• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 14
  • 2
  • 1
  • Tagged with
  • 17
  • 17
  • 17
  • 17
  • 16
  • 13
  • 13
  • 13
  • 7
  • 6
  • 6
  • 5
  • 5
  • 5
  • 5
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Medição minimamente invasiva da pressão vesical no homem : instrumentação e aplicação clínica / Minimally invasive measurement of vesical pressure in men : instrumentation and clinical application

Almeida, João Carlos Martins de, 1987- 26 August 2018 (has links)
Orientador: José Wilson Magalhães Bassani / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação / Made available in DSpace on 2018-08-26T12:41:31Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Almeida_JoaoCarlosMartinsde_M.pdf: 13918269 bytes, checksum: 78378428b79af0919ecab395a454bf98 (MD5) Previous issue date: 2014 / Resumo: O estudo urodinâmico tem importante papel na determinação da necessidade de pacientes portadores de sintomas do trato urinário inferior (STUI) se submeterem à cirurgia da próstata. O estudo pressão-fluxo pode contribuir muito para a quantificação dos STUI, porém é invasivo, demorado e de custo elevado. Métodos alternativos têm sido desenvolvidos procurando minimizar o procedimento invasivo necessário para medição da pressão vesical. Um método alternativo foi desenvolvido no Centro de Engenharia Biomédica da UNICAMP e consiste num dispositivo denominado conector uretral (Pat. N. PI 0502171-5). Trata-se de um dispositivo cilíndrico e vazado, que permite o escoamento de urina por seu interior. O paciente é orientado a introduzir o conector na uretra antes de iniciar a micção e, ao urinar, solicitado a ocluir a saída do dispositivo, interrompendo o fluxo urinário por um curto intervalo e permitindo o registro da pressão dentro da bexiga urinária. Neste trabalho, uma instrumentação e uma nova versão do conector uretral foram desenvolvidas para medir a pressão vesical em homens. Aplicado em testes clínicos em indivíduos com sintomas de obstrução infravesical decorrente de hiperplasia benigna da próstata, o conjunto demonstrou capacidade de diferenciar indivíduos com obstrução de indivíduos não obstruídos sem diferença significativa do que se obtém no estudo pressão-fluxo (p > 0,05). O conector apresentou sensibilidade e especificidade de 66,7%, valores similares aos dos métodos alternativos descritos na literatura. Além disso, 88,5% dos indivíduos relataram preferir o conector uretral ao estudo pressão-fluxo, indicando a importância do conector como método alternativo minimamente invasivo ao estudo urodinâmico convencional / Abstract: Urodynamic assessment has an important role in the decision of patients complaining of lower urinary tract symptoms (LUTS) to undergo prostate surgery. Pressure-flow study may contribute to the evaluation of LUTS, but its procedure is invasive, time-consuming and expensive. Alternative methods have been developed aiming at measuring vesical pressure in a less invasive manner. An alternative method was developed in the Center for Biomedical Engineering at UNICAMP and consists of a device named urethral connector (Pat. N. PI 0502171-5). The device has a cylindrical shape and an internal longitudinal hole that permits urine to pass through it. The patient is instructed to insert the urethral connector into his urethra before starting to urinate. During micturition, he is instructed to occlude the urine outlet of the device for a short period of time so that vesical pressure may be measured. In this work, an instrumentation and a new version of the urethral connector were developed to measure vesical pressure in men. The device and instrumentation were applied in clinical tests in individuals reporting LUTS secondary to infravesical obstruction due to benign prostatic hyperplasia. It was shown that this new method is capable of differentiating obstructed individuals from nonobstructed ones. Results were not significantly different from those obtained when conventional pressure-flow study was applied (p > 0.05). The urethral connector had a sensibility and specificity of 66.7%, values similar to those found by the alternative methods described in the literature. About 88.5% of the individuals evaluated reported to prefer the new method instead of the conventional assessment which reinforces the importance of the urethral connector as a less invasive and alternative method to the conventional urodynamic study / Mestrado / Engenharia Biomedica / Mestre em Engenharia Elétrica
2

O treinamento por meio de realidade virtual melhora a funcionalidade dos músculos do assoalho pélvico de mulheres na pós-menopausa? Estudo controlado randomizado

MARTINHO, Natalia Miguel 12 March 2014 (has links)
Introdução e objetivos: O treinamento dos músculos do assoalho pélvico (TMAP) tem sido valorizado como meio de prevenir e tratar as disfunções uroginecológicas. Neste contexto, a realidade virtual parece ser uma ferramenta interessante na prevenção e tratamento de tais disfunções, por sua capacidade de simular atividades realizadas no mundo real, promovendo treinamento muscular de forma global e lúdica, que pode ser adequada de acordo com a condição desejada. Diante do exposto, o objetivo deste estudo foi investigar o efeito do TMAP por meio da realidade virtual sobre a funcionalidade dos músculos do assoalho pélvico (MAP), quando comparado a um protocolo de TMAP por meio de cinesioterapia. Material e Métodos: Participaram do estudo 47 mulheres com idade a partir de 50 anos e em fase de pós-menopausa, divididas de forma randomizada em dois grupos: (G1) TMAP por meio de cinesioterapia (n=20) e (G2) TMAP por meio de realidade virtual (n=27). As participantes foram avaliadas antes e cinco semanas após a realização dos protocolos, quanto à funcionalidade dos MAP: força muscular do assoalho pélvico (por meio de palpação digital e dinamometria vaginal), presença de prolapsos dos órgãos pélvicos (por meio do Pelvic Organ Prolapse Quantification), sintomas miccionais, sexuais e qualidade de vida (por meio de instrumentos validados). Resultados: Verificou-se melhora significativa (p<0,05) da força muscular, com concomitante melhora dos prolapsos de parede anterior e dos sintomas miccionais, em ambos os grupos. A qualidade de vida apresentou melhora significativa na maioria dos domínios em ambos os grupos; enquanto que a função sexual demonstrou melhora no escore total e no domínio lubrificação apenas no grupo de TMAP por meio de cinesioterapia. Conclusão: O TMAP por meio da realidade virtual se equipara ao TMAP por meio de cinesioterapia quanto à melhora da força dos músculos do assoalho pélvico, dos sintomas miccionais, dos prolapsos de parede anterior e da maioria dos domínios de qualidade de vida, demonstrando ser efetivo para mulheres na pós menopausa. / Introduction and aims: The pelvic floor muscle training (PFMT) has been highly valued as means to prevent and treat urogynecological dysfunction. At this context, virtual reality seems to be an interesting tool in prevent and treat such disorders, by its ability to simulate real-world activities, promote globally muscle training and playful activities, which can be tailored to the desired condition. Given the above, the aim of this study was to investigate the effect of PFMT through virtual reality on the functionality of the pelvic floor muscles (PFM), when compared to a PFMT through kinesiotherapy protocol. Materials and Methods: The study included 47 women aged over 50 years and in post-menopausal period divided randomly into two groups: (G1) PFMT through kinesiotherapy (n=20) and (G2) PFMT through virtual reality (n=27). Participants were assessed before and five weeks after to the implementation of protocols as the functionality of PFM: PFM strength (by digital palpation and vaginal dynamometry), presence of pelvic organ prolapse (using Pelvic Organ Prolapse Quantification), voiding and sexual symptoms and quality of life (by validated instruments). Results: There was significant improvement (p<0,05) in muscle strength, with concomitant improvement in anterior wall prolapse and urinary symptoms in both groups. Quality of life improved significantly in most areas in both groups; whereas sexual function, improved in total score and in the lubrication, only at PFMT through kinesiotherapy group. Conclusion: PFMT through virtual reality equates to PFMT through kinesiotherapy regarding the improvement of pelvic floor muscle strength, voiding symptoms, anterior wall prolapse and quality of life; proving to be effective for postmenopausal women. / Programa Institucional de Bolsas de Pós-Graduação - PIB-PÓS
3

Efeitos da eletroestimulação do nervo tibial posterior nos sintomas do trato urinário inferior e impacto na qualidade de vida em pacientes com doença de Parkinson = dados preliminares = Posterior tibial nerve stimulation in the treatment of lower urinary tract symptoms and its impact on quality of life in patients with parkinson¿s disease: randomized pilot study / Posterior tibial nerve stimulation in the treatment of lower urinary tract symptoms and its impact on quality of life in patients with parkinson¿s disease : randomized pilot study

Perissinotto, Maria Carolina Ramos, 1979- 22 August 2018 (has links)
Orientador: Carlos Arturo Levi D'Ancona / Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas / Made available in DSpace on 2018-08-22T09:57:34Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Perissinotto_MariaCarolinaRamos_D.pdf: 1870557 bytes, checksum: a3f8aae56bf22e41993fdf4017268274 (MD5) Previous issue date: 2013 / Resumo: Introdução: A doença de Parkinson é uma doença neurológica degenerativa de causa desconhecida que leva a alterações motoras em decorrência da diminuição dos neurotransmissores de dopamina na substância nigraestriatal. Distúrbios miccionais acometem de 37% a 70% dos pacientes com esta doença. A eletroestimulação do nervo tibial posterior é uma opção no tratamento dos sintomas do trato urinário inferior. Objetivo: Avaliar a eficácia da referida eletroestimulação na sintomatologia do trato urinário inferior em pacientes com doença de Parkinson. Métodos: A metodologia utilizada foi o estudo controlado randomizado, pela qual foram 96 pacientes com diagnóstico de doença de Parkinson com queixas de sintomas do trato urinário inferior, os quais foram alocados em dois grupos: grupo tratamento e grupo sham. Todos os pacientes foram avaliados através de escalas específicas para a doença de Parkinson, como a Unified Parkinson's Diseases Rating Scale, nos quais preencheram os questionários de qualidade de vida, de incontinência urinária e de bexiga hiperativa, através dos quais foi realizado o estudo urodinâmico. Todas as avaliações foram realizadas pré e pós-tratamento e a técnica utilizada foi a eletroestimulação do nervo tibial posterior durante dez sessões, duas vezes por semana com duração de 30 minutos cada sessão. O grupo de tratamento realizou esta eletroestimulação e o outro grupo, o procedimento sham. Resultados: Os resultados obtidos ao final do tratamento foi que o grupo de tratamento relatou melhora significativa nos sintomas urinários de urgência e noctúria em comparação ao grupo sham. Urgência (p=0,0047), entre os grupos (100,0% grupo de tratamento, 12,5% grupo sham) e noctúria no grupo de tratamento entre os tempos pré e pós (p=0,0156) (4,0 pré - 2,0 pós). Na análise da qualidade de vida, ocorreu uma melhora significativa no score total do questionário International Consultation on Incontinence Questionnaire no grupo de tratamento entre os tempos pré e pós (p=0,0191) (7,0 pré - 4,0 pós), e no questionário Overactive Bladder Questionnaire no mesmo grupo entre os tempos (p=0,0144) (29,0 pré - 21,5 pós). No estudo urodinâmico, houve melhora significativa no grupo de tratamento entre o tempo pré e pós no primeiro desejo (mediana 150 pré -185 ml pós) (p=0.0056) e volume urgência (mediana 200 pré -285 ml pós) (p= 0.0014). Conclusão: O tratamento com a eletroestimulação do nervo tibial posterior se mostrou uma técnica capaz de melhoras na sintomatologia do trato urinário inferior em pacientes com doença de Parkinson, tais como a redução da urgência e da noctúria, proporcionando, assim, melhora na qualidade de vida desses pacientes. Novos estudos são necessários para aprofundar a eficácia desta técnica em pacientes com doença de Parkinson / Abstract: Introduction: Parkinson's disease is a neurologic disorder caused by neurodegeneration of the nigrostriatal dopaminergic. Lower urinary tract symptoms, are non-motor symptoms that occur in 37% to 70% of patients throughout the course of the disease and negatively affect the Quality of Life of these patients. Aims: Evaluate the efficacy of transcutaneous posterior tibial nerve stimulation on treatment of lower urinary tract symptoms in patients with Parkinson's disease. Methods: Randomized controlled trial, twenty three patients with a diagnosis of parkinson's disease and lower urinary tract symptoms, were randomized in two groups: PNTS group (GI) and group sham (GII). Evaluation included, urinary symptoms, Unified Parkinson's Diseases Rating Scale, International Consultation on Incontinence Questionnaire, Overactive Bladder Questionnaire questionnaire and the urodynamic study, all evaluation were performed pre and post PNTS. GI intervention consisted on PNTS and GII received a sham treatment with effective stimulation. Results: At the end of the treatment the GI present's significant improvement in storage and voiding symptoms than GII. There were significant differences on the symptoms of urgency (p=0.0047) between group (100.0% GI, 12.5% GII). In nocturia occurs an improvement pre and post PNTS in GI (p=0.0156) (4.0 pre - 2.0 post). Quality of life analyses there were significant differences on questionnaire, International Consultation on Incontinence Questionnaire, GI pre and post PNTS (p=0.0191) (7.0 pre - 4.0 post) and Overactive Bladder Questionnaire, GI pre and post PNTS (p=0.0144) (29.0 pre - 21.5 post). There were statistical difference in the urodynamic study pre and post PNTS in group I in volume stronge desire (median 150 pre -185ml post) (p=0.0056) and volume urgency (Median 200 pre-285 ml post) (p= 0.0014). Conclusion: PNTS is an option in the treatment of Lower urinary tract symptoms in patients with diagnosis of parkinson's disease, contributing to reduce urgency and nocturia and improving Quality of life score. This pilot study shows a good response in treat patients with parkinson's disease and Lower urinary tract symptoms, further study should be perform to provide evidence of the potential therapeutic effects / Doutorado / Fisiopatologia Cirúrgica / Doutora em Ciências
4

Associação dos sintomas do trato urinário inferior com o consumo máximo de oxigênio, a flexibilidade, o nível de atividade física e a obesidade em homens com 50 a 59 anos

Brum, Christiano Silva 23 November 2012 (has links)
Submitted by isabela.moljf@hotmail.com (isabela.moljf@hotmail.com) on 2017-08-11T12:24:29Z No. of bitstreams: 1 cristianodasilvabrum.pdf: 18446282 bytes, checksum: 7310bb73832b9312a18b83babb7d931d (MD5) / Approved for entry into archive by Adriana Oliveira (adriana.oliveira@ufjf.edu.br) on 2017-08-11T13:00:25Z (GMT) No. of bitstreams: 1 cristianodasilvabrum.pdf: 18446282 bytes, checksum: 7310bb73832b9312a18b83babb7d931d (MD5) / Made available in DSpace on 2017-08-11T13:00:25Z (GMT). No. of bitstreams: 1 cristianodasilvabrum.pdf: 18446282 bytes, checksum: 7310bb73832b9312a18b83babb7d931d (MD5) Previous issue date: 2012-11-23 / FAPEMIG - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais / INTRODUÇÃO. Os sintomas do trato urinário inferior (LUTS) têm alta prevalência, ocorrendo em 50 % dos homens com mais de 50 anos e em 90% após 80 anos e está associado à hiperplasia prostática benigna (HPB) em 50% das vezes. LUTS e HPB têm sido associados mais recentemente à síndrome metabólica, a fatores de risco cardiovascular e ao baixo nível de atividade física, porém estas associações são complexas e nãe estão bem esclarecidas. A atividade física para ser adequada deve gerar melhora da aptidão cardiorrespiratória, sendo esta avaliada pelo volume máximo de oxigênio (Vo2max). O objetivo deste trabalho é avaliar a associação do LUTS com Vo2max, flexibilidade, o nível de atividade física e variáveis antropométricas em homens com 50 a 59 anos. PACIENTES E MÉTODOS. Foi realizado um estudo caso-controle no qual o LUTS foi considerado como o desfecho e o Vo2max, a flexibilidade, o nível de atividade física e variáveis antropométricas como a exposição. Foram avaliados 100 homens com idade entre 50 e 59 anos provenientes do ambulatório de especialidades clínicas do Hospital Universitário (HU-CAS) da Universidade Federal de Juiz de Fora, sendo alocados 49 pacientes no grupo caso (com LUTS) e 51 no grupo controle (sem LUTS). Os pacientes passaram pelo seguinte protocolo experimental: anamnese, avaliação do nível de atividade física pelo Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) em sua versão curta, avaliação do LUTS pelo Questionário Internacional de Sintomas Prostáticos (IPSS), avaliação antropométrica com a medida do índice de massa corpórea (IMC), relação cintura quadril (RCQ) e circunferência abdominal. Para a avaliação do Vo2max foi realizado o Polar Fitness Test e para avaliar a flexibilidade foi utilizado o teste de Sentar e Alcançar. RESULTADOS: na análise bi-variada foi identificada associação estatisticamente significativa do LUTS com o nível de atividade física (OR = 0,37, IC95% = 0,16 a 0,84, p= 0,02); com o Vo2max (OR = 0,206, IC95% = 0,086 a 0,495, p<0,001) e com a flexibilidade (OR = 0,309, IC95% = 0,130 a 0,337, p= 0,01). Porém, o modelo multivariado adotado indicou que controlando o efeito da flexibilidade e do nível de atividade física, o Vo2max foi a única variável associada de forma estatisticamente significativa com o LUTS, com Odds ratio ajustada de 0,30 ( IC95% = 0,105 a 0,875, p= 0,027). CONCLUSÃO: Homens com idade entre 50 a 59 anos com Vo2max adequado, têm aproximadamente 70% a menos de chance de desenvolver LUTS. / INTRODUCTION. Lower urinary tract symptoms (LUTS) are highly prevalent, occurring in 50% of men over 50 years old and in 90% of men over 80, and is associated with benign prostatic hyperplasia (BPH) in 50% of the cases. LUTS and BPH have more recently been associated with metabolic syndrome, cardiovascular risk factors, and low physical activity level, but these associations are complex and not well understood. Physical activity, to be considered adequate, should generate improved cardiorespiratory fitness, which is assessed by maximal oxygen uptake (VO2max). The objective of this study is to evaluate the association of LUTS with VO2max, flexibility, physical activity level, and anthropometric variables in men aged 50 to 59 years. PATIENTS AND METHODS. We conducted a case-control study in which LUTS was considered as the outcome and VO2max, flexibility, physical activity level, and anthropometric variables as the exposure variables. We evaluated 100 men aged between 50 and 59 years from the outpatient specialty clinics of the University Hospital (HU-CAS), Federal University of Juiz de Fora, assigning 49 patients to the case group (with LUTS) and 51 to the control group (without LUTS). The patients underwent the following experimental protocol: anamnesis, physical activity level assessment using the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ) in its short version, LUTS assessment using the International Prostate Symptom Score (IPSS) Questionnaire, anthropometric assessment measuring body mass index (BMI), waist-to-hip ratio (WHR), and waist circumference. For the assessment of VO2max, the Polar Fitness Test was performed, and to assess flexibility, the Sit and Reach test was used. RESULTS: In bivariate analysis a statistically significant association was identified for LUTS with physical activity level (OR = 0.37, 95% CI = 0.16 to 0.84, p = 0.02); with VO2max (OR = 0.206, 95% CI = 0.086 to 0.495, p <0.001); and with flexibility (OR = 0.309, 95% CI = 0.130 to 0.337, p = 0.01). However, the multivariate model adopted indicated that, controlling for the effect of flexibility and of physical activity level, VO2max was the only statistically significant variable associated with LUTS, with an adjusted odds ratio of 0.30 (95% CI = 0.105 to 0.875 , p = 0.027). CONCLUSION: Men aged 50 to 59 years, with adequate VO2max, have approximately a 70% less chance of developing LUTS.
5

Treinamento esfincteriano em crianças com síndrome de Down: um estudo caso controle

Mrad, Flávia Cristina de Carvalho 15 September 2017 (has links)
Submitted by Renata Lopes (renatasil82@gmail.com) on 2017-09-27T17:36:16Z No. of bitstreams: 1 flaviacristinadecarvalhomrad.pdf: 2344497 bytes, checksum: 0157deb2672226f5c62355c30c9919f4 (MD5) / Approved for entry into archive by Adriana Oliveira (adriana.oliveira@ufjf.edu.br) on 2017-09-28T14:10:36Z (GMT) No. of bitstreams: 1 flaviacristinadecarvalhomrad.pdf: 2344497 bytes, checksum: 0157deb2672226f5c62355c30c9919f4 (MD5) / Made available in DSpace on 2017-09-28T14:10:36Z (GMT). No. of bitstreams: 1 flaviacristinadecarvalhomrad.pdf: 2344497 bytes, checksum: 0157deb2672226f5c62355c30c9919f4 (MD5) Previous issue date: 2017-09-15 / Introdução: As crianças com síndrome de Down apresentam atraso do desenvolvimento neuropsicomotor, o que determina uma dificuldade na aquisição do treinamento esfincteriano. O presente estudo tem como objetivo estimar a idade de início e conclusão do treinamento esfincteriano nas crianças com síndrome de Down, comparando-as com crianças neurotípicas, assim como avaliar o método de treinamento esfincteriano usado e a associação com sintomas do trato urinário inferior e constipação intestinal funcional. Pacientes e métodos: Foi realizado um estudo caso-controle de 2010 a 2015. Todos os pais ou responsáveis responderam a um questionário elaborado para avaliar qual o processo de treinamento esfincteriano foi utilizado.Os sintomas do trato urinário inferior foram avaliados por meio da aplicação da versão validada e adaptada do Dysfunctional Voiding Symptom Score para a população brasileira. A presença de constipação intestinal funcional foi avaliada de acordo com os critérios de Roma III. Resultados: O estudo incluiu 93 crianças com síndrome de Down e 204 crianças neurotípicas (Grupo Controle). A idade média para iniciar o treinamento esfincteriano foi 22,75 meses nas crianças com síndrome de Down e 17,49 meses no grupo controle (p= 0,001). Em crianças com síndrome de Down, a idade média para concluir o treinamento esfincteriano foi de 56,25 meses e 27,06 meses no grupo controle (p= 0,001). As meninas com síndrome de Down completaram o treinamento esfincteriano mais precocemente (p= 0,02). O método de treinamento esfincteriano mais usado foi abordagem orientada para a criança. Não houve associação com a presença de sintomas do trato urinário inferior ou constipação intestinal funcional e a idade de início e de conclusão do treinamento esfincteriano em ambos os grupos. Conclusão: As crianças com síndrome de Down apresentaram um tempo prolongado de treinamento esfincteriano, sendo que as meninas concluíram o processo mais cedo. Estudos de coorte são essenciais para obter uma melhor avaliação sobre o processo de treinamento esfincteriano em crianças com síndrome de Down. / Introduction: Children with Down syndrome have delayed psychomotor development, which determines the level of difficulty in toilet training. The current study aims to estimate at what age they start and complete toilet training compared to children with typical psychomotor development, as well as to evaluate the toilet training method used and any association with lower urinary tract symptoms and functional constipation. Patients and methods: A case-control study was carried out from 2010 to 2015. All parents completed a questionnaire designed to assess the toilet training process. Lower urinary tract symptoms was assessed through the application of the Dysfunctional Voiding Symptom Score. The presence of functional constipation was evaluated according to the Rome III criteria. Results: The study included 93 children with Down Syndrome and 204 children with normal psychomotor development (Control Group). The average age children started toilet training was 22.75 months in those with Down Syndrome and 17.49 months in the Control Group (p= 0.001). In children with Down Syndrome, the average age when completing toilet training was 56.25 months and 27.06 months in the Control Group (p= 0.001). Among children with Down Syndrome, females completed toilet training earlier (p= 0.02). The toilet training method used most often was child-oriented approach in both groups. There was no association with the presence of lower urinary tract symptoms or functional constipation and the age of begin and complete toilet training in both groups. Conclusion: Children with Down Syndrome experiencedprolonged toilet training time. Females with Down Syndrome complete toilet training earlier. Cohort studies are essential to gain insight into thetoilet training process in children with Down Syndrome.
6

Caracterização das disfunções miccionais em pacientes portadores do espectro da neuromielite óptica e suas associações com o comprometimento neurológico e a qualidade de vida / Voiding dysfunction in patients with neuromyelitis optica spectrum disorder and its association with neurological impairment and quality of life

Fabricio Leite de Carvalho 14 March 2014 (has links)
INTRODUÇÃO: Neuromielite óptica (NMO) e suas formas limitadas são doenças desmielinizantes autoimunes do sistema nervoso central que acometem preferencialmente a medula espinhal e o nervo óptico. Várias formas clínicas do espectro da NMO (NMO-SD) tem sido descritas e incluem desde um evento único de mielite transversa longitudinalmente extensa (MTLE) à NMO recorrente. O comprometimento neurológico destes pacientes pode levar a diversas disfunções autonômicas, incluindo disfunção miccional. OBJETIVOS: Determinar a prevalência e as características dos sintomas do trato urinário inferior (STUI) e dos achados urodinâmicos em pacientes portadores de NMO-SD, e analisar suas associações com o grau de comprometimento neurológico e qualidade de vida (QV). MÉTODOS: Avaliamos 30 pacientes (23 mulheres e 7 homens) com diagnóstico estabelecido de NMO-SD, que foram convidados a participar do estudo a despeito de apresentarem ou não STUI. A avaliação neurológica foi realizada por meio da Escala Expandida do Estado de Incapacidade (EDSS), ressonância magnética de crânio e coluna vertebral, e dosagem de NMOIgG. Os STUI foram avaliados pelo Questionário de Avaliação da Bexiga Hiperativa (OAB-V8) e pelo Escore Internacional de Sintomas Prostáticos (IPSS). A qualidade de vida de forma geral foi avaliada pelo questionário de Satisfação com a Vida (LiSat-9). Todos os pacientes foram submetidos ao estudo videourodinâmico. RESULTADOS: A idade média dos pacientes foi de 41,1 ± 13,5 anos (intervalo de 13 a 70) e o tempo médio de duração da doença neurológica foi de 33,8 ± 30,8 meses (intervalo de 3 a 135). A avaliação neurológica mostrou pacientes com EDSS médio de 5,3 ± 1,8 (intervalo de 1 a 8,5). O escore médio do OAB-V8 foi de 17,5 ± 14,0 (intervalo de 0 a 40) e de 14,3 ± 10,6 (intervalo de 0 a 35) para o I-PSS. A média da QV geral medida pelo Lisat-9 foi de 38,9 ± 6,8 (intervalo de 26 a 49). Os STUI mais comuns foram urgência em 15 (50%) pacientes, noctúria em 15 (50%), jato urinário fraco em 15 (50%), intermitência em 14 (46,6%), esvaziamento incompleto em 13 (43,3%), hesitação em 13 (43,3%), aumento da frequência urinária em 13 (43,3%) e urge-incontinência em 5 (16%). Os achados urodinâmicos mais comuns foram hiperatividade detrusora (HD) com dissinergia detrusor-esfincteriana (DDE) em 11 (36,6%) pacientes, DDE sem HD em 7 (23,3%), HD sem DDE em 6 (20%), e incontinência urinária de esforço em 1 (3,3%). Cinco (16,6%) pacientes apresentaram estudo videourodinâmico sem anormalidades. Sintomas urinários medidos pelo IPSS e pelo OAB-V8 correlacionaram-se com maior comprometimento neurológico (r=0,42; p=0,018 e r=0,48; p=0,006 respectivamente). Pacientes portadores de DDE foram aqueles que mostraram maior comprometimento neurológico (p=0,027). Da mesma forma, pacientes dissinérgicos apresentaram maiores escores ao I-PSS (p=0,029) e ao OAB-V8 (p=0,008). Pacientes com maior comprometimento neurológico foram aqueles que apresentaram pior QV (r=-0,410; p=0,022). CONCLUSÃO: Encontramos alta prevalência de STUI e disfunção miccional em portadores de NMO, sendo DDE e a HD as anormalidades urodinâmicas mais frequentes. Dissinergia detrusor-esfincteriana e STUI se correlacionam com a gravidade da doença neurológica. A severidade da doença neurológica correlaciona-se com a qualidade de vida geral / INTRODUCTION: Neuromyelitis optica (NMO) and its limited forms are demyelinating autoimmune diseases of the central nervous system that preferentially affects the spinal cord and optic nerve. Several clinical forms of NMO spectrum disorders (NMO-SD) have been described and range from a limited event of longitudinally extensive transverse myelitis (LETM) to relapsing NMO. The neurological damage in these patients may lead to a range of autonomic dysfunctions, including voiding dysfunction. OBJECTIVES: To determine the prevalence and characteristics of the lower urinary tract symptoms (LUTS) and the urodynamic findings in patients with NMO-SD and analyze their correlations with the level of neurological damage and quality of life (QoL). METHODS: We evaluated 30 patients (23 women and 7 men) with an established diagnosis of NMO-SD based on stringent criteria. All patients were invited to participate irrespective of the presence of LUTS. Neurological impairment was assessed with the Expanded Disability Status Scale (EDSS), magnetic resonance imaging of the brain and spinal cord and NMO-IgG status. LUTS were evaluated with the Overactive Bladder V8 (OAB-V8) questionnaire and by the International Prostate Symptom Score (I-PSS). Quality of Life was evaluated using the Life Satisfaction questionnaire (LiSat-9). All patients underwent videourodynamics, transabdominal urinary tract sonography, urine culture and serum creatinine levels. RESULTS: The mean age of the patients was 41.1 ± 13.5 years (range 13 to 70) and the mean time of neurological disease duration was 33.8 ± 30.8 months (range 3 to 135). Neurological evaluation showed a mean EDSS score of 5.3 ± 1.8 (range 1 to 8.5). The mean OAB-V8 score was 17.5 ± 14.0 (range 0 to 40) and the mean I-PSS score was 14.3 ± 10.6 (range of 0 to 35). Mean general QoL measured by the Lisat-9 was 38.9 ± 6.8 (range 26 to 49). The most common urinary symptoms were urgency in 15 (50%) patients, nocturia in 15 (50%), weak urinary stream in 15 (50%), intermittence in 14 (46.6%), incomplete emptying in 13 (43.3%), hesitation in 13 (43.3%), increased urinary frequency in 13 (43.3%) and urge-incontinence in 5 (16,6%). The most frequent urodynamic findings were detrusor overactivity (DO) with sphincter dyssinergia (DSD) in 11 (36.6%) patients, DSD alone in 7 (23.3%), DO without DSD in 6 (20%) and stress urinary incontinence (SUI) in 1 (3.3%). Five (16.6%) patients had normal findings. Voiding dysfunction assessed by I-PSS and OAB-V8 increased with the degree of neurological impairment (r=0.42; p=0.018 and r=0.48; p=0.006 respectively). Patients with DSD had significantly higher symptoms based in the I-PSS (p=0.029) as well as the OAB- V8 scores (p=0.008) and greater neurological impairment (p=0.027). Patients with more severe neurological impairment were associated with worse Qol (r=-0.410; p=0.022). CONCLUSION: We have shown a high prevalence of LUTS and voiding dysfunction, with DSD and DO as the main urodynamic findings. Detrusor-sphincter dyssinergia and LUTS correlates with more severe neurological impairment. The severity of neurological impairment correlates with QoL
7

Perfil da sexualidade e dos sintomas do trato urinário inferior em idosos não institucionalizados / Profile of sexuality and symptoms of lower urinary tract in non-institutionalized elderly

Khaled Ahmed Taha Neto 25 July 2016 (has links)
As disfunções urinárias ou sexuais do idoso são subnotificadas. Porém, são de alta prevalência e associadas a diversos prejuízos psicossociais. O presente estudo visa à identificação da prevalência dessas condições por meio de questionários. Utilizou-se o Androgen Deficiency in Aging Male (ADAM) para avaliação de função sexual do homem, questões sobre função sexual feminina e masculina e, o International Prostate Symptom Score (IPSS) para avaliação de função urinária masculina e feminina. Temos o objetivo de realizar uma investigação nos indivíduos não institucionalizados, acima de 60 anos de idade, para obtermos dados referentes à sua saúde sexual e urinária nas cidades: São Paulo, Campinas, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano e Londrina. Foram distribuídos cerca de 6000 questionários, sendo utilizados para estudo 3425, com 1575 homens e 1850 mulheres. Em relação ao ADAM, obtivemos 92,49% dos 1385 avaliados com suspeita de apresentarem distúrbio androgênico do envelhecimento masculino (DAEM). Quanto à função sexual masculina, evidenciamos que 383 (32,19%) apresentavam queixas eretivas, 458 (37,54%) de ejaculação precoce e 790 (59,13%) admitiram a necessidade de tratamento para melhorar o desempenho sexual. Quanto à função sexual feminina, 1300 (74,07%) não praticam relação sexual e os principais motivos foram: falta de parceiro, falta de desejo sexual e problema de saúde do parceiro. Além disso, 988 (78,41%) das mulheres que não têm relação sexual admitem estar bem assim e não querem sexo e mais importante: aproximadamente 21% dessas gostariam de ter relação sexual. Quanto à qualidade da relação sexual feminina, 272 (64,92%) acham a relação boa para ambos, 105 (25,06%) boa só para o parceiro e 33 (7,88%) ruim para ambos. Em relação ao IPSS masculino, observamos piora gradual no padrão miccional com o aumento da idade, dos sintomas moderados e graves, principalmente após os 75 anos, sendo os mais prevalentes: nictúria, urgência miccional e aumento da frequência urinária. Quanto ao IPSS feminino, notamos que, mesmo após os 80 anos, a maioria das mulheres (53,37%) apresenta sintomas leves relacionados à disfunção miccional; com o aumento da idade, ocorre um aumento gradual do resultado do IPSS, relacionado com os sintomas moderados e graves, sendo que o pico ocorre após os oitenta anos. Sendo assim, devido ao grande número de distúrbios sexuais e urinários encontrados, deixamos um alerta para que um maior número de medidas de Saúde Pública sejam implantadas, melhorando promover uma melhor qualidade de vida nessa população idosa / Urinary or sexual dysfunction in the elderly are underreported. However, are highly prevalent and associated with various psychosocial damage. This study aims to identify the prevalence of these conditions. We used the Androgen Deficiency in Aging Male (ADAM) to assess sexual function of men, questions of male and female sexual function, and the International Prostate Symptom Score (IPSS) for evaluation the urinary function. The aim is to carry out an investigation in non-institutionalized individuals over 60 years of age, to obtain data on its sexual and urinary health in: São Paulo, Campinas, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano and Londrina. They were distributed about 6,000 questionnaires being used to study 3425, with 1575 men and 1850 women. Compared to ADAM, obtained 92.49% of the 1385 evaluated suspected of presenting androgen disorder of aging male (ADAM). As for the male sexual function, we showed that 383 (32.19%) had erective complaints, 458 (37.54%) of premature ejaculation and 790 (59.13%) admitted the need for treatment to improve sexual performance. As for the female sexual function, 1300 (74.07%) did not practice sexual intercourse and the main reasons were: lack of partner, lack of sexual desire and partner health problem. In addition, 988 (78.41%) of women who haven\'t sexual intercourse admit to being like that and not want sex and, more importantly, about 21% of them would like to have sexual intercourse. As for the quality of the female sex, 272 (64.92%) think the relation is good for both, 105 (25.06%) only good for the partner and 33 (7.88%) bad for both. IPSS when compared to males, we see gradual worsening of urinary pattern with increasing age, related with the moderate and severe symptoms, especially after 75 years, being the most prevalents: nocturia, urinary urgency and urinary frequency. As for the female IPSS, we note that even after 80 years, the majority of women (53.37%) have mild symptoms related to voiding dysfunction; with increasing age there is a gradual increase in the result of the IPSS, associated with moderate and severe symptoms, where the peak occurs after the age of eighty. Thus, due to the large number of sexual and urinary disorders found, left a warning to a greater number of public health measures are implemented, improving promote a better quality of life in this elderly population
8

Perfil da sexualidade e dos sintomas do trato urinário inferior em idosos não institucionalizados / Profile of sexuality and symptoms of lower urinary tract in non-institutionalized elderly

Taha Neto, Khaled Ahmed 25 July 2016 (has links)
As disfunções urinárias ou sexuais do idoso são subnotificadas. Porém, são de alta prevalência e associadas a diversos prejuízos psicossociais. O presente estudo visa à identificação da prevalência dessas condições por meio de questionários. Utilizou-se o Androgen Deficiency in Aging Male (ADAM) para avaliação de função sexual do homem, questões sobre função sexual feminina e masculina e, o International Prostate Symptom Score (IPSS) para avaliação de função urinária masculina e feminina. Temos o objetivo de realizar uma investigação nos indivíduos não institucionalizados, acima de 60 anos de idade, para obtermos dados referentes à sua saúde sexual e urinária nas cidades: São Paulo, Campinas, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano e Londrina. Foram distribuídos cerca de 6000 questionários, sendo utilizados para estudo 3425, com 1575 homens e 1850 mulheres. Em relação ao ADAM, obtivemos 92,49% dos 1385 avaliados com suspeita de apresentarem distúrbio androgênico do envelhecimento masculino (DAEM). Quanto à função sexual masculina, evidenciamos que 383 (32,19%) apresentavam queixas eretivas, 458 (37,54%) de ejaculação precoce e 790 (59,13%) admitiram a necessidade de tratamento para melhorar o desempenho sexual. Quanto à função sexual feminina, 1300 (74,07%) não praticam relação sexual e os principais motivos foram: falta de parceiro, falta de desejo sexual e problema de saúde do parceiro. Além disso, 988 (78,41%) das mulheres que não têm relação sexual admitem estar bem assim e não querem sexo e mais importante: aproximadamente 21% dessas gostariam de ter relação sexual. Quanto à qualidade da relação sexual feminina, 272 (64,92%) acham a relação boa para ambos, 105 (25,06%) boa só para o parceiro e 33 (7,88%) ruim para ambos. Em relação ao IPSS masculino, observamos piora gradual no padrão miccional com o aumento da idade, dos sintomas moderados e graves, principalmente após os 75 anos, sendo os mais prevalentes: nictúria, urgência miccional e aumento da frequência urinária. Quanto ao IPSS feminino, notamos que, mesmo após os 80 anos, a maioria das mulheres (53,37%) apresenta sintomas leves relacionados à disfunção miccional; com o aumento da idade, ocorre um aumento gradual do resultado do IPSS, relacionado com os sintomas moderados e graves, sendo que o pico ocorre após os oitenta anos. Sendo assim, devido ao grande número de distúrbios sexuais e urinários encontrados, deixamos um alerta para que um maior número de medidas de Saúde Pública sejam implantadas, melhorando promover uma melhor qualidade de vida nessa população idosa / Urinary or sexual dysfunction in the elderly are underreported. However, are highly prevalent and associated with various psychosocial damage. This study aims to identify the prevalence of these conditions. We used the Androgen Deficiency in Aging Male (ADAM) to assess sexual function of men, questions of male and female sexual function, and the International Prostate Symptom Score (IPSS) for evaluation the urinary function. The aim is to carry out an investigation in non-institutionalized individuals over 60 years of age, to obtain data on its sexual and urinary health in: São Paulo, Campinas, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano and Londrina. They were distributed about 6,000 questionnaires being used to study 3425, with 1575 men and 1850 women. Compared to ADAM, obtained 92.49% of the 1385 evaluated suspected of presenting androgen disorder of aging male (ADAM). As for the male sexual function, we showed that 383 (32.19%) had erective complaints, 458 (37.54%) of premature ejaculation and 790 (59.13%) admitted the need for treatment to improve sexual performance. As for the female sexual function, 1300 (74.07%) did not practice sexual intercourse and the main reasons were: lack of partner, lack of sexual desire and partner health problem. In addition, 988 (78.41%) of women who haven\'t sexual intercourse admit to being like that and not want sex and, more importantly, about 21% of them would like to have sexual intercourse. As for the quality of the female sex, 272 (64.92%) think the relation is good for both, 105 (25.06%) only good for the partner and 33 (7.88%) bad for both. IPSS when compared to males, we see gradual worsening of urinary pattern with increasing age, related with the moderate and severe symptoms, especially after 75 years, being the most prevalents: nocturia, urinary urgency and urinary frequency. As for the female IPSS, we note that even after 80 years, the majority of women (53.37%) have mild symptoms related to voiding dysfunction; with increasing age there is a gradual increase in the result of the IPSS, associated with moderate and severe symptoms, where the peak occurs after the age of eighty. Thus, due to the large number of sexual and urinary disorders found, left a warning to a greater number of public health measures are implemented, improving promote a better quality of life in this elderly population
9

Tratamento da síndrome da bexiga hiperativa neurogênica feminina na doença de Parkinson através da estimulação transcutânea do nervo tibial posterior

Araújo, Tatiane Gomes de January 2017 (has links)
Base teórica: Disfunções do trato urinário inferior são sintomas não motores comuns na Doença de Parkinson (DP) e incluem a Síndrome da Bexiga Hiperativa Neurogênica (SBHN), caracterizada pela urgência miccional, com ou sem urgeincontinência, acompanhada de aumento da frequência urinária e noctúria. A estimulação do nervo tibial posterior (ENTP) é uma das modalidades de tratamento disponíveis para o tratamento da SBHN. Objetivo: Determinar e comparar os efeitos do tratamento com ENTP em pacientes com DP e sintomas de SBHN e a manutenção dos resultados em 1 e 3 meses após o término do tratamento. Métodos: Ensaio-clínico, duplo-cego, randomizado, controlado e comparado com placebo. A pesquisa foi realizada com mulheres com DP e sintomas de SBHN no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Para o tratamento com ENTP domiciliar por 12 semanas as pacientes foram divididas em dois grupos: grupo ENTP e grupo ENTP sham/placebo. A avaliação da resposta pré e pós-tratamento foi realizada através de formulário específico, questionários de avaliação da incontinência urinária e qualidade de vida (OAB-V8 e KHQ) e de um diário miccional (DM) de 24 horas. Após, o fim do tratamento foi feito seguimento dos resultados para avaliação da melhora subjetiva em 30 e 90 dias. Resultados: O grupo ENTP apresentou uma diminuição da noctúria, número de episódios de urgência micciional e urge-incontinência, número de uso de proteções para incontinência, pontuação OAB-V8 e em sete domínios do KHQ (p <0,001). Embora, o grupo controle também tenha apresentado melhora dos sintomas, o grupo ENTP apresentou uma melhora superior no final do tratamento nas medidas do DM, OAB-V8 e na maioria dos domínios do KHQ. A ETNTP foi considerada um tratamento efetivo para SBHN em 93,3%, enquanto 33,3% dos tratados com placebo também melhoraram (p = 0,002). No seguimento de 30 e 90 dias, 53,3% e 33,31%, respectivamente, do grupo ENTP relataram que mantinham- se melhores dos sintomas da SBHN. Conclusão: a ENTP foi um tratamento efetivo para as pacientes com DP e SBHN. Nossa hipótese de superioridade clínica do grupo ENTP foi confirmada e a melhora subjetiva foi considerada positiva, mesmo que parcialmente em 30 e 90 dias após fim do tratamento. / Blackround: Lower urinary tract dysfunctions are common non-motor symptoms in Parkinson's disease (PD) and include Neurogenic Overactive Bladder Syndrome (NOBS), characterized by urinary urgency, with or without urge incontinence, accompanied by increased urinary frequency and nocturia . Posterior Tibial Nerve Stimulation (PTNS) is one of the treatment modalities available for the treatment of NOBS. Objective: To determine and compare the effects of PTNS treatment in patients with PD and NOBS symptoms and to maintain long-term results (1 and 3 months). Methods: Controlled, randomized, double-blind and compared with placebo clinical trial. The research was carried out with women with PD and symptoms of NOBS at the Hospital de Clínicas de Porto Alegre. For treatment with PTNS at 12 weeks, patients were divided into two groups: PTNS group and PTNS sham/placebo group. The evaluation of the pre- and post-treatment response was through a specific form, questionnaires to evaluate incontinence and quality of life (OVA-V8 and KHQ), and a voiding diary. After the end of the treatment, the results were followed up to evaluate the subjective improvement in 30 and 90 days. Results: The PTNS group presented a decreased nighttime urinary frequency, number of urgency and urinary incontinence episodes, number of incontinence protection, OAB-V8 and 7 domains of KHQ (p<0.001). Although the control group also showed improvement of the symptoms, the ENTP group presented a superior improvement at the end of the treatment in DM, OAB-V8 and most KHQ domains. PTNS was considered an effective treatment for OAB in 93.3%, while 33.3% of those treated with placebo was considered a responder (p=0.002). After 30 and 90 days, 53.3% and 33.31%, respectively, of the ENTP group reported that they maintained better SBHN symptoms. Conclusion: PTNS was an effective treatment for patients with PD and NOBS. Our hypothesis of clinical superiority of the ENTP group was confirmed and the subjective improvement was considered positive, even if partially at 30 and 90 days after the end of the treatment.!
10

Tratamento da síndrome da bexiga hiperativa neurogênica feminina na doença de Parkinson através da estimulação transcutânea do nervo tibial posterior

Araújo, Tatiane Gomes de January 2017 (has links)
Base teórica: Disfunções do trato urinário inferior são sintomas não motores comuns na Doença de Parkinson (DP) e incluem a Síndrome da Bexiga Hiperativa Neurogênica (SBHN), caracterizada pela urgência miccional, com ou sem urgeincontinência, acompanhada de aumento da frequência urinária e noctúria. A estimulação do nervo tibial posterior (ENTP) é uma das modalidades de tratamento disponíveis para o tratamento da SBHN. Objetivo: Determinar e comparar os efeitos do tratamento com ENTP em pacientes com DP e sintomas de SBHN e a manutenção dos resultados em 1 e 3 meses após o término do tratamento. Métodos: Ensaio-clínico, duplo-cego, randomizado, controlado e comparado com placebo. A pesquisa foi realizada com mulheres com DP e sintomas de SBHN no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Para o tratamento com ENTP domiciliar por 12 semanas as pacientes foram divididas em dois grupos: grupo ENTP e grupo ENTP sham/placebo. A avaliação da resposta pré e pós-tratamento foi realizada através de formulário específico, questionários de avaliação da incontinência urinária e qualidade de vida (OAB-V8 e KHQ) e de um diário miccional (DM) de 24 horas. Após, o fim do tratamento foi feito seguimento dos resultados para avaliação da melhora subjetiva em 30 e 90 dias. Resultados: O grupo ENTP apresentou uma diminuição da noctúria, número de episódios de urgência micciional e urge-incontinência, número de uso de proteções para incontinência, pontuação OAB-V8 e em sete domínios do KHQ (p <0,001). Embora, o grupo controle também tenha apresentado melhora dos sintomas, o grupo ENTP apresentou uma melhora superior no final do tratamento nas medidas do DM, OAB-V8 e na maioria dos domínios do KHQ. A ETNTP foi considerada um tratamento efetivo para SBHN em 93,3%, enquanto 33,3% dos tratados com placebo também melhoraram (p = 0,002). No seguimento de 30 e 90 dias, 53,3% e 33,31%, respectivamente, do grupo ENTP relataram que mantinham- se melhores dos sintomas da SBHN. Conclusão: a ENTP foi um tratamento efetivo para as pacientes com DP e SBHN. Nossa hipótese de superioridade clínica do grupo ENTP foi confirmada e a melhora subjetiva foi considerada positiva, mesmo que parcialmente em 30 e 90 dias após fim do tratamento. / Blackround: Lower urinary tract dysfunctions are common non-motor symptoms in Parkinson's disease (PD) and include Neurogenic Overactive Bladder Syndrome (NOBS), characterized by urinary urgency, with or without urge incontinence, accompanied by increased urinary frequency and nocturia . Posterior Tibial Nerve Stimulation (PTNS) is one of the treatment modalities available for the treatment of NOBS. Objective: To determine and compare the effects of PTNS treatment in patients with PD and NOBS symptoms and to maintain long-term results (1 and 3 months). Methods: Controlled, randomized, double-blind and compared with placebo clinical trial. The research was carried out with women with PD and symptoms of NOBS at the Hospital de Clínicas de Porto Alegre. For treatment with PTNS at 12 weeks, patients were divided into two groups: PTNS group and PTNS sham/placebo group. The evaluation of the pre- and post-treatment response was through a specific form, questionnaires to evaluate incontinence and quality of life (OVA-V8 and KHQ), and a voiding diary. After the end of the treatment, the results were followed up to evaluate the subjective improvement in 30 and 90 days. Results: The PTNS group presented a decreased nighttime urinary frequency, number of urgency and urinary incontinence episodes, number of incontinence protection, OAB-V8 and 7 domains of KHQ (p<0.001). Although the control group also showed improvement of the symptoms, the ENTP group presented a superior improvement at the end of the treatment in DM, OAB-V8 and most KHQ domains. PTNS was considered an effective treatment for OAB in 93.3%, while 33.3% of those treated with placebo was considered a responder (p=0.002). After 30 and 90 days, 53.3% and 33.31%, respectively, of the ENTP group reported that they maintained better SBHN symptoms. Conclusion: PTNS was an effective treatment for patients with PD and NOBS. Our hypothesis of clinical superiority of the ENTP group was confirmed and the subjective improvement was considered positive, even if partially at 30 and 90 days after the end of the treatment.!

Page generated in 0.1569 seconds