• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 5903
  • 151
  • 91
  • 22
  • 19
  • 19
  • 17
  • 11
  • 9
  • 8
  • 8
  • 8
  • 7
  • 3
  • 2
  • Tagged with
  • 6227
  • 3708
  • 2357
  • 1356
  • 867
  • 683
  • 534
  • 509
  • 503
  • 497
  • 467
  • 379
  • 368
  • 359
  • 349
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
21

A utilização do lucro contábil como proxy de risco no Brasil

Munhoz, Django Agrahyde January 2006 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Departamento de Economia, 2006. / Submitted by Natália Cristina Ramos dos Santos (nataliaguilera3@hotmail.com) on 2009-11-14T20:02:36Z No. of bitstreams: 1 2006_Django Agrahyde Munhoz.pdf: 368224 bytes, checksum: 9ee3c4913337edae84dae4fc54e7de03 (MD5) / Approved for entry into archive by Gomes Neide(nagomes2005@gmail.com) on 2010-06-09T19:16:47Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2006_Django Agrahyde Munhoz.pdf: 368224 bytes, checksum: 9ee3c4913337edae84dae4fc54e7de03 (MD5) / Made available in DSpace on 2010-06-09T19:16:47Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2006_Django Agrahyde Munhoz.pdf: 368224 bytes, checksum: 9ee3c4913337edae84dae4fc54e7de03 (MD5) Previous issue date: 2006 / O coeficiente beta é a medida de risco mais utilizada pelas empresas. Entretanto, seu cálculo é difícil de ser realizado para empresas fechadas, o que inviabiliza sua utilização num universo relativamente significativo. Algumas alternativas estão disponíveis para a mensuração do risco de uma empresa. O objetivo dessa dissertação é determinar se é possível utilizar o Lucro Líquido e sua dispersão, uma medida contábil, como uma aproximação do beta. Para isso, utilizando uma amostra de empresas abertas brasileiras, para o período de 1996 a 2005, procurou-se verificar se existe uma relação entre o beta e algumas das medidas existentes. O resultado foi positivo, porém as correlações foram pouco significativas e fracas, indicando que a medida contábil não é adequada para substituir o beta nas suas diversas situações. _______________________________________________________________________________________ ABSTRACT / The most used measure of risk, by the companies, is the beta coefficient. However, its calculation is difficult of being carried through for closed companies, what it makes impracticable in a relatively significant universe. Some alternatives are available for the measurement of the risk of a company. The main purpose of this work is to determine if would be possible to use the earnings and its dispersion, a countable measure, as approach of beta. For this, using a sample of brazilian open companies, in the period of 1996 to 2005, it was looked to verify if exists a relation between beta and some of the existing measures. The result was positive, although, showed little significant and weak correlation, indicating that the countable measure is not adjusted to substitute the beta in his different situations.
22

Análise quantitativa na concessão de crédito versus inadimplência : um estudo empírico

Eifert, Daniel Soares January 2003 (has links)
Muitos estudos sobre análise do risco de crédito foram feitos até recentemente, tendo como principal foco a previsão de falência. A insolvência das empresas devedoras, sem dúvida, é um grande problema para os concedentes de crédito, no entanto, a inadimplência não é um fato exclusivo do processo falimentar. Neste sentido, a presente investigação se propôs a prognosticar a ocorrência da inadimplência - aqui definida como a cobrança que está sendo realizada por via judicial - com as informações disponíveis no momento da análise de crédito, neste caso, os três últimos demonstrativos contábeis. A pesquisa foi realizada com uma amostra constituída de empresas industriais, especificamente da indústria de transformação, clientes de uma instituição financeira que receberam financiamento durante o período de 1996 a 1997, dividida entre adimplentes e inadimplentes; mediante o uso de dois métodos estatísticos de análise múltipla de dados, já consolidados em estudos desta natureza: análise discriminante linear e regressão logística; e com emprego de quocientes financeiros obtidos a partir das demonstrações contábeis. Os resultados demonstraram que há uma lacuna no que tange a análise financeira tradicional no processo de exame de crédito, que pode ser suprida com modelos quantitativos setoriais estimados com auxilio de métodos estatísticos, contribuindo para uma melhor qualidade de análise, com intuito de evitar a inadimplência, melhorando o resultado das instituições financeiras.
23

Risco e a pequena produção de fumo no Estado de Alagoas / Risk and the small tobacco production in the State of Alagoas, Brazil

Lira, Fernando José de 14 September 1987 (has links)
Este estudo teve como objetivo principal estudar o efeito da diversificação da produção na renda e variabilidade da renda. Mais especificamente, os objetivos foram: a) tentar reproduzir o processo de tomada de decisão de um pequeno grupo de pequenos produtores através do uso de um modelo linear de programação linear, incorporando risco; b) identificar, com base nos resultados obtidos em a, os recursos mais limitantes do modelo; e c) investigar o efeito de uma maior disponibilidade de tais recursos sobre a renda e variabilidade da renda. A área escolhida para estudo foi a região fumageira de Arapiraca, no Estado de Alagoas. Os dados foram coletados através de entrevistas com pequenos produtores de até 10 hectares, realizadas em três épocas distintas dos ciclos produtivos das culturas, no ano agrícola de 1983. Os resultados da pesquisa mostraram que os agricultores, na sua quase totalidade, adotam sistemas consorciados de culturas, incluindo nesses consórcios, culturas de subsistência. Os planos contidos na fronteira eficiente gerada pelo modelo foram bastante semelhantes aos planos encontrados na amostra. Os recursos terra, mão-de-obra e capital não foram limitantes no modelo. Os resultados mostraram que as restrições de consumo mínimo proveniente da própria produção, foram as mais limitantes na geração da fronteira eficiente. Decidiu-se, assim, estudar o efeito que um"relaxamento"daquelas restrições teria sobre os níveis de lucro esperado e riscos das combinações de consórcios, introduzindo-se no modelo opções de compra daqueles alimentos. Os resultados mostraram que a compra de parte do consumo de feijão e batata permitiu que, aos mesmos níveis de lucro esperado, planos mais eficientes fossem obtidos, contrariando a hipótese de que o plantio de alimentos para autoconsumo contribui para diminuir o risco da pequena produção. / The main objective of this study was to investigate the effect of farm diversification on income and income variability. More specifically, the objectives were: a) to use a linear programming model, incorporating risk, in an attempt to reproduce famers decision making process; b) based on the results of a, to identify the most limiting resources in the model; and c) to investigate the effect of a greater availability of those resources on income variability. The study area was the tobacco production area of Arapiraca, State of Alagoas. The data used in the study were collected through personal interviews with farmers (owning up to 10 hectares of land), in three different production cycle points, during the 1983 agricultural year. The results of the study showed that almost all farmers cultivate crop"consorcium", including subsistence crops. The production plan on the efficient frontier generated by the model were very similar to the ones selected by farmers. The productive resources land, labor and capital were not limiting in the model. The results showed that restrictions on consumption coming from farm production were the most limiting in the generation of the efficient frontier. Thus, a modification on the consumption restrictions was introduced by allowing food to be bought (besides coming from production), in order to investigate its effect upon income and income variability. The results showed that buying part of edible beans and potatoes consumed, more efficient plans were obtained at the same prior income levels, which contradicts the belief that the practice of cultivating subsistence crops contributes to reduce risk of small production.
24

Custos de produção agrícola sob condições de risco no Estado de São Paulo / Agricultural production costs under risk conditions in the State of São Paulo

Corvalan Latapia, Maria Xenia Isabel 16 May 1988 (has links)
O presente trabalho analisa o comportamento de estimativas de custo de produção feitas pelo Instituto de Economia Agrícola da Secretaria de Agricultura de São Paulo sob condições de risco. A principal preocupação é verificar o que acontece com os custos de produção quando se consideram alguns dos coeficientes técnicos de produção como variáveis aleatórias. São consideradas nesta pesquisa as culturas de feijão, trigo, milho, arroz e cana-de-açúcar. Usou-se a análise de sensibi1idade para identificar as variáveis a serem simuladas. O processo consistiu em calcular a participação dos coeficientes previamente escolhidos no custo operacional efetivo. Foram consideradas para a simulação as seguintes variáveis: a) Na cultura do feijão: carpa manual, colheita manual, semente, adubo formulado (4-14-8), calcário, gradeação, pulverização, herbicida, irrigação e fungicida sistêmico. b) Na cultura do trigo: semente, adubo formulado (4-30-10). c) Na cultura do milho: colheita manual, semente, adubo formulado (4-14-8), sulfato de amônia em cobertura, gradeação e aração. d) Na cultura do arroz: semente, adubo formulado (4-14-8), aração, semente e sulfato de amônio em cobertura. e) Na cultura de cana-de-açúcar: corte, adubo formulado (5-20-20), mudas, adubo formulado (19-5-l9), adubo formulado (5-25-25), adubo formulado (20-5-20) e carregamento. Utilizou-se em seguida o método de simulação de Monte Carlo, gerando aleatoriamente novos valores para as variáveis selecionadas e obtendo a correspondente distribuição do custo de produção. Na falta de melhores informações sobre as distribuições de probabi1idade decidiu-se usar a distribuição triangular para todas as vinte variáveis. Considerou-se a moda igual ao valor dado pelo Instituto de Economia Agrícola e os limites mínimos e máximos foram pesquisados. Os resultados obtidos indicam que 13 das 17 planilhas de custo analisadas apresentaram probabilidades altas de ocorrerem custos superiores aos originalmente estimados pejo IEA. Esse fato indica que, se estas estimativas forem usadas para estabelecer preços mínimos, os agricultores correm um risco elevado de não terem cobertos seus custos. Indica, também, a necessidade da introdução de aleatoriedade pelo menos em alguns dos elementos das matrizes de coeficientes de custos de produção. / The present study analized the behavior under risk condition of estimates of production costs made by the Instituto de Economia Agrícola from the Secretaria de Agricultura de São Paulo. The main concern was to verify what happens to production cost when some of the technical production coefficients are considered as random variables. Bean, wheat, corn, rice, and sugarcane crops were assessed in this search. Sensitivitys analysis was used in order to identify the variables to be simulated. The process consisted on calculating the coeficients participation to previously chosen coefficients over the effective operacional cost. The following variables were selected for each simulation study: a) Bean: hand weeding, manual cropping, seed, (4-14-8) mixed fertilizer, limestone, harrowing, pulverization, fungicide, herbicide, irrigation and systemic fungicide. b) Wheat: seed, (4-30-10) mixed fertilizer. c) Corn: manual cropping, seed, (4-14-8) mixed fertilizer, ammonium sulphate in covering, harrowing and plowing. d) Rice: seed, (4-14-8) mixed fertilizer, p1owing, seed and ammonium sulphate in covering. e) Sugarcane crops: cutting, (15-20-20) mixed fertilizer, seed1ing (seedpieces), (19-5-19) mixed fertilizer, (15-25-25) mixed fertilizer, (20-5-20) mixed fertilizer and loading. Afterwards, the Monte Carlo simulation method was applied generating randomly new values for the selected variables and acquiring the corresponding distribution of the production cost. Due to the lack of further informations over probabi1i ty distribution it was decided to use triangular distribution for al1 of them. The mode was considered to be equal to the value of coefficient used by the Instituto de Economia Agrícola. The minimum and maximum 1imits for each variable were researched, consulting special its and the 1iterature. The results indicated by simulation showed that 13 out of 17 ana1ysed production costs presented high probabilities of being above the original estimates published by the IEA. This result shows that if IEA estimates are used to establish minimum prices, the producers are highly endangered of not having their costs covered. It shows, also, the need for the introduction of randomization in at least some of the coefficients of the estimating matrices of production costs.
25

A citricultura na região sul paulista: características e viabilidade econômica / not available

Cyrineu, Rodolfo Wartto 03 April 1998 (has links)
A citricultura da região sul do Estado de São Paulo teve expressiva participação na economia agrícola paulista, como produtora de fruta de mesa para mercados interno e externo até a década de 40, quando o surto da tristeza de citros e os efeitos da II Guerra Mundial, em detrimento da demanda, provocaram colapso em toda a citricultura paulista. Na 2ª metade da década de cinqüenta, a citricultura se restabeleceu na região centro-norte do Estado, como fornecedora de matéria prima à emergente indústria de suco. Isso não aconteceu com a região sul do Estado, que só experimenta novo impulso com a implantação, em 1988, de um projeto de 3 milhões de pés de citros e um plano de implantação de uma esmagadora de frutas pelo Grupo Votorantim. A partir de então, a região sul paulista vem apresentando expansão em sua área plantada com pomares, possuindo uma distribuição varietal composta de Laranja-pera (45%), Pera-natal (18%), Valência (14%), Harnlin (5%), Ponkã (4%), Murcote (4%) e demais variedades (10%). Para avaliar a viabilidade dessa expansão, foram realizadas análises de investimentos na citricultura, em condições deterministas e de risco (técnica Monte Carlo). Para tanto, foram coletadas informações junto a citricultores, estabelecendo um sistema de produção prevalecente na região, com horizonte temporal estimado em 25 anos. Na análise determinista usou-se 6% a.a., 10% aa. e 20% aa como taxas mínimas de atratividade. Às taxas de desconto de 6% a.a. (comparável ao rendimento real de caderneta de poupança) e 10% a.a. (como aproximação aos juros do crédito rural em termos reais), os investimentos na citricultura se mostraram atrativos, com valor presente atualizado (a dólares de novembro de 97) de US$ 18.25/planta (6% a.a.) e US$ 6.96/planta (10% a.a.) e payback atualizado de 12 e 14 períodos, respectivamente. Já à taxa de desconto de 20% a.a. (aproximação às taxas de mercado), o empreendimento se torna inviável economicamente. Na análise determinista a taxa interna de retorno obtida foi de 14,8% a.a. Para a análise de investimento em condições de risco, com variações nos preços, custos e produtividade, foi obtida uma taxa interna de retorno de 17,3% a.a. À taxa de desconto de 6% a.a. foram obtidos valor atualizado médio de US$ 26.97/planta e payback atualizado médio ao redor de 10 anos. Através do resultados obtidos, a citricultura na região sul paulista mostra-se atrativa aos investimentos em citricultura. / not available
26

Proposta metodológica para identificação, classificação e minimização das incertezas em estudos de riscos. / Methodological proposal for tretment uncertainties in studies of risk.

Pereira, Wagner José Gomes 02 August 2010 (has links)
A identificação das incertezas envolvidas no processo de estudo, possibilita que a tomada de decisão seja realizada de forma clara e científica Abrahamsson (2001). Será feito um estudo crítico das diversas etapas envolvidas nos estudos de risco e confiabilidade, buscando identificar as incertezas envolvidas, descobrir a sua natureza e estabelecer formas adequadas de trata-las. Vários aspectos de incertezas serão discutidos. Qual o papel das incertezas no processo de tomada de decisão? Que etapas do processo de análise de risco produzirão incertezas? Quais os tipos de incertezas existentes? Como os órgãos de normalização estão tratando o problema de incerteza? Por final será apresentada uma proposta metodológica que auxilie na minimização das incertezas e que facilite, no futuro próximo possível a criação de normas que melhorem o grau de exatidão nos estudos de riscos e de alguma forma os Estudos relacionados com Análise de Risco possam melhorar em qualidade. / The identification of the uncertainties involved in the study, enables the decisionmaking is carried out in a clear and scientific Abrahamsson (2001). There will be a critical study of the various steps involved in studies of risk and reliability, identifying the uncertainties involved, discover the nature and stablish appropriate ways to treat them. Several aspects of uncertainties will be discussed. What is the role of uncertainties in the process of decision making? What stages of risk analysis will produce uncertainties? What types of uncertainty? As the standardization bodies are addressing the problem of uncertainty? By the end will be presented a methodology to assist in reducing the uncertainties and to facilitate in the near future it possible to create standards to improve the degree of accuracy in studies of risks and somehow the studies related to Risk Analysis to improve quality.
27

Uma contribuição à auditoria do risco de derivativos

Carvalho, Luiz Nelson Guedes de 11 October 1996 (has links)
De uma maneira geral, tem se observado empiricamente que os ecanismos de financiamento do desenvolvimento econômico foram, nos países de economias ditas \"emergentes\", fortemente concentrados, nas últimas décadas, em mecanismos de crédito como supridores de capital. Isso se observa nos modelos de financiamento da implantação dos setores de infra-estrutura industrial no Brasil, como o siderúrgico, elétrico e de telecomunicações, por exemplo; não se nega ter havido esforços de captação de recursos de capital de risco, mas é evidente terem sido os mecanismos de dívida largamente utilizados no período e nas indústrias referidas. Mais recentemente, talvez nos últimos 10 a 15 anos, há nítidas evidências da migração dos agentes para mecanismos de atração de capital de risco, em parte substituindo, em parte complementando o endividamento pelo recurso ao mercado de capitais. Esse esforço visivelmente se concentra na busca por redução do custo de capital, elemento fundamental, em Teoria de Finanças, para motivar empreendedores em busca de parceiros financeiros para a consecução de planos de implantação/expansão de projetos na economia real. A esse respeito, estatística divulgada em uma das edições de julho de 1993 pela revista \"The Economist\" demonstra que, no ano calendário de 1981, o financiamento externo às economias emergentes, totalizando nesse período US$ 156,9 bilhões, mostrou o seguinte comportamento quando comparado com os US$ 205,3 bilhões do ano calendário de 1991: fonte dos recursos (1981 - 1991), \"commercial bank loans\" (46,1% - 17,4%), \"official loans\" (26,0% - 30,8%), \"suppliers and export credits\" (11,0% - 12,5%), \"foreign direct investments\" (8,3% - 16,5%), \"grants\" (7,3% - 14,5%), \"bonds\" (1,2% - 4,6%) \"portfolio equity\" (0,1% - 3,7%). Por certo não é meramente acidental que, no período imediatamente após a aguda crise da chamada \"dívida do 3° mundo\" em 1982, os agentes econômicos oriundos dos países desenvolvidos tenham migrado, e pesadamente, do mecanismo clássico do crédito convencional para outros caminhos. Não é igualmente acidental que o maior crescimento relativo, dentre os elencados pela revista citada, seja precisamente o do mercado de capitais, por meio do crescente apelo ao mercado de valores mobiliários nesse intervalo de dez anos. Não parece, à primeira vista, um exagero imaginar que tal estatística, para o período de dez anos a se findar em 2001, mostre ser esse veículo, o mercado de capitais, uma das duas ou três principais vias de alimentação de recursos financeiros das economias carentes de capital. EMPRESA x ANÁLISE DE RISCO Mediante esse quadro de perceptível pendência para o mercado de capitais como agente financiador do desenvolvimento econômico, o estudo que aqui se oferece para exame se deteve na consideração de que, por detrás das decisões de emprestar/não emprestar, investir/não investir, existe uma análise de risco, que pode, primariamente, ser subdividida em dois públicos praticantes: a análise de risco interna, feita pelo gestor do empreendimento ou empresa, e a externa, feita pelo credor ou investidor potencial. Quando a interna tem a oportunidade de descer até o nível da transação, a externa se vale de informações com certeza menos analíticas e menos detalhadas para orientar-se. O foco deste estudo é, fundamentalmente, o usuário externo de informações sobre transações com instrumentos financeiros derivativos. No tocante a tais informações, esta Unidade de Ensino, pelo seu programa de pós-graduação, tem sido, nos últimos semestres, pródiga em oferecer à comunidade acadêmica e à classe empresarial frutos de pesquisas, sob a forma de dissertações de mestrado ou teses de doutorado concentrando-se em \"mensuração\" ou em \"divulgação\" de posições tomadas por empresas em instrumentos financeiros. Um dos principais, embora com certeza não o único meio de comunicação entre os resultados da ação empresarial e o público externo é o conjunto das demonstrações contábeis, também ditas demonstrações financeiras. São elas compulsadas com freqüência virtualmente regular por credores e investidores, existentes ou potenciais, para permitir-lhes análise de riscos e conseqüente orientação de suas decisões. Nesse exercício de análise, estão subjacentes as premissas que orientam a preparação desse material informativo: - com que acuidade e perspicácia a entidade que divulga demonstrações financeiras teria identificado os eventos econômicos capazes de influenciar a posição financeira e os resultados das operações ? - mediante que critérios, padrões ou normas teriam os eventos assim identificados sido mensurados de molde a permitir adequada representação numérica nos demonstrativos financeiros ? - que bases foram adotadas para aglutinar ou agrupar os eventos econômicos identificados e mensurados, de forma a permitir compreensão do efeito agregado das transações individuais semelhantes ocorridas no período contábil sendo relatado ? - que princípios foram esposados para revelar ou comunicar tais efeitos agregados, objetivando a mais adequada divulgação possível dos mesmos ? É demonstrável, embora escape ao objeto deste trabalho acadêmico, que os graus de identificação, mensuração, agrupamento e revelação dos eventos que impactam a posição patrimonial e os resultados de operações de entidades empresariais voltadas para o lucro tem variado segundo regiões geográficas, indústrias e estágios de maturação (vale dizer, de sofisticação), das práticas de negócios e financeiras. Variadas alternativas de comunicar tais impactos por certo influenciam também diferentemente as análises de risco que deles se fazem. A AUDITORIA DAS INFORMAÇÕES PRODUZIDAS Os credores/investidores usualmente se apoiam, em maior ou menor extensão, no concurso de especialistas externos e independentes para consolidarem sua credibilidade nas informações preparadas e divulgadas pelas empresas. Tais especialistas externos são os Auditores Independentes. Deles se espera, numa descrição leiga, que cotejem a prática adotada pela entidade que submete o relatório, a paradigmas ou padrões esperados, e que comuniquem desvios ou incertezas. No exercício de tal função, espera-se de auditores independentes que efetuem suas próprias análises de risco. Cabe então indagar como atuam os auditores independentes ? A pesquisa documentada na tese demonstra que são, didaticamente falando, três as grandes fontes de inspiração para o trabalho de tais auditores: 1)pronunciamentos mandatórios, via de regra emanados de reguladores de mercados; 2)pronunciamentos orientativos, produzidos por associações ou institutos profissionais, não governamentais, porém lastreados em reconhecida autoridade técnica; 3)deliberações de caráter interno das organizações ou firmas de auditoria independente, usualmente inspiradas por insatisfações das mesmas com os pronunciamentos públicos e de caráter geral. Tais pronunciamentos, com qualquer origem, inevitavelmente se remetem à relevância dos controles para conhecerem a exposição a riscos da entidade auditada. Tais controles, formatados à feição de cada entidade e por ela concebidos e implementados, são cunhados no jargão profissional como controles internos. Daí decorre a Hipótese de Trabalho adotada neste estudo acadêmico: \"Os procedimentos de auditoria dos controles internos, desenhados pela profissão contábil há décadas, representam métodos de trabalho do início ou meados do atual século, hoje inadequados por estarem sendo aplicados a transações extremamente sofisticadas criadas no final do século\" (provocativamente, poder-se-ia suspeitar de estarem sendo usadas técnicas de auditoria de 1950 em transações do ano 2000). A PESQUISA E AS ANÁLISES EFETUADAS Este trabalho acadêmico incursionou por conceitos de RISCO tal como explicitados na literatura existente, e não apenas no campo contábil e de auditoria como também no da economia e no da administração de empresas, particularmente a administração financeira. Um relativamente elevado grau de detalhamento foi também adotado no trabalho ao adentrar na discussão que os livros, os pronunciamentos e as empresas fazem sobre CONTROLE INTERNO. Para ensejar um entendimento consensado sobre a questão da terminologia, extensa discussão é feita sobre a questão dos INSTRUMENTOS FINANCEIROS e nestes, em particular, dos DERIVATIVOS. Diversos exemplos são relembrados sobre insucessos empresariais envolvendo-os, objetivando-se provocar a reflexão se os derivativos seriam instrumentos perversos da ação gerencial, destinados a mergulhar o patrimônio empresarial numa aventura descabida e insensata - e como tal, se assim fosse, deveriam ser proibidos pelos reguladores, ou se seriam, ao contrário, legítimas alternativas de tal ação gerencial a serem usadas no interesse do próprio patrimônio, e não contra ele. Posto não ter sido encontrada referência analítica a instrumentos financeiros e a derivativos na literatura específica oriunda da ou voltada para as áreas contábil e de auditoria, optou-se por consolidar, neste trabalho acadêmico, conhecimentos sobre os mesmos emanados de obras originárias da economia e de finanças. Pesquisa específica foi feita sobre a questão dos PRONUNCIAMENTOS profissionais, de qualquer das três naturezas, voltadas para RISCO, AUDITORIA e DERIVATIVOS, e o CONTROLE INTERNO nesse contexto. No campo dos casos tópicos, a pesquisa busca dissecar o caso BARINGS no que ele tenha a contribuir para a hipótese de trabalho, bem como as contribuições emanadas, a respeito de risco/auditoria/derivativos/controle interno, do Comitê das Organizações Patrocinadoras (COSO, dos Estados Unidos), da Federação Internacional de Contadores (IFAC), do Escritório do Controlador da Moeda (O.C.C., dos Estados Unidos), do Instituto Americano de Contadores Públicos Certificados (AICPA, dos Estados Unidos), do Grupo dos Trinta (especialistas que se debruçaram sobre o estudo dos riscos de derivativos), do Conselho Federal de Contabilidade (CFC, do Brasil), do Comitê de Supervisão Bancária da Basiléia (BIS, sediado na Suíça), da Comissão de Valores Mobiliários e do Banco Central (CVM e BACEN, do Brasil), e por último, de firmas de auditoria de reputação e atuação internacional. COMENTÁRIOS FINAIS E PROPOSTA DE UM ROTEIRO BÁSICO PARA A AUDITORIA DO RISCO DE DERIVATIVOS Antes de se iniciar no conhecimento dos controles voltados à redução de riscos no uso de derivativos, faz-se mister delinear quais riscos estão presentes e qual método de redução de riscos é mais eficaz em cada circunstância. Há razoável consenso entre os que escreveram sobre RISCO quanto a este se dividir em quatro grandes grupos: de crédito, de mercado, operacionais e legais. Reguladores de mercado costumam adicionar as categorias de risco de liquidez, sistêmico e de reputação. Também é consenso entre autores e usuários que os riscos ditos de mercado são fundamentalmente seis: absoluto de preço ou \"delta\", convexidade ou \"gamma\", volatilidade ou \"vega\", decurso de tempo ou \"teta\", base ou correlação, e de taxa de desconto ou \"rô\". Tais riscos estão presentes em operações de \"swaps\", de \"forwards\", de \"futuros\" e de opções, tanto nas modalidades \"plain vanilla\" quanto nas exóticas como \"swaptions\", no universo de derivativos analisados. A metodologia científica em economia e finanças incursiona por formulações quantitativas quanto à \"propensão ao risco\", à \"neutralidade ao risco\" e à \"aversão ao risco\" ao generalizar sobre curvas de indiferença e seus efeitos sobre mercados de capitais e decisões de investimento. Sendo esses os termos que freqüentam as preocupações diárias de tomadores de decisões na empresa sobre RISCOS e DERIVATIVOS, a premissa passa a ser, então, a de delimitar o nível de conhecimento especializado que o auditor de derivativos deve ter para (a) familiarizar-se com os instrumentos financeiros derivativos, utilizados pela empresa auditada, (b) conhecer os riscos decorrentes, (c) pesquisar os controles existentes para esses tipos de riscos específicos, dentre os controles possíveis, (d) avaliar sua vigência e eficácia, (e) poder contribuir profissionalmente para o aumento na eficácia dos mecanismos de gestão interna de riscos das equipes gerenciais, bem como para o aumento da qualidade da revelação de riscos nas demonstrações financeiras sendo publicadas acompanhadas de sua opinião como auditor. A literatura pesquisada, as observações feitas e as correlações decorrentes não indicam qualquer interface relevante entre os conceitos de risco referidos, tal como percebidos e enfocados pelos tomadores de decisão nas empresas que operam com instrumentos financeiros derivativos e os conceitos de risco tal como estatuídos na literatura profissional voltada para auditoria. De um ponto de vista metodológico, as principais observações que nos parece cabível destacar são as de estar faltando, na bibliografia profissional e nas práticas constatadas, um enfoque sistêmico de ataque ao problema, e uma linha de atuação dedutiva, no sentido de permitir que o trabalho do auditor incursione, em cada exame de controle interno dentro de um sentido de \"curva de aprendizado\" do risco de seu cliente. Os procedimentos mínimos ou básicos que o trabalho acadêmico propõe não pretendem esgotar as alternativas, nem detalhá-las ao nível de programa padrão de trabalho. Este trabalho não pretendeu, como mera contribuição que é, oferecer o bálsamo salvador, senão apenas comprovar, com rigor metodológico, que é verdadeira a suspeita de muitos quanto ao descasamento entre interpretação de RISCO na ótica do tomador de decisão e na ótica do auditor, em circunstâncias em que não deveriam ser. A contribuição que se pretendeu foi: -introduzir na literatura contábil e de auditoria emanada da academia os conceitos e práticas de operação com instrumentos financeiros não encontráveis, ou não consolidadas, no jargão usual dos profissionais da área; -propor o desafio de se reconhecer e reduzir a dicotomia entre as interpretações de risco entre auditor e auditado; -demonstrar o descompasso entre o desafio quanto ao que os usuários esperam do auditor, e seus pronunciamentos profissionais, que pautam sua ação; -acenar para o curso de ação requerido para que as omissões, descompassos e descasamentos sejam eliminados, tanto no campo da ação profissional quanto nas técnicas e práticas de ensino e treinamento, aproximando profissionais do campo contábil aos da economia e de finanças, no que eles convivem em torno das mesmas questões: risco, credibilidade, e capacidade de tranqüilizar credores e investidores quanto à adequação das informações que estes últimos recebem para orientar suas decisões. Transparência induz à segurança, e esta à redução do custo de capital. Este, por sua vez, à oportunidade de desenvolvimento econômico.
28

A insuficiência da responsabilidade civil clássica frente aos contornos do risco do desenvolvimento : construção de uma abordagem de responsbilidade por presunção de causalidade / A failure of hability for front classic contours risk of development: Construction of an approach of liability for presumption of injury (Inglês)

Pinto, Laura Anísia Moreira de Sousa 06 April 2011 (has links)
Made available in DSpace on 2019-03-29T23:29:41Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2011-04-06 / This thesis aims to analyze the risk of development coming from the constant scientific and technological developments which, at first did not understand the concern about the risks arising from the progress of modernization, and failed to detect the projection that the same risks could cause the present generations future, which is why they speak of the risk society - a term coined by Ulrich Beck. Investigates the evolution of the Institute of liability to land on an interpretation more in line with the principle of human dignity and solidarity in order to elevate them to levels of structuring principles of the theory of liability. Given the vision based on current needs in relation to risks of development, coupled with the bias that the new principles once posted to impose legal scenario, the right is called to rethink the theory of liability, to admit responsibility for probabilistic causation, which assumes that the element of causation can not be viewed by his certainty, but the probability, based on an assessment of reasonableness. Finally, it will be likely to demonstrate that this new reading of the Institute of liability is not a new fact to the doctrine, but rather accepted by great interpreters of the law, and by the courts themselves patriotic and aliens. Keywords: Risk of development. Liability. Causation. Probability. Responsibility for the presumption of causality. / Esta dissertação visa analisar o risco do desenvolvimento advindo das constantes evoluções científicas e tecnológicas que, em um primeiro momento, não atentaram para a preocupação a respeito dos riscos advindos do progresso modernizante, bem como não detectaram a projeção que estes mesmos riscos poderiam ocasionar às gerações presentes e futuras, daí porque se falar em sociedade de risco expressão cunhada por Ulrich Beck. Parte do exame da evolução do instituto da responsabilidade civil para desembarcar em uma interpretação mais consentânea com o princípio da dignidade humana e da solidariedade, a fim de elevá-los a patamares de princípios estruturantes da teoria da responsabilidade civil. Diante da visão pautada nas necessidades atuais em relação aos riscos do desenvolvimento, somado ao novo viés que os princípios outrora destacados impõem ao cenário jurídico, o direito é chamado a repensar a teoria da responsabilidade civil, no sentido de admitir a responsabilidade por causalidade probabilística, a qual parte da premissa de que o elemento nexo de causalidade pode ser considerado não pela sua certeza, mas sim pela sua probabilidade, pautada em um juízo de razoabilidade. Por fim, demonstrar-se-á que essa nova leitura do instituto da responsabilidade civil não é um fato novo para a doutrina, mas sim aceito por grandes intérpretes do direito, bem como pelos próprios Tribunais pátrios e alienígenas. Palavras-chave: Risco do desenvolvimento. Responsabilidade civil. Nexo de causalidade. Probabilidade. Responsabilidade por presunção de causalidade.
29

Perfil do investidor anjo : características socioeconômicas e comportamentais, motivações e critérios decisórios / Business Angel Profile: social, economic and behaviour features, motivations and decision-making (Inglês)

Martins, Thiago Braga 31 August 2015 (has links)
Made available in DSpace on 2019-03-29T23:58:20Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2015-08-31 / This study¿s intention in to understand the profile of the angel investor, from his/her social and economic characteristics, motivations while dedicating himself/herself to such activities and his/her criteria for taking decisions and his/her behavioral. The approach is qualitative; regarding the purposes, it is a descriptive research; regarding the means, it is a documental, telematics and field research, comprising an exploratory investigative phase. Nine angel investors acting in the state of Ceará were interviewed, and their testimonials were examined under the bias of content analysis, by creating a theoretical board, which included distinct categories and elements of the analysis. Amongst the most relevant identified attributes, we could find: they are strongly driven by the search of high financial return, followed by the desire of being useful to young entrepreneurs; while making decisions, they evaluate primarily the entrepreneur team and, later, the presence of innovation in the business model; they consider themselves patient and persistent, observers and gifted with relationship and communication facility, they don¿t dedicate a lot of time to the companies they have invested in, they have ambitious expectations regarding return, they are mostly driven by intuition, they are males with average age of 42 years old, mostly administrators and entrepreneurs, graduated in college or with a specialization degree. Keywords: Angel investment. Angel investor profile. Risk capital. Startup. Entrepreneurship. / O presente estudo propõe-se a entender o perfil do investidor anjo, a partir de suas características socioeconômicas e comportamentais, suas motivações em se dedicar a tal atividade e seus critérios para tomada de decisões. A abordagem é qualitativa; quanto aos fins, trata-se de pesquisa descritiva; quanto aos meios, trata-se de pesquisa documental, telematizada e de campo, compreendendo inicialmente uma fase investigativa exploratória. Foram entrevistados nove investidores anjos em atuação no estado do Ceará, cujos relatos foram examinados sob o viés da análise de conteúdo, mediante a criação de um quadro teórico que contemplou distintas categorias e elementos de análise. Entre os atributos mais relevantes identificados, estão: são do gênero masculino com idade média de 42 anos, em sua maioria administradores e empresários, com nível superior completo ou especialização; são motivados fortemente pela busca de alto retorno financeiro, seguida do desejo de ser útil a jovens empreendedores; na tomada de decisão para investimento, avaliam primordialmente a equipe empreendedora e, em seguida, a existência de inovação no modelo de negócio; consideram-se pacientes e persistentes, observadores e dotados de facilidade de relacionamento e comunicação, não dedicam grande parcela de seu tempo às empresas investidas, possuem expectativas ambiciosas de retorno, são guiados em considerável medida pela intuição. Palavras-chave: Investimento anjo. Perfil do investidor anjo. Capital de risco. Startup. Empreendedorismo.
30

Determinação das variáveis relevantes para a avaliação de risco do crédito de longo prazo em instituições financeiras

Magalhães, Débora Varela 05 July 2006 (has links)
Made available in DSpace on 2019-04-05T23:07:50Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2006-07-05 / The scarcity of researches about credit risk in Brazil has obstructed a consistent evaluation of the behavior on the part of the financial institutions. Due to short term credit analysis be more common used for measure the risk in long term by the financial institutions, is relevant a deep study about the long term credit risk models, with the objective of knowing its characteristics and variables. Thus, the research problem intends to answer the question: Which are used the variables of long term credit risk in the financial institutions? The research was carried through bibliographical survey about credit risk having identified analysis methodologies and characteristics for the long term credit risk concession. From this survey was made a research in the official banks that operate with long term credit risk, through this survey was possible identifying the main variables used for the credit concession. At the last moment of the research was made a study of multiple case in two development banks. The results of the research had disclosed strong and weak points in both models. The variables analyzed in the two models was: "the character", "the professional qualification", "the transparency of the information", "the retrospective and prospective analysis of the countable the successory process", "the sector of activity", "the technology adopted ", "the market performance", "the strategy" and "the guarantees". Was verified some differences between the two models, justified for being elaborated internally having as base the Resolution nº2682 of the Central bank of Brazil. / A escassez de estudos sobre risco de crédito no Brasil tem impedido uma avaliação consistente do comportamento dos bancos em relação ao assunto. Devido ao fato de a análise de crédito de curto prazo ser a mais comumente usada para mensuração do risco em longo prazo, torna-se oportuno um estudo aprofundado dos modelos de análise de risco do crédito de longo prazo, com o objetivo de conhecer as suas características e variáveis. Assim sendo, o problema de pesquisa pretende responder à seguinte indagação: Quais são as variáveis utilizadas na avaliação de risco do crédito de longo prazo nas instituições financeiras? A pesquisa foi realizada a partir de levantamento bibliográfico sobre risco de crédito, identificando-se metodologias e características de análise para a concessão do crédito de longo prazo. Com base nesse levantamento, realizou-se uma pesquisa nos bancos oficiais que operam com longo prazo. Por meio desse levantamento, foi possível identificar as principais variáveis utilizadas para a concessão do crédito. No último momento da pesquisa, fez-se um estudo de caso múltiplo em dois bancos de desenvolvimento. Os resultados da pesquisa revelaram pontos fortes e pontos fracos em ambos os modelos. As principais variáveis analisadas nos dois modelos foram: o caráter , a qualificação profissional , a transparência das informações , a análise retrospectiva e prospectiva dos balanços , o processo sucessório , o setor de atividade , a tecnologia adotada , o mercado de atuação , a estratégia e as garantias . Foram verificadas algumas diferenças de critério entre os dois modelos, justificadas por serem elaborados internamente, com observância do disposto na Resolução n. 2.682 do Banco Central.

Page generated in 0.0526 seconds