• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 96
  • 1
  • Tagged with
  • 99
  • 45
  • 44
  • 26
  • 22
  • 17
  • 17
  • 17
  • 16
  • 16
  • 15
  • 14
  • 12
  • 11
  • 10
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
21

Estado menopáusico e síndrome metabólica em mulheres no climatério atendidas em um ambulatório no sul do Brasil

Mendes, Karina Giane 2012 (has links)
A síndrome metabólica (SM) é um transtorno complexo, caracterizado por um agrupamento de fatores de risco cardiovasculares. Sugere-se que a fase da transição menopáusica possa ser um determinante importante no aumento da prevalência da SM. Foi realizado um estudo transversal com 551 mulheres de 40 a 65 anos atendidas em um ambulatório no sul do Brasil, excluídas as mulheres histerectomizadas e que faziam terapia de reposição hormonal. No artigo de revisão, o objetivo foi avaliar, por meio de uma revisão sistemática, a prevalência de SM e dos seus componentes na transição menopáusica. Com base nos estudos analisados, a prevalência de SM aumenta na comparação do período da pré para a pós-menopausa, independente da população e do delineamento do estudo. As maiores prevalências de SM foram encontradas nos estudos transversais de base populacional, quando comparados aos estudos transversais realizados em ambulatório. Quanto aos componentes, a alteração foi mais expressiva nas medidas de circunferência da cintura (CC) e pressão arterial (PA). Sugere-se que esses componentes sejam os que exercem maior influência na prevalência de SM. No artigo original I, os objetivos foram conhecer a relação entre estado menopáusico e a presença de Síndrome Metabólica em mulheres de 40 a 65 anos, bem como descrever a distribuição de cada um dos componentes da Síndrome Metabólica segundo o estado menopáusico. A prevalência de Síndrome Metabólica na amostra foi de 56,1% (IC95% 51,9 a 60,2), sendo mais frequente entre as mulheres mais velhas (56 a 65 anos), com baixa escolaridade, menarca < 11 anos de idade, com 3 ou mais gestações e que estavam na pós-menopausa. Quanto à análise dos componentes isolados na amostra, os componentes alterados mais prevalentes foram: hipertensão arterial (84,8%; IC95%: 81,7 a 87,8), circunferência da cintura (66,4%; IC95%: 62,5 a 70,4) e HDLcolesterol (51,7%; IC95%: 47,5 a 55,9). Na análise multivariada, observou-se aumento das razões de prevalência, comparando perimenopausa e pós com a pré-menopausa; entretanto, os intervalos de confiança incluem a unidade. No artigo original II, o objetivo do estudo foi verificar a associação do índice LAP com características socioeconômicas, demográficas, reprodutivas e comportamentais, investigar sua relação com estado menopáusico e avaliar o LAP como rastreador de diabetes mellitus e síndrome metabólica. A síndrome metabólica foi avaliada conforme os critérios do NCEP-ATPIII (National Cholesterol Education Program’s Adult Treatment Panel III). As mulheres com glicose em jejum acima de 100mg/dl/presença de Diabetes Mellitus também foram avaliadas separadamente. A média do LAP foi de 61,31 cm.mmol/L (IC95% 59,9 a 64,7). Idade entre 56 e 65 anos, três ou mais gestações e ser ex-fumante mostraram-se positivamente associados ao aumento do LAP, mesmo após o ajuste nos modelos multivariados. A prevalência do LAP elevado (≥34,5 cm.mmol/L) foi de 71,3% (IC95%: 67,6 a 75,1). Mulheres com LAP elevado apresentaram probabilidade 4,6 vezes maior de desenvolver SM (IC95% 3,2 a 6,6) e 2,4 vezes maior de ter glicose elevada ou presença de DM (IC95% 1,6 a 7,4), quando comparadas às mulheres com LAP < 34,5 cm.mmol/L. Em conclusão, por meio deste estudo, foi possível evidenciar que, além da pressão arterial e da circunferência da cintura, a alteração na glicemia e nos triglicerídeos séricos exerce um papel importante no aumento da Síndrome Metabólica durante o climatério. Também foi possível observar que o LAP pode ser uma nova alternativa para predizer risco cardiometabólico, pois, além da medida da circunferência da cintura, inclui a medida dos triglicerídeos, que nas mulheres parece representar um risco aumentado para mortalidade cardiovascular, independentemente de outras frações lipídicas. Metabolic syndrome (MetS) is a complex disorder represented by a cluster of cardiovascular risk factors. Menopausal transition may be a key factor in the increase of prevalence of MetS.A cross-sectional study was conducted with 551 women from 40 to 65 years treated at a clinic in southern Brazil. Hysterectomized women and women who were submitted to hormone replacement therapy were excluded from the study. The review article aimed to evaluate, through a systematic review, the prevalence of MetS and its components in the menopausal transition. Based on the studies analyzed, the MetS prevalence increases when comparing pre- and post menopausal periods, regardless of the population and study design. The highest evidences were found in a population-based, cross-sectional study when compared to crosssectional studies performed at a clinic. Regarding to the components, the change was more significant for WC and BP measurements. It is suggested that these components may be those which have more influence on the prevalence of MetS. The original article I aimed to understand the relationship between menopausal status and the presence of Metabolic Syndrome in women from 40 to 65 years, as well as to describe the distribution of each component of Metabolic Syndrome according to menopausal status.. The prevalence of Metabolic Syndrome in the sample was 56.1% (CI95% 51.9 to 60.2), being more common among older women (56 to 65 years), with low education, menarche < 11 years old, with three or more pregnancies and in the postmenopausal period. Regarding the analysis of isolated components in the sample, the most prevalent altered components were: hypertension (84.8%; CI95%: 81.7 to 87.8), waist circumference (66.4%; CI95%: 62.5 to 70.4) and HDL cholesterol (51.7%; CI95%: 47.5 to 55.9). In multivariate analysis, there was an increase of prevalence ratios when comparing perimenopause and post-menopause with pre-menopause; however, the confidence intervals include the unit. The original article II aimed to verify the association of LAP index with socioeconomic, demographic, reproductive and quality of life characteristics, to investigate its relation with menopausal status, as well as to assess the LAP as a tracker of diabetes mellitus and metabolic syndrome. Metabolic syndrome was assessed according to NCEP-ATPIII’s (National Cholesterol Education Program's Adult Treatment Panel III) criteria. Women with fasting glucose above 100 mg/dl / presence of Diabetes Mellitus were also evaluated separately. LAP mean was 61.31 cm.mmol/L (CI95% 59.9 to 64.7). Ages from 56 to 65 years, three or more pregnancies and being former smoker was positively associated with increased LAP, even after adjustment in the multivariate models. The prevalence of high LAP (≥34.5 cm.mmol/L) was 71.3% (IC95%: 67.6 to 75.1). Women with high LAP had 4.6 times more likely to develop MetS (IC95% 3.2 to 6.6) and 2.4 times more likely to have high glucose or presence of DM (IC95% 1.6 to 7.4) compared with women with LAP <34.5 cm.mmol/L. Data from the present study demonstrate that, in addition to blood pressure and waist circumference, the change in blood glucose and serum triglycerides play an important role in increasing Metabolic Syndrome during climacteric. It was also possible to notice that LAP can be a new alternative to predict cardiometabolic risk, since besides the waist circumference measurement, it includes triglyceride measurement, which in women appears to represent an increased risk for cardiovascular mortality, regardless of other lipid fractions.
22

Fatores de risco cardiovascular em uma coorte de mulheres na menopausa no sul do Brasil

Colpani, Verônica 2015 (has links)
A menopausa é a fase da vida da mulher onde ocorre a cessação permanente da menstruação devido ao esgotamento de folículos viáveis. Este período, juntamente com o avançar da idade, aumentam os fatores de risco para doença cardiovascular (DCV). Um estilo de vida não saudável (sedentarismo, tabagismo, ingesta abusiva de álcool) e doenças como a obesidade e o Diabete Mellito podem interagir com as mudanças biológicas causadas pela menopausa, aumentando a morbidade e mortalidade. Apesar de estudos já terem verificado estas associações em coortes de mulheres europeias e norte americanas, poucos estudos brasileiros analisaram prospectivamente o papel de fatores de risco modificáveis e não modificáveis em mulheres no período da menopausa. Estes estudos, além de um período de seguimento de somente cinco anos, avaliaram populações mais idosas e não estratificaram por status menopáusico. O presente estudo de base populacional, realizado em uma coorte de mulheres na pré-, peri e pós-menopausa na cidade de Passo Fundo, Rio Grande do Sul, Brasil, teve como objetivos 1) comparar dois instrumentos de avaliação de nível de atividade física, Questionário Internacional de Atividade Física-versão curta (IPAQ-SF) e pedômetro em mulheres na menopausa 2) verificar o nível de atividade física através do pedômetro e seu efeito em fatores de risco para DCV em mulheres na menopausa, 3) analisar os fatores de risco para mortalidade nesta coorte de mulheres. O primeiro objetivo foi avaliado através um estudo transversal, aninhado a esta coorte de mulheres na menopausa no sul do Brasil. Foi observado que a concordância entre o pedômetro e o IPAQ-SF é baixa (k=0.0110; p=0.007), sendo que este último superestima o nível de atividade física em relação ao pedômetro. O segundo objetivo foi verificado através de um estudo transversal aninhado a mesma coorte e mostrou que caminhar mais de 6000 passos/dia está associado a um menor índice de massa corpórea (IMC) e adiposidade central, menor prevalência de síndrome metabólica e diabete mellito. O terceiro objetivo foi acessado através do um estudo longitudinal, com seguimento médio de 15 anos. Apesar do baixo número de eventos, a maior causa de mortalidade foi por DCV. O diabete mellito e a obesidade central foram associados a maior mortalidade total. Estes resultados, em conjunto, sugerem que alguns fatores de risco tradicionais como sedentarismo, maior consumo de bebida alcoólica e obesidade estão diretamente associadas a um pior perfil cardiovascular em mulheres na menopausa. Ainda, o diabete mellito em mulheres na menopausa está associado a um maior risco de mortalidade total. A aderência a um estilo de vida saudável, incluindo aqui a atividade física habitual, diminui fatores de risco cardiovascular e mortalidade, principalmente na pós-menopausa. Menopause is defined as a permanent cessation of menses resulting from loss of ovarian follicle activity. This period of life, together with aging, increase the risk factors for cardiovascular disease (CVD). An unhealthy lifestyle (inactivity, smoking habits, excessive alcohol intake) and diseases such as obesity and diabetes mellitus may interact with changes in biological processes caused by menopause increasing morbidity and mortality. Although some cohort studies have already analyzed this relationship in European and North American populations, few Brazilian studies have prospectively analyzed the role of cardiovascular modifiable and non-modifiable risk factors on cardiovascular events and mortality in menopausal women. These studies, besides a short follow up, also evaluated older population and did not stratified by menopausal status. This population-based cohort study, conducted in premenopausal, perimenopausal and postmenopausal women in Passo Fundo, Rio Grande do Sul, Brazil, aimed to 1) compare two methods of assessing physical activity: The International Physical Activity Questionnaire (IPAQ-short form) and pedometer in menopausal women; 2) evaluate pedometer-determined habitual physical activity, and its effect on CVD risk factors in menopausal women; 3) assess risk factors and causes for mortality in a cohort of menopausal women. A cross sectional study, nested in this cohort study in Southern Brazil, was performed to analyze the first goal. The agreement between pedometer and IPAQ-SF was weak (k = 0.0110, p = 0.007), while the latest overestimates the level of physical activity in relation to the former. The second goal was also examined with a cross-sectional design, nested in the same cohort. Our results have shown that women walking at least 6000 steps/day were associated with a lower risk profile for, metabolic syndrome, diabetes mellitus and CVD. The third goal was assessed through a longitudinal population-based study with a mean follow up of 13.4  3.3 years. Despite the low number of events, the major cause of mortality was from CVD. Diabetes mellitus and central adiposity were associated with increased all-cause mortality. Taken together these results suggest that traditional risk factors such as inactivity, excessive alcohol intake and obesity are associated with a worst cardiovascular risk profile in menopausal women. Diabetes mellitus in postmenopausal women is also associated with an increased risk of all-cause mortality. The adherence to a healthy lifestyle, including habitual physical activity, decreases cardiovascular risk factors and mortality, especially in postmenopausal women.
23

Frequencia e intensidade das ondas de calor em mulheres climatericas

Sa, Danielle Santos Bezerra 2005 (has links)
Orientador: Aarão Mendes Pinto-Neto Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciencias Medicas Made available in DSpace on 2018-08-05T02:33:36Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Sa_DanielleSantosBezerra_M.pdf: 631973 bytes, checksum: d00cc9befa0e4a7c01d9f61e6607b007 (MD5) Previous issue date: 2005 Resumo: Objetivo: identificar os fatores associados à ocorrência e intensidade das ondas de calor em mulheres climatéricas residentes em Campinas, São Paulo. Métodos: análise secundária de banco de dados de estudo descritivo de corte transversal, de base populacional. Foram selecionadas 456 mulheres por processo de amostragem, entre 45-60 anos de idade, no período de outubro de 1997 a janeiro de 1998. A análise da intensidade das ondas de calor foi realizada incluindo-se apenas as 334 mulheres que referiram esse sintoma, e mensurada através do cálculo do índice circulatório. Os dados foram coletados através de entrevistas domiciliares, com questionários estruturados e pré-testados, fornecidos pela Fundação Internacional de Saúde/Sociedade Internacional de Menopausa e Sociedade Norte-Americana de Menopausa e adaptados pelos autores. Avaliaram-se a idade, cor, escolaridade, estado marital, emprego, estrato social, região geográfica, idade à menarca, paridade, número de abortos, uso de métodos anticoncepcionais e terapia hormonal, antecedente de laqueadura tubária, índice de massa corpórea, estado menopausal, tempo de menopausa, antecedente de histerectomia, ooforectomia bilateral e tabagismo. Foram calculadas a média, mediana e as freqüências absolutas e relativas, de acordo com o tipo de variável. A medida de associação utilizada foi a razão de prevalência (RP). Foram realizadas as análises bivariada e de regressão múltipla, utilizando o processo de seleção passo a passo para identificação dos fatores associados à ocorrência e intensidade das ondas de calor, adotando-se intervalo de confiança de 95% (IC 95%). Resultados: Quando se avaliou a ocorrência de ondas de calor, a análise bivariada mostrou que mulheres na pós-menopausa (RP:1,42; IC95%:1,06-1,90) e histerectomizadas (RP:1,50; IC95%:1,05-2,14) apresentaram chance significativamente maior de referir ondas de calor. A análise de regressão múltipla não mostrou associação significativa entre a presença de ondas de calor e as variáveis avaliadas. Quando se avaliou a intensidade das ondas de calor, mulheres com tempo de menopausa superior a 61 meses (RP: 0,59; IC 95%:0,39-0,88) apresentaram chance significativamente menor de referir ondas de calor intensas, enquanto o antecedente de ooforectomia bilateral (RP: 1,95; IC 95%: 1,08-3,50) associou-se significativamente à intensidade das ondas de calor. Conclusões: Os resultados mostraram coerência com estudos internacionais, ou seja, ainda existem muitas dúvidas sobre quais fatores estariam realmente associados à ocorrência das ondas de calor. Os fatores associados às ondas de calor de maior intensidade, tempo de menopausa e ooforectomia bilateral sugerem o hipoestrogenismo como causa comum para as ondas de calor mais intensas. Mulheres com esses fatores devem ser alvo de atenção especializada, e mais estudos são necessários, visto que ainda existem dúvidas sobre quais fatores estariam realmente associados à ocorrência e intensidade das ondas de calor Abstract: Objective: to identify factors associated with the occurrence of hot flashes in climacteric women living in Campinas, São Paulo. Methods: secondary analysis of a data bank of a cross-sectional descriptive population-based study. The selection of 456 women aged 45-60 years was done through area cluster sampling, from October, 1997 to January, 1998. The analysis of the intensity of the hot flashes included 334 women who refered hot flashes and it was measured using the circulatory index. The data were collected via home interviews using a structured, pre-tested questionnaires provided by the International Health Foundation/International Menopause Society and by the North American Menopause Society and adapted by the authors. The variables analyzed were age, race, educational level, marital status, employment, social level, age of menarche, parity, number of abortions, use of contraceptive methods and hormonal therapy, tubal ligation, body mass index, menopausal status, time since menopause, hysterectomy, bilateral oophorectomy and cigarette smoking. The statistical analysis was performed by using the mean, median, absolute and relative frequencies according to the type of variable. The prevalence ratio (PR) was used to measure association. Bivariate analysis and multiple logistic regression using the stepwise selection process with a 95% confidence interval (95% CI) were used to identify the factors associated with the occurrence and intensity of hot flashes. Results: when the occurrence of hot flashes was evaluated, bivariate analysis showed that postmenopausal women (PR: 1.42, CI 95%: 1.06-1.90) and those who performed a hysterectomy (PR: 1.50, CI 95%: 1.05-2.14) had a significantly greater chance of presenting hot flashes. After applying multiple regression analysis, there was not a significantly association between hot flashes and the evaluated variables. When the intensity of hot flashes was evaluated, women with time since menopause over 61 months (PR: 0.59; IC 95%: 0.39-0.88) had a significantly lower chance of presenting intense hot flashes. The antecedent of bilateral oophorectomy (PR: 1.95; IC 95%: 1.08-3.50) was significantly associated with the intensity of hot flashes. Conclusion: The results were consistent with international studies. Many doubts still exist about which factors would be really associated with the occurrence of hot flashes. The factors associated with more intense hot flashes, time since menopause and bilateral oophorectomy, suggest hypoestrogenism as a common cause to hot flashes with greater intensity. Women with these factors should have a specialized care and more studies are necessary because still exist doubts about which factors would be really associated with hot flashes Mestrado Tocoginecologia Mestre em Tocoginecologia
24

Vivência de mulheres trabalhadoras em situação de climatério: uma compreensão fenomenológica

Soares, Glaucimara Riguete de Souza 2011 (has links)
Submitted by Fabiana Gonçalves Pinto (benf@ndc.uff.br) on 2015-12-04T13:06:50Z No. of bitstreams: 1 Glaucimara Riguete de Souza Soares.pdf: 1011213 bytes, checksum: 634bc0329c15a64c6c7fa9b3ba9441b1 (MD5) Made available in DSpace on 2015-12-04T13:06:50Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Glaucimara Riguete de Souza Soares.pdf: 1011213 bytes, checksum: 634bc0329c15a64c6c7fa9b3ba9441b1 (MD5) Previous issue date: 2011 Mestrado Acadêmico em Ciências do Cuidado em Saúde O objetivo do estudo foi compreender o significado que a mulher trabalhadora atribui à vivência do climatério. Foram depoentes dezoito professoras de um Colégio Estadual em Trajano de Moraes-RJ. Estudo descritivo e qualitativo, de abordagem fenomenológica à luz de Martin Heidegger, respeitou os princípios éticos de beneficência e não-maleficência. Construiu-se unidades de significado, compreensão vaga e mediana e hermenêutica. Na compreensão, a mulher que trabalha e vivencia o climatério sente calor intenso e repentino, irritação, sofre... muda hábitos/comportamentos... são coisas estranhas, que não sabe explicar, que a preocupa; refere experiências de sua mãe, irmã e outras mulheres do seu convívio social; compara ou diferencia do momento que vive; procura o médico para conversar, acompanhar, atenuar seu desconforto e saber se é preciso tratamento; aceita como parte da vida de toda mulher e enfrenta. Percebe as modificações trazidas pelo tempo, refere que já não consegue mais fazer as coisas como fazia. Preocupa-se mais com a vida e sente necessidade de mudanças; diz que trabalhar é satisfação e oportunidade de trocar idéias, de se sentir vitoriosa e livre; refere sobrecarga e incompreensão no cotidiano da casa e escola; revela que o companheiro influencia sua vida nas questões relativas ao trabalho, ao relacionamento e a liberdade; reflete sobre a fase que se encontra e vai vivendo aproveitando a vida e cuidando da própria saúde. Na hermenêutica, revelou que o climatério é fenômeno da natureza que encontra o ser mulher dentro do mundo e se mostra como coisa “dotada de valor”. A presença desta mulher é um sendo que se relaciona com o ser numa compreensão enraizada na cotidianidade e apenas existe encoberta nas coisas dotadas de valor, próprio do que é ôntico. A mulher trabalhadora no climatério expressou a vivência numa condição de ser simplesmente dado, pois manifestações nunca sentidas vieram ao encontro de seu mundo. No cotidiano pensaram que era parte da profissão, da vida. O mostrar-se do fenômeno revelou a impessoalidade da mulher. No mundo da ocupação, pensaram na possibilidade de poder conviver bem com as manifestações no cotidiano, mas a permanência do fenômeno sinalizou estranheza quando sentiram coisas difíceis de explicar. Ser-mulher-trabalhadora-no-climatério é ser-com cotidiano enraizado na co-presença, envolvida no falatório que determina o modo de ser. Na decadência do atendimento médico se lançam enquanto presença e se fragmentam em modos de ser-em. Lançadas percebem modificações trazidas pelo tempo e sentem o corpo diferente. O trabalho é a possibilidade de não estar-só e ser cura para os problemas. A família não compreende e o companheiro se revela na impessoalidade diante da mulher sendo co-presença no mundo da ocupação. Quando estas mulheres refletiram sobre a vida, se mostraram na condição de ser-aí-mulher-trabalhadora-no-climatério e decidiram viver pacientemente, cuidando da saúde com atenção. Assim, o fenômeno climatério precisa ser explorado de forma adequada pelas Políticas Públicas de Saúde e, conseqüentemente, pelos profissionais da saúde, inclusive enfermeiros das áreas de Saúde da Mulher e Saúde do Trabalhador na possibilidade de compreendê-lo nos diferentes modos de ser das mulheres. The aim of this study was to understand the meaning that a woman working gives the experience of menopause. Eighteen respondents were teachers of a State College in Trajano de Moraes-RJ. This descriptive and qualitative, phenomenological approach in the light of Martin Heidegger, complied with the ethical principles of beneficence and nonmaleficence. It was constructed units of meaning, understanding and vague median and hermeneutics. In understanding the woman who works and lives menopause feel sudden intense heat, irritation, suffers... change habits/behaviors... are strange things that can’t explain, the worries, concerns the experiences of his mother, sister and other women of her social life; compares or differs from the moment that, like the doctor to talk to monitor, mitigate his discomfort and whether need treatment, accepted as part of the life of every woman and faces. Perceive the changes brought by time, states that can no longer do things like I did. Is more concerned with life and feels the need to change, says that work is satisfaction and the opportunity to exchange ideas, feeling victorious and free, refers overload and misunderstanding in everyday home and school, reveals that the companion influences in your life issues relating to work, relationships and freedom, reflects on the state you are in and will enjoy life living and taking care of their health. In hermeneutics, revealed that menopause is a natural phenomenon that finds being a woman in the world and is seen as something "endowed with value." The presence of this woman is a being that relates to being an understanding rooted in everyday life and there is only hidden in things endowed with value, which is itself the ontic. Working women in menopause experience expressed in a condition to be simply given as manifestations never felt came to meet his world. In everyday thought it was part of the profession of life. The show revealed the impersonality of the phenomenon of women. In the world of occupation, thought about the possibility of being able to get along with the manifestations in everyday life, but the permanence of the phenomenon signaled surprise when they felt things hard to explain. Be-working-woman-to-be-climacteric is rooted in everyday life with co-presence, involved in the hype that determines the mode of being. In the decay of the medical care is cast as a fragment in the presence and modes of being-in. Launched perceive changes brought by time and feel the different body. The work is the possibility of not being alone and be-cure for the problems. The family does not understand and his companion is revealed in the impersonality of the woman before being co-presence of the occupation in the world. When these women reflected on life, proved the condition of being-there-working-woman-in-climacteric and decided to live patiently, taking care of health care facilities. Thus, the phenomenon of menopause should be explored adequately by the Public Health Policies and, consequently, by health professionals, including nurses in the areas of Women´s Health and Occupational Health in the ability to understand it in different ways of being women.
25

Associação entre climatério e indicadores nutricionais de obesidade em mulheres não usuárias de terapia de reposição hormonal

Lacerda, Marília Santana Sousa de 15 June 2016 (has links)
Made available in DSpace on 2016-08-19T17:37:08Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Dissertacao-MariliaSantanaSousaLacerda.pdf: 1160893 bytes, checksum: e04d087bb273199602de0c82ec4fe34b (MD5) Previous issue date: 2016-06-15 At the beginning of climacteric women experience progressive weight gain and metabolic complications and evolve with changes in the distribution of body fat deposits. The aim of this study was to investigate the association between menopause and nutritional indicators of obesity, adjusted for age, lifestyle and resistênncia insulin in nonusers women hormone replacement therapy. We conducted an analytical cross-sectional study in the period from August to December 2015, with 103 women attending the Climacteric Clinic of the University Hospital of Federal University of Maranhão and Clinical Research Center. It was applied to hum questionnaire containing sociodemographic variables, lifestyle and climacteric stage. Were assessed the nutritional indicators: body mass index, waist circumference, waist height and abdominal sagittal diameter. In addition to the biochemical blood glucose and fasting insulin markers, HOMA-IR, total cholesterol and fractions. We used Poisson regression model with robust variance to verify the association between menopause and anthropometric indicators of obesity. In this study, women in the postmenopausal age group had between 50 and 65 years (p <0.001), with more than 10 years of education (62.1%), income below the minimum wage (50.5%) and up to 3 children (68.9%). As for lifestyle 49.5% were classified as sedentary and most reported not drinking alcohol (72.8%) and smoking (95.1%). Observed higher percentages of WHtR (82.2% vs. 63.8%; p = 0.039) and triglycerides (48.9% vs. 22.4%; p = 0.005) higher compared with women in pre- menopause. There was no statistically significant difference for BMI and WC. In the analysis of nutritional indicators of obesity with climacteric adjusted for age, HOMA, physical activity, alcohol consumption and smoking, menopause was associated only with the WHtR model (PR = 1.15; p = 0.011) and HOMA-IR, with models IMC, CC, WHtR and SAD (PR = 1.51; 1.20; 1.22; 1.30, respectively;. p <0.001 was concluded that all models analyzed were associated with HOMA-IR . Only the model of WHtR was associated with perimenopause, demonstrating that this indicator has identified increased adiposity in the abdomen in postmenopausal women. No início do climatério as mulheres apresentam progressivo aumento de peso e evoluem com complicações metabólicas e alterações na distribuição dos depósitos de gordura corporal. O objetivo deste estudo foi investigar a associação entre o climatério e indicadores nutricionais de obesidade, em mulheres não usuárias de terapia de reposição hormonal. Realizou-se um estudo transversal analítico, no período de agosto a dezembro de 2015, com 103 mulheres atendidas no Ambulatório de Climatério do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão e no Centro de Pesquisa Clínica. Aplicou-se um questionário contendo variáveis sociodemográficas, estilo de vida e fase do climatério. Foram aferidos os indicadores nutricionais: índice de massa corporal, circunferência da cintura, relação cintura estatura e diâmetro abdominal sagital. Além dos marcadores bioquímicos glicemia e insulina de jejum, HOMA-IR, colesterol total e frações. Utilizou-se o modelo de regressão de Poisson com variância robusta para verificar a associação entre climatério e indicadores antropométricos de obesidade. Nesse estudo, as mulheres na pós-menopausa apresentaram faixa etária entre 50 e 65 anos (p<0,001), com mais de 10 anos de estudo (62,1%), renda inferior a um salário mínimo (50,5%) e com até 3 filhos (68,9%). Quanto ao estilo de vida 49,5% foram classificadas como sedentárias e a maioria referiu não consumir bebida alcoólica (72,8%) e não fumar (95,1%). Observou-se maiores percentuais de RCEst (82,2% vs 63,8%; p=0,039) e níveis de triglicerídeos (48,9% vs 22,4%; p=0,005) elevados quando comparadas com as mulheres na pré-menopausa. Não houve diferença estatisticamente significante para o IMC e a CC. Na análise dos indicadores nutricionais de obesidade com o climatério ajustada para idade, HOMA, atividade física, etilismo e tabagismo, o climatério apresentou associação apenas com o modelo da RCEst (RP= 1,15; p=0,011) e o HOMA-IR, com os modelos IMC, CC, RCEst e DAS (RP= 1,51; 1,20; 1,22; 1,30, respectivamente; p<0,001. Conclui-se que todos os modelos analisados apresentaram associação com o HOMA-IR. Apenas o modelo da RCEst apresentou associação com o climatério, demonstrando que este indicador identificou o aumento da adiposidade na região abdominal na pós-menopausa.
26

Associação de dados clínicos e métodos não invasivos na detecção de aterosclerose no climatério ASSOCIATION OF CLINICAL DATA AND NON INVASIVE METHODS IN DETECTION OF ATHEROSCLEROSIS IN THE CLIMACTERIC

Sousa, Surama Maria Bandeira de 21 November 2014 (has links)
Submitted by Rosivalda Pereira (mrs.pereira@ufma.br) on 2017-05-17T18:43:17Z No. of bitstreams: 1 SuramaSousa.pdf: 1969308 bytes, checksum: c138cabc7138f8f84f270091f116db73 (MD5) Made available in DSpace on 2017-05-17T18:43:17Z (GMT). No. of bitstreams: 1 SuramaSousa.pdf: 1969308 bytes, checksum: c138cabc7138f8f84f270091f116db73 (MD5) Previous issue date: 2014-11-21 Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (FAPEMA) Introduction: Cardiovascular disease is the leading cause of morbidity and mortality worldwide and in Brazil. Women from the climateric have increased cardiovascular risk and atherosclerosis. Evaluation methods of noninvasive atherosclerosis are important to detect early changes. Objectives: compare the methods intima-media thickness of the carotid, ankle brachial index, scores of risk stratification and Framingham Global Risk Score with coronary angiography for detection of atherosclerosis in the climacteric. Methods: A cross-sectional study with 51 climacteric women undergoing coronary angiography, the Hemodynamic Service of the University Hospital of Federal University of Maranhão, covering the period from January to December 2013. It was performed coronary angiography for medical evaluation and was considered normal, examination with obstructive lesion <29% of stenosis. We collected sociodemographic and health information, laboratory tests including ultrasensitive C-reactive protein, carotid ultrasound and ankle-brachial index were performed. We applied the Framingham risk score, score of overall risk, and we evaluated the presence of metabolic syndrome. The sample was divided into two groups by the presence or absence of coronary artery disease. We analyzed the data with the Fisher exact test or chi-square and Mann-Whitney or Test-t, with p <0.05%. Results: Thirty-five percent of participants had confirmed coronary artery disease. There was an association between coronary artery disease and ankle brachial index, p value = 0.004, there was no association between carotid intimal media thickness, C-reactive protein and metabolic syndrome with coronary artery disease. In the assessment by Framingham risk score were predominant findings in low-risk (94.12%) and average risk (5.88%), the overall risk score that included the aggravating risk factors ranked (72.55%) in high risk (21.57%) at average risk, and (5.88%) at low risk. Conclusion: In this population there was association between the change in ankle brachial index and the presence of coronary artery disease. Introdução: As doenças cardiovasculares são a principal causa de morbimortalidade no mundo e no Brasil. As mulheres, a partir do climatério, apresentam aumento do risco cardiovascular e aterosclerose. Os métodos de avaliação de aterosclerose não invasivos são importantes para detectar alterações precocemente. Objetivos: comparar os métodos espessura médio-intimal de carótidas, índice tornozelo braquial, escores de estratificação de risco de Framingham e Escore de risco Global com a cinecoronariografia na detecção de aterosclerose no climatério. Métodos: Estudo transversal analítico, com 51 mulheres no climatério submetidas à cinecoronariografia, no Serviço de hemodinâmica do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão, compreendendo o período de janeiro a dezembro de 2013. Realizou-se a cinecoronariografia por indicação médica e foi considerado normal o exame com lesão obstrutiva <29% de estenose. Coletou-se informações sociodemográficas e de saúde, realizou-se exames laboratoriais incluindo proteína C reativa ultrassensível, ultrassonografia de carótidas e índice tornozelo-braquial. Aplicou-se o escore de risco de Framingham, escore de risco global, e avaliou-se a presença de síndrome metabólica. Dividiu–se a amostra em dois grupos pela presença ou não de doença coronariana. Analisou-se os dados com o teste exato de Fisher ou qui quadrado e Mann-Whitney ou Test –t, com valor de p<0,05%. Resultados: Trinta e cinco por cento das participantes tiveram doença arterial coronariana confirmada. Houve associação entre doença arterial coronariana e o índice tornozelo braquial, p=0,004, não houve associação entre espessura média intimal de carótida, proteína C reativa e síndrome metabólica com doença arterial coronariana. Na avaliação pelo escore de risco de Framingham houve predomínio de conclusões em baixo risco (94,12%) e médio risco (5,88%), o escore risco global que incluiu os fatores agravantes de risco classificou (72,55 %) em alto risco, (21,57%) em médio risco, e (5,88%) em baixo risco. Conclusão: Na população estudada houve associação entre a alteração do índice tornozelo braquial e a presença de doença arterial coronariana.
27

Mulheres no climatério: nível de informações, ansiedade, depressão, qualidade de vida e resultados de uma intervenção psicológica Women in the climateric: level of informations, anxiety, depression, quality of life and results of a psychological intervention

Jaqueline Rodrigues da Cunha Netto 24 June 2002 (has links)
Em decorrência do aumento da expectativa de vida, um número cada vez maior de mulheres tem oportunidade de vivenciar o climatério e a menopausa. O climatério deve ser compreendido como evento biológico determinado pelo contexto sócio-cultural. Para muitas mulheres, em função da desinformação e de mitos, este período é visto negativamente. Este estudo teve como objetivos caracterizar um grupo de mulheres no climatério quanto ao nível de informações, ansiedade, depressão e qualidade de vida, e verificar os resultados de uma intervenção psicológica, sobre estes aspectos. Os sujeitos foram 45 mulheres com idades entre 45 e 60 anos, divididas em 6 grupos, pacientes do Ambulatório de Ginecologia do Centro Médico Social e Comunitário de Vila Lobato e do Centro de Saúde Escola Prof. Dr. Joel Domingos Machado da FMRP-USP. Foi desenvolvida uma intervenção psicológica, em contexto grupal, com o objetivo de informar sobre a síndrome do climatério, apoiar e preparar psicologicamente as pacientes. A intervenção consistiu em 12 encontros semanais com duração de 1:30 h cada. Visando facilitar a discussão e vivência dos temas propostos (definição de climatério e menopausa, sexualidade, envelhecimento, relacionamentos familiares e processo de envelhecimento), foram utilizadas técnicas de dinâmica de grupo. As participantes, ao início e ao final da intervenção, foram avaliadas quanto ao nível de informações, ansiedade, depressão e qualidade de vida. Os instrumentos utilizados foram: Inventário de Ansiedade Traço-Estado (IDATE), Inventário de depressão de Beck, Instrumento de Avaliação de Qualidade de Vida (WHOQOL-Bref) e um questionário, elaborado pelo pesquisador, sobre conhecimentos a respeito do climatério, menopausa, sexualidade, envelhecimento e hábitos de vida saudáveis. Na avaliação inicial do questionário de conhecimentos, as questões referentes ao climatério, menopausa e sexualidade apresentaram os maiores percentuais de respostas incorretas. Nas questões sobre envelhecimento, os resultados apontaram que a maioria das participantes acredita que a velhice é uma fase possível de ser vivida de maneira positiva. Esse dado é contraditório, quando comparado com o resultado da questão que considera a velhice como uma etapa com consequências apenas negativas. As participantes demonstraram conhecer os comportamentos que podem contribuir para uma vida mais saudável no climatério. Entretanto, a maioria delas relatou não praticá-los. A avaliação inicial apontou que quanto à ansiedade traço e estado, as mulheres avaliadas apresentaram resultados considerados normais quando comparados à padronização. Na avaliação inicial da depressão, as participantes apresentaram alterações no estado de humor (disforia). Em relação à qualidade de vida, na avaliação pré intervenção, os escores apresentados pelas participantes, quando comparados ao estudo normativo, mostraram-se reduzidos nos aspectos psicológicos e sociais. A comparação dos resultados das avaliações pré e pós intervenção mostrou que, no questionário de conhecimentos, houve aumento significativo no percentual de respostas adequadas, nas questões referentes à diferença entre climatério e menopausa, conceitos de climatério e menopausa, finalidade da terapia de reposição hormonal, beleza e sensualidade no climatério. A avaliação final apontou diminuição na média da ansiedade estado comparada à aplicação inicial, o que pode indicar uma contribuição da intervenção neste sentido. Quanto à depressão, a diminuição média dos escores mostra que, após a intervenção, as participantes enquadraram-se na categoria sem depressão. A partir destes resultados, conclui-se que intervenções visando informar e preparar as mulheres para vivenciar o climatério podem contribuir para melhorar a qualidade de vida. Because of the increase in life expectancy, an increasing number of women have the opportunity to experience the climacteric and menopause. The climacteric should be understood as a biological event determined by the sociocultural context . Because of lack of information and popular beliefs, many women have a negative vision of this period. The objective of the present study was to characterize a group of women in the climacteric in terms of extent of information, anxiety, depression and quality of life and to verify the results of a psychological intervention about these aspects. Forty-five women aged 45 to 60 years attended at the Gynecology Outpatient Clinic of the Medical Social and Community Center of Vila Lobato and at the Teaching Health Center Prof. Dr. Joel Domingos Machado, FMRP-USP, were divided into 6 groups. The intervention consisted of 12 weekly meetings lasting 1:30 h each. Group dynamics techniques were used in order to facilitate the discussion and experience of the proposed topics (definition of climacteric and menopause, sexuality, family relations, and aging process). The participants were evaluated at the beginning and at the end of the intervention in terms of level of information, anxiety, depression, and quality of life. The instruments used were the State-Trait Anxiety Inventory (STAI), Beck Depression Inventory, an Instrument for the Evaluation of the Quality of Life (WHOQOL-Bref), and a questionnaire elaborated by the investigator about knowledge concerning the climacteric, menopause, sexuality, aging, and healthy life habits. In the initial evaluation of the questionnaire, the questions referring to climacteric, menopause and sexuality presented the highest percentages of incorrect responses. The replies to the questions about aging indicated that most of the participants believed that old age is a phase of life that can be lived in a positive manner. This is a contradictory result when compared to the responses to the question that considers old age as a stage of life with only negative features. The participants showed that they were aware of the behaviors that can contribute to a healthier life during the climacteric. However, most of them reported that they did not practice these behaviors. The initial evaluation showed that the results obtained for the women studied were normal when compared to the reference standard with respect to state-trait anxiety. In the initial evaluation of depression, the participants showed changes in mood (dysphoria). With respect to quality of life, the scores obtained in the initial evaluation were found to be reduced in terms of psychological and social aspects when compared to normative studies. Comparison of the pre- and post-intervention evaluations showed that there was a significant increase in the percentage of adequate responses to the questions concerning the difference between climacteric and menopause, the purpose of hormonal replacement therapy, and beauty and sensuality during the climacteric. The final evaluation indicated a decrease in mean anxiety state compared to the initial evaluation, possibly indicating a contribution by the intervention. With respect to depression, the mean decrease in the scores showed that, after intervention, the participants fitted the category without depression. On the basis of these results, we conclude that interventions aiming at informing and preparing women about experiencing the climacteric can contribute to improving the quality of life.
28

"Saúde mental e climatério na perspectiva de mulheres profissionais de saúde" Mental health and the climateric in the perspective of professional women of health.

Eliana Faria de Angelice Biffi 15 August 2003 (has links)
Este estudo se propôs a interrogar o climatério na perspectiva de mulheres profissionais de saúde que estão vivendo este momento, com vistas a desvelar as facetas que expressam o significado do fenômeno climatério. Para tanto, utilizou-se a pesquisa qualitativa fundamentada na fenomenologia de acordo com o referencial teórico de Martins e Bicudo (1989).O acesso aos depoimentos das participantes deste trabalho, se deu mediante a seguinte questão: Como é para você vivenciar o climatério? Estes relatos foram analisados segundo os passos da investigação fenomenológica o que possibilitou a identificação de unidades de significados que sintetizadas em categorias, mostrou que para estas mulheres o climatério é um fenômeno... que: possibilita olhar para trás; significa perdas; transforma o corpo; afeta a auto-estima, impossibilita a procriação; se manifesta por sinais e sintomas; suscita repensar a sexualidade; pode influenciar na saúde mental. Analisando cada uma destas categorias e, sempre levando em consideração a minha perspectiva enquanto mulher e profissional de saúde foi possível desvelar novas facetas deste fenômeno, dessa forma pudemos observar por exemplo, que as participantes deste trabalho, mesmo possuindo conhecimento a respeito do tema, estão sozinhas em suas vivências isto possibilitou uma reflexão sobre a temática, e a ampliação dos horizontes para a assistência a mulher que vivência o climatério. This study if it considered to interrogate the climateric in the perspective of professional women of health who are living deeply this moment, with sights to other facets that they express the meaning of the climateric phenomenon. For in such a way, the fenomenológico method was used in accordance with the theoretical referential of Martins and Bicudo (1989). Thus the access to the depositions of the participants of this work, if gave by means of the following the question: As it is for you to live deeply the climatério. These stories had been analysed according to steps of the fenomenológica inquiry that made possible the identification of units of meanings that synthesised in categories, it showed that for these women who the climateric is a phenomenon... that: it makes possible to look at for; it means losses; it transforms the body; it affects the auto esteem; it disables the procreation; it manifest for signals and symptoms; it excites one to rethink of the sexuality; it can influence in the mental health. Analysing each one of these categories, and always taking in consideration my perspective while professional woman of health and the experience of the climateric, was allowed me to other new facets of this phenomenon of this form we could observe for example, that the participants of this work, exactly, possessing knowledge regarding the subject, are alone in its experiences.
29

"Estado nutricional e risco de doença cardiovascular de mulheres no climatério atendidas em um ambulatório da cidade de São Paulo" Nutritional status and cardiovascular risk assessment of climateric women attended on an out-patient clinic of São Paulo, Brazil.

Ana Paula França 27 June 2003 (has links)
Objetivo: Avaliar o estado nutricional e o risco de doença cardiovascular (DCV) de mulheres no climatério. Metodologia: Estudo transversal, cuja população foi composta por 200 mulheres de 35 a 65 anos, agrupadas de acordo com a fase do climatério: pré-menopausa (PRÉ), perimenopausa (PERI) e pós-menopausa (PÓS). As mulheres do grupo PÓS foram divididas em dois grupos: sem terapia de reposição hormonal (S/TRH) e com TRH oral por no mínimo 12 meses (C/TRH). O estado nutricional foi avaliado segundo o índice de massa corporal (IMC) e o percentual de gordura corporal (%GC); o risco de DCV foi avaliado segundo a relação cintura/quadril (RCQ). O nível de significância utilizado nas análises foi alfa=5%. Resultados: A prevalência de pré-obesidade + obesidade, segundo o IMC, foi 65,4% (PRÉ), 70,9% (PERI) e 67,4% (PÓS), porém não houve diferença significativa entre os grupos. Comparado ao grupo C/TRH, houve maior proporção de mulheres obesas no grupo S/TRH (p=0,04), 21,4% e 48,4%, respectivamente. O %GC revelou sobrepeso e obesidade em 50,7% (PRÉ), 66,7% (PERI) e 57,4% (PÓS); 67,7% (S/TRH) e 54,8% (C/TRH) – essas diferenças não foram estatisticamente significativas. O risco de DCV foi considerado alto e muito alto para a maioria das mulheres: 90,7% (PRÉ), 95,8% (PERI) e 84,1% (PÓS); 90,3% (S/TRH) e 76,2% (C/TRH) e não houve diferença estatística entre os grupos. Conclusão: Grande parte das mulheres apresentou alto risco de afecções relacionadas à obesidade, como a DCV, justificando a atenção à mulher no climatério para a prevenção das principais causas de mortalidade nesse grupo. Purpose: To evaluate the nutritional status and cardiovascular disease (CVD) risk of climacteric women. Methodology: Transversal study, composed by 200 women aged 35-65 years, grouped according to the climacteric stage: premenopause (PRE), perimenopause (PERI) and postmenopause (POS). The PÓS group was divided in two groups: with no hormonal replacement therapy (N/HRT) and with oral HRT for at least 12 months (W/HRT). The nutritional status was assessed by body mass index (BMI) and body fat percentage (BF%); the CVD risk was assessed by waist hip ratio (WHR). The significance level used for the analyses was alpha=5%. Results: According to BMI, the pre-obesity + obesity prevalences were 65,4% (PRÉ), 70,9% (PERI) e 67,4% (POS) and there was no significant difference among these groups. Compared with the group W/HRT, there was a higher rate (p=0,04) of obesity among women in the N/HRT group: 21,4% and 48,4%, respectively. The BF% showed overweight and obesity in 50,7% (PRE), 66,7% (PERI) and 57,4% (POS); 67,7% (N/TRH) and 54,8% (W/TRH), differences that were not statisticaly significant. In all groups there was a greater proportion of women considered with high and very high risk of CVD: 90,7% (PRE), 95,8% (PERI) and 84,1% (POS); 90,3% (N/TRH) and 76,2% (W/TRH) and the risk did not differ statisticaly among the groups. Conclusion: The majority of women had increased obesity-related and cardiovascular disease risk, emphasizing women´s health attention programms to the prevention of the leading mortality causes in this group.
30

Avaliação da função sexual durante a transição menopausal e pós-menopausa das mulheres participantes do PROSAPIN - Projeto de Saúde de Pindamonhangaba Evaluation of Sexual Function during the Transition Menopausal and Post-Menopausal Women Participants PROSAPIN - Health Project Pindamonhangaba

Erika Flauzino da Silva 22 April 2013 (has links)
Introdução: Durante a transição menopausal, as mulheres podem sofrer alterações na atividade sexual, devido à diminuição dos níveis plasmáticos de estrogênio e androgênio. Além disso, fatores como a idade, o tempo de relacionamento e o aumento de morbidades que causam diminuição do bemestar podem levar à redução da atividade sexual. Objetivo: Estimar a prevalência da disfunção sexual em mulheres no período da transição menopausal e pós-menopausa e identificar potenciais fatores de risco. Método: estudo transversal que incluiu 756 mulheres de 35 a 65 anos cadastradas na Saúde da Família de Pindamonhangaba. Para avaliar a função sexual, foi utilizado o Female Sexual Function Index (FSFI), questionário composto por 19 perguntas referentes às últimas quatro semanas, que abrange seis domínios: desejo, excitação, lubrificação, satisfação, orgasmo e dor. Foi realizado um modelo de regressão múltipla de Poisson, no programa Stata 11. Resultados: A prevalência de disfunção sexual foi de 57,7 por cento (IC95 por cento : 54,0 por cento 61,4 por cento). Quando consideradas apenas as mulheres sexualmente ativas, foi de 39,8 por cento (IC95 por cento : 35,4 por cento 44,2 por cento). A disfunção sexual associou-se positivamente a idade (p<0,001), ao estado civil (p<0,001), a religião (p=0,003), a depressão (p<0,001) e a diabetes (p=0,013). Dentre as mulheres sexualmente ativas, a disfunção sexual associou-se positivamente também com a idade (p<0,001), a depressão (p<0,001) além do uso de medicamento ansiolítico (p=0,011). Conclusão: Houve alta prevalência de disfunção sexual entre as mulheres participantes do PROSAPIN, e os fatores associados foram: idade, o estado civil, a religião, a depressão, diabetes e uso de medicamento ansiolítico Introduction: During the menopausal transition women may experience changes in sexual activity due to decreased plasma levels of estrogen and androgen. Beyond that, factors such as age, length of relationship and increased morbidities that cause decreased well-being can lead to reduced sexual activity. Objective: To estimate the prevalence of sexual dysfunction in women during the menopausal transition and postmenopausal women and to identify potential risk factors. Method: A cross-sectional study that included 756 women from 35 to 65 years indexed in the program Saúde da Família in Pindamonhangaba. To evaluate sexual function, we used the Female Sexual Function Index (FSFI) questionnaire consisting of 19 questions concerning the last four weeks, covering six domains: desire, arousal, lubrication, satisfaction, orgasm and pain. We performed a multiple regression model the Poisson in the Stata 11. Results: The prevalence of sexual dysfunction was 57.7 per cent (95 per cent CI: 54.0 per cent - 61.4 per cent). When considered only sexually active women, was 39.8 per cent (95 per cent CI: 35.4 per cent - 44.2 per cent). Sexual dysfunction was positively associated with age (p <0.001), marital status (p <0.001), religion (p = 0.003), depression (p <0.001) and diabetes (p = 0.013). Among sexually active women, sexual dysfunction also was positively associated with age (p <0.001), depression (p <0.001) and the use of anxiolytic medication (p = 0.011). Conclusion: there is a high prevalence of sexual dysfunction among women participants PROSAPIN, and associated factors were: age, marital status, religion, depression, diabetes and use of anxiolytic medication

Page generated in 0.0616 seconds