• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 37
  • 1
  • Tagged with
  • 38
  • 38
  • 29
  • 5
  • 4
  • 4
  • 4
  • 4
  • 4
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

[en] THE SYNTAX OF EXISTENTIAL PREDICATES IN THE CURRENT BRAZILIAN PORTUGUESE / [pt] A SINTAXE DOS PREDICADOS EXISTENCIAIS NO PORTUGUÊS BRASILEIRO ATUAL

MARIO CESAR DA SILVA SOUZA 21 July 2009 (has links)
[pt] A sintaxe dos predicados existenciais apresenta uma série de dificuldades para os usuários do português brasileiro devido à possibilidade do uso de verbos sinônimos com estatutos sintáticos diferentes. É o caso dos verbos haver e existir, que têm mais de um ponto de contato causador de dúvidas para os falantes. As gramáticas escolares, como representantes da teoria tradicional, fazem pressão para que o uso desses verbos obedeça a questões de concordância e de ordem, com base nos conceitos de sujeito e objeto direto, tendo em vista ainda a pessoalidade e a impessoalidade dos verbos. Entretanto, o uso nos tem demonstrado que o desempenho dos usuários nem sempre leva em conta os pressupostos gramaticais; e a interpretação dos fenômenos, bem como a internalização das estruturas sintáticas na mente do falante, confirmam o choque entre o que é correto gramaticalmente e o que é corrente na língua. Os professores de língua portuguesa, cujo ensino tem fundamento na gramática normativa, como se a gramática fosse a própria língua, enfrentam o desafio de lançar mão das regras gramaticais em detrimento da naturalidade no desempenho linguístico. Esta dissertação traz um estudo dos conceitos envolvidos na sintaxe dos predicados existenciais, como sujeito, objeto direto, verbo impessoal, concordância verbosujeito, entre outros, e procura investigar o desempenho dos usuários do português brasileiro em frases com esse tipo de predicado. / [en] The syntaxes of the existential predicate present a number of difficulties to the user of Brazilian Portuguese because of the possible usage of synonym verbs withholding different syntactic ordinance. This is the case of the verbs HAVER (known in English as There is/are) and EXISTIR (to exist) which have more than one common issue thus causing doubts to the speaker. The grammar presented at schools, focused on sustaining a traditional theory, make sure these verbs fall into the same analysis given to other verbs regarding concordance and order, supported on the subject and direct object concept, regarding, yet, the personage of the verbs. However, the usage has shown us that it is not always that the presupposed grammar is taken into account, and the interpreting of the phenomena as well as the internalization of the syntax structure in the speaker’s mind, confirm the clash between what is grammatically correct and what is colloquial. Portuguese teachers, whose teaching is founded in normative grammar, as if grammar were the language itself, confront the challenge of laying hand of grammar rules over the natural linguistic development. This dissertation brings a study of the concepts involved in the syntaxes of the existential predicate, as subject, direct object, impersonal verb, subject verb concordance, among others, and seeks to investigate the development of the common Brazilian Portuguese spoken language in these kind of sentences.
2

[en] THE IMAGINARY IN ANALYSIS / [pt] O IMAGINÁRIO EM ANÁLISE

HAENDEL MOTTA ARANTES 11 May 2006 (has links)
[pt] O que o curso de uma análise opera no registro Imaginário? Para tratar a questão, a pesquisa parte do exame do conceito freudiano de realidade psíquica, articulando-o à tríade de registros lacaniana - Real, Simbólico, Imaginário. Em seguida, examina o conceito de fantasia em Lacan, amarração matriz por onde é erguida a cena imaginária para um sujeito. Por fim, no interior da experiência clínica, localiza o caminho de uma reconstrução síntese da fantasia, a avançar segundo os passos do recordar, repetir, elaborar apontados em Freud. / [en] What the curse of analysis operates on Imaginary? To treat this issue, this research exams the freudian concept of psychical reality, articulating it to Lacan´s three categories - Real, Symbolic, Imaginary. Next, it exams the concept of fantasy in Lacan´s theory, an essential arrangement where from imaginary scene is built for a person. Finally, inside the clinical experience, it locates a way to reconstruct a fantasy´s synthesis, according to the steps of recollection, repetition, workingthrough indicated by Freud.
3

[de] DAS MITGEFÜHLSPHÄNOMEN NACH MAX SCHELER: EINE FRAGE NACH DER PHILOSOPHISCHEN BEGRÜNDUNG DIESES PHÄNOMENS / [pt] O FENÔMENO DA SIMPATIA SEGUNDO MAX SCHELER: UMA PERGUNTA SOBRE O FUNDAMENTO FILOSÓFICO DESSE FENÔMENO

MICHELL ALVES FERREIRA DE MELLO 06 November 2007 (has links)
[pt] O fenômeno da simpatia é objeto de análise filosófica de Max Scheler, que o descreve e delimita: a simpatia propriamente dita se dá quando duas ou mais pessoas compartilham uma mesma percepção em qualidade e quantidade idênticas, sem que diminua o grau de consciência dos sujeitos. O objetivo aqui é apresentar essa análise, através dos seguintes pontos: primeiro, uma propedêutica ao tema como elucidação conceitual do pensamento de Scheler; em seguida, a apresentação da análise do fenômeno e do conceito da intersubjetividade, que seria o fundamento para a simpatia; depois, uma fundamentação para a intersubjetividade a priori especialmente por meio de uma aproximação ao pensamento de Kant, sobretudo à parte da comunicabilidade universal do juízo estético da Crítica da faculdade do Juízo. A intersubjetividade não aparece como a priori em Kant, mas pode ser pensada indiretamente como tal devido aos elementos subjetivos do sujeito. Em Scheler, a simpatia é apresentada como um fenômeno universal e necessário, exigindo um fundamento também universal e necessário; e somente será possível abordá-lo a nível do mundo intersubjetivo. Desse modo, a descrição da simpatia feita por Scheler remete a uma estrutura geral da vida emotiva pura para todos os sujeitos como condição de possibilidade para sua efetivação entre os indivíduos. / [de] Das Mitgefühlsphänomen wird von Max Scheler philosophisch analisiert, beschreibt und begrenzt. Im philosophischen Sinne bedeutet Mitgefühl oder Sympathie die Empfindungsmitteilbarkeit der zwei oder mehreren Personen nach gleichen Qualität und Quantität, ohne das Individuumsbewusstsein zu reduzieren. Der Zweck ist hier diese Analyse vorzustellen, durch den folgenden Punkte: eine Begriffserklärung als Einführung; die Analyse- und Beschreibungsvorstellung von den Mitgefühls- und den Intersubjektivitätsbegriffs, die auf die liegenden Gründe besteht; eine Begründung der apriorischen Intersubjektivität mit der Hilf von Gedanken Kants, besonders der Kritik der Urteilskraft. Es geht hier besonders um die subjektive allgemeine Mitteilbarkeit der Vorstellungsart in einem Geschmacksurteil. Die Intersubjektivität erscheint nicht als a priori in Kant, aber sie kann als eine Solche gedacht werden, denn sie gründet sich auf subjektiven Elementen des Subjekts. Diese lassen die Erkenntnis eine universale Gültigkeit haben. Bei Scheler wird das Mitgefühl als etwas Universales und Notwendiges vorgestellt und es ist nur möglich, wenn man die Sympathie in Duwelt betrachtet. Das von Scheler Mitgefühlsbeschreibung richtet sich dann auf eine allgemeine Struktur des emotionalen Lebens als Möglichkeitsbedingung für die Mitteilbarkeit der Gefühle im Menschen.
4

[en] THE WORDING WORKSHOP: FROM VESTIGES OF THE WORD TO THE EMERGENCE OF THE SUBJECT / [pt] OFICINA PALAVREAR: DOS RASTROS DA PALAVRA À EMERGÊNCIA DO SUJEITO

ROCHELLE GABBAY 03 June 2008 (has links)
[pt] Esse trabalho parte de uma questão: existe sujeito na loucura? Em realidade, não é uma questão propriamente nova uma vez que atravessou boa parte da história da loucura. De fato, os termos sujeito e loucura têm uma história comum cujo recorte inicial fui buscar no século das Luzes, herdeiro do sujeito cartesiano definido pela razão e pela consciência. No século do Iluminismo, a loucura perde sua marca trágica e passa a ser definida como desrazão. Constituída a loucura como objeto do saber médico, o louco deixa de fazer parte da vida da pólis para ser internado no manicômio. A psiquiatria se identificou inteiramente com o ideário do confinamento e a loucura era percebida como pura negatividade. O manicômio erige-se como instituição-símbolo desse cenário regido pela lógica da segregação e de limitados recursos terapêuticos. A reforma psiquiátrica surge na esteira dos movimentos de contestação asilar com o propósito de questionar o aparato psiquiátrico e resgatar a cidadania do louco, criando novos espaços de inserção social. A contribuição da psicanálise segue sendo fundamental ao reconhecer a positividade subjetiva na experiência da loucura. A oficina Palavrear, dispositivo clínico apresentado nesse trabalho, confirma a aposta inicial de que cada um é portador de uma verdade e sujeito de sua própria experiência. A prática do inconsciente na oficina implicou em afirmar a existência de um lugar de analista a partir do qual o trabalho é conduzido. Para sustentar esse lugar, o conceito de transferência constituiu a mola propulsora e a palavra o fio condutor. Contudo algo mais fundamental se constitui como condição para essa sustentação: o desejo do analista. As atas da oficina, escritas pelos próprios pacientes, com suas seqüências narrativas, recortes de histórias, descontinuidades, incoerências e rabiscos, passos e tropeços enfim, revelaram uma trama discursiva complexa na qual emerge sempre um sujeito. A oficina Palavrear é uma tentativa de devolver a palavra ao louco, personagem a quem frequentemente é negado o estatuto e a dignidade de sujeito. / [en] This article discusses the question as to whether there is a subject in madness. This is not exactly a new question, since it has been present during much of the history of madness itself. The terms subject and madness have a common history that began during the 18th century: they are heirs of the Cartesian subject defined by reason and consciousness. During that century of the Enlightenment, madness lost its central characterization and was thereafter referred to as unreason. Once madness had been established as a topic of medical knowledge, the insane ceased to be part of the life of the polis, and were dispatched off to mental hospitals. Psychiatry fully identified with this solution of confinement, insanity being perceived as pure negativity. The mental hospital thus emerged as an institution to symbolize this context governed by the logic of segregation and limited therapeutic resources. Later, the psychiatric reform followed in the wake of movements that questioned the psychiatric system in vogue and reaffirmed the citizenship of the insane, thus creating new spaces for social inclusion. The contribution of psychoanalysis continues an essential factor for recognizing subjective positivity in the experience of insanity. The workshop known as Palavrear The Wording Workshop, which is the clinical instrument described in this article, confirms the basic tenet which holds that each one bears a truth and is the subject of his or her own experience. The practice of the unconscious in the workshop means asserting the existence of a place of the analyst, on which the workshop activities are based. To sustain this place, the concept of transference acts as the mainspring, and the word serves as the basic connector. However, there is an even more essential condition for this support: the analyst's desire. The minutes of the workshop, written by the patients themselves, with their accounts, stories, lapses, inconsistencies, scribblings, advances and confusion, showed a complex discursive interplay where a subject always emerged. The Wording Workshop is an attempt to return the word to the insane, individuals who are often denied the dignity of being subjects.
5

[en] BROADCAST INDIVIDUALS AND SPACES: MEANING CONFIGURATIONS ON THE INHABITANTS OF RIO DE JANEIRO IN RJTV NEWSCAST / [pt] SUJEITOS E ESPAÇOS TELEVISIONADOS: CONFIGURAÇÕES DE SENTIDOS SOBRE OS HABITANTES DO RIO NO TELEJORNAL RJTV

LUIZ FILIPE CIRIBELLI BORGES 15 December 2009 (has links)
[pt] O objetivo da pesquisa é analisar as representações dos sujeitos e espaços da cidade do Rio de Janeiro mediados no RJTV 1ª edição, telejornal regional produzido e exibido pela Rede Globo de Televisão. Partimos do pressuposto de que, ao narrar as cidades, os telejornais constroem representações sobre os espaços e sujeitos citadinos, construindo, simultaneamente, imagens de si mesmos enquanto dispositivos de enunciação. Para proceder à análise, construímos dois recortes. O primeiro recorte (temático) focaliza a epidemia de dengue no estado e município do Rio de Janeiro, assunto de maior evidência nas edições que compõem o corpus da pesquisa. A temática redimensiona o cotidiano da cidade do Rio de Janeiro tal como mediado no RJTV, de modo que outros temas sempre presentes, tais como violência urbana, tem seu destaque jornalístico diminuído. O segundo recorte (espacial) direciona o olhar para os modos como o RJTV 1ª edição se relaciona com as ocorrências que se dão nos logradouros e vias urbanas, espaços de circulação da cidade que constituem objeto de atenção cotidiana por parte dos profissionais do telejornal. Neste sentido, dada a relação entre telejornalismo e vida urbana, a pesquisa busca construir sentidos sobre os sujeitos e espaços da cidade do Rio de Janeiro mediados no RJTV a partir dos recortes mencionados. / [en] The aim of the present research is to analyze the representations of individuals and spaces in the city of Rio de Janeiro mediated in RJTV 1st edition, a local newscast produced and broadcast by Rede Globo television network. We base our study on the premisse that, while narrating the cities, newscasts construct representations of city spaces and individuals, simultaneously creating images of themselves as enunciation devices. Our approach to the analysis procedure is based on the most journalistically relevant theme in the newscast editions present in our research corpus: the dengue fever. The theme redimensions day-to-day life in the city of Rio de Janeiro as mediated in RJTV, so that other themes that are always present, such as urban violence, lose journalistic importance. When an epidemic is identified, the newscast increasingly invites more social individuals to comment on the theme, be them public individuals, important inhabitants or common people from the city. Therefore, RJTV acts as an institution that produces and configures meaning on said individuals and on the spaces wherein they circulate or live.
6

[en] SCIENCE AND PSYCHOSIS: THE END OF EMPTINESS / [pt] CIÊNCIA E PSICOSE: SOBRE O FIM DO VAZIO

RAQUEL HORTA FIALHO DO AMARAL 01 June 2010 (has links)
[pt] Esta dissertação pretende estabelecer uma analogia entre ciência e psicose através das operações de foraclusão do sujeito e do Nome-do-Pai, respectivamente, buscando encontrar na clínica da psicose orientações para a posição da psicanálise diante do discurso da ciência na cultura. Discorreremos sobre o sujeito da ciência, a partir de Koyré, para localizá-lo como ponto seminal para o nascimento do sujeito da psicanálise. Em seguida, elencarmos o que Lacan especificou como próprio do sujeito da psicanálise, aproximando este sujeito da noção de vazio. Ponderaremos sobre o destino que a ciência moderna reserva ao sujeito tal como ele é concebido pela psicanálise alcançando a noção de foraclusão do sujeito. Analisaremos a foraclusão através da sua incidência na psicose e elencaremos os seus efeitos observáveis nessa clínica ressaltando neles a possibilidade de organização no mundo sem o parâmetro do Pai. Cotejaremos a foraclusão do Nome-do-Pai com a foraclusão do sujeito no intuito de notar as proximidades e distinções entre ciência e psicose. Como ilustração dos fenômenos decorrentes do discurso científico na cultura, lançaremos mão da sociedade ‘líquido-moderna’ visando definir os impasses, mas também esboçar as possibilidades de intervenção na cultura pela psicanálise. / [en] This dissertation intends to estabilish an analogy between science and psychosis, by verifying that both share a common operation of forclusion, of the subject and of Name-of-the-Father, respectively. We intend also to find in the clinical picture of psychosis orientations for the psychoanalist s position towards the scientific discourse present in today s culture. We will discuss about the scientific subject, from Koyré, as the seminal conception for the birth of the psychoanalitic subject, and then indicate what Lacan has specified as this psychoanalitic subject, approaching it to the notion of emptiness. We will reflect about the destiny that modern science reserves to the subject - as it is conceived by psychoanalysis-, that is, the subject s forclusion. This operation will be considered in regard to its incidence on psychosis, where it constitutes a possibility of organization of the world without the Father s parameter. Both the subject s and the Name-of-the-Father s foraclusion will be compared, in their similarities and discriminations, in order to put science and psychosis side to side. As an ilustration of the phenomena of the scientific discourse, we will make use of the modern-liquid society, defining dillemas, but also outlining possibilities of some intervention in culture.
7

[fr] DE L ASILE À L ASILE, LES EXISTENCES DE FERNAND DELIGNY: TRAJETS D ESQUIVE À L INSTITUTION, À LOI ET AU SUJET / [pt] DO ASILO AO ASILO, AS EXISTÊNCIAS DE FERNAND DELIGNY: TRAJETOS DE ESQUIVA À INSTITUIÇÃO, À LEI E AO SUJEITO

NOELLE COELHO RESENDE 08 May 2017 (has links)
[pt] No final da década de 1930, na França, começou a ser desenvolvido o conceito de infância inadaptada, como orientador para a construção de políticas de cuidado em relação à infância e à juventude consideradas anormais. Este conceito, que se estabeleceu durante os anos 1940 e permaneceu predominante sem alterações significativas até meados dos anos 1970, articulou os poderes médico, jurídico e educacional em torno da infância à margem. A noção de inadaptação promoveu uma transição da perspectiva anterior, voltada à completa exclusão da anormalidade, para a possibilidade de reeducação e readaptação desta, direcionada ao seu reaproveitamento econômico. Fernand Deligny dedicou sua vida à criação de espaços comuns junto às crianças e aos adolescentes que, por um motivo ou outro, se tornaram o resto em um processo de integração social que teve o preço da exclusão de toda diferença mais ou menos inassimilável. Tendo passado por diferentes instituições que integravam o tripé de sustentação dessa nova política - a escola, o asilo e um centro sócio-jurídico - e, posteriormente, tendo operado uma transição para fora do quadro institucional do Estado, Deligny se tornou um importante analisador sobre a constituição desse novo campo e sobre a luta política em relação aos preceitos que o sustentavam. A escrita da tese teve como objetivo, a partir da trajetória percorrida por Deligny, das diferentes tentativas tramadas por ele de 1937 até 1996, retraçar, em seus textos e em suas práticas, os contornos de sua vida e de seu trabalho, mapeando as formas como em diferentes períodos e espaços ele construiu uma importante reflexão crítica sobre os processos de criação e de organização institucionais. Nas classes especiais em Paris e Nogent-sur-Marne, em um pavilhão para irrecuperáveis no asilo de Armentières, no Centro de Observação e Triagem de Lille, na Grande Cordée por toda França, e em Cévennes durante trinta anos na companhia de crianças autistas, dentro ou fora das instituições, Deligny criou importantes formas de esquiva aos preceitos que definem os processos de criação institucional que conhecemos e às bases que sustentam a compreensão da experiência humana - a imagem dominante do homem-sujeito: a liberdade, a vontade, a propriedade, a Linguagem, a Normalidade e a Lei. / [fr] Le concept d enfance inadaptée commence à s affirmer en France à la fin des années 1930, et conditionne l élaboration des politiques de prise en charge destinées aux enfants et aux jeunes considérés comme anormaux. Ce concept d inadaptation, qui s installe à la fin des années 1940 et reste par la suite prédominante - puisqu il connaît peu d altérations significatives jusqu au milieu des années 1970 - associe les pouvoirs médical, juridique et éducatif dans le traitement de l enfance en marge. À la différence de la perspective antérieure marquée par la complète exclusion de l anormalité, la notion d inadaptation introduit la possibilité d une rééducation et d une réadaptation, visant notamment sa mise à profit économique. Fernand Deligny a consacré sa vie à la création d espaces communs avec les enfants et les adolescents qui, d une manière ou d une autre, sont devenus le reste d un processus d intégration sociale impliquant l exclusion de toute différence plus ou moins inassimilable. Après être passé par les différentes institutions qui composent le trépied de cette nouvelle politique - l école, l asile et un centre d observation e triage - puis opéré la transition vers le dehors du cadre institutionnel de l État, Deligny est devenu un analyste important de la constitution de ce nouveau champ et un penseur de la lutte politique contre les préceptes qui le sous-tendent. Cette thèse a pour objectif, à partir de la trajectoire de Deligny et de ses différentes tentatives menées entre 1937 et 1996, de retracer par ses textes et par ses pratiques les contours de sa vie et de son travail, en dressant la carte des différentes périodes et espaces où il a construit sa réflexion critique sur les processus de création et d organisation institutionnelle. Au sein des classes spéciales à Paris et à Nogent-sur-Marne, du pavillon pour les irrécupérables à l asile d Armentières, au sein du Centre d Observation et de Triage à Lille, de la Grande Cordée dans toute la France, et enfin dans les Cévennes pendant trente ans en compagnie d enfants autistes, Deligny a créé, à l intérieur ou à l extérieur des institutions, des façons d esquiver les grands préceptes qui gouvernent les modes de création institutionnelle que nous connaissons et les bases qui sous-tendent la compréhension de l expérience humaine - c est-à-dire l image dominante de l homme-sujet : la liberté, la volonté, la propriété, le Langage, la Normalité et la Loi.
8

[en] INVISIBLE MARKS: THINKING ABOUT NEUROSCIENCE AND PSYCHOLOGY / [pt] MARCAS INVISÍVEIS: PENSANDO AS REDES ENTRE PSICOLOGIA E NEUROCIÊNCIA

FABIANO DOS SANTOS CASTRO 02 February 2017 (has links)
[pt] O presente trabalho tem por finalidade observar as relações existentes entre psicologia e neurociência. A partir da Teoria Ator-Rede (TAR), especificamente, o trabalho de Bruno Latour, observa-se as redes sociotécnicas que formam o campo da neurociência. Munido de alguns conceitos fundamentais tais como fe(i)tiche, caixa-preta e rede sociotécnica, aponta-se os agenciamentos feitos a partir da rede formada, tendo os trabalhos científicos sobre o cérebro como ponto de entrada. Atribui-se um valor específico ao cérebro, que produz um agenciamento em uma série de actantes. Essa rede de actantes constituiria o campo neurocientífico, no qual a psicologia passa a se articular de determinada maneira. Essas articulações produzem interesses a determinadas práticas psi, que se apresentam dispostas a lidar com uma naturalização do pensamento. Ao mesmo tempo, observa-se que, desde suas elaborações, tais práticas psi possuem uma pretensão cientificista, o que encontra grande consonância nos trabalhos neurocientíficos. / [en] The present study seeks to evaluate the relationship between psychology and neuroscience. Therefore, taking the Actor-Network Theory (ANT) and Bruno Latour s work, specifically, it can be noticed the socio-technical networks that trace the field of neuroscience. Armed with some basic concepts such as factishes, black box and sociotechnical network, pointing up the assemblages made from the network formed, and scientific work on the brain as the entry point. It has assigned a specific value to the brain that produces an assemblage of a series of actants. This network of actants constitute the field of neuroscience, in which psychology articulates in a certain way. When psychology articulates with neurosciences, there are some interests to certain psi practices, disposed with a naturalization of thought. At the same time, we observe that, since its elaborations, such practices have a scientific claim, which is great harmony in the work neuroscience.
9

[en] INTERPRETATION AND CONSTRUCTION IN PSYCHOANALYSIS: A VIEW FROM THE MATHEMATICAL DEFINITION OF THE CONCEPTS OF SUBJECT AND OBJECT A / [pt] INTERPRETAÇÃO E CONSTRUÇÃO EM PSICANÁLISE: UMA VISÃO DESDE A DEFINIÇÃO MATEMÁTICA DOS CONCEITOS DE SUJEITO E OBJETO A

MARCIO CONTENTE ARESE 10 August 2018 (has links)
[pt] A dissertação se propõe a mostrar que através do modo como define os conceitos de sujeito e objeto a, Jacques Lacan resume o que há de mais radical nas operações de interpretação e de construção freudianas, apresentando uma epistemologia capaz de formalizar o funcionamento da interpretação, localizar seus impasses, seus limites, e justificar a necessidade da construção em psicanálise, dizendo também o que está em jogo nesta. Aponta afinidades entre a psicanálise e a matemática, e utiliza os recursos desta apoiando-se nos trabalhos de Frege, Badiou, Dedekind e Russel para a definição de sujeito e objeto a, identificando o primeiro com o zero e identificando o segundo tanto com o excesso que representam algumas operações na teoria dos conjuntos, quanto com o número irracional. Após, mostra a insuficiência da relação de simples oposição com as quais atrela inicialmente todos esses termos para superá-la através de uma relação quaternária – de implicação recíproca e de conjunçãodisjunção – que, subvertendo as referências espaciais e temporais usuais, se mostra mais afeita a dar conta da experiência analítica. / [en] This dissertation intends to show that through the way that defines the concepts of subject and object a, Jacques Lacan summarizes what is most radical in the freudian operations of interpretation and construction, presenting an epistemology capable to formalize the operation of interpretation, to point their impasses, its limits, and to justify the need of the construction, also saying what is at stake in this. It points affinities between psychoanalysis and mathematics, and uses it resources, relying on the works of Frege, Badiou, and Russel Dedekin to define subject and object a, identifying the first with zero and identifying the second with both the excess that represent some operations in set theory, and also the irrational number. After, shows the insufficiency of the relationship of simple opposition that uses initially to link all these terms, to overcome it through a quaternary relationship – mutual implication and conjunction-disjunction – which, subverting the usual temporal and spatial references, is best suited for capture the nature of the analytical experience.
10

[en] PROPERTY, NEGATED PROPERTY AND PREDICATE NEGATION: LOGICAL AND ONTOLOGICAL ASPECTS OF NEGATION / [pt] PROPRIEDADE, PROPRIEDADE NEGADA E NEGAÇÃO PREDICATIVA: ASPECTOS LÓGICOS E ONTOLÓGICOS DA NEGAÇÃO

SERGIO RICARDO SCHULTZ 17 June 2010 (has links)
[pt] Desenvolvemos na presente tese uma análise de aspectos lógicos e ontológicos concernentes à negação, em especial, aqueles referentes à existência e natureza de propriedades negadas e à relação entre negação e diferença. Partindo da concepção de acordo com a qual propriedades, em contraposição a objetos, são aquelas entidades que correspondem a predicados, propomos uma concepção de propriedades e da relação entre estas e predicados. A seguir, examinamos a distinção entre sujeito e predicado, procurando tornar clara a extensão da noção de propriedade, em particular, se e em que medida podemos afirmar que existem propriedades logicamente complexas como propriedades da forma não-F. Por fim, investigamos o que são propriedades negadas, com ênfase na relação entre as noções de negação, propriedade negada e diferença. Ao longo de nosso trabalho procuramos desenvolver uma concepção de propriedade, negação e propriedade negada partindo da premissa - poucas vezes considerada - de que propriedades são condições de aplicação de predicados e não simplesmente a denotação ou referência de expressões predicativas. Como conseqüência, a noção de propriedade desenvolvida por nós possui estreita ligação não somente com a noção de verdade como também com as noções de falsidade e diferença. Lançamos, assim, uma nova perspectiva sobre a noção de propriedade de acordo com a qual a aceitação de propriedades negadas e sua análise em termos de diferença são desdobramentos naturais da noção geral de propriedade. / [en] In this thesis we develop an analysis of the logical and ontological aspects of negation, and especially, those associated with the existence and nature of negated properties and the relationship between negation and difference. From the idea that properties - contrary to objects - are those entities which correspond to predicates, we offer an understanding of properties and of the relationship between them and predicates. After that, we discuss the distinction between subject and predicate, trying to make clear the scope of the notion of predicate, and if, and to what extent, we can acknowledge the existence of logically complex properties like non-F proprieties. Lastly, we inquire into the nature of denied properties, emphasizing the relationship between the notions of negation, denied property, and difference. Throughout our work we tried to develop a conception of property, negation, and denied property, taking for granted the premise - rarely taken into account - that properties are applicability conditions of predicates, and not merely their denotation or reference. Consequently, the notion of property we have developed is connected not only with the notion of truth, but also with the notions of falsity and difference. Hence, we launch a new perspective over the notion of property, according to which the acceptance of denied properties and the analysis of denied properties in terms of difference are natural consequences of the general notion of property.

Page generated in 0.0418 seconds