• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 5
  • 2
  • Tagged with
  • 7
  • 5
  • 5
  • 3
  • 3
  • 3
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Association between anxiety and severe quality-of-life impairment in postmenopausal women: Analysis of a multicenter Latin American cross-sectional study

Núñez Pizarro, Jorge L., González Luna, Alejandro, Mezones Holguín, Edward, Blümel, Juan E., Barón, Germán, Bencosme, Ascanio, Benítez, Zully, Bravo, Luz M., Calle, Andrés, Flores, Daniel, Espinoza, María T., Gómez, Gustavo, Hernández Bueno, José A., Martino, Mabel, Lima, Selva, Monterrosa, Alvaro, Mostajo, Desiree, Ojeda, Eliana, Onatra, William, Sánchez, Hugo, Tserotas, Konstantinos, Vallejo, María S., Witis, Silvina, Zúñiga, María C., Chedraui, Peter 2017 (has links)
Objective: To evaluate associations between anxiety and severe impairment of quality of life (QoL) in Latin American postmenopausal women. Methods: This was a secondary analysis of a multicenter cross-sectional study among postmenopausal women aged 40 to 59 from 11 Latin American countries. We evaluated anxiety (The Goldberg Depression and Anxiety Scale), and QoL (Menopause Rating Scale [MRS]), and included sociodemographic, clinical, lifestyle, and anthropometric variables in the analysis. Poisson family generalized linear models with robust standard errors were used to estimate prevalence ratios (PRs) and 95% CIs. There were two adjusted models: a statistical model that included variables associated with the outcomes in bivariate analyses, and an epidemiologic model that included potentially confounding variables from literature review. Results: Data from 3,503 women were included; 61.9% had anxiety (Goldberg). Severe QoL impairment (total MRS score >=17) was present in 13.7% of women, as well as severe symptoms (MRS subscales): urogenital (25.5%), psychological (18.5%), and somatic (4.5%). Anxiety was independently associated with severe QoL impairment and severe symptoms in the epidemiological (MRS total score: PR 3.6, 95% CI, 2.6-5.0; somatic: 5.1, 95% CI, 2.6-10.1; psychological: 2.8, 95% CI, 2.2-3.6; and urogenital: 1.4, 95% CI, 1.2-1.6) and the statistical model (MRS total score: PR 3.5, 95% CI, 2.6-4.9; somatic: 5.0, 95% CI, 2.5-9.9; psychological: 2.9, 95% CI, 2.2-3.7; and urogenital: 1.4; 95% CI, 1.2-1.6). Conclusions: In this postmenopausal Latin American sample, anxiety was independently associated with severe QoL impairment. Hence, screening for anxiety in this population is important.
2

"Saúde mental e climatério na perspectiva de mulheres profissionais de saúde" Mental health and the climateric in the perspective of professional women of health.

Eliana Faria de Angelice Biffi 15 August 2003 (has links)
Este estudo se propôs a interrogar o climatério na perspectiva de mulheres profissionais de saúde que estão vivendo este momento, com vistas a desvelar as facetas que expressam o significado do fenômeno climatério. Para tanto, utilizou-se a pesquisa qualitativa fundamentada na fenomenologia de acordo com o referencial teórico de Martins e Bicudo (1989).O acesso aos depoimentos das participantes deste trabalho, se deu mediante a seguinte questão: Como é para você vivenciar o climatério? Estes relatos foram analisados segundo os passos da investigação fenomenológica o que possibilitou a identificação de unidades de significados que sintetizadas em categorias, mostrou que para estas mulheres o climatério é um fenômeno... que: possibilita olhar para trás; significa perdas; transforma o corpo; afeta a auto-estima, impossibilita a procriação; se manifesta por sinais e sintomas; suscita repensar a sexualidade; pode influenciar na saúde mental. Analisando cada uma destas categorias e, sempre levando em consideração a minha perspectiva enquanto mulher e profissional de saúde foi possível desvelar novas facetas deste fenômeno, dessa forma pudemos observar por exemplo, que as participantes deste trabalho, mesmo possuindo conhecimento a respeito do tema, estão sozinhas em suas vivências isto possibilitou uma reflexão sobre a temática, e a ampliação dos horizontes para a assistência a mulher que vivência o climatério. This study if it considered to interrogate the climateric in the perspective of professional women of health who are living deeply this moment, with sights to other facets that they express the meaning of the climateric phenomenon. For in such a way, the fenomenológico method was used in accordance with the theoretical referential of Martins and Bicudo (1989). Thus the access to the depositions of the participants of this work, if gave by means of the following the question: As it is for you to live deeply the climatério. These stories had been analysed according to steps of the fenomenológica inquiry that made possible the identification of units of meanings that synthesised in categories, it showed that for these women who the climateric is a phenomenon... that: it makes possible to look at for; it means losses; it transforms the body; it affects the auto esteem; it disables the procreation; it manifest for signals and symptoms; it excites one to rethink of the sexuality; it can influence in the mental health. Analysing each one of these categories, and always taking in consideration my perspective while professional woman of health and the experience of the climateric, was allowed me to other new facets of this phenomenon of this form we could observe for example, that the participants of this work, exactly, possessing knowledge regarding the subject, are alone in its experiences.
3

Qualidade do sono em mulheres com disfunções do trato urinário inferior

Albanezi, Daniele Furtado 24 June 2016 (has links)
Submitted by Aelson Maciera (aelsoncm@terra.com.br) on 2017-05-19T16:20:50Z No. of bitstreams: 1 TeseDFA.pdf: 1296450 bytes, checksum: 24008ae06853ce7a0a15f5fa95858f85 (MD5) Approved for entry into archive by Ronildo Prado (ronisp@ufscar.br) on 2017-05-22T19:18:10Z (GMT) No. of bitstreams: 1 TeseDFA.pdf: 1296450 bytes, checksum: 24008ae06853ce7a0a15f5fa95858f85 (MD5) Approved for entry into archive by Ronildo Prado (ronisp@ufscar.br) on 2017-05-22T19:18:23Z (GMT) No. of bitstreams: 1 TeseDFA.pdf: 1296450 bytes, checksum: 24008ae06853ce7a0a15f5fa95858f85 (MD5) Made available in DSpace on 2017-05-22T19:22:54Z (GMT). No. of bitstreams: 1 TeseDFA.pdf: 1296450 bytes, checksum: 24008ae06853ce7a0a15f5fa95858f85 (MD5) Previous issue date: 2016-06-24 Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) Climacteric women have considerable prevalence of both disorders of the pelvic floor, such as urinary incontinence (UI) and nocturia, as sleep disorders, which can compromise the quality of life and sleep. Therefore, this thesis aims to: (1) compare the sleep of quality women's with and without UI and correlate the sleep of quality with the quality of life of women; (2) determine the effects of treatment with electrical stimulation of the tibial nerve (ENT) on the sleep of quality in women with nocturia. The two studies used to evaluate the slee´of quality the Pittsburgh Sleep Quality Index (PSQI), the King's Health Questionnaire (KHQ) to assess quality of life in addition to these two tools, the study (2) used the Scale Epworth sleepiness to assess daytime sleepiness and by vaginal palpation and perineometer evaluated the pelvic floor muscles before and after treatments. For the study (1) were evaluated 60 women incontinence (UI stress-SUI, urgency incontinence-IUU or mixed IU-IUM) and continents, while for the study (2) were evaluated 40 women with nocturia allocated for the two types of proposed treatments, one group received ENT (GENT) and another group received training of the pelvic floor muscles + behavioral therapy (GTMAP + CT) for 12 weeks with a weekly service. Given the results presented in the study (1), it can be observed that women with UUI and MUI had worse overall PSQI score and worst sleep area and provision of KHQ, compared to women with SUI also IUM was related to worst score of areas: limitation of activities of daily living (compared to SUI), physical limitations (compared to SUI and UUI), personal relationships (compared to UUI). Both women continents as those presented IUU had worse habitual sleep efficiency, compared to those with SUI. Nocturia showed moderate positive correlation with sleep area and provision of KHQ and the total PSQI score in women with UI. After the two treatments proposed in the study (2) was observed improvement in quality according to the domains of PSQI sleep: subjective sleep quality, latency, sleep duration, total score. Moreover, 35% of them now have no more nocturia, indicating that both techniques are effective to reduce the number of awakenings during the night to urinate. The improvement in daytime sleepiness was observed in GTMAP + CT, and daytime dysfunction (PSQI) in GENT. Regarding quality of life, both groups improved in the KHQ domains: AVD limitation, emotions, sleep and mood and severity measures; the GTMAP + CT showed a significant improvement in UI impact area compared to GENT. Faced with the above results, it is concluded that women with MUI and UUI have worse sleep quality and life than women with SUI, and that with the treatment of ENT or TMAP + CT can improve the sleep of quality and quality of life women with nocturia. Mulheres climatéricas apresentam consideráveis prevalências tanto de disfunções do assolho pélvico, como incontinência urinária (IU) e noctúria, quanto de distúrbios do sono, o que pode comprometer a qualidade de vida e de sono. Diante disso, essa tese tem como objetivos: (1) comparar a qualidade do sono de mulheres com e sem IU e correlacionar a qualidade do sono com a qualidade de vida destas mulheres; (2) verificar os efeitos do tratamento com eletroestimulação do nervo tibial (ENT) sobre a qualidade do sono de mulheres com noctúria. Os dois estudos utilizaram para avaliação da qualidade de sono o Índice de qualidade de sono de Pittsburgh (PSQI), o King´s Health Questionnaire (KHQ) para avaliar qualidade de vida, além destas duas ferramentas, o estudo (2) utilizou a Escala de sonolência de Epworth para avaliar sonolência diurna e por meio da palpação vaginal e perineômetro avaliou musculatura do assoalho pélvico, antes e após os tratamentos. Para o estudo (1) foram avaliadas 60 mulheres incontinentes (IU de esforço-IUE, IU de urgência-IUU e IU mista-IUM) e continentes, enquanto que para o estudo (2) foram avaliadas 40 mulheres com noctúria, alocadas para um dos dois tipos de tratamentos propostos, um grupo recebeu ENT (GENT) e outro grupo recebeu treinamento da musculatura do assoalho pélvico + terapia comportamental (GTMAP+TC), por 12 semanas com um atendimento semanal. Diante dos resultados apresentados no estudo (1), pode-se observar que as mulheres com IUU e IUM apresentaram pior escore total do PSQI e pior domínio sono e disposição do KHQ, quando comparadas ás mulheres com IUE, além disso IUM relacionou-se com pior escore dos domínios: limitação de atividade de vida diária (comparado ao IUE), limitação física (comparado ao IUE e IUU), relações pessoais (comparado ao IUU). Tanto as mulheres continentes quanto as que apresentaram IUU tiveram pior eficiência habitual do sono, comparadas àquelas com IUE. Noctúria apresentou correlação positiva moderada com o domínio sono e disposição do KHQ e com o escore total do PSQI, em mulheres com IU. Após os dois tratamentos propostos no estudo (2) foi possível observar melhora na qualidade do sono de acordo com os domínios do PSQI: qualidade subjetiva do sono, latência e a duração do sono, escore total. Além disso, 35% delas passaram a não ter mais noctúria, apontando que ambas as técnicas são eficazes para reduzir o número de despertares noturnos para urinar. A melhora na sonolência diurna foi observada no GTMAP+TC, e da disfunção diurna (PSQI) no GENT. Em relação a qualidade de vida, os dois grupos melhoraram nos domínios do KHQ: limitação de AVD, emoções, sono e disposição e medidas de gravidade; o GTMAP+TC apresentou melhora significativa do domínio Impacto da IU em comparação ao GENT. Diante dos resultados expostos, conclui-se que mulheres com IUM e IUU apresentam pior qualidade do sono e de vida do que mulheres com IUE, além de que com o tratamento de ENT ou TMAP+TC, pode-se melhorar a qualidade de sono e de vida das mulheres com noctúria. FAPESP: 2013/06412-9
4

Mulher climatérica usuária do sistema único de saúde: serviços e ações de saúde Climateric woman using of the single health systen: services and health’s action Mujer climatérica usuaria del sistema único de salud: servicios y acciones de salud

Pereira, Queli Lisiane Castro 2007 (has links)
Dissertação(mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Escola de Enfermagem, 2007. Submitted by eloisa silva (eloisa1_silva@yahoo.com.br) on 2012-11-19T16:49:32Z No. of bitstreams: 1 quelipereira.pdf: 1172091 bytes, checksum: 94fb136ed23887cbf022b33f3e92c762 (MD5) Approved for entry into archive by Bruna Vieira(bruninha_vieira@ibest.com.br) on 2012-11-30T14:52:28Z (GMT) No. of bitstreams: 1 quelipereira.pdf: 1172091 bytes, checksum: 94fb136ed23887cbf022b33f3e92c762 (MD5) Made available in DSpace on 2012-11-30T14:52:28Z (GMT). No. of bitstreams: 1 quelipereira.pdf: 1172091 bytes, checksum: 94fb136ed23887cbf022b33f3e92c762 (MD5) Previous issue date: 2007 O perfil demográfico brasileiro, justificado pelo aumento na expectativa de vida, é caracterizado pelo expressivo número de mulheres vivenciando o climatério, transição do período reprodutivo para o não reprodutivo. A maioria da população brasileira é mulher, e elas são as principais usuárias do SUS, o que gera crescimento da demanda por serviços e ações de saúde devido ao climatério gerar um processo de mudanças físicas e emocionais. Este estudo teve como objetivo Identificar os serviços e ações de saúde oferecidos à mulher climatérica usuária do Sistema Único de Saúde nos municípios de abrangência da 3a Coordenadoria Regional de Saúde do RS e reconhecer como os mesmos são operacionalizados em relação à integralidade da assistência a esta população, sob a ótica dos Responsáveis pela Política da Saúde da Mulher (RPSM). Este estudo caracterizou-se por ser qualitativo, exploratório e descritivo. A entrevista semi-estruturada foi a técnica utilizada na coleta de dados junto aos 22 responsáveis pelos RPSM. Visando contemplar o objetivo do estudo e responder aos pressupostos, utilizou-se análise temática. Como resultado da análise interpretativa dos dados emergiram cinco categorias, assim denominadas: serviços e ações tímidos e inespecíficos; a identificação da lacuna de serviços e ações de saúde; motivos que dificultam os municípios a disponibilizarem serviços e ações de saúde; o olhar dos RPSM às climatéricas que procuram os serviços do SUS e, por último, demanda e oferta de medicamentos e exames específicos às mulheres climatéricas. Concluiu-se que se deve agregar qualidade aos anos da fase climatérica. Nesta perspectiva do modelo da promoção da saúde, é imprescindível o acesso universal aos cuidados de saúde, à disponibilidade de recursos humanos, materiais e financeiros para provê-los de forma humanizada por profissionais qualificados, para que, assim, seja possível e viável a implementação e operacionalização de serviços e ações de saúde às climatéricas, em consonância com os princípios doutrinários e organizacionais do sistema de saúde brasileiro. Visualizou-se a possibilidade da produção coletiva de ações de saúde, do empoderamento das usuárias enquanto sujeitos saudáveis, minimizando possíveis repercussões negativas à sua saúde a partir da utilização de mecanismos de enfrentamento eficazes, a fim de superar as modificações e os conflitos causados pela fase climatérica. Indica-se como estratégia a criação do grupo terapêutico de auto-ajuda às climatéricas para, através do diálogo compartilhar anseios, angústias, receber apoio emocional, influenciar e ser influenciado pelo grupo e, assim, viverem com maior qualidade de vida. É neste sentido que o grupo terapêutico de autoajuda é planejado, pois pode ser considerada uma estratégia a ser utilizada para aumentar a qualidade de vida dessas mulheres, porque possibilita às climatéricas um local de trocas, onde poderão dialogar com pessoas que possuem problemas semelhantes, pois estão vivenciando dificuldades parecidas. The brazilian demographic profile, justified for an increase in the life expectancy is characterized by the expressive number of women having lived deeply the climateric, transistion of a reproductive period for an unreproductive one. The majority of the Brazilian population is woman and, they are the main users of the SUS what generates growth a demand for services and health’s action because the climateric generates a process of physical and emotional changes. This study it had as objective to identify which services and health’s actions are offered to climateric’s woman using of SUS in the cities of 3ª regional health’s co-ordination of RS and to recognize as the same ones are operate in relation to the completeness of assistance to this population, under the optics of the responsible for the politics of woman’s health (RPSM).This study it was characterized for being qualitative, exploratory and descriptive. A half-structuralized interview was the technique used in the collection of data together to 22 responsible ones for the RPSM. Aiming to contemplate the objective of the study and answer to the estimated ones, was used thematic analysis. As result of the analysis interpretation of the data five category, thus called had emerged: services and health’s action offered to climateric woman and five subcategories, thus called: shy and inespecíficos services and actions; the identification of the gap of services and action of health; reasons that make it difficult the cities to alienable services and health’s action of health, the look of the responsible ones for the politics of the women’s health about climacterics demand and, and finally, demand and offers of medicines and specific examinations to the climatéricas women. It was concluded that if it must add quality to the years of the climatérica phase. In this perspective of the model of the promotion of the health, an universal health’s care access, the availability of human resources, material and financial to provide them with humanized form for qualified professionals, so that, thus, either possible and viable an implementation and operate of services and health’s action to climateric, in accord with the doctrinal and organization principles of the health bazilian system. It was visualized possibility of collective production of health’s action, for the users empowerments while healthful ones, minimizing possible negative repercussions to hers health from the use efficient mechanisms of confrontation, in order to surpass the modifications and the conflicts caused for the climatérica phase. The creation of the therapeutical group of auto-aid for the climaterics, through the dialogue sharing yearnings is indicated as strategy, anguish, to receive emotional support, to influence and to be influenced by the group and, thus, to live with bigger quality of life. It is in this direction that the therapeutical group of auto-aid is planned, therefore can be, considered a strategy to be used to increase the quality of life of these women, because it makes possible to the climatéricas a place of exchanges, where will be able to dialogue with people that possess similar problems, therefore are living deeply similar difficulties. El perfil demográfico brasileño, justificado por el aumento en la expectativa de vida es caracterizado por el expresivo número de mujeres viviendo el climaterio, transición del periodo reproductivo para el no reproductivo. La mayoría de la población brasileña es mujer y, ellas son las principales usuarias del SUS lo que genera crecimiento de la demanda por servicios y acciones de salud debido el climaterio generar un proceso de cambios físicas y emocionales. Este estudio tuvo como objetivo conocer cuáles los servicios y acciones de salud son ofrecidos a la mujer climatérica usuaria SUS en los municipios de abarcamiento de la 3ª Coordinaciones Regional de Salud de RS y comprender como los mismos son operaciónados en relación a la integridad de la asistencia a esta población, bajo la óptica de los responsables por la Política de la Salud de la Mujer(RPSM). Este estudio se caracterizó por ser cualitativo, exploratorio y descriptivo. La entrevista semi-estructurada fue la técnica utilizada en la colecta de dados junto a los 22 responsables RPSM. Visando contemplar el objetivo del estudio y responder a los presupuestos, se utilizó el análisis temático. Como resultado del análisis interpretación de los dados emergió la categoría servicios y acciones de salud ofrecido a la mujer climatérica y cinco subcategorías, así denominadas: serviços e ações tímidos e inespecíficos; a identificação da lacuna de serviços e ações de saúde; motivos que dificultam os municípios a disponibilizarem serviços e ações de saúde; o olhar dos RPSM às climatéricas que procuram os serviços do SUS e, por último, demanda e oferta de medicamentos e exames específicos às mulheres climatéricas. Concluiu-se que se deve agregar qualidade aos anos da fase climatérica. Nesta perspectiva do modelo da promoção da saúde, é imprescindível o acesso universal aos cuidados de saúde, à disponibilidade de recursos humanos, materiais e financeiros para provê-los de forma humanizada por profissionais qualificados, para que, assim, seja possível e viável a implementação e operacionalização de serviços e ações de saúde às climatéricas, em consonância com os princípios doutrinários e organizacionais do sistema de saúde brasileiro. Visualizou-se a possibilidade da produção coletiva de ações de saúde, do empoderamento das usuárias enquanto sujeitos saudáveis, minimizando possíveis repercussões negativas à sua saúde a partir da utilização de mecanismos de enfrentamento eficazes, a fim de superar as modificações e os conflitos causados pela fase climatérica. Indica-se como estratégia a criação do grupo terapêutico de auto-ajuda às climatéricas para, através do diálogo compartilhar anseios, angústias, receber apoio emocional, influenciar e ser influenciado pelo grupo e, assim, viverem com maior qualidade de vida. É neste sentido que o grupo terapêutico de auto-ajuda é planejado, pois pode ser considerada uma estratégia a ser utilizada para aumentar a qualidade de vida dessas mulheres, porque possibilita às climatéricas um local de trocas, onde poderão dialogar com pessoas que possuem problemas semelhantes, pois estão vivenciando dificuldades parecidas.
5

A model to fascilitate women's coping with menopause

Ramakuela-Mashamba, Nditsheni Jeanette 18 September 2013 (has links)
Department of Advanced Nursing Science DCur
6

Avaliação do climatério nas mulheres com deficiência isolada do hormônio de crescimento em Itabaianinha-SE

Menezes, Menilson 28 July 2006 (has links)
Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior The impact of isolated growth hormone deficiency (IGHD) in physiology and clinical presentation of climateric it s not known. Climateric state in normal persons, presents hormonal profile alteration, principally increase in FSH and estradiol decrease, characterizing a hypergonadotrophic and hypoestrogenic state, due to the ovarian follicular decrease. IGHD limits linear growth, but overcoat to accented diminution of insuline like growth factor (IGF1) and consequently promote alteration in muscle, bone, fat, glucosis metabolism and corporal mass index. Our objectives are evaluating intensity of climateric symptoms, hormonal alterations, and metabolic alterations and identify morbidity on this period. It was realized transversal cut study in two groups. Goup 1 with 7 persons with isolated growth hormone deficiency in Itabaianinha-SE city , homozygots to growth hormone receptor s mutation. Group 2, with 13 persons with normal growth hormone. All persons with age between 40 and 65 years old and FSH above 20mUI/ml. It was utilized clinical card, Kupperman s menopause index, blood dosage of FSH, LH, prolactin, estradiol, total cholesterol, LDL, HDL, triglycerides and glycemia. Oncotic colpocytology and image exams like pelvic ultra-sound, mammography and mammary ultra-sound. Statistical analyses were provided by hypotheses comparation utilizing SPSS software, version 12. To comparate variables media, T-Student, Mann-Witney and frequency test x2 was utilized, with p<0.05. Results presented antropometric data, like weight and high, IGHD (36.41kg ± 7.29 and 117cm ± 4.08) and control (62.26kg ± 11.42 and 154.12cm ± 6.38) with p<0.05. Kupperman s menopause index in IGHD and control groups had small intensity (13.20 ± 9.30 and 16.00 ± 10.50). In climateric symptoms proportion of insomnia in IGHD and control groups (57% and 46%) with p=0.053. Reproductive aspects in IGHD and control groups presented, in menarche age (17 and 13 years old, with p<0.05), first sexual relationship age (28 and 19 years old, with p=0.065), gestation number (2 and 5, with p<0.05). Hormonal profile characteristic for climateric, just prolactin in IGHD and control groups (3.90ng ± 1.90 and 6.60ng ± 3.26) p<0.05. On metabolic profile, glycemia in IGHD and control groups (105.90mg/dl ± 13.40 and 91.43mg/dl ± 13.18) with p<0.05, showing IGHD group biologically being the group probally disglycemic. Uterus volume in IGHD and control groups (42.30cm3 ± 9.78 and 88.68cm3 ± 63.13) were normal, but IGHD group presented this volume in minumum limit of normality. In IGHD and control groups, endometrial volume (0.64cm ± 0.14 and 0.67cm ± 0.30) and ovary volume (3.13cm3 ± 1.52 and 4.00cm3 ± 2.85) had not significance. Mammography in IGHD group 85,2% BI-RADS 1 normal breast and 61.5% in control group. Oncotic colpocytology in IGHD group presented inflammatory process 42.9% and in control group 61.5%. Conclusion: Climateric in IGHD patients had not presented differences in clinical aspects and hormonal profile. However, morbidity in IGHD group was benign with breast cysts, vaginal inflammation, tendency to a small hypertension and disglycemia. O impacto da deficiência isolada do hormônio de crescimento na fisiologia e na apresentação clínica do climatério não é conhecido. O climatério em indivíduos normais apresenta alteração do perfil hormonal, principalmente elevação do FSH e diminuição do estradiol, caracterizando um estado hipergonadotrófico e hipoestrogênico, decorrência da diminuição folicular ovariana. A deficiência isolada do hormônio de crescimento tem como pressuposto a limitação do crescimento linear, mas, sobretudo leva diminuição acentuada do fator de crescimento semelhantes à insulina (IGFI) e como conseqüência promove alteração no metabolismo muscular, ósseo, da gordura, do hidrato de carbono e do índice de massa corpórea. O nosso objetivo é avaliar a intensidade da sintomatologia do climatério, as alterações hormonais, metabólicas e identificar morbidade própria deste período. Foi realizado um estudo de corte transversal em dois grupos. O grupo 1 com 7 indivíduos com deficiência isolada do hormônio de crescimento da cidade de Itabaianinha-SE, homozigotos para mutação do receptor do hormônio de crescimento (GHRH-R) e o grupo 2 com 13 indivíduos com GH normal. Todos com idade dos 40 aos 65 anos e FSH acima de 20mUI/ml. Foram utilizados ficha clínica, índice de menopausa de Kupperman, dosagem sérica de FSH, LH, Prolactina, estradiol, colesterol total, LDL, HDL, triglicerídeos e glicemia. Colpocitologia oncótica e exames de imagem como ultra-sonografia pélvica, mamografia e ultra-som mamário. Análise estatística através de teste de comparação de hipóteses utilizando programa estatístico SPSS versão 12. Para comparação das medias das variáveis, T-Student, Mann-Whitney e teste de freqüência x2. O valor do p<0,05 foi estatisticamente significante. Os resultados apresentaram os dados antropométricos, como peso e altura, DIGH (36,41 kg ±7,29 e 117 cm ± 4,08) e controle (62,26kg ± 11,42 e 154,12 cm ± 6,38) com p<0,05 e a pressão sistólica foi discretamente elevada no DIGH e controle (131,43 ± 19,52 e 129,23 ± 12,56) embora não significante. Índice de Kupperman no grupo DIGH e controle (13,20 ± 9,30 e 16,00 ± 10,50) intensidade leve. Nos sintomas climatéricos a proporção insônia nos grupos DIGH e controle (57% e 46%) com p = 0,053. Os aspectos reprodutivos no grupo DIGH e controle apresentaram a idade da menarca (17 anos e 13 anos com p < 0,05), a idade da primeira relação sexual (28 anos e 19 anos com p = 0,065), número de gestação (2 e 5 gestações com p<0,05), número de parto (2 e 5 partos com p<0,05). O perfil hormonal típico do climatério, apenas a prolactina nos grupos DIGH e controle (3,90 ng ± 1,90 e 6,60 ng ± 3,26) p<0,05 foi significante. No perfil metabólico a glicemia nos grupos DIGH e controle (105,90mg/dl ± 13,40 e 91,43mg/dl ± 13,18) com p<0,05, sendo o grupo DIGH parcialmente disglicêmico. O volume do útero no grupo DIGH e controle (42,30 cm³± 9,78 e 88,68 cm³± 63,13) embora volume normais, o grupo DIGH apresentou volume no limite inferior de normalidade com p<0.05. No grupo DIGH e controle o volume endometrial (0,64 cm ± 014 e 0,67cm ± 0,30) e o volume dos ovários (3,13 cm³± 1,52 e 4,00 cm³± 2,85) não foram significativos. A mamografia no grupo DIGH 85,2% BI-RADS 1 mamas normais e no grupo controle foi de 69,24%. A colpocitologia oncótica no grupo DIGH apresentou processo inflamatório 42,9% e no grupo controle 61,5%. Conclusão: o climatério de portadoras de DIGH não apresentou diferenças nos aspectos clínicos e no perfil hormonal. Entretanto, a morbidade no grupo DIGH foi de caráter benigno como cisto mamário, vaginite, tendência à hipertensão leve e disglicemia.
7

Avaliação da qualidade de vida de mulheres na pós-menopausa praticantes de corrida de rua

Rühl, Carlos Eduardo do Carmo 2013 (has links)
Made available in DSpace on 2015-06-26T13:08:44Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license.txt: 1914 bytes, checksum: 7d48279ffeed55da8dfe2f8e81f3b81f (MD5) carlos_ruhl_iff_mest_2013.pdf: 537586 bytes, checksum: 16c2d96aa1422f8fe3dda762472daa9c (MD5) Previous issue date: 2013 Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira. Departamento de Ensino. Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e da Mulher. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. INTRODUÇÃO: Com o aumento da população e da expectativa de vida e, consequentemente o aumento do número de mulheres, a menopausa tornou-se um fenômeno mais comum e mais duradouro. A diminuição da produção hormonal e o cessar do funcionamento do ovário levam a uma série de alterações fisiológicas que comprometem, dentre outras coisas, o desempenho de atividades motoras e provocam modificações psicológicas e sociais que afetam a qualidade de vida e a saúde. Apesar dos benefícios comprovados da prática de atividades físicas regulares para a saúde nesse momento na vida da mulher, no Brasil, pouco se tem pesquisado sobre os desdobramentos na qualidade de vida das mesmas. OBJETIVO: Descrever as características sociodemográficas, aspectos físicos e de treinamento das mulheres envolvidas no estudo e avaliar a associação destas variáveis com as dimensões da qualidade de vida propostas pelo Medical Outcome Study 36-item Short Form Health Surve (SF-36). METODOLOGIA: Trata-se de um estudo observacional, descritivo, transversal, onde foram entrevistadas 95 mulheres praticantes de corrida de rua e 53 não praticantes, com idade entre 45 e 60 anos, sem comprometimento relatado de saúde e com ausência de menstruação nos últimos 12 meses. As praticantes apresentaram experiência de pelo menos 3 meses na atividade e frequência semanal de treinamento mínima de 2 vezes. Foi pedido às entrevistadas que indicassem outras mulheres não praticante da atividade, que tivessem perfil semelhante às mesmas, para a participação na pesquisa. Os dados sociodemográficos, antropométricos e os dados relacionados ao treinamento foram obtidos através da aplicação de um questionário semi-estruturado. A qualidade de vida foi avaliada através da aplicação do questionário SF-36, o nível de aptidão física foi avaliado pelo IPAQ. Os dados foram analisados pelo teste U de Mann-Whitney, Qui Quadrado, Kruskal-Wallis e regressão linear multivariada, através do software SPSS, versão 17.0. RESULTADOS: A prática de corrida de rua mostrou forte associação com todas as dimensões da qualidade de vida, exceto Aspectos Emocionais, mostrando resultados significativamente mais altos (p < 0,05) nas corredoras, independente das outras variáveis. CONCLUSÃO: Mulheres na pós-menopausa que praticam corrida de rua, tem uma melhor percepção da vida quando comparadas às não praticantes, independente de seu nível de atividade física. INTRODUCTION: With the increase in life expectancy and the increasing number of women, menopause has become a phenomenon more common and longer-lasting. The decrease in hormone production and the cessation of ovary function leads to a series of physiological changes that compromise the performance of motor activities and cause psychological and social changes that affect the quality of life and health. Despite the proven benefits of regular physical activity for health at that moment, in the life of the woman, little has researched on the developments in quality of life in Brazil. OBJECTIVE: To describe the socio-demographic characteristics, physical and training aspects of women involved in the study and evaluate the association of these variables with the dimensions of quality of life proposed by the Medical Outcome Study 36-item Short Form Health Surve (SF-36). METHODOLOGY: This is an observational, descriptive, transversal study, where were interviewed 95 women practitioners of outdoor running and 53 non-practitioners, aged between 45 and 60 years, without compromising health reported and with the absence of menstruation in the last 12 months. The practitioners have presented at least 3 months experience in the activity and minimum training week 2 times. Respondents were asked to indicate which other women not practitioner of activity, which had a similar profile to the same, for participation in research. The socio-demographic, anthropometric and training-related data were obtained through the application of a semi-structured questionnaire. Quality of life was assessed by applying the questionnaire SF-36, the level of physical fitness was assessed by IPAQ. The data were analysed by Mann-Whitney U test, Chi square, Kruskal-Wallis or multivariate linear regression, on SPSS software, version 17.0. RESULTS: The practice of outdoor running showed strong association with all dimensions of quality of life, except emotional aspects, showing results significantly higher (p < 0.05) in runners, independent of other variables. CONCLUSION: Postmenopausal women who engage in outdoor running, have a better perception of life when compared to non-practitioners, regardless of their level of physical activity.

Page generated in 0.0843 seconds