphragm and the performance of muscle contration was analysed when stimulated with 10, 16, 20, 26 and 32 milliamps (mA), 15 days after implantation. In the second study, the pigs were prepared and submitted to videolaparoscopy for the implantation of intramuscular electrodes on the motor points identified during the procedure. After 15 days the animals were anesthetized and eletroventilation in single channel mode with 1 and/or 2 electrodes in each hemidiapragm where evaluate for 3 hours. Tidal volume, arterial blood gases and lactate were analysed. Results: In the rabbit model the average of volume of air exhaled showed a proportional relationship to the applied intensity of current. With an current intensity of 10 mA, the average exhaled volume was 15.72 ± 1.17 ml and respectively, 16 mA was 18.86 ± 3.69 ml; 20mA, 19.69 ± 3.72 mL; at 26 mA 22.01 ± 4.17 ml, and of 32 mA was 22.36 ± 2.77 mL, reaching 149% baseline volume. The model with pigs enabled the improvement of surgery by laparoscopy with 3 trocars and the development of implantable electrodes. Sixty-eight electrodes were implanted in the diaphragm of 22 pigs, there were no clinical complications. With this model it was possible to maintain a concentration of normal arterial blood of PH, pCO2, and HCO3- averaged respectively 7.52, 37 mmHg and 30 mEq/L basal, 7.47, 42 mmHg and 31 mEq/L after 1 hour and 7.46, 45 mmHg and 31 mEq/l after 3 hours and an a lactate average baseline value of 1, and also 1 after 3 hours. Conclusion: The experimental animal models of the study were effective for electrical stimulation of the diaphragm whit different electrodes configurations and current intensities. The electrodes and the tool developed for implementing the diaphragm showed excellent performance in the connection between the electrical stimulator and muscle tissue. The proposal to use an unpolarized current shown to be effective in stimulating both diaphragmatic hemicúpulas simultaneously with only one channel of the electrical stimulator.

Page generated in 0.0482 seconds