• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 15
  • Tagged with
  • 15
  • 8
  • 6
  • 4
  • 4
  • 4
  • 3
  • 3
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Alteridade e fenomenologia das psicoses

Alvarenga, Rodrigo 2016 (has links)
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Florianópolis, 2016. Made available in DSpace on 2017-03-28T04:15:47Z (GMT). No. of bitstreams: 1 344600.pdf: 1470081 bytes, checksum: da49e24114f9968aa174c86bec5eea67 (MD5) Previous issue date: 2016 O discurso racional da modernidade cartesiana transformou as manifestações psicóticas no oposto da razão, como se não fosse possível encontrar nenhum sentido na alucinação e no delírio. A loucura, ao ser concebida como ausência de um pensamento verdadeiro, fez com que se ampliasse a distância entre as definições de normal e anormal, sanidade e insanidade. A criação de instituições psiquiátricas e a aplicação de práticas manicomiais completamente comprometidas do ponto de vista ético foram possíveis porque se apoiavam num discurso sobre a loucura que a classificava como escuridão das sombras, frente à clarividência constituinte do ego racional psiquiátrico. Ludwig Binswanger compreendeu que era necessário reestruturar o método de investigação e abordagem dos fenômenos psicóticos, pelo afastamento da ontologia cartesiana do sujeito e do objeto, a fim de que a psicoterapia não se constituísse como uma prática de negação da alteridade. Assim, o psiquiatra buscou em Husserl e em Heidegger o modo de superação do método objetivo das ciências da natureza, o qual pressupunha o dualismo e o solipsismo da consciência para fundar uma abordagem intersubjetiva da psiquiatria. O objetivo desta pesquisa é justamente examinar a legitimidade da Daseinsanalyse psiquiátrica de Ludwig Binswanger, no que se refere ao cumprimento daquilo para o qual ela própria se propôs, por meio da assimilação da investigação transcendental no campo das psicoses. O critério de legitimidade da articulação realizada pelo psiquiatra entre o transcendental e o empírico, na elaboração de uma fenomenologia das psicoses, será buscado pelo confronto com a questão da intersubjetividade na obra de Merleau-Ponty. Conforme será possível perceber, a Daseinsanalyse psiquiátrica, na medida em que se estrutura a partir do ego transcendental husserliano, ao compreender a percepção de outrem por analogia, permanecerá concebendo o alter ego psicótico a partir do ego psiquiátrico, comprometendo sua alteridade. A concepção de outrem em Merleau-Ponty, afastando-se da noção de cogito tácito e admitindo o estranho enquanto transcendência temporal, irá revelar as características do equívoco de Binswanger, que consiste em fazer derivar uma fenomenologia das psicoses da gênese constitutiva do tempo, da subjetividade e da intersubjetividade, pressupondo o solipsismo da consciência e o ego constituinte.
Abstract : Rational discourse of Cartesian modernity transformed the psychotic manifestations in the opposite reason, as if it were unable to find any meaning in hallucination and delirium. Madness, to be conceived as the absence of a true thought, made to widen the distance between the normal and abnormal settings, sanity and insanity. The creation of psychiatric institutions and the implementation of fully committed madhouse practices from an ethical point of view were possible because they supported a speech about the madness that classified as darkness of the shadows, facing the constituent clairvoyance Psychiatric rational ego. Ludwig Binswanger understood that it was necessary to restructure the research method and approach of psychotic phenomena, the removal of the Cartesian ontology of subject and object, so that psychotherapy does not constitute as a practical denial of otherness. Thus, the psychiatrist sought in Husserl and Heidegger the way to overcome the objective method of the natural sciences, which presupposed dualism and solipsism of consciousness to establish an inter-subjective approach to psychiatry. The objective of this research is precisely to examine the legitimacy of psychiatric Daseinsanalyse Ludwig Binswanger, as regards the fulfillment of that for which she herself proposed, through the assimilation of transcendental research in the field of psychosis. The criterion of legitimacy of the joint performed by psychiatrist between transcendental and empirical, in developing a phenomenology of psychosis, will be sought by the confrontation with the issue of inter-subjectivity in the work of Merleau-Ponty. As you can see, the psychiatric Daseinsanalyse, in that it is structured from Husserl's transcendental ego, to understand the perception of others by analogy remain conceiving the psychotic alter ego from the mental ego, compromising their otherness. The design of others in Merleau-Ponty, moving away from the notion of tacit cogito and admitting strange as temporal transcendence, will reveal the Binswanger's misunderstanding characteristics, which consists of deriving a phenomenology of the constitutive genesis of time psychoses, the subjectivity and intersubjectivity, assuming the solipsism of consciousness and constituent ego.
2

Corpo e psicose: impasses e sustentações Corps et psychose: des impasses et des supports.

Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto 7 April 2014 (has links)
Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico A partir da prática clínica com pacientes psicóticos, nós investigamos as formulações da psicanálise sobre o corpo nessa estrutura. Questionamos que ordem de impasses é própria à psicose na constituição e sustentação corporais. Inquirimos sobre os arranjos possíveis que possam conferir ao corpo do psicótico alguma amarração. Inicialmente, apresentamos alguns discursos sobre o corpo, apontando a subversão operada pela psicanálise no tratamento do tema a partir da experiência freudiana com a clínica da histeria. Em seguida, abordamos a constituição do corpo em psicanálise, com ênfase na determinação significante para que a imagem do corpo possa se constituir, velando o real da fragmentação pulsional. Passando pela teorização do estádio do espelho, dos esquemas óticos e da topologia dos nós, destacamos que a constituição do corpo é tributária de uma operação de perda de gozo, a partir da qual os registros do Real, do Simbólico e do Imaginário podem se atar. Apresentamos, então, elementos da abordagem realizada pela psicanálise em torno da questão da psicose, situando-a como uma posição específica quanto à linguagem e ao gozo. Em seguida, ressaltamos indicações sobre o corpo na psicose nas obras de Freud e Lacan, com a tese freudiana da retração da libido na paranoia e na esquizofrenia, com ênfase para a releitura lacaniana a respeito. Tomando então como eixo a indicação de Lacan de que, na psicose, não ocorre a extração do objeto a, retomamos algumas descrições da psiquiatria clássica, notadamente a hipocondria, a Síndrome de Cotard, a mania e o falso reconhecimento para, por uma leitura analítica, localizar pontos acerca dos impasses na relação dos psicóticos com o corpo. Por fim, recorremos aos conceitos de estabilização, suplência e sinthoma no ensino lacaniano para fundamentar a possibilidade de diferentes arranjos frente a esses impasses, como testemunham Schreber, Joyce e J. C..
3

O acompanhamento terapêutico (AT) como um dispositivo para a psicanálise no campo da saúde mental

Fantin, Alana Dallacosta 2017 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis, 2017. Made available in DSpace on 2018-01-16T03:21:13Z (GMT). No. of bitstreams: 1 349864.pdf: 1262836 bytes, checksum: 6010fa977011e98eadcce2f12e96580f (MD5) Previous issue date: 2017 Este trabalho de dissertação parte de questões despertadas ao longo de minha trajetória profissional como praticante da psicanálise e acompanhante terapêutica com psicóticos no campo formalmente definido como Saúde Mental, e pretende investigar as possibilidades de sustentar uma clínica do sujeito neste contexto. A pesquisa percorre os caminhos historicamente construídos em torno do tratamento da loucura, desde a conjectura que permitiu à ciência cartesiana situá-la como desrazão, passando por sua apropriação como doença mental no âmbito médico, chegando ao atual campo da Saúde Mental, multidisciplinar e polifônico. Neste caminho, o trabalho de acompanhamento terapêutico revela-se como uma prática que dialoga com os movimentos de reforma psiquiátrica, ganhando maior expressão na medida em que se aproxima dos princípios concernentes à lógica psicossocial, tramada em oposição ao modo asilar. A psicanálise, por sua vez, em tempos de recrudescimento das neurociências e das terapias de efeitos rápidos, oferece uma escuta singular, aberta aos movimentos subjetivos de cada paciente acompanhado. A pesquisa percorre as perspectivas de aproximação da psicanálise ao campo da saúde pública, seguindo a indicação freudiana de conhecer o campo em que o psicanalista pretende adentrar. Esta via de estudo busca em Freud e em Lacan as possibilidades de oferecer tratamento aos sujeitos psicóticos nos espaços da cidade, priorizando o encontro e o enlace entre acompanhantes e acompanhados como o lugar possível para a clínica psicanalítica. Partindo desta construção, o foco da pesquisa volta-se para as especificidades da clínica psicanalítica com psicóticos, seus impasses e desafios, através do relato de fragmentos dos acompanhamentos realizados, discutindo a função que o analista pode desempenhar nesses casos, os vínculos estabelecidos e seus efeitos na construção de soluções subjetivas dos pacientes acompanhados. Abstract : This dissertation paper has its roots in some questions that came from my professional trajectory as a psychanalysis practitioner and therapeutic accompaniment with psychotic individuals in the formally defined field of Mental Health, and aims to investigate the possibilities of sustaining a clinic practice of the subject in this context. The research goes trough the historically built paths around madness treatment, from the conjecture that aloud the cartesian science to place it as ?non-reason?, through its appropriation as mental illness in the medical field, getting to the current Mental Health field, multidisciplinary and polyphonic. In this path, the therapeutic companion doing reveals itself as a practice that dialogues with the psychiatry reform movements, gaining larger expression as it approaches the principles that are relative to the psychosocial logic, made in opposition to the asylum system. Psychanalysis, in it?s behalf, as we see the strengthening of neurosciences and quick effect therapies, offers a singular listening, opened to the subjective movements of each accompanied patient. The research goes in the direction pointed by the approach between psychanalysis and the public health field, following the Freudian indication of knowing the field that the psychanalyst wants to get in. This study approach searches in Freud and Lacan the possibilities to offer treatment to the psychotic in the urban environment, prioritising the encounter and the link between accompaniment and accompanied ones as the possible place to the psychanalytic clinic practice. From this idea, the research turns it focus to the specifics of the psychanalytic clinic practice with psychotic subjects, its obstacles and challenges, through the report of fragments from the made monitories, discussing the function the analyst might have in these cases, the stablished links and their effects in the accompanied patients? subjective solutions? constructions.
4

Atenção de enfermagem ao familiar do dependente químico : grupo como estratégia do cuidar Nursing attention to the drug addict’s family : group as a care strategy

Moraes, Leila Memória Paiva 2008 (has links)
MORAES, Leila Memória Paiva. Atenção de enfermagem ao familiar do dependente químico : grupo como estratégia do cuidar. 2008. 242 f. Tese (Doutorado em Enfermagem) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Fortaleza, 2008. Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2012-02-17T11:50:00Z No. of bitstreams: 1 2008_tese_lmpmoraes.pdf: 5589752 bytes, checksum: 9317bc7035bde87143848d90f8746c57 (MD5) Approved for entry into archive by Eliene Nascimento(elienegvn@hotmail.com) on 2012-02-27T11:31:41Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2008_tese_lmpmoraes.pdf: 5589752 bytes, checksum: 9317bc7035bde87143848d90f8746c57 (MD5) Made available in DSpace on 2012-02-27T11:31:41Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2008_tese_lmpmoraes.pdf: 5589752 bytes, checksum: 9317bc7035bde87143848d90f8746c57 (MD5) Previous issue date: 2008 The family is an important partner in the drug addict’s treatment. By living directly with drug abuse by part of its members, however, the family also starts to face difficulties in dealing with this matter, which became a serious public health problem. Supposing that the family is an important element in the establishment of support to the addict and starting from the principle that the codependent behavior is present in the lives of the relatives, we denfend the thesis that family members of drug addicts need assistance, having the chance to benefit from a support group. One aims to analyze the group process as in instrument for Nursing Care to relatives of drug addicts through: group’s characterization in socioeconomic and demographic terms; description of the process and the phases of the group’s development and identification of the way codependence is expressed in groups of drug addicts’ relatives. Descriptive study with a qualitative approach, conducted with relatives of drug addicts attended by a Center Of Psicosocial Attention (CAPS-ad) in Fortaleza-Ceará. Data produced through a semi structured interview and ten group sessions, using experience workshops. As theoretical-methodological support, one used the Nurse Group Process, developed by Loomis (1979). Participated in the research eleven families of drug addicts in treatment. In the results, one noticed it is a heterogeneous group concerning socioeconomic and demographic characteristics, as well as stories of life. The relatives of drug addicts may benefit from support groups as a care strategy; the theoretical principles described were feasible, contributing for the affection in the group and for the quality of the assistance in mental health; the method used was appropriate for the investigation, making possible the approximation of the reality experienced and the identification of forms of expression of codependence. The relatives presented a codependent behavior through suffering, emotional pain and physical and psychic disease, reflected in multiple responses, between them: fear, distrust, guilt, excess of care/control for others and lack of care for themselves and changes in lifestyle. One identified some feelings which came from this experience, among them: unfulfillment, unsureness, anguish, fear, depression, anxiety, sadness, hopelessness and feelings of loss and guilt. This study becomes relevant due to revealing the experience of the family member of drug addicts, because it strengthens this support net and because it approximates a theoretical and instrumental reference, and the group approach, necessary for the nurse’s practice. Atenção de enfermagem ao familiar do dependente químico: grupo como estratégia do cuidar. Fortaleza, 2008. 242p. Tese (Doutoramento em Enfermagem) - Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Ceará. A família é parceira imprescindível no tratamento do dependente químico. Convivendo diretamente com o uso abusivo de drogas por parte de alguns de seus membros, a organização familiar passa a vivenciar, também, dificuldades ao lidar com essa problemática, a qual se tornou um sério agravo à saúde pública. Supondo que a família é um elemento importante na montagem da rede de apoio ao dependente químico e partindo do princípio de que o comportamento de co-dependência está presente na vida desses familiares, interferindo em sua saúde mental e no modo de lidar com a condição de dependência química de seu parente, defendemos a tese de que os familiares de dependentes químicos necessitam de assistência, podendo ser beneficiados por meio de um grupo de apoio. Objetiva-se Analisar o processo grupal como instrumental do cuidado de enfermagem ao familiar do dependente químico, mediante: caracterização do grupo nos aspectos socioeconômicos e demográficos; descrição do processo e das fases de desenvolvimento do grupo; e identificação do modo como a co-dependência é expressa no grupo de familiares de dependentes químicos. Estudo descritivo com abordagem qualitativa, realizado com familiares de dependentes químicos assistidos em um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS-ad) de Fortaleza-Ceará. Dados produzidos por meio de entrevista individual e de dez sessões grupais, utilizando-se oficinas vivenciais. Como suporte teórico-metodológico, utilizou-se o processo grupal para enfermeiros, desenvolvido por Loomis (1979). Participaram da pesquisa onze familiares de dependentes químicos em acompanhamento. Nos resultados, constatou-se ser um grupo heterogêneo quanto às características socioeconômicas, demográficas e de suas histórias de vida. Os familiares de dependentes químicos podem ser beneficiados por meio de grupo de apoio como estratégia do cuidar; os princípios teóricos descritos foram exeqüíveis, contribuindo para a efetividade do grupo e para a qualidade da assistência em saúde mental; o método utilizado se adequou à investigação, possibilitando a aproximação da realidade vivenciada e a identificação das formas de expressão da co-dependência. Os familiares manifestaram o comportamento co-dependente por meio do sofrimento, dor emocional e adoecimento físico e psíquico, refletidos em respostas múltiplas, entre elas: medo, desconfiança, culpa, excesso de cuidado/controle para com o outro e descuido para consigo e mudanças no estilo de vida. No grupo foram identificados alguns sentimentos oriundos dessa vivência de co-dependência, entre eles: descontentamento, incertezas, angústia, medo, depressão, ansiedade, tristeza, desesperança e sentimentos de perda e de culpa. Esta investigação mostra-se relevante por desvelar a vivência do membro familiar do dependente químico, pelo fato de reforçar a importância do fortalecimento desta rede de apoio e pela aproximação de um referencial teórico e instrumental, a abordagem grupal, necessária para a prática do enfermeiro.
5

Psicose e escrita: ao pé da letra Psychose et écriture: au pied de la lettre

Julia Cristina Tosto Leite 5 December 2012 (has links)
Cette thèse aborde la clinique psychanalytique de la psychose à travers dune articulation entre psychose et écriture, em privilégiant la relation entre poussée à écrire at la valorisation de la lettre comme caractéristique de la posicion du sujet dans le linguagem. Premièrement nous considérons que lintersection entre linconscient et la pulsion, présent dans loeuvre de Freud et dans lenseignement de Lacan, constitue um point de travail conceptuel important pour la discussion de notre thème . Puis, en prenant le postulat de linconscient à ciel ouvert dans la psychose, nous chercherons souligner que Freud at Lacan ont établi une dimension de la création dans la psychose corrélative à la non-inscription de la fonction paternelle. Parmi les stratégies pour la stabilisation de la psychose, nous soulignons lutilisation de lécriture comme lune des conséquences fondamentales de cet enseignement. Nous examinerons encore la relation entre folie et littérature et lês phénomènes de la linguagem communs das la psychose comme références importantes à la discussion sur les relations entre psychose et écriture à partir du concept lacanienne de lettre. Finalement, nous présentons notre expérience dans un atelier décriture dans le champ de la santé mentale , em préconisant son importance comme recour clinique daccueil de la particularité structurale de La psychose. Esta tese aborda a clínica psicanalítica da psicose através de uma articulação entre psicose e escrita, privilegiando a relação entre o empuxo à escrita e a valorização da letra como característica da posição do sujeito na linguagem. Consideramos, inicialmente, que a interseção entre inconsciente e pulsão, presente na obra freudiana e no ensino lacaniano, constitui um ponto de trabalho conceitual importante para a discussão de nosso tema. Em seguida, tomando a postulação do inconsciente a céu aberto na psicose, buscamos destacar que Freud e Lacan estabelecem uma dimensão de criação na psicose correlativa a não inscrição da função paterna. Entre as estratégias de estabilização da psicose, enfatizamos o recurso da escrita como uma das implicações fundamentais desse ensinamento. Examinamos, ainda, as relações entre loucura e literatura e os fenômenos de linguagem comuns na psicose como referências importantes para a discussão das relações entre psicose e escrita a partir do conceito lacaniano de letra. Finalmente, apresentamos nossa experiência em uma oficina de escrita no campo da saúde mental, defendendo sua importância como dispositivo clínico de acolhimento da peculiaridade estrutural da psicose.
6

Autismo, psicose e musicalidade : o faz(s)er do sujeito e sua legitimação no laço social

Santos, Bruno Gonçalves dos. 2017 (has links)
Orientador: Gustavo Henrique Dionisio Banca: Abílio da Costa Rosa Banca: Ivans Ramos Estevão Resumo: Seguindo a perspectiva da teoria psicanalítica de Freud e Lacan, este trabalho discorre sobre a musicalidade e suas implicações na constituição psíquica do sujeito, considerando as peculiaridades acerca da dinâmica psíquica que ocorre no autismo e na psicose, demonstrando a possibilidade de fazer laço social. Segundo nossos desdobramentos, a musicalidade mantém em si a relação primordial do significante que não foraclui o Real, evidenciando um processo de encadeamento significante ainda anterior à produção de significação imaginária. Neste sentido, Lalangue e Sinthoma, sendo produções de relação significante do sujeito que mantêm em si a elementaridade do Real, demonstram uma via de intervenção pela via da musicalidade para a produção de um discurso sonoro, mesmo que sem significação, mas que faça mediação ao laço social. Nos sujeitos que não foracluem o Real, a via de evanescência do sujeito não está entre os significantes, e sim na dimensão do ato, do non sens que traz a marca do corpo Real através da enunciação, mesmo que sem fala. A essa condição de o sujeito evanescer no ato que evidencia o Real do significante, denominamos faz(s)er, como alternativa ao falasser do sujeito falante. Nossas discussões apontam que por meio da intervenção da musicalidade sobre Lalangue e Sinthoma é possível a constituição de um faz(s)er do sujeito como produção de significantes no Real que atuam como discurso de enunciação, não só fazendo laço social mas também legitimando ... (Resumo completo, clicar acesso eletrônico abaixo) Abstract: Following the perspective of Freud and Lacan's psychoanalytic theory, this work discusses musicality and its implications in the psychic constitution of the subject, considering the peculiarities on the psychic dynamics that occur in autism and psychosis, demonstrating the possibility of social bonding. According to our findings, one could say that musicality maintains, in itself, the primordial relation of the signifier that does not denies (Verwerfung) the Real, evidencing a process of significant chaining even before the production of imaginary signification. In this sense, Lalangue and Sinthome, productions of significant relation of the subject that maintain in themselves the elementarity of the Real, demonstrate a way of intervention through musicality for the production of a sound discourse, even if without meaning but with mediation to the social bond. At this subjects who do not deny (Verwerfung) the Real, the way of their "evanescence" is not between the signifiers, but on the dimension of the act, the non-sens that brings the mark of the Real body through enunciation, even without speech. For this condition, we should call "faz(s)er" ("d(t)o be"), as an alternative to the parlêtre of the speaking subject. Our discussion tries to show that through the intervention of musicality on Lalangue and Sinthome it is possible to constitute a d(t)o be of the subject as a production of signifiers that acts as a discourse of enunciation, not only making a social link but also l... (Complete abstract click electronic access below) Mestre
7

Nos contornos do Eu: um estudo sobre a religiosidade nas neuroses e psicoses On the contours of the Ego: a study of religiosity in the neurosis and psychosis

TORRES, Caroline Gonzaga 2013 (has links)
TORRES, Caroline Gonzaga. Nos contornos do Eu: um estudo sobre a religiosidade nas neuroses e psicoses. 2013. 189f. – Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Fortaleza (CE), 2013. Submitted by Márcia Araújo (marcia_m_bezerra@yahoo.com.br) on 2013-11-27T13:34:21Z No. of bitstreams: 1 2013-DIS-CGTORRES.pdf: 1127121 bytes, checksum: 64fd266d721fb9597a1861751338a489 (MD5) Approved for entry into archive by Márcia Araújo(marcia_m_bezerra@yahoo.com.br) on 2013-11-27T13:55:40Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2013-DIS-CGTORRES.pdf: 1127121 bytes, checksum: 64fd266d721fb9597a1861751338a489 (MD5) Made available in DSpace on 2013-11-27T13:55:40Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2013-DIS-CGTORRES.pdf: 1127121 bytes, checksum: 64fd266d721fb9597a1861751338a489 (MD5) Previous issue date: 2013 There is, in this dissertation, the purpose of discussing whether there is, from the point of view of the Ego structure in subjects, elements by which to discern what supports the way neurotics and psychotics demarcate distinct positioning in the face of religious experiences, establishing different relationships with divinity. Therefore, methodologically, to undertake a bibliographical study based on the work of Freud and Lacan, in the first teaching, in their productions concerning religion, constitution of Ego, neurosis and psychosis, beyond a discussion of two Freudian cases: Schreber and the Rats Man. So, take place joints between religion and father complex in psychoanalysis, addressing the elements present in the traumatic origin of monotheistic religions and the way they are updated in the subject, and set up approaches between religious formations, production delusional and fantasy. Makes up a theoretical framework on the mode ego structure, on the neuroses and psychoses, in stressing the concept of narcissism to establish the imaginary and symbolic dimensions that participate in this process as well as for the subsequent theoretical modifications. Finally, it is an investigation regarding the way in which the Ego is constituted in neuroses and psychoses, mechanisms peculiar to each of these structures and the presence of religious speech as well as of divine figures, by analysis of clinical cases. Among the main findings of the research highlight: a) intelligibility in Freudian formulations about religion, placing it sometimes beside the neuroses, sometimes beside the psychoses, giving her a double logic; b) the peculiarities in the constitution of the Ego, this is, fixing the paranoid in the mirror stage and the crossing of the obsessive at Oedipus, as well as their distinct attitudes towards Other and conflicts of these psychic structures instances, result a way in which the experiences of religion and deities appear in symptoms and elementary formations; c) the structural belief notion in neurosis and the dimension of certainty in psychosis allow in the perception of differences in the way these individuals understand the divine figures, which appear consistently associated with paternal figure in psychoanalytic theorizing. Tem-se, nesta dissertação, o propósito de discutir se há, do ponto de vista da estruturação do Eu nos sujeitos, elementos pelos quais se possa discernir o que respalda a maneira como os neuróticos e psicóticos demarcam um posicionamento distinto frente às experiências de religiosidade, estabelecendo relacionamentos diferentes com a divindade. Para tanto, metodologicamente, empreende-se um estudo bibliográfico fundamentado na obra de Freud e no primeiro ensino de Lacan em suas produções referentes à religião, constituição do Eu, neurose e psicose, além da discussão de dois casos clínicos freudianos: Schreber e o Homem dos Ratos. Sendo assim, realizam-se articulações entre a religião e o complexo paterno em psicanálise, abordando os elementos traumáticos presentes na origem das religiões monoteístas e a maneira pela qual eles se atualizam nos sujeitos, além de estabelecerem-se aproximações entre as formações religiosas, as produções delirantes e a fantasia. Efetua-se um recorte sobre o modo de estruturação do Eu, nas neuroses e nas psicoses, salientando o conceito de narcisismo para o estabelecimento das dimensões imaginárias e simbólicas que participam desse processo, bem como para as modificações teóricas subsequentes. Por fim, faz-se uma investigação sobre o modo pelo qual o Eu se constitui nas neuroses e psicoses, os mecanismos peculiares a cada uma destas estruturas e a presença do discurso religioso, assim como das figuras divinas, através da análise dos casos clínicos. Dentre os principais achados da pesquisa destaca-se: a) a inteligibilidade nas formulações freudianas sobre a religião, situando-a ora ao lado das neuroses, ora ao lado das psicoses, fornecendo a ela uma dupla lógica; b) as peculiaridades na constituição do Eu, isto é, a fixação do paranoico no estádio do espelho e o atravessamento do Édipo no obsessivo, bem como seus posicionamentos distintos frente ao Outro e o conflito das instâncias psíquicas nestas estruturas, implicam na maneira pela qual as experiências de religiosidade e as divindades aparecem nos sintomas e nas formações elementares; c) a noção de crença estrutural na neurose e a dimensão de certeza na psicose permitem a percepção das diferenças no modo como estes indivíduos compreendem as figuras divinas, que aparecerem constantemente associadas à figura paterna nas teorizações psicanalíticas.
8

Acompanhamento terapêutico como dispositivo psicanalítico de tratamento das psicoses na saúde mental Therapeutic acompaniment as a mental health device in the treatment of psychosis

Natasha Frias Nahim Bazhuni 21 June 2010 (has links)
Essa pesquisa interroga a respeito do exercício da prática clínica quando seus fundamentos, conceitos e teorias próprios não estão referidos aos espaços tradicionais de tratamento, como é o caso da prática do Acompanhamento Terapêutico. Trata-se de um levantamento bibliográfico das articulações teórico-práticas realizadas pelos pesquisadores brasileiros que escreveram sobre o tema do AT e posteriormente um recorte específico dos trabalhos que se situam no campo da psicanálise, tendo a finalidade de reunir a produção teórica desta prática e analisá-la. A pesquisa se propõe a oferecer um panorama do campo mostrando como e em que momento histórico o AT surgiu, quais as elaborações teóricas embasaram seu fazer e como a psicanálise contribui para este trabalho. Como conseqüência a disponibilização do conjunto de material produzido neste campo pode contribuir na elaboração de uma posição ou um lugar teórico sobre o AT. O AT surgiu no campo da saúde mental no momento histórico conhecido como Reforma Psiquiátrica, visto que se caracteriza pela aproximação à loucura e por seus novos modos de tratamento. Por ter surgido neste espaço as teorizações no campo se enquadram, em sua maioria, nos enfoques da reabilitação psicossocial e da psicanálise. De acordo com o material bibliográfico pesquisado é possível afirmar que O AT seria definido por uma prática e não por uma abordagem teórica, já que a rigor, não há uma teorização acerca do AT, pois seus autores importaram conceitos de diferentes correntes com bases epistemológicas distintas. O AT pode ser sustentado teoricamente a partir dos preceitos que orientam a clínica psicanalítica com as psicoses, compreendido como uma oferta clínica que sustenta saídas e promove a circulação. É, assim, portanto que o AT propicia em ato uma aproximação e experimentação de laços sociais, ou seja, possibilidades de encontro com efeitos de real. Conclui-se que o AT não é uma prática psicanalítica, no entanto, ao ser desempenhado por um psicanalista, alguns lugares lhe são possíveis, podendo se prestar a ser suporte das identificações imaginárias, ser secretário do alienado até contribuir para a construção do sinthome, que se referem às posições que o AT pode se colocar na transferência This research delves into the clinical practice when its foundations, concepts and theories do not refer to the traditional spaces of treatment, as is the case with the practice of Therapeutic Acompaniment . It deals with a bibliographical research of the theoreticalpractical articulation by Brazilian researchers who write about Therapeutic Acompaniment and subsequently with a specific section of the psychoanalysis work, with the goal of assembling the theoretical product of this practice and analyzing it. The research intends to offer a view of the field showing how and at what point in history Therapeutic Acompaniment came to be, what theoretical elaborations founded its application and how psychoanalysis contributes to this work. As a consequence, the availability of the set of materials produced in this filed may contribute to the elaboration of a position or a theoretical space regarding Therapeutic Acompaniment. Therapeutic Acompaniment emerged in the mental health field at a historic moment known as the Psychiatric Reform, given that it is characterized by its affinity to insanity and by its new treatment methods. Having arised in this space, most theorizations in the field conform to the focus on psychosocial rehabilitation and psychoanalysis. According to the bibliographical material researched, it is possible to state that Therapeutic Acompaniment would be defined by a practice and not by a theoretical approach, since, strictly, there is no theorization regarding Therapeutic Acompaniment, since its authors imported concepts from different trends, with different epistemological bases. Therapeutic Acompaniment can be theoretically support from the precepts that guide the psychoanalytic clinic of psychosis, understood as a clinical practice that sustains egress and promotes circulation. Therefore Therapeutic Acompaniment provides an approximation and experimentation of social links, that is, possibilities of encounters with effects of the real. In conclusion, although Therapeutic Acompaniment is not a psychoanalytical practice, when it is used by a psychoanalyst it may find its space; it may provide support for imaginary identifications, function as secretary of the insane, and contribute to the construction of the sinthome, spaces which refer to the positions Therapeutic Acompaniment may assume during transference
9

Sobre um tratamento psicanalítico da psicose na clínica institucional Sur un traitement psychanalytique de la psychose dans la clinique institutionnelle

Fernanda Mara da Silva Lima 27 April 2009 (has links)
Cette dissertation part de la lecture de Sigmund Freud et de lenseignement de Jacques Lacan pour situer la position du sujet psychotique en tant que réponse à son Autre fou. Ensuite, on présentera la thèse selon laquelle le travail avec lalangue peut orienter un traitement psychanalytique avec ces sujets. Enfin, on abordera quelques formulations à propos de la pratique orientée par la psychanalyse dans le cadre institutionnel, développée dans un Centre dAttention Psychosociale pour des Enfants et Adolescents. Esta dissertação parte da leitura de Sigmund Freud e do ensino de Jacques Lacan para situar a posição do sujeito psicótico enquanto resposta ao seu Outro louco. Em seguida, apresentaremos a tese de que o trabalho com alíngua pode orientar um tratamento psicanalítico com esses sujeitos. Por fim, abordaremos algumas formulações acerca da prática orientada pela psicanálise em âmbito institucional, desenvolvida em um Centro de Atenção Psicossocial Infanto-juvenil.
10

Autismo, psicose e musicalidade: o faz(s)er do sujeito e sua legitimação no laço social Autism, psychosis and musicality: the d(t)o be of the subject and its legitimation in the social bond

Santos, Bruno Gonçalves dos [UNESP] 24 February 2017 (has links)
Submitted by BRUNO GONÇALVES DOS SANTOS null (hotmail_do_bruno@hotmail.com) on 2017-03-29T17:18:27Z No. of bitstreams: 1 TRABALHO REPOSITÓRIO.pdf: 1463686 bytes, checksum: dcab96ecc1f947c3a842b62290f469cc (MD5) Approved for entry into archive by Luiz Galeffi (luizgaleffi@gmail.com) on 2017-03-30T17:57:35Z (GMT) No. of bitstreams: 1 santos_bg_me_assis.pdf: 1463686 bytes, checksum: dcab96ecc1f947c3a842b62290f469cc (MD5) Made available in DSpace on 2017-03-30T17:57:35Z (GMT). No. of bitstreams: 1 santos_bg_me_assis.pdf: 1463686 bytes, checksum: dcab96ecc1f947c3a842b62290f469cc (MD5) Previous issue date: 2017-02-24 Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) Seguindo a perspectiva da teoria psicanalítica de Freud e Lacan, este trabalho discorre sobre a musicalidade e suas implicações na constituição psíquica do sujeito, considerando as peculiaridades acerca da dinâmica psíquica que ocorre no autismo e na psicose, demonstrando a possibilidade de fazer laço social. Segundo nossos desdobramentos, a musicalidade mantém em si a relação primordial do significante que não foraclui o Real, evidenciando um processo de encadeamento significante ainda anterior à produção de significação imaginária. Neste sentido, Lalangue e Sinthoma, sendo produções de relação significante do sujeito que mantêm em si a elementaridade do Real, demonstram uma via de intervenção pela via da musicalidade para a produção de um discurso sonoro, mesmo que sem significação, mas que faça mediação ao laço social. Nos sujeitos que não foracluem o Real, a via de evanescência do sujeito não está entre os significantes, e sim na dimensão do ato, do non sens que traz a marca do corpo Real através da enunciação, mesmo que sem fala. A essa condição de o sujeito evanescer no ato que evidencia o Real do significante, denominamos faz(s)er, como alternativa ao falasser do sujeito falante. Nossas discussões apontam que por meio da intervenção da musicalidade sobre Lalangue e Sinthoma é possível a constituição de um faz(s)er do sujeito como produção de significantes no Real que atuam como discurso de enunciação, não só fazendo laço social mas também legitimando o sujeito na condição autista e de estrutura psicótica em seu modo de existência psíquica. Following the perspective of Freud and Lacan's psychoanalytic theory, this work discusses musicality and its implications in the psychic constitution of the subject, considering the peculiarities on the psychic dynamics that occur in autism and psychosis, demonstrating the possibility of social bonding. According to our findings, one could say that musicality maintains, in itself, the primordial relation of the signifier that does not denies (Verwerfung) the Real, evidencing a process of significant chaining even before the production of imaginary signification. In this sense, Lalangue and Sinthome, productions of significant relation of the subject that maintain in themselves the elementarity of the Real, demonstrate a way of intervention through musicality for the production of a sound discourse, even if without meaning but with mediation to the social bond. At this subjects who do not deny (Verwerfung) the Real, the way of their “evanescence” is not between the signifiers, but on the dimension of the act, the non-sens that brings the mark of the Real body through enunciation, even without speech. For this condition, we should call “faz(s)er” (“d(t)o be”), as an alternative to the parlêtre of the speaking subject. Our discussion tries to show that through the intervention of musicality on Lalangue and Sinthome it is possible to constitute a d(t)o be of the subject as a production of signifiers that acts as a discourse of enunciation, not only making a social link but also legitimating the subject in the autistic condition and of psychotic structure in their own mode of psychic existence.

Page generated in 0.0485 seconds