• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 10
  • Tagged with
  • 10
  • 5
  • 4
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 1
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Alteridade e fenomenologia das psicoses

Alvarenga, Rodrigo 2016 (has links)
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Florianópolis, 2016. Made available in DSpace on 2017-03-28T04:15:47Z (GMT). No. of bitstreams: 1 344600.pdf: 1470081 bytes, checksum: da49e24114f9968aa174c86bec5eea67 (MD5) Previous issue date: 2016 O discurso racional da modernidade cartesiana transformou as manifestações psicóticas no oposto da razão, como se não fosse possível encontrar nenhum sentido na alucinação e no delírio. A loucura, ao ser concebida como ausência de um pensamento verdadeiro, fez com que se ampliasse a distância entre as definições de normal e anormal, sanidade e insanidade. A criação de instituições psiquiátricas e a aplicação de práticas manicomiais completamente comprometidas do ponto de vista ético foram possíveis porque se apoiavam num discurso sobre a loucura que a classificava como escuridão das sombras, frente à clarividência constituinte do ego racional psiquiátrico. Ludwig Binswanger compreendeu que era necessário reestruturar o método de investigação e abordagem dos fenômenos psicóticos, pelo afastamento da ontologia cartesiana do sujeito e do objeto, a fim de que a psicoterapia não se constituísse como uma prática de negação da alteridade. Assim, o psiquiatra buscou em Husserl e em Heidegger o modo de superação do método objetivo das ciências da natureza, o qual pressupunha o dualismo e o solipsismo da consciência para fundar uma abordagem intersubjetiva da psiquiatria. O objetivo desta pesquisa é justamente examinar a legitimidade da Daseinsanalyse psiquiátrica de Ludwig Binswanger, no que se refere ao cumprimento daquilo para o qual ela própria se propôs, por meio da assimilação da investigação transcendental no campo das psicoses. O critério de legitimidade da articulação realizada pelo psiquiatra entre o transcendental e o empírico, na elaboração de uma fenomenologia das psicoses, será buscado pelo confronto com a questão da intersubjetividade na obra de Merleau-Ponty. Conforme será possível perceber, a Daseinsanalyse psiquiátrica, na medida em que se estrutura a partir do ego transcendental husserliano, ao compreender a percepção de outrem por analogia, permanecerá concebendo o alter ego psicótico a partir do ego psiquiátrico, comprometendo sua alteridade. A concepção de outrem em Merleau-Ponty, afastando-se da noção de cogito tácito e admitindo o estranho enquanto transcendência temporal, irá revelar as características do equívoco de Binswanger, que consiste em fazer derivar uma fenomenologia das psicoses da gênese constitutiva do tempo, da subjetividade e da intersubjetividade, pressupondo o solipsismo da consciência e o ego constituinte.
Abstract : Rational discourse of Cartesian modernity transformed the psychotic manifestations in the opposite reason, as if it were unable to find any meaning in hallucination and delirium. Madness, to be conceived as the absence of a true thought, made to widen the distance between the normal and abnormal settings, sanity and insanity. The creation of psychiatric institutions and the implementation of fully committed madhouse practices from an ethical point of view were possible because they supported a speech about the madness that classified as darkness of the shadows, facing the constituent clairvoyance Psychiatric rational ego. Ludwig Binswanger understood that it was necessary to restructure the research method and approach of psychotic phenomena, the removal of the Cartesian ontology of subject and object, so that psychotherapy does not constitute as a practical denial of otherness. Thus, the psychiatrist sought in Husserl and Heidegger the way to overcome the objective method of the natural sciences, which presupposed dualism and solipsism of consciousness to establish an inter-subjective approach to psychiatry. The objective of this research is precisely to examine the legitimacy of psychiatric Daseinsanalyse Ludwig Binswanger, as regards the fulfillment of that for which she herself proposed, through the assimilation of transcendental research in the field of psychosis. The criterion of legitimacy of the joint performed by psychiatrist between transcendental and empirical, in developing a phenomenology of psychosis, will be sought by the confrontation with the issue of inter-subjectivity in the work of Merleau-Ponty. As you can see, the psychiatric Daseinsanalyse, in that it is structured from Husserl's transcendental ego, to understand the perception of others by analogy remain conceiving the psychotic alter ego from the mental ego, compromising their otherness. The design of others in Merleau-Ponty, moving away from the notion of tacit cogito and admitting strange as temporal transcendence, will reveal the Binswanger's misunderstanding characteristics, which consists of deriving a phenomenology of the constitutive genesis of time psychoses, the subjectivity and intersubjectivity, assuming the solipsism of consciousness and constituent ego.
2

O acompanhamento terapêutico (AT) como um dispositivo para a psicanálise no campo da saúde mental

Fantin, Alana Dallacosta 2017 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis, 2017. Made available in DSpace on 2018-01-16T03:21:13Z (GMT). No. of bitstreams: 1 349864.pdf: 1262836 bytes, checksum: 6010fa977011e98eadcce2f12e96580f (MD5) Previous issue date: 2017 Este trabalho de dissertação parte de questões despertadas ao longo de minha trajetória profissional como praticante da psicanálise e acompanhante terapêutica com psicóticos no campo formalmente definido como Saúde Mental, e pretende investigar as possibilidades de sustentar uma clínica do sujeito neste contexto. A pesquisa percorre os caminhos historicamente construídos em torno do tratamento da loucura, desde a conjectura que permitiu à ciência cartesiana situá-la como desrazão, passando por sua apropriação como doença mental no âmbito médico, chegando ao atual campo da Saúde Mental, multidisciplinar e polifônico. Neste caminho, o trabalho de acompanhamento terapêutico revela-se como uma prática que dialoga com os movimentos de reforma psiquiátrica, ganhando maior expressão na medida em que se aproxima dos princípios concernentes à lógica psicossocial, tramada em oposição ao modo asilar. A psicanálise, por sua vez, em tempos de recrudescimento das neurociências e das terapias de efeitos rápidos, oferece uma escuta singular, aberta aos movimentos subjetivos de cada paciente acompanhado. A pesquisa percorre as perspectivas de aproximação da psicanálise ao campo da saúde pública, seguindo a indicação freudiana de conhecer o campo em que o psicanalista pretende adentrar. Esta via de estudo busca em Freud e em Lacan as possibilidades de oferecer tratamento aos sujeitos psicóticos nos espaços da cidade, priorizando o encontro e o enlace entre acompanhantes e acompanhados como o lugar possível para a clínica psicanalítica. Partindo desta construção, o foco da pesquisa volta-se para as especificidades da clínica psicanalítica com psicóticos, seus impasses e desafios, através do relato de fragmentos dos acompanhamentos realizados, discutindo a função que o analista pode desempenhar nesses casos, os vínculos estabelecidos e seus efeitos na construção de soluções subjetivas dos pacientes acompanhados. Abstract : This dissertation paper has its roots in some questions that came from my professional trajectory as a psychanalysis practitioner and therapeutic accompaniment with psychotic individuals in the formally defined field of Mental Health, and aims to investigate the possibilities of sustaining a clinic practice of the subject in this context. The research goes trough the historically built paths around madness treatment, from the conjecture that aloud the cartesian science to place it as ?non-reason?, through its appropriation as mental illness in the medical field, getting to the current Mental Health field, multidisciplinary and polyphonic. In this path, the therapeutic companion doing reveals itself as a practice that dialogues with the psychiatry reform movements, gaining larger expression as it approaches the principles that are relative to the psychosocial logic, made in opposition to the asylum system. Psychanalysis, in it?s behalf, as we see the strengthening of neurosciences and quick effect therapies, offers a singular listening, opened to the subjective movements of each accompanied patient. The research goes in the direction pointed by the approach between psychanalysis and the public health field, following the Freudian indication of knowing the field that the psychanalyst wants to get in. This study approach searches in Freud and Lacan the possibilities to offer treatment to the psychotic in the urban environment, prioritising the encounter and the link between accompaniment and accompanied ones as the possible place to the psychanalytic clinic practice. From this idea, the research turns it focus to the specifics of the psychanalytic clinic practice with psychotic subjects, its obstacles and challenges, through the report of fragments from the made monitories, discussing the function the analyst might have in these cases, the stablished links and their effects in the accompanied patients? subjective solutions? constructions.
3

Atenção de enfermagem ao familiar do dependente químico : grupo como estratégia do cuidar Nursing attention to the drug addict’s family : group as a care strategy

Moraes, Leila Memória Paiva 2008 (has links)
MORAES, Leila Memória Paiva. Atenção de enfermagem ao familiar do dependente químico : grupo como estratégia do cuidar. 2008. 242 f. Tese (Doutorado em Enfermagem) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Fortaleza, 2008. Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2012-02-17T11:50:00Z No. of bitstreams: 1 2008_tese_lmpmoraes.pdf: 5589752 bytes, checksum: 9317bc7035bde87143848d90f8746c57 (MD5) Approved for entry into archive by Eliene Nascimento(elienegvn@hotmail.com) on 2012-02-27T11:31:41Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2008_tese_lmpmoraes.pdf: 5589752 bytes, checksum: 9317bc7035bde87143848d90f8746c57 (MD5) Made available in DSpace on 2012-02-27T11:31:41Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2008_tese_lmpmoraes.pdf: 5589752 bytes, checksum: 9317bc7035bde87143848d90f8746c57 (MD5) Previous issue date: 2008 The family is an important partner in the drug addict’s treatment. By living directly with drug abuse by part of its members, however, the family also starts to face difficulties in dealing with this matter, which became a serious public health problem. Supposing that the family is an important element in the establishment of support to the addict and starting from the principle that the codependent behavior is present in the lives of the relatives, we denfend the thesis that family members of drug addicts need assistance, having the chance to benefit from a support group. One aims to analyze the group process as in instrument for Nursing Care to relatives of drug addicts through: group’s characterization in socioeconomic and demographic terms; description of the process and the phases of the group’s development and identification of the way codependence is expressed in groups of drug addicts’ relatives. Descriptive study with a qualitative approach, conducted with relatives of drug addicts attended by a Center Of Psicosocial Attention (CAPS-ad) in Fortaleza-Ceará. Data produced through a semi structured interview and ten group sessions, using experience workshops. As theoretical-methodological support, one used the Nurse Group Process, developed by Loomis (1979). Participated in the research eleven families of drug addicts in treatment. In the results, one noticed it is a heterogeneous group concerning socioeconomic and demographic characteristics, as well as stories of life. The relatives of drug addicts may benefit from support groups as a care strategy; the theoretical principles described were feasible, contributing for the affection in the group and for the quality of the assistance in mental health; the method used was appropriate for the investigation, making possible the approximation of the reality experienced and the identification of forms of expression of codependence. The relatives presented a codependent behavior through suffering, emotional pain and physical and psychic disease, reflected in multiple responses, between them: fear, distrust, guilt, excess of care/control for others and lack of care for themselves and changes in lifestyle. One identified some feelings which came from this experience, among them: unfulfillment, unsureness, anguish, fear, depression, anxiety, sadness, hopelessness and feelings of loss and guilt. This study becomes relevant due to revealing the experience of the family member of drug addicts, because it strengthens this support net and because it approximates a theoretical and instrumental reference, and the group approach, necessary for the nurse’s practice. Atenção de enfermagem ao familiar do dependente químico: grupo como estratégia do cuidar. Fortaleza, 2008. 242p. Tese (Doutoramento em Enfermagem) - Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Ceará. A família é parceira imprescindível no tratamento do dependente químico. Convivendo diretamente com o uso abusivo de drogas por parte de alguns de seus membros, a organização familiar passa a vivenciar, também, dificuldades ao lidar com essa problemática, a qual se tornou um sério agravo à saúde pública. Supondo que a família é um elemento importante na montagem da rede de apoio ao dependente químico e partindo do princípio de que o comportamento de co-dependência está presente na vida desses familiares, interferindo em sua saúde mental e no modo de lidar com a condição de dependência química de seu parente, defendemos a tese de que os familiares de dependentes químicos necessitam de assistência, podendo ser beneficiados por meio de um grupo de apoio. Objetiva-se Analisar o processo grupal como instrumental do cuidado de enfermagem ao familiar do dependente químico, mediante: caracterização do grupo nos aspectos socioeconômicos e demográficos; descrição do processo e das fases de desenvolvimento do grupo; e identificação do modo como a co-dependência é expressa no grupo de familiares de dependentes químicos. Estudo descritivo com abordagem qualitativa, realizado com familiares de dependentes químicos assistidos em um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS-ad) de Fortaleza-Ceará. Dados produzidos por meio de entrevista individual e de dez sessões grupais, utilizando-se oficinas vivenciais. Como suporte teórico-metodológico, utilizou-se o processo grupal para enfermeiros, desenvolvido por Loomis (1979). Participaram da pesquisa onze familiares de dependentes químicos em acompanhamento. Nos resultados, constatou-se ser um grupo heterogêneo quanto às características socioeconômicas, demográficas e de suas histórias de vida. Os familiares de dependentes químicos podem ser beneficiados por meio de grupo de apoio como estratégia do cuidar; os princípios teóricos descritos foram exeqüíveis, contribuindo para a efetividade do grupo e para a qualidade da assistência em saúde mental; o método utilizado se adequou à investigação, possibilitando a aproximação da realidade vivenciada e a identificação das formas de expressão da co-dependência. Os familiares manifestaram o comportamento co-dependente por meio do sofrimento, dor emocional e adoecimento físico e psíquico, refletidos em respostas múltiplas, entre elas: medo, desconfiança, culpa, excesso de cuidado/controle para com o outro e descuido para consigo e mudanças no estilo de vida. No grupo foram identificados alguns sentimentos oriundos dessa vivência de co-dependência, entre eles: descontentamento, incertezas, angústia, medo, depressão, ansiedade, tristeza, desesperança e sentimentos de perda e de culpa. Esta investigação mostra-se relevante por desvelar a vivência do membro familiar do dependente químico, pelo fato de reforçar a importância do fortalecimento desta rede de apoio e pela aproximação de um referencial teórico e instrumental, a abordagem grupal, necessária para a prática do enfermeiro.
4

Autismo, psicose e musicalidade : o faz(s)er do sujeito e sua legitimação no laço social

Santos, Bruno Gonçalves dos. 2017 (has links)
Orientador: Gustavo Henrique Dionisio Banca: Abílio da Costa Rosa Banca: Ivans Ramos Estevão Resumo: Seguindo a perspectiva da teoria psicanalítica de Freud e Lacan, este trabalho discorre sobre a musicalidade e suas implicações na constituição psíquica do sujeito, considerando as peculiaridades acerca da dinâmica psíquica que ocorre no autismo e na psicose, demonstrando a possibilidade de fazer laço social. Segundo nossos desdobramentos, a musicalidade mantém em si a relação primordial do significante que não foraclui o Real, evidenciando um processo de encadeamento significante ainda anterior à produção de significação imaginária. Neste sentido, Lalangue e Sinthoma, sendo produções de relação significante do sujeito que mantêm em si a elementaridade do Real, demonstram uma via de intervenção pela via da musicalidade para a produção de um discurso sonoro, mesmo que sem significação, mas que faça mediação ao laço social. Nos sujeitos que não foracluem o Real, a via de evanescência do sujeito não está entre os significantes, e sim na dimensão do ato, do non sens que traz a marca do corpo Real através da enunciação, mesmo que sem fala. A essa condição de o sujeito evanescer no ato que evidencia o Real do significante, denominamos faz(s)er, como alternativa ao falasser do sujeito falante. Nossas discussões apontam que por meio da intervenção da musicalidade sobre Lalangue e Sinthoma é possível a constituição de um faz(s)er do sujeito como produção de significantes no Real que atuam como discurso de enunciação, não só fazendo laço social mas também legitimando ... (Resumo completo, clicar acesso eletrônico abaixo) Abstract: Following the perspective of Freud and Lacan's psychoanalytic theory, this work discusses musicality and its implications in the psychic constitution of the subject, considering the peculiarities on the psychic dynamics that occur in autism and psychosis, demonstrating the possibility of social bonding. According to our findings, one could say that musicality maintains, in itself, the primordial relation of the signifier that does not denies (Verwerfung) the Real, evidencing a process of significant chaining even before the production of imaginary signification. In this sense, Lalangue and Sinthome, productions of significant relation of the subject that maintain in themselves the elementarity of the Real, demonstrate a way of intervention through musicality for the production of a sound discourse, even if without meaning but with mediation to the social bond. At this subjects who do not deny (Verwerfung) the Real, the way of their "evanescence" is not between the signifiers, but on the dimension of the act, the non-sens that brings the mark of the Real body through enunciation, even without speech. For this condition, we should call "faz(s)er" ("d(t)o be"), as an alternative to the parlêtre of the speaking subject. Our discussion tries to show that through the intervention of musicality on Lalangue and Sinthome it is possible to constitute a d(t)o be of the subject as a production of signifiers that acts as a discourse of enunciation, not only making a social link but also l... (Complete abstract click electronic access below) Mestre
5

Nos contornos do Eu: um estudo sobre a religiosidade nas neuroses e psicoses On the contours of the Ego: a study of religiosity in the neurosis and psychosis

TORRES, Caroline Gonzaga 2013 (has links)
TORRES, Caroline Gonzaga. Nos contornos do Eu: um estudo sobre a religiosidade nas neuroses e psicoses. 2013. 189f. – Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Fortaleza (CE), 2013. Submitted by Márcia Araújo (marcia_m_bezerra@yahoo.com.br) on 2013-11-27T13:34:21Z No. of bitstreams: 1 2013-DIS-CGTORRES.pdf: 1127121 bytes, checksum: 64fd266d721fb9597a1861751338a489 (MD5) Approved for entry into archive by Márcia Araújo(marcia_m_bezerra@yahoo.com.br) on 2013-11-27T13:55:40Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2013-DIS-CGTORRES.pdf: 1127121 bytes, checksum: 64fd266d721fb9597a1861751338a489 (MD5) Made available in DSpace on 2013-11-27T13:55:40Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2013-DIS-CGTORRES.pdf: 1127121 bytes, checksum: 64fd266d721fb9597a1861751338a489 (MD5) Previous issue date: 2013 There is, in this dissertation, the purpose of discussing whether there is, from the point of view of the Ego structure in subjects, elements by which to discern what supports the way neurotics and psychotics demarcate distinct positioning in the face of religious experiences, establishing different relationships with divinity. Therefore, methodologically, to undertake a bibliographical study based on the work of Freud and Lacan, in the first teaching, in their productions concerning religion, constitution of Ego, neurosis and psychosis, beyond a discussion of two Freudian cases: Schreber and the Rats Man. So, take place joints between religion and father complex in psychoanalysis, addressing the elements present in the traumatic origin of monotheistic religions and the way they are updated in the subject, and set up approaches between religious formations, production delusional and fantasy. Makes up a theoretical framework on the mode ego structure, on the neuroses and psychoses, in stressing the concept of narcissism to establish the imaginary and symbolic dimensions that participate in this process as well as for the subsequent theoretical modifications. Finally, it is an investigation regarding the way in which the Ego is constituted in neuroses and psychoses, mechanisms peculiar to each of these structures and the presence of religious speech as well as of divine figures, by analysis of clinical cases. Among the main findings of the research highlight: a) intelligibility in Freudian formulations about religion, placing it sometimes beside the neuroses, sometimes beside the psychoses, giving her a double logic; b) the peculiarities in the constitution of the Ego, this is, fixing the paranoid in the mirror stage and the crossing of the obsessive at Oedipus, as well as their distinct attitudes towards Other and conflicts of these psychic structures instances, result a way in which the experiences of religion and deities appear in symptoms and elementary formations; c) the structural belief notion in neurosis and the dimension of certainty in psychosis allow in the perception of differences in the way these individuals understand the divine figures, which appear consistently associated with paternal figure in psychoanalytic theorizing. Tem-se, nesta dissertação, o propósito de discutir se há, do ponto de vista da estruturação do Eu nos sujeitos, elementos pelos quais se possa discernir o que respalda a maneira como os neuróticos e psicóticos demarcam um posicionamento distinto frente às experiências de religiosidade, estabelecendo relacionamentos diferentes com a divindade. Para tanto, metodologicamente, empreende-se um estudo bibliográfico fundamentado na obra de Freud e no primeiro ensino de Lacan em suas produções referentes à religião, constituição do Eu, neurose e psicose, além da discussão de dois casos clínicos freudianos: Schreber e o Homem dos Ratos. Sendo assim, realizam-se articulações entre a religião e o complexo paterno em psicanálise, abordando os elementos traumáticos presentes na origem das religiões monoteístas e a maneira pela qual eles se atualizam nos sujeitos, além de estabelecerem-se aproximações entre as formações religiosas, as produções delirantes e a fantasia. Efetua-se um recorte sobre o modo de estruturação do Eu, nas neuroses e nas psicoses, salientando o conceito de narcisismo para o estabelecimento das dimensões imaginárias e simbólicas que participam desse processo, bem como para as modificações teóricas subsequentes. Por fim, faz-se uma investigação sobre o modo pelo qual o Eu se constitui nas neuroses e psicoses, os mecanismos peculiares a cada uma destas estruturas e a presença do discurso religioso, assim como das figuras divinas, através da análise dos casos clínicos. Dentre os principais achados da pesquisa destaca-se: a) a inteligibilidade nas formulações freudianas sobre a religião, situando-a ora ao lado das neuroses, ora ao lado das psicoses, fornecendo a ela uma dupla lógica; b) as peculiaridades na constituição do Eu, isto é, a fixação do paranoico no estádio do espelho e o atravessamento do Édipo no obsessivo, bem como seus posicionamentos distintos frente ao Outro e o conflito das instâncias psíquicas nestas estruturas, implicam na maneira pela qual as experiências de religiosidade e as divindades aparecem nos sintomas e nas formações elementares; c) a noção de crença estrutural na neurose e a dimensão de certeza na psicose permitem a percepção das diferenças no modo como estes indivíduos compreendem as figuras divinas, que aparecerem constantemente associadas à figura paterna nas teorizações psicanalíticas.
6

Acompanhamento terapêutico como dispositivo psicanalítico de tratamento das psicoses na saúde mental Therapeutic acompaniment as a mental health device in the treatment of psychosis

Natasha Frias Nahim Bazhuni 21 June 2010 (has links)
Essa pesquisa interroga a respeito do exercício da prática clínica quando seus fundamentos, conceitos e teorias próprios não estão referidos aos espaços tradicionais de tratamento, como é o caso da prática do Acompanhamento Terapêutico. Trata-se de um levantamento bibliográfico das articulações teórico-práticas realizadas pelos pesquisadores brasileiros que escreveram sobre o tema do AT e posteriormente um recorte específico dos trabalhos que se situam no campo da psicanálise, tendo a finalidade de reunir a produção teórica desta prática e analisá-la. A pesquisa se propõe a oferecer um panorama do campo mostrando como e em que momento histórico o AT surgiu, quais as elaborações teóricas embasaram seu fazer e como a psicanálise contribui para este trabalho. Como conseqüência a disponibilização do conjunto de material produzido neste campo pode contribuir na elaboração de uma posição ou um lugar teórico sobre o AT. O AT surgiu no campo da saúde mental no momento histórico conhecido como Reforma Psiquiátrica, visto que se caracteriza pela aproximação à loucura e por seus novos modos de tratamento. Por ter surgido neste espaço as teorizações no campo se enquadram, em sua maioria, nos enfoques da reabilitação psicossocial e da psicanálise. De acordo com o material bibliográfico pesquisado é possível afirmar que O AT seria definido por uma prática e não por uma abordagem teórica, já que a rigor, não há uma teorização acerca do AT, pois seus autores importaram conceitos de diferentes correntes com bases epistemológicas distintas. O AT pode ser sustentado teoricamente a partir dos preceitos que orientam a clínica psicanalítica com as psicoses, compreendido como uma oferta clínica que sustenta saídas e promove a circulação. É, assim, portanto que o AT propicia em ato uma aproximação e experimentação de laços sociais, ou seja, possibilidades de encontro com efeitos de real. Conclui-se que o AT não é uma prática psicanalítica, no entanto, ao ser desempenhado por um psicanalista, alguns lugares lhe são possíveis, podendo se prestar a ser suporte das identificações imaginárias, ser secretário do alienado até contribuir para a construção do sinthome, que se referem às posições que o AT pode se colocar na transferência This research delves into the clinical practice when its foundations, concepts and theories do not refer to the traditional spaces of treatment, as is the case with the practice of Therapeutic Acompaniment . It deals with a bibliographical research of the theoreticalpractical articulation by Brazilian researchers who write about Therapeutic Acompaniment and subsequently with a specific section of the psychoanalysis work, with the goal of assembling the theoretical product of this practice and analyzing it. The research intends to offer a view of the field showing how and at what point in history Therapeutic Acompaniment came to be, what theoretical elaborations founded its application and how psychoanalysis contributes to this work. As a consequence, the availability of the set of materials produced in this filed may contribute to the elaboration of a position or a theoretical space regarding Therapeutic Acompaniment. Therapeutic Acompaniment emerged in the mental health field at a historic moment known as the Psychiatric Reform, given that it is characterized by its affinity to insanity and by its new treatment methods. Having arised in this space, most theorizations in the field conform to the focus on psychosocial rehabilitation and psychoanalysis. According to the bibliographical material researched, it is possible to state that Therapeutic Acompaniment would be defined by a practice and not by a theoretical approach, since, strictly, there is no theorization regarding Therapeutic Acompaniment, since its authors imported concepts from different trends, with different epistemological bases. Therapeutic Acompaniment can be theoretically support from the precepts that guide the psychoanalytic clinic of psychosis, understood as a clinical practice that sustains egress and promotes circulation. Therefore Therapeutic Acompaniment provides an approximation and experimentation of social links, that is, possibilities of encounters with effects of the real. In conclusion, although Therapeutic Acompaniment is not a psychoanalytical practice, when it is used by a psychoanalyst it may find its space; it may provide support for imaginary identifications, function as secretary of the insane, and contribute to the construction of the sinthome, spaces which refer to the positions Therapeutic Acompaniment may assume during transference
7

Autismo, psicose e musicalidade: o faz(s)er do sujeito e sua legitimação no laço social Autism, psychosis and musicality: the d(t)o be of the subject and its legitimation in the social bond

Santos, Bruno Gonçalves dos [UNESP] 24 February 2017 (has links)
Submitted by BRUNO GONÇALVES DOS SANTOS null (hotmail_do_bruno@hotmail.com) on 2017-03-29T17:18:27Z No. of bitstreams: 1 TRABALHO REPOSITÓRIO.pdf: 1463686 bytes, checksum: dcab96ecc1f947c3a842b62290f469cc (MD5) Approved for entry into archive by Luiz Galeffi (luizgaleffi@gmail.com) on 2017-03-30T17:57:35Z (GMT) No. of bitstreams: 1 santos_bg_me_assis.pdf: 1463686 bytes, checksum: dcab96ecc1f947c3a842b62290f469cc (MD5) Made available in DSpace on 2017-03-30T17:57:35Z (GMT). No. of bitstreams: 1 santos_bg_me_assis.pdf: 1463686 bytes, checksum: dcab96ecc1f947c3a842b62290f469cc (MD5) Previous issue date: 2017-02-24 Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) Seguindo a perspectiva da teoria psicanalítica de Freud e Lacan, este trabalho discorre sobre a musicalidade e suas implicações na constituição psíquica do sujeito, considerando as peculiaridades acerca da dinâmica psíquica que ocorre no autismo e na psicose, demonstrando a possibilidade de fazer laço social. Segundo nossos desdobramentos, a musicalidade mantém em si a relação primordial do significante que não foraclui o Real, evidenciando um processo de encadeamento significante ainda anterior à produção de significação imaginária. Neste sentido, Lalangue e Sinthoma, sendo produções de relação significante do sujeito que mantêm em si a elementaridade do Real, demonstram uma via de intervenção pela via da musicalidade para a produção de um discurso sonoro, mesmo que sem significação, mas que faça mediação ao laço social. Nos sujeitos que não foracluem o Real, a via de evanescência do sujeito não está entre os significantes, e sim na dimensão do ato, do non sens que traz a marca do corpo Real através da enunciação, mesmo que sem fala. A essa condição de o sujeito evanescer no ato que evidencia o Real do significante, denominamos faz(s)er, como alternativa ao falasser do sujeito falante. Nossas discussões apontam que por meio da intervenção da musicalidade sobre Lalangue e Sinthoma é possível a constituição de um faz(s)er do sujeito como produção de significantes no Real que atuam como discurso de enunciação, não só fazendo laço social mas também legitimando o sujeito na condição autista e de estrutura psicótica em seu modo de existência psíquica. Following the perspective of Freud and Lacan's psychoanalytic theory, this work discusses musicality and its implications in the psychic constitution of the subject, considering the peculiarities on the psychic dynamics that occur in autism and psychosis, demonstrating the possibility of social bonding. According to our findings, one could say that musicality maintains, in itself, the primordial relation of the signifier that does not denies (Verwerfung) the Real, evidencing a process of significant chaining even before the production of imaginary signification. In this sense, Lalangue and Sinthome, productions of significant relation of the subject that maintain in themselves the elementarity of the Real, demonstrate a way of intervention through musicality for the production of a sound discourse, even if without meaning but with mediation to the social bond. At this subjects who do not deny (Verwerfung) the Real, the way of their “evanescence” is not between the signifiers, but on the dimension of the act, the non-sens that brings the mark of the Real body through enunciation, even without speech. For this condition, we should call “faz(s)er” (“d(t)o be”), as an alternative to the parlêtre of the speaking subject. Our discussion tries to show that through the intervention of musicality on Lalangue and Sinthome it is possible to constitute a d(t)o be of the subject as a production of signifiers that acts as a discourse of enunciation, not only making a social link but also legitimating the subject in the autistic condition and of psychotic structure in their own mode of psychic existence.
8

A morte e o real na literatura de Virginia Woolf

Alverne, Larissa Arruda Aguiar 2017 (has links)
ALVERNE, Larissa Arruda Aguiar. A morte e o real na literatura de Virginia Woolf. 2017. 121f. – Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Fortaleza (CE), 2017. Submitted by Gustavo Daher (gdaherufc@hotmail.com) on 2017-05-31T15:32:52Z No. of bitstreams: 1 2017_dis_laaalverne.pdf: 2021216 bytes, checksum: 0b65855e0f50ba8370bbb71c3e8bc307 (MD5) Approved for entry into archive by Márcia Araújo (marcia_m_bezerra@yahoo.com.br) on 2017-06-01T10:47:51Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2017_dis_laaalverne.pdf: 2021216 bytes, checksum: 0b65855e0f50ba8370bbb71c3e8bc307 (MD5) Made available in DSpace on 2017-06-01T10:47:51Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2017_dis_laaalverne.pdf: 2021216 bytes, checksum: 0b65855e0f50ba8370bbb71c3e8bc307 (MD5) Previous issue date: 2017 This work analyzes the relation between the death and the Real in psychosis, by using the novels To the Lighthouse and Mrs. Dalloway from the english writer Virgina Woolf. One has studied the psychoanalytical theory from Sigmund Freud to understand the category of death, reaching as far as Jacques Lacan and his theory of Real in psychosis. The life of Virgina Woolf was investigated through her diaries and biographies, leading to realize that the death of several loved ones was extremely significant to her, which seems to remain as trace in her life work. Since death was what emerged from the Real that distressed her the most, to write about death as one of the names of the Real seemed to act as an elaboration intermission in the face of an existence fated to meet that whic is from the category of meaningless. The two novels were studied in order to understand how death emerges in her writing, in the story’s fabric, in the character’s creation, in the story’s making, among other aspects. The research allowed one to understand how the relation between death and the Real appears in psychosis and, in particular, to analyze the possibilities of elaboration to Woolf, through her writing and in the face of the encounter with the Real, that weren’t her complete submission to the deadly elements of the Real. Trata-se de analisar a relação entre a morte e o real nas psicoses, utilizando os romances Ao Farol e Mrs. Dalloway da escritora inglesa Virginia Woolf. Recorreu-se à teoria psicanalítica desde Sigmund Freud para compreender-se a categoria da morte, chegando até Jacques Lacan e sua teoria sobre o real nas psicoses. Investigou-se sobre a vida de Virginia Woolf a partir de diários e biografias da autora e percebeu-se que as mortes de diversos entes queridos foram-lhe extremamente marcantes, o que pareceu restar como marca em sua obra literária. Dado que a morte era aquilo que do real emergia que mais lhe causava angustia, escrever sobre a morte enquanto um dos nomes do real parecia agir como um intervalo de elaboração frente a uma existência fadada ao encontro com o que é da ordem do sem sentido. Exploraram-se os dois citados romances no intuito de compreender de que forma a morte emerge em sua escrita, na tessitura narrativa, na construção dos personagens, na elaboração do enredo, entre outros aspectos. A pesquisa permitiu relacionar como a morte e o real surgem na categoria das psicoses e, particularmente, analisar as possibilidades de elaboração para Woolf, via escrita, frente ao encontro com o real, que não fossem um total assujeitamento aos elementos mortíferos desse real.
9

Período de psicose sem tratamento (PPST) em indivíduos com psicoses funcionais (casos incidentes) na Cidade de São Paulo Duration of untreated psychosis (DUP) among first contact psychosis patients in São Paulo, Brazil

Alexandra Martini de Oliveira 30 July 2009 (has links)
Diversos estudos têm demonstrado que indivíduos que apresentam sintomas psicóticos podem demorar meses ou anos para iniciar o tratamento. Este período em que o indivíduo apresenta sintomas psicóticos sem tratamento é descrito na literatura como \"período de psicose sem-tratamento\" (PPST). Estudos anteriores mostraram que o PPST em países ricos é geralmente inferior ao de países de renda baixa ou média. OBJETIVOS: estimar o PPST em indivíduos com psicoses funcionais (casos incidentes) na cidade de São Paulo, Brasil; investigar se o PPST está associado a características sociodemográficas e com as circunstâncias de moradia (morar com familiares ou não); verificar se existe associação entre o PPST com características clínicas (diagnóstico, funcionamento social, intensidade dos sintomas negativos, positivos e gerais e insight) e com o tipo de serviço de saúde onde foi realizado o primeiro contato para o tratamento do transtorno psicótico. MÉTODO: Os dados analisados fazem parte do estudo epidemiológico \"Estudo de casos incidentes (primeiro contato com serviços de saúde) de psicoses funcionais no Brasil\", que investigou a incidência das psicoses funcionais em diversas regiões da cidade de São Paulo. Os critérios de inclusão do estudo epidemiológico foram: ter entrado em contato, pela primeira vez, com serviços de saúde mental do setor público ou privado (internação, emergência, serviços intermediários ou atendimentos ambulatoriais), no período entre maio de 2003 e janeiro de 2005 por motivo de sintomas psicóticos; residir na área do estudo por pelo menos seis meses; idade entre 18 e 64 anos. O PPST foi definido como \"período entre o início dos sintomas psicóticos e o primeiro contato com serviço de saúde mental\". A mediana do PPST foi utilizada para dividir os participantes em dois grupos: curto PPST e longo PPST. Regressão logística foi utilizada nas análises de associação entre PPST e as variáveis sociodemográficas e clínicas e para investigar o possível efeito de variáveis confundidoras na associação entre PPST e circunstâncias de moradia. RESULTADOS: Duzentos indivíduos foram incluídos no presente estudo. Cento e cinco (52%) eram mulheres, a média de idade foi de 32,3 anos (desvio padrão=11,3), 165 (82,5%) moravam com familiares. Cento e quarenta e oito (74,0%) participantes haviam feito o primeiro contato em serviços de emergência, 122 (61,0%) apresentaram diagnóstico de psicose nãoafetiva e 78 (39%) de psicose afetiva, 106 (53,0%) apresentaram funcionamento social \"muito bom ou bom\", 133 (68,2%) apresentaram \"bom insight\". A média da pontuação dos sintomas psiquiátricos totais avaliados pela PANSS foi de 42,1 (desvio padrão=12,4). A mediana do PPST foi de 4,1 semanas para a amostra total, 3,1 semanas para os participantes com transtornos psicóticos afetivos e 5,5 semanas para os participantes com transtornos psicóticos não-afetivas. Indivíduos que não moravam com familiares tiveram uma chance aproximadamente três vezes maior de apresentarem longo PPST do que os que moravam com familiares, independentemente das características sociodemográficas e clínicas dos participantes (p=0,05 OR=2,53). CONCLUSÃO: Estudos anteriores sobre PPST, realizados principalmente em países ricos, apresentaram um PPST que variou entre 4 a 57 semanas, o que é bastante superior ao PPST encontrado em São Paulo. O curto PPST encontrado no presente estudo não confirmou a idéia de que o PPST em países ricos é menor do que o PPST em países de renda baixa ou média. Apesar da maioria dos participantes apresentarem características sociodemográficas e clínicas associadas a longo PPST, morar com familiares e a estrutura atual de atenção à pessoa em crise psicótica em São Paulo, particularmente os serviços de emergência psiquiátrica, parecem ter colaborado para o curto PPST nesta amostra e alterar o cenário esperado para o PPST em São Paulo. Características contextuais, juntamente com as características sociodemográficas e clínicas dos indivíduos, se apresentaram como importantes determinantes do PPST em São Paulo. Several studies have shown that patients with psychotic disorders have experienced psychotic symptoms for long period before initiation of treatment. This period between onset of psychotic symptoms and first treatment has been described as \"duration of untreated psychosis\" (DUP). Previous studies have shown that DUP is lower between highincome countries when compared with low and middle-income countries. OBJECTIVES: to estimate the DUP in subjects with functional psychoses (incident cases) in the city of São Paulo, Brazil; to investigate the relationship between DUP and socio-demographic data and \"living circumstances\" (living with family or not); to investigate if DUP is associated with clinical characteristics (diagnosis, social functioning, severity of general, positive and negative symptoms, and level of insight) and the type of service use for the first psychotic disorder treatment. METHOD: the data is part of the epidemiological study \"The study of incident cases (first contact with health services) of functional psychoses in Brazil\". Inclusion criteria were: who had a first contact with any public or private mental health service (inpatient, emergence, day-hospitals or outpatient) due to psychotic symptoms, between May 2003 and January 2005, residence in a defined geographical area of São Paulo for at least six months, and age between 18 and 65 years. DUP was defined by \"the period from the onset of the first psychotic symptoms until the first contact with a mental health service\". The median DUP was calculated and used to divide the sample into two groups: short and long DUP. Logistic regression was used to analyze possible associations between socio-demographic and clinical variables with DUP, and to investigate possible effects caused by independent variables between living circumstances and DUP. RESULTS: A total of 200 individuals were included, 105 (52%) were women and the mean of age was 32.3 (SD 11.3) years old in the total sample, 165 (82.5%) were living with relatives. One hundred and eight (74.0%) participants had the first contact with emergence services, 122 (61.0%) diagnosis of non-affective psychosis, and 78 (39.0%) had a diagnosis of affective psychosis, 106 (53.0%) presented \"very good or good\" social functioning, 133 (68.2%) presented \"good insight\". The mean total \"Positive and Negative Syndrome Scale\" (PANSS) score was 42.1 (SD=12.4). The value found for the median DUP was 4.1 weeks for the total sample, 5.5 weeks for the psychotic non-affective disorders compared with those who received a diagnosis of psychotic affective disorder (3.1 weeks). Participants who were not living with relatives were three times more likely to present long DUP compared to participants who were living with relatives, independently of the clinical and socio-demographic characteristics (p=0.05, OR=2.53). CONCLUSION: Previous studies about DUP, especially from high-income countries, have presented a median value DUP between 4 and 57 weeks, which is much superior when compared the DUP found in São Paulo. The shorter median DUP found in the present study is not in accordance with the hypothesis that refers that DUP is higher in low-and-middle income countries. Despite a number of participants have presented socio-demographic and clinical characteristics associated to long DUP, living with relatives and the context related to mental health system for the people with acute psychotic symptoms in the city of São Paulo, especially emergence services, seem to have collaborated for the shorter DUP in this sample and changed the scenery expected about DUP in the present sample. Some contextual characteristics, with socio-demographic and clinical factors were very important determinants of DUP in São Paulo.
10

Classificação automatizada de padrões morfológicos cerebrais complexos em indivíduos com primeiro episódio psicótico: avaliação de desempenho diagnóstico Automated classification of complex morphological brain patterns in individuals with first-episode psychosis: assessment of diagnostic performance

Marcus Vinicius Zanetti 20 April 2012 (has links)
INTRODUÇÃO: Os transtornos mentais psicóticos são condições frequentes na população em geral e estão associados à grande morbidade e elevadas taxas de comprometimento funcional, tornando-os um grave problema de saúde pública. O desenvolvimento de novos métodos de auxílio diagnóstico e prognóstico a pratica clínica psiquiátrica possibilitando que intervenções efetivas sejam feitas precocemente na história natural da doença são, dessa forma, desejáveis. A classificação de padrões neuroanatômicos é uma robusta técnica para processamento e análise de imagens médicas que permite tanto a realização de comparações voxel-a-voxel entre grupos com alta dimensionalidade de variáveis, como a classificação individualizada das imagens. OBJETIVOS: Avaliar o desempenho diagnóstico de um classificador de padrões morfológicos complexos baseado em support vector machine (SVM) na discriminação entre diferentes transtornos psicóticos no momento do primeiro episódio, utilizando-se uma abordagem epidemiológica para a seleção de casos e controles, bem como na determinação de prognóstico de 1 ano em pacientes com primeiro episódio de esquizofrenia. MÉTODOS: Uma amostra de 62 pacientes com primeiro episódio de esquizofrenia/ transtorno esquizofreniforme, 23 casos de primeiro episódio de mania psicótica (transtorno bipolar tipo I, TB-I), e 19 indivíduos com depressão maior (DM) psicótica foram estudados com ressonância magnética (RM) estrutural de 1.5T, assim como um total de 89 controles residentes na mesma região dos casos. As imagens T1 foram inicialmente registradas a uma imagem molde comum através de um método com preservação de massa, permitindo a obtenção de volumes cerebrais regionais. Um classificador neuroanatômico multivariado baseado em redução de dimensionalidade e SVM foi utilizado para identificar o melhor conjunto de características morfológicas que diferencia cada transtorno psicótico (esquizofrenia/ transtorno esquizofreniforme, TB-I e DM psicótica) de subgrupos de controles saudáveis pareados por idade, gênero e anos de escolaridade. Os resultados obtidos pelo classificador foram, então, analisados com o auxílio de uma curva ROC, e um mapa espacial de alta dimensionalidade daquelas regiões cerebrais que constituem um padrão de distribuição tecidual cerebral característico de cada transtorno psicótico em relação aos controles foi gerado. RESULTADOS: O classificador obteve uma discriminação apenas modesta entre pacientes com primeiro episódio de esquizofrenia/ transtorno esquizofreniforme e controles saudáveis, com uma medida de área sob a curva (AUC) de 0,75 e acurácia de 73,4%. O mapa espacial discriminatório resultante mostrou um padrão complexo de alterações volumétricas comprometendo regiões fronto-límbicas tanto de substância cinzenta como de substância branca cerebral bilateralmente, fascículos cerebrais associativos, terceiro ventrículo e o ventrículo lateral esquerdo. Um desempenho diagnóstico pobre foi observado nas comparações entre pacientes com TB-I e MD psicótica e controles. Além disso, o classificador baseado em SVM não conseguiu predizer satisfatoriamente o prognóstico de 1 ano (evolução de remissão versus não remissão) dos pacientes com primeiro episódio de esquizofrenia. CONCLUSÃO: Utilizando uma amostra de pacientes com psicoses afetivas e não afetivas com características clínicas semelhantes aos pacientes vistos na nossa prática psiquiátrica (comorbidade com transtornos de uso de substâncias e curso clínico variável) e selecionados através de uma abordagem epidemiológica populacional, o classificador de padrões neuroanatômicos não obteve bom desempenho diagnóstico na discriminação entre as formas esquizofreniformes e afetivas de primeiro episódio psicótico, e também não conseguiu predizer satisfatoriamente o prognóstico de 1 ano em primeiro episódio de esquizofrenia, utilizando apenas imagens estruturais de RM INTRODUCTION: Psychotic disorders are prevalent medical conditions in the general population, and are usually associated with high morbidity and functional impairment rates, which make them a major concern for public health. The development of new methods aiming to aid diagnostic and prognostic value in clinical psychiatric practice thus allowing effective interventions at an early course of the illness are, therefore, desirable. Neuroanatomical pattern classification is a powerful technique for image processing and analysis which allows both high-dimensional voxelwise group comparisons and classification of images at an individual basis. OBJECTIVES: To evaluate the diagnostic performance of a support vector machine (SVM)-based complex morphological pattern classifier was used to discriminate different non-affective and affective psychotic disorders at the first episode using a population-based approach to recruit both cases and healthy controls, and also to predict 1-year prognosis (i.e., remitting versus non-remitting course) in a group of patients with first-episode schizophrenia. METHODS: A sample of 62 patients with first-episode schizophrenia/ schizophreniform disorder, 23 cases presenting with their first-episode of psychotic mania (bipolar I disorder, BD-I) and 19 individuals with psychotic major depressive disorder (MDD) was studied with 1.5T structural magnetic resonance imaging (MRI), as well as a pool of 89 epidemiologically recruited controls. T1-weighted images were first registered to a common template through a robust mass-preserving routine allowing regional volumetric analysis. A high-dimensional multivariate classification method based on dimensionality reduction and SVM was employed to identify the best and most parsimonious set of morphological features that discriminate each psychotic group (schizophrenia/ schizophreniform disorder, BD-I & psychotic MDD) from subgroups of age, gender and educationally-matched healthy controls. The abnormalities scores generated by the classifier were analyzed with a ROC curve analysis and a high-dimensional spatial map of the brain regions that constitute a pattern of brain tissue distribution characteristic of each of the non-affective and affective groups relative to controls was created. RESULTS: The SVM-classifier afforded modest discrimination between subjects with first-episode schizophrenia/ schizophreniform disorder and controls, with an area under the curve (AUC) value of 0.75 and overall accuracy of 73.4%. The resulting discriminative spatial map revealed a complex pattern of regional volumetric abnormalities affecting both gray and white matter fronto-limbic regions bilaterally, long associative fasciculi, besides the third and lateral ventricles. A poor diagnostic performance was observed in the pairwise comparisons between BD-I and psychotic MDD versus controls. Also, the SVM-classifier failed to predict 1-year prognosis (remitting versus non-remitting course) in the first-episode schizophrenia group. CONCLUSION: The present results suggest that at the population level and using a real world sample of affective and non-affective psychotic patients with comorbid substance use disorders and variable disease course, we failed to achieve good discrimination between schizophreniform and affective forms of first-episode psychosis, and also in predicting 1-year prognosis of first-episode schizophrenia patients, using structural images

Page generated in 0.165 seconds