• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 43
  • 1
  • Tagged with
  • 44
  • 30
  • 27
  • 21
  • 13
  • 13
  • 12
  • 12
  • 8
  • 8
  • 7
  • 7
  • 6
  • 6
  • 6
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
31

Erros de dispensação de medicamentos em hospital universitário no Paraná / Medication dispensing errors in hospital university in Paraná

Maria de Almeida Rocha Rissato 14 May 2012 (has links)
Introdução - Os medicamentos contribuem de forma significativa para melhorar a qualidade de vida das pessoas, mas não são isentos de riscos. Os erros envolvendo medicamentos têm recebido atenção dos profissionais, das instituições e das autoridades sanitárias no mundo todo. Em hospitais, a farmácia é elo importante no complexo processo de utilização de medicamentos interligando várias ações desenvolvidas em diferentes setores. Sua estrutura física, recursos humanos e tecnológicos e sua organização são fundamentais na prevenção dos erros com medicamentos. Objetivo - Avaliar erros de dispensação de medicamentos em hospital e os fatores envolvidos. Métodos A pesquisa foi realizada em um hospital universitário no Paraná, utilizando-se de três estratégias. 1ª Foram conferidos, de acordo com a prescrição, os medicamentos dispensados pela farmácia para as clínicas médica e cirúrgica no período de 4 a 19 de janeiro de 2010. Os medicamentos analisados eram separados utilizando-se a cópia carbonada da prescrição e dispensados de forma individualizada por paciente ou coletiva, em embalagem plástica (caixas ou sacos), separados por horário de administração, para 24 horas de atendimento. 2 a - Foram entrevistados 19 funcionários da farmácia envolvidos no processo de dispensação sobre erros nesse processo. 3ª Foram avaliados dezenove relatos voluntários de erros de dispensação de medicamentos ocorridos no hospital, entre outubro de 2006 a janeiro de 2010. Resultados Foram analisadas 259 dispensações, 1.963 medicamentos e 4.099 doses. Durante a observação, houve 61 erros de dispensação em 48 prescrições. Os erros ocorreram em 3,2 por cento dos medicamentos e em 1,71 por cento das doses dispensadas. Os erros de dispensação mais freqüentes foram: omissão de medicamento prescrito (23 por cento ); dispensação de medicamento não prescrito (14,8 por cento ); medicamento dispensado na ausência de informação ou contendo informação duvidosa ou ilegível (14,8 por cento ); concentração incorreta (9,8 por cento ); horário incorreto (9,8 por cento ) e medicamento incorreto (6,6 por cento ). Os erros estiveram associados ao número de medicamentos por prescrição e 33 por cento dos erros envolveram medicamentos potencialmente perigosos. Nas entrevistas, foram relatados, como fatores contribuintes para a ocorrência de erros de dispensação, problemas relacionados à comunicação, como: legibilidade da grafia dos prescritores; prescrições ambíguas, incompletas ou confusas e similaridade dos nomes de medicamentos. Em relação às condições de trabalho destacaram-se: pouco tempo para dispensação, sobrecarga de trabalho, nível de ruído, interrupções e distrações. Quanto às questões pessoais, 50 por cento relataram falta de conhecimento sobre medicamentos, estresse e cansaço. Os tipos de erros e os fatores envolvidos foram similares aos de pesquisas semelhantes. Conclusões Os dados sugerem baixa frequencia de erros quando comparados a outros estudos nacionais, o que pode ter ocorrido pela organização do processo de dispensação, dividido em etapas (triagem da prescrição, fracionamento e reembalagem, separação e fechamento das embalagens). A conferência dos medicamentos pela enfermagem e a notificação voluntária mostraram-se importantes na identificação de erros de dispensação. A investigação das circunstâncias de ocorrência dos erros pode oferecer informações importantes para desenvolver estratégias de prevenção / Introduction - Drugs make a significant contribution to improving people\'s quality of life, but are not without risks. Errors involving medications have attracted attention of health professionals, institutions and authorities worldwide. In hospitals, the pharmacy is an important link in the complex drug use process, as it interconnects various actions carried out in different areas. Its physical structure, human and technological resources, and its organization are critical in drug error prevention. Objective - Evaluate drug dispensing errors in hospitals and the factors involved. Methods - The survey was conducted at a university hospital in the state of Paraná, using three strategies. 1 st - The drugs the pharmacies dispensed to the medical clinics and to surgery were compared to the prescriptions in the period ranging from January 4 to 19, 2010. The drugs under analysis were segregated using the carbon copy of the prescription and dispensed individually, per patient, or collectively, in plastic packaging (boxes or bags), separated by time of administration for 24 hours of care. 2 nd - Nineteen employees involved in the pharmacy dispensing process were interviewed concerning errors in this process. 3 rd - Nineteen voluntary reports of medication dispensing errors occurring in the hospital between October 2006 and January 2010 were evaluated. Results - 259 dispensations, 1,963 drugs and 4,099 doses were analyzed. During the observation period, there were 61 dispensing errors in 48 prescriptions. The errors occurred in 3.2 per cent of the drugs and in 1.71 per cent of doses dispensed. The most common dispensing errors were: omission of a prescribed drug (23 per cent ); dispensing of a drug that had not been prescribed (14.8 per cent ); drug dispensed in the absence of information or containing questionable or unreadable information (14.8 per cent ); improper concentration (9.8 per cent ); wrong time (9.8 per cent ); and wrong drug (6.6 per cent ). The errors were associated with the number of drugs per prescription, and 33 per cent of the errors involved potentially dangerous drugs. During the interviews, issues related to communications were reported as contributing factors to dispensing errors and included readability of the prescriber\'s spelling, ambiguous, incomplete, and confusing prescriptions, in addition to drug name similarity. Insofar as working conditions were concerned, the following matters stand out: little time for dispensing, work overload, noise levels, interruptions and distractions. As for personal issues, 50 per cent reported a lack of knowledge about drugs, stress and fatigue. The types of errors and the factors involved were similar to those of similar surveys. Conclusions - The data suggest a low frequency of errors when compared to other national studies, which may have occurred on account of the organization of the dispensing process, divided into steps (screening prescription, fractioning and repackaging, sorting and closing of packages). Drug checking by the nurses and voluntary reporting were important in identifying dispensing errors. The investigation of the circumstances under which errors occurred can provide important information to develop prevention strategies
32

Busca ativa de eventos adversos a medicamentos em recém-nascidos hospitalizados / Active surveillance of adverse drug events in hospitalized newborns

Sandra de Carvalho Fabretti 25 May 2016 (has links)
Introdução - Os recém-nascidos são considerados vulneráveis a eventos adversos a medicamentos pela imaturidade fisiológica, pela necessidade de se considerar as proporções corporais ao determinar dosagens de fármacos, pelas limitações práticas durante a administração medicamentosa e pela alta proporção de medicamentos utilizados para o seu tratamento quando em cuidados hospitalares. Além disso, a população de recém-nascidos geralmente não é incluída nos estudos clínicos de utilização de medicamentos. Neste contexto, a terapêutica farmacológica em recémnascidos termina na extrapolação das informações que levam à aprovação do registro de medicamentos para uso em adultos ou em crianças mais velhas. Apesar da relevância do tema, a identificação dos eventos adversos relacionados a medicamentos em hospitais ainda é realizada por meio da notificação voluntária. Estima-se que este método detecte apenas de 5 a 10 por cento dos eventos adversos por medicamentos ocorridos em uma instituição de cuidado à saúde. Uma ferramenta conhecida como trigger foi demonstrada como uma técnica mais efetiva em relação ao convencional sistema de notificação voluntária em pacientes hospitalizados. Um trigger é definido como um rastreador encontrado a partir da revisão de prontuários de pacientes, permitindo selecionar os registros nos prontuários os quais existe maior probabilidade de ter ocorrido um evento adverso a medicamento. Objetivo - Utilizar rastreadores para a identificação de eventos adversos a medicamentos (EAM) em recém-nascidos hospitalizados. Métodos Trata-se de um estudo de coorte prospectivo observacional. A pesquisa foi realizada no Hospital Universitário da Universidade de São Paulo, nas unidades de cuidados intermediários neonatal convencional e terapia intensiva neonatal, durante o período de março a setembro de 2015. Foram incluídos os recém-nascidos hospitalizados que utilizaram medicamentos durante a internação. Uma lista de rastreadores foi desenvolvida para ser utilizada na identificação de EAM nesta população. Os prontuários dos recémnascidos eram avaliados, a fim de detectar primeiramente a existência de um rastreador. Se o rastreador fosse encontrado, era registrado e seguia-se com uma revisão mais detalhada à procura de possíveis EAM relacionados. Os recém-nascidos foram acompanhados até a sua alta ou até completarem 29 dias de vida. O desempenho de cada um dos rastreadores para identificar EAM foi calculado. As frequências dos EAM foram determinadas. As características dos eventos adversos e dos medicamentos relacionados foram descritas. Resultados O estudo incluiu 125 recém-nascidos. Foram encontrados 925 rastreadores, que foram positivos 208 vezes para identificar suspeitas de eventos adversos a medicamentos e que corresponderam ao número final de 115 EAM. A taxa de rendimento geral dos rastreadores foi 22,5 por cento. A incidência geral de EAM foi 46,4 por cento (IC 37,6; 55,1). A taxa geral de EAM por 1000 pacientes-dia foi 81,6 (IC 67,4; 98,0). Os EAM mais frequentes foram: diarreia (29,6 por cento), vômito (23,5 por cento), hipersedação (7,0 por cento) e hiperglicemia (5,2 por cento). Os medicamentos mais frequentes associados aos EAM foram: antibióticos (39,4 por cento), analgésicos (13 por cento), vitaminas (12,5 por cento), cafeína (11,1 por cento) e psicolépticos (8,7 por cento). Entre os rastreadores de alto desempenho destacam-se: hipersedação, prescrição de metadona/lorazepam e prescrição de flumazenil. Estes rastreadores identificaram EAM relacionados aos analgésicos e psicolépticos, duas das classes terapêuticas mais implicadas em EAM neste estudo. Conclusões - Os EAM mais frequentes identificados pelos rastreadores foram: diarreia, vômito, hipersedação e hiperglicemia. Os medicamentos mais frequentes associados a EAM foram: antibióticos, analgésicos, vitaminas, cafeína e psicolépticos. A incidência geral de EAM de 46,4 por cento e a taxa de incidência foi 81,6 EAM por 1000 pacientes-dia. A busca ativa de EAM por rastreadores permite uma análise focada de elementos específicos nos prontuários de pacientes. Este tipo de pesquisa permite a identificação de um maior número de EAM que podem passar despercebidos em simples revisão de prontuários. / Introduction - Newborns are considered vulnerable to adverse drug events because of their physiological immaturity, to consider the body proportions to determine dosages of drugs, the practical limitations during drug administration and the high proportion of drugs used for their treatment while in hospital care. Furthermore, the population of newborns is usually not included in clinical trials for the approval of new drugs. In this context, drug therapy in children is based on extrapolation of information that lead to the approval of the drug for use in adults or in older children. Despite the relevance of the subject, the identification of adverse drug events in hospitals is still carried out through voluntary reporting. It is estimated that this method detects only 5 to 10 per cent of the adverse events occurred by medications in a health care institution. A tool known as \"trigger\" is shown as a superior method compared to the conventional voluntary reporting system in hospitalized patients. A \"trigger\" is defined as a \"flag\" found from the patient chart review, allowing to select the records in the charts that are most likely to have experienced an adverse drug event. Aim - Use triggers to identify adverse drug events (ADE) in hospitalized newborns. Methodology - This is an observational prospective cohort study. The study was conducted at the University Hospital of the University of São Paulo, in the neonatal conventional intermediate care unit and in the neonatal intensive care unit, from March to September 2015. Hospitalized newborns were included using medications during hospitalization. A trigger list was made to identify ADE in this population. The triggers on this list were actively sought in medical charts of newborns. If a trigger was found, it was registered and followed up with a more detailed search for potential ADEs that occurred. Newborns were followed until their discharge or until completing 29 days of life. The performance of each trigger to identify ADE was calculated. The frequencies of ADE were determined. The characteristics of adverse events and related drugs have been described. Results - The study included 125 newborns. 925 triggers were found, which were positive 208 times to identify suspected ADE. That corresponded to the final number of 115 ADE. The overall triggers rate was 22.5 per cent . The overall incidence of ADE was 46.4 per cent (CI 37.6; 55.1). The overall frequency of ADEs per 1,000 patient-days was 81.6 (CI 67.4; 98.0). The most common ADE were diarrhea (29.6 per cent), vomiting (23.5 per cent), oversedation (7.0 per cent) and hyperglycemia (5.2 per cent). The most common medications associated with ADEs were antibiotics (39.4 per cent), analgesics (13 per cent), vitamins (12.5 per cent), caffeine (11.1 per cent) and psycholeptics (8.7 per cent). Among the highperformance trigger, it stand out: \"oversedation,\" \"prescription of methadone / lorazepam\" and \"prescription of flumazenil.\" These triggers identified ADE related to analgesics and psycholeptics, two of the therapeutic classes more involved in ADE in this study. Conclusions Frequent EAM identified by triggers were diarrhea , vomiting, hyperglycemia and oversedation . The most common medications associated with ADE were antibiotics, analgesics, vitamins, caffeine and psycholeptics. The overall incidence of EAM 46.4 per cent and the incidence rate was 81.6 EAM per 1000 patient-days. The active search for ADE by triggers allows a focused review of specific elements in the patient records. This kind of search allows the identification of a greater number of ADE that could go unnoticed in simple review of medical records.
33

Efeitos do antimoniato de n-metilglucamina e sbv sobre parâmetros citotóxicos, genotóxicos e mutagênicos em cultura de leucócitos humanos

Lopez, Gabriela Tagliani 14 August 2015 (has links)
Submitted by Marcos Anselmo (marcos.anselmo@unipampa.edu.br) on 2016-09-21T18:53:49Z No. of bitstreams: 2 license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) GABRIELA TAGLIANI LOPEZ.pdf: 1929634 bytes, checksum: 65b59bcc7ee2dd96fa3d6a96b37b9882 (MD5) / Approved for entry into archive by Marcos Anselmo (marcos.anselmo@unipampa.edu.br) on 2016-09-21T18:54:04Z (GMT) No. of bitstreams: 2 license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) GABRIELA TAGLIANI LOPEZ.pdf: 1929634 bytes, checksum: 65b59bcc7ee2dd96fa3d6a96b37b9882 (MD5) / Made available in DSpace on 2016-09-21T18:54:04Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) GABRIELA TAGLIANI LOPEZ.pdf: 1929634 bytes, checksum: 65b59bcc7ee2dd96fa3d6a96b37b9882 (MD5) Previous issue date: 2015-08-14 / A leishmaniose é uma doença infecciosa que pode acometer a pele, as mucosas e os órgãos internos. Apesar desta doença atingir, anualmente, cerca de 1,5 milhão de pessoas em todo o mundo, ainda possui poucas alternativas terapêuticas. O fármaco recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para o tratamento das leishmanioses é o antimoniato de N-metilglucamina (Sb-AMG). O tratamento com esse fármaco pode induzir o indivíduo a um quadro de toxicidade, já que é derivado do antimônio (Sb), um metal encontrado livremente na crosta terrestre, principalmente sob a forma trivalente e pentavalente de oxidação. A forma trivalente mostrou-se clastogênica e com potencial cancerígeno tanto in vitro quanto in vivo. Dentro dessa problemática, estudos envolvendo o Sb-AMG são escassos, levando-se em consideração parâmetros genotóxicos. Este trabalho, portanto, teve como objetivo, avaliar comparativamente os efeitos de cinco diferentes concentrações (5-50 μg/mL) de Sb-AMG e de SbV sobre parâmetros citotóxicos, genotóxicos e mutagênicos em leucócitos humanos. Para os testes de citotoxicidade e genotoxicidade aplicamos a análise estatística de variância (ANOVA) de uma via e para os testes de mutagenicidade a ANOVA de duas vias. Entre as múltiplas comparações utilizamos o teste de Tukey e consideramos um resultado estatisticamente significativo quando p<0,05. Testes de proliferação celular, instabilidade cromossômica, teste do cometa alcalino e ensaio de quebra de fita dupla de DNA, demonstraram que ambas as formas de Sb testadas foram capazes de induzir alterações genotóxicas significativas, quando comparado ao controle negativo em, pelo menos, uma das concentrações ensaiadas. Os testes de viabilidade celular e micronúcleo foram utilizados para avaliar, respectivamente, a citotoxicidade e a mutagenicidade. Adicionalmente, foi avaliado o número de células apoptóticas e necróticas, bem como o índice de divisão nuclear citotóxico. Todos esses parâmetros demonstraram significantes alterações. De uma forma sem precedentes, o nível de Sb intracelular foi quantificado e relacionado com as diferentes concentrações de exposição e, a partir disso, nós sugerimos que o influxo de Sb ocorre de forma concentração dependente, mas com cinética de ordem zero. Tomando conjuntamente os dados obtidos, os resultados evidenciam claramente que o Sb-AMG possui efeitos citotóxicos, genotóxicos e mutagênicos em leucócitos humanos nas concentrações testadas. / Leishmaniasis is an infectious disease that can affect the skin, mucosa and internal organs. Although affecting about 1.5 million people each year, leishmaniasis has few therapeutic alternatives. N-methylglucamine antimoniate (Sb-GAM) is the drug of choice to treat leishmaniasis according to the World Health Organization. The treatment with this drug can induce the individual to a frame of toxicity, since it is derived from the antimony (Sb), a metal free found in the earth's crust, principally in the form trivalent and pentavalent oxidation. The trivalent form has clastogenic and carcinogenic potential both in vitro and in vivo. However, there are few genotoxic studies involving Sb-GAM. The main contribution of this study was to evaluate in vitro the cytotoxic, genotoxic and mutagenic parameters of five different concentrations (5, 10, 20, 40 and 50 μg/mL) of Sb-GAM and SbV in human leukocyte. For the cytotoxicity and genotoxicity tests we apply statistical one-way analysis of variance (ANOVA) and for mutagenicity tests the two-way ANOVA. Among the multiple comparisons we used the Tukey test and consider a statistically significant result when p <0.05. Cell proliferation, chromosomal instability, the alkaline comet assay and double- stranded DNA breaks assays, showed that both forms of Sb were genotoxic when compared to the negative control, at least, in one of the concentrations tested. Cell viability and micronucleus tests were used to evaluate, respectively, cytotoxicity and the mutagenicity. Additionally, there was assessed the number of apoptotic and necrotic cells, as well as nuclear division cytotoxicity index. All these parameters showed significant changes. In an unprecedented strategy, the intracellular Sb level was quantified and correlated with the different exposure concentrations and, from this, we could induce that the Sb inflow occurs in a concentration-dependent, but with a zero-order kinetics. Altogether, our results show clearly that Sb-GAM has cytotoxic, genotoxic and mutagenic effects on human leukocytes at the concentrations tested.
34

SIHSUS como fonte para o estudo de morbi-mortalidade por medicamentos no Estado do Rio de Janeiro / SIH SUS as a source for the study of morbidity and mortality for drugs in the State of Rio de Janeiro

Isabel Galdino da Silva 19 May 2009 (has links)
A despeito de suas limitações, os dados do SIHSUS são os mais sistemáticos e abrangentes sobre as Reações Adversas e Intoxicações a medicamentos que provocam hospitalização. Eles demonstram a importância das ações de educação e investigação de casos do Programa Nacional de Farmacovigilância para possibilitar o diagnóstico mais acurado e superação do quadro atual de ocorrência desses agravos, além da possibilidade de o SIH/SUS ser utilizado sistematicamente como fonte de dados na detecção e análise dos problemas relacionados a medicamentos. No período de 1999 a 2007, foram emitidas 6.670.609 AIH (tipo 1), entre as quais 3.611 foram classificadas como internações devidas a RAM e 4.675 como Intoxicações, correspondendo, respectivamente, às taxas médias de 5,41 casos por 104 AIH e 7,2 casos por 104 AIH. Ocorreram 137 óbitos (3,79% das AIH) por RAM e 207 (4,43% das AIH) por Intoxicações na população internada. Tanto as RAM como as Intoxicações tiveram menor chance de levar ao óbito quando comparados às outras causas. Uma característica da distribuição dos RAM foi concentrar 62% das AIH nas faixas etárias de 20 a 59 anos de idade (grupo adulto). Nas Intoxicações merece destaque a elevada proporção de AIH na faixa etária de 0-4 anos (14,29%). As AIH registradas com causas básicas relacionados a RAM foram principalmente de pacientes do sexo masculino, já as Intoxicações foram principalmente de pacientes do sexo feminino. Em ambos tipos de agravos estes pacientes foram internados em hospitais que não faziam parte da Rede de Hospitais Sentinelas do Programa Nacional de Farmacovigilância. No entanto, a probabilidade destes hospitais registrarem as AIH com códigos CID-10 referentes às RAM é maior, o que ocorre provavelmente por estarem mais capacitados em diagnosticar este tipo de agravo. Porém este fato não foi observado para as Intoxicações. Os fármacos que causaram os agravos estudados são psicoativos. Este estudo apresentou algumas evidências sobre a distribuição da morbi-mortalidade provocada por medicamentos entre pacientes internados em hospitais conveniados ao SUS no período de 1999-2007, baseadas nas informações das AIH, que podem ser úteis ao Programa de Farmacovigilância no Estado do Rio de Janeiro. / Despite its limitations, the data SIHSUS are the most systematic and comprehensive on Adverse Reactions and Drug Poisonings causing hospitalization. They demonstrate the importance of these actions and investigation of cases of National Pharmacovigilance Programme to enable the most accurate and overcoming the current frame of event occurrences diagnosis, beyond the possibility of SIH / SUS be systematically used as a data source in the detection and analysis of drug-related problems. In the period 1999-2007, were issued 6,670,609 AIH (type 1), among which 3,611 were classified as hospitalizations due to poisoning as RAM and 4675, corresponding, respectively, at average rates of 5.41 cases per 104 AIH and 7.2 cases per 104 AIH. There were 137 deaths (3.79% of AIH) by RAM and 207 (4.43% of AIH) by poisoning in hospitalized population. Both the RAM as poisoning were less likely to cause death when compared to other causes. A characteristic distribution of RAM was concentrating 62% of AIH in the age groups 20-59 years of age (adult group). In Poisoning deserves the high proportion of AIH aged 0-4 years (14.29%). The AIH registered root causes related ADRs were mostly male patients, since the poisoning were mainly female patients. In both types of injuries these patients were admitted to hospitals that were not part of the Network of Sentinel Hospitals of the National Pharmacovigilance Programme. However, the likelihood of these hospitals register the AIH with ICD-10 codes related to RAM is higher, which is probably because they are better able to diagnose this type of offense. However this was not observed for the poisoning. The drugs that caused the diseases studied are psychoactive. This study presented some evidence on the distribution of morbidity and mortality caused by drugs among patients admitted to the SUS hospitals during the period 1999-2007, based on the information of AIH, which may be useful to Pharmacovigilance Programme in the State of Rio de Janeiro .
35

Reações adversas a medicamentos: coorte de pacientes ortopédicos / Adverse drug reactions: cohort of orthopedic patients

Tathiana Silva de Souza Martins 08 September 2015 (has links)
Introdução: Reação Adversa a Medicamento (RAM) é qualquer resposta prejudicial ou indesejável e não intencional que ocorre com medicamentos em doses normalmente utilizadas no homem para profilaxia, diagnóstico, tratamento de doença ou para modificação de funções fisiológicas. Atualmente, representa uma das principais causas de morbidade e mortalidade na área da saúde. Objetivo: Analisar as reações adversas a medicamentos e fatores associados em pacientes ortopédicos tratados com antibióticos. Método: Coorte prospectiva conduzida com 273 pacientes ortopédicos internados no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia, Rio de Janeiro, Brasil. A coleta de dados ocorreu nos anos de 2012 e 2013, por meio de instrumento composto por variáveis demográficas-clínicas e terapia medicamentosa. Para identificação das RAMs realizou-se o monitoramento ativo, composto de: entrevista, análise de prontuários e exames laboratoriais. As RAMs consideradas graves foram analisadas por meio do formulário do Instituto Catalão de Farmacologia, Espanha. Na análise dos dados utilizaram-se os testes Mann-Whitney, Qui-Quadrado, exato de Fisher e regressão logística, com significância de p 0,05. Resultados: A incidência de RAM foi de 41%. O grupo com RAM apresentou maior média de idade (43,3; DP 10,9), tempo de internação (72,7; DP 40,9) e número de medicamentos concomitantes (13,2; DP 4,1). Os fatores associados foram número de medicamentos, uso de antimicobacteriano (OR 2,44; IC 1,3944,270) e carbapenêmicos (OR 2,38; IC 1,167 4,872). Identificaram-se 466 RAM, cuja maioria (67,1%) foi classificada como leve. No grupo de pacientes com RAMs graves identificaram-se leucopenia (46,6%), insuficiência renal aguda (40%) e hepatite medicamentosa (26,6%). Os antibióticos foram os principais medicamentos suspeitos de causar as RAMs graves (76,4%), sendo os mais frequentes (23,5%) formados pela tríade: amicacina + vancomicina + piperacilina com tazobactam. Conclusão: A incidência de RAM é maior quando se incorpora ao serviço de farmacovigilância a técnica de monitoramento contínuo dos pacientes hospitalizados e se utiliza a analise de exames laboratoriais como preditores para suspeitas de RAMs potencialmente graves / Introduction: Adverse Drug Reaction (ADR) is any noxious, undesired or unintended response which occurs in the use of normal dosages of drugs for prophylaxis, diagnosis, treatments or for modifying physiologic functions. Nowadays, ADR represents one of the main causes of morbidity and mortality in the health service area. Objective: To analyze the occurrence of adverse reaction to drugs and factors related to orthopedic patients treated with antibiotics. Method: The prospective cohort study was conducted in 273 orthopedic patients hospitalized at the Brazilian Institute of Traumatology and Orthopedics in Rio de Janeiro. The data collection was made during the years 2012 and 2013, using instruments composed by demographic-clinical variables and drug therapies. With the purpose of identifying occurrences of ADRs, during active monitoring, interviews were conducted, medical charts and exams were analyzed. In addition, the occurrence of ADRs considered harmful was analyzed by using a form provided by the Catalan Institute of Pharmacology, Spain. In the study of the data collected, was made use of Mann-Whitney tests, Chi-Squared test, Fishers exact test and logist regression, with p-value 0,05. Results: The occurrence of ADRs was of 41%. This group was composed by individuals with major age rage (43,3, SD 10,9), major time spent hospitalized (72,7; SD 40,9), and quantity of concurrent drugs used (13,2; SD 4,1). Also, the related factors were the number of drugs, the usage of Antimicobacterial agents (OR 2,44, CI 1,394-4,270) and Carbapenemases (OR 2,38; CI 1,167 4,872). During the study, there were identified 466 ADRs, and the majority (67,1%) was classified as low-grade. Additionally, in the group of patients with harm adverse reactions, it was possible to identify leukopenia (46,6%), acute kidney failure (40%) and drug-induced hepatitis (26,6%). The antibiotics were the main drugs suspected to be the cause of potentially harmful ADRs (76,4%), being the most frequent (23,5%) formed by the triad: amikacin + vancomycin + piperacillin-tazobactam. Conclusion: The occurrence of ADRs is higher when the practice of continuous monitoring of hospitalized patients is incorporated to the pharmacovigilance service, and the analyzes of lab exams are used as predictors for the suspicion of potentially harmful ADRs
36

Farmacovigilância no tratamento com peginterferon e ribavirina em pacientes com hepatite C crônica no serviço de hepatologia do Hospital Universitário de Aracaju-SE / PHARMACOVIGILANCE IN THE TREATMENT WITH PEGINTERFERON AND RIBAVIRIN IN PATIENTS WITH CHRONIC HEPATITIS C IN THE SERVICE OF HEPATOLOGY AT UNIVERSITY HOSPITAL IN ARACAJU-SE.

Nogueira, José Barreto Cruz 30 March 2011 (has links)
Hepatitis C is an infectious disease with an overall prevalence of 2.2% and Brazil 1.5%. Drug therapy consists of interferon α, peginterferon α and ribavirin. It is filled with aggressive treatment of adverse reactions, hence the importance of pharmacovigilance as an additional tool in monitoring the treatment and rational use of medicines. Thus, adverse reactions occurred in patients with chronic hepatitis C who were treated with peginterferon and ribavirin, were identified and quantified through a retrospective and observational study. The most prevalent reactions observed in 46 patients in the study, were: fatigue (84.8%), fever (82.6%), loss weight (80.4%), irritability (73.9%) and body pain (71.7%). Most reactions were classified as mild (95.1%), while like moderate, 4.5% and as serious, 0.4%. The adverse reactions caused the therapeutic management in 11 patients (23.9%) where it was, dose reduction for 7 patients (15.2%), temporary discontinuation of the treatment for 5 patients (10.9%) and permanent discontinuation for 3 patients (6.5%). Eleven potential drug interactions were identified in 9 patients (19.6 %), where the most frequent was among peginterferon α 2a and captopril (45.4%). Said that, it s noticed that the treatment for chronic hepatitis C is marked for many adverse reactions with variable severity, that may interfere on patient s quality of life or in compliance of the treatment and this may be exacerbated by potential drug interactions. Additionally we evaluated the pharmacovigilance system of the Hepatology service of the University Hospital of the Federal University of Sergipe of patients registered from January 2007 to July 2009. / A hepatite C é uma doença infecciosa, com prevalência global de 2,2% e no Brasil de 1,5%. A terapêutica medicamentosa é constituída pelo interferon α, peginterferon α e a ribavirina. É um tratamento agressivo repleto de reações adversas, daí a importância da farmacovigilância como ferramenta adicional no acompanhamento do tratamento e do uso racional dos medicamentos. Assim, Reações adversas ocorridas em pacientes com hepatite C crônica tratados com peginterferon e ribavirina foram identificadas, quantificadas e classificadas através de um estudo retrospectivo e observacional. As reações mais prevalentes observadas nos 46 pacientes do estudo foram: astenia (84,8%), febre (82,6%), perda de peso (80,4%), irritabilidade (73,9%) e dor no corpo (71,7%). A maior parte das reações foi classificada como leve (95,1%), enquanto que como moderada, 4,5% e como graves, 0,4%. As reações adversas acarretaram o remanejamento terapêutico de 9 pacientes (19,6%) nos quais houve, redução da dose para 7 (15,2%), interrupção temporária do tratamento para 5 (10,9%) e interrupção permanente para 3 pacientes (6,5%). Onze interações medicamentosas potenciais foram identificadas em 9 pacientes (19,6 %), nos quais a mais freqüente foi entre o peginterferon α 2a e o captopril (45,4%). Diante do exposto, observa-se que o tratamento para hepatite C crônica é marcado por várias reações adversas, de gravidade variável, que podem interferir na qualidade de vida do paciente ou no cumprimento do tratamento e que isto pode ser agravado pelas potenciais interações medicamentosas. Adicionalmente se avaliou o sistema de farmacovigilância do Ambulatório de Hepatologia do Hospital Universitário da Universidade Federal de Sergipe dos pacientes cadastrados de janeiro de 2007 a julho de 2009.
37

Eventos adversos a medicamentos em idosos de unidades de terapia intensiva / Adverse drug events in the elderly of intensive care units

Gomes, Vanessa Rossato 07 June 2017 (has links)
Introdução: Eventos adversos a medicamentos (EAM) representam um importante problema de saúde pública, sendo associados à morbimortalidade, maior taxa de permanência hospitalar e elevação de custos. Os idosos e os pacientes de unidade de terapia intensiva (UTI) são grupos de risco para a ocorrência desses eventos. O uso de rastreadores, que representam situações indicativas de potenciais EAM, simplifica a detecção de EAM por meio do screening sistemático de prontuários, possibilitando a mensuração da taxa dessas adversidades continuamente e permitindo avançar na prática de segurança do paciente crítico. Objetivo: Analisar os eventos adversos a medicamentos e fatores associados em pacientes idosos de UTI. Método: Coorte retrospectiva conduzida com idosos internados em UTI do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. A amostra consecutiva foi composta por prontuários de idosos, hospitalizados por no mínimo 24 horas para tratamento clínico ou cirúrgico e que tenham recebido pelo menos um medicamento. Os pacientes foram acompanhados da internação até a saída da UTI por alta ou óbito. Para a identificação dos EAM utilizou-se o instrumento do Institute for Healthcare Improvement (IHI) adaptado para a realidade local, que inclui rastreadores medicamentosos, bioquímicos e clínicos. Foram coletadas variáveis demográfico-clínicas, relativas ao regime terapêutico, exames laboratoriais, intervenções durante a internação e sinais/sintomas clínicos. A variável dependente foi a ocorrência de EAM. Os dados foram analisados por meio dos testes Qui-quadrado, Exato de Fisher, Correlação de Pearson e regressão logística multivariada, com significância de p0,05. Resultados: A incidência de pacientes com EAM foi 22,3% e o número de EAM por 100 pacientes foi 32,3, média de 1,4 EAM. A amostra foi composta predominantemente por homens (54,6%), idosos jovens (68,8%), internados para procedimentos clínicos (67,4%) e sujeitos a polifarmácia (70,6%). Sangramento (21,7%), injúria renal aguda (20%), hipotensão (18,3%), náusea/vômito (15%) e hipoglicemia (13,3%) foram os EAM mais frequentes. Identificou-se correlação positiva entre EAM e as variáveis comorbidades (r=0,189), tempo de internação (r=0,288) e número de medicamentos prescritos (r=0,282). Os fatores de risco para EAM em UTI foram ventilação mecânica (OR= 2,614; IC95% 1,393 4,906; p= 0,003), injúria renal aguda (OR= 3,794; IC95% 1,688 8,527; p=0,001) e diabetes mellitus (OR= 3,280; IC 95% 1,703 6,315; p= 0,000). Conclusão: A ocorrência dos EAM mostrou-se correlacionada positivamente com atributos que são muito característicos de idosos admitidos em UTI, aspecto que pode servir de alerta aos profissionais que realizam o monitoramento desses eventos. / Introduction: Adverse drug events (ADE) represent an important public health problem, being associated with morbidity and mortality, a higher hospital stay rate and higher costs. The elderly and intensive care patients (ICU) are at risk groups for the occurrence of these events. The use of trackers, which represent situations indicative of potential ADE, simplifies the detection of ADE through the systematic screening of medical records, making it possible to measure the rate of these adversities continuously and to advance in the practice of critical patient safety. Objective: To analyze adverse drug events and associated factors in elderly ICU patients. Method: Retrospective cohort conducted with elderly patients admitted to ICU at Hospital das Clínicas, Medical School, University of São Paulo. The consecutive sample consisted of records of the elderly, hospitalized for at least 24 hours for clinical or surgical treatment and who received at least one medication. Patients were followed up for ICU discharge or discharge. The Institute for Healthcare Improvement (IHI) instrument adapted to the local reality, which includes drug, biochemical and clinical trackers, was used to identify the ADE. Demographic and clinical variables related to the therapeutic regimen and laboratory tests, therapeutic interventions during hospitalization, clinical signs and symptoms were collected. The dependent variable was the occurrence of ADE. Data were analyzed using the Chi-square test, Fisher\'s exact test, Pearson\'s correlation and multivariate logistic regression, with significance of p0.05. Results: The incidence of ADE patients was 22.3% and the number of ADE per 100 patients was 32.3, a mean of 1.4 ADE. Men (54.6%), young adults (68.8%), hospitalized for clinical procedures (67.4%) and polypharmacy (70.6%). Bleeding (21.7%), acute renal injury (20%), hypotension (18.3%), nausea / vomiting (15%) and hypoglycaemia (13.3%) were the most frequent events. A positive correlation between EAM and comorbidities (r = 0.189), length of hospital stay (r = 0.288), and number of drugs prescribed (r=0.282) were identified. The risk factors for EAM in the ICU were mechanical ventilation (OR= 2,614; IC95%, 1,393 4,906; p= 0,003), acute renal injury (OR= 3,794; IC95% 1,688 8,527; p=0,001) and diabetes mellitus (OR= 3,280; IC 95% 1,703 6, 315; p= 0,000). Conclusion: The occurrence of ADE was positively correlated with attributes that are very characteristic of the elderly admitted to the ICU, an aspect that can serve as an alert to the professionals who perform the monitoring of these events.
38

Estudo da incidência e dos fatores de risco da nefrotoxicidade por vancomicina em um hospital terciário / Incidence and risk factors for vancomycin-associated nephrotoxicity in a tertiary hospital

Azevedo, Maria Fernanda Salomão de 31 August 2015 (has links)
Introdução: Vancomicina, considerada o antibiótico de primeira escolha para o tratamento de infecções estafilocócicas, é eliminada por filtração glomerular, e a sua administração deve ser individualizada de acordo com a função renal. As diretrizes atuais recomendam doses e níveis séricos maiores, para aumentar as chances de bons resultados clínicos. Questiona-se se esta estratégia causaria maior nefrotoxicidade. Objetivos: Comparar a frequência de injúria renal aguda (IRA) em pacientes com suspeita de infecção estafilocócica tratados com vancomicina ou com outros antimicrobianos com o mesmo perfil terapêutico em um hospital terciário. Analisar a associação do uso de vancomicina com o desenvolvimento de IRA nestes pacientes. Avaliar os fatores de risco associados ao desenvolvimento de IRA nos pacientes tratados com vancomicina. Identificar os fatores de risco associados à letalidade precoce e tardia nos pacientes com suspeita de infecção estafilocócica tratados com vancomicina ou outros antimicrobianos com o mesmo perfil terapêutico. Métodos: Foram analisados os prontuários dos pacientes com suspeita de infecção estafilocócica que receberam os antimicrobianos vancomicina, teicoplanina, oxacilina, daptomicina ou linezolida por pelo menos três dias nos anos de 2010 e 2011 em um hospital terciário. Analisou-se a frequência de IRA associada ao uso de vancomicina (critério KDIGO) e. por regressão logística, se o uso de vancomicina foi associado ao desenvolvimento de IRA. Avaliou-se por regressão logística os fatores de risco associados ao desenvolvimento de IRA no grupo de pacientes tratados com vancomicina. Analisou-se por regressão de Cox os fatores de risco para letalidades intra-hospitalar, seis meses e até um ano após a internação. Resultados: Foram incluídos 591 pacientes, dos quais 508 foram expostos à vancomicina e 83 foram expostos a teicoplanina, oxacilina, linezolida, ou daptomicina. IRA ocorreu em 28,5% dos pacientes que utilizaram vancomicina e em 14,5% dos que utilizaram outros antimicrobianos (p < 0,001). O grupo de pacientes tratados com vancomicina apresentou parâmetros sugestivos de maior gravidade, como maior frequência de culturas positivas para estafilococos, hipotensão grave, contagem de leucócitos em sangue periférico mais elevada e níveis séricos maiores de lactato, procalcitonina e PCR. Quando pacientes que desenvolveram IRA foram comparados com pacientes que mantiveram a função renal estável, observou-se que o uso de vancomicina, a duração do tratamento e nível sérico de vancomicina foram significativamente maiores entre os primeiros. Vancomicina foi identificada como fator independente para o desenvolvimento de IRA na regressão logística. Os fatores de riscos independentes para o desenvolvimento de IRA no grupo exposto à vancomicina foram uso de medicamentos nefrotóxicos ou que alteram a função renal, uso de medicamento vasopressor e concentração sérica de vancomicina >= 20 mg/L. Vancomicina não se associou a letalidade em nenhum dos períodos estudados, enquanto IRA se associou de forma independente à letalidade precoce e tardia. Conclusões: Estes resultados indicam que a vancomicina apresenta nefrotoxicidade significativa e que os seus níveis séricos devem ser obrigatoriamente avaliados. O uso de medicamentos nefrotóxicos ou que alteram a função renal deve ser, quando possível, evitado ou suspenso em pacientes tratados com vancomicina. O desenvolvimento de IRA, mas não o uso de vancomicina, foi fator independente para letalidade, reforçando que este antimicrobiano pode ser utilizado quando indicado, desde que se previna o desenvolvimento de IRA / Introduction: Vancomycin is considered the first choice antibiotic for treatment of staphylococcus infection. Vancomycin is eliminated through glomerular filtration, and so it is administration must be individualized according the renal function. Current treatment guidelines recommend higher doses and blood levels in order to increase the odds for an adequate clinical outcome. On the other hand, this strategy might cause higher vancomycin-associated nephrotoxicity. Objectives: To analyze the frequency of acute kidney injury (AKI) development in patients with suspicion of staphylococcus infection treated with vancomycin, or other antibiotics with the same therapeutic profile in a tertiary hospital. To analyze the association of vancomycin with AKI development in those patients. To analyze the risk factors for AKI development in vancomycin-treated patients. To identify the risk factors associated to early and late mortality in patients with suspicion of staphylococcus infection treated with vancomycin, or other antibiotics with the same therapeutic profile in a tertiary hospital.Methodology:We analyzed the files of all the patients with suspicion of staphylococcus infection treated with vancomycin, teicoplanin, oxacillin, daptomycin, or linezolid antibiotics for at least three days during the years of 2010 and 2011 in a tertiary hospital.The frequency of AKI development (KDIGO criteria) was assessed. Using logistic regression we assessed if vancomycin use was an independent risk factor for AKI development and the risk factors for AKI development in the group of patients treated with vancomycin. We assessed, using Cox regression, the risk factors for in-hospital, six months and one year after hospitalization mortality. Results: We included 591 patients in the final analysis, 508 using vancomycin and 83 using other antibiotics (teicoplanin, oxacillin, daptomycin, or linezolid). AKI developed in 28.5% of the vancomycin group compared with 14.5% in the other antibiotics group (p < 0.001). Patients treated with vancomycin showed parameters suggesting higher clinical severity, such as higher percent of staphylococcus positive cultures, severe hypotension, higher leukocytes blood count, higher serum levels of lactate, procalcitonin and CRP. When patients developing AKI were compared with patients maintaining preserved renal function, the first group showed a statistically significant higher frequency of vancomycin use, longer vancomycin treatment and higher vancomycin through levels. Using logistic regression vancomycin was identified as an independent risk factor for AKI development. The independent risk factors for AKI development in the vancomycin group were simultaneous use of vancomycin and other nephrotoxic drugs or drugs that influence renal function, vasopressor drugs use and blood levels of vancomycin >= 20 mg/L. Vancomycin was not associated with mortality in any studied time, whereas AKI was an independent risk factor for early and late mortality. Conclusions: These results indicate that vancomycin is associated with significative nephrotoxicity and that its blood levels must be mandatorily assessed. The use of drugs that are nephrotoxic or influence renal function must be, when feasible, avoided or halted in vancomycin-treated patients. AKI development, but not vancomycin use, was an independent risk factor for mortality, reinforcing the perception that vancomycin can be used when necessary, since AKI development is prevented
39

Busca de reações adversas a medicamentos em pacientes internados em Clínica Médica usando rastreadores / Surveillance of adverse drug reactions in internal medicine inpatients using triggers

Salazar, Diana Carolina Cortes 24 November 2016 (has links)
Introdução: As reações adversas a medicamentos (RAM) seguem constituindo um problema importante dentro do âmbito hospitalar. Na clínica médica, as reações adversas apresentam-se com alta frequência, pois os pacientes recebem maior número de medicamentos e apresentam maior número de comorbidades. Portanto, são necessárias abordagens que permitam a detecção precoce dos eventos, de maneira que possam ser propostas intervenções que minimizem o dano ao paciente. A busca ativa de rastreadores, sendo estes, resultados alterados de exames laboratoriais, administração de medicamentos específicos e certos acontecimentos, tem se mostrado aplicável e efetiva para o monitoramento das reações adversas a medicamentos. Objetivo: Identificar reações adversas a medicamentos na enfermaria da Clínica Médica de um hospital de nível secundário a partir de rastreadores. Métodos: Desenvolveu-se um estudo de coorte prospectiva na clínica médica do Hospital Universitário da Universidade de São Paulo, sendo utilizada uma lista de 34 rastreadores. Pacientes maiores de 15 anos que permaneceram no mínimo 24 horas na enfermaria foram aleatorizados para compor a amostra. Em cada caso, foram coletadas, de forma cronológica, informações relacionadas aos medicamentos administrados, resultados de exames laboratoriais e a evolução médica. Todos os prontuários foram discutidos por profissionais de saúde, sendo avaliada a causalidade e a gravidade. Realizou-se uma análise univariada comparando pacientes com e sem RAM. Adicionalmente estudou-se o desempenho dos rastreadores usados. Resultados: No período de agosto de 2015 até abril de 2016 foram monitorados 116 pacientes. Identificaram-se reações adversas a medicamentos em 37,9 por cento dos pacientes, sendo achadas 47 suspeitas de RAM em cada 1000 paciente-dia. Pacientes que apresentaram RAMs foram internados mais vezes em leitos classificados como alta-dependência, apresentaram maior duração da internação, maior número de medicamentos usados e menor grau de escolaridade. Em relação ao nível de gravidade, a maioria das suspeitas de RAM (49 eventos, 89,1 por cento ) foram classificadas como moderadas e afetaram o sistema gastrointestinal. Foram identificados 429 rastreadores. Os rastreadores que apresentaram melhor desempenho foram menção da hipotensão, diminuição de plaquetas maior que 50 por cento , administração de glicose hipertônica em 25 ou 50 por cento e suspensão abrupta da medicação. Conclusão: A aplicação prospectiva do método de rastreadores a uma coorte aberta de pacientes da clínica médica permitiu a identificação de suspeitas de reações adversas, a caracterização dos pacientes, as suspeitas, os medicamentos envolvidos e o desempenho dos rastreadores. / Introduction: Adverse drug reactions (ADRs) continues to represent a major problem at hospitals. In internal medicine wards, adverse drug reactions present high frequencies, as patients receive more medicines and have higher number of comorbidities. Therefore, approaches are needed that allow early detection of events, so, interventions could be proposed to minimize harm to patients. The active surveillance using triggers, which are, abnormal laboratory values, administration of specific drugs and certain events, has been proven applicable and effective for monitoring adverse drug reactions. Objective: To identify adverse drug reactions in the internal medicine ward of a secondary university hospital using triggers. Methods: a prospective cohort study was developed in the teaching hospital of the University of São Paulo, using a list of 34 sentinel words. Patients aged 15 years or more, who were hospitalized at least 24 hours, were randomized for the sample. For each case, information related to administered drugs, laboratory results and progress notes were collected chronologically. All charts were discussed by health professionals, assessing causality and severity. A univariate analysis was developed comparing patients with and without ADRs. Additionally, the performance of each trigger was studied. Results: In the period from August 2015 to April 2016, 116 patients were monitored. Adverse drug reactions were identified in 37.9 per cent of patients, presenting a rate of 47 suspected ADRs per 1,000 patient-days. Patients who experience ADRs were frequently classified as nursing high dependency, had longer length of stay, lower education level and used larger number of medicines. Regarding to severity, most of the suspected ADRs (49 cases, 89.1 per cent ) was classified as mild and affected the gastrointestinal system. 429 triggers were identified. Triggers with high performances were \"mention of hypotension\", \"platelets decrease greater than 50 per cent ,\" \"administration of dextrose 25 or 50 per cent \" and \"abrupt medication stop\". Conclusion: The prospective surveillance using triggers in an open cohort of internal medicine inpatients allowed the identification of adverse drug reactions and the characterization of patients, drugs involved and triggers.
40

Etnofarmácia na ilha de Cotijuba

MAIA, Fernando Luiz Costa 04 November 2010 (has links)
Submitted by Ricardo Camacho (rscamacho@ufpa.br) on 2018-04-12T15:44:47Z No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) Dissertacao_EtnofarmaciaIlhaCotijuba.pdf: 1489992 bytes, checksum: c71d7bf3327fec5ae3f9cdcda6da78b3 (MD5) / Approved for entry into archive by Ricardo Camacho (rscamacho@ufpa.br) on 2018-04-13T17:20:04Z (GMT) No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) Dissertacao_EtnofarmaciaIlhaCotijuba.pdf: 1489992 bytes, checksum: c71d7bf3327fec5ae3f9cdcda6da78b3 (MD5) / Made available in DSpace on 2018-04-13T17:20:04Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) Dissertacao_EtnofarmaciaIlhaCotijuba.pdf: 1489992 bytes, checksum: c71d7bf3327fec5ae3f9cdcda6da78b3 (MD5) Previous issue date: 2010-11-04 / O crescimento da utilização de plantas medicinais e remédios caseiros se dão por avanços tecnológicos evidentes e pela busca cada vez maior por terapias menos agressivas. Este trabalho objetiva refletir sobre a utilização segura e eficaz das plantas medicinais e remédios caseiros que representam alternativas reais a impossibilidade de acesso aos chamados medicamentos alopáticos sintéticos não disponíveis e, sobretudo, o papel que cumpri a assistência farmacêutica junto a essas populações no sentido de melhor compreender sua utilização como um traço cultural arraigado ao seu cotidiano, suas crenças e vivências. Discute a importância da Etnofarmácia, pois ela nos permite acessar um conhecimento milenar sobre plantas medicinais, conhecer as relações que se estabelecem entre povos ou grupos sociais com remédios caseiros. E ainda, como ela estabelece a necessária correlação entre o uso desses remédios caseiros e suas possíveis ocorrências de intoxicações e efeitos colaterais, na perspectiva de avançar a farmacovigilância. O levantamento etnofarmacêutico, junto aos usuários do SUS, na ilha de Cotijuba, se dá através de entrevistas semi- estruturadas, determinando-se o perfil nosológico do território, a partir da coleta de dados, seleção dos ACS, preparação dos entrevistadores e sistematização e análise dos dados. Durante o levantamento os usuários citaram cerca de 170 espécies vegetais usadas, para os mais diversos problemas. Dessas destaca-se 10 espécies, como sendo as mais citadas, de acordo com a frequência relativa de alegação de uso de cada espécie para um dado agravo (FRAPS). Com isso permitiu-se construir uma proposta de memento fitoterapêutico da ilha. O trabalho, por fim, discute a consolidação da PNPMF e PNPIC, bem como a necessidade da implementação da PEPMF, a importância da Comissão Interna de Farmácia e Fitoterapia e a possibilidade de se elaborar um plano de negócios para a ilha, em áreas degradadas ou em degradação. / The growing use of herbal and home remedies can take place through technological advances and the obvious growing search for less aggressive therapies. This paper reflects on the safe and effective herbal and home remedies that represent real alternatives to lack of access to so-called synthetic allopathic drugs are not available, and especially the role that compliance with pharmaceutical care to these populations in order to better understand its use as a cultural trait ingrained in their daily lives, beliefs and experiences. Discusses the importance of Etnopharmacy because it allows us to access ancient knowledge about medicinal plants, learning about the relationships that develop between people or social groups with home remedies. And yet, as it provides the necessary correlation between the use of home remedies and their possible intoxications and side effects, the prospect of moving to pharmacovigilance. The survey etnofarmacêutico, with users of SUS on the island of Cotijuba, takes place through semi-structured interviews, to determine the disease profile of territory, from the data collection, selection of ACS, and systematic preparation of interviewers and data analysis. During the survey the users cited about 170 plant species used for a variety of problems. Of these 10 species stands out as being the most cited, according to the relative frequency of alleged use of each species for a given offense (FRAPS). With this enabled it to build a proposed phytotherapeutic memento of the island. The paper finally discusses the consolidation of PNPMF and PNPIC as well as the need to implement the PEPMF, the importance of the Internal Commission of Pharmacy and Phytotherapy and the possibility of preparing a business plan for the island, on degraded or degradation.

Page generated in 0.0651 seconds