• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 283
  • 11
  • 11
  • 11
  • 11
  • 11
  • 3
  • 3
  • 1
  • Tagged with
  • 292
  • 146
  • 117
  • 111
  • 70
  • 54
  • 38
  • 38
  • 37
  • 36
  • 33
  • 30
  • 30
  • 29
  • 26
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Análise acústica da deglutição e do segmento pós-deglutição de crianças com disfagia orofaríngea e aspiração traqueal

Almeida, Sheila Tamanini de January 2013 (has links)
A ausculta cervical digital (ACD) pode ser utilizada para avaliar o mecanismo de proteção das vias aéreas e a duração dos sons da deglutição. O presente estudo objetivou comparar os sons da deglutição e a densidade de potência espectral (DPE) dos sons captados de crianças com disfagia orofaríngea (DOF), com e sem aspiração traqueal. Trinta e dois pacientes foram encaminhados para videofluoroscopia da deglutição (VFD), com mediana (percentil 25-75) de idade de 69 meses (35-120). Vinte e dois sons de deglutição foram captados, durante a deglutição de liquido destes pacientes com queixa de DOF e que aspiraram pelo menos uma vez durante o exame. Os sinais foram separados em G1 (n=11; com aspiração traqueal) e em G2 (n=11; sem aspiração traqueal). Outro grupo de sons da deglutição de crianças sem queixa de DOF (G3; n=11) foi comparado com G1 e G2. Todas as crianças foram avaliadas com microfone piezoelétrico fixado ao pescoço. As comparações múltiplas entre os grupos de sinais foram realizadas pelo método de equações de estimativas generalizadas com ajuste de Bonferroni, considerando p≤0.05. A média do tempo da deglutição no G1 (1.289±0.064s) e no G2 (1.230±0.124s) foi significativamente maior do que em G3 (0.596±0.057s) (p<0.001). Não houve diferença entre os tempos de deglutição de G1 e G2 (p=0.999). A média do tempo do “Gap” no G1 (0,266±0,025s) e no G2 (0,223±0,033s) foi maior que em G3 (0,117 ±0,017s) (p<0.001). Não houve diferença desta variável entre G1 e G2 (p=0.999). A média dos valores da DPE da aspiração detectada no G1(3330.8±405.7 1/√Hz) foi estatisticamente maior que os valores da respiração pós-deglutição detectada em G2 (720.55 ±121.6 1/√Hz) e em G3 (890.3±179.4 1/√Hz) (p<0.001). Não foi encontrada diferença entre G2 e G3 (p=0.999). Crianças com DOF apresentam tempo de duração da deglutição e do “Gap” maior do que crianças sem DOF. A DPE do segmento pós-deglutição com aspiração detectada pela ACD foi maior do que a DPE do segmento pós-deglutição com respiração subsequente. A ausculta cervical pode ser um recurso para a detecção de aspiração traqueal e um complemento à avaliação clínica fonoaudiológica à beira do leito. / Digital cervical auscultation (DCA) can provide insight into the integrity of airway protection mechanisms and the duration of swallowing sounds. This study aimed to compare the swallowing sounds and the power spectral density (PSD) recorded by CA in children with oropharyngeal dysphagia (OPD), with or whithout traqueal aspiration . Thirty-two patients referred for videofluoroscopic swallow study (VFSS). Median age (25th-75th percentile) of all patients was 69 months (35-120). Twenty-two swallowing signals captured during fluid swallow from patients who had complaints of OPD and at least 1 episode of aspiration at VFSS were analyzed. Those signals were separated in G1 (n=11, aspiration at VFSS), G2 (n=11, no aspiration at VFSS). Another group of swallowing sounds G3 (n=11) comprised children with no complaints of OPD. All children were assessed using a piezoelectric microphone attached to the neck. Generalized estimating equations for multiple comparisons with Bonferroni’s post-hoc correction (p≤0.05) were used for comparison between swallowing signal groups. Mean swallowing times were significantly longer in G1 (1.289±0.064s) and G2 (1.230±0.124s) than in G3 (0.596±0.057s) (p<0.001). There were no differences in swallowing time between G1 and G2 (p=0.999). Mean “Gap” times were significantly longer in G1 (0,266±0,025s) and G2 (0,223±0,033s) than in G3 (0,117 ±0,017s) (p<0.,001). There were no differences in swallowing time between G1 and G2 (p=0.999). Mean PSD values for aspiration detected in G1 (3330.8±405.7 1/√Hz) were statistically greater than mean PSD values for respiration in G2 (720.55 ±121.6 1/√Hz) and G3 (890.3±179.4 1/√Hz) (p<=0.001). There were no significant differences in PSD between G2 e and G3 (p=0.999). Children with OPD have a prolonged swallowing duration and “Gap” time as compared to children without OPD. Post-swallow aspiration detected by CA has a greater PSD than post-swallow respiration. Cervical auscultation may be an effective tool for the detection of laryngeal aspiration and a major adjuvant in clinical assessment by speech and language pathologists.
2

Análise acústica da deglutição e do segmento pós-deglutição de crianças com disfagia orofaríngea e aspiração traqueal

Almeida, Sheila Tamanini de January 2013 (has links)
A ausculta cervical digital (ACD) pode ser utilizada para avaliar o mecanismo de proteção das vias aéreas e a duração dos sons da deglutição. O presente estudo objetivou comparar os sons da deglutição e a densidade de potência espectral (DPE) dos sons captados de crianças com disfagia orofaríngea (DOF), com e sem aspiração traqueal. Trinta e dois pacientes foram encaminhados para videofluoroscopia da deglutição (VFD), com mediana (percentil 25-75) de idade de 69 meses (35-120). Vinte e dois sons de deglutição foram captados, durante a deglutição de liquido destes pacientes com queixa de DOF e que aspiraram pelo menos uma vez durante o exame. Os sinais foram separados em G1 (n=11; com aspiração traqueal) e em G2 (n=11; sem aspiração traqueal). Outro grupo de sons da deglutição de crianças sem queixa de DOF (G3; n=11) foi comparado com G1 e G2. Todas as crianças foram avaliadas com microfone piezoelétrico fixado ao pescoço. As comparações múltiplas entre os grupos de sinais foram realizadas pelo método de equações de estimativas generalizadas com ajuste de Bonferroni, considerando p≤0.05. A média do tempo da deglutição no G1 (1.289±0.064s) e no G2 (1.230±0.124s) foi significativamente maior do que em G3 (0.596±0.057s) (p<0.001). Não houve diferença entre os tempos de deglutição de G1 e G2 (p=0.999). A média do tempo do “Gap” no G1 (0,266±0,025s) e no G2 (0,223±0,033s) foi maior que em G3 (0,117 ±0,017s) (p<0.001). Não houve diferença desta variável entre G1 e G2 (p=0.999). A média dos valores da DPE da aspiração detectada no G1(3330.8±405.7 1/√Hz) foi estatisticamente maior que os valores da respiração pós-deglutição detectada em G2 (720.55 ±121.6 1/√Hz) e em G3 (890.3±179.4 1/√Hz) (p<0.001). Não foi encontrada diferença entre G2 e G3 (p=0.999). Crianças com DOF apresentam tempo de duração da deglutição e do “Gap” maior do que crianças sem DOF. A DPE do segmento pós-deglutição com aspiração detectada pela ACD foi maior do que a DPE do segmento pós-deglutição com respiração subsequente. A ausculta cervical pode ser um recurso para a detecção de aspiração traqueal e um complemento à avaliação clínica fonoaudiológica à beira do leito. / Digital cervical auscultation (DCA) can provide insight into the integrity of airway protection mechanisms and the duration of swallowing sounds. This study aimed to compare the swallowing sounds and the power spectral density (PSD) recorded by CA in children with oropharyngeal dysphagia (OPD), with or whithout traqueal aspiration . Thirty-two patients referred for videofluoroscopic swallow study (VFSS). Median age (25th-75th percentile) of all patients was 69 months (35-120). Twenty-two swallowing signals captured during fluid swallow from patients who had complaints of OPD and at least 1 episode of aspiration at VFSS were analyzed. Those signals were separated in G1 (n=11, aspiration at VFSS), G2 (n=11, no aspiration at VFSS). Another group of swallowing sounds G3 (n=11) comprised children with no complaints of OPD. All children were assessed using a piezoelectric microphone attached to the neck. Generalized estimating equations for multiple comparisons with Bonferroni’s post-hoc correction (p≤0.05) were used for comparison between swallowing signal groups. Mean swallowing times were significantly longer in G1 (1.289±0.064s) and G2 (1.230±0.124s) than in G3 (0.596±0.057s) (p<0.001). There were no differences in swallowing time between G1 and G2 (p=0.999). Mean “Gap” times were significantly longer in G1 (0,266±0,025s) and G2 (0,223±0,033s) than in G3 (0,117 ±0,017s) (p<0.,001). There were no differences in swallowing time between G1 and G2 (p=0.999). Mean PSD values for aspiration detected in G1 (3330.8±405.7 1/√Hz) were statistically greater than mean PSD values for respiration in G2 (720.55 ±121.6 1/√Hz) and G3 (890.3±179.4 1/√Hz) (p<=0.001). There were no significant differences in PSD between G2 e and G3 (p=0.999). Children with OPD have a prolonged swallowing duration and “Gap” time as compared to children without OPD. Post-swallow aspiration detected by CA has a greater PSD than post-swallow respiration. Cervical auscultation may be an effective tool for the detection of laryngeal aspiration and a major adjuvant in clinical assessment by speech and language pathologists.
3

Disfagia na doença de Parkinson e o seu impacto na qualidade de vida

BESERRA, Cynthia Tagiane Costa 30 August 2016 (has links)
Submitted by Pedro Barros (pedro.silvabarros@ufpe.br) on 2018-07-17T22:26:28Z No. of bitstreams: 2 license_rdf: 811 bytes, checksum: e39d27027a6cc9cb039ad269a5db8e34 (MD5) DISSERTAÇÃO Cynthia Tagiane Beserra.pdf: 1748785 bytes, checksum: 7afe2d3031ef25e6dff1ead9dabe69da (MD5) / Approved for entry into archive by Alice Araujo (alice.caraujo@ufpe.br) on 2018-07-20T22:50:45Z (GMT) No. of bitstreams: 2 license_rdf: 811 bytes, checksum: e39d27027a6cc9cb039ad269a5db8e34 (MD5) DISSERTAÇÃO Cynthia Tagiane Beserra.pdf: 1748785 bytes, checksum: 7afe2d3031ef25e6dff1ead9dabe69da (MD5) / Made available in DSpace on 2018-07-20T22:50:45Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license_rdf: 811 bytes, checksum: e39d27027a6cc9cb039ad269a5db8e34 (MD5) DISSERTAÇÃO Cynthia Tagiane Beserra.pdf: 1748785 bytes, checksum: 7afe2d3031ef25e6dff1ead9dabe69da (MD5) Previous issue date: 2016-08-30 / A doença de Parkinson está entre as que mais acometem idosos no Brasil e no mundo. Ela afeta diversos sistemas, entre eles o motor e sensitivo oral, desencadeando alterações na deglutição, o que pode comprometer não só a função alimentar, mas também a psicossocial. A importância da atenção à qualidade de vida nos diversos tipos de pacientes tem sido bastante enfatizada no mundo inteiro. Dessa forma, o objetivo desta tese foi investigara repercussão da disfagia na Qualidade de Vida (QV) relacionada à deglutição de voluntárioscom Doença de Parkinson (DP); a QV em deglutição entre voluntáriosdisfágicos e não disfágicos; identificar a disfagia nos estadios da DP e relacionar a QV em deglutição com a progressão da DP. Foi um estudo observacional, analítico de coorte transversal duplo cego, com total de 42 voluntários, sendo 25 Não disfágicos e 17 Disfágicos. O diagnóstico de deglutição foi obtido através Videoendoscopia da Deglutição (VED) ou a Videofluoroscopia da deglutição (VDF), de acordo com a conveniência, os que já possuíam VED com menos de seis messes o mesmo era aproveitado, os demais realizaram VDF. Para identificar o quanto a disfagia pode afetar a qualidade de vida das pessoas com Doença de Parkinson foi utilizado Questionário SWAL-QOL. Os pacientes do grupo disfágico tiveram escores mais baixos na média geral que o grupo não disfágico, o que significa que o primeiro grupo a Qualidade de Vida em deglutição afetada pela disfagia. Os domínios mais afetados na amostra total e no grupo não disfágico foram o Sono e a Duração da alimentação e no grupo disfágico foram a Duração da Alimentação, Comunicação e Fadiga, sendo o mais significante a Duração da Alimentação. O estadio da DP e o grau de disfagia, mostraram-se proporcionais, ou seja, quanto maior o escore da HY, maior o grau da disfagia, o que afeta consideravelmente a qualidade de vida dos voluntários da DP. O SWAL-QOL mostrou-se um instrumento de rastreio importante e eficaz para investigar a QV em deglutição para pacientes com DP. Sugerimos em estudos futuros investigar a relação entre os escores da DP e os estágios da disfagia. / Parkinson's disease is among the most affecting elderly in Brazil and worldwide. It affects various systems including the motor skills and oral sensitive, triggering changes in swallowing, which may affect not only feeding function, but also the psychosocial. The importance of attention to the quality of life in different patients has been quite emphasized worldwide. Thus, it is essential to determine how it affected the quality of life in patients with dysphagia and Parkinson's Disease and there is a relationship between the degree of dysphagia and staging of PD. The type of swallowing was diagnosed by deglutation's Videoendoscopy or deglutation's Fluoroscopy, according to convenience. To identify how dysphagia may affect the quality of life in patients with Parkinson's disease was used the Quality of Life Scale in dysphagia (SWAL-QOL). Patients in the dysphagia group had lower scores in overall average than the no dysphagia group. The arcas most affected in the overall sample and not dysphagia group was the Sleep and the duration of feeding and dysphagia group were the duration of the feeding and Communication and fatigue being the most significant the duration of feeding. The staging of the DP and the degree of dysphagia generally are proportional, the higher the score of HY, the greater the degree of dysphagia, and that by its considerably affects the life quality of patients with PD.
4

Análise acústica da deglutição e do segmento pós-deglutição de crianças com disfagia orofaríngea e aspiração traqueal

Almeida, Sheila Tamanini de January 2013 (has links)
A ausculta cervical digital (ACD) pode ser utilizada para avaliar o mecanismo de proteção das vias aéreas e a duração dos sons da deglutição. O presente estudo objetivou comparar os sons da deglutição e a densidade de potência espectral (DPE) dos sons captados de crianças com disfagia orofaríngea (DOF), com e sem aspiração traqueal. Trinta e dois pacientes foram encaminhados para videofluoroscopia da deglutição (VFD), com mediana (percentil 25-75) de idade de 69 meses (35-120). Vinte e dois sons de deglutição foram captados, durante a deglutição de liquido destes pacientes com queixa de DOF e que aspiraram pelo menos uma vez durante o exame. Os sinais foram separados em G1 (n=11; com aspiração traqueal) e em G2 (n=11; sem aspiração traqueal). Outro grupo de sons da deglutição de crianças sem queixa de DOF (G3; n=11) foi comparado com G1 e G2. Todas as crianças foram avaliadas com microfone piezoelétrico fixado ao pescoço. As comparações múltiplas entre os grupos de sinais foram realizadas pelo método de equações de estimativas generalizadas com ajuste de Bonferroni, considerando p≤0.05. A média do tempo da deglutição no G1 (1.289±0.064s) e no G2 (1.230±0.124s) foi significativamente maior do que em G3 (0.596±0.057s) (p<0.001). Não houve diferença entre os tempos de deglutição de G1 e G2 (p=0.999). A média do tempo do “Gap” no G1 (0,266±0,025s) e no G2 (0,223±0,033s) foi maior que em G3 (0,117 ±0,017s) (p<0.001). Não houve diferença desta variável entre G1 e G2 (p=0.999). A média dos valores da DPE da aspiração detectada no G1(3330.8±405.7 1/√Hz) foi estatisticamente maior que os valores da respiração pós-deglutição detectada em G2 (720.55 ±121.6 1/√Hz) e em G3 (890.3±179.4 1/√Hz) (p<0.001). Não foi encontrada diferença entre G2 e G3 (p=0.999). Crianças com DOF apresentam tempo de duração da deglutição e do “Gap” maior do que crianças sem DOF. A DPE do segmento pós-deglutição com aspiração detectada pela ACD foi maior do que a DPE do segmento pós-deglutição com respiração subsequente. A ausculta cervical pode ser um recurso para a detecção de aspiração traqueal e um complemento à avaliação clínica fonoaudiológica à beira do leito. / Digital cervical auscultation (DCA) can provide insight into the integrity of airway protection mechanisms and the duration of swallowing sounds. This study aimed to compare the swallowing sounds and the power spectral density (PSD) recorded by CA in children with oropharyngeal dysphagia (OPD), with or whithout traqueal aspiration . Thirty-two patients referred for videofluoroscopic swallow study (VFSS). Median age (25th-75th percentile) of all patients was 69 months (35-120). Twenty-two swallowing signals captured during fluid swallow from patients who had complaints of OPD and at least 1 episode of aspiration at VFSS were analyzed. Those signals were separated in G1 (n=11, aspiration at VFSS), G2 (n=11, no aspiration at VFSS). Another group of swallowing sounds G3 (n=11) comprised children with no complaints of OPD. All children were assessed using a piezoelectric microphone attached to the neck. Generalized estimating equations for multiple comparisons with Bonferroni’s post-hoc correction (p≤0.05) were used for comparison between swallowing signal groups. Mean swallowing times were significantly longer in G1 (1.289±0.064s) and G2 (1.230±0.124s) than in G3 (0.596±0.057s) (p<0.001). There were no differences in swallowing time between G1 and G2 (p=0.999). Mean “Gap” times were significantly longer in G1 (0,266±0,025s) and G2 (0,223±0,033s) than in G3 (0,117 ±0,017s) (p<0.,001). There were no differences in swallowing time between G1 and G2 (p=0.999). Mean PSD values for aspiration detected in G1 (3330.8±405.7 1/√Hz) were statistically greater than mean PSD values for respiration in G2 (720.55 ±121.6 1/√Hz) and G3 (890.3±179.4 1/√Hz) (p<=0.001). There were no significant differences in PSD between G2 e and G3 (p=0.999). Children with OPD have a prolonged swallowing duration and “Gap” time as compared to children without OPD. Post-swallow aspiration detected by CA has a greater PSD than post-swallow respiration. Cervical auscultation may be an effective tool for the detection of laryngeal aspiration and a major adjuvant in clinical assessment by speech and language pathologists.
5

Correlação entre aspiração laringotraqueal, resíduos faríngeos e escape oral posterior na disfagia orofaríngea neurogênica /

Merola, Beatriz Novais. January 2019 (has links)
Orientadora: Roberta Gonçalves da Silva / Banca: Célia Maria Giacheti / Banca: Kátia Flores Genaro / Resumo: Introdução: A disfagia orofaríngea neurogênica possui etiologias distintas e a aspiração laringotraqueal é considerada achado de risco co-dependente da sincronia entre vários fatores presentes na biomecânica da deglutição. Objetivo: Este estudo teve por objetivo correlacionar a penetração e/ou aspiração laringotraqueal com resíduos faríngeos e escape oral posterior na disfagia orofaríngea e comparar entre doenças neurológicas distintas. Método: Estudo clínico transversal. Realizada por dois juízes independentes a análise de 74 exames de nasoendoscopia de deglutição de indivíduos com diagnóstico de disfagia orofaríngea por doenças neurológicas distintas como Acidente Vascular Cerebral (AVC), Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) e Doenças de Parkinson (DP), independente do sexo, faixa etária de 32 a 96 anos e média de 65,53 anos. Para análise dos resultados os exames foram divididos em três grupos: o grupo 1 (G1) constou de 41 indivíduos com AVC (média de 68,75 anos), o grupo 2 (G2) de 16 com ELA (média de 57,18 anos) e o grupo 3 (G3) de 17 com DP (média de 72,52 anos). Realizada nasoendoscopia de deglutição nas consistências pastosa, líquida espessada e líquida, no volume de 5 ml, ofertados de uma a três vezes em colher. Para análise dos achados foi aplicada a Yale Pharyngeal Residue Severity Rating Scale (YPRSRS), a Penetration Aspiration Scale (PAS) e foi elaborada escala para mensurar escape oral posterior (EOP) com análise da primeira deglutição e da deglutição considerada ... (Resumo completo, clicar acesso eletrônico abaixo) / Abstract: Introduction: Neurogenic oropharyngeal dysphagia has different etiologies, and laryngotracheal aspiration is considered a risk finding that is co-dependent on the synchrony between several factors present in swallowing biomechanics. Purpose: The aim of this study was to correlate the laryngotracheal aspiration with pharyngeal residues and posterior oral spillage in oropharyngeal dysphagia and to compare different neurological diseases. Method: Cross-sectional clinical study. Two independent judges performed the analysis of 74 fiberoptic endoscopic examinations of swallowing (FEES) of individuals with diagnosis of oropharyngeal dysphagia due to different neurological diseases such as Cerebrovascular Accident (CVA), Amyotrophic Lateral Sclerosis (ALS) and Parkinson's Disease (PD), regardless of sex, ranging from 32 to 96 years old and mean of 65.53 years old. For the analysis of the results the exams were divided into three groups: group 1 (G1) consisted of 41 individuals with CVA (average of 68,75 years), group 2 (G2) of 16 with ALS (average of 57,18 years), and group 3 (G3) of 17 with PD (average of 72,52 years). FES was performed in in paste, liquid thickened and liquid, in the volume of 5 ml, offered one to three times in a spoon. To analyze the findings was applied the Yale Pharyngeal Residue Severity Rating Scale (YPRSRS), the Penetration Aspiration Scale (PAS) was developed and a scale was used to measure posterior oral spillage (POS) with analysis of the first swallowin... (Complete abstract click electronic access below) / Mestre
6

Prevalência e fatores associados à disfagia em idosos residentes em comunidade / Prevalence and factors associated with dysphagia in elderly residents in community

Frota, Jeanny Fiuza Costa January 2008 (has links)
FROTA, Jeanny Fiuza Costa. Prevalência e fatores associados à disfagia em idosos residentes em comunidade. 2008. 116 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2008. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2011-11-03T17:12:03Z No. of bitstreams: 1 2008_dis_jfcfrota.pdf: 1244045 bytes, checksum: bf6a123e08cbd1eec53b64121ffb8bc6 (MD5) / Approved for entry into archive by Eliene Nascimento(elienegvn@hotmail.com) on 2011-11-03T17:14:36Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2008_dis_jfcfrota.pdf: 1244045 bytes, checksum: bf6a123e08cbd1eec53b64121ffb8bc6 (MD5) / Made available in DSpace on 2011-11-03T17:14:36Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2008_dis_jfcfrota.pdf: 1244045 bytes, checksum: bf6a123e08cbd1eec53b64121ffb8bc6 (MD5) Previous issue date: 2008 / Introdução: A disfagia, sintoma que acompanha algumas das doenças mais prevalentes entre os idosos, ainda é pouco explorada em nível populacional. No entanto, constitui fator de risco para o desenvolvimento de pneumonias aspirativas e de outros eventos clínicos, o que afirma a importância de se conhecer sua prevalência na população idosa. Objetivo: identificar a prevalência de disfagia em idosos residentes em uma área urbana da cidade de Fortaleza, Ceará. Método: Foi realizado inquérito domiciliar com 588 idosos residentes na cidade de Fortaleza. Para tanto, aplicou-se entrevista estruturada contendo dados sócio-demográficos e de saúde; um instrumento de avaliação funcional (Katz) e outro de avaliação dos sintomas relacionados à disfagia, buscando investigar características da fase oral e da fase faríngea da deglutição. Realizou-se análise bivariada da variável dependente (idosos com disfagia) e das variáveis independentes (dados sócio-demográficos, clínicos e epidemiológicos). Utilizou-se o software STATA, considerando intervalo de confiança de 95% e valor de P<0,05. Foram excluídos da análise todos os idosos que utilizavam via alternativa de alimentação. Resultados: Dos 588 idosos entrevistados, 577 foram incluídos como amostra. A prevalência geral de disfagia na população estudada foi de 27,04%. A prevalência foi de: 10,05% para disfagia oral; 11,44% para disfagia faríngea; 5,55% para disfagia orofaríngea. Na análise bivariada houve maior prevalência de disfagia entre idosos com mais de 80 anos (p=0,00), entre viúvos (p= 0,00) e entre aqueles menos escolarizados (< 3anos de estudo) (p=0,001), assim como idosos dependentes (p=0,00). Também mostraram maior prevalência de disfagia aqueles portadores de demências (p=0,00), de doença de Parkinson (p= 0,028), Infarto do Miocárdio (p=0,025) e doenças reumatológicas (p= 0,006). Conclusão: Trata-se do primeiro estudo populacional sobre disfagia realizado no Brasil e que contempla a população idosa. Foi observada uma elevada prevalência de disfagia na população estudada. Constatamos que alguns grupos populacionais de idosos como viúvos, menos escolarizados, portadores de demências e doença de Parkinson apresentaram uma prevalência maior de disfagia. Estudos prospectivos visando mensurar o impacto de tais ações na vida dos idosos disfágicos e no sistema de saúde se fazem necessários.
7

Normalização da eletromiografia de superfície dos músculos supra-hióideos na deglutição

Rodrigues Belo, Luciana 31 January 2011 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T22:56:55Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo1345_1.pdf: 3845574 bytes, checksum: 82a60a97804eb717eebe803ac251658f (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2011 / Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior / ntrodução: A Eletromiografia de Superfície (EMGs) é uma ferramenta que vem sendo bastante utilizada para auxiliar a reabilitação fonoaudiológica e para o estudo da deglutição. Objetivo: Obter valores de referência para a amplitude e duração da atividade eletromiográfica dos músculos supra-hióideos durante a deglutição de diferentes volumes e consistências em uma amostra de sujeitos normais. Método: O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa envolvendo Seres Humanos pelo Ofício. Nª 375/08. Participaram desse estudo 165 sujeitos, separados pelo sexo e por faixa etária. Para o estudo foram utilizados os seguintes instrumentos: Ficha de registro de dados e o exame de Eletromiografia de Superfície dos músculos supra-hióideos (MSH) durante a deglutição de 10 ml e 20 ml, no consumo contínuo de 100 ml (cc 100ml) de água e durante a deglutição 5 ml e 10 ml de iogurte consistente Resultados: A amplitude foi mais elevada na deglutição dos volumes maiores, tanto na água como no iogurte (p=0,009 e p=0,0002). A amplitude, no iogurte, foi mais elevada que na deglutição de água (p= 0,00001) e apenas nos grupos separados por faixas etárias a duração foi mais longa no iogurte (p=0000001). Não foram encontradas diferenças significativas na duração da atividade eletromiográfica entre os sexos. Em todas as provas realizadas, exceto para o CC de 100ml foi encontrado diferenças significativas com efeito principal nas faixas etárias (água: p=0,0061; pastoso: p=0,011; água vs pastoso: p=0,0001). Após a realização do teste Newman-Keuls para comparações post-hoc foi observado que os idosos com idade igual ou superior a 80 anos apresentaram duração da atividade eletromiográfica mais prolongada que os demais grupos de faixas etárias. Na prova do CC de 100 ml, não foi encontrado diferenças significativas no número de deglutições e duração média das deglutições entre mulheres e homens, entretanto as mulheres apresentaram duração total do CC de 100 ml significativamente mais prolongada (p=0,0061). Estranhamente, não foram encontradas diferenças significativas no número de deglutições, duração média das deglutições e na duração total quando comparadas as faixas etárias, mas sim uma tendência na análise das médias obtidas, ao prolongamento da duração total do CC 100 ml com o avanço da idade. A partir dessas informações foram estabelecidos valores de referência para auxiliar a avaliação da deglutição. Conclusão: Os valores de referência propostos nesta dissertação podem, futuramente, auxiliar as avaliações clínicas; monitoramento das sessões de reabilitação e gerenciamento fonoaudiológico, porém para identificar a aplicabilidade destes valores é necessário que novos estudos sejam realizados, utilizando o mesmo protocolo, em sujeitos com disfagia orofaríngea de grau leve
8

Deglutição atipica com pressão lingual na região geniana : estudo em individuos brasileiros caucasoides, nas idades de 6 a 9 anos

Maraccini, Valeria 14 July 2018 (has links)
Orientador: Norma Sabino Prates / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba / Made available in DSpace on 2018-07-14T02:20:23Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Maraccini_Valeria_M.pdf: 1375550 bytes, checksum: 7ba7a05c9155913e468831a6bca139a8 (MD5) Previous issue date: 1990 / Resumo: Foram avaliados 19 indivíduos caucasóides, nas idades de 6 a 9 anos, portadores de maloclusão Classe I de Angle com mordida cruzada posterior uni ou bilateral em pacientes da Clinica Integrada Infantil da Faculdade de Odontologia de Piracicaba da Universidade Estadual de Campinas. Após detectada a deglutição atipica com pressão lingual na região geniana, usamos uma placa impedidora-reeducadora inferior para a realização de uma série de exercícios mioterápicos...Observação: O resumo, na íntegra poderá ser visualizado no texto completo da tese digital / Abstract: We have availed 19 caucasian patients, they've had between 6 to 9 years old, postering Angle Class I malocclusion with uni or bilateral posterior cross bite in patients children Clinical of the School Dentistry of Piracicaba, Campinas State University. After detected the abnormal swallow pattern with lingual pression on mandible lingual region (incisor lingula face) we've used a lower impeding-reeducating removable appliance to realize a mioterapic exercises ...Note: The complete abstract is available with the full electronic digital thesis or dissertations / Mestrado / Ortodontia / Mestre em Ciências
9

Prevalencia da deglutição adaptada numa população de escolares

Bertolini, Milene Maria 28 July 1998 (has links)
Orientador: Jorge Rizzato Paschoal / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas / Made available in DSpace on 2018-07-24T01:08:16Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Bertolini_MileneMaria_M.pdf: 514657 bytes, checksum: b2cc86004de01190ce906b72d9bb9771 (MD5) Previous issue date: 1998 / Resumo: A deglutição adaptada em crianças e os seus efeitos no equilíbrio dentofacial são observados concomitantemente com alterações miofuncionais orofaciais com freqüência. Este estudo tem como objetivo preliminar quantificar os quadros de deglutição adaptada numa população de escolares, com vistas à prevenção de alteração morfofuncional da face e repercussão conseqüente na harmonia dentofacial. Cem escolares, na faixa etária de sete a nove anos, do Programa de Apoio à Criança e ao Adolescente (PRODECAD) - UNICAMP foram examinados. A seleção foi aleatória, por sorteio. Realizou-se avaliação fonoaudiológica miofuncional orofacial através de protocolo padronizado. A prevalência de deglutição adaptada associada a alterações posturais de repouso das estruturas fonoarticulatórias, alterações funcionais de respiração e mastigação, alterações de postura corporal e cefálica, com desarmonia dentofacial, foi de 57%. Deglutição adaptada sem alteração de forma dentofacial foi observada em 19% dos casos e 24% apresentaram padrão de deglutição dentro dos limites de normalidade. A alta prevalência de alterações denuncia a necessidade de intervenção profissional precoce / Abstract: Not informed / Mestrado / Neurociencias / Mestre em Fisiopatologia Médica
10

Avaliação funcional da disfagia de lactentes em U.T.I. neonatal

Botelho, Maria Izabel Martins Redondo 20 February 2002 (has links)
Orientador: Ariovaldo Armando da Silva / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas / Made available in DSpace on 2018-07-31T20:14:46Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Botelho_MariaIzabelMartinsRedondo_M.pdf: 4219916 bytes, checksum: 9f4e2e9329097a1c1abf86d41977256c (MD5) Previous issue date: 2002 / Resumo: Os objetivos do presente trabalho foram: 1) avaliar a disfagia em recémnascidos pré-termo, sindrômicos e patológicos, 2) detectar os critérios clínicos na avaliação da disfagia em recém-nascidos pré-termo, 3) analisar a associação dos achados funcionais e videoendoscópicos e 4) mostrar a importância da atuação conjunta entre o fonoaudiólogo e o médico otorrinolaringologista na avaliação da disfagia em recém-nascidos pré-termo, sindrômicos e patológicos. A amostra foi composta por 15 lactentes nascidos no Hospital Maternidade de Campinas (SP), para os quais houve solicitação de uma avaliação fonoaudiológica por parte do médico neonatologista responsável. Todos os lactentes foram avaliados uma vez pelo mesmo fonoaudiólogo e pelo mesmo médico otorrinolaringologista. A avaliação funcional da deglutição observou a) a sensibilidade táctil extra-oral, b) a sensibilidade táctil intra-oral, c) o reflexo nauseoso e d) a movimentação dos bucinadores. A avaliação da deglutição videoendoscópica analisou: a) sensibilidade na cartilagem aritenóidea, b) o choro, c) a aspiração, d) a queda de saturação e e) a penetração. Utilizou-se o Teste Exato de Fisher para pequenas amostras e cada hipótese foi testada com nível de significância de 0,05. Ao final do estudo observou-se que existe uma relação de dependência estatisticamente significativa entre as variáveis: 1) aspiração após fase faríngea e a penetração (alta e baixa) e 2) sensibilidade extra-oral nas bochechas e a sensibilidade na cartilagem aritenóidea. Este último resultado mostra a associação entre um achado funcional obtido pelo fonoaudiólogo e um achado videoendoscópico do médico otorrinolaringologista, o que evidencia a importância do trabalho conjunto desses dois profissionais da saúde / Abstract: The objectives of this study were: 1) to evaluate dysphagy in preterm, syndromic and pathologic newboms, 2 ) to detect clinical criteria on the evaluation of dysphagy in preterm newboms, 3) to analyze the association between the functional and the videoendoscopy findings and 4) to show the relevance of the joint work of the Speech Therapist and the Otolaryngologist criteria on the evaluation of dysphagy in preterm syndromic and pathologic newboms. The sample was compound by fifteen infants were bom in Maternity Campinas Hospital, Campinas-SP, to whom was requested a Speech Therapist evaluation by the Neonatologist. Ali the infants were evaluated once by the same Speech Therapist and the Otolaryngologist. The functional evaluation of swallowing considered: a) the extra oral tactile sensibility, b) the intra oral tactile sensibility, c) the nauseous reflex and d) the buccinator movement. The evaluation of the videoendoscopy swallowing analyzed a) the sensibility in the arytenoid cartilage, b) the crying, c) the aspiration, d) desaturation and e) the penetration. The exact test of Fisher was applied for small samples and each hypothesis was tested with significance level of 0,05. At the end of the study, a statistically dependence relation between the variants was noticed: 1) aspiration after pharyngeal phase and penetration (high and low) and 2) extra oral sensibility on the cheeks and the sensibility on the arytenoid cartilage. This last result shows the association between a functional finding obtained by the Speech Therapist and avideoendoscopy finding achieved by the Otolaryngologist, that shows clearly the relevance of the team work among these two health professionals / Mestrado / Ciencias Biomedicas / Mestre em Ciências Médicas

Page generated in 0.1587 seconds