• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 10
  • Tagged with
  • 10
  • 5
  • 5
  • 5
  • 4
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Appendicite

Downing, James Lionel January 1916 (has links)
100 p. / Submitted by PADILHA MARIANA (marivp_vieira@hotmail.com) on 2013-08-27T11:42:07Z No. of bitstreams: 1 James Lionel Downing (1916 ).pdf: 2962639 bytes, checksum: 24566cabfa67fcb6332f73490c1dc18e (MD5) / Approved for entry into archive by Ribeiro Graça (graca.mr@hotmail.com) on 2013-08-27T16:01:44Z (GMT) No. of bitstreams: 1 James Lionel Downing (1916 ).pdf: 2962639 bytes, checksum: 24566cabfa67fcb6332f73490c1dc18e (MD5) / Made available in DSpace on 2013-08-27T16:01:44Z (GMT). No. of bitstreams: 1 James Lionel Downing (1916 ).pdf: 2962639 bytes, checksum: 24566cabfa67fcb6332f73490c1dc18e (MD5) / Tese de concurso apresentada a Faculdade de Medicina da Bahia. Apendicite é a inflamação aguda ou cronica do apêndice vermiforme. Nas crianças e nos idosos a doença é rara, sendo caracterizada como uma moléstia da mocidade e do adulto mais frequente em homens do que em mulheres. No apêndice agudo os sintomas são: prisão de ventre, diarreia, flatulência, náuseas, fraqueza etc. O tratamento pode ser realizado com água quente dentro de um pote de borracha colocada no local ou pode ser realizado intervenção cirúrgica.
2

Otimização do exame ultra-sonográfico para detecção de apêndices normais e anormais em crianças

Peletti, Adriana Barcellos January 2006 (has links)
Made available in DSpace on 2013-08-07T19:07:19Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000386963-Texto+Completo-0.pdf: 2237505 bytes, checksum: 18d8faf5137e04774ca205daa5c12821 (MD5) Previous issue date: 2006 / BACKGROUND: Ultrasound detection of the normal appendix may safely rule out appendicitis. However, findings reported in the literature are controversial. OBJECTIVE: To optimize ultrasound examination to detect the normal and the abnormal appendix through an approach according to the potential positions of the appendix. MATERIAL AND METHODS: This prospective study examined 107 consecutive children that underwent gray-scale US scanning. Noncompressive and compressive graded sonography was performed to detect normal and abnormal appendices according to the potential positions of the appendix. The maximum transverse diameter of appendices was measured. RESULTS: Of the 107 children examined, 56 had a histologic diagnosis of acute appendicitis. Ultrasound had a sensitivity of 100% and specificity of 98% for the diagnosis of appendicitis. The normal appendix was visualized in 44 (86. 2%) of the 51 patients without acute appendicitis: 43 true negative and 1 false positive cases. According to their position, normal and abnormal appendices were, respectively: most, 54. 4% and 39%, were mid pelvic; 27. 2% and 28. 6% were retrocecal; 11. 4% and 17. 8%, deep pelvic; and 6. 8% and 14. 3%, abdominal. CONCLUSION: Ultrasound scanning according to the potential positions of the appendix was useful in the detection of normal appendices in children suspected of appendicitis. / OBJETIVO: Avaliar o exame ultra-sonográfico para detecção dos apêndices normais e anormais de acordo com suas potenciais posições. MATERIAL E MÉTODOS: Este estudo prospectivo incluiu 107 crianças que foram submetidos a ultra-sonografia em escala de cinza. Foi realizado US com técnica compressiva e não-comperssiva para detectar apêndices normais e anormais de acordo com suas potenciais posições. O diâmetro máximo transverso foi medido. RESULTADOS: Dos 107 pacientes examinados, 56 tiveram diagnóstico histológico de apendicite aguda. O US teve sensibilidade de 100% e especificidade de 98% para o diagnóstico de apendicite. O apêndice normal foi visualizado em 44 (86,2%) dos 51 pacientes sem apendicite aguda, e destes 44, 43 eram verdadeiro-negativos e 1 era falso-positivo. Os apêndices normais e anormais foram encontrados, respectivamente, nas seguintes posições: 54,4% e 39,3% eram médio-pélvico; 27,2% e 28,6% eram retrocecais; 11,4% e 17,8% eram pélvicos profundos; e 6,8% e 14,3% eram abdominais. CONCLUSÃO: O exame US de acordo com as potenciais posições apendiculares foi útil para detecção dos apêndices normais em crianças com suspeita de apendicite aguda.
3

Desenvolvimento do apêndice vermiforme em crianças de diferentes faixas etárias

Jorge, Alexandre 14 February 2007 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina, 2007. / Submitted by Thaíza da Silva Santos (thaiza28@hotmail.com) on 2011-02-12T21:56:04Z No. of bitstreams: 1 2007_ALEXANDRE JORGE.pdf: 11680604 bytes, checksum: c2392a5f319d5998a96f56cafde2c4de (MD5) / Approved for entry into archive by Luanna Maia(luanna@bce.unb.br) on 2011-03-24T15:16:54Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2007_ALEXANDRE JORGE.pdf: 11680604 bytes, checksum: c2392a5f319d5998a96f56cafde2c4de (MD5) / Made available in DSpace on 2011-03-24T15:16:54Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2007_ALEXANDRE JORGE.pdf: 11680604 bytes, checksum: c2392a5f319d5998a96f56cafde2c4de (MD5) / Não foi delimitado nenhum traço anatômico preciso no apêndice vermiforme do ceco no recém-nascido e na criança até dois anos idade. O apêndice vermiforme se prolonga a partir do ceco e se apresenta de forma cônica, com uma base alargada e o ápice estreito. Relacionaram-se parâmetros anatômicos com as diferentes faixas etárias, com o objetivo de definir quando este órgão assemelha-se à anatomia do adulto. Sessenta e sete (67) peças da transição ileocecal foram agrupadas segundo as diferentes faixas etárias: grupo A (18 peças de recém-nascidos à termo) - grupo B (14 peças de 6 meses de idade) - grupo C (13 peças de 12 meses de idade) - grupo D (11 peças de 24 meses de idade) e o grupo E (11 peças de adultos). Foram medidos: o comprimento do apêndice vermiforme, o ponto de contato da borda anti-mesentérica do íleo e a distância entre este e as bordas, direita (d.b.d.i) e esquerda (d.b.e.i.) da base do apêndice. Finalmente, o diâmetro do órgão foi avaliado em três diferentes pontos ao longo de seu comprimento: em sua base, na porção média e próximo do ápice (extremidade distal). As tênias foram avaliadas através da mesoscopia. Para a análise dos resultados utilizouse o teste não-paramétrico de Mann-Whitney. Dentre as sessenta e sete (67) peças submetidas ao estudo do desenvolvimento do apêndice vermiforme, quarenta e sete (70,1%) eram do sexo masculino e vinte (29,9%) do sexo feminino. O comprimento do apêndice variou de 2,5 a 12,5cm, com média em extensão de 5,3cm. A posição retro ileal predominou no primeiro ano de vida (grupos A, B e C). A média das variáveis, de acordo com a faixa etária (grupos A, B, C, D e E), foram: d.b.e.i. = 0,0-0,0-0,5-2,0- 2,5cm.; d.b.d.i. = 1,1-1,0-1,3-2,3-2,8cm; diâmetro da base = 1,0-0,8-0,4-0,3-0,5cm; diâmetro do ápice = 0,31-0,32-0,37-0,58-0,53cm. Foi realizado o cruzamento dos valores das médias das distâncias da margem esquerda da base do apêndice ao íleo (d.b.e.i.) nos grupo A, B, C e D com o valor médio no grupo E (adulto). A diferença entre esta variável é estatisticamente significante com p=0,00 para os grupos A, B e C; e p=0,003 para o grupo D, refutando a hipótese nula e confirmando a hipótese alternativa. Quando analisada a distância da margem direita da base do apêndice ao íleo (d.b.d.i) entre os grupos A, B, C, D e grupo E, os resultados se mostraram também estatisticamente significativos com p=0,00 e p=0,004. Os dados sugerem que o crescimento da distância da borda esquerda da implantação do apêndice vermiforme ao íleo é considerado o parâmetro anatômico mais importante tanto para a aquisição derradeira da forma do órgão (base estreita), semelhante àquela encontrada no adulto, quanto na definição da transição anatômica entre os dois órgãos. ________________________________________________________________________________ ABSTRACT / There is no precise anatomical trace that limits the vermiform appendix of the cecum in the newborn and in the child in the first years of life. The appendix prolongs from the cecum and presents a conical form, with an enlarged base and a narrow apex. The objective of the present work was to identify certain anatomical parameters, and to relate them chronologically to the different age groups in order to define when exactly the base of implantation of this organ in the cecum resembles the adult's anatomy. Sixty-seven (67) ileocecal transition pieces were grouped according to the different ag groups: Group A (18 pieces of newborns at term) – Group B (14 pieces of six months- old children) – Group C (13 pieces of 12 month-old children) – Group D (11 pieces of 24 month-old children) and Group E (11 pieces of adults). Initially, the length of the vermiform appendix was measured. The point of contact of the ileum anti-mesenteric edge in the cecum was identified and the distance between this and the edges, right (d.b.d.i) and left (d.b.e.i.), of the appendix implantation was assessed. Finally, the diameter of the organ was evaluated in three different points along its length: on its base, in the middle portion and next to the apex (distal extremity). The tapeworms were evaluated with a mesoscope. For the analysis of data, the non-parametric Mann- Whitney test for independent samples was used. The results were demonstrated through the crossing of variables in the different age groups and the statistical significance level was considered for p<0.05. Results and discussion: From the sixty-seven (67) pieces submitted to the vermiform appendix development study, forty-seven (70.1%) were obtained from males and twenty (29.9%) from females. The total vermiform appendix length in centimeters ranged from 2.5cm to 12.5cm, with average extension of 5.3cm. The retro ileum position was predominant in the first year of life (groups A, B and C). The average of the variables according to the age group (groups A, B, C, D and E) was: d.b.e.i. = 0.0-0.0-0.5-2.0-2.5 cm respectively. d.b.d.i. = 1.1-1.0-1.3-2.3-2.8cm respectively. diameter of the BASE = 1.0-0.8-0.4-0.3-0.5cm respectively. diameter of the apex = 0.31-0.32-0.37-0.58-0.53cm respectively. The crossing of the average values of the distances from the left margin of the appendix base to the ileum (d.b.e.i.) was performed in groups A, B, C and D with the average value in group E (adult). Differences between these variables are statistically significant with p=0.00 for groups A, B and C and p=0.003 for group D, refuting the null hypothesis and confirming the alternative hypothesis. When the distance from the right margin of the appendix base to the ileum (d.b.d.i.) between groups A, B, C, D and group E is analyzed, the results also seemed to be statistically significant with p=0.00 and p= 0.004 respectively. It was concluded that the development of the distance between the left margin of the vermiform appendix implantation to the ileum is considered as the most important anatomical parameter as much to the utmost acquisition of the form of the organ (narrow base), similar to that found in the adult individuals, as to the definition of the anatomical transition between the cecum and the vermiform appendix.
4

Avaliação do escore de Alvarado no diagnóstico de apendicite aguda com crianças e adolescentes no Institutdo Materno Infantil de Penambuco (IMIP)

Sergio Gomes Nogueira Borges, Paulo January 2003 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T23:15:45Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo8692_1.pdf: 458753 bytes, checksum: 3afd5b9f1f275cd7b8d0a0a95cb52b00 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2003 / Este estudo teve por objetivo determinar a acurácia do escore de Alvarado para o diagnóstico de apendicite aguda em crianças e adolescentes admitidos na emergência do Instituto Materno Infantil de Pernambuco(IMIP). Foi realizado um estudo de validação de método diagnóstico (escore clínico-laboratorial para diagnóstico de apendicite aguda) tendo o exame histopatológico como padrão ouro. A amostra estudada consistiu de 81 crianças e adolescentes admitidas na emergência pediátrica do IMIP com dor abdominal suspeita de apendicite aguda no período de março a outubro de 2002. Os pacientes eram atendidos na emergência pediátrica e eram avaliados quanto ao escore de Alvarado, entretanto a decisão cirúrgica era do cirurgião responsável. Tomando como ponte de corte o valor > 7 pontos no escore de Alvarado, encontramos uma sensibilidade de 72,2%, especificidade de 86,4%, Valor preditivo positivo (VPP) de 92,9% e Valor preditivo negativo (VPN) de 55,9%. Ao tomar como ponte de corte o valor > 6 pontos a sensibilidade foi de 81,5%, especificidade de 72,7%, VPP de 88% e VPN 61,5%, E por fim ao tomar com ponte o valor > 5 pontos encontramos uma sensibilidade de 92,6%, especificidade 63, 6%, VPP de 86,2% e VPN de 77,8%.O Escore de Alvarado é um procedimento pouco invasivo, simples, rápido, reprodutível que utilizando o ponto de corte > 5 pontos apresenta-se como instrumento de alto valor na triagem de crianças e adolescentes com suspeita diagnóstica de apendicite aguda
5

Utilização da ressonância magnética em crianças com suspeita de apendicite aguda em casos selecionados: resultados preliminares

Lima, Marco Antonio de Medeiros January 2010 (has links)
Made available in DSpace on 2013-08-07T19:06:39Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000422937-Texto+Completo-0.pdf: 3218049 bytes, checksum: 8e534941dcc97fcec102cf312efc8aa0 (MD5) Previous issue date: 2010 / Purpose: To evaluate a diagnostic strategy for suspected appendicitis in children that uses the clinical examination first, followed by ultrasound (US) and, for selected cases, magnetic resonance imaging (MRI) Materials and Methods: One hundred and sixty-six children that presented with signs and symptoms suggestive of acute appendicitis were included in the study. Mean age (standard deviation) was 9. 15 years (2. 78) and age range was 1 to 13 years. Cases classified as suggestive of appendicitis according to clinical exams were referred to surgery, and cases not suggestive were discharged. Unclear cases were evaluated using US. In cases in which US findings were inconclusive, patients underwent MRI. This study was approved by the Ethics Committee of the institution where it was conducted, and informed consent was obtained from the patients and their guardians. Sensitivity, specificity, positive and negative predictive values, as well as diagnostic accuracy of the strategy, were calculated according to final diagnoses. Kappa statistics was used to evaluate agreement between diagnostic test and disease. The level of statistical significance was set at P equal to, or lower than, 0. 05. Results: Of the 166 patients evaluated, 78 (47%) had acute appendicitis and 88 (53%) had other diseases. Forty-seven boys (60%) and 31 girls (40%) had appendicitis. The strategy under study had a sensitivity of 96%, specificity of 100%, positive predictive value of 100%, negative predictive value of 97%, and accuracy of 98%. There were no misdiagnoses during the clinical stage; US imaging studies had 3 false negative results. Eight patients underwent MRI, and 2 were discharged after the normal appendix was detected; 6 were kept under clinical observation due to inconclusive findings; during observation, one patient had a final diagnosis of appendicitis. Conclusions: Clinical and ultrasound evaluations were highly accurate for the diagnosis of appendicitis. Further studies should evaluate the importance of MRI to diagnose or rule out acute appendicitis. / Objetivo: Avaliar uma estratégia de investigação diagnóstica da apendicite em crianças que leve em conta inicialmente o exame clínico, após a ultrassonografia (US) e em casos selecionados, a ressonância magnética (RM). Materiais e Métodos: Participaram 166 pacientes com suspeita de apendicite aguda, com idade média (desvio padrão) de 9,15 anos (2,78), tendo idade entre 1 e 13 anos. Pela clínica casos considerados sugestivos foram encaminhados para cirurgia e casos não sugestivos foram liberados. Casos duvidosos foram avaliados pela US. Nos casos em que a US foi inconclusiva, os pacientes foram avaliados pela RM. O estudo foi aprovado pelo comitê de ética da instituição e consentimentos informados foram obtidos dos pacientes e seus responsáveis. Sensibilidade, especificidade, valores preditivos positivo e negativo, assim como acurácia da estratégia basearam-se no diagnóstico final. Foi realizado teste de Kappa para avaliar a concordância entre o teste diagnóstico e a doença. O valor de P igual ou menor que 0,05 sendo indicativo de diferença estatística significante. Resultados: Nos 166 pacientes avaliados, 78 tiveram apendicite aguda (47%) e 88 apresentaram outras doenças (53%). Quarenta e sete meninos (60%) e 31 meninas (40%) tiveram apendicite.A estratégia adotada teve sensibilidade de 96%, especificidade 100%, valor preditivo positivo 100%, valor preditivo negativo 97 % e a acurácia de 98%. Na etapa clínica não ocorreu erro no teste diagnóstico; na etapa de imagem por US ocorreram 3 erros do tipo falso negativo; 8 pacientes foram submetidos a RM, onde 2 foram liberados após identificação de apêndice cecal normal e 6 foram submetidos a observação clínica devido a achados duvidosos; nesta observação um paciente teve diagnóstico final de apendicite. Conclusões: As avaliações clínica e ultrassonográfica tiveram alta acurácia no diagnóstico da apendicite na maioria dos casos. Estudos futuros são necessários para melhor avaliar a importância da RM no diagnóstico e exclusão da apendicite aguda.
6

Formulário digital para aplicabilidade dos Critérios de Alvarado no diagnóstico de apendicite aguda por estudantes de graduação de Medicina

Flôres, Júlio Francisco Arce, 92-98844-1000 08 February 2018 (has links)
Submitted by Divisão de Documentação/BC Biblioteca Central (ddbc@ufam.edu.br) on 2018-04-12T14:56:26Z No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) Dissertação_Júlio F. A. Flôres.pdf: 3515655 bytes, checksum: 1e8754bf324f0131dfff4b0f1146868f (MD5) / Approved for entry into archive by Divisão de Documentação/BC Biblioteca Central (ddbc@ufam.edu.br) on 2018-04-12T14:57:01Z (GMT) No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) Dissertação_Júlio F. A. Flôres.pdf: 3515655 bytes, checksum: 1e8754bf324f0131dfff4b0f1146868f (MD5) / Made available in DSpace on 2018-04-12T14:57:01Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) Dissertação_Júlio F. A. Flôres.pdf: 3515655 bytes, checksum: 1e8754bf324f0131dfff4b0f1146868f (MD5) Previous issue date: 2018-02-08 / Background. Acute appendicitis is a public health issue: its morbidity increases significantly if not diagnosed and treated in a timely manner and its complications may result in patient’s death. Several diagnostic methods and several instruments have been investigated and many have been validated by medical practice and medical teaching about appendicitis’ diagnosis. Alvarado’s criteria are part of this group; thus, their semiotic simplicity could justify their usage in the education of early-years medical students through the employment of a platform largely used by individuals of the corresponding age. Objectives. To develop a digital form composed of Alvarado’s Criteria for the diagnosis of acute appendicitis; to determine the form validity when applied by early-years medical students. Methods. An electronic form was developed using digital platform Google© Forms. Early-years medical students, after a lecture about the disease, evaluated abdominal pain syndrome patients selected by active search in medical records and responded to Alvarado’s Criteria digital form, deciding or not for the acute appendicitis hypothesis. These data, tabulated in Microsoft© Excel electronic spreadsheet, were then compared by the researcher to similar data contained in medical records, and confirmed or not the diagnosis of acute appendicitis. Variables were arranged in 2 x 2 tables and were submitted to subsequent statistical analysis. Results. An electronic form was developed using digital Google© Forms platform. This form was integrated by cloud computing to Microsoft© Excel electronic spreadsheet for the compilation of data concerning the Score of Alvarado. After a brief introductory lecture, early-years medical students were invited to fill the form out, by using their smartphones. Subsequently, they were supposed to indicate in the form which patients would carry the diagnosis of acute appendicitis among those with abdominal pain. For a sample of 211 patients, electronic application of Alvarado’s Criteria by students demonstrated sensitivity of 80%, specificity of 81%, positive predictive value of 17% and negative predictive value of 98% in the diagnosis of acute appendicitis. The accuracy of the studied method was 81%. Frequency of appendicitis (4%) in the observed population corresponded to usual described medical literature prevalence values for the disease. Conclusions. Results pointed to the feasibility of the employment of the digital platform and demonstrated that the validity of the inserted Alvarado Criteria could be satisfactorily measured when applied by medical students of initial years. / Justificativa. Apendicite aguda é uma questão de saúde pública: sua morbidade aumenta significativamente se não diagnosticada e tratada em tempo hábil e suas complicações podem resultar em morte do paciente. Diversos métodos diagnósticos e instrumentos vêm sendo investigados e muitos têm sido validados, dentro do ensino e da prática da Medicina, para o diagnóstico da doença. Os Critérios de Alvarado fazem parte desse grupo. Destarte, sua simplicidade semiótica poderia justificar seu ensino a estudantes de anos iniciais do Curso de Medicina, com a utilização de plataforma de utilização disseminada entre indivíduos da faixa etária correspondente. Objetivos. Desenvolver formulário digital contendo os Critérios de Alvarado para o diagnóstico de apendicite aguda; determinar a validade da aplicação do formulário por parte de estudantes dos anos iniciais do curso de graduação de Medicina. Métodos. Desenvolveu-se formulário eletrônico com a utilização da plataforma digital Google© Forms. Estudantes de Medicina, após preleção sobre a doença por parte do pesquisador, avaliaram pacientes com síndrome dolorosa abdominal, escolhidos por busca ativa em prontuários, decidindo ou não pela hipótese de apendicite aguda ao preencherem o questionário digital montado com os Critérios de Alvarado. Os dados, tabulados pelo sistema em planilha Microsoft© Excel, foram então cotejados com informações obtidas em prontuários pelo pesquisador, confirmando ou não o diagnóstico de apendicite aguda. As variáveis foram agrupadas em tabelas 2 x 2 com análise estatística subsequente. Resultados. Desenvolveu-se formulário eletrônico com a utilização da plataforma Google© Forms, integrando-a na nuvem com planilha do Microsoft© Excel para a compilação de dados referentes ao Escore de Alvarado. Após instrução inicial, alunos de anos iniciais do Curso de Medicina foram convidados a preencher o formulário, com a utilização de seus smartphones, na tentativa de indicar, entre pacientes com dor abdominal, quais os portadores de apendicite aguda. Para uma amostra de 211 pacientes, a aplicação eletrônica dos Critérios de Alvarado pelos estudantes demonstrou possuir sensibilidade de 80% e especificidade de 81%, valor preditivo positivo de 17% e valor preditivo negativo de 98%. A acurácia do método estudado foi de 81%. A frequência de apendicite (4%) nos pacientes observados correspondeu ao valor usualmente citado na literatura para prevalência da doença. Conclusões. Os resultados apontaram que o desenvolvimento da plataforma digital foi factível e demonstraram que a validade dos critérios de Alvarado inseridos pôde ser medida satisfatoriamente quando empregados por estudantes de Medicina de anos iniciais.
7

Otimiza??o do exame ultra-sonogr?fico para detec??o de ap?ndices normais e anormais em crian?as

Peletti, Adriana Barcellos 20 December 2006 (has links)
Made available in DSpace on 2015-04-14T13:32:57Z (GMT). No. of bitstreams: 1 386963.pdf: 2237505 bytes, checksum: 18d8faf5137e04774ca205daa5c12821 (MD5) Previous issue date: 2006-12-20 / OBJETIVO: Avaliar o exame ultra-sonogr?fico para detec??o dos ap?ndices normais e anormais de acordo com suas potenciais posi??es. MATERIAL E M?TODOS: Este estudo prospectivo incluiu 107 crian?as que foram submetidos a ultra-sonografia em escala de cinza. Foi realizado US com t?cnica compressiva e n?o-comperssiva para detectar ap?ndices normais e anormais de acordo com suas potenciais posi??es. O di?metro m?ximo transverso foi medido. RESULTADOS: Dos 107 pacientes examinados, 56 tiveram diagn?stico histol?gico de apendicite aguda. O US teve sensibilidade de 100% e especificidade de 98% para o diagn?stico de apendicite. O ap?ndice normal foi visualizado em 44 (86,2%) dos 51 pacientes sem apendicite aguda, e destes 44, 43 eram verdadeiro-negativos e 1 era falso-positivo. Os ap?ndices normais e anormais foram encontrados, respectivamente, nas seguintes posi??es: 54,4% e 39,3% eram m?dio-p?lvico; 27,2% e 28,6% eram retrocecais; 11,4% e 17,8% eram p?lvicos profundos; e 6,8% e 14,3% eram abdominais. CONCLUS?O: O exame US de acordo com as potenciais posi??es apendiculares foi ?til para detec??o dos ap?ndices normais em crian?as com suspeita de apendicite aguda
8

Comparação da ultrassonografia e da tomografia computadorizada em pacientes com suspeita de apendicite aguda

El Hassan, Samira 23 September 2014 (has links)
Submitted by Fabíola Silva (fabiola.silva@famerp.br) on 2016-09-14T18:04:46Z No. of bitstreams: 1 samiraelhassan_dissert.pdf: 845797 bytes, checksum: 9cdbef0eb8a8206334b32172283744d7 (MD5) / Made available in DSpace on 2016-09-14T18:04:46Z (GMT). No. of bitstreams: 1 samiraelhassan_dissert.pdf: 845797 bytes, checksum: 9cdbef0eb8a8206334b32172283744d7 (MD5) Previous issue date: 2014-09-23 / Introduction: Acute appendicitis is the process of the inflamation of the appendix and it is the most frequent cause of acute abdomen. About 50% of patients with acute appendicitis show classic clinical findings. The others have atypical manisfestations which make diagnosis more difficult, such as in pregnant women, women of childbearing age, and patients younger than ten and more than fifty years of age. At the time of surgery, approximately 35% of the cases are in the advanced phase with perforation and local abscesses. Methods of diagnosis such as ultrasonography and computed tomography can help in the diagnosis of acute appendicitis minimizing surgical delay and reducing appendix perforation and unnecesarry appendectomies. Patients with typical signs and symptoms of acute appendicitis should be assessed and undergo appendectomy. Those with atypical presentation should have image exams. First, they should have an ultrasonography. If the exam doesn't present clearly or if it isn't conclusive, computed tomography should be performed. Objetive: Determine sensitivity and specificity of ultrasonography and computed tomography of patients suspected of having acute appendicitis. Verify a positive diagnosis of acute appendicitis by computed tomography when ultrasonography results are negative in patients suspected of acute appendicitis. Casuistic and method: Prospectively, we analyzed 60 patients, from January of 2006 to May of 2007, between 2 and 90 years old, of both sexes, from the Surgery Department of the Hospital de Base de São Jose do Rio Preto who have been sent to the Radiology Department (Ultrasonography and Tomography Unit) of the above mentioned hospital. The ultrasonography exams were done with a graded compression technique. The computed tomography exams were realized with colonic contrast administered rectally. The conventional axial images of 5 mm of thickness were taken from the pelvic region. Afterwards, iodine contrast was given intravenously and tomographic sections were taken by the helical technique with 5mm of thickness in the pelvic region. After this, other sections of 10mm of thickness were taken of the entire abdomen. Results: Of 60 patients that had ultrasonography, 40 (66.67%) presented positive exams for acute appendicitis. The ultrasonography sensitivity for acute appendicitis was 100%, while the specificity was 83.33%. Of 27 patients that underwent computed tomography, 19 (70.37%) presented negative exams for acute appendicitis. The sensitivity of computed tomography to acute appendicitis was 100%, and the specificity was 33.33%. Conclusion: The diagnosis of acute appendicitis by imaging methods helps to reduce the frequency of unnecessary appendicetomies, frequent complications because of delayed diagnosis, the costs of exams, and long hospital stays. / Introdução: A apendicite aguda é o processo inflamatório do apêndice cecal e a causa mais frequente de abdome agudo. Cerca de 50% dos pacientes com apendicite aguda apresentam quadro clínico clássico. Os demais apresentam manifestações atípicas, o que dificulta o diagnóstico, principalmente gestantes, mulheres em idade reprodutiva, pacientes com menos de 10 anos e com mais de 50 anos de idade. Em aproximadamente 35% dos casos, a apendicite já está em fase adiantada, com perfuração e abscesso local, no momento da cirurgia. Métodos de diagnóstico, ultrassonografia e tomografia computadorizada, podem auxiliar no diagnóstico da apendicite aguda, minimizando o atraso na cirurgia, com subsequente redução do risco de perfuração do apêndice cecal e de apendicectomias negativas. Pacientes com sinais e sintomas típicos de apendicite aguda devem ser prontamente avaliados e conduzidos à apendicectomia. Aqueles, com apresentação ou achados atípicos, devem realizar exames de imagem. Objetivo: Determinar em pacientes com suspeita de apendicite aguda a relação dos resultados do US e TC com os sinais e sintomas clínicos, a sensibilidade e a especificidade da ultrassonografia e da tomografia computadorizada e a positividade da tomografia computadorizada, quando o ultrassom for negativo. Casuística e Método: Foram analisados, prospectivamente, 60 indivíduos no período de janeiro de 2006 a maio de 2007, com idade entre 2 a 90 anos, de ambos os gêneros, procedentes do Departamento de Cirurgia do Hospital de Base de São José do Rio Preto-SP e encaminhados para o setor de ultrassonografia e de tomografia computadorizada do Departamento de Radiologia, no referido hospital. Os exames de ultrassom foram realizados com a técnica de compressão gradual. Os exames de tomografia computadorizada foram realizados com contraste colônico via retal. Foram realizadas imagens axiais convencionais de 5 mm de espessura na região pélvica. Posteriormente, foi administrado contraste iodado endovenoso e foram realizados cortes tomográficos pela técnica helicoidal com 5 mm de espessura na região pélvica. Em seguida, foram realizados cortes tardios de 10 mm de espessura em todo o abdome. Resultados: Dos 60 pacientes que realizaram US, 40 (66,67%) apresentaram exames positivos para apendicite aguda. A sensibilidade do US, para apendicite aguda, foi de 100%, a especificidade de 83,33%. Dos 27 pacientes submetidos à TC, 19 (70,37%) apresentaram exames negativos para apendicite aguda. A sensibilidade da TC, para apendicite aguda foi, de 100%, a especificidade de 33,33%. Conclusão: O diagnóstico da apendicite aguda, por métodos de imagem, contribui para a redução na frequência de apendicectomias negativas, de complicações decorrentes do atraso do seu diagnóstico, dos custos com exames e das internações prolongadas.
9

Associação entre o uso de antimicrobianos, estadio anátomo-patológico e infecção de sítio cirúrgico após apendicectomia

Amaral, Luana Mesquita 09 February 2012 (has links)
Most intra-abdominal infections such as acute appendicitis require surgical intervention. The use of antimicrobials, however, is essential in the treatment complementation and reduction of surgical site infection (SSI). The present study aims to make a critical analysis of the use of antimicrobials use, anatomopathological stage and surgical site infection after appendectomy. It were analyzed the demographic data, antimicrobial scheme chosen, the beginning of antimicrobial, usage time and evolution as the SSI associated with the anatomopathological stage of resected appendices. 233 patients were evaluated between 14 years and 78 years with male predominance (135 / 57.94%) and in the third decade of life (72 / 30.90%). In 139 patients (59.65%) surgical time was up to two hours with a predominance of Phlegmonous Acute Appendicitis (91 / 39.05%) and Necrotizing Acute Appendicitis (88 / 37.76%). The antimicrobial scheme most used was a combination of Ampicillin/Sulbactam totalizing 127 (54.50%) patients. Most patients had the start of the antimicrobial scheme in anesthetic induction (212 /90.94%). Regarding the usage time of antimicrobials, the prevalence was of less than 24 hours of use (122 / 52.36%) and 16 (6.87%) presented SSI. Based on the anatomopathological classification on nonnecrotic appendices, 145 (62.23%) patients should have used a single antimicrobial dose or at maximum for 24 hours. Of patients with non-necrotic appendix, only 60 (41.37%) used one dose; 15 (10.34%) used 2 to 4 doses and 70 (48.29%) used more than four doses of antimicrobial. In 16 (6.87%) patients considered with normal appendix were used more than four doses of antimicrobials. In the analysis of the SIRI SSI in perspective, no patient presented with SIRI 0 SSI (4 / 5.79%) patients presented with an SIRI SSI (9 / 5.88%) patients had 2 SIRI SSI and (1 / 12.5) 3 SIRI SSI presented. Based on anatomopathological association (necrotic and non-necrotic) of resected appendices for clinical suspicion of acute appendicitis and the use of antimicrobials, we can conclude: there was unnecessary use of more than one dose of antimicrobials in patients with uncomplicated appendicitis. / A maioria das infecções intra-abdominais, como apendicite aguda, necessita de intervenção cirúrgica. O uso de antimicrobianos, entretanto, é fundamental na complementação do tratamento e redução de infecção do sítio cirúrgico (ISC). O presente estudo tem como objetivo fazer uma análise crítica entre o uso de antimicrobianos, o estádio anátomo-patológico e infecção do sítio cirúrgico após apendicectomia. Foram analisados os dados demográficos, esquema de antimicrobiano escolhido, início do antimicrobiano, tempo de uso e evolução quanto a ISC associada com o estádio anátomo-patológico dos apêndices ressecados. Foram avaliados 233 pacientes entre 14 anos e 78 anos, com predominância do sexo masculino (135 / 57,94%) e na terceira década de vida (72 / 30,90%). Em 139 pacientes (59,63%) o tempo cirúrgico foi de uma a duas horas, com predominância da Apendicite Aguda Flegmonosa (91 / 39,05%) e Apendicite Aguda Necrosante, (88 / 37,76%). O esquema antimicrobiano mais utilizado foi a associação de Ampicilina /Sulbactam, totalizando 127 (54,50%) pacientes. A maioria dos pacientes teve o início do esquema antimicrobiano à indução anestésica, (212 / 90,94%). Em relação ao tempo de uso do antimicrobiano, a prevalência foi de menos de 24 horas de uso, (122 / 52,36%) e 14 (6,01%) apresentaram ISC. Baseado na classificação anátomo-patológica em apêndices não-necrosados, 145 (62,24%) pacientes deveriam ter usado antimicrobiano em dose única ou no máximo por 24 horas. Dos pacientes com apêndice não-necrosados apenas 60 (41,37%) usaram uma dose; 15 (10,34%) usaram de 2 a 4 doses e 70 (48,29%) usaram mais de 4 doses de antimicrobianos. Em 16 (6,87%) pacientes considerados com o apêndice normal foram usadas mais de 4 doses de antimicrobianos. Na análise das ISC sob perspectiva do Índice de Risco de Infecção Cirúrgica (IRIC), nenhum paciente com IRIC 0 apresentou ISC; (4 /5,79%) dos pacientes com IRIC 1 apresentaram ISC;( 9 / 5,88%) dos pacientes IRIC 2 apresentaram ISC e (1/ 12,5%) IRIC 3 apresentaram ISC. Baseado na associação entre o anátomo-patológico (necrosados e não necrosados) dos apêndices ressecados por suspeita clínica de apendicite aguda e o uso de antimicrobianos, podemos concluir que: houve uso desnecessário de mais de uma dose de antimicrobianos nos pacientes com apendicite não complicada. / Mestre em Ciências da Saúde
10

Utiliza??o da resson?ncia magn?tica em crian?as com suspeita de apendicite aguda em casos selecionados : resultados preliminares

Lima, Marco Antonio de Medeiros 29 March 2010 (has links)
Made available in DSpace on 2015-04-14T13:32:43Z (GMT). No. of bitstreams: 1 422937.pdf: 3218049 bytes, checksum: 8e534941dcc97fcec102cf312efc8aa0 (MD5) Previous issue date: 2010-03-29 / Objetivo: Avaliar uma estrat?gia de investiga??o diagn?stica da apendicite em crian?as que leve em conta inicialmente o exame cl?nico, ap?s a ultrassonografia (US) e em casos selecionados, a resson?ncia magn?tica (RM). Materiais e M?todos: Participaram 166 pacientes com suspeita de apendicite aguda, com idade m?dia (desvio padr?o) de 9,15 anos (2,78), tendo idade entre 1 e 13 anos. Pela cl?nica casos considerados sugestivos foram encaminhados para cirurgia e casos n?o sugestivos foram liberados. Casos duvidosos foram avaliados pela US. Nos casos em que a US foi inconclusiva, os pacientes foram avaliados pela RM. O estudo foi aprovado pelo comit? de ?tica da institui??o e consentimentos informados foram obtidos dos pacientes e seus respons?veis. Sensibilidade, especificidade, valores preditivos positivo e negativo, assim como acur?cia da estrat?gia basearam-se no diagn?stico final. Foi realizado teste de Kappa para avaliar a concord?ncia entre o teste diagn?stico e a doen?a. O valor de P igual ou menor que 0,05 sendo indicativo de diferen?a estat?stica significante. Resultados: Nos 166 pacientes avaliados, 78 tiveram apendicite aguda (47%) e 88 apresentaram outras doen?as (53%). Quarenta e sete meninos (60%) e 31 meninas (40%) tiveram apendicite. A estrat?gia adotada teve sensibilidade de 96%, especificidade 100%, valor preditivo positivo 100%, valor preditivo negativo 97 % e a acur?cia de 98%. Na etapa cl?nica n?o ocorreu erro no teste diagn?stico; na etapa de imagem por US ocorreram 3 erros do tipo falso negativo; 8 pacientes foram submetidos a RM, onde 2 foram liberados ap?s identifica??o de ap?ndice cecal normal e 6 foram submetidos a observa??o cl?nica devido a achados duvidosos; nesta observa??o um paciente teve diagn?stico final de apendicite. Conclus?es: As avalia??es cl?nica e ultrassonogr?fica tiveram alta acur?cia no diagn?stico da apendicite na maioria dos casos. Estudos futuros s?o necess?rios para melhor avaliar a import?ncia da RM no diagn?stico e exclus?o da apendicite aguda.

Page generated in 0.0675 seconds