• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 482
  • 6
  • 6
  • 6
  • 6
  • 6
  • 6
  • 3
  • Tagged with
  • 498
  • 498
  • 333
  • 327
  • 87
  • 67
  • 62
  • 62
  • 60
  • 53
  • 45
  • 44
  • 43
  • 42
  • 42
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
41

Associação entre níveis séricos de vitamina D, estilo de vida e pressão arterial em pacientes com diabete melito tipo 2 e hipertensão arterial sistêmica

Moreira, Juliano Soares Rabello January 2017 (has links)
Introdução e Objetivos: Valores séricos de vitamina D têm sido inversamente associados com índice de massa corporal (IMC) e pressão arterial (PA) na população em geral. Sendo a obesidade um fator de risco para hipovitaminose D e, considerando o fato de a maior parte dos pacientes com diabete melito (DM) tipo 2 serem obesos e hipertensos, o objetivo deste estudo foi avaliar a deficiência de vitamina D com parâmetros nutricionais, metabólicos e níveis de pressão arterial nessa população. Métodos: Neste estudo transversal, pacientes ambulatoriais hipertensos com DM tipo 2 realizaram avaliação clínica, nutricional e laboratorial. PA foi avaliada por medidas em consultório (Omron HEM-705CP) e Monitorização Ambulatorial de 24 horas (MAPA; Spacelabs®). Atividade física foi avaliada por contagem diária de passos (Pedômetro-Yamax Digi-Walker®), composição corporal por Densitometria por emissão de raios X de dupla energia (DXA Lunar Prodigy®) e dieta por questionário alimentar de frequência. Resultados: Um total de 116 pacientes com idade média de 65,0±8,9 anos, 43% masculino, com IMC 30,3±4,1kg/m², duração do DM 11,5 (5-19) anos, HbA1c 7,2 (6,5-8,3)%, e PA de consultório 150,7±20,9/83,5±11,0mmHg foram incluídos. A 25(OH)D média foi 21,0 (16,0-26,9)ng/ml e 43% dos pacientes foram considerados deficientes [25(OH)D<20 ng/ml]. Na MAPA, pacientes deficientes mostraram maior PA sistólica em 24h (135,7±10,2 vs. 130,2±13,3mmHg; P=0,016) e em vigilia (138,1±11,3 vs. 132,8±13,4mmHg; P=0,026) comparado aos não deficientes. Menor contagem de passos [4350,0 (2647,8-6598,0) vs. 6390,6 (4706,9-8081,1)passos/dia], menor cálcio urinário em 24 horas [47,0 (32,0-141,2) vs. 89,5 (67,7-152,5)mEq] e maior massa de gordura (30,8±8,2 vs. 27,2±6,6Kg) ocorreram em deficientes quando comparado aos não deficientes. Consumo de leite (35,6 vs. 64,4%; P=0,009) e peixe (31,2 vs. 68,8%; P<0,001) foi menor em pacientes com do que sem deficiência de vitamina D. Em análise multivariada, ajustada para massa de gordura e coleta dos dados no inverno, <5000 passos/dia (OR=3,30; IC95% 1,34-8,12), não consumo de leite e peixe (OR=6,56; IC95% 2,52-17,17) e ambos número <5000 passos/dia e não consumo de leite/peixe (OR=7,24; IC95% 2,19-23,90) permaneceram associados com deficiência de vitamina D. Conclusão: Deficiência de vitamina D é altamente prevalente em pacientes hipertensos e com DM tipo 2 e foi associada com elevada PA sistólica (MAPA), pouca atividade física e ausência de consumo de peixe e leite na dieta.
42

bioimpedância elétrica : análise de interferência em dispositivos cardíacos eletrônicos implantáveis

Garlini, Luiza Matos January 2017 (has links)
Resumo não disponível.
43

Avaliação do estado nutricional e comosição corporal de pacientes com glicogenoses hepáticas através de análise de bioimpedância elétrica e absorciometria por raios-x de dupla energia

Santos, Bruna Bento dos January 2017 (has links)
Introdução: As Glicogenoses hepáticas (GSD) são doenças de etiologia genética, associadas à hipoglicemia ao jejum. O seu tratamento baseia-se no uso frequente e regular de amido de milho cru (AMC). Por razões ainda não completamente conhecidas, mas provavelmente relacionadas à estratégia de tratamento utilizada, as GSD hepáticas podem associar-se ao excesso de peso. Objetivo: Avaliar o estado nutricional e a composição corporal de pacientes com GSD hepáticas, utilizando Análise de Bioimpedância Elétrica (BIA) e Absorciometria por Raios-X de Dupla Energia (DXA). Metodologia Capítulo 1: Um estudo controlado transversal prospectivo foi realizado para a comparação do estado nutricional e composição corporal dos pacientes com GSD hepáticas com controles saudáveis. Foram incluídos 25 pacientes (GSD Ia= 14; GSD Ib= 6; GSD III= 3; GSD IXα/β=2), com mediana de idade de 11,0 anos (IQR= 9,0-17,5), pareados por sexo e idade com 25 controles saudáveis (mediana de idade= 12,0 anos [IQR= 10,0-17,5]). A composição corporal foi avaliada por BIA. Peso e estatura foram aferidos para classificação do estado nutricional. Dados clínicos, bioquímicos e de tratamento foram coletados de prontuários médicos. Metodologia Capítulo 2: Vinte e quatro pacientes (GSD Ia=12; GSD Ib=5; GSD III=3; GSD IXα/β/γ=4), com mediana de idade de 11.8 (IQR=10,5-20,5) tiveram sua composição corporal avaliada por Absorciometria por Raios-X de Dupla Energia e comparadas com dados clínicos, de adesão ao tratamento (lactato e triglicerídeos séricos) e de tratamento obtidos através de prontuários médicos em um estudo transversal prospectivo. Resultados Capítulo 1: A estatura (mediana= 1,43m [IQR=1,25-1,54]) vs 1,54m [IQR=1,42-1,61]; p=0,04) e escore-z de estatura-para-idade (mediana= -1,31 [IQR= -1,92–0,13]) vs -0,06 [IQR= -0,63-0,58]; p=<0,01) foram significativamente menores para os pacientes em relação aos controles. Além disso, IMC para >19 anos (mediana= 28,2kg/m² [IQR=25,0-38,9]) vs 21.9kg/m² [IQR=19,9 -23,5]; p=0,01), Escore-z de IMC-para-idade (mediana=1,84 [IQR=0,55-3,06]) vs 0,86, [IQR=-0,55-1,82]; p=0,04) e porcentagem de massa gorda (mediana=27,5 [IQR=22,6-32,0] vs 21,1 [IQR=13,0-28,3]; p=0,01) foram superiores nos pacientes comparados aos controles saudáveis. A porcentagem de gordura corporal foi estatisticamente superior nos pacientes com GSD Ia em relação aos pacientes com GSD III e IXα/β. Resultados Capítulo 2: Os resultados de DXA evidenciaram que 10 dos 14 pacientes entre 8 e <19 anos e 6/7 pacientes adultos apresentaram gordura corporal excessiva. Dois pacientes apresentaram valores de Índice de Musculo Esquelético Relativo (RSMI) abaixo do ponto de corte para adultos, sendo que um enquadrava-se nos critérios diagnósticos de obesidade sarcopênica. O consumo total de AMC (g/dia) correlacionou-se positivamente com o IMC (rs:0,6; p= <0,01), FM/g (rs:0,7; p= <0,01), e FMI (rs:0,7; p= <0,01). Dos marcadores de adesão ao tratamento adotados neste estudo, apenas o lactato demonstrou correlação moderada com FMI (rs:0,4; p=0,04). Os parâmetros de adiposidade de DXA mostraram que os pacientes com GSD Ia têm maior acumulo de tecido adiposo que os pacientes com GSD III e IXα/β/γ. Conclusão: Nossos resultados sugerem que pacientes com GSD hepáticas, especialmente com GSD Ia, apresentam alterações no estado nutricional e composição corporal em relação à população em geral, com maior tendência à baixa estatura, sobrepeso e obesidade. Acredita-se, mesmo que nossos achados não tenham sido capazes de confirmar esta hipótese, que o tratamento excessivo possa ter um papel importante nesta associação. Entretanto, outros fatores como a inatividade física e os mecanismos fisiopatológicos próprios destas condições devem ser considerados na etiologia da obesidade nas GSD hepáticas. Estudos de coorte são necessários para esclarecer tais associações. Além disso, a idade de início e o tempo de tratamento são variáveis que devem ser mais bem avaliadas. / Background: Hepatic Glycogen Storage Diseases (GSD) are diseases of genetic etiology, associated with hypoglycemia on fasting. Its treatment is based on the frequent and regular use of Uncooked Cornstarch (UUCS). For reasons not yet fully understood, but probably related to the treatment strategy used, hepatic GSD may be associated with excess weight. Aim: To evaluate the nutritional status and body composition of patients with hepatic GSD using Bioelectrical impedance (BIA) and Dual Energy X-Ray Absorptiometry (DXA). Methodology Chapter 1: A Prospective cross-sectional Controlled study was conducted to compare the nutritional status and body composition of patients with hepatic GSD with healthy controls. A total of 25 patients (GSD Ia = 14, GSD Ib = 6, GSD III = 3, GSD IXα/β = 2) were included, with a median age of 11.0 years (IQR = 9.0-17.5), matched by sex and age with 25 healthy controls (median age=12.0 years [IQR=10.0-17.5]). Body composition was evaluated by BIA. Weight and height were measured for nutritional status classification. Clinical, biochemical and treatment data were collected from medical record. Methodology Chapter 2: Twenty-four patients (GSD Ia=12; GSD Ib= 5; GSD III= 3; GSD IXα/β/γ= 4), with median age (median age = 11.8 [IQR = 10.5-20.5]) had their body composition evaluated by Dual Energy X-ray Absorptiometry and compared with clinical, adherence (lactate and triglyceride serum) and treatment data obtained from medical records in a prospective cross-sectional study. Results Chapter 1: Height (median=1.43m [IQR = 1.25-1.54]) vs 1.54m [IQR = 1.42-1.61]; p= 0.04) and height-for-age z-score (median=-1.31 [IQR = -1.92-0.13]) vs -0.06 [IQR = -0.63-0.58]; p=<0.01) were significantly lower in the patients than the controls. In addition, BMI for >19 years (median= 28.2kg/m² [IQR = 25.0-38.9]) vs 21.9kg/m² [IQR= 19.9-23.5]; p=0.01), z-score of BMI-for-age (median=1.84 [IQR = 0.55-3.06]) vs 0.86 [IQR=-0.55-1.82]; p = 0.04) and fat mass percentage (median= 27.5 [IQR = 22.6-32.0] vs 21.1 [IQR = 13.0-28.3], p=0.01) were higher in the patients compared to the healthy controls. The percentage of body fat was statistically higher in GSD Ia patients compared to patients with GSD III and IXα/β. Results Chapter 2: DXA results showed that 10 of the 14 patients between 8 and <19 years and 6/7 adult patients had excessive body fat. Two patients presented values of Relative Skeletal Muscle Index (RSMI) below the cutoff for adults, one of which fit the diagnostic criteria for sarcopenic obesity. Total UUCS (g/day) correlated positively with the BMI (rs: 0.6, p=<0.01), FM/g (rs:0.7, p=<0.01), and FMI (rs:0.7; p=<0.01). Of the treatment adherence markers adopted in this study, only lactate showed a moderate correlation with FMI (rs:0.4; p=0.04). The DXA adiposity parameters showed that patients with GSD Ia had greater accumulation of adipose tissue than patients with GSD III and IXα/β/γ. Conclusion: Our results suggest that patients with hepatic GSD, especially GSD Ia, present changes in the nutritional status and body composition in relation to the general population, with a tendency toward to short stature, overweight and obesity. It is believed, even if our findings have not been able to confirm this hypothesis, that excessive treatment may play an important role in this association. However, other factors such as physical inactivity and the pathophysiological mechanisms of these conditions should be considered in the aetiology of obesity in hepatic GSD. Cohort studies are needed to clarify such associations. In addition, the age of onset and the time of treatment are variables that should be better evaluated.
44

Comparação da pressão arterial, aferida por mapa, após sessão de hemodiálise, em pacientes submetidos à avaliação clínica ou bioimpedância, para determinação de peso seco

Lara, Darlan Martins January 2010 (has links)
Introdução: Há uma forte conexão entre doença renal e risco para doença cardiovascular. A hipertensão arterial é o fator mais importante associado com ambas as condições. Em pacientes em hemodiálise, o primeiro passo na obtenção de um melhor controle da pressão arterial é estabelecer o melhor peso seco. Tradicionalmente, o peso seco é definido a partir da avaliação clínica, por tentativa e erro. A bioimpedância pode avaliar a água corporal total e ajudar no ajuste do peso seco. O objetivo foi avaliar a redução do peso seco e da pressão arterial a partir de duas estratégias de determinação do peso ideal em pacientes renais crônicos, em programa hemodialiítico. Métodos: Trata-se de um ensaio clínico, no qual 70 pacientes, com idades entre 23 e 79 anos, foram randomizados para o grupo de avaliação clínica somente (n=36) ou para avaliação clínica mais bioimpedância elétrical tetramodal (n=34). Medidas de pressão arterial, por meio de monitorização ambulatorial da pressão arterial de 24 horas (MAPA-24h), e a ocorrência de sintomas intradialíticos foram obtidas antes e duas semanas após a intervenção. Os grupos foram comparados por intermédio de teste χ 2, Teste t ou Mann-Whitnney. A interação tempo-grupo das medidas pressóricas foram analisadas por meio de teste de variança para medidas repetidas (MANOVA). Resultados: As características dos grupos foram semelhantes. A redução nas pressões arteriais, sistólica e diastólica, não diferiu entre os grupos de intervenção. Observou-se uma maior redução de peso nos pacientes do grupo da bioimpedância. Houve uma diferença significativa (P=0,008) na redução do peso seco no grupo da bioimpedância (mediana=0,5kg, percentil 25-75=0,0 a 1,0Kg) em relação ao grupo da avaliação clínica (mediana=0,0kg, percentil 25-75=0,0 a 0,5Kg). A maior redução de peso no grupo de bioimpedância não implicou em aumento das complicações intradialíticas. Encontrou-se, também, que a proporção de pacientes que não tiveram seu peso reduzido foi significativamente diferente (P=0,009), sendo 69,4% (25 de 36) no grupo da avaliação clínica contra 38,2% (13 de 34) no grupo de bioimpedância. Conclusão: A biompedância elétrica tetramodal não resultou em uma variação significativa na pressão sistólica e diástolica, aferida por MAPA-24h, num acompanhamento de duas semanas. Seu benefício na redução da pressão arterial deve ser melhor avaliado em estudo com um período de seguimento mais longo. Em relação à avaliação do peso seco, a BIE mostrou-se um método útil, por permitir uma maior redução de peso, sem aumentar as intercorrências intradialíticas. Sua aplicação, complementar à avaliação clínica, pode somar as qualidades dos dois métodos, contribuindo para o manejo clinico, bem-estar e qualidade de vida do doente renal crônico em tratamento dialítico.
45

Proposição e avaliação do desempenho de equações de estimativa de estatura na obtenção de índices de adiposidade corporal em idosos: um estudo de base populacional / Proposition and evaluation of the performance of stature estimation equations in obtaining body adiposity indexes in the elderly: a population based study

Souza, Glória Maria Moraes 26 February 2018 (has links)
Submitted by Reginaldo Soares de Freitas (reginaldo.freitas@ufv.br) on 2018-04-26T17:06:30Z No. of bitstreams: 1 texto completo.pdf: 1427765 bytes, checksum: 449c05faaf132de03ab9584e0fb7fec3 (MD5) / Made available in DSpace on 2018-04-26T17:06:30Z (GMT). No. of bitstreams: 1 texto completo.pdf: 1427765 bytes, checksum: 449c05faaf132de03ab9584e0fb7fec3 (MD5) Previous issue date: 2018-02-26 / O envelhecimento populacional é um fenômeno mundial de rápida ocorrência, principalmente nos países em desenvolvimento e, é acompanhado pelas transições epidemiológica e nutricional. É sabido que o envelhecimento se caracteriza por alterações fisiológicas, principalmente no que diz respeito à composição corporal dos indivíduos. Dentre essas modificações, destaca-se a redução da estatura, sendo essa empregada em diferentes indicadores de avaliação do estado nutricional. Equações de estimativa da estatura têm sido propostas como alternativas viáveis à mensuração direta desta medida entre idosos. Nesse sentido, o estudo teve por objetivo propor uma equação de estimativa da estatura e avaliar o desempenho dessa e de outras equações já existentes no cálculo dos índices de adiposidade. Trata-se de um estudo transversal de base populacional com idosos da comunidade, residentes em Viçosa-MG. A coleta de dados foi realizada no período de 2009 a 2011, por meio de entrevistas e avaliação antropométrica. Quanto à análise dos dados realizou-se distribuição de frequências para as variáveis qualitativas, e medidas de tendência central e dispersão para as variáveis quantitativas de interesse. Para a proposição da equação de estimativa da estatura, utilizou-se a regressão linear múltipla. Estimou-se coeficientes de correlação intraclasse e o índice Kappa de Cohen, classificados segundo Landis e Koch (1977), para verificar a concordância entre a estatura aferida e a estimada pelas equações matemáticas, e entre os indicadores de adiposidade calculados a partir de ambas as formas de obtenção da estatura. Além disso, a abordagem gráfica proposta por Bland e Altman (1995) foi utilizada para avaliar a concordância entre a estatura medida e as diferentes estaturas estimadas pelas equações preditivas. Foram avaliados 675 idosos, dos quais 50,8% eram do sexo masculino, 70,3% eram da raça branca, 64,2% tinham o primário completo ou incompleto e com idade variando entre 62 e 96 anos. Foram propostas equações de estimativa da estatura, estratificadas por faixa etária e composta pelas variáveis altura do joelho, sexo e escolaridade. A partir das análises gráficas e de concordância verificou-se que a equação de estimativa da estatura proposta pelo presente estudo é adequada para estimar a estatura de idosos. Embora a equação proposta por Najas (1995) tenha subestimado a estatura, essa não apresentou viés de magnitude, podendo então ser empregada na estimativa da estatura de idosos. Ambos os modelos desenvolvidos por Palloni e Guend (2005) e a equação proposta por Lera et al. (2005) devem ser utilizados de forma cautelosa, visto apresentarem viés proporcional. Já as equações propostas por Chumlea Roche e Steinbaugh (1985); Chumlea e Guo (1992); Chumlea et al. (1998) não são adequadas em estimar a estatura de idosos componentes da amostra do presente estudo, visto superestimarem a estatura e apresentarem viés de magnitude na avaliação da estatura e dos indicadores de adiposidade corporal. Quanto aos indicadores de adiposidade corporal avaliados com o uso da estatura estimada por equações desenvolvidas com amostras de idosos brasileiros, estes apresentaram bom desempenho, indicando a importância da utilização de equações específicas para as populações alvo e a viabilidade da utilização da altura do joelho como medida recumbente. / Population aging is a rapidly occurring worldwide phenomenon and it is followed by epidemiological and nutritional transitions. It is known that aging is characterized by physiological changes, especially with regard to body composition of the individuals. Among these modifications, there is the reduction of height, which is used in different indicators of nutritional status. Equations of height estimation have been proposed as viable alternatives to direct measurement of this measure among the elderly. Accordingly, this study aimed to propose an equation of height estimation and to evaluate the performance of this one and other equations that already exist in the calculation of adiposity indexes. This work is a cross-sectional population-based study with an elderly community of residents in Viçosa-MG. Data collection was performed between the years of 2009 and 2011, through interviews and anthropometric evaluation. For the analysis of data, frequency distribution was performed for qualitative variables, and measures of central tendency and dispersion were performed for quantitative variables of interest. For the proposition of stature estimation equation, multiple linear regression was used. Intraclass correlation coefficients and Cohen's Kappa index, according to Landis and Koch (1977), were estimated to verify the concordance between a stature measured and estimated by mathematical equations, and between the adiposity indicators calculated from all forms of obtaining stature. In addition, the graphical approach proposed by Bland and Altman (1995) was used to evaluate the concordance between stature measured and different statures estimated by the predictive equations. A total of 675 elderly people were evaluated, of whom 50.8% were male and aged between 62 and 96 years. It was proposed an equation for height estimation, stratified by age group and composed of the variables knee height, sex and schooling. From the graphical and concordance analysis it was verified that the equation of height estimation proposed in the present study is adequate to estimate the height of the elderly. Although the equation proposed by Najas (1995) underestimated the stature, it hasn’t shown a bias of magnitude and could be used to estimate the height of the elderly. Both models developed by Palloni and Guend (2005) and the equation proposed by Lera et al. (2005) should be used cautiously, since they present biases of magnitude. The equations proposed by Chumlea Roche and Steinbaugh (1985); Chumlea and Guo (1992); Chumlea et al. (1998) aren’t adequate to estimate the height of the elderly of the present study, since they overestimate their height and present a bias of magnitude in the evaluation of height and indicators of corporal adiposity. Regarding the indicators of body adiposity evaluated from the height estimated by equations developed for brazilian elderly, they showed good performance, indicating the importance of using specific equations for target populations and the feasibility of using knee height as a recumbent measure.
46

Avaliação da composição corporal de mulheres participantes de um programa ambulatorial de nutrição em grupo

Aguiar, Lanna Rhamela Honório Freitas 06 August 2015 (has links)
Submitted by Rosina Valeria Lanzellotti Mattiussi Teixeira (rosina.teixeira@unisantos.br) on 2015-11-09T12:19:56Z No. of bitstreams: 1 Lanna Rhamela Honorio Freitas Aguiar.pdf: 1205769 bytes, checksum: a73fba101e3dfcd2adf92ec06d135b07 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-11-09T12:19:56Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Lanna Rhamela Honorio Freitas Aguiar.pdf: 1205769 bytes, checksum: a73fba101e3dfcd2adf92ec06d135b07 (MD5) Previous issue date: 2015-08-06 / Introduction: Evaluation of body composition is essential for the diagnosis and management of many diseases, such as obesity. The prevalence of obesity has increased in recent decades and is considered a global epidemic. Being a multifactorial disease there are several ways to treat it, but nutritional intervention is taken as the basis of the patient's treatment is overweight. Objective: The aim of this study was to compare the body composition before and after dietary intervention in women participating in an outpatient group nutrition. Methods: This is a quasi-experimental study of the participants of a nutritional care program group. According to the inclusion criteria, composed the study sample a total of 145 women, 96 adults and 49 elderly. From the records of the program's patients have obtained sociodemographic data, health and anthropometric. To compare the variables of body composition before and after dietary intervention was held the Paired Student t-test. And to assess the proportions between body composition and sociodemographic parameters, health and labor were performed the chi-square or Fisher's Exact tests. Results: The improvement in body composition, assessed by the mean values of weight, waist circumference, body mass index (BMI), body fat percentage, lean mass and fat mass after the nutritional intervention was not significantly different. However, it was found that there was an improvement in anthropometric among most adult and elderly participants of the intervention, with a higher proportion of women was between 46 and 59 years in the evaluation of BMI (p> 0.01). With regard to testing proportions, it was found that a higher proportion of obese adult women in the income range between 3 and 5 minimum wages, both in the initial evaluation BMI (p <0.009), as the final evaluation BMI (p > 0.041). In the previous intervention assessment, the highest proportion of adult and elderly women with high fat percentage worked in day shifts (p> 0.042). As well as the highest proportion of adult women with significantly increased risk of having metabolic complications, measured by waist circumference after intervention, held day jobs (p> 0.048). Conclusions: We conclude that the 12-week dietary intervention program was effective for improving anthropometric profile of program participants, particularly among adult women undergoing change. / Introdução: Avaliar a composição corporal é essencial para o diagnóstico e controle de inúmeras enfermidades, como por exemplo a obesidade. A prevalência da obesidade vem crescendo nas últimas décadas, sendo considerada uma epidemia global. Por ser uma doença multifatorial existem várias formas de tratá-la, contudo a intervenção nutricional é tida como a base do tratamento da pessoa que está acima do peso. Objetivo: O objetivo principal deste estudo foi comparar a composição corporal, antes e após uma intervenção dietética, em mulheres participantes de um grupo ambulatorial de nutrição. Métodos: Trata-se de um estudo quase-experimental realizado com as participantes de um programa de atendimento nutricional em grupo. De acordo com os critérios de inclusão, compuseram a amostra do estudo um total de 145 mulheres, sendo 96 adultas e 49 idosas. A partir dos prontuários das participantes do programa obtivemos os dados sociodemográficos, de saúde e antropométricos. Para comparar as variáveis da composição corporal antes e após a intervenção dietética foi realizado o teste t-Student Pareado. E para a avaliação das proporções entre a composição corporal e os parâmetros sociodemográficos, de saúde e de trabalho foram realizados os testes do qui-quadrado ou Exacto de Fisher. Resultados: A melhora da composição corporal, avaliada por meio dos valores médios do peso, circunferência abdominal, índice de massa corporal (IMC), percentual de gordura, massa magra e massa gorda, após a intervenção nutricional não foi significativamente diferente. No entanto, verificou-se que houve uma melhora no perfil antropométrico entre a maioria das adultas e idosas participantes da intervenção, sendo que a maior proporção foi entre mulheres de 46 e 59 anos na avaliação do IMC (p>0,01). Com relação aos testes de proporções, verificou-se que há uma maior proporção de mulheres adultas obesas na faixa de renda entre 3 e 5 salários mínimos, tanto na avaliação de IMC inicial (p<0,009), quanto na avaliação de IMC final (p>0,041). Na avaliação anterior a intervenção, a maior proporção de mulheres adultas e idosas com o percentual de gordura elevado trabalhava em turnos diurnos (p>0,042). Assim como, a maior proporção de mulheres adultas com risco substancialmente aumentado de ter complicações metabólicas, avaliadas por meio da circunferência abdominal após a intervenção, realizavam trabalhos diurnos (p>0,048). Conclusões: Podemos concluir que o programa de intervenção nutricional de 12 semanas foi efetivo para a melhora do perfil antropométrico das participantes do programa, principalmente entre as mulheres adultas em fase de mudança.
47

Análise da modificação da composição corporal durante o primeiro ano do pós-operátorio de cirurgia bariátrica

Paris, Fernanda Guidi Colossi de January 2012 (has links)
Made available in DSpace on 2013-08-07T19:04:33Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000438180-Texto+Completo-0.pdf: 2122221 bytes, checksum: d5a6c63d839bb923aebbfee716b836a5 (MD5) Previous issue date: 2012 / INTRODUCTION: It is known the potential effect of bariatric surgery on weight reduction and improvement of associated comorbidities but is still not determined the ratio obtained between the components of body weight. This study aims to verify the change in body composition during the first year of post-bariatric surgery. METHODS: Was conducted a prospective observational cohort study. Were selected 50 patients with morbid obesity who underwent bariatric surgery and who kept up the care team according to the protocol during the first year after surgery. Patients were assessed preoperatively and postoperatively for periods of one, three, six and 12 months by tetrapolar bioelectrical impedance analysis and laboratory testing of lipids and serum albumin. Data were statistically analyzed. RESULTS: The variables of body composition obtained statistical significance (p <0. 001), the mean and standard deviation in the pre and one year postoperatively, are respectively: BMI: 45,8±7,5 to 30,0±4,8 kg/m²; body fat: 64,7±15,5 to 30,6±9,8 kg, body fat percentage: 51,6±4,17 to 37,3±7,6%, total cholesterol: 197,1±49,8 to 169,8±31,0 mg/dl. The reduction in BMI achieved patients withdrew from the classification of morbid obesity to obesity grade I. The decrease in body fat percentage shows a better proportion between the body components. The percentage of fat decreased significantly more in males (p=0,012). The lean body mass (p=0,000) had the highest reduction in patients operated by the SUS (Unified Health System - Government of Brazil).CONCLUSION: The change in body composition of patients in the course of the first year of post-operative RYGBP assessed by tetrapolar BIA was statistically significant for all variables, demonstrating the effectiveness of the surgical procedure and the clinical protocol set, which tends to favor a better prognosis for the health and weight maintenance of patients in the long term. / INTRODUÇÃO: É conhecido o efeito potencial da cirurgia bariátrica na redução do peso corporal e na melhora das comorbidezes associadas, mas ainda é pouco determinada a proporção obtida entre os componentes do peso corporal. Este estudo tem por objetivo verificar a modificação da composição corporal durante o primeiro ano de pós-operatório de cirurgia bariátrica.MÉTODO: Foi realizado um estudo de coorte observacional prospectivo. Foram selecionados 50 pacientes obesos mórbidos que foram submetidos à cirurgia bariátrica e, que mantiveram acompanhamento conforme protocolo da equipe assistencial. Os pacientes foram avaliados no pré e no pós-operatório nos períodos de um, três, seis e 12 meses por bioimpedância tetrapolar e exames laboratoriais de lípides e albumina sérica. Os dados foram submetidos à análise estatística. RESULTADOS: A alteração da composição corporal apresentou significância estatística (p<0,001). Para as variáveis apresentadas, os valores de média e desvio padrão nos períodos pré e de um ano pós-operatório, são respectivamente: IMC (Índice de massa corporal): 45,8±7,5 para 30,0±4,8 Kg/m²; gordura corporal: 64,7±15,5 para 30,6±9,8 Kg; percentual de gordura corporal: 51,6±4,17 para 37,3±7,6%; colesterol total: 197,1±49,8 para 169,8±31,0 mg/dl. A redução de IMC alcançada retirou os pacientes da classificação de obesidade mórbida para obesidade grau I. Houve uma maior redução de percentual de gordura no sexo masculino (p=0,012). A massa magra corporal (p=0,000) obteve maior redução em pacientes operados pelo SUS (Sistema Único de Saúde - Governo do Brasil). A diminuição no percentual de gordura corporal demonstra uma melhor proporção entre os componentes corporais. CONCLUSÃO: A modificação na composição corporal dos pacientes no primeiro ano de pós-operatório de cirurgia bariátrica, avaliada por bioimpedância tetrapolar, foi estatisticamente significante para todas as variáveis analisadas, demonstrando efetividade do procedimento cirúrgico e do protocolo clínico instituído, o que tende a favorecer um melhor prognóstico para a saúde e para a manutenção do peso destes pacientes à longo prazo.
48

Relação entre ingestão alimentar de magnésio e cálcio e seus níveis séricos com a composição corporal, parâmetros metabólicos e dor em mulheres com fibromialgia

Andretta, Aline January 2015 (has links)
Orientador : Prof. Dr. César Luiz Boguszewski / Co-orientadores : Profª. Drª. Maria Eliana M. Schieferdecker e Prof. Dr. Eduardo dos Santos Paiva / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Medicina Interna. Defesa : Curitiba, 29/05/2015 / Inclui referências : f. 34-42 / Resumo: Objetivo: Avaliar a ingestão alimentar de magnésio (Mg) e cálcio (Ca) e seus níveis séricos em mulheres com fibromialgia (FM), correlacionando com composição corporal, parâmetros metabólicos e dor. Pacientes e Metódos: Estudo transversal, comparado com grupo controle, pareado por idade e índice de massa corporal (IMC), com mulheres adultas diagnosticadas com fibromialgia. Os grupos do estudo foram submetidos à avaliação clínica e nutricional, incluindo limiar de percepção da dor e contagem do número de tender points (TP), questionário de impacto da FM (FIQ), Patient Health Questionnaire-9 (PHQ-9), e Registro Alimentar (RA) de 3 dias. Todas as participantes realizaram avaliação da composição corporal através de absorciometria por dupla emissão de raio X (DXA - equipamento Lunar Prodigy Advance DPX), e coletaram amostras de sangue para dosagens de Mg, Ca, Proteína C reativa (PCR), lipidograma e glicemia. Resultados: 53 mulheres com FM (idade média de 48,1 ± 8,2 anos e IMC médio 26,6 ± 4,5 kg/m²) e 50 mulheres controles (idade média de 47,1 ± 9,9 anos e IMC médio 25,6 ± 3,6 kg/m²) participaram do estudo. A ingestão de Mg e Ca foi significativamente menor nas mulheres com FM (p=0,03 e p=0,003 vs controles, respectivamente). Não houve diferença nos níveis séricos de Mg e Ca entre os grupos. O IMC apresentou correlação com os níveis séricos de Ca no grupo FM (r= 0,27; p=0,05) e com os níveis séricos de Mg no grupo controle (r=0,31; p=0,02). No grupo FM a ingestão de Mg e Ca apresentou correlação inversa com TP (r=-0,23; p=0,02 e r=-0,28; p=0,03, respectivamente), e correlação direta com o limiar da dor (r=0,25; p=0,01 e r=0,32; p=0,01, respectivamente). A PCR apresentou correlação inversa com o nível sérico de Mg (r=-0,29; p=0,03). No grupo FM houve correlação negativa entre o nível sérico de Ca e triglicerídeos (TG) (r= -0,29 p=0,03), e correlação positiva entre a ingestão de Mg e a glicemia (r=0,29 e p=0,03). No grupo controle houve correlação entre os níveis séricos de Mg e Ca com a glicemia (r=0,48; p=0,0004 e r=0,64; p=0,001, respectivamente). Conclusões: A ingestão de Mg e Ca foi menor nas mulheres com FM e relacionou-se com a dor. Nestas pacientes, a calcemia se associou positivamente com o IMC e TG, e a magnesemia inversamente com a PCR. Palavras-chave: Fibromialgia, magnésio, cálcio, composição corporal, lipidograma e glicemia. / Abstract: Objective: To evaluate dietary intake and serum levels of magnesium (Mg) and calcium (Ca) and their relation with body composition, metabolic parameters and pain in women with fibromyalgia (FM). Patients and Methods: Cross-sectional, case-control study, in adult women diagnosed with fibromyalgia. The study groups underwent clinical and nutritional assessment, including pain threshold and number of tender points (TP), the FM impact questionnaire (FIQ), Patient Health Questionnaire-9 (PHQ-9), 3 days-Food Registry and body composition by dual energy x-ray absorptiometry (DXA; Lunar Prodigy Advance DPX). Fasting serum samples were collected for measurements of Mg, Ca, C-reactive protein (CRP), lipid profile and glucose. Results: 53 women with FM (age 48.1 ± 8.2 yr and BMI 26.6 ± 4.5 kg/m²) and 50 control women (age 47.1 ± 9.9 yr and BMI 25.6 ± 3.6 kg/m²) participated in the study. The intake of Ca and Mg was significantly smaller in women with FM (p = 0.03 and p = 0.003 vs. control, respectively). Serum Mg and Ca did not differ in the study groups. BMI correlated with serum levels of Ca in the FM group (r = 0.27; p = 0.05) and with Mg serum levels in the control group (r = 0.31; p = 0.02). In FM women, Mg and Ca intake was inversely correlated with TP (r = -0.23; p = 0.02 and r = -0.28; p = 0.03, respectively), and positively correlated to the pain threshold (r = 0.25; p = 0.01 and r = 0.32; p = 0.01, respectively). CRP showed an inverse correlation with serum Mg (r = -0.29; p = 0.03) and it was observed association of serum level of Ca and triglycerides (r = -0.29; p = 0.03) and of Mg intake and serum glucose (r = 0.29; p = 0.03). In the control group, blood levels of glucose correlated with Mg (r = 0.48; p = 0.0004) and Ca (r = 0.64; p = 0.001). Conclusions: Women with FM had lower intake of Mg and Ca, which were related to pain threshold, and showed a positive association between calcemia and BMI and triglycerides, and negative association between magnesemia and CRP. Keywords: Fibromyalgia, magnesium, calcium, body composition, lipid profile and blood glucose.
49

Composição corporal de indivíduos com lesão medular cervical: influência do exercício físico e comparação de métodos / Body composition in spinal cord injury subjects: exercise influence assessment methods

Giselle Louise Cerqueira d'Oliveira 28 February 2011 (has links)
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro / Objective: To compare total and regional body composition and fat mass distribution in physically active and non active men with cervical spinal cord injury (SCI) and its relationship with C-reactive protein (CRP) levels. Also, to identify a bioelectric impedance (BIA) protocol that provides results of percentage of total fat mass (FM) in agreement with those obtained by the reference method - dual energy X-ray absorptiometry (DXA). Methods: All participants presented spinal cord injury between C5-C7 and were classified as active (n=15) or non-active (n=10). Individuals having a minimum of 150 minutes of physical activity per week, practiced three times a week or more, for at least three months were considered active. The determination of total and regional body composition (arms, legs and trunk) was performed by DXA. CRP levels were performed by immunoturbidimetry. BIA protocols tested were indicated to: a) individuals with SCI (KOCINA & HEYWARD, 1997), b) a group including elderly (GRAY et al, 1989), c) validated protocol for Brazilian elderly (DEY et al, 2003). The statistical analysis included ANCOVA to compare body weight, body composition and CRP between groups, and partial correlation to identify the association of physical exercise with MG and of CRP with physical exercise and trunk FM. All analyses were controlled for duration of injury (DOI). The comparison between DXA and BIA protocols was performed by one-way ANOVA and Dunnet post hoc test. The Bland-Altman analysis was performed to verify the agreement between the methods. Conclusion: physical exercise is important to the maintenance of lower levels of FM in whole body and to avoid trunk FM accumulation in cervical SCI subjects. Moreover, the best body composition and FM distribution found in the active group possibly lead to lower serum CRP levels. Taken together, these adaptations may contribute to decrease the risk of cardiometabolic disease in cervical SCI subjects. An elderly BIA protocol appeared to be useful for body composition assessment of cervical SCI subjects possibly due to the similarities in body composition adaptations typical of aging and SCI. / Objetivo: Comparar a composição corporal total e regional e a distribuição de gordura de homens com lesão medular LM cervical fisicamente ativos e não ativos, e sua relação com a concentração de proteína C reativa ultra-sensível (PCR-us). Além disso, identificar um protocolo de impedância bioelétrica (BIA) que forneça resultados de percentual de massa gorda (MG) total concordantes com os obtidos pelo método de referência, absorciometria de dupla emissão de raios-X (DXA). Métodos: Os participantes possuíam lesão medular entre C5-C7 e foram classificados em ativos (n=15) e não ativos (n=10). Consideraram-se ativos os indivíduos que praticavam exercícios físicos há pelo menos três meses, três vezes por semana ou mais, totalizando tempo mínimo de 150 minutos de atividades físicas por semana. A determinação da composição corporal total e regional (braços, pernas e tronco) foi realizada por DXA. A PCR-us foi mensurada por imunoturbidimetria. Os protocolos de BIA testados foram: a) para indivíduos com LM (KOCINA & HEYWARD, 1997); b) para grupos que incluem idosos (GRAY et al 1989); c) validado para idosos brasileiros (DEY et al, 2003). A análise estatística dos dados incluiu ANCOVA para comparar a massa corporal total, composição corporal e PCR-us entre os grupos; e correlação parcial com correção pelo tempo de lesão (TL) para identificar a associação de exercício físico com MG e da PCR-us com exercício físico e MG tronco. A comparação dos resultados de percentual de gordura obtidos por DXA e cada um dos protocolos de BIA foi realizada por ANOVA one way e Dunnet pós teste. A análise de Bland-Altman foi realizada para verificação da concordância entre os métodos testados. Conclusão: O exercício físico praticado de forma contínua e controlada é importante para manter menores valores de MG e evitar acúmulo de gordura na região do tronco. A melhor composição corporal e distribuição de gordura corporal observadas no grupo ativo possivelmente levaram à menor concentração de PCR-us sérica. Juntas, estas adaptações provavelmente contribuíram para a redução dos riscos de desenvolvimento de doenças cardiometabólicas. A semelhança na modificação da composição corporal entre idosos e indivíduos com LM sugere que protocolos de BIA propostos para idosos podem ser adequados para avaliação da composição corporal de indivíduos com lesão medular cervical.
50

Composição corporal de mulheres no climatério

Oliveira, Pablo Gustavo de January 2017 (has links)
Objetivos: Avaliar o efeito da menopausa sobre a composição corporal, a distribuição de gordura abdominal, o índice de massa corporal, a circunferência cintura, os percentuais de gordura androide, ginoide e a relação androide/ginoide, o consumo calórico total da alimentação diária e o nível de atividade física de mulheres climatéricas. Modelo: Estudo transversal com mulheres climatéricas recrutadas através de divulgação nas mídias eletrônica e impressa e realizado de março de 2014 a outubro de 2015. Local: Centro de Pesquisa Clínica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (CPC/HCPA), RS/Brasil. Amostra: A amostra foi constituída por mulheres na pré e pós-menopausa com idade entre 44 e 52 anos. Medidas de avaliação: Os instrumentos utilizados foram: Executive summary of the Stages of Reproductive Aging Workshop + 10 (STRAW +10, para a classificação de mulheres em relação ao estadiamento menopausal); Recordatório alimentar de 24 horas (para medir o consumo alimentar); um questionário semiestruturado sobre aspectos de saúde, hábitos de vida, familiares e parâmetros socioeconômicos; o Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ – versão curta, para a mensuração de atividade física da última semana); o Questionário de Avaliação da Menopausa (MRS, para quantificar a severidade dos sintomas da menopausa); avaliações antropométricas (estatura, peso, índice de massa corporal – IMC, circunferência abdominal e circunferência do quadril); absorciometria de raios-x de dupla energia (DEXA, para avaliação da composição corporal, estimativas de massa magra e gorda); e a Escala Visual Analógica de Apetite (para quantificação do nível de fome). Amostras sanguíneas foram coletadas para a análise de níveis de hormônios (estradiol e folículo estimulante – FSH) e parâmetros bioquímicos de metabolismo (colesterol total e frações – triglicerídeos, HDL, LDL – e glicemia de jejum). O banco de dados foi digitado e analisado no programa SPSS versão 18.0. Testes univariados (Teste t de Student e de Mann-Whitney) foram aplicados para comparações de médias/medianas entre os grupos, conforme normalidade da variável contínua pelo teste de Shapiro-Wilk. Análises de distribuições (Qui-quadrado com análises de valores residuais ajustados) foram aplicadas para comparações de frequências de variáveis categóricas entre os grupos. Correlações de Spearman foram aplicadas entre todas as variáveis analisadas. O nível de significância adotado para todas as análises foi fixado em 5%. Resultados: Avaliaram-se 114 mulheres, categorizadas em pré-menopausa (n=60), mediana de idade [Intervalo de Confiança – IC95%] de 47,5 [47,01–48,35 anos] e na pós-menopausa (n=54) com mediana de idade de 49 anos [48,29–49,56]. O tempo de pós-menopausa foi (mediana [95%IC] de 1,50[1,63–2,41] anos) e as mulheres na pré-menopausa classificadas como -3b segundo os critérios de STRAW+10. A maioria das participantes apresentava ensino médio ou superior (35,96% e 39,47%, respectivamente), era solteira ou sem parceiro (57,02%), não tabagista (97,37%) e não consumia álcool (57,89%). Quanto ao IMC, foram categorizadas como eutróficas (31,86%) ou obesas (40,71%), sem doença hipertensiva (98,25%), tireoidiana (97,37%) ou cardiovascular (100%). Em relação à atividade física, a maioria das mulheres apresentava nível ativo (51,75%). Na avaliação do apetite, as mulheres na pós-menopausa apresentaram escores maiores do que as prémenopáusicas (p=0,013). Níveis de colesterol total e de HDL foram maiores nas mulheres na pós-menopausa (p=0,040 e p≤0,0001, respectivamente). Não houve diferenças estatísticas entre os grupos quanto à massa corporal total, gordura androide e ginoide, conteúdo mineral ósseo, massa magra, consumo calórico, triglicerídeos e glicemia de jejum (p>0,05). Quanto aos sintomas climatéricos, as mulheres na pósmenopausa apresentaram mais queixas de fogachos e ressecamento vaginal (de moderado a extremamente severo) (p=0,056 e p=0,007, respectivamente) e significância marginal em relação aos problemas sexuais (p=0,086). O IMC, os triglicerídeos séricos e a glicemia de jejum foram positivamente correlacionados à circunferência da cintura, massa corporal, massa adiposa, massa magra e gorduras androides e ginoide. Colesterol HDL foi negativamente relacionado à circunferência da cintura, massa corporal, massa adiposa, massa magra e gordura androide. A escala visual analógica de apetite foi positivamente relacionada a humor deprimido, problemas sexuais e fogachos. Conclusões: Não houve diferenças estatisticamente significativas quanto à massa corporal total, gordura androide e ginoide, conteúdo mineral ósseo, massa magra, consumo calórico, triglicerídeos e glicemia de jejum, possivelmente, porque no início da pós-menopausa as possíveis modificações na composição corporal não sejam impactantes, o que permite considerar esse período como uma janela de oportunidade para intervenções precoces direcionadas ao estilo de vida, prevenindo-se agravos como perfil aterogênico e aumento do risco cardiovascular. / Objetives: To evaluate the effect of menopausal transition on body composition, abdominal fat distribution, body mass index, waist-hip circumference, percentages of android, gynoid and android/gynoid fats ratio, total daily caloric intake and the level of physical activity of climacteric women. Model: A cross-sectional study with climacteric women recruited by electronic and printed media and carried out from March 2014 to October 2015. Place: Clinical Research Center of Clinical Hospital of Porto Alegre (CPC/HCPA), RS/Brazil. Sample: The sample consisted of pre and postmenopausal women aged between 44 and 52 years. Measures of evaluation: The instruments used were: the Executive Summary of the Stages of Reproductive Aging Workshop + 10 (STRAW +10, for the classification of women in relation to menopausal staging); 24- hour food recall (to measure food consumption); a semi-structured questionnaire on aspects of health, life habits, family and socioeconomic parameters; the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ – short version, for the measurement of physical activity of the last week); the Menopause Rating Scale (MRS, to quantify the severity of menopausal symptoms), anthropometric assessments (height, weight, body mass index – BMI, waist circumference and hip circumference); Dual-energy x-ray absorptiometry (DXA, to evaluate body composition, estimates of leand and fat mass); and the Visual Analogue Appetite Scale (to quantify the level of hunger). Blood samples were collected for the analysis of female hormone levels (estradiol and follicle-stimulating – FSH) and biochemical parameters of metabolism (total cholesterol and triglyceride fractions – HDL, LDL – and fasting glycemia). The database was entered and analyzed in SPSS version 18.0. Univariate tests (Student’s t test and Mann-Whitney test) were applied for comparisons of means/medians between groups, according to the normality of the continuous variable by the Shapiro-Wilk test. Distribution analyzes (Chi-Square with adjusted residual values) were applied for comparisons of frequencies of categorical variables between the groups. Spearman’s correlations were applied among all analyzed variables. The level of significance adopted for all analyzes was set at 5%. Results: A total of 114 women, pre-menopausal women (n=60) with median age [95% Confidence Interval – CI] of 47.5[47.01–48.35] years and postmenopausal women (n=54) with median age [95%CI] of 49.0[48.29–49.56]. Postmenopausal time median [95%CI] time was of 1.50[1.63–2.41] years and premenopausal women were classified as -3b, according to the STRAW + 10 criteria. The majority of participants had high school education (35.96% and 39.47%, respectively), was single or without partner (57.02%), non-smoker (97.37%) and did not consume alcohol (57.89%). Regarding BMI, they were categorized as either eutrophic (31.86%) or obese (40.71%), without hypertensive (98.25%), thyroid (97.37%) or cardiovascular (100.0%) diseases. In relation to physical activity, the majority of women had an active level (51.75%). In the evalution of appetite, postmenopausal women had higher scores than premenopausal women (p=0.013). Total cholesterol and HDL levels were higher in postmenopausal women (p=0.040 and p≤0.0001, respectively). There were no statistical differences between the groups regarding total body mass, android and gynoid fats, bone mineral content, lean mass, caloric intake, triglycerides and fasting glycemia (p>0.05). Considering the climacteric symptoms, postmenopausal women presented more complaints of hot flashes and vaginal dryness (moderate to extremely severe, p=0.056 and p=0.007, respectively) and marginal significance in relation to sexual problems (p=0.086). BMI, serum triglycerides, and fasting glycemia were positively correlated with waist circumference, body mass, adipose mass, lean mass, android and gynoid fats. HDL cholesterol was negatively related to waist circumference, body mass, adipose mass, lean mass and android fat. The visual analogue scale of appetite was positively related to depressive mood, sexual problems and hot flashes. Conclusions: There were no statistically significant differences in total body mass, android and gynoid fats, bone mineral content, lean mass, caloric intake, triglycerides and fasting glycemia, possible because at the the beginning of postmenopausal period the possible changes in body composition are not impacting, which allows us to consider this period as a time window of opportunity for early interventions directed to lifestyle, preventing ailments such as atherogenic profile.

Page generated in 0.0663 seconds