• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 205
  • 5
  • Tagged with
  • 212
  • 67
  • 38
  • 34
  • 32
  • 29
  • 28
  • 25
  • 24
  • 20
  • 20
  • 17
  • 16
  • 16
  • 15
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
41

Prevalência e fatores associados ao início de desmame precoce

Giuliani, Núbia de Rosso January 2006 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Odontologia. / Made available in DSpace on 2012-10-22T17:39:53Z (GMT). No. of bitstreams: 1 227251.pdf: 679708 bytes, checksum: f169d89bd5cf825575b81eb77e97c584 (MD5) / Verificou-se a prevalência de aleitamento materno (AM), de aleitamento materno predominante (AMP) e aleitamento materno exclusivo (AME) até 6 meses, e do início de desmame precoce (AME < 6 meses). Investigaram-se os determinantes para o início do desmame precoce e os motivos das mães para o não AM, o planejamento de não amamentar e para a introdução de alimentos, água, chá ou sucos antes do sexto mês de vida do bebê. Através de um estudo transversal com 200 mães de crianças de 6 a 12 meses de idade em acompanhamento de puericultura no Hospital Universitário (HU) e na Unidade de Saúde (USSGII) em Florianópolis/SC. O AM foi realizado por 98% mulheres; 12,2% realizaram AMP até o sexto mês; 79,6% conseguiram fazer o AME por mais que 15 dias, 18,4% chegaram aos seis meses e 81,6% iniciaram o desmame precocemente. Esteve associado ao início do desmame precoce: o trabalho materno nos primeiros 6 meses (OR: 6,0; 95% IC: 2,3-15,8; p<0,001), bebê não mamar no peito na primeira hora de vida (OR: 3,6; 95% IC: 1,4-9,5; p=0,008), mãe fazer pré-natal na USSGII (OR: 3,3; 95% IC: 1,1-9,5; p=0,029) e ter até 26 anos de idade (OR: 2,9; 95% IC: 1,2-6,9; p=0,015). Os motivos das 4 mães que não iniciaram o AM e das 10 que haviam planejado não amamentar estiveram relacionados com desconhecimento, experiência ruim, rejeição à gravidez, posicionamento pessoal, trabalho materno. Já os motivos maternos para introdução de algo além do seu leite antes do sexto mês foram: 46,2% por conceitos; 35,6% por problemas relacionados ao bebê; 27,5% pelos múltiplos papéis desempenhados pela mulher-mãe; 19,4% por orientação de alguma pessoa e 18,7% alegaram problemas orgânicos pessoais. Concluiu-se que o AM e o AME vem sendo iniciado pela maioria das mulheres; o inicio do desmame está sendo realizado precocemente pelas mães e esteve associado a idade e trabalho maternos, tempo para primeira mamada e utilização de bico artificial; a influência cultural e familiar, o trabalho materno e a orientação dos médicos são determinantes tanto para o planejamento do AM quanto para o início do desmame precoce; em relação à orientação para início do desmame, os médicos foram os mais citados; os conceitos acerca do leite materno e sobre cólicas do bebê foram referidos por muitas mães.
42

Fatores associados à autoeficácia para amamentação e desmame de mães de bebês prematuros / Factors associated with self-efficacy for breastfeeding and weaning of mothers of preterm infants

Emílio, Danielle Marinho Viegas 03 May 2018 (has links)
Submitted by DANIELLE MARINHO VIEGAS EMÍLIO (dannibtu13@gmail.com) on 2018-06-18T18:46:40Z No. of bitstreams: 1 texto finalizado Danielle.pdf: 1603168 bytes, checksum: 648168cbee10718cdc6a07a6f3c406e5 (MD5) / Rejected by ROSANGELA APARECIDA LOBO null (rosangelalobo@btu.unesp.br), reason: Solicitamos que realize uma nova submissão seguindo as orientações abaixo: problema 1: A ficha deve ser inserida no arquivo PDF logo após a folha de rosto do seu trabalho. No arquivo que você submeteu a ficha está após a Folha de aprovação. Assim que tiver efetuado essa correção submeta o arquivo, em PDF, novamente. Agradecemos a compreensão. on 2018-06-21T12:42:00Z (GMT) / Submitted by DANIELLE MARINHO VIEGAS EMÍLIO (dannibtu13@gmail.com) on 2018-06-24T20:39:51Z No. of bitstreams: 1 texto finalizado Danielle.pdf: 1605296 bytes, checksum: e99ee16335a4b4affabc6ba03da33363 (MD5) / Approved for entry into archive by ROSANGELA APARECIDA LOBO null (rosangelalobo@btu.unesp.br) on 2018-06-26T12:07:06Z (GMT) No. of bitstreams: 1 emilio_dmv_me_bot.pdf: 1605296 bytes, checksum: e99ee16335a4b4affabc6ba03da33363 (MD5) / Made available in DSpace on 2018-06-26T12:07:06Z (GMT). No. of bitstreams: 1 emilio_dmv_me_bot.pdf: 1605296 bytes, checksum: e99ee16335a4b4affabc6ba03da33363 (MD5) Previous issue date: 2018-05-03 / Introdução: O aleitamento materno, além das propriedades nutritivas e imunológicas, propicia momentos essenciais de interação mãe-bebê. Quando o recém-nascido, especialmente o prematuro, é separado da mãe devido à sua internação em uma Unidade Neonatal, diversos fatores podem prejudicar o início do aleitamento materno e sua duração. Pesquisas com crianças nascidas a termo mostram que dentre vários fatores, a percepção de autoeficácia materna está associada com maior tempo de amamentação exclusiva e desmame mais tardio; entretanto, pouco se sabe sobre o papel da autoeficácia em mães de prematuros. Objetivos: Avaliar a percepção de autoeficácia em mães de prematuros durante a internação e após a alta e sua associação com a manutenção do aleitamento materno e desmame. Método: Trata-se de um estudo longitudinal, com 47 mães de prematuros cujos dados sociodemográficos e clínicos foram obtidos a partir de entrevista realizada até o terceiro dia após o nascimento e dos prontuários médicos do bebê. Entre três e sete dias após início da amamentação foram aplicados dois questionários para avaliação de autoeficácia: a) com relação aos cuidados (Perceived Maternal Parenting Self-Efficacy – PMP); b) com relação à amamentação (Brastfeeding Self-Efficacy Scale – Short-Form – BSE - SF). No primeiro retorno após a alta hospitalar do bebê, o BSES – SF foi reaplicado, e 60 dias após o nascimento foi verificado no prontuário, ou por contato telefônico se os bebês continuavam sendo amamentados. Resultados: A mediana da idade gestacional foi de 32 semanas e o tempo médio de internação foi de 20 dias. Na alta 85% dos prematuros estavam em aleitamento materno exclusivo, e até 60 dias após o nascimento 31,7% continuaram em aleitamento materno exclusivo. Nenhuma mãe pontuou para baixa autoeficácia, e altos índices de autoeficácia foram predominantes em mães com maior idade, multíparas e cujo recém-nascido teve melhor vitalidade ao nascer. A autoeficácia não se associou com tempo de amamentação, mas nascer pequeno para a idade gestacional foi fator de proteção e maior idade materna foi fator de risco para o desmame. Conclusão: A alta autoeficácia na amamentação não se associou com risco de desmame. As taxas de aleitamento materno foram elevadas na alta hospitalar mas caíram drasticamente 60 dias após o nascimento, o que sinaliza para a necessidade de retornos mais frequentes aos serviços de saúde após a alta para continuar encorajando o aleitamento materno, dando orientações técnicas ajustadas às necessidades individuais de cada mãe, visando aumentar seu empoderamento, sua percepção de autoeficácia e confiança em sua capacidade de amamentar. / Introduction: Breastfeeding propitiates not only nutritional and immunological advantages, but also essential moments of mother-baby interaction. According to the literature, when a newborn, especially if premature, is separated from the mother to be admitted into a Neonatal Unit, several factors can impair breastfeeding and its duration. Research with infants born at full-term shows that among several factors maternal perception of self-efficacy is associated with exclusively breastfeeding for a longer period and weaning at a later date. However, little is known about the role of self-efficacy in mothers of premature babies. Objectives: Evaluating the perception of self-efficacy in mothers of premature babies during hospitalization and after discharge and its association to breastfeeding and weaning. Methodology: A longitudinal study with 47 mothers of premature babies whose sociodemographic and clinical data were obtained through an on-site interview conducted up to three days after birth and from the baby’s medical charts. From three to seven days after they first started breastfeeding, two questionnaires were used to evaluate self-efficacy: a) the - Perceived Maternal Parenting Self-Efficacy (PMP-E); and b) the Breastfeeding Self-Efficacy Scale – Short-Form (BSES-SF). On the first consultation after discharge the BSES-SF questionnaire was applied once more and and 60 days after birth medical charts were consulted or by phone contact to check whether the mother was still breastfeeding. Results: Average gestational age was 32 weeks at birth and the children were admitted for an average of 20 days. 85.1% of the children were discharged on exclusive breastfeeding and up to 60 days after birth 31.7% continued on exclusive breastfeeding. No mother had a low score on self-efficacy and high levels of self-efficacy were predominant in older mothers who had given birth before and whose children had higher Apgar scores. No mother scored for low self-efficacy, and high self-efficacy rates were predominant in older mothers, multiparous, and whose newborn had better vitality at birth.Self-efficacy was not associated with breastfeeding time but being small for gestational age appeared as a protective factor and having an older mother a risk factor for weaning. Conclusion: The high self-efficacy in breastfeeding was not associated with risk of weaning. Breastfeeding rates were high at hospital discharge but dropped dramatically 60 days after birth, signaling the need for more frequent returns to post-discharge health services to continue encouraging breastfeeding, providing technical guidance tailored to individual needs of each mother, in order to increase their empowerment, their perception of self-efficacy and confidence in their ability to breastfeed.
43

Continuidades e descontinuidades intergeracionais sobre a experiência de amamentar: um estudo de representações sociais

Moreira, Michelle Araújo 17 May 2013 (has links)
Submitted by Hiolanda Rêgo (hiolandar@gmail.com) on 2013-05-09T20:29:14Z No. of bitstreams: 1 Tese_Enf_Michelle Moreira.pdf: 6180139 bytes, checksum: b7ef5cf8df2174313707f958a2181066 (MD5) / Approved for entry into archive by Flávia Ferreira(flaviaccf@yahoo.com.br) on 2013-05-17T16:11:27Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Tese_Enf_Michelle Moreira.pdf: 6180139 bytes, checksum: b7ef5cf8df2174313707f958a2181066 (MD5) / Made available in DSpace on 2013-05-17T16:11:27Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Tese_Enf_Michelle Moreira.pdf: 6180139 bytes, checksum: b7ef5cf8df2174313707f958a2181066 (MD5) / FAPESB / A amamentação, processo sociocultural complexo e multifacetado, permite às mulheres de uma mesma ou de distintas gerações, dentro da estrutura societal e no interior de um grupo parental, experimentar e/ou elaborar múltiplas representações que podem ser continuadas e/ou descontinuadas a depender do tempo social dos grupos de pertencimento. Trata-se de um estudo quanti-qualitativo, de natureza exploratória e descritiva, fundamentado na Teoria das Representações Sociais e Teoria do Núcleo Central, com utilização da abordagem multimétodos, com os objetivos de apreender e discutir as representações sociais de mulheres da mesma família sobre a experiência de amamentar ancoradas na intergeracionalidade e analisar as continuidades e descontinuidades que permeiam este fenômeno social. Participaram 21 mulheres de três gerações distintas e da mesma família que tivessem experienciado a prática de amamentar. Os instrumentos utilizados para a coleta dos dados foram a Técnica de Associação Livre de Palavras – TALP, o Desenho - Estória com Tema e a Entrevista Semi - Estruturada, devidamente aplicada em outubro de 2009 a julho de 2010. Os dados provenientes do TALP foram submetidos à Análise Fatorial por Correspondência - AFC, através do software Tri-Deux- Mots com os 6 estímulos indutores: amamentação, sua experiência com a amamentação, aprendizado sobre amamentação, troca de experiências entre as gerações, ensinamento na amamentação e leite materno e a elaboração do Quadro de Quatro Casas pelo EVOC com apenas 1 estímulo indutor: troca de experiências sobre amamentação com sua filha e neta (1ª geração), com sua mãe e filha (2ª geração) e com sua mãe e avó (3ª geração), buscando o sentido e a estrutura da representação social. A análise do Quadro de Quatro Casas evidenciou que as mulheres significavam esta experiência, através do conhecimento, pelos elementos centrais, tidos como: importante, aprendizado, passagem, família e médico, como elementos periféricos: cuidado, dedicação e alegria. A AFC corroborou com a perspectiva estrutural, quando demonstrou que, no Fator 1, as mulheres revelaram os sentidos da experiência por alimentação, saúde, amor, cuidado, bom, obrigação, mãe, filha, criança, prevenção de doença. Para o Fator 2, estas mulheres ainda evocaram aprendizado, carinho, obrigação, saúde, bom, mãe, criança, forte. Ademais, as narrativas, o iconográfico e a entrevista semi-estruturada foram analisados na dimensão da análise de conteúdo, caracterizando a perspectiva temática. As estórias contidas nos desenhos evidenciaram que a prática da amamentação encontrava-se ancorada no processo ensino-aprendizagem das distintas gerações e pelo cuidar do bebê como núcleo central, que os benefícios da amamentação, presentes nas três gerações, concentravam-se no enfoque físicoorgânico de desenvolvimento do bebê em direção a uma perspectiva de saúde da mulher e que a amamentação estava entremeada pelas relações de afeto. Por fim, a análise temática das entrevistas definiu-se por quatro categorias e 11 subcategorias para a 1ª geração, quatro categorias e 12 subcategorias para a 2ª geração e quatro categorias e 10 subcategorias para a 3ª geração. Estes resultados permitiram que fosse conhecida a experiência a partir da percepção positiva e/ou negativa da amamentação, do processo ensino-aprendizagem desenvolvida pelas gerações, profissionais de saúde, observação e mídia, do cuidar com o bebê na amamentação e da concepção de amamentar, definida como biológica e/ou social. Conclui-se, acreditando que este estudo permitirá o olhar amplificado, não apenas de profissionais de saúde e áreas afins, mas para aqueles que pretendem analisar um fenômeno multifacetado e complexo como a amamentação, acrescido das possibilidades inter e/ou transgeracional, compreendendo-o sob a ótica dos agentes formuladores. / Salvador
44

Soropositividade de mulheres para os vírus HIV e HTLV: significados do contágio do leite materno

Teixeira, Marizete Argolo 30 November 2009 (has links)
Banca Examinadora: Mirian Santos Paiva, Sheva Maia Nóbrega, Rafael Moura Coelho Peely Wolter, Luzia Wilma Santana da Silva, Mariza Silva Almeida, Maria da Penha Lima Coutinho e Edméia de Almeida Cardoso Coelho. / Submitted by Samuel Real Mota (samuel.real@ufba.br) on 2013-08-09T13:12:20Z No. of bitstreams: 1 7ª def. de Tese - Marizete Teixeira - 30-11-09 (1).pdf: 4475869 bytes, checksum: 5b6f647d1e7afc6112b44abf7994043a (MD5) / Approved for entry into archive by Flávia Ferreira(flaviaccf@yahoo.com.br) on 2013-09-12T16:53:34Z (GMT) No. of bitstreams: 1 7ª def. de Tese - Marizete Teixeira - 30-11-09 (1).pdf: 4475869 bytes, checksum: 5b6f647d1e7afc6112b44abf7994043a (MD5) / Made available in DSpace on 2013-09-12T16:53:34Z (GMT). No. of bitstreams: 1 7ª def. de Tese - Marizete Teixeira - 30-11-09 (1).pdf: 4475869 bytes, checksum: 5b6f647d1e7afc6112b44abf7994043a (MD5) Previous issue date: 2009-11-30 / Existem situações envolvendo a mãe e o recém-nascido que contra-indicam a amamentação, dentre elas a soropositividade de mulheres para os vírus HIV e HTLV. Trata-se de uma pesquisa quanti-qualitativa fundamentada na Teoria das Representações Sociais que teve como objetivos: apreender os significados e sentidos expressos nas representações sociais de mulheres soronegativas e soropositivas para os vírus HIV e HTLV referentes ao contágio do leite materno; analisar o conteúdo das representações sociais de mulheres soronegativas e soropositivas sobre o contágio do leite materno e suas implicações na impossibilidade de amamentação de seus filhos e identificar atitudes e comportamentos expressos pelas mulheres frente ao contágio do leite materno pelos vírus HIV e HTLV quando expostas a uma situação hipotética. Foi realizada na cidade de Salvador/BA/Brasil, em Centros de Referências para IST/aids e HTLV e numa Unidade de Pré-natal da Rede Básica de Atenção à Saúde, tendo como informantes 198 mulheres soronegativas e soropositivas para os vírus HIV e HTLV. Como estratégia de coleta de informações foi utilizado um survey descritivo, técnicas projetivas e uma dinâmica interativa. As informações advindas do TALP foram processadas estatisticamente pelo software Tri-Deux Mots e submetidas à Análise Fatorial de Correspondência (AFC); as advindas do survey foram analisadas por meio da análise de conteúdo temática (questões abertas) e pelo Programa SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) – questões fechadas. A ética permeou todo processo da pesquisa, conforme a Resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde. Da análise das informações emergiram cinco categorias: reveses e vieses – o (des)conhecimento como consequência de vidas reescritas; amamentar: um desafio – (des)conhecer razões para decidir/escolher; multiversas maneiras de viver a vida sendo soropositiva; a díficil decisão de não amamentar – conflitos valorativos; sentimentos e sensações do ser mãe de filhos livres dos vírus HIV e HTLV. Os resultados apontaram que a idade média destas mulheres foi de 31,4 anos; 50% afirmaram viver em união consensual; a maioria referiu ter cursado o Ensino Fundamental Incompleto e estarem desempregadas. As mulheres representaram o contágio do leite materno pelos vírus HIV e HTLV como um reviver permeado de dificuldades de ordem biológica, psicológica, econômica e psicossocial, porém, o não amamentar foi ressignificado e transformado num ato de amor por proteger o(a) filho(a) da contaminação pelo vírus. É preciso implantar e implementar políticas públicas de saúde que respondam às necessidades das mulheres que vivenciam a soropositividade e a não amamentação, considerando a subjetividade destas mulheres, focalizando-se contexto sócio-histórico, onde o surgimento das infecções pelos vírus HIV e HTLV requer um novo olhar sobre o ato de amamentar/não amamentar devido ao contágio do leite materno. Por esta razão, o cuidado de enfermagem a ser oferecido e essas mulheres deve ser individualizado, sem julgamentos e coerção e, acima de tudo, buscar não culpabilizá-las pela sua contaminação e pelo contágio do leite materno. / Salvador
45

Continuidades e descontinuidades intergeracionais sobre a experiência de amamentar: um estudo de representações sociais

Moreira, Michelle Araújo 30 November 2011 (has links)
Submitted by Mendes Márcia (marciinhamendes@gmail.com) on 2014-01-15T14:11:43Z No. of bitstreams: 1 19º TESE - MICHELLE ARAUJO MOREIRA.pdf: 6148130 bytes, checksum: b1f02d69d2138cb5f3ff2aed62861560 (MD5) / Approved for entry into archive by Rodrigo Meirelles (rodrigomei@ufba.br) on 2014-06-25T15:51:32Z (GMT) No. of bitstreams: 1 19º TESE - MICHELLE ARAUJO MOREIRA.pdf: 6148130 bytes, checksum: b1f02d69d2138cb5f3ff2aed62861560 (MD5) / Made available in DSpace on 2014-06-25T15:51:32Z (GMT). No. of bitstreams: 1 19º TESE - MICHELLE ARAUJO MOREIRA.pdf: 6148130 bytes, checksum: b1f02d69d2138cb5f3ff2aed62861560 (MD5) / A amamentação, processo sociocultural complexo e multifacetado, permite às mulheres de uma mesma ou de distintas gerações, dentro da estrutura societal e no interior de um grupo parental, experimentar e/ou elaborar múltiplas representações que podem ser continuadas e/ou descontinuadas a depender do tempo social dos grupos de pertencimento. Trata-se de um estudo quanti-qualitativo, de natureza exploratória e descritiva, fundamentado na Teoria das Representações Sociais e Teoria do Núcleo Central, com utilização da abordagem multimétodos, com os objetivos de apreender e discutir as representações sociais de mulheres da mesma família sobre a experiência de amamentar ancoradas na intergeracionalidade e analisar as continuidades e descontinuidades que permeiam este fenômeno social. Participaram 21 mulheres de três gerações distintas e da mesma família que tivessem experienciado a prática de amamentar. Os instrumentos utilizados para a coleta dos dados foram a Técnica de Associação Livre de Palavras – TALP, o Desenho - Estória com Tema e a Entrevista Semi - Estruturada, devidamente aplicada em outubro de 2009 a julho de 2010. Os dados provenientes do TALP foram submetidos à Análise Fatorial por Correspondência - AFC, através do software Tri-Deux- Mots com os 6 estímulos indutores: amamentação, sua experiência com a amamentação, aprendizado sobre amamentação, troca de experiências entre as gerações, ensinamento na amamentação e leite materno e a elaboração do Quadro de Quatro Casas pelo EVOC com apenas 1 estímulo indutor: troca de experiências sobre amamentação com sua filha e neta (1ª geração), com sua mãe e filha (2ª geração) e com sua mãe e avó (3ª geração), buscando o sentido e a estrutura da representação social. A análise do Quadro de Quatro Casas evidenciou que as mulheres significavam esta experiência, através do conhecimento, pelos elementos centrais, tidos como: importante, aprendizado, passagem, família e médico, como elementos periféricos: cuidado, dedicação e alegria. A AFC corroborou com a perspectiva estrutural, quando demonstrou que, no Fator 1, as mulheres revelaram os sentidos da experiência por alimentação, saúde, amor, cuidado, bom, obrigação, mãe, filha, criança, prevenção de doença. Para o Fator 2, estas mulheres ainda evocaram aprendizado, carinho, obrigação, saúde, bom, mãe, criança, forte. Ademais, as narrativas, o iconográfico e a entrevista semi-estruturada foram analisados na dimensão da análise de conteúdo, caracterizando a perspectiva temática. As estórias contidas nos desenhos evidenciaram que a prática da amamentação encontrava-se ancorada no processo ensino-aprendizagem das distintas gerações e pelo cuidar do bebê como núcleo central, que os benefícios da amamentação, presentes nas três gerações, concentravam-se no enfoque físicoorgânico de desenvolvimento do bebê em direção a uma perspectiva de saúde da mulher e que a amamentação estava entremeada pelas relações de afeto. Por fim, a análise temática das entrevistas definiu-se por quatro categorias e 11 subcategorias para a 1ª geração, quatro categorias e 12 subcategorias para a 2ª geração e quatro categorias e 10 subcategorias para a 3ª geração. Estes resultados permitiram que fosse conhecida a experiência a partir da percepção positiva e/ou negativa da amamentação, do processo ensino-aprendizagem desenvolvida pelas gerações, profissionais de saúde, observação e mídia, do cuidar com o bebê na amamentação e da concepção de amamentar, definida como biológica e/ou social. Conclui-se, acreditando que este estudo permitirá o olhar amplificado, não apenas de profissionais de saúde e áreas afins, mas para aqueles que pretendem analisar um fenômeno multifacetado e complexo como a amamentação, acrescido das possibilidades inter e/ou transgeracional, compreendendo-o sob a ótica dos agentes formuladores.
46

Relações entre Estratégias de Enfrentamento e Aleitamento Materno de Prematuros

GUIMARAES, F. H. C. 07 December 2010 (has links)
Made available in DSpace on 2016-08-29T14:10:12Z (GMT). No. of bitstreams: 1 tese_3626_RELAÇÕES ENTRE ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO E ALEITAMENTO MATERNO DE PREMATUROS- Dissertação de Mestrado de Flávia Helena.pdf: 2319163 bytes, checksum: 470d16ce4d110db38b6a8193f1400e7a (MD5) Previous issue date: 2010-12-07 / O aleitamento materno é primordial para a sobrevivência infantil, principalmente na prematuridade, quando as mães experimentam mais dificuldades no período inicial. Foram realizados 3 estudos para análise das relações entre as estratégias de enfrentamento (EE) ou coping da condição de ter um filho prematuro internado em Unidade Neonatal (UN) e o processo de amamentação em hospital público de Petrolina, PE. Participaram 20 mães, ao ingressarem no Alojamento Canguru, que responderam à Escala Modos de Enfretamento de Problemas (EMEP) e a uma entrevista. Dados de prontuários do bebê e do Banco de Leite Humano foram coletados. As entrevistas foram submetidas à análise de conteúdo e os demais dados a tratamento estatístico, para testar associações entre as variáveis relacionadas ao aleitamento. O Estudo 1 indicou que predominaram as EE focalizadas na busca de práticas religiosas e focalização no problema. O Estudo 2 revelou que o suporte institucional (Método Mãe Canguru) e o apoio familiar favoreceram a amamentação. No Estudo 3, EE focalizadas em práticas religiosas, para mães com problemas de amamentação e bebê com menor idade gestacional e peso ao nascimento na alta da UN, se relacionaram a maior tempo para translactação e início da amamentação. Considera-se que as principais estratégias maternas (práticas religiosas e focalização no problema) adotadas foram mais adaptativas para o enfrentamento da condição de prematuridade, tendo a variável suporte social (família e profissionais) uma importante função mediadora. Os resultados são discutidos em função do planejamento de intervenções na área da saúde materno-infantil, que objetivam o fortalecimento do vínculo mãe-bebê prematuro, e o estabelecimento da amamentação bem-sucedida. Palavras-chaves: Amamentação; Recém-nascidos prematuros; Estratégias de enfrentamento; Coping; Mães; Hospitalização; Neonatologia.
47

Alimentação complementar de crianças menores de dois anos de idade residentes na cidade de Florianópolis/SC no ano de 2004

Corrêa, Elizabeth Nappi January 2005 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Nutrição. / Made available in DSpace on 2013-07-15T22:59:12Z (GMT). No. of bitstreams: 1 229654.pdf: 512393 bytes, checksum: fb6e78c134ff28a7cf0ca437108a87b6 (MD5)
48

Meu neto precisa mamar! E agora? construindo um cotidiano de cuidado junto a mulheres-avós e sua família em processo de amamentação

Teixeira, Marizete Argolo January 2005 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. / Made available in DSpace on 2013-07-16T01:22:52Z (GMT). No. of bitstreams: 1 226219.pdf: 2177731 bytes, checksum: 6e4a5a69f71542bea47fbab4f9d40ad3 (MD5) / Trata-se de um estudo qualitativo descritivo que teve como objetivo geral construir um cotidiano de cuidado junto a mulheres-avós e seus familiares, para a promoção, proteção e o apoio do aleitamento materno, fundamentado no Interacionismo Simbólico. Seus objetivos específicos foram: organizar um marco conceitual interacionista, que sustente uma prática de cuidado junto a mulheres-avós no cotidiano familial que contribua para o aleitamento materno; elaborar e implementar uma metodologia de cuidado junto a mulheres-avós, considerando os aspectos ético-educacionais e culturais da prática do aleitamento materno; compreender o significado do aleitamento materno para as mulheres-avós e refletir sobre a aplicação do referencial teórico interacionista e a implementação da metodologia. O trabalho foi desenvolvido em Florianópolis, durante11 meses, partindo-se da unidade de alojamento conjunto de um hospital público, chegando-se até os domicílios dos sujeitos do estudo, três famílias em processo de amamentação, tendo-se as mulheres-avós como protagonistas. A metodologia foi o Modelo de Cuidar em Enfermagem, integrando os momentos: Conhecendo o Cotidiano e as Interações; Definindo a Situação do Cotidiano e do Cuidado; Propondo e Realizando o Cuidado; Repensando sobre o Cuidado e o Cotidiano, em Encontros Individuais e em Grupo, adotando-se como técnicas a entrevista semi-estruturada e observação participante, utilizando-se dinâmicas criativo-sensíveis. O estudo revelou que as mulheres-avós possuem significados que foram construídos ao longo de sua história de vida e que estes influenciam o cuidado às suas filhas, noras, netas e netos em processo de amamentação. A enfermeira precisa conhecer e compreender esses significados ao implementar o cuidado. Ao concluir-se este estudo, viu-se que o Modelo de Cuidar em Enfermagem desenvolvido é viável, sendo dinâmico, com suas fases sempre se interligando e se completando. Destaca-se que o cuidado profissional precisa enfocar a família e não apenas as mulheres-avós. Apesar do aleitamento materno estar sendo vivenciado pelas nutrizes e recém-nascidos, ele pode ser experienciado por todos que desejam e podem contribuir para ajudar e apoiar a mulher que amamenta. A experiência mostrou que as mulheres-avós são verdadeiras PEDRAS PRECIOSAS nesse processo que envolve o nascimento de um novo ser, pois elas por terem vivenciado e experienciado a prática da amamentação, trazem significados do aleitamento materno que, ao longo de seu percurso de vida, foram sendo construídos-desconstruídos-reconstruídos, à medida que interagiam com suas mães, seus filhos e agora com suas filhas, noras e seus netos, passando conhecimentos que podem contribuir, enriquecendo o cuidado e lapidando o processo de amamentação. A enfermeira precisa desenvolver seu papel junto às famílias em processo de amamentação, deixando de ser juíza para ser colaboradora, ao esculpir, reconstruir e modificar a realidade, sendo mestre-aprendiz, mediadora e agente de mudanças, discutindo as questões de cidadania ao desempenhar o papel de ativista político, sendo, acima de tudo, auto-reflexiva. É preciso integrar, no cotidiano do cuidado junto às mulheres-avós e seus familiares para a promoção, proteção e apoio do aleitamento materno, a relevância dos significados, num constante construir-desconstruir-reconstruir, compartilhando outras maneiras de cuidar, que integrem as diferentes culturas que envolvem a preciosidade do amamentar para o processo de viver. It is a matter of descriptive qualitative study which had as general objective to build a care quotidian next to women - grandmothers and their familiars for a promotion, protection and the maternal breast - feeding support in the symbolic interactionism. Its specific objectives have been: to generate an interactionist conceptual landmark that supports a care practice next to women - grandmothers in the familiar quotidian that contributes for the maternal breast - feeding, to make and to implement a care methodology next to women - grandmothers, considering the cultural and ethical - educational aspects of the maternal breast - feeding practice; comprehend the meaning of maternal breast - feeding for the women - grandmothers and reflect about the application of the interactionist theorical referential and the methodology implement. The work has been developed in Florianópolis for 11 months, departing from the unit of body accommodations of a public hospital, arriving until the study subjects' homes, three families in breast - feeding process, having the women - grandmothers like protagonists. The methodology was the " To care in Nursing Model", making up the moments: Know the quotidian and the interactions; Defining the quotidian and the care situation; Proposing and Carrying out the care; Rethinking about the care and quotidian in individual and in group meetings, adopting like techniques the semi - structured interview and participant observation, using creative - sensitive dynamics. The study has revealed that the women - grandmothers possess meanings that have been built along their life history and these ones influences the care for the daughters, daughters - in - law, grand daughters and grandsons in breast - feeding process. The nurse needs to know and comprehend these meanings to implement the care. To conclude this study, it was seen that the developed "To care in Nursing Model" is feasible, being dynamic with its phases always interlinking and completing themselves. It is stood out that the professional care needs to tackle the family and not just the women - grandmothers. In spite of maternal breast - feeding to be being lived by the fostress and newborns, it can be experienced by all who wish and can contribute to help and to support the woman who breast - feeds. The experience has shown that the women - grandmothers are true PRECIOUS STONES in this process that involves a new being's birth, because for them to have lived and experienced the breast - feeding practice, they bring meanings of the maternal breast - feeding that along their way of life, they were being built - unbuilt - rebuilt as they interacted with their mothers, sons and now with their daughters, daughters - in - law, and their grandchildren passing knowledges that can contribute, enriching the care and polishing the breast - feeding process. The nurse needs to develop her role next to families in breast - feeding process, stop being the judge to be collaborator to sculpt, to rebuild and to modify the reality, being master - learner, mediator and changes agent, arguing the citizenship questions to develop the role of political activist, being over all self- reflexive. It's necessary to make up in the care quotidian next to women - grandmothers and their familiars for the promotion, protection and maternal breast - feeding support, the relevance of the meanings in a constant build - unbuild - rebuild, sharing other ways to care that make up the different cultures which involves the preciosity of the breast - feeding for the process of living.
49

O rádio AM como meio de educação para o aleitamento materno

Medeiros, Regina Elisabeth Araujo Goes de January 2003 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção. / Made available in DSpace on 2012-10-20T21:10:41Z (GMT). No. of bitstreams: 1 196749.pdf: 794219 bytes, checksum: 6d3879860e32010a12956d6b09f7d399 (MD5) / Dada a necessidade de educar mulheres da comunidade rural a respeito do aleitamento materno, surge a proposta de utilização do rádio para abordagem deste tema. Este estudo tem como objetivo geral elaborar uma proposta de intervenção na educação em saúde por intermédio do rádio, utilizando a participação de mães experientes e Agentes Comunitários de Saúde das comunidades rurais de Feira de Santana / BA, Brasil. Optou-se pela abordagem qualitativa, utilizando-se a entrevista. A população estudada compõe-se de dezesseis puérperas egressas da zona rural. Na análise dos dados, utilizou-se o método de Análise de Conteúdo. Evidenciou-se o difícil acesso aos Serviços de Saúde e às fontes de informação sobre aleitamento materno e seus benefícios por parte da população feminina rural.
50

Uma trajetória com mulheres-puérperas

Bertoldo, Ingrid Elisabete Bohn January 2003 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. / Made available in DSpace on 2012-10-21T00:20:33Z (GMT). No. of bitstreams: 0 / Trata-se de um relato da aplicação de um Modelo de Cuidado junto à mulher puérpera e seus familiares sob o título de: UMA TRAJETÓRIA COM MULHERES PUÉRPÉRAS: DO ALOJAMENTO CONJUNTO AO DOMICÍLIO, VIVENCIANDO O MODELO DE CUIDADO DE CARRARO. Como Referencial Teórico, resgatei escritos de Florence Nightingale e alguns de seus estudiosos para estar embasada nesta trajetória. A Metodologia que norteou esta caminhada com a mulher puérpera/família foi o Modelo de Carraro, elaborado em 1994 para cuidar de pacientes cirúrgicos sob o título de # A Trajetória de Enfermagem junto ao Ser Humano e sua família na Prevenção de Infecções. A aplicação desta proposta metodológica ocorreu no ano de 2002 em um Hospital Escola, e domicílios das participantes do estudo, em Florianópolis, SC. Aborda um modo de trajetar com Nightingale e Carraro, levando ao aprendizado de olhar e conduzir o trabalho de maneira humana, objetiva e prática. Aponta como trabalhar com "Ciência e Arte" para oferecer um cuidado mais "criteriosa e humana" para a puérpera "trajetar a seu modo". A Ciência sustentou o cuidado através do Modelo de Carraro direcionando a trajetória de forma harmônica e em sintonia com a mulher-puérpera por meio da arte. Inclui a mulher-puérpera e sua família, não como receptores, mas como atuantes na assistência. Os dados foram apresentados e analisados a partir de três pontos-chave da etapa Reconhecendo a Situação do Modelo de Carraro, quais sejam: Reações do Poder Vital, Recursos Disponíveis e Situações de Educação em Saúde, valorizando a bagagem de conhecimento que a mulher-puérpera e sua família possuem. Reconhecendo estas situações, eu pude individualizar e humanizar o meu trabalho o que conferiu uma nuança de "Ciência e Arte" ao mesmo. Registra ainda, uma reflexão acerca da vivência da autora ao desenvolver o estudo. A trajetória pelo puerpério apontou a importância de olhar e perceber a mulher puérpera em sua integralidade e não apenas, como uma nutriz.

Page generated in 0.0777 seconds