• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 38
  • 2
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 44
  • 22
  • 16
  • 14
  • 12
  • 11
  • 10
  • 9
  • 8
  • 7
  • 7
  • 7
  • 7
  • 6
  • 6
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Cidades-sensuais: práticas sexuais desviantes x renovação do espaço urbano

Rocha Lima, Eduardo 25 September 2013 (has links)
Submitted by Francisco Costa (xcosta@ufba.br) on 2013-09-24T23:46:44Z No. of bitstreams: 1 Tese Eduardo Rocha.pdf: 155425956 bytes, checksum: d922915bfce15ebba1db3e6c5d4bbb06 (MD5) / Approved for entry into archive by Edilene Costa(ec@ufba.br) on 2013-09-25T22:12:03Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Tese Eduardo Rocha.pdf: 155425956 bytes, checksum: d922915bfce15ebba1db3e6c5d4bbb06 (MD5) / Made available in DSpace on 2013-09-25T22:12:03Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Tese Eduardo Rocha.pdf: 155425956 bytes, checksum: d922915bfce15ebba1db3e6c5d4bbb06 (MD5) / CNPQ / Este estudo tem a experiência de um caminhante por entre três cidades – Fortaleza, Rio de Janeiro e Paris – como base para a apreensão de conhecimento sobre o espaço vivido que se pretende crítico à espetacularização urbana contemporânea, vinculada à produção do espaço pelo turismo. No percurso traçado pelo caminhante, um conflito urbano é perseguido nas três cidades caminhadas: a apropriação de espaços investidos para o fluxo turístico por corpos que “furam”, pelo exercício de suas sexualidades desviantes, as barreiras sociais e espaciais impostas pela norma sexual dominante – heterossexual, monogâmica, reprodutora e burguesa – e pela reprodução capitalista do espaço, atrelada às estratégias da economia globalizada. As cidades lidas no/pelo corpo são aqui narradas com foco sobre a espacialidade produzida no momento presente da ação físico-sensorial – entendido como o instante da prática política e estética de sujeitos ordinários urbanos – dos corpos excluídos por uma certa razão urbanística que, vinculada ao capital privado, intenta reproduzir pelo mundo uma “idéia de cidade” socialmente seletiva, pois favorecedora da apropriação da cidade por interesses empresariais globalizados. Esta pesquisa apreende as ações astuciosas de corpos que a partir dos seus sexos “fora da Ordem” expõem materializada, enquanto sombra nos espaços intensamente iluminados por tal razão urbanística, a falência e a insustentabilidade da produção do espaço que, priorizando-o enquanto “mercadoria” à venda no mercado competitivo das cidades ditas “globais”, desvaloriza a história social – e, portanto, a história espacial – dos sujeitos que articulam a cotidianidade do espaço, elaborando nele o exercício de suas vidas. / Salvador
2

Corpos e Subjetividades: Análise dos Processos de Embodiment nos Ursos do Espírito Santo

Cerqueira, Paulo Rodrigues 10 March 2014 (has links)
Made available in DSpace on 2018-08-01T23:40:34Z (GMT). No. of bitstreams: 1 tese_7565_Dissertação Paulo Cerqueira.PDF: 58 bytes, checksum: 15a6d8fc683487056369de4e3c516f64 (MD5) Previous issue date: 2014-03-10 / Este trabalho vem analisar processos de subjetivação de sujeitos homossexuais que se assumem como ursos. Trazemos o debate de corpos para explicitarmos seus agenciamentos, tanto na produção imagética do que socialmente seriam aqueles sujeitos, dos locais de onde falam, dos grupos que apresentam afinidades, quanto nos processos em que constroem a si mesmos. Os processos de subjetivação não pressupõem um sujeito autônomo, pois sofrem interferências de organizações de forças e saberes que operam na sociedade (FOUCAULT, 2003). Diante disso, recorremos à analíticas de poder propostas por Michel Foucault (1995), Judith Butler (2010) e Laclau e Mouffe (1987), tanto para nos afastarmos de noções de corpos passivos, universais e objetivos, recorrentes em enfoques em hegemonia na Administração, quanto para analisarmos sua construção somente em relação à construção de um sujeito, ou seja, em processos sociais, históricos e políticos de embodiments. Foi realizada uma pesquisa qualitativa, cujos dados foram coletados por meio de entrevistas individuais semiestruturadas com 19 participantes capixabas. Os dados foram analisados sob a ótica pós-estruturalista do discurso tendo em vista as abordagens laclauniana e foucaultiana. O trabalho conclui que o discurso ursino sobredetermina práticas dispersas no campo de homoafetividades ao articular um esquema corpóreo masculino. Este esquema se assume como uma das práticas hegemônicas LGBT e, consequentemente, é o primeiro a ser acionado nas subjetivações dos participantes. Porém, este processo não se concretiza de forma plena, nem elimina particularidades e contingências que parodiam as demandas comportamentais emergentes das construções identitárias.
3

Corpos e Subjetividades: Análise dos Processos de Embodiment nos Ursos do Espírito Santo

CERQUEIRA, P. R. 10 March 2014 (has links)
Made available in DSpace on 2018-08-01T23:40:34Z (GMT). No. of bitstreams: 1 tese_7565_Dissertação Paulo Cerqueira.PDF: 58 bytes, checksum: 15a6d8fc683487056369de4e3c516f64 (MD5) Previous issue date: 2014-03-10 / Este trabalho vem analisar processos de subjetivação de sujeitos homossexuais que se assumem como ursos. Trazemos o debate de corpos para explicitarmos seus agenciamentos, tanto na produção imagética do que socialmente seriam aqueles sujeitos, dos locais de onde falam, dos grupos que apresentam afinidades, quanto nos processos em que constroem a si mesmos. Os processos de subjetivação não pressupõem um sujeito autônomo, pois sofrem interferências de organizações de forças e saberes que operam na sociedade (FOUCAULT, 2003). Diante disso, recorremos à analíticas de poder propostas por Michel Foucault (1995), Judith Butler (2010) e Laclau e Mouffe (1987), tanto para nos afastarmos de noções de corpos passivos, universais e objetivos, recorrentes em enfoques em hegemonia na Administração, quanto para analisarmos sua construção somente em relação à construção de um sujeito, ou seja, em processos sociais, históricos e políticos de embodiments. Foi realizada uma pesquisa qualitativa, cujos dados foram coletados por meio de entrevistas individuais semiestruturadas com 19 participantes capixabas. Os dados foram analisados sob a ótica pós-estruturalista do discurso tendo em vista as abordagens laclauniana e foucaultiana. O trabalho conclui que o discurso ursino sobredetermina práticas dispersas no campo de homoafetividades ao articular um esquema corpóreo masculino. Este esquema se assume como uma das práticas hegemônicas LGBT e, consequentemente, é o primeiro a ser acionado nas subjetivações dos participantes. Porém, este processo não se concretiza de forma plena, nem elimina particularidades e contingências que parodiam as demandas comportamentais emergentes das construções identitárias.
4

“Docentes Abriendo las Puertas del Clóset” Narrativas de Resistencias y Apropiaciones a la matriz heteronormativa escolar en Profesores Homosexuales/Lesbianas y sus impactos en las prácticas pedagógicas

Catalán Marshall, Mario Alejandro January 2017 (has links)
Magíster en Estudios de Género y Cultura, Mención Ciencias Sociales / La presente tesis, titulada “Docentes abriendo las puertas del clóset. Narrativas de resistencias y apropiaciones a la matriz heteronormativa escolar en profesores homosexuales/lesbianas y sus impactos en las prácticas pedagógicas”, fue realizada por Mario Catalán Marshall, bajo la conducción académica de la profesora Ximena Azúa Ríos, con el fin de obtener el grado académico de Magíster en Estudios de Género y Cultura, Mención Ciencias Sociales. Esta investigación busca analizar bajo una perspectiva feminista y queer, el cómo significan sus vivencias relacionadas a su sexualidad, cuerpo y género los y las docentes homosexuales y lesbianas, frente a los discursos y prácticas heteronormativos presentes en las instituciones escolares. Mediante las historias de vida de 7 profesores homosexuales y 3 profesoras lesbianas, nos interiorizamos, a través de una mirada crítica, en una temática que pareciera no tener cabida dentro de las investigaciones de carácter pedagógico actuales y en donde los profesores y profesoras de sexualidades no heterosexuales han sido un grupo marginalizado e invisibilizado históricamente como sujetos de investigación dentro de los estudios que tienen como ejes de análisis a la sexualidad y a la educación
5

Cidades-Sensuais: práticas sexuais desviantes x renovação do espaço urbano

Lima, Eduardo Rocha 25 October 2012 (has links)
Submitted by Biblioteca de Arquitetura (bibarq@ufba.br) on 2016-10-10T22:44:09Z No. of bitstreams: 1 Eduardo Rocha.pdf: 155425956 bytes, checksum: d922915bfce15ebba1db3e6c5d4bbb06 (MD5) / Approved for entry into archive by Edilene Costa (ec@ufba.br) on 2016-10-11T19:17:45Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Eduardo Rocha.pdf: 155425956 bytes, checksum: d922915bfce15ebba1db3e6c5d4bbb06 (MD5) / Made available in DSpace on 2016-10-11T19:17:45Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Eduardo Rocha.pdf: 155425956 bytes, checksum: d922915bfce15ebba1db3e6c5d4bbb06 (MD5) / Este estudo tem a experiência de um caminhante por entre três cidades – Fortaleza, Rio de Janeiro e Paris – como base para a apreensão de conhecimento sobre o espaço vivido que se pretende crítico à espetacularização urbana contemporânea, vinculada à produção do espaço pelo turismo. No percurso traçado pelo caminhante, um conflito urbano é perseguido nas três cidades caminhadas: a apropriação de espaços investidos para o fluxo turístico por corpos que “furam”, pelo exercício de suas sexualidades desviantes, as barreiras sociais e espaciais impostas pela norma sexual dominante – heterossexual, monogâmica, reprodutora e burguesa – e pela reprodução capitalista do espaço, atrelada às estratégias da economia globalizada. As cidades lidas no/pelo corpo são aqui narradas com foco sobre a espacialidade produzida no momento presente da ação físico-sensorial – entendido como o instante da prática política e estética de sujeitos ordinários urbanos – dos corpos excluídos por uma certa razão urbanística que, vinculada ao capital privado, intenta reproduzir pelo mundo uma “idéia de cidade” socialmente seletiva, pois favorecedora da apropriação da cidade por interesses empresariais globalizados. Esta pesquisa apreende as ações astuciosas de corpos que a partir dos seus sexos “fora da Ordem” expõem materializada, enquanto sombra nos espaços intensamente iluminados por tal razão urbanística, a falência e a insustentabilidade da produção do espaço que, priorizando-o enquanto “mercadoria” à venda no mercado competitivo das cidades ditas “globais”, desvaloriza a história social – e, portanto, a história espacial – dos sujeitos que articulam a cotidianidade do espaço, elaborando nele o exercício de suas vidas
6

Diálogos sobre sexualidade com os/as adolescentes/jovens de Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca - PE

SHUÑA, Rocio del Pilar Bravo 25 April 2014 (has links)
Submitted by Felipe Lapenda (felipe.lapenda@ufpe.br) on 2015-03-04T13:34:53Z No. of bitstreams: 2 DISSERTAÇÃO Rocio del Pilar Bravo Shuña .pdf: 3635764 bytes, checksum: 383305d887084a0ca4a7bee4e6d5e0a6 (MD5) license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-03-04T13:34:53Z (GMT). No. of bitstreams: 2 DISSERTAÇÃO Rocio del Pilar Bravo Shuña .pdf: 3635764 bytes, checksum: 383305d887084a0ca4a7bee4e6d5e0a6 (MD5) license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) Previous issue date: 2014-04-25 / Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco / Este estudo busca compreender como as/os adolescentes/jovens (interlocutoras/es), com idades entre 16 e 19 anos, moradores dos municípios de Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca, significam a sexualidade, especificamente o início da suas vidas sexuais e o namoro, em interseção com os marcadores sociais de gênero, geração, raça e classe. Desta forma, procurou-se refletir sobre o método de intervenção utilizado, trazendo as experiências que são (re)construídas nos (des)encontros entre a/os pesquisadora/es e as/os interlocutoras/es, e as produções acadêmicas na área de psicologia sobre a sexualidade das/dos adolescentes/jovens questionadas/os a partir de um olhar feminista pós-estrutural, sendo uma Pesquisa Ação Participativa (PAR), cujos instrumentos metodológicos foram as rodas de diálogos e o diário de campo. Nestes diálogos observamos (des)igualdades, diferenças e agenciamentos que as/os adolescentes/jovens vivem e mobilizam no percurso de suas carreiras sexuais (HEILBORN, 1999). O início da vida sexual delas/deles acontece, em média, entre os 14 e 15 anos, idades que o mundo adulto considera “cedo” ou “precoce”. As práticas sexuais que definem este início giram em torno do que é considerado como “normal” e da noção de “virgindade”. Por outro lado, o namoro ainda mantém certas características do amor romântico, o pretendente é quem vai à casa da namorada para solicitar a aceitação dos pais, como sinal de fidelidade e de compromisso futuro para um casamento – muito embora o relacionamento possa continuar mesmo sem ter o aceite dos pais da adolescente/jovem, o mesmo não acontece com os rapazes. Assim sendo, outros vínculos afetivo-sexuais surgem na “ilegalidade” como “ficar”, “amizade colorida” e “conhecerem-se”, formas menos complicadas de elas/eles viverem a sexualidade fora da vigilância adultocêntrica. Através destas experiências, também discutimos as teorias ideológicas (heterossexismo, capitalismo, patriarcado, colonialismo) que sustentam e mobilizam saberes/poderes na interação entre as micropolíticas e macropolíticas que circulam nos cenários sexuais das/dos adolescentes/jovens (SPIVAK, 2010); discutimos ainda os circuitos (des)integrados (HARAWAY, 2009): família, escola, religião e posto de saúde, os quais dificultam a vivência da sexualidade delas/deles e o acesso a seus direitos sexuais e direitos reprodutivos. Este é um panorama mais constrangedor para as mulheres e para os grupos LGBTTI. Outro aspecto importante é que a metodologia nos permitiu (re)pensar sobre o próprio dispositivo de pesquisa. Assim, consideramos que trabalhar a partir de uma perspectiva teórico-metodológica feminista pós-estrutural tenha facilitado as reflexões e os posicionamentos das/dos adolescentes/jovens como sujeitos responsáveis por sua sexualidade. Por este motivo, é importante seguir investindo em novas formas de fazer pesquisa que possam visibilizar a voz das/dos adolescentes/jovens, capazes de debater e exigir seus próprios direitos sexuais e direitos reprodutivos, de lutar contra as desigualdades que as/os atingem.
7

A película do desejo: a subversão das identidades queers no cinema de Pedro Almodóvar

Nepomuceno, Margarete Almeida 17 December 2010 (has links)
Made available in DSpace on 2015-05-14T13:27:00Z (GMT). No. of bitstreams: 1 arquivototal.pdf: 3942414 bytes, checksum: 7c5edfd1e32df9e56c08c164297750c9 (MD5) Previous issue date: 2010-12-17 / Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES / This thesis discusses Pedro Almodóvar s idea of cinema as a producer of new meanings and discursive practices concerning the identities, gender and sexuality. The objective is to reformulate old normative concepts about the biological conditions of the body as decisive factors directly associated to gender and sexuality, as well as its non-historical, permanent and immutable condition that influenced the modern discourses. From the theory of Queer and the theory of performance it was opened a proper space to visualize and debate the brand-new identity patterns that involve new interpretations of gender and sexuality in a continuous and complex way, the criticism on hegemonic, monolithic, naturalizing and essential identities. The queer identities redefine the social natural patterns and their normalizing processes in the constitution of the subject, proposing an understanding of the analysis that aims to question the natural concepts about gender and indicate that the gender in itself is a result of such discussions. The idea of cinema developed by Pedro Almodóvar intends to call attention to the subversion of such identities and the creative process that visualizes these mutable subjectivities, the introspective new technologies and the building of contemporary materialities and desires. / Esta tese argumenta a idéia do cinema de Pedro Almodóvar como produtor de novos significados e práticas discursivas a respeito de identidades, gêneros e sexualidades. O objetivo é desconstruir os conceitos normativos sobre a condição biológica dos corpos como fator determinante dos gêneros e sexualidades, bem como sua condição a-histórica, permanente e imutável que marcaram os discursos da modernidade. A partir da Teoria Queer e da Performance abre-se espaço para visibilizar e debater sobre os novos arranjos identitários que envolvem novas interpretações de gênero e sexualidades, estas mais fluxas e complexas, na crítica às identidades hegemônicas, monolíticas, naturalizantes, essencialistas. As identidades queers desestruturam as naturalizações do social e seus processos normalizadores na constituição dos sujeitos, propondo uma compreensão de análise que vai questionar a aparente naturalidade dos sexos, e indicar que é o próprio sexo um produto do dispositivo discurso de gênero. O cinema de Pedro Almodóvar vem então delatar a subversão destas identidades e seu processo criativo de visibilidade das subjetividades nômades, das novas tecnologias de si e das fabricações das corporeidades e do desejo na contemporaneidade.
8

Gênero/Sexo/Sexualidade: Representações e Práticas Elaboradas por Professoras/es da Educação Infantil na Rede Municipal de Ensino em Salvador

Miranda, Amanaiara Conceição de Santana 12 March 2014 (has links)
Submitted by Rangel Sousa Jamile Kelly (jamile.kelly@ufba.br) on 2016-03-10T17:26:23Z No. of bitstreams: 1 DISSERTAÇÃO VERSÃO FINAL.pdf: 3299553 bytes, checksum: 7a121084ad0e572db3f8154101d7e21c (MD5) / Approved for entry into archive by Uillis de Assis Santos (uillis.assis@ufba.br) on 2016-04-25T11:56:12Z (GMT) No. of bitstreams: 1 DISSERTAÇÃO VERSÃO FINAL.pdf: 3299553 bytes, checksum: 7a121084ad0e572db3f8154101d7e21c (MD5) / Made available in DSpace on 2016-04-25T11:56:12Z (GMT). No. of bitstreams: 1 DISSERTAÇÃO VERSÃO FINAL.pdf: 3299553 bytes, checksum: 7a121084ad0e572db3f8154101d7e21c (MD5) / A escola é um importante espaço de construção e reprodução de valores sociais, permeado por relações de poder que se estabelecem através dos códigos das práticas e dos símbolos, produzindo hierarquias entre os sujeitos que dela fazem parte. No que se refere a gênero/sexo/sexualidade, são perceptíveis as tensões existentes no cotidiano educacional acerca dessas temáticas, fato que tem sido objeto de vários estudos nacionais da área de Educação. No entanto, poucos são os estudos na área da Educação Infantil que realizam uma análise a partir da perspectiva de gênero/sexo/sexualidade. Investigações neste campo são necessárias para analisar como a prática pedagógica favorece ou não a assimetria de gênero e suas interseccionalidades em indivíduos que ainda estão no primeiro nível da educação básica. A abordagem metodológica é qualitativa para identificar e compreender as representações e práticas elaboradas por professoras/professores da Educação Infantil na rede pública municipal de ensino, em Salvador, acerca de gênero/sexo/sexualidade. Assim, a pesquisa para a coleta de dados utilizou dois instrumentos metodológicos: observação direta da prática docente, subsidiada pelas orientações de Vianna (2013) e a técnica do grupo focal, apoiada nas reflexões de Placco (2005). Para apreender as representações e práticas das professoras utilizou-se a Teoria das Representações Sociais (TRS), a partir dos estudos de Moscovici (2012) e Minayo (2010). Em relação às teorias feministas há destaque, em especial, na Teoria do Ponto de Vista baseada nos estudos de Harding (2002), Haraway (1995; 2004) e outros estudos de Jaggar (1997), Sardenberg (2002) e Andrade (2011). Na busca de fazer a leitura dos dados empíricos foram utilizados, além das/dos autoras/autores citadas/citados, os pensamentos das/dos teóricas/teóricos: Butler (1998; 2001; 2002; 2003), Felipe (1999; 2007), Scott (1995; 1999), Lima e Souza (2002; 2011), Miskolci (2012; 2009; 2007), Messeder (2009; 2012), Louro (2012; 2010; 2008; 2003; 1997), Foucault (1996; 2006), dentre outros. Os resultados sinalizam que as professoras demonstraram se basear em pressupostos teóricos e filosóficos específicos da Biologia, Psicologia e da Religião para pensar ou atuar na Educação Infantil com conteúdos referentes a gênero e sexualidade. O estudo observou ainda que o discurso docente quase sempre se desenvolve sob a ideia de que a criança é assexuada e heterossexual, sendo ignoradas interpelações das crianças que fogem da heteronormatividade. Por outro lado, é oportuno lembrar que as crianças não requisitam letras, números e cores, e, cotidianamente, nas escolas, nas creches e pré-escolas esses são os conteúdos que elas são induzidas a aprender.
9

Trajetória, permanência e afiliação de estudantes LGBTS na UFRB: a transformação do estigma em orgulho

SILVA, ELDER 18 April 2017 (has links)
Submitted by Elder Silva (elluanss@gmail.com) on 2017-06-01T14:32:39Z No. of bitstreams: 1 Depósito_DISSERTAÇÃO_ElderLuan_PPGEISU.pdf: 1988051 bytes, checksum: 307f11d5c0f0dd9c33475a8df0910a25 (MD5) / Approved for entry into archive by Patricia Barroso (pbarroso@ufba.br) on 2017-06-01T17:33:36Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Depósito_DISSERTAÇÃO_ElderLuan_PPGEISU.pdf: 1988051 bytes, checksum: 307f11d5c0f0dd9c33475a8df0910a25 (MD5) / Made available in DSpace on 2017-06-01T17:33:36Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Depósito_DISSERTAÇÃO_ElderLuan_PPGEISU.pdf: 1988051 bytes, checksum: 307f11d5c0f0dd9c33475a8df0910a25 (MD5) / FAPESB / O processo de democratização do ensino superior brasileiro, tem possibilitado uma maior diversificação das/dos estudantes universitárias/os, através de políticas que ampliaram o acesso, garantiram a reserva de vagas para estudantes oriundos de escola pública, pretos e pardos, e economicamente vulneráveis. Entretanto, a ampliação do acesso, não tem garantido a permanência desses estudantes com perfis que divergem, daquele que, historicamente se estabeleceu como ideal e natural de estudante universitários. O acesso desse novo público e a própria diversificação do espaço universitário tem gerado uma série de confrontos, entre eles, os de gênero e sexualidade. Para diversos pesquisadores, a exemplo de Amaral (2015), Nadir (2015) e Givigi e Oliveira (2013), a universidade é uma instituição que produz, reproduz e atualiza as desigualdades sociais e hierarquias de classe, raça, gênero, território, origem, sexualidade, entre outras, contribuindo para que muitos conflitos sociais encontrem em seu interior mecanismos de estabilização, como no caso da heterossexualidade, que assim como na escola, é estabelecida e estabilizada como única possibilidade legítima de expressão sexual e de gênero. A universidade está sendo compreendida, no contexto desse estudo, como uma instituição social, que reflete a estrutura e a forma de funcionamento da sociedade e que também produz as suas próprias estruturas, regras, normas, ordenamentos e valores de legitimidade internos a ela. A lógica de classificação social que naturaliza as diferenças e hierarquias e inferioriza e hostiliza certos grupos, a exemplo daqueles que se afastam dos requisitos da norma heterossexual e do binarismo de gênero, tem provocado instabilidades na permanência e no processo de afiliação de estudantes LGBTs. As questões de gênero e sexualidade, quando interseccionada com os marcadores de classe, raça e origem, tem acentuado o estranhamento em relação à universidade, interferido nas trajetórias formativas e na construção do sucesso e êxito acadêmico, como consequência de uma permanência qualificada. Este estudo teve como objetivo principal investigar a trajetória formativa e o processo de afiliação acadêmica e permanência qualificada no ensino superior de estudantes LGBTs na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Os participantes foram seis jovens, estudantes do Centro de Artes, Humanidades e Letras, vinculados aos cursos de Jornalismo, História, Serviço Social, Publicidade e Propaganda e Museologia. A abordagem ao tema foi qualitativa, e adotou-se a perspectiva da etnometodologia, ciência dos etnométodos, que tem como objetivo a busca empírica dos métodos utilizados pelos indivíduos para construir e dar sentindo as suas ações cotidianas. Para identificar as interlocutoras da pesquisa, realizei as Rodas de Saberes e Formação (RSF), e a partir da identificação foram realizadas entrevistas etnonarradas e escrita de etnodiários formativos. As entrevistas e as Rodas de Saberes e Formação foram realizadas no Centro de Artes, Humanidades e Letras, e o etnodiário foi utilizado para registro das atividades de campo, assim como dos aspectos observados no cotidiano da universidade. As estudantes revelaram suas trajetórias acadêmicas, seus processos de adaptação, as dificuldades encontradas, as resistências e as formas de auto-organização, descrevendo o raciocínio prático que envolve nos processos de decisão das estratégias utilizadas para permanecer e existir na universidade. A compreensão de universidade posta pelas estudantes, dão conta de um lugar que ao mesmo tempo que apresenta-se como um terreiro de diversidades, propício para a saída do armário, vivência e expressão das sexualidades e gêneros não-binários e normativos, é também um espaço marcado por práticas de silenciamento e invisibilização desses gêneros e sexualidades, em especial nos espaços formais de aprendizagem, a exemplo da sala de aula. As dificuldades encontradas na permanência não se limitam as questões de gênero e sexualidade e estão o tempo todo se interseccionando com seus outros marcadores de diferenciando, sendo convertidos, ora em opressões e violências, ora em privilégios e diversidade. Esse trabalho pretende falar da experiência LGBT no ensino superior na realidade específica vivenciada e elaborada pelas estudantes em questão, pode, mesmo assim, estimular discussões e debates em torno das políticas e práticas institucionais que podem e devem ser desenvolvidas para garantir a permanência qualificada e o êxito acadêmico de estudantes gays, lésbicas, travestis e transexuais que conseguirem acessar a universidade.
10

Erotismo e relações raciais no cinema brasileiro: a pornochanchada em perspectiva histórica

Nascimento, Jairo Carvalho do January 2015 (has links)
Submitted by PPGH null (poshisto@ufba.br) on 2017-06-20T13:21:26Z No. of bitstreams: 1 Tese Erotismo e relações raciais no cinema brasileiro (Jairo Carvalho).pdf: 17599859 bytes, checksum: 88bdb53df4da225f0eba6c60e5c030e1 (MD5) / Approved for entry into archive by Uillis de Assis Santos (uillis.assis@ufba.br) on 2017-06-27T23:46:24Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Tese Erotismo e relações raciais no cinema brasileiro (Jairo Carvalho).pdf: 17599859 bytes, checksum: 88bdb53df4da225f0eba6c60e5c030e1 (MD5) / Made available in DSpace on 2017-06-27T23:46:24Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Tese Erotismo e relações raciais no cinema brasileiro (Jairo Carvalho).pdf: 17599859 bytes, checksum: 88bdb53df4da225f0eba6c60e5c030e1 (MD5) / Esta tese tem por objetivo estudar as imagens e representações do negro, mulheres e homens, construídas em filmes da pornochanchada, por meio de cartazes e do conteúdo interno de suas histórias, analisando-as do ponto de vista da sexualidade e dos estereótipos raciais. O cinema é uma expressão artística que reflete os modos de ser, viver, pensar da sociedade. O espectador vê, se emociona, concorda com o ponto de vista de um filme ou dele discorda, sempre de acordo com a sua visão de mundo, sua ideologia. Aquilo que o filme mostra, aborda, portanto, é uma expressão dos valores de uma sociedade. É uma via de mão dupla: cinema e sociedade, sociedade e cinema, um alimentando o outro. Os filmes analisados situam-se entre os anos de 1973 e 1982, abarcando o momento de formação, consolidação e fim da pornochanchada, assuntos que serão abordados em capítulos específicos. Analisamos, ao todo, 15 pornochanchadas, sendo que, desse conjunto, 12 são as principais obras, objeto de pesquisa desta tese. A filmografia analisada é composta pelos seguintes filmes: Como é boa nossa empregada (1973), de Ismar Porto e Victor Di Mello; As granfinas e o camelô (1976), de Ismar Porto; Manicures a domicílio (1977), Carlo Mossy; A mulata que queria pecar (1977), de Victor Di Mello; As taradas atacam (1978), de Carlo Mossy; Bonitas e gostosas (1978), de Carlo Mossy; Histórias que nossas babás não contavam (1979), de Osvaldo de Oliveira; Uma cama para sete noivas (1979), de Raffaele Rossi; Delícias do sexo (1981), de Carlos Imperial; A menina e o estuprador (1982), de Conrado Sanches; Uma mulata para todos (1975), de Roberto Machado; Piranha de véu e grinalda (1982), de Roberto Machado. E mais três filmes secundários: As 1.001 posições do amor (1978), de Carlo Mossy; A gostosa da gafieira (1980), de Roberto Machado; e Giselle (1980), de Victor Di Mello. Tais filmes serão analisados em uma perspectiva histórica, em que procuraremos apresentar e discutir as representações e os estereótipos raciais que a comédia erótica construiu em relação ao negro, articulando arquétipos e categorias de tipos comuns com o pensamento e a concepção racial do povo brasileiro.

Page generated in 0.1112 seconds