• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 766
  • 1
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 771
  • 281
  • 266
  • 197
  • 117
  • 79
  • 75
  • 74
  • 72
  • 65
  • 62
  • 58
  • 57
  • 56
  • 55
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
81

Caracterização polifásica de micro-organismos isolados de superfícies metálicas na Usina Hidrelétrica de Tucuruí, Pará, Brasil

Poitevin, Carolina Gracia January 2014 (has links)
Orientadora : Profª Drª Patricia do Rocio Dalzoto / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Microbiologia, Parasitologia e Patologia Básica. Defesa: Curitiba, 28/03/2014 / Inclui referências / Área de concentração: Microbiologia / Resumo: A corrosão influenciada por micro-organismos (CIM) é a mudança do potencial eletroquímico na interface metal/solução, causado pela produção de metabólitos de bactérias e fungos que crescem aderidos a superfícies metálicas na forma de biofilmes. O conhecimento da microbiota dos biofilmes permite a escolha do melhor antimicrobiano a ser utilizado para reduzir os efeitos da CIM. A abordagem polifásica, que consiste na associação de técnicas morfológicas, químicas e genéticas, é interessante para uma correta caracterização de micro-organismos. A espectroscopia no infravermelho aparece como uma opção para a identificação de fungos e bactérias devido à rapidez na execução e ao menor custo, quando comparado com as demais técnicas. O objetivo deste trabalho foi o isolamento e a identificação polifásica de micro-organismos presentes em corpos de prova metálicos instalados na Usina Hidrelétrica de Tucuruí (PA), e a avaliação do melhor biocida a ser utilizado para o controle da formação de biofilmes. As coletas foram feitas a cada dois meses entre 2011 e 2012, e os micro-organismos identificados por macro e micromorfologia, bioquimismo e biologia molecular. Os antimicrobianos Orobor, MXD-100 (MaxClean®), hidróxido de sódio, extrato de aroeira (Schinus terebinthifolius) e extrato de erva-mate (Ilex paraguariensis) foram testados quanto a sua eficiência. Os dados foram analisados por ANOVA (p<0,01) seguido por teste de Scott-Knott para comparação das médias (p<0,05). Foram isoladas 358 bactérias aeróbias ou anaeróbias facultativas, pertencentes em sua maioria aos gêneros Bacillus, Citrobacter, Shigella, Pseudomonas, Enterobacter e Acinetobacter. Foi verificada a presença de bactérias redutoras de sulfato e bactérias oxidantes de ferro, além do isolamento de 94 fungos, com predomínio dos gêneros Penicillium e Aspergillus. Os antimicrobianos MXD-100 1 ppm e 3 ppm, Orobor 10 mL/L e NaOH pH 14 foram os mais eficientes no controle, reduzindo em aproximadamente 35% o crescimento bacteriano e fúngico. A espectroscopia no infravermelho foi testada para classificação microbiana, e se mostrou eficiente na identificação de fungos filamentosos, mas novas metodologias devem ser testadas para a identificação bacteriana. A caracterização de micro-organismos encontrados nos corpos de prova metálicos mostra a biodiversidade da região e está relacionada ao processo de biocorrosão, possibilitando o desenvolvimento de novas estratégias de controle. Palavras chave: Biofilme, biocorrosão, biocida e NIRS. / Abstract: Microbially Influenced Corrosion (MIC) is the change of electrochemical potential at the interface metal/solution, caused by metabolites produced by bacteria and fungi growing in metallic surfaces as biofilms. The knowledge of biofilms’ microbiota allow us to choose the best biocide to reduce the effects of MIC. Polyphasic approach, consisting in associate morphological, chemical and genetical techniques, is interesting for the correct characterization of micro-organisms. Infrared spectroscopy shows up as an option to identify fungi and bacteria because of faster response and lower costs, when compared with other techniques. The aim of this work were the isolation and the polyphasic identification of micro-organisms present in metallic coupons installed in Tucuruí’s Power Plant (PA), and the evaluation of the best biocide to be used for the control of biofilm formation. Samples were collected every two months during 2011 and 2012, and micro-organisms were identified by macro and micromorphology, biochemical assays and molecular tools. The efficiency of biocides Orobor, MXD-100 (MaxClean®), sodium hydroxide, Schinus terebinthifolius extract and Ilex paraguariensis extract were tested. Data were analyzed by ANOVA (p<0.01) followed by Scott-Knott test for comparison of means (p<0.05). It was isolated 358 aerobic or facultative anaerobic bacteria, belonging mostly to the genera Bacillus, Citrobacter, Shigella, Pseudomonas, Enterobacter and Acinetobacter. Sulfate-reducing and iron-oxidizing bacteria were also found, in addition of isolation of 94 fungi, with prevalence of the genera Penicillium and Aspergillus. MXD-100 1 ppm and 3 ppm, Orobor 10 mL/L and NaOH pH 14 were the most efficient biocides, reducing approximately 35% of bacteria and fungi. Infrared spectroscopy was tested for micro-organisms classification, and it was efficient to identify filamentous fungi, but new methodologies need to be tested to bacterial identification. The characterization of micro-organisms found on metal surfaces highlights the biodiversity of the region and can be related to the process of biocorrosion, enabling the development of new strategies for its control. Key words: Biofilm, biocorrosion, biocide and NIRS.
82

Perfil de suscetibilidade in vitro e caracterização molecular de leveduras do gênero Candida isoladas de pacientes com vulvovaginite

Fornari, Gheniffer January 2013 (has links)
Orientador : Prof. Dr. Flávio Queiroz Telles Filho / Co-orientadores : Profª Drª Vania Aparecida Vicente e Profº. Drº. Newton Sérgio de Carvalho / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Microbiologia, Parasitologia e Patologia Básica). Defesa: Curitiba, 21/03/2013 / Inclui bibliografias / Área de concentração: Microbiologia / Resumo: A candidíase vulvovaginal afeta mulheres em idade reprodutiva representando aproximadamente 15 a 25% dos casos de vaginites. As diferentes espécies de Candida relacionadas à infecção podem ser encontradas na mucosa vaginal como colonizadoras e, em condições apropriadas, aceleram o processo de multiplicação e expressam fatores de virulência. O objetivo deste trabalho foi isolar leveduras de pacientes com ausência de sintomas clínicos (grupo colonizado) e de portadores da infecção. O perfil de sensibilidade in vitro destes isolados foi estabelecido e marcadores moleculares utilizados para identificar a distribuição das espécies. Um total de 40 isolados foram obtidos e identificados através do Cromoagar, sistema API20aux e pelo seqüenciamento das regiões ITS e D1/D2 do gene DNAr. Diferentes isolados de C. albicans foram genotipados pelo sistema ABC. A análise multilocus confirmou isolados das espécies Candida albicans, C. glabrata, C. guilliermondii, C. kefyr e Saccharomyces cerevisiae. A espécie prevalente foi a C. albicans. No grupo colonizado foi encontrado C. albicans (60%), C. glabrata (25%), C. guilliermondii (5%), C. kefyr (5%) e Saccharomyces cerevisiae (5%). No grupo com infecção não complicada todos os isolados eram C. albicans (100%) e no grupo de infecção complicada a maioria eram C. albicans (90,9%), seguido de C. dubliniensiis (9,1%). Os diferentes isolados de C. albicans foram divididos em dois grupos genotípicos (A e B). Em relação ao perfil de sensibilidade in vitro dos isolados das diferentes espécies de Candida procedentes dos diferentes grupos estudados, pode se afirmar que os isolados obtidos a partir do grupo com infecção complicada apresentaram resistência a nistatina e eram sensíveis ao fluconazol, anfotericina B e cetoconazol, enquanto que os isolados do grupo com infecção não complicada e colonizada e individuos colonizados apresentaram sensibilidade dose dependente aos antifúngicos fluconazol, anfotericina B e cetoconazol. Os isolados de C. albicans pertencentes aos diferentes grupos genotípicos (A e B) não apresentaram correlação com os testes de suscetibilidade in vitro. Palavras-chave: candidíase vulvovaginal; suscetibilidade in vitro; variabilidade genética. / Abstract: Vulvovaginal candidiasis affects women of reproductive age representing aproximatedly 15 to 25% of vaginitis cases. Different Candida species related to infection can be found colonizing the vaginal mucosa, and under appropriate conditions boost the reproduction process and express virulence factors. This study aimed to isolate yeasts of patients with clinical symptoms absence (colonized group) and also the ones with infection. The susceptibility of in vitro profile from these isolates was stablished and molecular markers were used to identify the species distribution. A total of 40 isolates were obtained and identified through the Cromoagar API20aux system and by sequencing of ITS regions and D1/D2 from the DNAr gene. Different C. albicans strains were genotyped by the ABC system. The multilocus analysis confirmed Isolates of Candida albicans, C. glabrata, C. guilliermondii, C. kefyr and Saccharomyces cerevisiae. The most prevalent species was C. albicans. In the colonized group it was found C. albicans (60%), C glabrata (25%), C guilliermondii (5%), C kefyr (5%) and Saccharomyces cerevisiae (5%). In the uncomplicated infection group all isolates were C. albicans (100%) and in the complicated infection group most of the isolates were C. albicans (90.9%), followed by C. dubliniensiis (9.1%). The different isolates of C. albicans were diveded into two genotypic groups (A and B). Regarding the profile of sensibility in vitro of the isolates of different species of Cândida derived from distinct groups that were studied, it can be confirmed that the isolated obtained from the complicated infection group present resistance to nystatin and were sensitive to fluconazole, amphotericin B and ketoconazole, while the colonized presented dose-dependent sensitivty to the antifungal agents fluconazole, amphotericin B and ketoconazole. The C. albicans isolates which belong to different genotypic groups (A and B) did not show any correlation with the susceptibility tests in vitro. key-words: vulvovaginal candidiasis; susceptibility in vitro; variability genetic.
83

Estratégias de controle e identificação de fungos produtores de ocratoxina A

Almeida, Angela Bozza de January 2015 (has links)
Orientadora : Profª. Drª. Ida Chapaval Pimentel / Coorientadora : Profª. Drª. Patricia do Rocio Dalzoto / Tese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ciencias Biológicas (Microbiologia, Parasitologia e Patologia Básica). Defesa: Curitiba, 26/03/2015 / Inclui referências : f. 82-107 / Resumo: A ocratoxina A (OTA) é uma micotoxina encontrada em vários alimentos como, por exemplo, cereais, café, cacau, uva, especiarias, cerveja, vinho, ovos e carnes, sendo produzida por fungos dos gêneros Aspergillus e Penicillium. O Brasil é o maior produtor e exportador de café, entretanto, a OTA tem sido avaliada com níveis de contaminação variando significativamente no país. Atualmente, muitos países possuem legislações estabelecendo limites máximos de OTA em vários alimentos. Na tentativa de minimizar as concentrações desta micotoxina nos alimentos, são utilizados métodos de controle físicos, químicos ou biológicos. Embora, métodos físicos e químicos de desintoxicação tenham sido testados, nenhum possui realmente a eficácia e segurança necessárias. Dessa forma, recentemente, pesquisas tem relatado a utilização de micro-organismos e extratos de plantas como possíveis controladores da OTA. Neste sentido, os objetivos do presente trabalho foram avaliar fungos isolados de grãos de café na inibição de crescimento e produção de OTA pelos fungos Aspergillus ochraceus, Aspergillus westerdijkiae, Aspergillus niger e Aspergillus carbonarius; avaliar o potencial de extratos de erva mate na inibição de crescimento dos mesmos fungos produtores de OTA; e utilizar a técnica da espectroscopia no infravermelho para a elaboração de um modelo quimiométrico eficiente na identificação das espécies de Aspergillus produtoras de OTA. Os testes de inibição de crescimento foram realizados pela técnica do crescimento radial. Para a quantificação de OTA, três plugs de 6mm do meio de cultivo foram retirados, após o teste de crescimento, e extraídos com metanol, em seguida avaliados por Cromatrografia Líquida de Alta eficiência (CLAE). Para as análises da espectroscopia no infravermelho os fungos foram crescidos por 4 dias a 28±0,5°C, o micélio foi raspado e em seguida os espectros foram capturados no modo transmitância com intervalo espectral de 4000 a 400 cm-1. O modelo quimiométrico desenvolvido com base na espectroscopia no infravermelho foi capaz de distinguir corretamente as espécies altamente relacionadas, tais como A. niger e A. carbonarius. No entanto, a diferenciação de A. ochraceus e A. westerdijkiae não foi possível em todos os casos. Em relação à inibição de crescimento e produção de OTA por fungos, todos os fungos testados foram capazes de inibir tanto o crescimento quanto a produção de OTA. As porcentagens de inibição de crescimento variaram de 18,30% a 100% e porcentagens de inibição da produção de OTA variaram de 43,45% a 100%. A linhagem A. niger C187 não toxigênica, apresentou os melhores resultados para ambos os testes. A utilização de extratos de erva-mate na inibição de crescimento de fungos produtores de OTA, apresentou uma inibição discreta para os fungos A. westerdijkiae e A. ochraceus (0,54% a 13,27%) com extratos nas concentrações de 0,1g/L, 0,5g/L e 10g/L. Para as espécies A. niger e A. carbonarius não foi observado inibição em nenhuma das concentrações e extratos testados. Os fungos isolados de grãos de café apresentaram-se como uma alternativa no controle da OTA em alimentos. Palavras chave: Aspergillus; Espectroscopia no infravermelho; Modelo quimiométrico; Inibição; Ocratoxina A. / Abstract: Ochratoxin A (OTA) is a mycotoxin found in several foods, such as cereals, coffee, cocoa, grapes, spices, beer, wine, meat and eggs, being produced by fungi Aspergillus and Penicillium genera. Brazil is the leading producer and exporter of coffee, however, the OTA have been evaluated with levels varying significantly in the country. Currently, many countries have legislation setting maximum limits of OTA in several foods. Control methods are used in order to minimize the concentrations of this mycotoxin in foods, the methods used may be physical, chemical or biological. Although physical and chemical methods of detoxification have been tested, none really has the necessary effectiveness and safety. Thus, recently, studies have reported the use of microorganisms, and plant extracts as possible controllers of OTA. In this regard, the aims of this study were to assess fungi isolated from coffee beans in growth and OTA production inhibition by Aspergillus ochraceus, Aspergillus westerdijkiae, Aspergillus niger and Aspergillus carbonarius; to evaluate the potential of yerba mate extract in inhibiting growth of the same OTA producing fungi; and to use infrared spectroscopy technique for the development of an efficient chemometric model to identify the Aspergillus species producing OTA. Growth inhibition test were performed by the radial growth technique. For the quantification of OTA, three plugs 6mm culture medium were removed after growth test, extracted with methanol and then analyzed by High Performance Liquid Chromatography (HPLC). For the analysis of infrared spectroscopy, fungi were grown for 4 days at 28 ± 0.5°C, the mycelium was then scraped and the spectra were captured in transmittance mode with a spectral range 4000-400 cm-1. The chemometric model developed based on infrared spectroscopy was able to correctly distinguish the highly related species, such as A. niger and A. carbonarius. However, the differentiation of A. ochraceus and A. westerdijkiae was not possible in all cases. With regard, growth and production OTA inhibition by fungi, all the fungi tested were able to inhibit growth and production OTA. The percentage growth inhibition ranged from 18.3% to 100% and the percentage inhibition OTA production ranged from 43.45% to 100%. The strain A. niger C187 non-toxigenic, showed the best results for both tests. The use of yerba mate extracts in growth inhibition of OTA producers fungi has shown a slight inhibition to fungi A. westerdijkiae and A. ochraceus (0.54% to 13.27%) with extracts at concentrations of 0.1g/L, 0.5g/L and 10g/L. For A. niger and A. carbonarius inhibition was not observed in any of the tested concentrations and extracts. The fungi isolated from coffee beans are presented as an alternative to control the OTA food. Keywords: Aspergillus; Infrared Spectroscopy; Chemometric model; Inhibition; Ochratoxin A.
84

Epidemiologia das infestações por Oestrus ovis em ovinos criados em Botucatu e influência da raça ovina no parasitismo /

Silva, Bruna Fernanda da. January 2012 (has links)
Orientador: Alessandro Francisco Talamini do Amarante / Banca: Lúcia Helena O'Dwyer de Oliveira / Banca: Helder Louvandini / Banca: Stevam Guilherme Lux Hoppe / Banca: José Maurício Sforcin / Resumo: A variação sazonal e a intensidade de infestação por larvas de Oestrus ovis em ovinos criados em Botucatu-SP foi avaliada de abril de 2008 a março de 2011. Dois cordeiros traçadores foram colocados, mensalmente, junto com um rebanho ovino, onde permaneceram por 28 dias. Após esse período, os traçadores foram sacrificados e as larvas de O. ovis recuperadas, identificadas e quantificadas de acordo com o estádio de desenvolvimento. Dos 72 cordeiros traçadores, 50% estavam infestados por larvas O. ovis com intensidade média de 16,8 larvas/cabeça com média de 7,8 larvas de primeiro estádio (L1), 5,3 de segundo (L2) e 3,7 de terceiro (L3). Sinais clínicos de oestrose foram mensalmente avaliados em todas as ovelhas do rebanho e a prevalência média de animais com sinais clínicos de oestrose foi de 13,4% (máxima de 31,4% em janeiro de 2009 e mínimo de 1% em setembro de 2010). Além disso, a prevalência do parasitismo por O. ovis e a intensidade de infestação foram avaliados em cabeças de ovinos obtidas de um abatedouro localizado em Itápolis - SP. Das 139 cabeças examinadas, 13,7% estavam parasitadas pelas larvas O. ovis e a intensidade de infestação média mensal variou de 1 até 10,2 larvas/cabeça com intensidade média geral de 4,5 larvas/cabeça. Do total de 85 larvas, 21,2% eram L1, 37,6% L2 e 41,2% L3. Os resultados demonstraram que as condições climáticas do Estado de São Paulo são favoráveis para a atividade da mosca e desenvolvimento dos estágios larvais praticamente durante todo o ano. Em outro estudo, foi avaliada, comparativamente, a resistência de cordeiros de duas raças ovinas, Ile de France (IF) e Santa Inês (SI) contra infestações naturais por O. ovis, bem como a associação entre a ocorrência deste parasita com as infecções naturais por nematódeos gastrintestinais... (Resumo completo, clicar acesso eletrônico abaixo) / Abstract: The seasonal factors which influence Oestrus ovis infestation in sheep in Botucatu-SP were determined from April 2008 until March 2011. Two tracer lambs were exposed monthly to natural infestation by O. ovis larvae for 28 consecutive days, by grazing with a sheep flock. Tracer animals were then euthanized and the larvae of O. ovis recovered from nasal and sinus cavities. Of the 72 tracer lambs, 50% were infested with O. ovis larvae and the mean intensity of infestation per head infested was 16.8 larvae with an average of 7.8 first instar (L1), 5.3 second instar (L2) and 3.7 third instar (L3). Clinic signs of oestrosis were evaluated in all sheep of the flock monthly and the average prevalence of animals with clinical signs of oestrosis was 13.4% (maximum of 31.4% in January 2009 and minimum of 1% in September 2010). Additionally, the O. ovis prevalence and infestation intensity were evaluated in heads from slaughtered sheep from Itápolis-SP. Of the 139 head examined 13.7% were parasitized by O. ovis larvae with monthly mean of intensity of infestation ranging from 1 until 10.2 larvae/infested head with general mean intensity of 4.5 larvae/infested head. Of the total of 85 larvae, 21.2% were L1, 37.6% L2 and 41.2% L3. The results suggest that the climatic conditions in São Paulo State are favorable to fly activity and larval development during the whole year. In other study, were evaluated comparatively, the resistance in lambs of two sheep breeds, Ile de France (IF) and Santa Ines (SI) against O. ovis infestation, well as the association between the occurrence of this parasite with natural infections by gastrointestinal nematodes (GIN). SI (n=12) and IF (n=12) young male lambs weaned at two months of age were kept together in a paddock from September to early December 2009, when were sacrificed. All animals were... (Complete abstract click electronic access below) / Doutor
85

Diversidade e potencial zoonótico de parasitos de Didelphis albiventris Lund, 1841 (Marsupialia: Didelphidae)

Antunes, Gertrud Müller January 2005 (has links)
Didelphis albiventris, gambá-de-orelha-branca, é um marsupial de hábitos crepusculares e noturnos que se alimenta de frutos, insetos, pequenos répteis e anfíbios, filhotes de aves e pequenos mamíferos. Com a destruição de seu “habitat” natural devido às queimadas e desmatamentos, esses animais têm-se aproximado, cada vez mais, das regiões peridomiciliar e domiciliar, onde procuram abrigo e alimentos. Com o objetivo de conhecer a diversidade de parasitos de D. albiventris e relatar os que apresentam potencial zoonótico, foram examinados 30 exemplares desta espécie, através de necropsia, para coleta de ectoparasitos da superfície externa do corpo e helmintos dos órgãos e conteúdos estomacal e intestinal. Os sifonápteros foram removidos da superfície externa dos animais, conservados em álcool etílico a 70°GL, clarificados em líquido de Nesbitt, desidratados em etanol, diafanizados em creosoto de Faya e montados em lâminas com bálsamo do Canadá para identificação. Os carrapatos foram removidos da superfície externa dos animais, conservados em álcool etílico a 70°GL e identificados ao estereomicroscópio, segundo chaves específicas de Aragão & Fonseca (1961) e Guimarães et al (2001). Os helmintos foram recolhidos com auxílio de estiletes e pinças, clarificados em lactofenol e montados entre lâminas e lamínulas com bálsamo do Canadá para identificação ao microscópio. Do total de animais examinados, 70% estavam infestados com pulgas das espécies Polygenis (Neopolygenis) atopus, Polygenis (Polygenis) rimatus, Polygenis (Polygenis) roberti roberti, Polygenis (Polygenis) sp., Craneopsylla minerva minerva e Ctenocephalides felis felis, todas essas registradas pela primeira vez sobre D. albiventris e, exceto C. felis felis, são também registradas pela primeira vez no estado do Rio Grande do Sul. Carrapatos foram encontrados em 43,33% dos animais examinados, representados pelas espécies Ixodes loricatus, Amblyomma aureolatum e Amblyomma sp, sendo A. aureolatum registrado pela primeira vez parasitando D. albiventris no Brasil. Os helmintos encontrados foram: Filo Nematoda - Capillaria spp. (esôfago, traquéia, faringe e pulmão), Didelphostrongylus hayesi (pulmão), Turgida turgida (estômago), Gnathostoma sp. (estômago e fígado), Travassostrongylus orloffi, Viannaia hamata e Trichuris minuta no intestino delgado e Trichuris didelphis, Cruzia tentaculata e Aspidodera raillieti no intestino grosso; Classe Trematoda – Echinostoma revolutum, Plagiorchis didelphidis, Rhopalias coronatus, R. baculifer, Brachylaema migrans e Didelphodiplostomum variabile, todos no intestino delgado; Classe Cestoda – exemplares da família Diphyllobotriidae, no intestino delgado; e Filo Acanthocephala – Hamanniella microcephala e Centrorhynchus sp., ambos no intestino delgado. Dos helmintos encontrados, os que apresentam potencial zoonótico segundo a literatura são T. turgida, Gnathostoma sp., Capillaria spp., B. migrans, E. revolutum e Família Diphyllobotriidae. Além disso, os sifonápteros e ixodídeos encontrados são potenciais vetores de patógenos que infectam humanos. D. albiventris, portanto, apresenta grande diversidade parasitária, incluindo espécies que podem potencialmente atingir o homem, alertando para a importância destes marsupiais na disseminação de doenças entre animais e humanos.
86

Prevalência de Giardia sp. e Cryptosporidium spp. em populações de cães de diferentes regiões do município de Porto Alegre, RS, Brasil

Silva, Sonia Maria Mottin Duro da January 2010 (has links)
Este estudo objetivou identificar a prevalência de cistos de Giardia sp. e oocistos de Cryptosporidium spp. em amostras de fezesde cães do município de Porto Alegre. As amostras foram analisadas através do método de Faust e cols, para pesquisa de Giardia e esfregaços de fezes corados com Zieh-Neelsen para pesquisa de Cryptosporidium. Foram comparadas as prevalências destes parasitos entre duas populações de cães: cães com proprietário provenientes de comunidades econômica e socialmente vulneráveis de Porto Alegre cães errantes recolhidos ao canil municipal. Foram avaliadas também as prevalênciasem duas faixas etárias: filhotes (idade até 12 meses) e adultos (12 meses ou mais) e quanto ao sexo. Através da aplicação de um questionário epidemiológico algumas variáveis ambientais e de manejo, como acesso à via pública, convivência com outros animais no domicílio e higiene do ambiente onde o animal vive, também puderam ser avaliadas. Das 454 amostras de fezes de cães examinadas, 18,5 %, apresentaram cistos de Giardia, não sendo identificada diferença significativa entre os cães com e sem proprietário. Na pesquisa de Cryptosporidium a prevalência foi de 6,34% nas 410 amostras analisadas. A prevalência encontrada em cães com proprietário foi maior 9,85 % do que os cães de rua 2,89 %. Comparando as faixas etárias, ambos os parasitos apresentaram maior ocorrência em filhotes, 32,65% positivo para Giardia e 11, 36% para Cryptosporidium. Quanto ao sexo não houve diferença significativa em ambos os parasitos. Na análise de variáveis ambientais e de manejo, foi observado que a convivência com outros animais no domicílio e o acesso à via pública não se constituíam como fator de risco para a ocorrência de ambos os parasitos estudados. No entanto, a condição de higiene do domicílio apresentou significativa associação com a ocorrência de cistos de Giardia, que não foi observado na ocorrência de oocistos de Crytposporidium spp. A prevalência de ambos os parasitos em cães assintomáticos coincide com o que é apresentado na bibliografia, que nos cães o significado patogênico das infecções por Giardia e Cryptosporidium é pequeno. Animais assintomáticos podem eliminar cistos de Giardia e oocistos de Cryptoporidium em quantidade significativa, no presente estudo (18,5% e 6,34 %, respectivamente) podendo atuar como fonte de infecção para outros animais, contaminando o ambiente e podendo, em situações especiais, vir a contaminar seres humanos (transmissão zoonótica). / This study aimed at identifying the prevalence of cysts of Giardia sp. and oocysts of Cryptosporidium spp. in dogs of the municipality of Porto Alegre. The samples were analyzed by the method of Faust et al for the search of Giardia and fecal smear stained by Zieh-Neelsen technique for the search of Cryptosporidium. The prevalence of these parasites was compared between two populations of dogs: dogs with owners from economically and socially vulnerable communities of Porto Alegre and wandering dogs which had been taken to the Municipal Kennel. It was also evaluated the prevalence of the parasites in two age groups - puppies (age up to 12 months) and adults (12 months or more), and regarding their sex. By applying an epidemiological survey, some environmental and handling variables, such as management, access to public roads, coexistence with other animals at home and the hygiene of the place where the animals live could also be assessed. Of the 454 dog feces samples examined, 18,5%showed cysts of Giardia, not being identified significant differences between tne dogs with and without owners. In the search of Cryptosporidium the prevalence was of 6,34% of the 410 samples analyzed. The prevalence in dogs with owners was 9,85 % greater than in the street dogs 2,89%. Comparing the age groups , both parasites showed greater occurrence in puppies, 32,65% positive for Giardia and 11,36 % for Cryptosporidium. Regarding sex, there was no significant difference for both parasites. In the analysis of environmental and handling variables it was noted that the coexistece with other animals at home and the access to public roads did not constitute a risk factor for the occurrence of both parasites studied . However, the condition of hygiene of the domicile presented significant association with the occurrence of cysts of Giardia, which was not observed in oocysts occurence of Cryptosporidium. The prevalence of both parasites in asymptomatic dogs coincides with what it is found in the bibliography tha in dogs the pathogenic infection by Giardia and Cryptosporidium is small. Asymptomatic animals can eliminate cysts of Giardia and oocystis of Cryptosporidium in significant amount. In this study, 18,5% and 6,34%, respectively and they can act as a source of infection to the other animals, contaminating the environment which may, in special cases, come to infect human beings (zoonotic transmission).
87

Caracterização das Miíases em animais nas cidades de Brasília (Distrito Federal) e Formosa (Goiás)

Cansi, Edison Rogério 04 February 2011 (has links)
Doutorado (tese)-Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Mestrado em Biologia Animal, 2011. / Submitted by Débora Amorim Romcy Pereira (deboraromcy@bce.unb.br) on 2011-06-27T12:19:58Z No. of bitstreams: 1 2011_EdisonRogerioCansi.pdf: 8946448 bytes, checksum: 0dbcd90eb9e2e37dc0ec12d61f1230e9 (MD5) / Approved for entry into archive by Guilherme Lourenço Machado(gui.admin@gmail.com) on 2011-06-27T14:48:50Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2011_EdisonRogerioCansi.pdf: 8946448 bytes, checksum: 0dbcd90eb9e2e37dc0ec12d61f1230e9 (MD5) / Made available in DSpace on 2011-06-27T14:48:50Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2011_EdisonRogerioCansi.pdf: 8946448 bytes, checksum: 0dbcd90eb9e2e37dc0ec12d61f1230e9 (MD5) / A miíase é uma zoonose caracterizada pela infestação dos vertebrados vivos por larvas de dípteros, que se alimentam do tecido vivo ou morto do seu hospedeiro ou de suas substâncias corporais líquidas. A enfermidade é um problema econômico e de saúde pública para os países da América Latina, porém subestimada pela pesquisas epidemiológicas e faunísticas no Brasil, com ênfase no Centro-Oeste e Norte. O objetivo desta pesquisa é descrever e conhecer as principais características das miíases em animais domésticos e silvestres no Distrito Federal e Formosa (Estado de Goiás), durante o ano de 2008 a 2010, e descrever o imaginário da população rural do município de Formosa em relação às miíases dos animais domésticos, com ênfase aos bovinos e humanos. O trabalho é dividido duas partes: casos clínicos e etnoparasitologia. No intuito de levantamento da casuística são obtidas larvas de miíases dos casos cedidos pelas clínicas, criadouros e zoológico da região com a posterior identificação das larvas e adultos em laboratório. O conhecimento etnoparasitológico foi obtido com entrevistas semi estruturadas durante 2009 a 2010 à 50 produtores rurais de Formosa. As questões abordam sobre as definições da doença e seus agentes etiológicos, o ciclo biológico das espécies de parasitas e os métodos empregados no tratamento segundo as tradições locais, verificando a percepção dos habitantes locais sobre as relações hospedeiro-parasita. Nos achados clínicos, o parasita C. hominivorax foi o que teve maior ocorrência, infestando cães, um gato, mamíferos silvestres e exóticos, aves e bovinos, porém obtiveram-se casos inéditos para região de Lucilia eximia, Musca domestica e Cuterebra apicalis em cães. Em animais ii silvestres verificou-se o ineditismo no parasitismo por Lucilia eximia em um mamífero e uma ave exótica; Philornis angustifrons em seis filhotes de Gnorimopsar chopi; por Sarcophaga sp em Lama glama e 11 casos de miíase obrigatória furuncular nos marsupiais Gracilinanus agilis, e roedores Hylaeamys megacephalus com os parasitas Cuterebra apicalis e Cuterebra sp. As características dos casos de miíases em cães foram: animais com raça, adultos, machos e com residência em casas urbana. A população local apresenta uma relação íntima com as bicheiras, conhecendo muitas das suas etapas do ciclo biológico e apresentando um rico repertório de denominações aos seus agentes etiológicos. Entretanto, o mesmo não foi verificado em relação ao berne, algumas vezes até mesmo o parasitismo era desconhecido. A pesquisa destaca também a influência do sincretismo religioso e conhecimento popular no tratamento e manejo das miíases em animais e humanos. Este trabalho evidencia a biodiversidade parasitária expondo casos inéditos de parasitismo no Centro-Oeste brasileiro, e sua importância como mecanismo de conservação, bem estar animal e conhecimento da diversidade cultural. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT / Myiasis is a zoonotic disease characterized by infestation of live vertebrates by dipterous larvae, which feed on dead or living tissue of its host or its liquid body substances. The disease is an economic problem and public health for the countries of Latin America, meanwhile underestimated by epidemiological research and wildlife in Brazil, with emphasis on the Midwest and North region. The objective of this research is to describe and understand the main features of myiasis in domestic and wild animals in the Distrito Federal and Formosa (State of Goiás), during the years 2008 to 2010, and describe the imaginary of the Formosa rural population in relation to myiasis of domestic animals with emphasis on cattle and humans. The work is divided into two parts: case reports and ethnoparasitology. In order to survey the sample are obtained larvae of myiasis cases disposed of by clinics, breeding and zoo in the region with the subsequent identification of larvae and adults in the laboratory. In clinical parasite. During 2009 to 2010, the ethnoparasitology knowledge was obtained with semi structured questionnaire applied an to 50 native farmers. The questions reports the definitions of the disease and its etiologic agents, the life cycle of the parasite species and the methods used in the treatment according to local traditions, checking the perspective of locals on host-parasite relationships. In the clinical findings, the parasite C. hominivorax was the one with the highest occurrence, infesting dogs, a cat, and exotic mammals, birds and cattle, however we obtained the unprecedented event for the region of Lucilia eximia, Musca domestica and Cuterebra apicalis in dogs. In wild animals there was an unprecedented parasitism by Lucilia eximia in a mammal and an exotic bird; Philornis angustifrons in six iv nestlings Gnorimopsar chopi; by Sarcophaga sp. in Lama glama and 11 cases required myiasis furuncular Gracilinanus agilis in marsupials, and rodents Hylaeamys megacephalus with parasites Cuterebra apicalis and Cuterebra sp. The characteristics of myiasis cases in dogs was: of the animals with breed, male adults and living in urban homes. The local population has an intimate relationship with the BICHEIRA knowing many of his stages of life cycle and providing a rich repertoire of names to their etiological agents. However, it was not checked against BERNE, sometimes even the parasitism was unknown. The research also highlights the influence of religious syncretism and popular knowledge in the treatment and management of myiasis in animals and humans. The research also highlights the influence of religious syncretism and popular knowledge in the treatment and management of myiasis in animals and humans. It is research evidence the parasite biodiversity exposing new cases of parasitism in the Brazil Central region, and its importance as a mechanism for conservation, animal welfare and knowledge of cultural diversity.
88

Bucefalose no cultivo de mexilhões

Medeiros, Sthefanie Caroline January 2013 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, Programa de Pós-Graduação em Aquicultura, Florianópolis, 2013. / Made available in DSpace on 2013-12-06T00:31:10Z (GMT). No. of bitstreams: 1 321863.pdf: 2592552 bytes, checksum: f2c6dc82d081ab3125540a1cca86bd02 (MD5) Previous issue date: 2013 / O Trematoda Digenea Bucephalus margaritae (Ozaki & Ishibashi, 1934) é o causador da bucefalose em mexilhão Perna perna (Linnaeus, 1758). Com o objetivo de contribuir para o entendimento do complexo ciclo de vida desse parasita, que utiliza dois hospedeiros intermediários, avaliou-se a relação de infestação de mexilhões cultivados e peixes. As coletas foram realizadas no cultivo experimental de moluscos marinhos da UFSC, na praia da Ponta do Sambaqui, Florianópolis/SC. Cada corda de mexilhão foi coletada com auxílio de rede, que a envolveu, para que não houvesse a fuga dos peixes junto aos moluscos. Foi quantificado o número de mexilhões e peixes com bucefalose, utilizando-se técnicas macro e microscópicas. Foram coletadas 122 cordas e analisados macroscopicamente 1220 mexilhões, dos quais 32,4% estavam parasitados. Mexilhões com mais de 9 meses de cultivo e acima de 90 mm apresentaram maior prevalência do parasita. Foram obtidos 234 peixes associados às cordas de mexilhão, pertencentes a 4 famílias (Blenniidae, Gobiidae, Monacanthidae e Gobiesocidae) e identificadas 5 espécies. Hypleurochilus fissicornis e Gobiosoma hemigymnum foram os mais abundantes. Omobranchus punctatus e Stephanolepsis hispidus ocorreram em duas amostragens e Gobiesox stromosus em uma. Em 74,7% dos blenídeos e gobídeos havia metacercárias encistadas nas brânquias. Houve relação entre a prevalência de mexilhões e peixes infestados pelo bucefalídeo. Os elevados índices de bucefalose indicam que Hypleurochilus fissicornis e Gobiosoma hemigymnum são os principais hospedeiros intermediários deste trematódeo após abandonar o molusco <br> / The Trematoda Digenea Bucephalus margaritae (Ozaki & Ishibashi, 1934) is the main causer of "orange disease" in mussel Perna perna (Linnaeus, 1758). With the aim of contributing to the knowlodge of the complex life cycle of this parasite, which uses two intermediate hosts, the relationship of infestation in cultived mussels and fishes was evaluated. Samples were collected in a experimental mussel culture station of southern Brazil. Mussels rope were collected manually with the aid of a fishing net to prevent the escape of fishes along the molluscs. The number of mussels and fishes with B. margaritae was quantified, using macroscopic and histological techniques. 122 mussels rope were collected and 1220 mussels were analyzed macroscopically, of which 32.4% were parasitized. Mussels over 9 months of cultivation and above 90 mm had a higher prevalence of the parasite. It colleted a total of 234 fish associated with mussels culture, representing 5 species and 4 families (Blenniidae, Gobiidae, Monacanthidae and Gobiesocidae). Hypleurochilus fissicornis and Gobiosoma hemigymnum were the most abundant. Omobranchus punctatus and Stephanolepsis hispidus occurred in two samples and Gobiesox stromosus in a single sample. In 74.7% of blenniids and gobiids had metacercariae encysted in the gills. The high levels of Bucephalus margarite show that Hypleurochilus fissicornis and Gobiosoma hemigymnum are the main intermediate hosts of this trematode after leaving the mollusc.
89

Investigação clínico-laboratorial e molecular da infecção por Hepatozoon canis em cães da região periurbana de Brasília

Chiareli, Raphaela Almeida 27 November 2009 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, 2009. / Submitted by Luanna Maia (luanna@bce.unb.br) on 2011-06-06T15:11:43Z No. of bitstreams: 1 2009_RaphaelaAlmeidaChiareli.pdf: 3016756 bytes, checksum: 7c339e9d5b6721602b7a1fa80057434a (MD5) / Approved for entry into archive by Luanna Maia(luanna@bce.unb.br) on 2011-06-06T15:12:22Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2009_RaphaelaAlmeidaChiareli.pdf: 3016756 bytes, checksum: 7c339e9d5b6721602b7a1fa80057434a (MD5) / Made available in DSpace on 2011-06-06T15:12:22Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2009_RaphaelaAlmeidaChiareli.pdf: 3016756 bytes, checksum: 7c339e9d5b6721602b7a1fa80057434a (MD5) / A hepatozoonose canina é uma doença transmitida pela ingestão do carrapato causada pelo protozoário do gênero Hepatozoon. Os principais objetivos do estudo foram verificar a ocorrência da infecção por Hepatozoon sp. em região periurbana de Brasília, caracterizar suas principais alterações laboratoriais, identificar a espécie que acomete os cães e verificar a ocorrência de co-infecções, com Ehrlichia sp., Babesia sp. e Leishmania sp.. Entre as 187 amostras de sangue de cães colhidas, 124 foram da Fercal e 63 de um canil no Lago Oeste. No exame clínico os animais se apresentaram assintomáticos. Na capa de leucócitos foram encontradas 13 amostras positivas, nenhuma foi positiva no esfregaço sanguíneo, apresentando menos de 1% de neutrófilos e monócitos infectados. Na PCR foram encontradas 24 (19,4%) amostras positivas na Fercal e 47 (74,6%) no canil do lago Oeste. Após a digestão enzimática e seqüenciamento destas amostras confirmou-se que a espécie em questão é Hepatozoon canis. Os animais positivos apresentaram co-infecções principalmente com Leishmania sp., seguida por Babesia sp. e Ehrlichia sp. As principais alterações laboratoriais observadas nos animais positivos foram basofilia, eosinofilia, trombocitopenia hipoalbuminemia, hiperglobulinemia e diminuição na razão A/G. Os resultados permitem concluir que a ocorrência da infecção por Hepatozoon canis na região periurbana de Brasília foi moderada, ocasionada por uma espécie responsável por baixa parasitemia, bem adaptada ao hospedeiro intermediário, o cão, causando uma doença sub-clínica, ou com sinais pouco evidentes. ________________________________________________________________________________ ABSTRACT / Canine hepatozoonosis is a tick-born disease caused by the protozoa of genus Hepatozoon. The objectives of this study were to verify the occurrence of Hepatozoon sp. infection in a periurban region of Brasilia, characterize the mainly laboratorial alterations, identify the specie which infect the dogs and the occurrence of co-infections with Ehrlichia sp., Babesia sp. e Leishmania sp. A total of 187 blood samples were obtained. From these, 124 were from Fercal and 63 from a kennel in Lago Oeste. On examination the animals had asymptomatic. We found 13 positive samples in buffycoat and none in blood smear, showing fewer than 1% of neutrophils and monocytes parasited. At PCR, 24 (19,4%) positive samples were from Fercal and 47 (74,6%) from Lago Oeste kennel. After enzymatic digestion and sequencing, Hepatozoon canis infection was confirmed. Hepatozoon positive animals had coinfections mainly with Leishmania sp, followed by Babesia sp. and Ehrlichia sp. Mainly laboratorial findings were basophilia, eosinophilia, thrombocythemia, hypoalbuminemia, hyperglobulinemia and reduced ratio A/G. These results suggested that Hepatozoon infection at Brasilia periurban region was moderate, caused by a specie responsible for low parasitemia, adapted to its host, causing a subclinical disease or without apparent clinical signs.
90

Estudo da infecção por Babesia spp. em cães da região periurbana de Brasília, Distrito Federal

Vasconcelos, Marta Freitas 08 February 2010 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, 2010. / Submitted by Luanna Maia (luanna@bce.unb.br) on 2011-06-06T17:07:58Z No. of bitstreams: 1 2010_MartaFreitasVasconcelos.pdf: 1503592 bytes, checksum: 2f9ebb4fe7b8b9748b7abec4faa91f68 (MD5) / Approved for entry into archive by Luanna Maia(luanna@bce.unb.br) on 2011-06-06T17:08:50Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2010_MartaFreitasVasconcelos.pdf: 1503592 bytes, checksum: 2f9ebb4fe7b8b9748b7abec4faa91f68 (MD5) / Made available in DSpace on 2011-06-06T17:08:50Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2010_MartaFreitasVasconcelos.pdf: 1503592 bytes, checksum: 2f9ebb4fe7b8b9748b7abec4faa91f68 (MD5) / A babesiose canina é uma doença endêmica no Brasil, transmitida pelo carrapato Rhipicephalus sanguineus. O presente trabalho teve por objetivos determinar a ocorrência da infecção por Babesia spp., identificar as sub-espécies infectantes, caracterizar as principais alterações hematológicas e bioquímicas, assim como verificar a freqüência de co-infecções com outros hemoparasitas em cães da região periurbana de Brasília (Fercal e Lago Oeste), Distrito Federal. Foram utilizadas 187 amostras sanguíneas de cães sendo 124 pertencentes a região da Fercal e 63 de um abrigo de cães no Lago Oeste. Os animais foram divididos em três grupos: G1 (cães infectados apenas por Babesia spp.), G2 (cães infectados por Babesia spp. e com co-infecções por Hepatozoon sp., Ehrlichia sp. e Leishmania sp.) e G3 (cães negativos para Babesia spp.). A ocorrência observada de infecção por Babesia spp. foi 22,99%. Foram identificadas B. canis vogeli e B. canis Rossi como as duas sub-espécies que acometem cães desta região, sendo que esta última, até o presente momento não haviam relatos no Brasil. As principais alterações hematológicas e bioquímicas nos cães infectados foram: anemia (65,78%), monocitose (89,47%), trombocitopenia (60,52%), hiperproteinemia (68,42%), hipoalbuminemia (60,52%) e diminuição da relação albumina/globulina. O presente estudo permitiu concluir que a babesiose canina é endêmica nas regiões periurbanas de Brasília, duas sub-espécies (B. canis vogeli e B. canis rossi) infectam os cães desta região e a infecção por B. canis rossi está presente na região de Brasília. _____________________________________________________________________________ ABSTRACT / Canine babesiosis is endemic in Brazil, and transmitted by the tick Rhipicephalus sanguineus. This study aims to determine the occurrence of infection by Babesia spp., identify the infective sub-species, characterize the main hematological and biochemical changes, and determine the frequency of co-infections with other hemoparasites in the peri-urban region of Brasília ( Fercal and Lago Oeste), Distrito Federal. We used 187 blood samples from dogs, being 124 from Fercal and 63 from a rescue shelter in Lago Oeste. The animals were divided into three groups: G1 (dogs only infected by Babesia spp.), G2 (dogs infected with Babesia spp. and co-infections with Hepatozoon sp., Ehrlichia sp. and Leishmania sp.) and G3 (dogs negatives for Babesia spp.). The occurrence of Babesia spp. infection was found 22.99%. B. canis vogeli and B. canis rossi were identified as the causative agents of babesiosis in this regions, the latter until now had not been reported in Brazil. We observed the following hematological and biochemical changes in infected dogs anemia (65.78%), monocytosis (89.47%), thrombocytopenia (60.52%), hyperprotein (68.42%), hypoalbumin (60.52%) and decreased albumin / globulin. This study concluded that canine babesiosis is endemic in peri-urban areas of Brasilia, two sub-species (B. canis vogeli e B. canis rossi) infect dogs in this region, and infection with B. canis rossi is present in the region of Brasilia.

Page generated in 0.0652 seconds