• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 460
  • 4
  • 4
  • 4
  • 4
  • 4
  • 4
  • 4
  • 4
  • 1
  • Tagged with
  • 467
  • 467
  • 253
  • 114
  • 100
  • 71
  • 67
  • 64
  • 63
  • 63
  • 59
  • 59
  • 58
  • 54
  • 54
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
41

Caracterização da variabilidade genética de bactérias causadoras de infecção hospitalar e comunitária, isoladas no Hospital Regional Hans Dieter Schmidt de Joinville - S. C. - Brasil

Crocomo, Tarcísio January 2005 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Biológicas. Programa de Pós-graduação em Biotecnologia / Made available in DSpace on 2013-07-16T02:31:56Z (GMT). No. of bitstreams: 1 212966.pdf: 561552 bytes, checksum: 02b9d7559156708399c7c00162be6a86 (MD5) / Métodos moleculares complementam as análises microbiológicas e
42

Análise molecular da prevalência dos genes beta-lactamases blaCTX-M, blaSHV e blaTEM em Klebsiella pneumoniae isoladas de pacientes com diagnóstico de infecção hospitalar na Santa Casa de Misericórdia de Sobral, Ceará / Molecular analysis of the prevalence of blaCTX-M, blaSHV, and blaTEM beta-lactamases genes in Klebsiella pneumoniae isolated from patients with nosocomial infection at the Santa Casa de Misericordia de Sobral, Ceará

Rocha, Francisco Ruliglésio January 2015 (has links)
ROCHA, F. R. Análise molecular da prevalência dos genes beta-lactamases blaCTX-M, blaSHV e blaTEM em Klebsiella pneumoniae isoladas de pacientes com diagnóstico de infecção hospitalar na Santa Casa de Misericórdia de Sobral, Ceará. Dissertação (Mestrado em Biotecnologia) - Campus de Sobral, Universidade Federal do Ceará, Sobral, 2015. / Submitted by Djeanne Costa (djeannecosta@gmail.com) on 2016-06-29T12:47:17Z No. of bitstreams: 1 2015_dis_frrocha.pdf: 1459850 bytes, checksum: 6a734a21f99b3793158529da7ea38c47 (MD5) / Approved for entry into archive by Djeanne Costa (djeannecosta@gmail.com) on 2016-06-29T12:49:15Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2015_dis_frrocha.pdf: 1459850 bytes, checksum: 6a734a21f99b3793158529da7ea38c47 (MD5) / Made available in DSpace on 2016-06-29T12:49:15Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2015_dis_frrocha.pdf: 1459850 bytes, checksum: 6a734a21f99b3793158529da7ea38c47 (MD5) Previous issue date: 2015 / Klebsiella pneumoniae is a Gram-negative bacillus responsible for a significant portion of urinary tract infections, respiratory, and bloodstream of adults in hospitals, besides infections in neonates in intensive care units. Its importance has increased due the emergence of extended-spectrum beta-lactamase-producing strains (ESBLs). These enzymes mediate resistance to oxyimino-β-lactams. In K. pneumoniae, most of the identified ESBLs are of the TEM, SHV, and CTX-M types. In addition, carbapenem-hydrolyzing beta-lactamases of KPC and GES types has been detected in these isolates. Outbreaks of nosocomial infections caused by multidrug-resistant K. pneumoniae clones have been described in various regions of the country. However, this is the first report of the genetic characterization of ESBL-producing K. pneumoniae in the state of Ceará, Brazil. This study aimed firstly to detect the main genes responsible for ESBL production in K. pneumoniae strains obtained from patients who developed nosocomial infections in a tertiary support hospital in the northern region of the Ceará state, from November 2013 to August 2014 and, secondly, to analyze the genetic similarity of these isolates. Thirty-six clinical isolates of ESBL-producing K. pneumoniae were evaluated. The detection of blaCTX-M groups 1 and 2, blaSHV-like, blaTEM-like, blaKPC-like, and blaGES-like genes was performed by PCR. Molecular typing of isolates was performed by pulsed-field gel electrophoresis PFGE. Groups 1 or 2 blaCTX-M and blaSHV-like genes were detected in 100% of the isolates and blaTEM-like genes in 55.6%. In addition, 55.6% of CTX-M-producers also produced SHV and TEM. No blaKPC-like and blaGES-like genes were detected. Molecular typing by PFGE showed great diversity between the isolates, although two isolates collected in different wards showed the same banding profile and had the same bla genes and so were considered to belong to a single strain. Detection of blaCTX-M genes in 100% of the isolates suggests that CTX-M enzymes are the major ESBLs responsible for the beta-lactam resistance phenotypes of the studied isolates. Data presented in this study call attention to an endemic resistance problem caused by multiclonal strains of multidrug-resistant K. pneumoniae whose control passes essentially the improvement of antimicrobial prescription policies and the implementation of prevention and control programs the spread of these pathogens in the studied hospital. / Klebsiella pneumoniae é um bacilo gram-negativo responsável por uma parcela significativa de infecções do trato urinário, respiratório e corrente sanguínea de adultos em hospitais, além de infecções em recém-nascidos em unidades de terapia intensiva. Sua importância tem aumentado devido ao surgimento de cepas produtoras de beta-lactamases de espectro estendido (ESBL). Estas enzimas medeiam resistência aos oxyimino-β-lactâmicos. Em K. pneumoniae, a maioria das ESBL identificadas são dos tipos TEM, SHV e CTX-M. Em adição, β-lactamases que hidrolisam carbapenêmicos dos tipos KPC e GES tem sido detectadas nestes isolados. Surtos de infecção hospitalar causados por clones de K. pneumoniae multiressistentes tem sido descritos em várias regiões do país. No entanto, este é o primeiro relato de caracterização genética de isolados de K. pneumoniae produtores de ESBL no estado do Ceará, Brasil. Este estudo teve como objetivo, em primeiro lugar, detectar os principais genes responsáveis pela produção de ESBL em cepas de K. pneumoniae obtidas a partir de pacientes que desenvolveram infecções hospitalares em um hospital de cuidados terciários na região norte do estado do Ceará, de novembro de 2013 a agosto de 2014 e, em segundo lugar, analisar a similaridade genética destes isolados. Trinta e seis isolados clínicos de K. pneumoniae produtores de ESBL foram avaliados. A detecção dos genes blaCTX-M dos grupos 1 e 2, blaSHV-like, blaTEM-like, blaKPC-like e blaGES-like foi realizada por PCR. A tipagem molecular dos isolados foi realizada por Pulsed-Field Gel Electrophoresis (PFGE). Os genes blaCTX-M dos grupos 1 ou 2 e blaSHV-like foram detectados em 100% dos isolados e os genes blaTEM-like em 55,6%. Em adição, 55,6% dos produtores de CTX-M também produziram SHV e TEM. Nenhum gene blaKPC-like e blaGES-like foi detectado. A tipagem molecular por PFGE mostrou grande diversidade entre os isolados, contudo dois isolados coletados em diferentes clínicas mostraram o mesmo perfil de bandas e tinham os mesmos genes bla e, então, foram considerados como pertencentes a uma única cepa. A detecção dos genes blaCTX-M em 100% dos isolados sugere que as enzimas CTX-M são as principais ESBL responsáveis pelo fenótipo de resistência aos beta-lactâmicos nos isolados estudados. Dados apresentados neste estudo chamam atenção para um problema de resistência endêmico causado por cepas multiclonais de K. pneumoniae multirresistentes cujo controle passa essencialmente pelo aprimoramento das políticas de prescrição de antimicrobianos e pela implantação de programas de prevenção e controle da disseminação destes patógenos no hospital pesquisado.
43

Associação entre uso prévio de antimicrobianos, perfil de sensibilidade de microorganismos e fatores de risco em pacientes internados no centro de terapia intensiva do HCPA, 2008-2009

Winter, Juliana da Silva January 2011 (has links)
Introdução: Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) são consideradas um dos maiores problemas de saúde pública em todo o mundo. Estima se que entre 5% e 15% dos pacientes hospitalizados adquirem infecção durante a internação e aproximadamente 25% a 40% recebem antibiótico para tratamento ou profilaxia de infecções. (1) Essas IRAS são especialmente mais graves em UTI, aonde os pacientes são mais suscetíveis e os organismos mais resistentes quando comparados a outros ambientes do hospital. Sabe se que esses pacientes críticos apresentam 5 a 10 vezes mais probabilidade de adquirir IRAS do que em outras unidades de menor complexidade.(2) Por isso, a World Health Organization (WHO) identificou a resistência antimicrobiana como uma das três maiores ameaças para a saúde humana. Objetivos: Este estudo tem por objetivo avaliar os fatores de risco para a multirresistência bacteriana (1) e fatores de risco para mortalidade (2) para pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) que tenham diagnóstico de infecção hospitalar no período de janeiro de 2008 a dezembro de 2009. Delineamento: Estudo restrospectivo de coorte Métodos: Foram avaliados neste estudo exames microbiológicos de pacientes internados na UTI do HCPA, no período de janeiro de 2008 e dezembro de 2009, com diagnóstico de infecção hospitalar. Foi criada uma ficha de coleta para obtenção dos dados necessários para o estudo. Seu preenchimento era possível a partir de informações, do paciente, obtidas através do sistema informatizado do hospital. Os dados foram transportados para o software EpInfo versão 3.3.2, para posterior análise estatística, a qual foi realizada através do programa estatístico SPSS 14.0. As infecções adquiridas no hospital foram classificadas de acordo com critérios da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) (3), os quais são baseados nos critérios do Centers for Diseases Control and Prevention (CDC).(4) A multirresistência bacteriana foi classificada de acordo com recomendações do CDC e critérios da CCIH do HCPA, e foram incluídas as seguintes bactérias: Klebsiella spp e Escherichia coli produtoras de β-lactamase de espectro estendido (ESBL); Pseudomonas spp resistente a ceftazidima e/ou resistentes a carbapenêmicos; Acinetobacter spp resistente a ampicilina/sulbactam e/ou resistentes a carbapenêmicos; Enterobacter spp - Citrobacter spp - Serratia spp e Proteus spp resistente a todos os antibióticos exceto carbapenêmicos; Stenotrophomonas maltophilia resistente a sulfametoxazol/trimetropim, Enterococcus spp resistente a vancomicina (VRE) e Staphylococcus aureus meticilina resistente (MRSA). Os isolados com suscetibilidade intermediária foram considerados como resistentes. Resultados: Germes multirresistentes (GMR) foram identificados em 32,5% dos isolados microbiológicos. Em geral, os GMR mais comumente encontrados foram ESBL (32.3%; N= 72); MRSA (29.2%; N= 65), Acinetobacter baumanii (21.5%; N= 48), Pseudomonas aeruginosa (8.1%; N= 18). Em Infecções do trato respiratório (ITR), Infecções do trato urinário (ITU) e hemoculturas os GMR mais prevalentes foram, respectivamente, MRSA (40,8%; N= 51), Escherichia coli (21,6%; N= 8), MRSA e Escherichia coli (15,8%; N= 3). Os fatores de risco identificados para a emergência de GMR foram o uso de antimicrobianos em enfermarias (P<0.001), especialmente sulfonamidas (P=0.005), cefalosporinas de terceira geração (P=0.05), cefalosporinas de quarta geração (P<0.01), vancomicina (P<0.01), carbapenêmicos (P<0.01), quinolonas (P<0.01), penicilinas (P=0.03) e penicilinas associadas a inibidores de β-lactamase (P<0.01). O uso de antimicrobianos em UTI também foi considerado um fator de risco para antibióticorresistência (P<0.01), em especial para os seguintes antimicrobianos: cefalosporinas de segunda geração (P=0.05), cefalosporinas de quarta geração (P=0.004), vancomicina (P<0.01), aminoglicosídeos (P=0.02), macrolídeos (P=0.03), carbapenêmicos (P<0.01), quinolonas (P<0.01) e penicilinas (P<0.01). A soma do uso de algumas classes de antimicrobianos, nas enfermarias e UTI, também foram fatores de risco para multirresistência bacteriana (P<0.01), sendo significativo o uso de sulfonamidas (P<0.01), cefalosporinas de terceira geração (P=0.021), vancomicina (P<0.01), macrolídeo (P=0.03), carbapenêmicos (P<0.01), quinolona (P<0.01), penicilina (P<0.01) e penicilinas associadas à inibidores de β-lactamase (P=0.04). Na análise multivariada, os dias de internação prévia a internação atual (considerando os últimos seis meses) e uso de antimicrobianos, somando enfermarias e UTI, foram fatores de risco para GMR, (P<0.01 e P<0.01), respectivamente. O uso de quinolonas em UTI (P=0.02), aminoglicosídeos em UTI (P<0.01), carbapenêmicos somado o uso nas enfermarias e UTI (P<0.01), uso de quinolonas nas enfermarias (P=0.05) e AIDS (P=0.02) também foram considerados fatores de risco para multirresistência bacteriana. Na análise multivariada, os fatores de risco associados à mortalidade hospitalar foram identificação de pacientes portadores de GMR (P<0.01), uso prévio de antimicrobianos nas enfermarias (P<0.01), dias de uso de SVD (P<0.01) e CVC (P<0.01), APACHE II score (P<0.01), idade (P<0.01), dias de internação prévia a internação atual (P<0.01), dias de internação no HCPA (P<0.01), doenças hematológicas (P<0.01) e transplante de medula óssea (P=0.05) Conclusão: Houve correlação entre dias de internação prévia a internação atual; uso de antimicrobianos quando utilizados nas enfermarias, e logo depois, na UTI; uso de quinolonas na UTI, uso de quinolonas nas enfermarias, uso de aminoglicosídeos na UTI, carbapenêmicos somando as enfermarias e UTI e AIDS com a emergência de GMR. Considerando os fatores de risco para a mortalidade hospitalar foi possível observar que o surgimento de GMR, consumo prévio de antimicrobianos nas enfermarias, dias de uso de SVD e CVC, grau de gravidade do paciente, idade, dias prévios de internação, dias de internação no HCPA, doenças hematológicas e transplante de medula óssea foram independentemente associados à mortalidade em pacientes internados na UTI com diagnóstico de infecção hospitalar. / Introduction: Hospital-acquired infections (HAI) are considered one of the major public health problems worldwide. It is estimated that between 5% and 15% of hospitalised patients acquire an infection during hospitalisation and approximately between 25% and 40% receive antibiotics for treatment or prophylaxis of infections (1). These HAI are especially serious in ICUs, where patients are more susceptible and micro-organisms are more resistant, when compared to those in other hospital areas. It is known that these critical care patients present between 5 and 10 times greater probability of acquiring a HARI than in other lower complexity hospital units (2). For this reason, the World Health Organization (WHO) has identified antimicrobial resistance as one of the three major threats for human health. Objectives: The aim of this study is to evaluate the risk factors for multi-bacterial resistance (1) and mortality risk factors (2) for patients hospitalised in the Intensive Care Unit (ICUs) of the Hospital de Clinicas de Porto Alegre (HCPA) who had a hospital acquired infection diagnosis during the period between January 2008 and December 2009. Design: Retrospective cohort study Methods: For this study, the microbiological analyses of the patients with a diagnosis of hospital acquired infection, attended to in the ICU of the HCPA, during the period from January 2008 until December 2009, were evaluated. A collection form was created in order to obtain the necessary data for the study. Its completion was possible from the information supplied by the patient, obtained through the hospital’s computarised system. The data was transferred to the Epinfo 3.3.2 software version for subsequent statistical analysis, which was performed using the SPSS 14.0 statistics programme. Hospital acquired infections were classified according to the criteria of the Hospital Infection Control Committee (HICC) (3), which are based upon the criteria of the Centers for Diseases Control and Prevention (CDC).(4) Multi-bacterial resistance was classified according to the recommendations of the CDC, as well as, criteria from the HICC of the HCPA, and the following bacteria were included: Klebsiella spp and Escherichia coli, producers of extended-spectrum β-lactamase (ESBL); Pseudomonas spp, resistant to ceftazidime and/or resistant to carbapenems; Acinetobacter spp, resistant to ampicillin/sulbactam and/or carbapenems resistant; Enterobacter spp - Citrobacter spp - Serratia spp and Proteus spp, resistant to all antibiotics except carbapenems; sulfametoxazol/trimetropim resistant Stenotrophomones maltophilia, vancomycin resistant (VRE) Enterococcus spp and meticilin resistant Staphylococcus aureus (MRSA). The isolates with intermediate susceptibility were considered resistant. Results: Multi-resistant germs (MRG) were identified in 32,5% of the microbiological isolates. In general, the most commonly found MRG were: ESBL (32.3%; N= 72); MRSA (29.2%; N= 65), Acinetobacter baumanii (21.5%; N= 48) and Pseudomonas aeruginosa (8.1%; N= 18). In respiratory tract infections (RTI), urinary tract infections (UTI) and hemocultures, the most prevalent MRGs were, respectively, MRSA (40,8%; N= 51), Escherichia coli (21,6%; N= 8), MRSA and Escherichia coli (15,8%; N= 3). The risk factors identified for the emergence of MRGs were: the use of antimicrobials in wards (P<0.001), especially sulphonamides (P=0.005), third generation cephalosporins (P=0.05), fourth generation cephalosporins (P<0.01), vancomycin (P<0.01), carbapenems (P<0.01), quinolones (P<0.01), penicillins (P=0.03) and penicillins associated with β-lactamase inhibitors (P<0.01). The use of antimicrobials in the ICU was also considered a risk factor for antibiotic resistance (P<0.01), especially for the following antimicrobials: second generation cephalosporins (P=0.05), fourth generation cephalosporins (P=0.004), vancomycin (P<0.01), amino glycosides (P=0.02), macrolides (P=0.03), carbapenems (P<0.01), quinolones (P<0.01) and penicillins (P<0.01). The sum of the use of some antimicrobial classes, in the wards and in the ICU, were also risk factors for bacterial multiresistance (P<0.01), being significant the use of sulphonamides (P<0.01), third generation cephalosporins (P=0.21), vancomycin (P<0.01), macrolides (P=0.03), carbapenems (P<0.01), quinolones (P<0.01), penicillin (P<0.01) and penicillin associated with β-lactamase inhibitors (P=0.04). In the multivariate analysis, the amount of days in hospital, previous to the current hospitalisation (taking into account the past six months) and the use of antimicrobials, adding-up wards plus ICU, were risk factors for MRG, (P<0.01 and (P<0.01), respectively. The use of quinolones in the ICU (P=0.02), amino glycosides in the ICU (P<0.01), carbapenems, adding the use in the wards to the use in the ICU (P<0.01), use of quinolones in wards (P=0.05) and AIDS (P=0.02) were also considered risk factors for multi-bacterial resistance. In the multivariate analysis, the risk factors associated with hospital mortality were identified in patients bearing MRG (P<0.01), previous use of antimicrobials in wards (P<0.01), days of use of urinary catheter (UC) (P<0.01) and central venous catheter (CVC) (P<0.01), APACHE II score (P<0.01), age, previous days of hospitalisation before the current event (P<0.01), number of days hospitalised in the HCPA (P<0.01), haematological disease (P<0.01) and bone marrow transplant (P=0.05). Conclusion: There was a correlation between a previous hospitalisation and the current one, use of antimicrobials, when used in wards and soon after in the ICU; use of quinolones in the ICU, use of quinolones in the ward, use of amino glycosides in the ICU, carbapenems, adding use in wards and in the ICU and AIDS, with the emergence of MRGs. Taking into account the risk factors for hospital mortality, it was possible to observe that the emergence of MRGs, previous use of antimicrobials in the wards, days on UC and CVC, degree of severity of the patient’s health condition, age, previous amount of days hospitalised before the current occurrence, number of days hospitalised in the HCPA, hematological disease and bone marrow transplantation were independently associated with patient mortality, for individuals hospitalised in the ICU with a diagnosis of hospital infection.
44

Avaliação de infecção da corrente sanguínea associada ao cateter venoso central em unidades de terapia intensiva / Surveillance of catheter-associated bloodstream infection in intensive care unit

Angelieri, Daniela Bicudo [UNIFESP] January 2007 (has links) (PDF)
Made available in DSpace on 2015-12-06T23:46:55Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2007 / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) / Introdução: Os cateteres venosos centrais sao dispositivos de grande importancia na assistencia a Saúde. As vantagens proporcionadas pela utilizacao dos cateteres contrapoem-se as complicacoes que podem advir de seu uso. Dentre essas ressaltamos a infeccao da corrente sanguinea. Esta complicacao e uma das principais causas de infeccao relacionada a assistencia a Saúde em unidades de terapia intensiva, e esta associada a significante morbidade, mortalidade, prolongamento do tempo de internacao e aumento nos custos da assistencia ao paciente. Poucos estudos nacionais tem abordado este problema. Objetivos: Determinar a incidencia de infeccao de corrente sanguinea nos pacientes internados em unidades de terapia intensiva com cateter venoso central, bem como as variaveis associadas a esta complicacao. Casuistica e Metodo: Estudo multicentrico do tipo coorte, realizado em seis unidades de terapia intensiva de tres hospitais do Complexo da Universidade Federal de São Paulo. A vigilancia das infeccoes da corrente sanguinea foi realizada por enfermeiros de Controle de Infeccao Hospitalar que foram capacitados por um treinamento teorico-pratico, com o objetivo de padronizar o preenchimento de um instrumento especifico para avaliacao das variaveis associadas e o diagnostico de infeccao. Este instrumento foi preenchido para todos os pacientes de ambos os sexos, maiores de 18 anos, hospitalizados no periodo de 01 de novembro de 2005 a 31 de outubro de 2006 em unidades de terapia intensiva e que possuiam cateter venoso central de curta permanencia. Resultados: Foram incluidos 555 pacientes e 928 cateteres venosos centrais. Observou-se 118 casos de infeccoes da corrente sanguinea em 11.546 cateteres-dia: 10,22 infeccoes da corrente sanguinea por 1000 cateteres-dia. A media de idade dos pacientes com infeccao da corrente sanguinea foi de 56,53 anos e dos pacientes sem infeccao foi de 53,36 anos. Em relacao ao genero...(au) / Introduction: Central venous catheters are devices of great importance in health care. The advantages gained from the use of catheters outweigh the complications that might result from their use, among which bloodstream infections. This complication is one of the main causes of health care related infections in intensive care units, and is associated with significant morbidity, mortality, prolongation of hospitalization time and increase of costs in the assistance to the patient. In spite of its importance, few national studies have addressed this issue. Objectives: To determine the incidence of bloodstream infection in patients with central venous catheters, hospitalized in intensive care units, as well as the variables associated with this complication. Study design and methodology: Multicentric cohort study carried out at intensive care units of three hospitals of the Complex of the Universidade Federal de São Paulo. The observation of the bloodstream infections was performed by nurses of the Hospital Infection Control. They had had a theoretical-practical training that aimed at the standardization in filling an instrument specific to the evaluation of the associated variables and the diagnosis of infection. This instrument was filled in for all the patients of both genders, over 18 years old, who were hospitalized between November 1st, 2005 and October 31st, 2006, and had a short-term central venous catheter. Results: 555 patients and 928 central venous catheters were included in the study. We observed 118 cases of bloodstream infection in 11.546 catheters day: 10.22 bloodstream infections per 1000 catheters day. The mean age of the patients with bloodstream infection was 56.53 years, and that of the patients without infection was 53.36 years. As regards gender, ...(Au) / BV UNIFESP: Teses e dissertações
45

Avaliação do programa de controle de infecção hospitalar em hospitais no município de Teresina-PI / Program evaluation of hospital infection control in hospitals in the municipality of Teresina-PI

Lima, Lucimá Alves Pereira January 2011 (has links)
LIMA, Lucimá Alves Pereira. Avaliação do programa de controle de infecção hospitalar em hospitais no município de Teresina-PI. 2011. 101 f. Dissertação (Mestrado em Farmacologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2011. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2013-07-16T16:29:11Z No. of bitstreams: 1 2011_dis_laplima.pdf: 487713 bytes, checksum: 6d0a209b8dc9f2c8b21a25f7a1554855 (MD5) / Approved for entry into archive by Erika Fernandes(erikaleitefernandes@gmail.com) on 2013-07-16T16:37:19Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2011_dis_laplima.pdf: 487713 bytes, checksum: 6d0a209b8dc9f2c8b21a25f7a1554855 (MD5) / Made available in DSpace on 2013-07-16T16:37:19Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2011_dis_laplima.pdf: 487713 bytes, checksum: 6d0a209b8dc9f2c8b21a25f7a1554855 (MD5) Previous issue date: 2011 / The control of hospital infection (HI) was, over the years, evolving and showing like a phenomenon that is not restricted to the hospital, but also to all health care establishments, which develop actions considered risk for the onset of infection. For the control of hospital infection to be carried out systematically by all who participate directly or indirectly in the process, and to meet the needs of each service, the existence of a Control Program of HI (CPHI) has the role of organizing this systematic and can act as an important tool of quality, because it allows the planning and execution of control actions in terms of HI. To evaluate the performance of the Program for Infection Control in hospitals in the city of Teresina, based on indicators validated nationally. It’s about a multiple case, descriptive, evaluative epidemiological study, conducted in 10 hospitals agreed formally to participate in this study. The variables studied relate to the structure and process. With regard to the structure were evaluated physical space, material, human resources and regulations. On the process, were evaluated operational practices that involve the activities of epidemiological surveillance as well as teaching and research. Data collection was performed with form closed questions, documents evaluation and interviews. The study population consisted of nurse members of HICCs of each hospital. In assessing the operation adequacy degree of the HICCs in the studied hospitals, was established scoring system, classifying them into very adequate, adequate, inadequate and very inadequate. The results showed that two hospitals stood out, where one presented a very adequate final score and the other, very inadequate. The latter has no active HICC. It was observed that in relation to the physical structure and material, six HICCs had very appropriate feature, two inadequate and one, very inadequate. As for human resources two HICCs scored very adequate for meeting the legal requirements in full, six inadequate and one adequate. With regard to operational practices, the type II, only one hospital had very adequate score (100%), while five had percentages between 69 - 84%, being considered as adequate in this regard. As for the operational practices III, that correspond to teaching and research, we note that only two scored very adequate, also two had appropriate scores and the others were considered inadequate and very inadequate. Therefore, the data obtained indicate the need for interest and support from managers, the organization of health professionals involved in changing the direction in reference to professional competence, making investments in scientific knowledge, development of technical skills, being it representing the organization or team. / O controle de infecção hospitalar (IH) ao longo dos anos evoluiu e evidenciou-se como um fenômeno que não se restringe apenas ao meio hospitalar, mas, também, a todos os estabelecimentos da área de saúde, nos quais se desenvolvem ações consideradas de risco para o aparecimento das infecções. Para que o controle de IH seja realizado de forma sistemática, por todos os que participam direta ou indiretamente do processo, e atenda às necessidades de cada serviço, a existência de um Programa de Controle de IH (PCIH) tem o papel de organização desta sistemática, e pode funcionar como importante ferramenta da qualidade, pois permite o planejamento e a execução das ações de controle de IH. Avaliar o desempenho do Programa de Controle de Infecção Hospitalar nos hospitais no município de Teresina, com base nos indicadores validados nacionalmente.Trata-se de um estudo epidemiológico descritivo, avaliativo do tipo estudo de caso múltiplo, realizado em 10 hospitais que aceitaram participar formalmente deste estudo. As varáveis estudadas dizem respeito à Estrutura e Processo de trabalho. Com relação à estrutura foram avaliados o espaço físico, os recursos materiais, humanos e regulamentação. Quanto ao processo foram avaliadas as práticas operacionais que envolvem as atividades de vigilância epidemiológica, além de ensino e pesquisa. A coleta de dados foi realizada com formulário com questões fechadas, avaliação documental e entrevistas. A população do estudo foi constituída por enfermeiros membros das CCIHs de cada hospital. Na avaliação no grau de adequação de funcionamento das CCIHs dos hospitais estudados, foi estabelecido sistema de escores, classificando-os em muito adequado, adequado, inadequado e muito inadequado. Os resultados mostraram que dois hospitais se destacaram, onde um apresentou pontuação final muito adequado e o outro muito inadequado, sendo que este último não tem CCIH atuante. Observou-se que em relação à estrutura física e material seis CCIHs apresentaram aspectos muito adequados, duas inadequadas e um muito inadequado. Quanto aos recursos humanos, duas CCIHs com pontuação muito adequada por atender na íntegra a portaria, seis inadequadas e uma adequada. No tocante às práticas operacionais, o tipo II, apenas um hospital apresentou pontuação muito adequada (100%), enquanto três apresentaram percentuais entre 74 – 86,9%, sendo considerado nesse quesito como adequados. Quanto às práticas operacionais III que correspondem ao ensino e pesquisa, observa-se que apenas dois obtiveram pontuação muito adequados, dois também apresentaram pontuação adequado e os outros foram considerados como inadequados e muito inadequados. Portanto, os dados obtidos apontam a necessidade do interesse e apoio por parte dos gestores, da organização dos profissionais de saúde envolvidos em mudar o referencial em direção à competência profissional, fazendo investimentos em conhecimento cientifico, no desenvolvimento em habilidades técnicas, esteja ele representando a organização ou a equipe.
46

Modelo de dados para treinamento de inteligência artificial na pesquisa em saúde : um estudo prático sobre infecções hospitalares

Vaz, Tiago Andres January 2017 (has links)
Este trabalho apresenta um modelo de dados para o treinamento de Inteligência Artificial (IA) na Pesquisa em Saúde, revisando a literatura existente sobre estes modelos, experimentando em laboratório um caso prático aplicado na busca ativa de infecções hospitalares e por fim propondo um debate sobre os requisitos para estruturação de um estúdio de Data Science no HCPA. As infecções hospitalares são um agravo à saúde e hoje são uma das principais causas de mortalidade no mundo. O diagnóstico correto destas infecções é fundamental para a adoção de medidas preventivas necessárias. As notificações passivas das infecções por parte dos profissionais têm baixa sensibilidade, já a busca ativa destas infecções na vigilância epidemiológica é mais sensível, mas o trabalho é demorado e despende mais de 60% do tempo das atividades dos profissionais com a revisão de prontuários e no preenchimento de planilhas de controle. Diferentes algoritmos foram utilizados para encontrar no modelo de dados proposto, um conjunto de critérios que caracterizam o diagnóstico de uma infecção relacionada à assistência à saúde. O treinamento e os testes foram realizados utilizando um grande volume de dados secundários com origem nos prontuários eletrônicos do HCPA. Os cadastros básicos, os meta-dados processados dos prontuários e os dados agregados que compõe os indicadores da instituição foram utilizados para descrição do contexto, possibilitando assim a proposição de um modelo de dados. O produto gerado a partir deste experimento intitulasse BIA - Banco de Dados para Inteligência Artificial. Os algoritmos treinados com o BIA atingiram resultados ligeiramente superiores aos apresentados na revisão da literatura, fornecendo informações importantes para adoção da IA nas rotinas da pesquisa em saúde, no trabalho da comissão de infecção hospitalar, na gestão clínica e administrativa dos hospitais e nas iniciativas de inovação nas instituições de saúde no Brasil. / This work presents a data model for Artificial Intelligence (AI) training in Health Research. Reviewing the literature on these models and the needs for data governance in this area, by experimenting in laboratory with a practical case applied in the active search for healthcare associetade infections and finally proposing a debate on the requirements for structuring a Data Science studio at HCPA. Hospital infections are a health problem and today it is one of the leading causes of mortality in the world. The correct diagnosis of these infections is fundamental for the adoption of necessary preventive measures. The passive notification of infections by professionals has low sensitivity, but the active search for these infections in epidemiological surveillance is more sensitive sice the work is time consuming and spends more than 60% of the time of the activities of the people involved with the review of medical records. patients and in the use of spreadsheets to control the work. Different programs will be used to find in the proposed data model a set of criteria that characterize the diagnosis of an infection related to health care. Both training and testing were performed using a large volume of secondary data from HCPA electronic records. The basic registers, the processed metadata of the medical records and the aggregated data that compose the indicators of the institution were also used to describe the context, thus enabling the proposition of a multilevel model for AI training. The product generated from this experiment is called BIA - Database for IA. The results obtained in the experiment were positive indicating that the algorithms trained with the BIA can reach up reasults better than shown in previous systematic revisions, providing important information to initiate the adoption of the IA in the routines of health research, in the work of the hospital infection commission, in the clinical and administrative management of hospitals, and in health innovation initiatives in health institutions in Brazil.
47

Educação permanente como ferramenta para o aprimoramento das práticas de controle de infecção hospitalar

Massaroli, Aline January 2012 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciencias da Saude, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Florianópolis, 2012. / Made available in DSpace on 2013-06-25T18:38:42Z (GMT). No. of bitstreams: 1 313863.pdf: 2442417 bytes, checksum: 95165e9dd5c5076d29ff52f3b1a0b464 (MD5) / As infecções relacionadas à assistência à saúde constituem-se em um problema de grande relevância, que precisa ser constantemente trabalhado junto à equipe para que se consiga controlar a sua incidência nas instituições de saúde. Em função da situação que havia se instalado, foi publicada uma resolução que tornou obrigatórias a implantação e a permanência das Comissões de Controle de Infecções Relacionadas à Saúde. Desde o início, uma das competências dessas comissões era a capacitação dos profissionais de saúde, visando promover a prevenção e o controle das infecções relacionadas à assistência à saúde. A capacitação dos profissionais ainda é reconhecida como uma atividade essencial na atuação dessas comissões. Em 2004, o governo federal, deparando-se com a necessidade de desenvolver novas políticas visando à capacitação dos recursos humanos da área da saúde para a consolidação do Sistema Único de Saúde, publica a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde, com o intuito de gerar condições favoráveis para a formação e desenvolvimento dos recursos humanos para a saúde. Esta pesquisa teve o objetivo de conhecer como os Serviços de Controle de Infecção Hospitalar de hospitais de médio e grande porte das Regiões de Saúde de Blumenau, Itajaí e Balneário Camboriú têm desenvolvido a Educação Permanente com vistas a promover a prevenção e o controle das infecções hospitalares. Constituiu-se em uma pesquisa com abordagem qualitativa, do tipo exploratório descritivo. A coleta de dados se deu por meio de entrevista semiestruturada com os profissionais médicos e enfermeiros das Comissões de Controle de Infecções Relacionadas à Saúde(,) de hospitais de médio e grande porte das Regiões de Saúde de Blumenau, Itajaí e Balneário Camboriú do Estado de Santa Catarina. Os dados foram analisados através da análise de conteúdo, proposta por Bardin. A pesquisa seguiu os princípios da Resolução 196/96, sendo submetida ao Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de Santa Catarina, aprovada pelo Parecer nº 2293/2012. Os resultados deste estudo evidenciaram que as Comissões de Controle de Infecções Relacionadas à Saúde têm buscado desenvolver a educação entre os profissionais de saúde de suas instituições, ficando clara a importância que atribuem à educação para o desenvolvimento de ações de prevenção e de controle das infecções. A estruturação desse processo se dá por meio da elaboração de cronogramas anuais englobando os temas mais relevantes para a área de controle e prevenção de infecções, participando dessa construção, na maioria das comissões, os profissionais médico e enfermeiro, sendo por vezes envolvidos os demais profissionais. Observou-se, ainda, que, na maioria das comissões, o profissional que desenvolve toda a parte educativa relacionada ao controle de infecções no ambiente hospitalar é o enfermeiro, sendo que o médico que desenvolve as atividades na Comissão se isenta desta responsabilidade junto à equipe de profissionais de saúde, bem como da educação junto a seus colegas médicos. Destaca-se também a dificuldade encontrada por todos os Serviços de Controle de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde em englobar e atingir os médicos neste processo educativo visando à promoção do controle e da prevenção das infecções. Ao investigar os meios utilizados para atingir este objetivo, encontram-se a utilização de aulas expositivas utilizando apresentações em programas de slides, atividades práticas, dinâmicas de grupo, divulgação de protocolos com rotinas assistenciais, visitas técnicas aos setores e unidades com retorno dos resultados aos envolvidos, apontando as conformidades e inconformidades encontradas, bem como apresentando sugestões para modificação da realidade local. Percebe-se que os processos educativos desenvolvidos pelos Serviços de Controle de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde aproximam-se das recomendações da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde, quando tentam encontrar no dia a dia dos profissionais os principais problemas e dificuldades, trabalhando-os com a equipe de saúde por meio de atividades educativas. Entretanto, ainda há o predomínio da utilização de métodos tradicionais de ensino aprendizagem, bem como uma carência do emprego de metodologias ativas e problematizadoras nestes processos educacionais. Sendo necessário que os profissionais controladores de infecção considerem inicialmente a necessidade sentida pelos profissionais de saúde e os coloquem como corresponsáveis deste processo.<br> / Abstract : Infections in connection with health care constitute a problem of high relevance that must be constantly handled with the staff in order to control its incidence within health institutions. In view of the installed status, a resolution has been published whereby the implantation and permanence of the Health-related Infections Control Commissions are obligatory. Since the beginning, one of these commissions´ competences was the qualification of health professionals with the purpose of promoting the prevention and control of infections in connection with health care. The professionals´ qualification is still recognized as an activity that is essential for the performance of these commissions. In 2004, considering the need of developing new policies aimed at qualifying human resources from the health sector in order to consolidate the Unique Health System, the Federal Government published the National Policy for Health Permanent Education with the objective of generating the favorable conditions as to the education and development of human resources for the health sector. This research had the objective of learning how Hospital Infection Control Services of medium- and large-sized hospitals from the Health Regions of Blumenau, Itajaí and Balneário Camboriú have developed the Permanent Education with the purpose of promoting the prevention and control of hospital infections. It is a research with qualitative approach, of the exploratory and descriptive type. The data collection was done by means of semi-structured interview with physicians and nurses of the Health-related Infections Control Commissions of medium- and largesized hospitals from the Health Regions of Blumenau, Itajaí and Balneário Camboriú of the State of Santa Catarina. The data were analyzed by the content analysis as proposed by Bardin. The research followed the principles of the Resolution 196/96, being submitted to the Committee of Ethics in Research with Human Beings of the Federal University of Santa Catarina, approved by the Opinion no. 2293/2012. The results of this study evidenced that the Health-related Infections Control Commissions have made efforts in order to develop education among health professionals of their institutions as well as the importance they assign to education for the development of actions in order to prevent and to control infections. The structure of this process is organized from the elaboration of annual schedules that comprise the most relevant issues for the field of infections control and prevention. Such construction counts on the participation of physicians and nurses from most commissions and sometimes of other professionals as well. It has also been noted that in most of the commissions, the nurse is the professional that develops all educational program related to the infections control in the hospital environment. Meanwhile, the physician who develops the activities in the Commission is exempted from such responsibility before health professionals as well as regarding education before medical peers. It is also outstanding the difficulty found by all the Health Care-related Infections Control Services in comprising and reaching the physicians within this educational process with the purpose of promoting the control and prevention of infections. Upon investigating the means utilized to reach this objective, there are expositive classes with presentation of slides, practical activities, group dynamics, divulgation of protocols with care routines, technical visits to the sectors and units with feedback of the results to the involved parties by pointing out the conformities and non-conformities found as well as presenting suggestions to modify the local reality. One perceives that the educational processes developed by the Health Care-related Infections Control Services are close to the recommendations of the National Policy of Health Permanent Education when they try to find in the professionals´ daily routine, the main problems and difficulties and work them with the health staff by means of educational activities. However, there is still predominance of the utilization of traditional teaching and learning methods as well as a lack of the utilization of active and problem-raising methodologies in these educational processes. The professionals in charge of infection control must initially consider the needs of health professionals and should call them to become co-responsible in this process.
48

Impacto de intervenção educacional na adesão às recomendações preventivas de pneumonia hospitalar em UTI

Fleck, Caren Schlottfeldt January 2009 (has links)
Introdução: A pneumonia hospitalar é a mais fatal das infecções hospitalares, com taxas de mortalidade de 30 a 60 %. Estratégias preventivas são descritas como uma das formas de controlar e limitar as conseqüências das infecções hospitalares e da pneumonia associada à ventilação mecânica (VAP). Objetivos: O presente estudo tem por objetivo avaliar o impacto da intervenção educacional sobre a adesão às medidas preventivas de pneumonia hospitalar, conforme os critérios do Central of Disease Control (CDC) para interrupção da transmissão de pessoa para pessoa, tais como higienização de mãos, uso de precauções de barreira, prevenção de aspiração associada à alimentação enteral, verificando as taxas de pneumonia e VAP 3 meses antes e depois da intervenção educacional. Materiais e métodos: Caracteriza-se por ser um quasi experimento com controles históricos. A população envolvida foi técnicos e auxiliares de enfermagem, enfermeiros e fisioterapeuta que trabalhavam nos turnos manhã e tarde na unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), sendo observados os procedimentos realizados por esses profissionais, conforme suas funções. Este estudo desenvolveu-se em 3 fases: a fase 1, a avaliação antes do treinamento (104 avaliações); a fase 2, foi a intervenção educacional (2 treinamentos), sendo o treinamento baseado nas recomendações do CDC no que diz respeito à interrupção da transmissão pessoa para pessoa para a prevenção de pneumonia hospitalar; e a fase 3, a avaliação após 30 dias do treinamento (105 avaliações), sendo avaliados os mesmos profissionais, turnos e a ficha de avaliação da fase 1 Resultados: Os profissionais que mais realizaram procedimentos foram os técnicos e auxiliares de enfermagem. Comparando a fase 3 com a fase 1, observouse adesão com diferença estatisticamente significativa com (p < 0.0001), na higienização das mãos independente do uso de luvas com água e sabão (100%); na higienização das mãos para vários procedimentos na UTI, que passou a ser realizada com fricção de todas as faces e espaços interdigitais; na troca de luvas e higienização das mãos; e no aumento do uso de cabeceira da cama elevada para pacientes com risco de pneumonia aspirativa em 71% das situações. As taxas de pneumonia e de VAP mantiveram-se estáveis quando comparadas à préintervenção. Conclusão: A intervenção educacional demonstrou ser uma importante medida para o uso de ações preventivas de pneumonia hospitalar, havendo, de forma geral, um importante seguimento ao treinamento quando avaliadas a curto prazo, constatando, contudo, manutenção das taxas de pneumonia e VAP.
49

Lavagem das mãos no olhar de trabalhadores de enfermagem

Martini, Angela Conte January 2004 (has links)
Considerando a lavagem das mãos como uma importante medida de controle de infecção hospitalar, objetivou-se investigar as razões que impulsionam os trabalhadores de enfermagem a lavar ou não as mãos. Optou-se pela pesquisa qualitativa e pela técnica de grupo focal para a coleta dos dados. O grupo consolidou-se com seis sujeitos (três enfermeiros e três técnicos de enfermagem), selecionados através dos critérios de voluntariedade e interesse pela temática. A coleta de dados transcorreu em cinco encontros semanais, estendendo-se pelos meses de novembro e dezembro de 2002. Utilizando a análise de enunciação, verificou-se que os profissionais mostram conhecimento teórico sobre o tema, entretanto percebeu-se que a prática da lavagem das mãos é influenciada pelas diferentes situações, como de surtos, emergências e isolamentos. As dificuldades como a superlotação do hospital, distância das pias, recursos (in)disponíveis e/ou (in)adequados, entre outros, interferem na execução desse procedimento, mas não o determinam. Essas condições, associadas à forma como o trabalho é organizado e à cultura que privilegia a cura em detrimento da prevenção, levam à negligência com a lavagem das mãos, que acaba por ser considerada uma prática paralela e secundária ao trabalho da enfermagem. Outras questões foram consideradas para analisar a lavagem das mãos, como sua relação com o uso de luvas, que evidenciou ambos como procedimento/equipamento de proteção individual, e com a fricção higiênica das mãos, que se mostrou pouco aceita pelos sujeitos. Sinaliza-se a necessidade de se trabalhar esse tema junto aos profissionais da saúde para que se possa efetivar a lavagem das mãos como medida preventiva de infecções hospitalares.
50

Associação entre uso prévio de antimicrobianos, perfil de sensibilidade de microorganismos e fatores de risco em pacientes internados no centro de terapia intensiva do HCPA, 2008-2009

Winter, Juliana da Silva January 2011 (has links)
Introdução: Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS) são consideradas um dos maiores problemas de saúde pública em todo o mundo. Estima se que entre 5% e 15% dos pacientes hospitalizados adquirem infecção durante a internação e aproximadamente 25% a 40% recebem antibiótico para tratamento ou profilaxia de infecções. (1) Essas IRAS são especialmente mais graves em UTI, aonde os pacientes são mais suscetíveis e os organismos mais resistentes quando comparados a outros ambientes do hospital. Sabe se que esses pacientes críticos apresentam 5 a 10 vezes mais probabilidade de adquirir IRAS do que em outras unidades de menor complexidade.(2) Por isso, a World Health Organization (WHO) identificou a resistência antimicrobiana como uma das três maiores ameaças para a saúde humana. Objetivos: Este estudo tem por objetivo avaliar os fatores de risco para a multirresistência bacteriana (1) e fatores de risco para mortalidade (2) para pacientes internados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) que tenham diagnóstico de infecção hospitalar no período de janeiro de 2008 a dezembro de 2009. Delineamento: Estudo restrospectivo de coorte Métodos: Foram avaliados neste estudo exames microbiológicos de pacientes internados na UTI do HCPA, no período de janeiro de 2008 e dezembro de 2009, com diagnóstico de infecção hospitalar. Foi criada uma ficha de coleta para obtenção dos dados necessários para o estudo. Seu preenchimento era possível a partir de informações, do paciente, obtidas através do sistema informatizado do hospital. Os dados foram transportados para o software EpInfo versão 3.3.2, para posterior análise estatística, a qual foi realizada através do programa estatístico SPSS 14.0. As infecções adquiridas no hospital foram classificadas de acordo com critérios da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) (3), os quais são baseados nos critérios do Centers for Diseases Control and Prevention (CDC).(4) A multirresistência bacteriana foi classificada de acordo com recomendações do CDC e critérios da CCIH do HCPA, e foram incluídas as seguintes bactérias: Klebsiella spp e Escherichia coli produtoras de β-lactamase de espectro estendido (ESBL); Pseudomonas spp resistente a ceftazidima e/ou resistentes a carbapenêmicos; Acinetobacter spp resistente a ampicilina/sulbactam e/ou resistentes a carbapenêmicos; Enterobacter spp - Citrobacter spp - Serratia spp e Proteus spp resistente a todos os antibióticos exceto carbapenêmicos; Stenotrophomonas maltophilia resistente a sulfametoxazol/trimetropim, Enterococcus spp resistente a vancomicina (VRE) e Staphylococcus aureus meticilina resistente (MRSA). Os isolados com suscetibilidade intermediária foram considerados como resistentes. Resultados: Germes multirresistentes (GMR) foram identificados em 32,5% dos isolados microbiológicos. Em geral, os GMR mais comumente encontrados foram ESBL (32.3%; N= 72); MRSA (29.2%; N= 65), Acinetobacter baumanii (21.5%; N= 48), Pseudomonas aeruginosa (8.1%; N= 18). Em Infecções do trato respiratório (ITR), Infecções do trato urinário (ITU) e hemoculturas os GMR mais prevalentes foram, respectivamente, MRSA (40,8%; N= 51), Escherichia coli (21,6%; N= 8), MRSA e Escherichia coli (15,8%; N= 3). Os fatores de risco identificados para a emergência de GMR foram o uso de antimicrobianos em enfermarias (P<0.001), especialmente sulfonamidas (P=0.005), cefalosporinas de terceira geração (P=0.05), cefalosporinas de quarta geração (P<0.01), vancomicina (P<0.01), carbapenêmicos (P<0.01), quinolonas (P<0.01), penicilinas (P=0.03) e penicilinas associadas a inibidores de β-lactamase (P<0.01). O uso de antimicrobianos em UTI também foi considerado um fator de risco para antibióticorresistência (P<0.01), em especial para os seguintes antimicrobianos: cefalosporinas de segunda geração (P=0.05), cefalosporinas de quarta geração (P=0.004), vancomicina (P<0.01), aminoglicosídeos (P=0.02), macrolídeos (P=0.03), carbapenêmicos (P<0.01), quinolonas (P<0.01) e penicilinas (P<0.01). A soma do uso de algumas classes de antimicrobianos, nas enfermarias e UTI, também foram fatores de risco para multirresistência bacteriana (P<0.01), sendo significativo o uso de sulfonamidas (P<0.01), cefalosporinas de terceira geração (P=0.021), vancomicina (P<0.01), macrolídeo (P=0.03), carbapenêmicos (P<0.01), quinolona (P<0.01), penicilina (P<0.01) e penicilinas associadas à inibidores de β-lactamase (P=0.04). Na análise multivariada, os dias de internação prévia a internação atual (considerando os últimos seis meses) e uso de antimicrobianos, somando enfermarias e UTI, foram fatores de risco para GMR, (P<0.01 e P<0.01), respectivamente. O uso de quinolonas em UTI (P=0.02), aminoglicosídeos em UTI (P<0.01), carbapenêmicos somado o uso nas enfermarias e UTI (P<0.01), uso de quinolonas nas enfermarias (P=0.05) e AIDS (P=0.02) também foram considerados fatores de risco para multirresistência bacteriana. Na análise multivariada, os fatores de risco associados à mortalidade hospitalar foram identificação de pacientes portadores de GMR (P<0.01), uso prévio de antimicrobianos nas enfermarias (P<0.01), dias de uso de SVD (P<0.01) e CVC (P<0.01), APACHE II score (P<0.01), idade (P<0.01), dias de internação prévia a internação atual (P<0.01), dias de internação no HCPA (P<0.01), doenças hematológicas (P<0.01) e transplante de medula óssea (P=0.05) Conclusão: Houve correlação entre dias de internação prévia a internação atual; uso de antimicrobianos quando utilizados nas enfermarias, e logo depois, na UTI; uso de quinolonas na UTI, uso de quinolonas nas enfermarias, uso de aminoglicosídeos na UTI, carbapenêmicos somando as enfermarias e UTI e AIDS com a emergência de GMR. Considerando os fatores de risco para a mortalidade hospitalar foi possível observar que o surgimento de GMR, consumo prévio de antimicrobianos nas enfermarias, dias de uso de SVD e CVC, grau de gravidade do paciente, idade, dias prévios de internação, dias de internação no HCPA, doenças hematológicas e transplante de medula óssea foram independentemente associados à mortalidade em pacientes internados na UTI com diagnóstico de infecção hospitalar. / Introduction: Hospital-acquired infections (HAI) are considered one of the major public health problems worldwide. It is estimated that between 5% and 15% of hospitalised patients acquire an infection during hospitalisation and approximately between 25% and 40% receive antibiotics for treatment or prophylaxis of infections (1). These HAI are especially serious in ICUs, where patients are more susceptible and micro-organisms are more resistant, when compared to those in other hospital areas. It is known that these critical care patients present between 5 and 10 times greater probability of acquiring a HARI than in other lower complexity hospital units (2). For this reason, the World Health Organization (WHO) has identified antimicrobial resistance as one of the three major threats for human health. Objectives: The aim of this study is to evaluate the risk factors for multi-bacterial resistance (1) and mortality risk factors (2) for patients hospitalised in the Intensive Care Unit (ICUs) of the Hospital de Clinicas de Porto Alegre (HCPA) who had a hospital acquired infection diagnosis during the period between January 2008 and December 2009. Design: Retrospective cohort study Methods: For this study, the microbiological analyses of the patients with a diagnosis of hospital acquired infection, attended to in the ICU of the HCPA, during the period from January 2008 until December 2009, were evaluated. A collection form was created in order to obtain the necessary data for the study. Its completion was possible from the information supplied by the patient, obtained through the hospital’s computarised system. The data was transferred to the Epinfo 3.3.2 software version for subsequent statistical analysis, which was performed using the SPSS 14.0 statistics programme. Hospital acquired infections were classified according to the criteria of the Hospital Infection Control Committee (HICC) (3), which are based upon the criteria of the Centers for Diseases Control and Prevention (CDC).(4) Multi-bacterial resistance was classified according to the recommendations of the CDC, as well as, criteria from the HICC of the HCPA, and the following bacteria were included: Klebsiella spp and Escherichia coli, producers of extended-spectrum β-lactamase (ESBL); Pseudomonas spp, resistant to ceftazidime and/or resistant to carbapenems; Acinetobacter spp, resistant to ampicillin/sulbactam and/or carbapenems resistant; Enterobacter spp - Citrobacter spp - Serratia spp and Proteus spp, resistant to all antibiotics except carbapenems; sulfametoxazol/trimetropim resistant Stenotrophomones maltophilia, vancomycin resistant (VRE) Enterococcus spp and meticilin resistant Staphylococcus aureus (MRSA). The isolates with intermediate susceptibility were considered resistant. Results: Multi-resistant germs (MRG) were identified in 32,5% of the microbiological isolates. In general, the most commonly found MRG were: ESBL (32.3%; N= 72); MRSA (29.2%; N= 65), Acinetobacter baumanii (21.5%; N= 48) and Pseudomonas aeruginosa (8.1%; N= 18). In respiratory tract infections (RTI), urinary tract infections (UTI) and hemocultures, the most prevalent MRGs were, respectively, MRSA (40,8%; N= 51), Escherichia coli (21,6%; N= 8), MRSA and Escherichia coli (15,8%; N= 3). The risk factors identified for the emergence of MRGs were: the use of antimicrobials in wards (P<0.001), especially sulphonamides (P=0.005), third generation cephalosporins (P=0.05), fourth generation cephalosporins (P<0.01), vancomycin (P<0.01), carbapenems (P<0.01), quinolones (P<0.01), penicillins (P=0.03) and penicillins associated with β-lactamase inhibitors (P<0.01). The use of antimicrobials in the ICU was also considered a risk factor for antibiotic resistance (P<0.01), especially for the following antimicrobials: second generation cephalosporins (P=0.05), fourth generation cephalosporins (P=0.004), vancomycin (P<0.01), amino glycosides (P=0.02), macrolides (P=0.03), carbapenems (P<0.01), quinolones (P<0.01) and penicillins (P<0.01). The sum of the use of some antimicrobial classes, in the wards and in the ICU, were also risk factors for bacterial multiresistance (P<0.01), being significant the use of sulphonamides (P<0.01), third generation cephalosporins (P=0.21), vancomycin (P<0.01), macrolides (P=0.03), carbapenems (P<0.01), quinolones (P<0.01), penicillin (P<0.01) and penicillin associated with β-lactamase inhibitors (P=0.04). In the multivariate analysis, the amount of days in hospital, previous to the current hospitalisation (taking into account the past six months) and the use of antimicrobials, adding-up wards plus ICU, were risk factors for MRG, (P<0.01 and (P<0.01), respectively. The use of quinolones in the ICU (P=0.02), amino glycosides in the ICU (P<0.01), carbapenems, adding the use in the wards to the use in the ICU (P<0.01), use of quinolones in wards (P=0.05) and AIDS (P=0.02) were also considered risk factors for multi-bacterial resistance. In the multivariate analysis, the risk factors associated with hospital mortality were identified in patients bearing MRG (P<0.01), previous use of antimicrobials in wards (P<0.01), days of use of urinary catheter (UC) (P<0.01) and central venous catheter (CVC) (P<0.01), APACHE II score (P<0.01), age, previous days of hospitalisation before the current event (P<0.01), number of days hospitalised in the HCPA (P<0.01), haematological disease (P<0.01) and bone marrow transplant (P=0.05). Conclusion: There was a correlation between a previous hospitalisation and the current one, use of antimicrobials, when used in wards and soon after in the ICU; use of quinolones in the ICU, use of quinolones in the ward, use of amino glycosides in the ICU, carbapenems, adding use in wards and in the ICU and AIDS, with the emergence of MRGs. Taking into account the risk factors for hospital mortality, it was possible to observe that the emergence of MRGs, previous use of antimicrobials in the wards, days on UC and CVC, degree of severity of the patient’s health condition, age, previous amount of days hospitalised before the current occurrence, number of days hospitalised in the HCPA, hematological disease and bone marrow transplantation were independently associated with patient mortality, for individuals hospitalised in the ICU with a diagnosis of hospital infection.

Page generated in 0.1052 seconds