• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 12
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 13
  • 7
  • 5
  • 4
  • 4
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
11

Atos de fala transfóbicos no ciberespaço : uma análise pragmática da violência linguística

Silva, Danillo da Conceição Pereira 25 August 2017 (has links)
In the Brazilian society, aggravated by unequal distribution of economic assets, sociocultural and political rights, the issue of gender violence gains particular importance when it talks about the dynamics of production and subordination of certain identities (HALL, 2007). So, as a result of the dictates of a patriarchal and sexist social model, lifes background that do not comply with the matrix of binary gender and current cisgender are relegated to an abject condition, victimized by transphobia, scourge which according to a report from the NGO Transgender Europe (2016), puts Brazil as the leading country in murders of trans people in the world. With no doubt the language while social practice situated assumes a particular role in this panorama. In addition, in dialog with the Gender Studies (FOUCAULT, 1988; BUTLER, 1997, 2000; LOURO, 2000; BENTO, 2006; BORBA; OSTERNANN, 2007, 2008), the objective of this research is to expand the theoretical-analytical emerging in language studies, in a critical perspective in terms of the linguistic violence (SILVA, 2014) of transphobic motivation, performed in the cyberspace thanks to the strength of illocutionary speech acts that take place under certain ritual forms, through the update and (re-) establishment of specific contexts (DURANTI; GOODWIN, 1992; SILVESTREIN, 1993; HANKS, 2008). In order to forward such a proposal, we assume the pragmatics of language, stemming both from the Philosophy of Language (AUSTIN, 1990 [1962]; WITTGENSTEIN, 1975; DERRIDA, 1991a, 1991b; BUTLER, 1997), and the new Pragmatic Linguistic (MEY,1985; 2001; 2014; RAJAGOPALAN, 2010; ALENCAR, 2010; SILVA, 2012). The corpus used in this study are transphobic speech acts conducted in the cyberspace, present in 17 online comments posted on the website G1 news, between the months of June 2015 and June 2016, in three stories related to the staging of the transsexual actress and model Viviany Belleboni, during the 19th edition of the LGBT Pride parade in São Paulo. Based on a qualitative methodology, interpretative and exploratory, we set the concept of contextualization cues (GUMPERZ, 1998 [1982]), in order to analyze the corpus and to answer the following research questions: i) Under which ritual forms is the violence linguistics motivated by transphobia? ii) Which contexts are (re) introduced to confer the illocutionary strength to this particular type of violent speech act? iii) Which contextual positions the aggressors and victims are asked to take place in these linguistic contexts? The results obtained by analysis of this research suggest, roughly, to the restoration of violent contexts, in which emerges from the strength of illocutionary speech of transphobic acts, capable of subordinate and injure trans people through language, relating to a) the anthropological conditions and social abject which the trans population are relegated; b) to the Christian religion and their narratives, which are aimed to domesticate and to control individuals, producing docile bodies and subjects; c) the medical-scientific knowledge and its effects of truth produced by biologists beliefs of the relation between body and identity; d) to the coloniality devices and standardization in operation of transphobia; and e) the boundaries between subtle physically violence and that performed in the language, producing what is called continuum of violence. / Na sociedade brasileira, complexificada pela desigual distribuição de bens econômicos, socioculturais e políticos, a problemática da violência de gênero ganha particular relevo, inclusive no que tange às dinâmicas de produção e de subalternização de determinadas identidades (HALL, 2007). Assim, como consequência dos ditames de um modelo social patriarcal e machista, formas de vida não conformes com a matriz de gênero binária e cisnormativa vigente são relegadas a uma condição abjeta, vitimadas pela transfobia, flagelo este que, segundo relatório da ONG Transgender Europe (2016), coloca o Brasil como o país líder em assassinatos de pessoas trans no mundo. Sem sombra de dúvida, a linguagem, enquanto prática social situada, assume papel particular neste panorama. Diante disso, em diálogo com os Estudos de Gênero (FOUCAULT, 1988; BUTLER, 1997, 2000; LOURO, 2000; BENTO, 2006; BORBA; OSTERNANN, 2007, 2008), o objetivo geral desta pesquisa consiste em ampliar os desdobramentos teórico-analíticos emergentes nos estudos da linguagem, em perspectiva crítica, no que tange à violência linguística (SILVA; ALENCAR, 2014) de motivação transfóbica, performativizada, no ciberespaço, graças à força ilocucionária de atos de fala que se realizam sob determinadas formas rituais, mediante a atualização e o (re) estabelecimento de contextos específicos (DURANTI; GOODWIN, 1992; SILVESTREIN, 1993; HANKS, 2008). A fim de encaminhar tal proposta, assumimos perspectivas pragmáticas de linguagem, advindas tanto da Filosofia da Linguagem (AUSTIN, 1990 [1962]; WITTGENSTEIN, 1975; DERRIDA, 1991a, 1991b; BUTLER, 1997), quanto da nova Pragmática Linguística (MEY,1985; 2001; 2014; RAJAGOPALAN, 2010; ALENCAR, 2010; SILVA, 2012). O corpus utilizado neste estudo são atos de fala transfóbicos realizados no ciberespaço, presentes em 17 comentários online postados no site de notícias G1, entre os meses de junho de 2015 e junho de 2016, em três matérias jornalísticas relacionadas à encenação da atriz e modelo transexual Viviany Belleboni, durante a 19º edição da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. Baseando-nos numa metodologia qualitativa, interpretativa e exploratória, acionamos a noção de pistas de contextualização (GUMPERZ, 1998 [1982]), a fim de analisar o corpus com vistas a responder às seguintes perguntas de pesquisa: i) Sob que formas rituais e convencionais se realiza a violência linguística motivada pela transfobia? ii) Que contextos são (re) instaurados para conferir força ilocucionária a esse tipo específico de ato de fala violento? iii) Que posições contextuais agressores e vítimas são interpelados a ocuparem nesses contextos linguísticos violentos? Os resultados obtidos pelas análises desta investigação apontam, grosso modo, para o reestabelecimento de contextos violentos, dos quais emerge a força ilocucionária dos atos de fala transfóbicos, capazes de subalternizar e ferir pessoas trans por meio da linguagem, relativos a) às condições antropológicas e sociais abjetas às quais as populações trans são relegadas; b) à religião cristã e suas narrativas, que visam docilizar e disciplinarizar indivíduos, produzindo, assim, corpos e sujeitos dóceis; c) aos poderes-saberes médico-científicos e seus efeitos de verdade produzidos sobre crenças biologicistas da relação entre corpo e identidade; d) aos dispositivos de colonialidade e normatização em funcionamento na transfobia; e e) às fronteiras tênues entre a violência perpetrada fisicamente e aquela desempenhada na linguagem, produzindo o que denominamos continuum das violências. / São Cristóvão, SE
12

Transfobia no percurso denunciativo brasileiro: um estudo a partir do Disque Direitos Humanos da Presidência da República

Andrade, Vinícius Novais Gonçalves de 15 December 2017 (has links)
Submitted by admin tede (tede@pucgoias.edu.br) on 2018-04-24T14:36:01Z No. of bitstreams: 1 Vinicius Novais Gonçalves de Andrade.pdf: 2691872 bytes, checksum: 4a4aa37df4d3391d5dae8ffe25627546 (MD5) / Made available in DSpace on 2018-04-24T14:36:01Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Vinicius Novais Gonçalves de Andrade.pdf: 2691872 bytes, checksum: 4a4aa37df4d3391d5dae8ffe25627546 (MD5) Previous issue date: 2017-12-15 / The effects of violence against transgender people (specially transvestites and transsexuals) are nothing but pernicious. When the gender factor is analyzed with reference to other social markers, such as race and ethnicity, sexuality and social class, inequalities are accentuated in the form of hierarchies of power and subjection/oppression. This research seeks its theoretical and epistemological foundations in the studies of gender and sexuality based on the references of social constructionism, queer studies, feminisms and intersectionality, finding in Social Psychology, from a critical and political point of view, its voice, one of dispute with some (de)naturalizing, (de)essentializing and (non)universalizing discourses in Psychology. This is an investigation designed with empirical and documentary contours (both quantitatively and qualitatively), with the objective of analyzing transphobia in Brazil based on crime reports and how they are dealt with in the criminal justice system, as well as of the relations between knowledge-powerssubjectivities in the production / maintenance of transphobic violence. This paper considers the crime reports and complaints against the LGBT community received by “Disque Direitos Humanos”, a hotline intended to deal with the report of crimes against human rights, in 2014. It focuses on the monitoring of the reports as well as of a criminal case. The methodologies adopted consisted of two: Thematic Analysis and Discourse Analysis as well as (other) practices inspired by the work of Michel Foucault. The results of the research allowed us to problematize the structure and functioning of the hotline “Disque Direitos Humanos”, showing its difficulties and failures, especially regarding the destination and monitoring of the crime reports. The results suggested that, because transgender people break with the supposed linearity of the sex, gender and sexual orientation sequence, they are compulsorily sent to the margins of society; exposed (more often than not) to the dangers of the night and prostitution just as to various forms of violence, occupying, hierarchically, places of subordination and subjection. Exerted and clearly expressed transphobia is considered here as the effect of discourses and other (social) practices, such as the forbiddance of transgender people to come and go as freely as they want due to territorial dispute; the fact of not being considered human beings for a whole day, only being allowed to come out during the night; the suffering of psychological/symbolic violence through insults, curses, humiliations, threats to life and / or silences; institutional violence (both physical and sexual) and finally, in many cases, murders. The effects of multiple intersectional violence in the daily lives of transgender people are considered, then, devastating. Brazil offers many examples of such violence, since it is the country where transvestites, transsexuals and other subjects with "dissident" gender identities or not binary, are killed the most frequently. When so many demand the end of the existence of a non-cisgender, non-heterosexual, non-white body and it remains alive, such act of survival must be regarded as a political attitude of resistance. Consequently, it is vital to (re) think about changes, discursive (re)significations in Psychology and in everyday social practices, considering no longer the impossibility of transgender people leading a full life, but their possibilities of existence as legitimate and human bodies. / São nefastos os efeitos das violências cometidas contra pessoas trans (travestis e transexuais). Quando intersseccionado gênero com outros marcadores sociais, como raça e etnia, sexualidade e classe social, mostram-se acentuadas as desigualdades, hierarquias de poder e de sujeição/opressão. Esta pesquisa buscou subsídios teórico-epistemológicos nos estudos de gênero e sexualidade a partir dos referenciais do construcionismo social, estudos queer, dos feminismos e da interseccionalidade, encontrando na Psicologia Social, por um viés crítico e político, o seu lugar de fala, de disputa por discursos (des)naturalizantes, (des)essencializantes e (des)universalizantes na Psicologia. Esta é uma investigação desenhada com contornos empíricos (quantitativa e qualitativamente) e documental, que teve como objetivo a análise da transfobia brasileira a partir de denúncias e de seus fluxos no sistema de justiça; das relações entre saberes-poderes-subjetividades na produção/manutenção da violência transfóbica. Buscou-se, assim, analisar as denúncias recebidas pelo Disque Direitos Humanos, módulo LGBT, no ano de 2014, relatórios de monitoramento do mesmo serviço e um processo criminal. Os focos metodológicos adotados consistiram em dois: Análise Temática e Análises de Discurso e (outras) práticas com ‘inspiração’ em Michel Foucault. Os resultados da pesquisa permitiram problematizar a estrutura e funcionamento do Disque Direitos Humanos mostrando suas dificuldades e falhas, principalmente no que tange ao encaminhamento e monitoramento das denúncias. Os resultados sugeriram que, por romperem com a suposta linearidade da sequência sexo, gênero e orientação sexual, pessoas trans são direcionadas compulsoriamente à margem da sociedade; expostas (muitas vezes) à noite e à prostituição e a diversas modalidades de violência ocupando, hierarquicamente, lugares de subordinação e assujeitamento. Analisou-se a transfobia operada e manifesta como efeito de discursos e (outras) práticas sociais, como a impossibilidade de ir-e-vir dxs trans, por questões de territorialidade; de não serem consideradxs seres humanos por todo um dia; pela violência psicológica/simbólica por via de insultos, termos de baixo calão, humilhações, ameaças à vida e/ou silêncios; violência institucional; física; sexual e, em muitos casos, os assassinatos. Considera-se, portanto, que são graves os efeitos de múltiplas violências interseccionais presentes no cotidiano de pessoas trans, sendo o Brasil um exemplo desse processo, país em que mais se mata travestis, transexuais e outros sujeitos com identidades de gênero “dissidentes” ou não binárias. Quando um coletivo de vozes brada pelo fim da existência de um corpo não cisgênero, não heterossexual e não branco e esse permanece vivo, devemos considerar este ato de sobrevivência como uma atitude política e de resistência. Nesse sentido, deve-se (re)pensar mudanças, (re)significações discursivas na Psicologia e nas práticas sociais cotidianas, considerando não mais a impossibilidade de vida das pessoas trans mas, sim, nas suas possibilidades de existência como um corpo legítimo e humano.
13

O vôo da beleza: travestilidade e devir minoritário

VALE, Alexandre Fleming Câmara January 2005 (has links)
VALE, Alexandre Fleming Câmara. O vôo da beleza: travestilidade e devir minoritário. (2005). 308 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal do Ceará, Departamento de Ciências Sociais, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Fortaleza-CE, 2005. / Submitted by nazareno mesquita (nazagon36@yahoo.com.br) on 2011-11-24T14:04:34Z No. of bitstreams: 1 2005_tese_AFC.Vale (2).pdf: 962995 bytes, checksum: 728080a6f9f6720796c2fb67e0876d23 (MD5) / Approved for entry into archive by Maria Josineide Góis(josineide@ufc.br) on 2011-11-28T12:11:00Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2005_tese_AFC.Vale (2).pdf: 962995 bytes, checksum: 728080a6f9f6720796c2fb67e0876d23 (MD5) / Made available in DSpace on 2011-11-28T12:11:00Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2005_tese_AFC.Vale (2).pdf: 962995 bytes, checksum: 728080a6f9f6720796c2fb67e0876d23 (MD5) Previous issue date: 2005 / Este trabalho tem por objeto as narrativas contadas por travestis e transgêneros brasileiros, dos caminhos que os conduziram a se tornar o que são e dos motivos que os levam a migrar. As trajetórias aqui analisadas indicam um processo no qual o feminilização e sua classificação no registro do estigma têm um lugar central. Indicam ainda que a busca por lugares mais clementes supõe deslocamentos, seja para grandes cidades, seja para outros países. Partindo de uma experiência antropológica de campo com travestis e transgêneros brasileiros, desenvolvida no Nordeste do Brasil (Fortaleza) e em Paris, busco discutir alguns dos elementos suscetíveis de desempenhar um lugar significativo na experiência transgênero: a injúria e a violência, o “processo de feminilização”, a prostituição e os efeitos de liberdade e de miséria dos processos migratórios. Pergunta-se ainda pelo alcance de algo que pudesse ser chamado de movimento transgênero como forma de resposta às diversas modalidades de violência vivenciadas por essas pessoas. / Cette étude a pour objet des récits que font des travestis et transgenres brésiliens du cheminement qui les a conduits à devenir ce qu’ils sont et les motifs que les ont incités à migrer. Les trajectoires ici analysées indiquent un processus dans lequel la féminisation et sa classification dans le registre du stigmate tiennent une place centrale. Elles indiquent aussi que la recherche de lieux plus cléments suppose un déplacement, soit vers des grandes villes, soit vers d’autres pays. Il s’agit de découvrir, á partir d’une recherche de terrain realiser à Fortaleza et à Paris, quelques-uns des elements susceptibles de dessiner un portrait significatif de l’expérience travesti et transgenre: l’insulte, la violence, la prostitution, les libertés et les souffrances des processus migratoires. Cette étude concerne, également, une discussion à propos des limites et possibilités du mouvement transgenre.

Page generated in 0.042 seconds