• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 4
  • 3
  • Tagged with
  • 7
  • 7
  • 7
  • 4
  • 4
  • 4
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Partial vaginismus : definition, symptoms and treatment /

Engman, Maria, January 2007 (has links)
Diss. (sammanfattning) Linköping : Linköpings universitet, 2007. / Härtill 5 uppsatser.
2

On conditions of Swedish women's sexual well-being : an epidemiological approach /

Öberg, Katarina, January 2005 (has links)
Diss. (sammanfattning) Uppsala : Uppsala universitet, 2005. / Härtill 4 uppsatser.
3

Sexual dysfunction and other distressful symptoms in cervical cancer survivors /

Bergmark, Karin, January 2002 (has links)
Diss. (sammanfattning) Stockholm : Karol. inst., 2002. / Härtill 6 uppsatser.
4

(Dis)função sexual, depressão e ansiedade em pacientes ginecológicas / Sexual dysfunction, depression, and anxiety in gynecological patients

Bárbara Braga de Lucena 05 July 2013 (has links)
Os objetivos do presente estudo foram: (1) avaliar a função sexual feminina e a presença de depressão e ansiedade; (2) verificar a associação entre disfunção sexual feminina (DSF), depressão e ansiedade e (3) identificar as variáveis relacionadas com os domínios: desejo, excitação, orgasmo e dor durante a relação sexual Participaram do estudo 110 pacientes saudáveis (idade: 18-61, média:38,5 anos) que aguardavam consulta ambulatorial de prevenção ginecológica no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP). A avaliação foi realizada com questionários específicos desenvolvidos para a pesquisa, juntamente com o Quociente Sexual Feminino (QS-F), Inventário Beck de Depressão (BDI-II) e Inventário Beck de Ansiedade (BAI). A análise das respostas mostrou que do total da amostra, 36 (32,7%) mulheres apresentavam inibição de desejo; 16 (14,5%), problemas de excitação; 35 (31,8%), dificuldades de orgasmo; 31 (28,2%) queixavam-se de dor durante a relação; e 39 (35,5%) atingiram pontuação inferior a 60 no QS-F, indicando DSF em geral. Depressão e ansiedade acometeram 26 (23,6%) e 37 (33,6%) pacientes, respectivamente. Os dados também revelaram uma relação significante entre DSF, depressão e ansiedade, além de identificar fatores de risco para os domínios sexuais. Diminuição do desejo sexual foi associada à depressão, ansiedade, escolaridade, incômodo com próprio o corpo, masturbação e educação sexual; problemas de excitação foram ligados à depressão, ansiedade, idade, escolaridade, incômodo com o próprio corpo, medo relacionado a sexo e educação sexual; orgasmo foi impactado por depressão, ansiedade, escolaridade, incômodo com o próprio corpo, medo relacionado a sexo, vergonha durante o ato sexual, masturbação e educação sexual; queixas de dor durante a relação sexual foram associadas à depressão, renda, escolaridade e educação sexual; por fim, fatores relevantes para a presença de DSF em geral foram depressão, ansiedade, escolaridade, incômodo com o próprio corpo, medo relacionado ao sexo, vergonha durante o ato sexual e educação sexual. Modelos de regressão foram utilizados para identificar as variáveis mais significantes para cada domínio da atividade sexaul. Com efeito, desejo sexual é inibido pela presença de depressão; o nível de excitação é negativamente impactado por depressão e pelo aumento da idade; a capacidade de atingir o orgasmo é reduzida pela baixa escolaridade, pela ansiedade e por medos relacionados ao sexo; e tanto dor durante o intercurso quanto DSF em geral estão diretamente ligadas à baixa escolaridade e à depressão. Conclui-se que inúmeras variáveis interferem na resposta sexual feminina, sendo depressão e ansiedade especialmente nocivas à função sexual. Ademais, enquanto depressão é mais prejudicial nas primeiras fases da resposta sexual (desejo e excitação), ansiedade influencia principalmente a fase de orgasmo. / The present work proposes to (1) assess female sexual functioning, depression, and anxiety; (2) verify the association between female sexual dysfunction (FSD), depression, and anxiety; and (3) identify the variables associated with the sexual domains: desire, arousal, orgasm, and pain during intercourse. A group of 110 healthy women (age: 18-61, mean: 38.5 years) among those waiting for gynecological routine consultations at the Clinics Hospital of the Faculty of Medicine of the University of São Paulo (HCFMUSP) was randomly selected for this research. The patients were asked to fill questionnaires specifically developed for this work and validated instruments, such as the Female Sexual Quotient (FSQ), the Beck Depression Inventory (BDI-II), and the Beck Anxiety Inventory (BAI). The analysis of the responses show that 36 (32.7%) women present sexual desire inhibitions; 16 (14.5%) have arousal problems; 35 (31.8%) have orgasm difficulties; 31 (28.2%) report pain during intercourse; and 39 (35.5%) exhibit overall FSD. Depression and anxiety are present in 26 (23.6%) and 37 (33.6%) patients respectively. The data also reveal a significant relation between FSD, depression, and anxiety, in addition to identifying risk factors for the sexual domains. More specifically, sexual desire inhibition is associated to depression, anxiety, education level, body issues, masturbation, and sexual education; arousal is connected to depression, anxiety, age, education level, body issues, sex-related fears, and sexual education; orgasm difficulties is related to depression, anxiety, education level, body issues, sex-related fears, sex-related shame, masturbation, and sexual education; pain during intercourse is associated with depression, monetary income, education level, and sex education; and finally, the factors relevant to overall FSD are depression, anxiety, education level, body issues, sex-related fears, sex-related shame, and sexual education. Regression models were then used to identify the most significant variables for each domain, resulting in sexual desire being inhibited by the presence of depression; excitation levels being impaired by low education levels and the increase of age; ability to achieve orgasm being hindered by low education levels, anxiety, and sex-related fears; and pain during intercourse and overall FSD increasing with lower education levels and depression. In conclusion, numerous variables influence female sexual response, depression and anxiety being especially detrimental to sexual functioning. What is more, while depression is more harmful in the early stages of sexual response (desire and arousal), anxiety is the main influence on the orgasm phase
5

Perfil da sexualidade e dos sintomas do trato urinário inferior em idosos não institucionalizados / Profile of sexuality and symptoms of lower urinary tract in non-institutionalized elderly

Khaled Ahmed Taha Neto 25 July 2016 (has links)
As disfunções urinárias ou sexuais do idoso são subnotificadas. Porém, são de alta prevalência e associadas a diversos prejuízos psicossociais. O presente estudo visa à identificação da prevalência dessas condições por meio de questionários. Utilizou-se o Androgen Deficiency in Aging Male (ADAM) para avaliação de função sexual do homem, questões sobre função sexual feminina e masculina e, o International Prostate Symptom Score (IPSS) para avaliação de função urinária masculina e feminina. Temos o objetivo de realizar uma investigação nos indivíduos não institucionalizados, acima de 60 anos de idade, para obtermos dados referentes à sua saúde sexual e urinária nas cidades: São Paulo, Campinas, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano e Londrina. Foram distribuídos cerca de 6000 questionários, sendo utilizados para estudo 3425, com 1575 homens e 1850 mulheres. Em relação ao ADAM, obtivemos 92,49% dos 1385 avaliados com suspeita de apresentarem distúrbio androgênico do envelhecimento masculino (DAEM). Quanto à função sexual masculina, evidenciamos que 383 (32,19%) apresentavam queixas eretivas, 458 (37,54%) de ejaculação precoce e 790 (59,13%) admitiram a necessidade de tratamento para melhorar o desempenho sexual. Quanto à função sexual feminina, 1300 (74,07%) não praticam relação sexual e os principais motivos foram: falta de parceiro, falta de desejo sexual e problema de saúde do parceiro. Além disso, 988 (78,41%) das mulheres que não têm relação sexual admitem estar bem assim e não querem sexo e mais importante: aproximadamente 21% dessas gostariam de ter relação sexual. Quanto à qualidade da relação sexual feminina, 272 (64,92%) acham a relação boa para ambos, 105 (25,06%) boa só para o parceiro e 33 (7,88%) ruim para ambos. Em relação ao IPSS masculino, observamos piora gradual no padrão miccional com o aumento da idade, dos sintomas moderados e graves, principalmente após os 75 anos, sendo os mais prevalentes: nictúria, urgência miccional e aumento da frequência urinária. Quanto ao IPSS feminino, notamos que, mesmo após os 80 anos, a maioria das mulheres (53,37%) apresenta sintomas leves relacionados à disfunção miccional; com o aumento da idade, ocorre um aumento gradual do resultado do IPSS, relacionado com os sintomas moderados e graves, sendo que o pico ocorre após os oitenta anos. Sendo assim, devido ao grande número de distúrbios sexuais e urinários encontrados, deixamos um alerta para que um maior número de medidas de Saúde Pública sejam implantadas, melhorando promover uma melhor qualidade de vida nessa população idosa / Urinary or sexual dysfunction in the elderly are underreported. However, are highly prevalent and associated with various psychosocial damage. This study aims to identify the prevalence of these conditions. We used the Androgen Deficiency in Aging Male (ADAM) to assess sexual function of men, questions of male and female sexual function, and the International Prostate Symptom Score (IPSS) for evaluation the urinary function. The aim is to carry out an investigation in non-institutionalized individuals over 60 years of age, to obtain data on its sexual and urinary health in: São Paulo, Campinas, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano and Londrina. They were distributed about 6,000 questionnaires being used to study 3425, with 1575 men and 1850 women. Compared to ADAM, obtained 92.49% of the 1385 evaluated suspected of presenting androgen disorder of aging male (ADAM). As for the male sexual function, we showed that 383 (32.19%) had erective complaints, 458 (37.54%) of premature ejaculation and 790 (59.13%) admitted the need for treatment to improve sexual performance. As for the female sexual function, 1300 (74.07%) did not practice sexual intercourse and the main reasons were: lack of partner, lack of sexual desire and partner health problem. In addition, 988 (78.41%) of women who haven\'t sexual intercourse admit to being like that and not want sex and, more importantly, about 21% of them would like to have sexual intercourse. As for the quality of the female sex, 272 (64.92%) think the relation is good for both, 105 (25.06%) only good for the partner and 33 (7.88%) bad for both. IPSS when compared to males, we see gradual worsening of urinary pattern with increasing age, related with the moderate and severe symptoms, especially after 75 years, being the most prevalents: nocturia, urinary urgency and urinary frequency. As for the female IPSS, we note that even after 80 years, the majority of women (53.37%) have mild symptoms related to voiding dysfunction; with increasing age there is a gradual increase in the result of the IPSS, associated with moderate and severe symptoms, where the peak occurs after the age of eighty. Thus, due to the large number of sexual and urinary disorders found, left a warning to a greater number of public health measures are implemented, improving promote a better quality of life in this elderly population
6

Perfil da sexualidade e dos sintomas do trato urinário inferior em idosos não institucionalizados / Profile of sexuality and symptoms of lower urinary tract in non-institutionalized elderly

Taha Neto, Khaled Ahmed 25 July 2016 (has links)
As disfunções urinárias ou sexuais do idoso são subnotificadas. Porém, são de alta prevalência e associadas a diversos prejuízos psicossociais. O presente estudo visa à identificação da prevalência dessas condições por meio de questionários. Utilizou-se o Androgen Deficiency in Aging Male (ADAM) para avaliação de função sexual do homem, questões sobre função sexual feminina e masculina e, o International Prostate Symptom Score (IPSS) para avaliação de função urinária masculina e feminina. Temos o objetivo de realizar uma investigação nos indivíduos não institucionalizados, acima de 60 anos de idade, para obtermos dados referentes à sua saúde sexual e urinária nas cidades: São Paulo, Campinas, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano e Londrina. Foram distribuídos cerca de 6000 questionários, sendo utilizados para estudo 3425, com 1575 homens e 1850 mulheres. Em relação ao ADAM, obtivemos 92,49% dos 1385 avaliados com suspeita de apresentarem distúrbio androgênico do envelhecimento masculino (DAEM). Quanto à função sexual masculina, evidenciamos que 383 (32,19%) apresentavam queixas eretivas, 458 (37,54%) de ejaculação precoce e 790 (59,13%) admitiram a necessidade de tratamento para melhorar o desempenho sexual. Quanto à função sexual feminina, 1300 (74,07%) não praticam relação sexual e os principais motivos foram: falta de parceiro, falta de desejo sexual e problema de saúde do parceiro. Além disso, 988 (78,41%) das mulheres que não têm relação sexual admitem estar bem assim e não querem sexo e mais importante: aproximadamente 21% dessas gostariam de ter relação sexual. Quanto à qualidade da relação sexual feminina, 272 (64,92%) acham a relação boa para ambos, 105 (25,06%) boa só para o parceiro e 33 (7,88%) ruim para ambos. Em relação ao IPSS masculino, observamos piora gradual no padrão miccional com o aumento da idade, dos sintomas moderados e graves, principalmente após os 75 anos, sendo os mais prevalentes: nictúria, urgência miccional e aumento da frequência urinária. Quanto ao IPSS feminino, notamos que, mesmo após os 80 anos, a maioria das mulheres (53,37%) apresenta sintomas leves relacionados à disfunção miccional; com o aumento da idade, ocorre um aumento gradual do resultado do IPSS, relacionado com os sintomas moderados e graves, sendo que o pico ocorre após os oitenta anos. Sendo assim, devido ao grande número de distúrbios sexuais e urinários encontrados, deixamos um alerta para que um maior número de medidas de Saúde Pública sejam implantadas, melhorando promover uma melhor qualidade de vida nessa população idosa / Urinary or sexual dysfunction in the elderly are underreported. However, are highly prevalent and associated with various psychosocial damage. This study aims to identify the prevalence of these conditions. We used the Androgen Deficiency in Aging Male (ADAM) to assess sexual function of men, questions of male and female sexual function, and the International Prostate Symptom Score (IPSS) for evaluation the urinary function. The aim is to carry out an investigation in non-institutionalized individuals over 60 years of age, to obtain data on its sexual and urinary health in: São Paulo, Campinas, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano and Londrina. They were distributed about 6,000 questionnaires being used to study 3425, with 1575 men and 1850 women. Compared to ADAM, obtained 92.49% of the 1385 evaluated suspected of presenting androgen disorder of aging male (ADAM). As for the male sexual function, we showed that 383 (32.19%) had erective complaints, 458 (37.54%) of premature ejaculation and 790 (59.13%) admitted the need for treatment to improve sexual performance. As for the female sexual function, 1300 (74.07%) did not practice sexual intercourse and the main reasons were: lack of partner, lack of sexual desire and partner health problem. In addition, 988 (78.41%) of women who haven\'t sexual intercourse admit to being like that and not want sex and, more importantly, about 21% of them would like to have sexual intercourse. As for the quality of the female sex, 272 (64.92%) think the relation is good for both, 105 (25.06%) only good for the partner and 33 (7.88%) bad for both. IPSS when compared to males, we see gradual worsening of urinary pattern with increasing age, related with the moderate and severe symptoms, especially after 75 years, being the most prevalents: nocturia, urinary urgency and urinary frequency. As for the female IPSS, we note that even after 80 years, the majority of women (53.37%) have mild symptoms related to voiding dysfunction; with increasing age there is a gradual increase in the result of the IPSS, associated with moderate and severe symptoms, where the peak occurs after the age of eighty. Thus, due to the large number of sexual and urinary disorders found, left a warning to a greater number of public health measures are implemented, improving promote a better quality of life in this elderly population
7

A relação entre a experiência de abuso sexual na infância e queixas de dor pélvica crônica e disfunção sexual masculina / The relationship between childhood sexual abuse experience and complaints of chronic pelvic pain and male\'s with sexual dysfunction

Pap, Amanda Diogo 15 April 2019 (has links)
INTRODUÇÃO: Estudos realizados com mulheres apontam para a importância de se fazer uma avaliação de ocorrência de abuso sexual infantil em pacientes com disfunções sexuais e dor pélvica crônica, pois o histórico de abuso aumenta o risco de apresentarem problemas sexuais na vida adulta. O Abuso sexual infantil é um fenômeno universal que atinge todas as idades, classes sociais e culturas. No Brasil é a segundo maior tipo de violência entre crianças de 0 a 9 anos. Diferentemente de mulheres, há poucos estudos relacionam a experiência de abuso sexual infantil e o desenvolvimento de queixas urológicas que afetem a função sexual masculina. OBJETIVO: Avaliar a relação entre a experiência de abuso sexual na infância e as queixas de dor pélvica crônica (DPC), disfunção erétil (DE) e/ou ejaculação precoce (EP). MÉTODO: Trata-se de um estudo cross-section. A amostra foi composta por oitenta homens, entre 30 e 59 anos, pacientes da Divisão de Clínica Urológica do Hospital das Clínicas, que apresentavam EP, DE e/ou DPC. Os dados foram coletados por um ano. O antecedente de abuso sexual na infância foi avaliado por meio do questionário de Childhood Sexual Experiences Questionnai, traduzido e testado para uso na pesquisa. Também foi avaliado o tipo de abuso, pessoas envolvidas, idade de inicio e tempo de duração do abuso, opção sexual, estado civil e fatores de risco (cardiopatia, hipertensão, diabetes e doenças psiquiáticas) para EP, DE e DPC. Na análise estatística o teste de Qui Quadrado foi utilizado para avaliar as variáveis categóricas e o GLM univariado para avaliar as variáveis contínuas, representadas por média ± desvio padrão. Os dados contínuos foram representados em frequência absoluta e percentual (%). RESULTADOS: A amostra se caracterizou por homens predominantemente heterossexuais e em união estável. A média de idade foi de 50,2 anos. O grupo com DE apresentou maior índice de diabetes comparado com os demais. Não houve diferença significativa entre os grupos em relação à hipertensão, cardiopatia e transtornos psiquiátricos. Não houve diferença entre os grupos quanta a prevalência de abuso. 10% do total da amostra relatam ter sofrido abuso com ou tentativa de penetração A média de idade do inicio do abuso foi de 9,6 anos. A maioria dos abusos durou mais de um ano sendo que em todos os episódios a pessoa envolvida era conhecida da criança. CONCLUSÃO: A alta prevalência de abuso sexual infantil na amostra revela um problema na notificação dos casos ocorridos com o gênero masculino, pelo estigma do abuso com meninos, conceito restrito de abuso (focados em casos graves), despreparo dos profissionais de saúde e educação em identificar os casos. A literatura indica maiores taxas de abuso com a população feminina, mesmo comparado com estes dados a prevalência de violência sexual infantil é maior nesta pesquisa, reforçando a hipótese de que o antecedente de violência sexual é um fator de risco para o desenvolvimento de problemas de saúde que afetam a sexualidade masculina / INTRODUCTION: Child sexual abuse is a universal phenomenon that affects all ages, social classes and cultures. In Brazil it is the second largest type of violence among children from 0 to 9 years old. Many studies point to the importance of evaluating the ocurrence of child sexual abuse in patients with sexual disfunctions and chronic pelvic pain, since the history of abuse increases the risc of presenting sexual problems in the adult life. Unlinke women, there are few studies that relate the experience of child sexual abuse and the development of utological complaints the affect male sexual function. OBJECTIVE: To evaluate the relationship of sexual abuse experience in childhood and chronic pelvic pain (CPP), erectile dysfunction (ED) and premature ejaculation (PE). METHOD: This is a cross sectional study. The sample consisted of eighty men, between 30 and 59 years old, patients of the Urological Clinic Dividion of the Hospital das Clínicas in São Paulo, Brazil. The patients presented chronic pelvic pain, erectile dysfunction and or premature ejaculation. Data were collected during one year. The history of childhood sexual abuse was assessed using the Childhood Sexual Experience Questionnaire, translated and tested for use in research. The type of abuse, people involved, age of onset and duration of abuse, sexual choice, marital status and risk factors (heart disease, hypertension, diabetes and psychiatric diseases) were also evaluated. Chi Square test was used to evaluate the categorical variables and univariate GLM to evaluate the continuous variables, represented by mean ± standard deviation. The continuous data were represented in absolute frequency and percentage (%). RESULTS: The sample was characterized by predominantly married and heterossexual men wich mean age of 50.2 years. The ED group presented a higher diabetes index compared to the CPP and PE groups. There were no statistical difference between groups in prevalence of abuse. The mean age at onset of abuse was 9.6 years. Most of the abuses lasted more than a year and in all episodes the person involved was known to the child. COCLUSION: The high prevalence of child sexual abuse in the sample reveals a problem in the notification of cases with the male gender. The stigma of child abuse, restricted concept of abuse (focused on serious cases), unprepared health professional in identify the cases. The literature indicates higher rates of abuse with the famale population. Even compared to these data, the prevalence of child sexual violence is higher in this research, reinforcing the hypothesis that the antecedente of sexual violence is a risk fator for the development of health problems which affect male sexuality

Page generated in 0.1456 seconds